Blog do Eliomar

Categorias para Bancos

Correntista do Banco do Brasil poderá fzre consultas por WhatsApp e Twitter

A partir da próxima semana, os clientes do Banco do Brasil poderão fazer consultas por meio das redes sociais Whatsapp e Twitter, sem a necessidade de entrar no aplicativo da instituição financeira no smartphone. O banco também ampliou as transações financeiras que podem ser realizadas por meio da função Messenger do Facebook, que já estão disponíveis para quem usa a rede social.

Todas as operações serão realizadas por meio de inteligência artificial. De acordo com o banco, a solução é pioneira no Brasil e totalmente segura porque as informações são criptografadas de ponta a ponta. Os clientes também poderão pedir atendimento humano para tirar dúvidas, caso necessário.

No Whatsapp, estarão disponíveis inicialmente oito transações: consultas a saldos e extratos de conta corrente e poupança, saldo de Certificado de Depósito Bancário (CDB), extrato de fundos de investimento, rastreio e fatura de cartão. Basta o cliente adicionar o número 4004-0001 em seu celular e iniciar uma conversa pelo aplicativo de bate-papo, que enviará um código de ativação e pedirá a senha de oito dígitos (a mesma usada para acessar a página do banco na internet).

No Twitter, o correntista poderá fazer consultas de saldo e extrato, além de tirar dúvidas e requerer atendimento no serviço de atendimento ao cliente (SAC). Basta enviar uma mensagem privada para o perfil da instituição financeira (@bancodobrasil).

Ampliação

Depois de três meses de teste com cerca de mil clientes, o Banco do Brasil ampliou as transações disponíveis pela função Messenger (comunicador privado) do Facebook. O correntista pode realizar as seguintes transações: consulta de extrato de conta corrente, checagem da fatura do cartão de crédito, rastreio de cartão, poupança, CDB e fundos de investimento.

Em agosto do ano passado, o banco usou a inteligência artificial, que responde em linguagem natural e aprende continuamente com as interações, para tirar dúvidas na função Messenger do Facebook. A plataforma registrou mais de 500 mil interações e cerca de 60 mil clientes respondidos. De acordo com o BB, 30% dos atendimentos foram feitos por seres humanos.

(Agência Brasil)

Prefeitura assina nesta segunda-feira contrato para requalificação da Beira Mar

Com investimento de mais de R$ 250 milhões, o prefeito Roberto Cláudio (PDT) assinará, em Brasília, nesta segunda-feira (4), o contrato com o Banco de Desenvolvimento da América Latina (CAF) para a requalificação da Beira Mar e do Pólo da Varjota.

Em entrevista ao Blog, o prefeito deu detalhes sobre o contrato, adiantando que, ainda neste mês, concorrência para as obras deve ser lançada.

DETALHE – RC embarcou nesta madrugada na rota da Capital Federal. Com ele, seu assessor de imprensa, o jornalista Moacir Maia.

 

Correntistas devem se informar antes de optar por contas digitais

As contas de pagamento, mais conhecidas como contas digitais, estão atraindo cada vez mais clientes que querem fugir do relacionamento tradicional com um banco e resolver tudo pela internet. Mas, para escolher corretamente entre a praticidade dessas contas e as tradicionais contas-correntes, é preciso conhecer a diferença entre elas.

“A informação do que é conta bancária e do que é uma conta de pagamento tem que ficar mais clara para os usuários. Tem uma confusão nisso. Quando tem uma instituição de pagamento com o mesmo nome de um banco, fica difícil a escolha. O consumidor vai entender como uma coisa só”, disse o especialista em regulação do sistema financeiro e conselheiro da Associação Brasileira de Fintechs (ABFintechs), José Luiz Rodrigues, referindo-se ao Banco Neon, liquidado extrajudicialmente, e a Neon Pagamentos, responsável por contas de pagamento.

Em maio, o BC decretou a liquidação do Banco Neon e esclareceu que as irregularidades encontradas na instituição financeira não estavam relacionadas com a abertura e movimentação de conta digital ou com a emissão de cartões pré-pagos, objeto de acordo operacional com a empresa Neon Pagamentos. Entretanto, como a fintech (empresa de inovação tecnológica no setor financeiro) precisa de uma parceria com um banco para operar, os serviços das contas de pagamento foram afetados. Depois de três dias, a Neon anunciou parceria com o banco Votorantim para conseguir voltar a oferecer os serviços.

As contas digitais, que podem ser abertas pela internet, podem ser oferecidas tanto por bancos como por instituições de pagamento, empresas que têm a inovação tecnológica como diferencial e oferecem serviços de movimentação de recursos.

No caso das contas abertas pelos bancos, tanto por meio digital ou presencialmente, são oferecidos os serviços de pagamentos, limites de cheque especial e operações de crédito. Essas contas seguem a regulamentação do Banco Central e têm cobertura do Fundo Garantidor de Crédito (FGC). O fundo permite a recuperação dos depósitos ou dos créditos de até R$ 250 mil por correntista em caso de falência, insolvência ou liquidação extrajudicial.

Já por meio das contas de pagamentos é possível movimentar dinheiro, pagar contas e comprar com o cartão, de forma prática, usando um aplicativo no celular. Nessas contas, o saldo não pode ultrapassar o limite de R$ 5 mil, de acordo com regras do Banco Central (BC). A movimentação é feita em uma única plataforma e não há taxas de manutenção.

Nem toda conta de pagamento é oferecida por instituições reguladas pelo Banco Central. Na verdade, a maioria não é regulada: 112 instituições de pagamentos. Atualmente, apenas sete instituições de pagamento são reguladas pelo BC: Brasil Pré-Pagos; Cielo, GetNet; Nubank; Redecard; Stone; e Super Pagamentos. Essas empresas podem oferecer cartões pré-pagos, cartões de crédito, cartões de vale-refeição e credenciar lojistas para aceitarem meios de pagamento eletrônico. Quando as empresas não são reguladas pelo BC, é preciso fazer parceria com um banco para oferecer os serviços.

Para serem reguladas, as empresas precisam movimentar a partir de R$ 500 milhões por ano e passar por um processo de autorização do BC. As regras impostas a essas instituições reguladas são mais rigorosas que as dos bancos. As instituições de pagamento têm que depositar o dinheiro dos clientes em uma conta do BC ou aplicar em títulos do Tesouro Nacional.

O prazo para cumprir 100% dessa alocação dos recursos é 1º de janeiro de 2019. Assim o dinheiro dos clientes fica separado dos recursos da empresa e não podem ser usados, por exemplo, para pagar dívidas da instituição de pagamento. Os bancos, por sua vez, são obrigados a fazer depósito compulsório, ou seja, 25% dos recursos à vista são depositados no BC.

(Agência Brasil)

Novas medidas – Juros do cartão de crédito ainda são exorbitantes

175 1

Em artigo sobre os juros do cartão de crédito, o consultor financeiro Fabiano Mapurunga, Mestre em Gestão Empresarial, MBA em Gestão de Negócios e MBA em Gestão Financeira e Controladoria, aponta que os bancos cada vez mais estão verticalizando suas estruturas e dominando as administradoras de cartões, diante de um produto rentável. Confira:

A nota de hoje trata sobre “a menina dos olhos dos bancos”: o cartão de crédito. Esse produto tem sido, em disparado, o produto mais rentável para essas instituições financeiras, e por isso vemos que cada vez mais, as mesmas estão verticalizando suas estruturas e trazendo para si as operadoras de cartões. Os clientes que pagam suas faturas sempre em dia, não são muito rentáveis para os bancos, pois esses não representam muito em sua margem de contribuição de rentabilidade. Passam a se tornarem realmente interessantes, quando pagam apenas o mínimo ou quando parcelam a fatura, porque aí sim eles estarão entrando na ciranda de juros criada para dar sustentação a operação. Afinal nenhum banco se sustenta sem empréstimos.

Esta introdução, serve para alertar a todos, que a medida que foi tomada no dia 01 de junho de 2018, sobre unificar as taxas cobradas aos clientes inadimplentes no rotativo do cartão de crédito, com a dos consumidores regulares, não deixa menos perigoso para o cliente em caso ele extrapole no seu uso, e acabe tendo que parcelar seu cartão. Em abril deste, uma resolução do Conselho Monetário Nacional (CMN), procurou limitar os juros para essa modalidade, tendo como base uma decisão do Superior Tribunal de Justiça (STJ). Porém estamos falando de uma taxa que em abril, no rotativo não regular era de 396,9% ao ano e a do regular era de 238,7% ao ano, segundo dados do Banco Central. Qualquer um que entre nesta ciranda de juros impagáveis terá problemas críticos mesmo com essa nova resolução.

Segundo estudos do SPC Brasil e CNDL, 56% dos inadimplentes no cartão de crédito não pagaram a dívida mesmo após serem notificados. O CDL Fortaleza aponta que 57% dos usuários de cartão de crédito não fazem controle efetivo dos seus gastos e que as atitudes mais comuns, são consultar a fatura pela internet antes do fechamento (28%), ler a fatura quando ela já está fechada (15%) e fazer o controle de cabeça (13%). São dados que revelam um universo de pessoas que serão possíveis vítimas dos juros excruciantes e que alimentarão cada vez mais os magníficos resultados financeiros dos bancos.

Gostaria de expor que, o cartão de crédito para o período de até 30 dias, cobra pelo regime de juros simples. Passados os 30 dias, ele entra para o regime de juros compostos, ou seja, juros sobre juros. Isso pelo fato de que, para um período igual ou inferior a 30 dias, os juros simples são maiores do que os compostos. Não há ponto sem nó para as instituições financeiras.

Por isso procurem ter seu controle orçamentário familiar sempre à mão. Evite parcelar compras de bens de consumo contínuo, como: combustíveis, alimentação, etc. Antes de se comprometer com um parcelamento no cartão, calcule para verificar se o valor da parcela estará dentro do seu orçamento. Afinal a fatura vai chegar mais cedo ou mais tarde, e você terá que pagar. Evite cair no conto do vendedor que diz: “não tem problema, pode comprar, porque aqui agente parcela”. Veja qual é a data que fecha a fatura do seu cartão, e procure comprar apenas naquele intervalo, porque aí você realmente terá 30 dias de prazo até a próxima fatura. Procurem colocar o seu cartão de crédito na bolsa, apenas quando forem realmente fazer uma compra planejada, do contrário deixem em casa para evitar as tentações da compra fácil.

Fabiano Mapurunga

CEO da Go Partners Consultoria em Finanças e Negócios. Mestre em Gestão Empresarial. MBA em Gestão de Negócios. MBA em Gestão Financeira e Controladoria

Nova plataforma de boletos bancários registra problemas

O cronograma de implementação da nova plataforma de cobrança de boletos bancários está chegando ao fim, mas clientes reclamam de não conseguirem fazer os pagamentos. A partir de hoje (26), os boletos com valor igual ou superior a R$ 400 precisam estar registrados na nova plataforma para serem quitados.

A nova plataforma de cobrança da Federação Brasileira de Bancos (Febraban) começou a entrar em vigor em julho de 2017. As mudanças estão sendo feitas de forma escalonada, tendo sido iniciada com boletos a partir de R$ 50 mil. A partir de 21 de julho, serão incluídos os boletos com valores a partir de R$ 0,01. Pela expectativa da Febraban, em 22 de setembro o processo será concluído, com a inclusão dos boletos de cartão de crédito e de doações, entre outros.

A ferramenta permite a identificação do Cadastro de Pessoa Física (CPF) ou do Cadastro Nacional de Pessoa Jurídica (CNPJ) do pagador, facilitando o rastreamento dos pagamentos e permitindo o pagamento de boletos, mesmo vencidos. O próprio sistema verifica as informações em cada transação. Se os dados do boleto coincidirem com os da plataforma, a operação é validada.

O sistema, no entanto, tem registrado “intermitências em seu funcionamento”, como a própria Febraban reconhece. Proprietário de uma empresa de administração de condomínios, Nicson Vangel emite cerca de 30 mil boletos por mês. Segundo ele, cerca de 1 mil condôminos reclamam de não conseguirem pagar os boletos registrados na nova plataforma, que se tornou obrigatória para o setor por causa da introdução do limite de R$ 400.

Vangel reuniu-se com bancos, em Brasília, onde fica a sua empresa, mas ainda não conseguiu uma solução definitiva para o problema. “Os bancos ainda não estão preparados para isso. Às vezes, o pagador consegue pagar na boca do caixa, depois de tentar outro canal, como caixa eletrônico ou pela internet”, relatou. O empresário está resolvendo as reclamações caso a caso.

Em nota, a Febraban informa que a nova plataforma “vem registrando intermitências em seu funcionamento, que estão sendo solucionadas pela rede bancária”. Segundo a entidade, o novo sistema registra 3,3 bilhões de transações, com a inclusão de 1,2 bilhão de boletos de pagamentos em sua base.

(Agência Brasil)

Fundo inicia nesta sexta-feira pagamento a clientes do Banco Neon

O Fundo Garantidor de Crédito (FGC) inicia amanhã (18) o pagamento a clientes do Banco Neon, afetados pela liquidação extrajudicial da instituição financeira. A garantia do fundo é de até R$ 250 mil. O pagamento ocorrerá até o dia 17 de setembro de 2018.

“Após esse período, os credores remanescentes deverão solicitar o pagamento diretamente ao Banco Neon”, diz comunicado do FGC, publicado na internet.

No último dia 4, o Banco Central (BC) decretou a liquidação extrajudicial do Banco Neon. “A supervisão do Banco Central do Brasil constatou o comprometimento da situação econômico-financeira, bem como a existência de graves violações às normas legais e regulamentares que disciplinam a atividade da instituição”, diz o BC, em nota.

Segundo o BC, o Banco Neon, instituição financeira de pequeno porte, detinha 0,0038% dos ativos do sistema bancário e estava autorizado a operar como banco comercial. Possuia apenas uma agência, localizada em Belo Horizonte.

Na época, o BC informou que a liquidação do banco não estava relacionada com a Neon Pagamentos, empresa de inovação no setor financeiro (fintech), que operava em parceria com o Banco Neon.

O Banco Central esclareceu que as irregularidades encontradas no Banco Neon não estavam relacionadas com a abertura e movimentação de conta digital ou com a emissão de cartões pré-pagos, objeto de acordo operacional com a empresa Neon Pagamentos. Após a liquidação extrajudicial, a Neon Pagamentos fez uma parceira com o Banco Votoratim para continuar oferecendo os serviços.

No comunicado, o FGC informa que os clientes da Neon Pagamentos com investimentos no produto Objetivos, correspondente à aplicação em Certificados de Depósito Bancário (CDBs) do Banco Neon, deverão acessar o aplicativo da fintech a partir de amanhã e seguir as instruções para que seja efetuado o pagamento da garantia. As informações no aplicativo estarão disponíveis até o dia 18 de junho deste ano.

Para os demais clientes do Banco Neon, o pagamento da garantia será feito por intermédio das agências do banco Bradesco. A lista de agências está disponível no site do FGC. “O pagamento será efetivado no município constante no cadastro do credor, existente na instituição em liquidação. Na hipótese de o município não ter agência Bradesco, o pagamento será efetivado na agência do município mais próximo”, informou o FGC.

Para receber o dinheiro nas agências bancárias, os titulares dos créditos deverão apresentar documento de identidade (RG, CPF ou CNH) e cópia autenticada. O beneficiário da garantia poderá ainda designar procurador com poderes específicos para receber o pagamento da garantia pelo FGC. Para tanto, o procurador deverá apresentar e entregar instrumento público ou particular com firma reconhecida do outorgante, via original e cópia autenticada de documento de identidade do outorgante credor, e via original e cópia autenticada de documento de identidade do procurador.

No caso de empresas, o representante legal deverá comparecer a uma das agências bancárias e apresentar vias originais e cópias autenticadas dos documentos da pessoa jurídica, o documento comprobatório dos poderes de representação, e o documento de identidade do representante legal.

Caso o valor a receber exceda o montante de R$ 2 mil e o credor deseje receber a quantia em espécie, deverá fazer reserva do valor na agência pagadora com antecedência mínima de 48 horas. “Não será cobrado do credor qualquer tarifa decorrente da operação de pagamento”, destacou o FGC.

Criado em 1995, o FGC é uma entidade privada que funciona como mecanismo de proteção aos correntistas, poupadores e investidores. O fundo permite a recuperação dos depósitos ou dos créditos de até R$ 250 mil por correntista em caso de falência, insolvência ou liquidação extrajudicial.

Também alertou que não autoriza ou credencia nenhum tipo de instituição ou empresa para intermediar qualquer tipo de negociação para recebimento do valor garantido pelo fundo, muito menos solicitando o pagamento de qualquer taxa ou o depósito de valores.

(Agência Brasil)

Moedas sociais entram no processo de digitalização

Em artigo sobre bancos comunitários, o consultor financeiro Fabiano Mapurunga, Mestre em Gestão Empresarial, aponta que o esvaziamento dos postos de trabalho nas instituições financeiras contradiz a política dos bancos comunitários, que mantêm suas agências físicas, pois acreditam que o sucesso de suas operações se dá, também, pelo contato pessoal. Confira:

A busca pela inserção social e econômica fez com que, em 1998, surgisse a primeira moeda social no Brasil. Isso aconteceu aqui em Fortaleza, no bairro Conjunto Palmeiras. Surgia assim o Banco Palmas. Case de sucesso para todo o país. Os números desse segmento são impressionantes e demonstram a força que a união popular em busca de alternativas de melhoria na qualidade de vida, é capaz de proporcionar.

Segundo a Rede Brasileira de Bancos Comunitários (RBBC), hoje existem 113 bancos comunitários, em 20 estados diferentes. Esses apresentaram uma movimentação financeira na ordem de R$ 40 milhões. Aqui no Ceará já circulam hoje 12 moedas sociais entre os municípios de Fortaleza e Quixadá. O Banco Palmas chega a movimentar apenas no aplicativo E-dinheiro R$ 1,5 milhões por mês. O mesmo opera com empréstimos que variam de R$ 5 mil a R$ 15 mil. Nos últimos 10 anos a atuação do Banco Palmas fez com que o comércio do Conjunto Palmeiras crescesse cerca de 30%.

Todo esse sucesso social e econômico, não poderia ficar de fora do processo que os bancos estão vivenciando no mundo, que é o aumento da digitalização das operações. A tecnologia vem proporcionando às instituições financeiras, mais condições de reduzir seus custos transacionais, mesmo que os maiores bancos verticalizem cada vez mais suas estruturas de serviços. Cada dia que passa o cliente trabalha mais para os bancos, e comparece cada vez menos às agências físicas, fazendo uso de aplicativos para contratar suas operações. O revés desse inevitável processo, é o esvaziamento dos postos de trabalho nas instituições financeiras o que obriga hoje, aos profissionais bancários, a buscarem mais ainda alternativas de recolocação, pois a longevidade funcional desses profissionais já não inspira tanta segurança.

Os bancos comunitários, mesmo com o aumento das transações por meio de aplicativos, ainda vêm mantendo suas agências físicas, pois acreditam que o grande sucesso de suas operações se dá também, pelo contato pessoal. A digitalização ainda não conseguiu superar o “olho no olho”, do cliente, o ouvir suas necessidades e a boa orientação pessoal. Tais instituições fazem parte de um todo chamado economia colaborativa ou economia compartilhada, tema que vem ganhando muito espaço em todo o mundo, por promover a inserção social de forma ampliada.

Fabiano Mapurunga

CEO da Go Partners Consultoria em Finanças e Negócios. Mestre em Gestão Empresarial. MBA em Gestão de Negócios. MBA em Gestão Financeira e Controladoria.

O fechamento do Banco Neon: Uma lição desse acontecimento

386 1

Em artigo sobre a decisão do BC em fechar o Banco Neon, o consultor financeiro Fabiano Mapuranga, Mestre em Gestão Empresarial, comenta do destino da aplicação dos corretistas. Confira:

O Banco Central decretou nessa sexta-feira(4) a liquidação extra-judicial do Banco Neon, que possui sede em Belo Horizonte. A supervisão do BC constatou o comprometimento da situação econômico-financeira, bem como a existência de graves violações às normas legais, e regulamentares que disciplinam a atividade da instituição.

O Banco Neon é uma instituição financeira de pequeno porte, que tem autorização para operar como banco comercial, e que possui hoje 0,0038% dos ativos totais do sistema bancário. Possui apenas uma agência localizada em Belo Horizonte.

Tal situação, causa temor e muitos constrangimentos aos correntistas desta instituição que estão, neste momento, na dúvida de como farão para receber seu dinheiro, que está aplicado em CDB nesta instituição. Vale salientar que o FGC (Fundo Garantidor de Crédito) faz a proteção destes valores em CDB, limitados a R$ 1 milhão por CPF e a R$ 250 mil por instituição financeira. Porém, os correntistas devem entrar com o pedido junto a esta instituição, e deverão aguardar os prazos definidos pelo FGC para reembolso.

A questão nos remete à importância, que devemos dar, em saber analisar o histórico das instituições financeiras, e os seus comportamentos frente as suas operações no mercado de crédito, antes de tomar a atitude de aplicar nossos recursos. Devemos observar também, se o banco que estamos escolhendo, possui uma Governança que está coerente com as normas dos órgãos reguladores. Um ótimo caminho para essa verificação é pelo próprio site do Banco Central, onde você também encontrará os demonstrativos de desempenho de cada instituição financeira. Não fique restrito apenas ao que lhes dizem, procure leitura a respeito da instituição.

Promessas de altos percentuais em aplicações de renda fixa como CDB, acabam por seduzir muitos clientes, que se descuidam em não procurar observar a solidez daquela instituição que está ofertam o papel. Existem no Brasil vários outros bancos do mesmo porte do Banco Neon, e quem vêm apresentando boa captação de recursos de pequenos investidores. Sugiro que reavaliem seus bancos e passem a ter mais atenção onde o seu capital está alocado. Não vamos pecar por falta de informação.

Fabiano Mapurunga

CEO da Go Partners Consultoria em Finanças e Negócios. Mestre em Gestão
Empresarial. MBA em Gestão de Negócios. MBA em Gestão Financeira e Controladoria

Para onde irão os devedores do extinto BEC?

O ex-governador Lúcio Alcântara privatizou o BEC, hoje controlado pelo Bradesco.

Da Coluna O POVO Economia, da jornalista Neila Fontenele, no O POVO deste sábado:

Acreditem: 12 anos após a venda do Banco do Estado do Ceará (BEC) para o Bradesco, ainda há um ativo de operações de créditos não pagas.

Os valores devem girar em torno de R$ 150 milhões e foram anunciados em leilão, mas as negociações não deram resultado.

Diante da situação, devedores que procuram resolver o problema ressaltam a falta de comunicação do governo. Alguns pleitos chegaram à Federação da Agricultura e Pecuária do Ceará (Faec) que reclama da falta de divulgação do Refis, lançado para esses devedores, cujo prazo foi encerrado no ano passado.

Os agricultores comparam os tratamentos dados pelo Governo Federal e pelo Estado. No primeiro caso, foi solicitada a participação da entidade na divulgação e houve a convocação dos devedores para negociação; no segundo, a entidade não tomou conhecimento das possibilidades de dispensa de juros e multas, antes da oferta dos ativos em leilão.

O ex-secretário de Fazenda, Mauro Filho, informa que foram dadas seis oportunidades de dispensa de juros e multas, mas não houve o comparecimento de muitos devedores. A coluna procurou o secretário de Fazenda, João Marcos Maia, para falar sobre o assunto, mas até o fechamento desta edição não obteve retorno.

A Secretaria da Fazenda informou que, independente da licitação, o Bradesco continuará administrando os ativos. Os devedores poderão procurar o banco para negociar seus débitos, mas com multas e juros.

(Foto – Arquivo)

Bancos ampliam caixas compartilhados; clientes reclamam de cédulas

Os bancos estão substituindo cada vez mais os caixas eletrônicos próprios por terminais de autoatendimentodo do Banco24Horas, uma rede que permite compartilhar o mesmo equipamento entre várias instituições financeiras.

Em julho de 2014, os bancos fizeram um acordo para ampliar o compartilhamento dos caixas eletrônicos. A ideia era substituir, em quatro anos, “uma parcela” dos caixas eletrônicos que ficavam fora de agências bancárias por terminais da rede Banco24Horas. Na assinatura do acordo, o Banco24Horas contava com 15.300 terminais de autoatendimento. Atualmente, são mais de 21.800 caixas eletrônicos instalados, em cerca de 11 mil estabelecimentos comerciais, em 620 cidades.

O objetivo dos bancos é tornar o Banco24Horas a rede externa de atendimento, mas há clientes que reclamam dos serviços disponíveis. Em Brasília, por exemplo, uma das reclamações é quanto as cédulas disponíveis nos terminais: R$ 20 e R$ 50, somente. A enfermeira Patrícia Alves Branquinho, 41 anos, considera positivo ter a rede disponível no comércio e nos terminais de ônibus e metrô, mas reclama do valor das cédulas. “Esses caixas ajudam muito porque, às vezes, estou em um lugar que não tem um banco perto. O problema é que só tem nota de R$ 20 e R$ 50”, disse.

O cobrador Kleber Willian Oliveira da Conceição, 39 anos, contou que tentou sacar um valor inferior a R$ 50, mas não conseguiu. “Fui sacar uma vez e só tinha nota de R$ 50. Eu nem precisava de todo esse valor, mas fui obrigado a sacar por não ter outra opção”, disse.

Em nota, a TecBan, responsável pela rede Banco24Horas, informou que os caixas eletrônicos da Rede Banco24Horas em Brasília são abastecidos com notas de R$ 20 e R$ 50. “Os valores disponíveis para saques nos terminais de autoatendimento da Rede são definidos de acordo com a disponibilidade de notas de cada região. Em razão da demanda, as máquinas podem ficar momentaneamente com apenas um tipo de cédula até o próximo abastecimento. Esses valores garantem uma grande variedade de combinações e atendem às principais necessidades da população”, disse a TecBan.

Os serviços disponíveis na rede compartilhada dependem de cada banco. De acordo com as informações disponíveis no site da rede, há instituições que oferecem apenas consulta a saldos e extratos, saques e pagamentos. Em outros bancos, há opção também de fazer empréstimos e transferências.

A TecBan lembra que o pacote de serviços que o consumidor possui em seu banco inclui as operações feitas no Banco24Horas, no caixa eletrônico do banco e nas transações realizadas nas agências bancárias. “Caso o consumidor não tenha um pacote de serviços, a resolução 3.919 do Banco Central garante aos clientes, com conta corrente pessoa física, o benefício de efetuar, todo mês, até quatro saques sem tarifa, duas transferências, dois extratos, dentre outros, nos canais que compõem a rede de atendimento do banco, incluindo o Banco24Horas”, acrescentou.

Segundo a TecBan, o compartilhamento contribui para reduzir os custos operacionais e de manutenção dos bancos. “Uma grande vantagem do Banco24Horas é a população poder usar mais de 40 bancos no mesmo caixa eletrônico. A Rede também beneficia os proprietários do varejo com o aumento do fluxo de pessoas, do ticket médio [valor médio das vendas] e do faturamento de suas lojas. Além disso, os terminais ajudam a tornar os estabelecimentos pontos de referência nas suas regiões, aumentando o portfólio de serviços disponibilizados aos consumidores e colaborando, também, com a fidelização”, defendeu a TecBan.

Procurada, a Federação Brasileira de Bancos (Febraban) preferiu não se manifestar sobre o assunto.

(Agência Brasil)

Feirão da Casa Própria negocia 202 mil imóveis em 15 cidades

Começou nessa sexta-feira (4) o Feirão da Casa Própria, promovido pela Caixa Econômica Federal (CEF). O evento, que vai até o dia 27 de maio, será realizado em 15 cidades e prevê a oferta de 202 mil imóveis. Neste primeiro final de semana, o Feirão ocorre em São Paulo, Porto Alegre e Salvador. Nos finais de semana seguintes, as vendas serão feitas nas cidades de Belo Horizonte, Goiânia, Rio de Janeiro, São Luís, Uberlândia, Belém, Brasília, Campinas, Curitiba, Florianópolis, Recife e Fortaleza.

Considerado o maior evento do setor de imóveis no país, o Feirão envolve a participação de 559 construtoras, 422 correspondentes imobiliários da Caixa e 124 imobiliárias. Estarão disponíveis para venda, ao todo, 179 mil imóveis novos e 23 mil usados. A expetativa é gerar R$ 15 bilhões em negócios, valor superior aos R$ 13 bilhões do ano passado. Segundo a Caixa, um total de 1.600 empregados do banco participam no evento.

Líder no segmento de crédito habitacional no país, respondendo por 70% das operações, a Caixa tem R$ 82,1 bilhões para financiar a compra de imóveis em 2018. Cerca de 11 mil imóveis da própria instituição estarão disponíveis para venda, por meio de licitação aberta, venda direta e leilão. Um estande específico para esses imóveis será montado durante o evento para atender os interessados.

Para requerer aprovação de crédito habitacional pela Caixa, o interessado precisa apresentar documento de identidade, CPF e comprovante de renda e residência atualizados. O Feirão ocorre menos de um mês depois de a Caixa anunciar redução dos juros para financiamento da casa própria. As taxas mínimas passaram de 10,25% ao ano para 9% ao ano, no caso de imóveis do Sistema Financeiro de Habitação (SFH), e de 11,25% ao ano para 10% ao ano para imóveis enquadrados no Sistema de Financiamento Imobiliário (SFI). As taxas máximas caíram de 11% para 10,25%, no caso do SFH, e de 12,25% para 11,25%, no SFI.

Além disso, o banco diminuiu as condições de financiamento de imóveis para pessoa física. O limite da cota de financiamento do imóvel usado aumentou de 50% para 70%. Em setembro do ano passado, a Caixa tinha reduzido para 50% do valor do imóvel o limite máximo de financiamento.

A Caixa também retomou o financiamento de operações de interveniente quitante (imóveis com produção financiada por outros bancos) com cota de até 70%. Os prazos para quitação do financiamento permanecem entre 156 para 420 meses no caso do SFH e 120 a 420 meses, no caso SFI.

Além das linhas de crédito do SFH e do SFI, a Caixa vai oferecer todas as outras modalidades de financiamento, inclusive do programa Minha Casa Minha Vida nas faixas 1,5 (para quem tem renda bruta até R$ 2.600 mensais), 2 e 3 (para quem tem renda bruta máxima de R$ 7.000 mensais). Neste caso, as taxas de juros variam de 4,59% a 8,47% ao ano, com prazo de financiamento mínimo de 120 e máximo de 360 meses. Também estarão disponíveis as modalidades pró-cotista e carta de crédito do Fundo de Garantia por Tempo de Serviço (FGTS).

DETALHE – Em Fortaleza, o Feirão irá ofertar um total de 6.400 imóveis, entre novos e usados.

(Agência Brasil)

Redução da taxa de juros torna poupança mais atrativa, mostra estudo

As sucessivas reduções da taxa básica de juros, a Selic, estão tornando o mais tradicional investimento do país, a poupança, mais atrativa. Desde outubro de 2016, a Selic já passou por 12 cortes seguidos e a expectativa é de que volte a ser reduzida do atual patamar de 6,5% ao ano para 6,25% ao ano, em maio. No início do atual ciclo de cortes, a Selic passou 14,25% para 14% ao ano.

A rentabilidade da poupança não sofre incidência de Imposto de Renda (IR) e não há cobrança de taxa de administração, como nos fundos de investimento, por exemplo. Desde maio de 2012, há regras diferentes para o cálculo da poupança de acordo com o nível da Selic. Quando a Selic fica igual ou acima de 8,5% ao ano, a caderneta rende 6,17% ao ano (0,5% ao mês) mais a Taxa Referencial (TR), tipo de juro variável. Abaixo de 8,5% ao ano, a caderneta rende 70% da taxa Selic mais variação da TR.

Segundo estudo da Associação Nacional dos Executivos de Finanças, Administração e Contabilidade (Anefac), a poupança é melhor opção quando comparada a fundos de renda fixa, que cobram taxas de administração acima de 1% ao ano. Além da taxa de administração, os rendimentos do fundo de investimento sofrem incidência de IR. Quanto menor o prazo de resgate, maior é a tributação, que varia de 15% a 22,5% dos rendimentos.

De acordo com as simulações da Anefac, se um investidor aplicar R$ 10 mil, em 12 meses o rendimento da poupança chegará a 455 (4,55% ao ano), na aplicação seguindo as regras atuais.

Em um fundo de investimento, com taxa de administração de 0,5% ao ano, o ganho ficaria em R$ 491, ou seja, acima do rendimento da poupança. Com a taxa de administração de 1% ao ano, o rendimento acumulado seria de R$ 466. Já com a taxa de administração de 1,5%, o rendimento perde para a poupança, pois chega a R$ 441.

“Mesmo com a queda da Selic, os fundos continuaram cobrando o mesmo percentual de taxa de administração que cobravam anteriormente. Ou seja, quando a Selic estava em 14,25%, as taxas variavam de 1,5% a 3% e agora que a Selic está em 6,5% ao ano, continuam cobrando a mesma taxa”, disse o diretor de Economia da Anefac Miguel de Oliveira.

(Agência Brasil)

Cheques de qualquer valor serão compensados em um dia útil a partir de amanhã

A partir de amanhã (16), cheques de qualquer valor passarão a serem compensados em um dia útil. Hoje, os cheques de até R$ 299,99 demoram dois dias úteis para “cair” na conta das pessoas físicas, empresas, ou favorecidos. O novo prazo para a compensação nos cheques segue determinação da circular 3.859, publicada pelo Banco Central em novembro do ano passado.

De acordo com a Federação Brasileira de Bancos (Febraban), a alteração no prazo foi possível após implementação da compensação por imagem, em 2011. O processo por imagem reduziu o tempo e os gastos com transporte, eliminando as trocas físicas que antes eram feitas.

Outro fator que contribuiu para a redução no prazo de compensação, segundo os bancos, foi queda no número de cheques liquidados no país. Em 2017, foram compensados 494 milhões de cheques, 85% menos que o registrado 1995, quando foram compensados 3,3 bilhões de cheques.

Mudanças em relação ao cheque especial também vão ocorrer, mas a partir de 1º de julho. Pelas novas regras, as instituições financeiras terão de oferecer ao consumidor uma alternativa mais barata para parcelamento do saldo devedor do cheque especial.

Quando o consumidor “entrar” no cheque especial, o banco deverá comunicá-lo imediatamente, por meio de alerta, sobre a contratação do produto e que se trata de uma modalidade de crédito de uso temporário.

Segundo a Febraban, o valor do limite de crédito do cheque especial deverá ser informado nos extratos de forma clara de modo a não ser confundido com valores mantidos em depósito pelo consumidor na conta-corrente.

(Agência Brasil)

Câmara Federal debate altas taxas de juros

O plenário da Câmara Federal debate, na quarta-feira (18), por meio de comissão geral, “as razões dos níveis muito elevados das taxas de juros cobradas das famílias e das empresas no Brasil”.

Apesar do ciclo atual de queda da Taxa Selic, referência de juros no País, o montante que fica com os bancos (spread bancário) aumentou. No caso do crédito para pessoa física, o spread passou de 76,3% em maio de 2016 para 78,2% em outubro do mesmo ano e para 81,4% em fevereiro de 2018.

Para as empresas, a diferença a mais que elas têm de pagar nos empréstimos era de 54,7% em maio de 2016, subindo para 56,4% em outubro do mesmo ano e para 62% em fevereiro de 2018.

(Agência Câmara Notícias)

O reajuste no compulsório bancário será refletido em menores taxas cobradas pelos bancos?

254 1

Em artigo sobre a medida do Banco Central no depósito compulsório, o Mestre em Gestão Empresarial e consultor financeiro Fabiano Mapurunga avalia a redução na alíquota de recolhimento compulsório sobre os depósitos à vista. Confira:

No dia 28 de março deste, o Banco Central do Brasil (BC) anunciou a redução na alíquota de recolhimento compulsório sobre os depósitos à vista, que passou de 40% para 25%. Tal fato acarretará na liberação de mais R$ 25,7 bilhões para que os bancos possam operar.

O depósito compulsório serve como uma válvula de medição e regulação sobre os recursos disponíveis na economia, a fim de aproximar as taxas praticadas pelos bancos à taxa de juros básica da economia (Selic). Tal alíquota é praticada por exemplo na poupança, que antes era de 21% e agora passou a ser de 20% na modalidade rural, nas demais modalidades passou de 24,5% para 20% (Banco Central; 2018). O cliente ao fazer um depósito em uma poupança, obriga ao banco a fazer uma reserva junto ao Banco Central de parte deste recurso, não podendo este ser usado em nenhum tipo de operação. Logo, quanto maior for a alíquota do compulsório, mais dinheiro os bancos precisam deixar retidos no Banco Central sem que este entre no seu ciclo produtivo convencional.

Além da redução da alíquota de compulsório, o Banco Central também aumentou a faixa de isenção deste, que antes era de R$ 70 Milhões e agora é de R$ 200 milhões em depósitos. Tal medida beneficia mais ainda os bancos menores.

Com tais medidas os bancos podem dar vários destinos para os recursos disponíveis, inclusive os utilizar no mercado de crédito e reduzir seus spreads, com isso a população teria juros menores. Bem, estamos falando de um efeito lógico e reflexivo, onde um fornecedor de crédito, tem seus insumos mais baratos e agora poderá praticar menores preços para seus clientes finais, porém ainda não estamos percebendo este efeito direto.

Os bancos também contam hoje com o aumento significativo do uso dos canais eletrônicos por seus clientes, ou seja, o aumento da digitalização dos processos faz com que, cada vez mais os clientes trabalhem para os bancos, com isso eles vêm reduzindo o número de agências físicas e por conseguinte de pessoal, os fazendo ter uma grande queda em seus custos transacionais e tendendo cada vez mais a elevar a sua rentabilidade.

Anualmente presenciamos os demonstrativos de lucro dos bancos onde os mesmos apresentam crescimentos em progressões geométricas de seus indicadores como ROI (Retorno sobre o Investimento), o que faz os seus acionistas ficarem cada vez mais felizes e a grande massa de clientes tomadores de recursos ainda não tão contentes.

Poderíamos discorrer várias linhas sobre como os bancos vem melhorando sua rentabilidade em nosso país, mas prefiro deixar esses pontos em aberto para mais reflexões futuras, o que gostaria de deixar claro neste artigo é que precisamos ficar continuamente vigilantes e procurar perceber se essas entidades vão nos beneficiar com reduções de juros e tarifas, proporcionais aos benefícios que a redução do compulsório está lhes beneficiando.

Defendo que devemos nos utilizar da malha bancária como ferramenta impulsionadora do nosso ciclo financeiro, mas defendo mais ainda a justa medida de preços entre os agentes econômicos, pois a sobreposição exagerada de lucro de alguns em detrimento da redução de lucro de outros, causa assimetrias de resultados que vêm levando muitas empresas a encerrar suas atividades por não conseguirem ajustar seus custos operacionais e seus custos financeiros em sua margem de lucro esperada.

Fabiano Mapurunga

CEO da Go Partners Consultoria em Finanças e Negócios. Mestre em Gestão Empresarial. MBA em Gestão de Negócios. MBA em Gestão Financeira e Controladoria

Juros dos empréstimos devem continuar em queda, mas vão seguir longe da Selic

Os juros do crédito devem continuar caindo, mesmo após a interrupção do ciclo de cortes da taxa básica de juros, a Selic, previsto para junho. Isso será possível com a recuperação da economia e a maior competição no mercado de crédito, avaliou o diretor de Economia da Associação Brasileira de Executivos de Finanças, Administração e Contabilidade (Anefac), Miguel José Ribeiro de Oliveira.

Em março, o Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central (BC) reduziu a taxa Selic pela 12ª vez seguida, ao menor nível da história, para 6,5% ao ano, e sinalizou um novo corte em maio, com interrupção do ciclo em junho. A expectativa é que a Selic seja reduzida em 0,25 ponto percentual para 6,25% ao ano. O atual ciclo de cortes começou em outubro de 2016, quando estava em 14,25% ao ano.

Mesmo com a taxa Selic em seu menor patamar, os juros ao consumidor ainda são altos. A taxa média de juros para pessoas físicas estava em 74,3% ao ano, em outubro de 2016, e chegou a 57,72% ao ano, em fevereiro. Ou seja, enquanto a Selic caiu 54%, essa taxa média dos empréstimos às famílias teve redução de 22%.

Mas há taxas ainda mais altas, como a do cheque especial, que não mudou muito nesse período. Em outubro de 2016 estava em 328,52% ao ano e em fevereiro desse ano chegou a 324,12% ao ano. Segundo a Federação Brasileira de Bancos (Febraban), as instituições financeiras devem apresentar mudanças no cheque especial ainda neste mês, mas ainda não foram divulgados detalhes da alteração.

(Agência Brasil)

Justiça manda pagar abonos do PIS/Pasep não sacados nos últimos 5 anos

A Justiça Federal em São Paulo determinou que a Caixa Econômica Federal e o Banco do Brasil convoquem todos os trabalhadores que não receberam abonos salarias do PIS (Programa de Integração Social) e do Pasep (Programa de Formação do Patrimônio do Servidor Público) nos últimos cinco anos para sacar o dinheiro. A decisão, proferida pela 2ª Vara Cível Federal da capital paulista, é resultado de uma ação civil pública ajuizada pela Procuradoria Regional dos Direitos do Cidadão, órgão vinculado ao Ministério Público Federal em São Paulo (MPF/SP).

A ordem judicial estende-se aos estados de São Paulo e Mato Grosso do Sul, que compõem a 3ª Região da Justiça Federal. Trabalhadores que ganham até dois salários mínimos mensais têm direito a receber o abono equivalente a um salário mínimo anual, mas, segundo o MPF, “nem todos sabem disso”. De acordo com a procuradoria, os bancos públicos “têm não só deixado de divulgar amplamente a disponibilidade dos recursos aos beneficiários, como também se baseado em prazos inconstitucionais para dificultar os saques”.

Os prazos são estipulados em resoluções da União, editadas anualmente, por meio do Conselho Deliberativo do Fundo de Amparo ao Trabalhador (Codefat). O MPF explica que a Constituição garante o direito ao abono sem condicioná-lo a datas para saque.

Os atos normativos, no entanto, restringem o período em que os beneficiários podem retirar as quantias ao longo do ano. Além disso, autorizam que valores não sacados de acordo com o calendário sejam automaticamente revertidos para as outras finalidades do Fundo de Amparo ao Trabalhador (FAT).

O pedido do MPF era para que pagamento fosse efetuado independentemente de datas previstas em resoluções, o que foi acolhido na sentença. Os cinco anos retroativos referem-se ao prazo máximo que a Fazenda Pública tem para fazer cobranças. Os valores que os trabalhadores terão direito de sacar serão reajustados com juros e correção monetária com base no Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo Especial (IPCA-e).

“A decisão impõe também que valores não retirados sejam mantidos pelo mesmo período nas instituições bancárias, em vez de revertidos ao FAT, facilitando o acesso às parcelas por quem as requeira”, explicou a procuradoria.

A sentença prevê ainda a condenação da União por danos morais coletivos, cabendo pagamento de R$ 477 mil, que deverão ser depositados no Fundo de Defesa de Direitos Difusos.

(Agência Brasil)

Ceará e Fortaleza assinam parceria com a Caixa

As equipes do Ceará e do Fortaleza assinaram nesta segunda-feira (2), em Brasília, o contrato de patrocínio com a Caixa Econômica Federal. O presidente do Congresso nacional, senador Eunício Oliveira (MDB-CE), que intermediou o processo dos clubes cearenses com o banco, participou da solenidade.

O Ceará, que disputará a Série A do Campeonato Brasileiro, receberá o valor de R$ 4 milhões, enquanto do Fortaleza, que jogará na Série B, soma R$ 2,4 milhões de patrocínio. O contrato vale até dezembro deste ano e o dinheiro será liberado em quatro parcelas, de acordo com o cronograma firmado entre as partes.

“Conquistamos essas importantes vitórias para o esporte cearense, que tanto representam em benefícios nas áreas de lazer e inclusão social do nosso povo. O futebol e as demais modalidades olímpicas no Ceará ganham mais força com a parceria de uma instituição como a Caixa”, destacou Eunício.

(Foto: Divulgação)

Ministro do Planejamento será o novo presidente do BNDES

O ministro do Planejamento, Dyogo Oliveira, irá deixar o cargo para assumir a presidência do Banco Nacional do Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES).

A informação foi confirmada hoje (1º) pelo Palácio do Planalto. O novo ministro do Planejamento será Esteves Colnago, atual secretário-executivo do ministério.

Esta é uma das mudanças na equipe de governo em decorrência da saída de ministros tendo em vista a disputa eleitoral deste ano. O prazo para quem pretende disputar algum cargo em outubro se encerra no próximo sábado, 7 de abril.

Amanhã, o presidente Michel Temer dará posse ao novo ministro da Saúde, Gilberto Occhi, que deixou a presidência da Caixa Econômica Federal. O novo ministro dos Transportes, Valter Casimiro Silveira, também será empossado no lugar de Maurício Quintella.

Neste domingo, Temer se reuniu com Dyogo Oliveira e Conalgo no Palácio do Jaburu, em Brasilia. Também estiverem presentes ao encontro os ministros Moreira Franco (Secretaria Especial da Presidência), Eliseu Padilha (Casa Civil) e Carlos Marun (Secretaria de Governo), além dos senadores Romero Jucá (MDB-RO) e Darcísio Perondi (MDB-RS).

(Agência Brasil)

BC mantém projeção de crescimento da economia em 2,6% para este ano

146 1

O Banco Central (BC) manteve a previsão do crescimento da economia este ano. A projeção para a expansão do Produto Interno Bruto (PIB), a soma de todos os bens e serviços produzidos no país, segue em 2,6%, de acordo com o Relatório de Inflação, divulgado hoje (29), em Brasília.

A estimativa para a produção da agropecuária é de recuo de 0,3% no ano, ante estimativa de contração de 0,4%, divulgada em dezembro, após crescimento de 13% em 2017 – resultado recorde. A projeção para o desempenho da indústria foi elevada de 2,9% para 3,1%.

Para os investimentos – Formação Bruta de Capital Fixo (FBCF) – a previsão subiu de 3% para 4,1%. Segundo o BC, a melhora na projeção para os investimentos está “associada à trajetória favorável nos índices de confiança dos empresários, à redução do endividamento das empresas no sistema financeiro e aos efeitos do ciclo de flexibilização na política monetária [redução da taxa básica de juros, a Selic, o que estimula a economia]”.

A previsão para o crescimento do consumo do governo ficou em 0,5%, ante projeção de 1% em dezembro. A projeção para o consumo das famílias foi mantida em 3%, “em linha com expectativa de evolução favorável da massa salarial ampliada e do crédito à pessoa física”.

As exportações e as importações de bens e serviços devem variar 4,9% e 6,8% em 2018, diante de projeções respectivas de 4% e 6% do Relatório de Inflação de dezembro.

“A elevação na projeção para as exportações reflete o desempenho positivo nos primeiros meses do ano, em certa medida explicado por exportação de plataforma de petróleo, e as perspectivas mais favoráveis de vendas externas de produtos primários”, diz o relatório do Banco Central.

Já o aumento das importações decorre da melhora nas projeções de crescimento da indústria e dos investimentos, com consequente aumento nas compras de insumos, máquinas e equipamentos.

(Agência Brasil)