Blog do Eliomar

Categorias para Artes

Que tal conferir uma exposição fotográfica sentindo cheiro de mar?

Eis um ótimo programa.

Às 19h3omin desta terça-feira, será aberta a exposição fotográfica “O Vento nos Levará?”, de Luiz Freire.

Vai permanecer no Espaço Cultural Albertu’s Restaurante até o dia 4 de novembro, com visitação sempre de terça a domingo, das 10 às 21 horas, mostrando belezas do litoral fortalezense.

SERVIÇO

Espaço Cultural Albertus Restaurante – Avenida Radialista José Lima Verde, 746 – Barra do Ceará.

“Cores do Cariri” marca trajetória de Padre Cicero

A coletânea do artista plástico e publicitário Eduardo Odécio abriu a exposição “Cores do Cariri”, neste fim de semana, no La Plaza Shopping, no bairro da Lagoa Seca, em Juazeiro do Norte, a 491 quilômetros de Fortaleza.

A exposição marca a trajetória de Padre Cicero, em Juazeiro do Norte, que se estende até os dias atuais por meio de romarias e do turismo religioso. São belíssimas pinturas que retratam a sensibilidade de um publicitário que se fez artista por devoção.

O prefeito Arnon Bezerra (PTB) conferiu a exposição das obras de Eduardo Odécio.

(Foto: Divulgação)

Distrito de Pecém é sede do V Festival Internacional de Artes e Conexões

Começa nesta segunda-feira, no distrito do Pecém, em São Gonçalo do Amarante (RMF), a quinta edição do “Além da Rua – Festival Internacional de Artes e Conexões”. O evento vai se estender até domingo realizando pinturas em murais, oficinas, exposições, peças teatrais, palestras, shows e troca de saberes. O objetivo é oferecer um novo olhar para a arte urbana como condutor potencial de transformação de ambientes e pessoas por meio da criatividade na arte, na economia criativa e nas ações sustentáveis.

As atividades desta segunda-feira terão início a partir das 14 horas, com as embaladas musicais da Residência Musical dos músicos Adriano Azevedo e Miquéias dos Santos, na Associação das Famílias do Pecém (ASFAP),e prossegue até sábado (21).Outra ação, o Reconhecimento dos murais com os artistas começa às 16 horas, com os articuladores Ramon Sales, Tereza Dequinta e Robézio Marqs. Na terça-feira (17),o foco muda. A programação oferece uma palestra sobre fotografia, redes sociais e arte urbana, às 14 horas, e, perto das 19 horas, muita música à beira mar com o Luau na Areia.

Na quarta-feira, os trabalhos artísticos já se iniciam durante todo o dia com as pinturas de velas e barcos. No roteiro da programação consta a oficina de MaquiagemArtística, ministrada por Bruno Lobo, na ASFAP. Outra oficina interessante e bem atual a Fotografia para Celular com a profissional Carol Murray,que permitirá para os participantes o conhecimento fotográfico básico por meio de aparelhos eletrônicos acessíveis. Ainda no período da tarde, a Oficina de Figurinos com Paulo José,continuando no outro dia também. E para finalizar com gosto de quero mais, o festival oferece a apresentação do Coco do Pecém, às 19 horas na praia.

Na quinta-feira, mais pinceladas coloridas. As velas e os barcos pintados ficarão expostos no calçadão da praia. Tem cortejo de grupos locais, além de degustação, apresentação do grupo de alunos da Oficina de Palhaçaria e a performance de Dança do Grupo do Pecém,no Espaço Além da Rua Praia.E na noite, às 21 horas, a pegada musical será por conta do DJ Thiagon convida DJ Julia (Pecém).

Na sexta-feira, tudo começa às 8 horas, com a Exposição das Velas e dos Barcos Pintados no Calçadão Praia do Pecém. Durante todo o dia mais pinturas de muros, além da Oficina Lambe Lambe, ministrada pelo Selo Coletivo, que inicia a partir das 14 horas, no Espaço Além da Rua Praia.Mas a sexta-feira também pede teatro. O Grupo Rei Leal Coletivo Teatral apresentará o Espetáculo Conversa de Lavadeiras, às 19 horas,e logo em seguida entra em cena mais grupos teatrais locais, que encerra à noite, às 21 horas, no Palco na Praça.

Entre sábado e domingo, o festival oferecerá um dia bem especial com teatro e música, a partir das 9 horas, e encerra com programação esportiva na beira da praia.

DETALHE – O Festival Além da Rua 2019 é apresentado pela Associação das Empresas do Complexo Industrial e Portuário do Pecém – AECIPP, acontece por meio da Lei Federal de Incentivo à Cultura, com patrocínio incentivado da EDP e Tecer, patrocínio direto da CSP e Phoenix, e conta com o apoio da Prefeitura de São Gonçalo do Amarante e Ministério da Cidadania.

(Foto – Reprodução do Youtube)

Centenário de Estrigas será lembrado com vasta programação

O centenário de Nilo de Brito Firmeza, o Estrigas, um dos principais nomes das artes cearenses, será celebrado pela Secretaria da Cultura do Ceará e o Minimuseu Firmeza com uma programação especial.

Segundo a assessoria de imprensa da Secult, a programação terá início no dia 19 de setembro e se estenderá até 18 de outubro, ocasião em que a vida e a obra de Estrigas serão lembradas a partir de atividades como debates, exposições e a entrega do Diploma Estrigas destinada a artistas e personalidades de destaque da cultura cearense.

Exposição

Em 19 de setembro de 1919 nascia o pintor, ilustrador, escritor e crítico de arte Nilo de Brito Firmeza, o Estrigas. Cem anos depois, na mesma data, é tempo de celebrar sua vida e obra com uma programação especial, a começar pela Exposição “100 Estrigas”, em cartaz no Mauc e com abertura às 18h30min. Contando com a curadoria de Gilmar de Carvalho, a exposição traz obras do artista e contará com a exibição do documentário “Estrigas”, uma produção Núcleo de Documentários da TV Assembleia do Ceará. A exposição segue em cartaz até dia 18 de outubro com, lançamento do livro “A Grande Arte de Estrigas – Memória Crítica”, de Gilmar de Carvalho.

“Estrigas assumiu vários papéis durante a vida longa que teve: pintou, desenhou, fez aquarelas, poesia, crítica de arte, biografias, e estimulou carreiras de jovens artistas. Defendia o Humanismo, tinha uma profunda consciência do papel social das artes e fugia de qualquer manifestação narcisista, optando pelo coletivo, vendo a História como processo e não se imiscuindo em questões mesquinhas. Pensava grande e nos deixou um legado como artista e como historiador da arte”, destaca o curador da exposição Gilmar de Carvalho.

Diploma Estrigas

Na ocasião de abertura da exposição “100 Estrigas” acontece também a entrega do Diploma Estrigas, uma homenagem da Secult e do Minimuseu ao próprio pintor e a artistas e personalidades da cultura cearense que se dedicam à preservação, à memória e à divulgação da cultura do Estado. São eles: a escritora Ângela Gutiérrez, o colecionador Schubert Machado, a pesquisadora Olga Paiva, o artista Bené Fonteles, o pesquisador Gilmar de Carvalho, o filósofo e professor Auto Filho e o Museu de Arte da Universidade Federal do Ceará – MAUC/UFC.

Minimuseu Firmeza

Para dar continuidade à programação comemorativa do centenário de Estrigas, o Minimuseu Firmeza – equipamento cultura que já foi a casa e ateliê do artista e de sua esposa Nice Firmeza – abre uma nova exposição no dia 20 de setembro do artista e professor de artes visuais Leo Lima, com trabalho produzido por idosos do Lar Francisco de Assis e Lar Torres de Melo. A exposição é resultado de um projeto de oficinas de pinturas, que foi contemplado por meio do XI edital de Incentivo às Artes Visuais da Secult. A mostra terá 96 trabalhos, entre pinturas em telas, como intervenções de pinturas em fotografias. Em cartaz até 20 de outubro, a exposição terá visitações abertas nos horários de funcionamento do espaço.

Já no dia 21 de setembro, às 10 horas, o Sobrado Dr. José Lourenço, equipamento da Secretaria da Cultura do Estado do Ceará (Secult), fará um Café do Zé especial, em homenagem ao centenário de Estrigas. Também na ocasião acontece uma homenagem especial da Escola de Gastronomia Social Ivens Dias Branco, equipamento da Secult, que, por meio de seus alunos e professores, proporcionará um momento de degustação de uma receita da Nice Firmeza. Na programação, também a distribuição de cópias da Hemeroteca doada ao Sobrado Dr. José Lourenço. Estrigas analisou e documentou o cenário artístico cearense, publicando vários livros sobre o assunto ao longo de sua carreira. Parte dessa história também está registrada na hemeroteca que Estrigas doou ao Sobrado Dr. José Lourenço. São recortes de jornais, folders de exposições e catálogos de arte colecionados pelo artista e que datam dos anos 1950 aos 1990.

Iracema das Artes

O Porto Iracema das Artes, por sua vez, promove um ciclo de palestras, entre os dias 26 e 27 de setembro, sempre às 15h. No dia 26/9, a escritora Ângela Gutiérrez aborda o tema “Estrigas e Nice no território mítico do Mondubim e nas Artes do Ceará” e o pesquisador Gilmar de Carvalho fala sobre o “Estrigas Centenário”. No dia 27/9, acontecem as palestras “Estrigas, o crítico de arte”, com o professor Auto Filho; “Minimuseu Firmeza: formação e permanência de um acervo”, com a historiadora Paula Machado; e “O Minimuseu Firmeza como bem cultural”, com a pesquisadora Olga Paiva.

Por sua vez, como uma bela ação de culminância da semana e para relembrar a vida e obra do nosso querido estrigas em seu terreiro, temos o “O Baobá apresenta” – uma programação afetiva e celebrativa que acontece no dia 28 de setembro, de 9h às 13h, também no Minimuseu Firmeza. A atividade conta com rodas de bordado, artes plásticas, visitas guiadas e apresentações artísticas no antigo sítio e ateliê de Nice e Estrigas.

Quem foi Estrigas

Ao longo de sua trajetória de mais de 60 anos, Estrigas (1919-2014) participou ativamente do movimento artístico local e nacional, tendo suas obras alcançado espaço em grandes acervos. Estrigas retratou o mundo das artes plásticas cearense por meio pinturas e estudos sobre o tema, traduzidos em rica bibliografia. Pesquisador e crítico das artes cearenses, escreveu diversos livros, como: “Arte: Aspectos Pré-Históricos no Ceará” (1969); “Fase Renovadora na Arte Cearense” (1983); “A Saga do Pintor Francisco Domingos da Silva” e “Contribuição ao Reconhecimento de Raimundo Cela” (ambos em 1988); “Barrica: o Alquimista da Arte” (1993); “O Salão de Abril” (1943 a 2009); entre outros.

Foi um dos principais articuladores da Sociedade Cearense de Artes Plásticas (SCAP), ao lado de artistas como Mário Baratta e Raimundo Cela. Em 1953, assumiu a presidência da entidade que o formou e ajudou a captar apoio da gestão municipal para a realização do Salão de Abril. Sua relação com esta Mostra era sempre de afeto e delicadezas, participou dela como expositor por diversas vezes e publicou sobre ela o livro “Salão de Abril: História e Personagens”, em 1994, e “O Salão de Abril” (1943 a 2009), sendo também homenageado em sua 30ª edição, em 1980. Entre as décadas de 1950 e 1960, Estrigas chega a criar a Escola de Belas Artes do Ceará, projeto que é interrompido após dois anos de existência.

Nesse período, conhece a pintora cearense Nice Firmeza, com quem se casa. Desde então, o casal passou a realizar diversas exposições coletivas em circuito local e nacional. Os quadros do casal já foram expostos no 10º Salão Paulista de Arte Moderna, em São Paulo, na inauguração do Museu de Arte da Universidade Federal do Ceará (MAUC) e na exposição Centrèe Hospitalier Specialisè, na cidade francesa de Toulon.

Ao casar-se com Nice, em 1961, mudou-se para o sítio da família Firmeza, no Mondubim. O espaço, no qual viveram até morrer, foi transformado em casa-museu em 1969. Chamado inicialmente de FirmezArte e posteriormente batizado de Minimuseu Firmeza, o espaço conta com obras de autoria de Estrigas e Nice, além de obras dos principais artistas plásticos cearenses, como Raimundo Cela, Mário Baratta, Aldemir Martins, entre outros.

Estrigas morreu aos 95 anos de idade, em 2 de outubro de 2014.

DETALHE – A programação conta com o apoio da Universidade Federal do Ceará, por meio do Museu de Arte da UFC (Mauc), da Secultfor, do Sobrado Dr. José Lourenço, Museu do Ceará, Porto Iracema das Artes, Escola de Gastronomia Social Ivens Dias Branco, Galeria Multiarte, do Instituto de Estudos e Pesquisas sobre o Desenvolvimento do Estado do Ceará (INESP) e da TV Assembleia.

(Foto – Divulgação)

VIII Edital das Artes de Fortaleza com inscrições até o próximo dia 9

Prosseguem, até a próxima segunda-feira, 9, as inscrições para o VIII Edital das Artes – 2019. Realizado pela Secretaria Municipal da Cultura de Fortaleza (Secultfor), o edital prevê, ao todo, um investimento de R$ 4,1 milhões em fomento às artes da capital cearense.

Do montante total de investimento, R$ 3.852.500,00 milhões destinam-se aos artistas selecionados no VIII Edital das Artes, enquanto o restante é destinado aos pareceristas (R$ 120 mil), responsáveis pela análise e seleção dos projetos inscritos no certame, e para o Programa de Formação de Agentes Culturais de Fortaleza (R$ 127,5 mil), direcionado aos artistas contemplados no Edital das Artes e ao público em geral.

O valor do VIII Edital das Artes será distribuído entre 13 linguagens: Artes Visuais, Moda, Fotografia, Audiovisual, Literatura, Música, Teatro, Dança, Circo, Cultura Tradicional Popular, Humor, Mídia Digital e Artesanato.

Procedimento

Os interessados, segundo a assessoria de imprensa da Secultfor, deverão fazer o cadastro das propostas no Mapa Cultural de Fortaleza. Após concluída e enviada, a proposta deverá ser impressa e assinada pelo proponente e, em seguida, ser entregue junto aos documentos exigidos no Edital, em envelope lacrado, na Central de Licitações da Prefeitura de Fortaleza (CLFOR), situada na Rua do Rosário, 77 – Centro.

O proponente deve acompanhar a tramitação do Edital no canal e-compras, no qual são divulgadas todas as etapas e as notificações sobre o certame.

Após o período de inscrições e divulgação do resultado, os projetos deverão ser realizados em até 12 meses, contados a partir do recebimento do recurso financeiro.

SERVIÇO

*Durante o período de inscrições, a Secultfor disponibiliza atendimento aos proponentes, para mais informações, pelo telefone (85) 3105.1403 ou pelo e-mail viiieditaldasartesfortaleza@gmail.com. A abertura dos envelopes ocorrerá em sessão pública, no dia 11 de setembro, na sede da CLFOR.

Fortaleza e Pecém terão edição do Circuito Além da Rua

Pinturas em velas, fachadas e muros, seminários, oficinas, intervenções, exposição, shows e tertúlia fazem parte da programação do Circuito Além da Rua 2019. O evento ocorrerá de 12 a 15 de setembro em Fortaleza e de 16 a 22 também de setembro no Pecém, distrito de São Gonçalo do Amarante (RMF).

O Além da Rua é o condutor de mudanças nos ambientes de convivência, e chega também com a proposta de fortalecer as relações afetivas com as pessoas e comunidades. Antes da abertura oficial do festival, a produção fez um calendário de visitas nas comunidades do Poço da Draga, Praia de Iracema, Serviluz e Pecém, no intuito de conhecer, fotografar, conversar e ouvir as sugestões dos moradores e frequentadores das áreas com relação ao projeto cultural.

Curadoria

A curadoria tem a chancela do Instagrafite – plataforma independente focada em arte urbana contemporânea –, de Marina Bortoluzzi e Marcelo Pimentel, que tem na linha do tempo participação em grandes festivais, feiras e eventos de arte de rua do mundo. Hoje são influenciadores na área e palestrantes sobre o assunto.

(Foto – Divulgação)

Museu de Arte da UFC apresenta duas novas exposições neste mês de agosto

O Museu de Arte da Universidade Federal do Ceará (MAUC) inicia este mês de agosto com duas novas exposições. Neste sábado (3), às 9 horas, entra em cartaz a mostra “Panorâmica gráfica: 25 anos de atividade”, dos artistas Gerson Ipirajá e Silvano Tomaz; e no próximo dia 5, às 14 horas, será a vez da exposição “Célebres cordéis: oralidade e poesia”. A informação é da assessoria de imprensa da UFC, adiantando que essas exposições ficarão em cartaz até 6 de setembro.

Panorâmica gráfica: 25 anos de atividade reúne produções dos artistas Gerson Ipirajá e Silvano Tomaz feitas no ateliê de gravura da Escola de Artes e Ofícios Thomaz Pompeu Sobrinho (EAOTPS), onde realizam estudos e cursos voltados às diferentes linguagens de gravura: xilogravura, linóleo, em metal, litografia, entre outras experimentações.

Trazem ainda forte influência da experiência adquirida na residência artística que realizaram no Laboratório Oficina Guaianases de Litografia da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE). Em seus trabalhos, Ipirajá e Silvano mostram o processo de um ateliê de gravura coletivo, no qual os artistas constroem suas obras com os elementos estéticos e conceituais inerentes à singularidade de cada um, mas também permitindo-se influenciar pelo universo do outro.

Os Artistas

Silvano Tomaz é um artista que passeia por diversas técnicas, como pintura, escultura, aquarela, gravura e fotografia. Em seus trabalhos, utiliza materiais como palha, cinza, argila, papelão, zinco, madeira, chumbo e pigmentos. Desde a década de 1990, quando iniciou sua carreira artística na cidade de Fortaleza, Silvano participou de exposições e bienais na Espanha, Portugal, Polônia, Argentina, Uruguai, Romênia, Macedônia, entre outros países. Bacharel em Artes Visuais, atualmente Silvano é professor de artes e educação nas escolas municipais e estaduais do Ceará.

Gerson Ipirajá é um artista cearense com forte inspiração em elementos ancestrais como a pintura corporal indígena e os símbolos africanos, mesclada ainda com seu interesse pelos desenhos duros dos ferros de marcar boi a fogo e os ícones celtas. As gravuras que estão na Panorâmica gráfica: 25 anos de atividade já figuraram em exposições bienais e trienais, em que o artista representou o Brasil na Espanha, Portugal, Japão, Polônia, Argentina, México, Uruguai, Romênia, Macedônia e outros.

Cordel

A exposição Célebres cordéis: oralidade e poesia se traduz numa celebração do folclore brasileiro. Reúne cordéis, matrizes e xilogravuras que fazem parte do acervo do MAUC e datam do fim dos anos 1950 e início dos anos 1960. As obras foram adquiridas pelo então reitor Antônio Martins Filho, fundador do Museu de Arte da UFC.

Organizada pela Biblioteca Floriano Teixeira e pelo Arquivo Institucional, ambos setores ligados ao MAUC, a exposição é resultado de parceria com a biblioteca do Curso de Arquitetura e Urbanismo. Com a exposição, o MAUC busca promover a arte e a cultura, em especial a literatura de cordel e a xilogravura, e abrir seu rico acervo para o conhecimento não somente da comunidade universitária, mas também da sociedade em geral.

SERVIÇO

*MAUC – Avenida da Universidade, 2854, Benfica.

*Funciona de segunda a sexta-feira, das 8 às 12 horas e das 13 às 17 horas. A entrada é gratuita.

*Mais Informações – (85) 3366 7481 e 3366 7480.

(Foto – UFC)

Del Paseo promove a partir de hoje oficina infantil gratuita de pintura em tela

O Shopping Del Paseo promove, a partir desta quinta-feira (11), uma oficina infantil de pintura em tela. A promoção segue até o domingo (14), no período da tarde e início da noite.

A atividade de férias é gratuita e aberta para crianças de todas as idades. A oficina de pintura do Del Paseo acontece também no próximo final de semana (de quinta a domingo), das 15 às 19 horas, no Piso L1 do shopping.

SERVIÇO

*Entrada: Gratuita

(Foto – Arquivo)

Escola de Artes e Oficiais inscreve artesãos para a VII Feira do Fuxico

A Escola de Artes e Ofícios Thomaz Pompeu Sobrinho inscreve, até amanhã, 4, artesãos interessados em participar da VII Feira do Fuxico. O evento, com produtos criativos, ocorrerá no dia 12 deste mês, na sede da escola. O objetivo de proporcionar espaços para divulgação e comercialização das produções artesanais dos alunos do equipamento, em sua maioria jovens estudantes de escola pública e de artesãos locais.

Os interessados em expor seus produtos na feira podem se inscrever gratuitamente, no horário das 8h30min às 11h30min e das 14 às 16h30min. É necessário apresentar documento de identificação e uma amostra dos produtos a serem comercializados. Haverá um processo seletivo dos inscritos. Toda a estrutura necessária para os artesãos selecionados exporem e comercializarem seus produtos será disponibilizada.

Documentação

Todos os candidatos deverão apresentar no ato da inscrição:

a) Formulário Padrão de Inscrição (disponibilizado no ato da inscrição);
b) Cópia legível, frente e verso, de um documento de identificação (Carteira de Identidade, Carteira de Trabalho ou Carteira de Habilitação);
c) Amostras dos produtos que comercializa.

SERVIÇO

*No site da Escola (www.eao.org.br) está disponível o edital com todos os detalhes para inscrição no Fuxico.

*Escola de Artes e Ofícios Thomaz Pompeu Sobrinho – Avenida Francisco Sá, 1801, bairro Jacarecanga)

*Mais Informações – (85) 3238.1244.

(Foto – Divulgação)

Artista plástico José Guedes abre exposição “Fênix”

O artista plástico José Guedes, nome que dispensa comentários, abrirá exposição na sexta-feira (29), às 19h30min, em sua galeria Casa D’Alva (Rua João Brígido, 934 – Joaquim Távora).

O nome é “Fênix”, reunindo 36 trabalhos, numa mistura entre a fotografia e a escultura. “As imagens são de obras de arte já consagradas, que são fotografas, amassadas e reconstruídas no alumínio”, explica Zé Guedes.

(Foto – Divulgação)

Salão de Abril 2019 – A vez do Espaço Cegás

O Salão de Abril, em sua 70ª edição, prossegue com programação em diversos espaços culturais de Fortaleza.

Nesta quinta-feira (16), chegará ao Espaço Cegás de Cultura, a partir das 15h30min, onde nove artistas contemplados pela curadoria da mostra irão expor instalações, gravura, fotografia e videoarte.

Haverá na ocasião a palestra de Celina Hissa, designer e criadora da marca de bolsas artesanais Catarina Mina, dentro da programação formativa do salão. Nesse espaço, a mostra ficará aberta à visitação do público até 30 de junho, de segunda a sexta-feira, das 13 às 17 horas.

O Salão de Abril é realizado pela Prefeitura de Fortaleza, por meio da Secretaria Municipal da Cultura de Fortaleza (Secultfor) e do Instituto Cultural Iracema (ICI).

As obras

No Espaço Cegás de Cultura, ficarão expostas as obras “Meninos e revólveres” (Gravura), de Gustavo Diógenes; “Microscopia para Hamilton Monteiro” (Instalação), de Isabella Monteiro; “Brazil ou Síndrome do pequeno poder” (Instalação), de Johta; “Do Lugar Onde Falamos” (Instalação), de Júlio Lira; “Tem que sair” (Fotografia), de Júnior Pimenta; “Genealogia” (Videoarte), de Rogê; “Pinturas para a Guerra” (Instalação), de Terroristas del Amor; “Arquipélago” (Instalação), de Thadeu Dias; e “Concerto Intermitente” (Instalação), de Waléria Américo.

SERVIÇO

Confira a programação completa aqui.

Confira a relação dos artistas contemplados aqui.

*Espaço Cegás de Cultura – Avenida Washington Soares, 6475, José de Alencar  – (85) 3266-6900.

(Foto – Divulgação)

Se for a São Paulo, confira a mostra Tarsila do Amaral

Mesmo influenciada pela estética europeia, a modernista Tarsila do Amaral retratou temas e narrativas da cultura e religiosidade popular brasileira. Em seus desenhos e pinturas, a artista trouxe cenas do carnaval, das favelas, feiras e lendas indígenas. É essa produção que a mostra Tarsila Popular, que será aberta nesta sexta-feira (5) no Museu de Arte de São Paulo (Masp), pretende abordar.

A exposição reúne cerca de 120 trabalhos desde o início da carreira da pintora, na década de 1920, até obras da segunda metade do século 20. Marco do conceito antropofágico do modernismo brasileiro, o quadro Abaporu também faz parte da mostra. O nome indígena da pintura, finalizada em 1928, significa “homem que come carne humana”. A obra inspirou o Manifesto Antropófago de Oswald de Andrade, que trouxe a proposta de absorver a cultura europeia a partir de um ponto de vista nacional, transformando-a em uma estética tipicamente brasileira.

Tarsila estudou técnicas acadêmicas tradicionais na Europa. Ao voltar ao Brasil, em 1922, aderiu às ideias vanguardistas que, como ela, chegavam ao país. Nesse momento, conheceu fundadores do modernismo brasileiro, além de Oswald, com quem se casaria em 1926, se aproximou do escritor Mário de Andrade, da pintora Anita Malfatti e do poeta e pintor Menotti del Picchia. Eles formaram o chamado Grupo dos Cinco, que tomou a frente da defesa das ideias vanguardistas no Brasil.

A partir do conceito de antropofagia, Tarsila produziu obras como Urutu (1928) e Antropofagia (1929). Ambas, com temas fortemente ligados a uma ideia de brasilidade e sob influência estética das vanguardas europeias, podem ser vistas na mostra.

Na década de 1930, a artista começou uma produção com temais mais sociais, com obras como Segunda Classe, que mostra uma família descalça em uma estação de trem, e Operários, onde uma multidão de rostos se amontoa ao lado de chaminés de fábrica. Essas pinturas se relacionam com o momento da vida da artista, com a falência da família com a crise de 1929, seguida por uma viagem à União Soviética.

A exposição vai até o dia 23 de junho, no Masp, que fica na Avenida Paulista, região central da capital. Às terças-feiras, a entrada é gratuita, com o museu funcionando das 10h às 20h. De quarta a domingo, o horário de funcionamento é das 10h às 18h.

(Agência Brasil)

70º Salão de Abril – Inscrições já estão abertas até 11 de abril

A Secretaria Municipal da Cultura de Fortaleza inscreve, até 11 de abril próximo, para o 70º Salão de Abril. Artistas interessados em participar do processo seletivo devem acessar o site oficial da mostra. Serão escolhidos 30 projetos com temática livre, que integrarão a programação do evento, informa a assessoria de imprensa da Secultfor.

A inscrição é gratuita e destinada a artistas visuais locais, com formação diversa, que sejam residentes no estado do Ceará, devendo ter mais de 18 anos ou ser emancipado. O processo seletivo ocorrerá exclusivamente na modalidade online, por meio do site oficial.

Proponentes poderão inscrever até três obras, individualmente ou como representante de obra coletiva nas categorias de performance ou de artes visuais (pintura, escultura, instalação e videoarte). Somente serão aceitas inscrições de obras produzidas a partir de 2018 e que não tenham sido expostas no Salão de Abril.

A avaliação dos projetos inscritos ocorrerá em duas etapas, na primeira serão selecionadas até o triplo de vagas da exposição e na segunda etapa até 30 obras. A equipe curatorial da mostra é formada pelos profissionais Jacqueline Medeiros, Solon Ribeiro e Herbert Rolim. O resultado será divulgado no site do Salão de Abril e no canal da Cultura.

Estrigas Firmeza

Nesta edição, o 70º Salão de Abril  homenageará os artistas Estrigas e Nice Firmeza. Neste ano, Estrigas Firmeza comemoraria 100 anos de idade. O evento, com o tema “À Sombra do Baobá”, contará com 30 obras classificadas que serão espalhadas em diversos locais significativos da cidade, enquanto ocorrerão seminários, palestras e leitura de portfólios nesses espaços.

Fortaleza será sede da Feira de Artesanato e Cultura do Brasil

1817 2

Seu Espedito Seleiro é um dos convidados especiais do evento.

Fortaleza receberá, no período de 29 deste mês até 7 de abril, no Centro de Eventos, a maior Feira de Artesanato e Cultura do Brasil (Fenacce). Será a primeira e atrairá para a capital cearense a arte produzida por artesãos de 25 estados brasileiros, além de 12 países.

“A expectativa de público durante o evento é de cerca de 50 mil pessoas, mas já estamos confiantes que, os cearenses, que tem o artesanato tão enraizado na cultura, e são tão calorosos e receptivos, eles vão abraçar o evento e que poderemos chegar até 100 mil visitantes em 10 dias”, afirma a coordenadora da Fenacce, Stella Pavan.

Alinhar artesanato, inovação e sustentabilidade será um dos pilares da feira. Os visitantes poderão conhecer de perto, por exemplo, como é possível transformar produtos recicláveis em peças artesanais, ajudando assim a reduzir o impacto ambiental.

A feira contará com cerca de 130 estandes com até 300 expositores. Além disso, a programação terá uma ala voltada toda para o compartilhamento de experiências através de palestras de artesãos renomados no mercado e oficinas, onde será possível aprender a fazer diversos trabalhos manuais. Para participar, basta que o visitante se inscreva antes de cada oficina.

Espedito Seleiro

Considerado um dos grandes nomes do artesanato mundial, o cearense nascido no município de Arneiroz terá participação na Fenacce. Com 80 anos a serem completados neste ano, o Mestre da Cultura, reconhecido pelo Governo do Estado e pelo Ministério da Cultura foi recentemente homenageado pela escola de Samba União da Ilha, do Rio de Janeiro.

O artesão será um dos expositores e ainda estará presente na feira.

SERVIÇO

*Horário- Das 16 às 22 horas (segunda a sexta-feira)

*Nos finais de semana das 14 às 22 horas

*Entrada: R$ 10 (inteira) e R$ 5 (estudantes)

(Foto – Divulgação)