Blog do Eliomar

Categorias para Brasil

CPI do BNDES será instalada na próxima semana

renan calheiros

“O presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), informou hoje (16) que lerá, na semana que vem, o requerimento de instalação da comissão parlamentar de inquérito (CPI) para investigar supostas irregularidades nos contratos de empréstimo do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES).

“Na próxima semana nós vamos sentar para procedermos a leitura desse requerimento”, disse Renan.

O presidente do Senado anunciou a criação da CPI, logo após o líder do DEM, senador Ronaldo Caiado (GO), informar ter conseguido 35 assinaturas de apoio à criação da comissão, oito a mais que o número mínimo necessário.”

(Agência Brasil)

Camilo e Roberto Cláudio tentam assegurar aval de empréstimos no Ministério da Fazenda

81 1

agoraa

Nesta quarta-feira, em Brasília, o governador Camilo Santana (PT) e o prefeito de Fortaleza, Roberto Cláudio (Pros), foram recebidos em audiência pelo ministro da Fazenda, Joaquim Levy. Na pauta, os projetos de interesse de Fortaleza e do Ceará e que dizem respeito à contratação de financiamentos com organismos internacionais.

Nessa agenda,  empréstimos junto à CAF (Banco de Desenvolvimento da América Latina) e BID.

De Brasília, o prefeito Roberto Cláudio segue com o governador Camilo Santana para São Paulo, os dois terão reunião com a presidente da TAM, Cláudia Sender, quando tratarão do HUB (centro de conexão) que a companhia pretende instalar no Nordeste. Fortaleza disputa com Natal (RN) e Recife (PE).

(Foto – Minfaz)

Presidente da BR Distribuidora deixa o cargo

“O presidente da BR Distribuidora, José Lima de Andrade Neto, deixou o cargo nesta quarta-feira (16). Engenheiro químico e funcionário de carreira da Petrobras, ele desempenhava a função desde agosto de 2009.

Antes de assumir a presidência da BR Distribuidora, José Lima ocupou o cargo de secretário de Petróleo, Gás Natural e Combustíveis Renováveis do Ministério de Minas e Energia, além de várias gerências na Petrobras. A estatal anunciou a saída do executivo em nota distribuída à imprensa.

“A Petrobras informa que o presidente da Petrobras Distribuidora (BR), José Lima de Andrade Neto, apresentou hoje sua renúncia, por motivos de saúde. O diretor financeiro da BR, Carlos Alberto Tessarollo, que estava no exercício da presidência dessa companhia durante as férias do Sr. José Lima de Andrade Neto, segue no exercício interino da função.”

(Agência Brasil)

Gilmar Mendes quer indenização de Luis Nassif por danos morais

“O ministro Gilmar Mendes, do Supremo Tribunal Federal, decidiu cobrar na Justiça satisfações do jornalista Luis Nassif. Em seu blog, Nassfi escreveu que Gilmar está “perseguindo tenazmente a tarefa de desmoralizar a corte” e atender a interesses do PMDB no tribunal.

Gilmar Mendes pede uma indenização de R$ 150 mil por danos morais causados por Nassif. Representado pelo advogado Rodrigo Mudrovitsch, do Mudrovitsch Advogados, o ministro se insurge contra o texto O Supremo Tribunal Federal, depois da tempestade, publicado no início de 2014. O caso corre na 6ª Vara Cível de Brasília.

No texto, Nassif afirma que o julgamento da Ação Penal 470, o processo do mensalão, deixou “sequelas” no STF e provocou “dúvidas justificadas sobre as intenções de cinco integrantes da corte”. Gilmar seria um deles. Nassif ataca o pedido de vista na ação que discute a constitucionalidade do financiamento eleitoral por empresas. De acordo com o texto, isso foi feito para atender “às demandas do PMDB, do [então] presidente da Câmara Henrique Alves e do notório Eduardo Cunha”.

O blogueiro também critica o fato de Gilmar Mendes não ter feito o que fez o ministro Luiz Fux, que se declarou impedido para julgar ações do escritório Sérgio Bermudes, onde sua filha trabalha. Nassif reclama do fato de a mulher de Gilmar Mendes ser sócia da banca. do qual sua mulher é sócia.

Gilmar Mendes também reclama de mentiras contadas no texto. Nassif afirma que Sergio Bermudes, amigo do ministro, envia carros para buscá-lo no aeroporto do Rio de Janeiro e o hospeda em seu apartamento. Diz ainda que o Instituto Brasiliense de Direito Público (IDP), faculdade da qual Gilmar é sócio, oferece “serviços milionários a tribunais sob a mira do Conselho Nacional de Justiça”.

De acordo com o ministro, a publicação não teve o objetivo de analisar o rumo do STF após o julgamento mensalão, mas sim atingir sua imagem. “Não é complexo verificar que a publicação se tratou de ataque direto e pessoal à sua honra e imagem, fazendo afirmações por completo descoladas da realidade dos fatos e conclusões afastadas de qualquer compromisso jornalístico com a verdade e a fidelidade das informações, tudo com o objetivo de macular a imagem pública do Requerente [Gilmar Mendes]”, diz a inicial.

A defesa do ministro alega que o fato de o artigo ter sido reproduzido por diversos outros sites “que se dizem pretensamente de cunho jornalístico” ampliou o alcance da ofensa a ele.

Gilmar Mendes afirma que a liberdade de imprensa não é um direito absoluto e deve respeitar a vida íntima, a honra e a imagem das pessoas. O ministro ainda discute que essa formulação se aplica a reportagens, o que “não é prática usual de Nassif”. Depois, passa a citar passagens da vida profissional do jornalista.

Defesa

Em sua contestação, feita pelo advogado Percival Maricato, do Maricato Advogados Associados, e apresentada no dia 11 de junho de 2015, Nassif sustenta que a liberdade de imprensa não serve apenas para um jornalista informar, mas também para que ele exerça seu direito de crítica, “especialmente contra autoridades da República”. Contudo, ele ressalta que suas acusações não são gratuitas, e se baseiam em dados, tanto que não foram contestadas.

Para Nassif, a pretensão de Gilmar Mendes é uma “verdadeira manifestação de censura” que não encontra respaldo nos demais ministros do STF. Como exemplo disso, ele cita votos dos ministros Celso de Mello, Rosa Weber e Ayres Britto em defesa da liberdade de expressão.

O jornalista também cita que, por ser uma figura pública, o ministro está sujeita a críticas. Comenta que nenhum dos demais membros do STF citados no artigo questionado reclamou dele, o que demonstra que ele não se excedeu no texto. Dessa forma, Nassif pede que o pedido de indenização seja indeferido.

(Consultor Jurídico)

Ciro Gomes diz ter coragem para enfrentar Lula numa possível disputa em 2018

102 3

foto ciro pdt 150916 lupi

Após sua filiação ao PDT, o ex-ministro Ciro Gomes deu coletiva, nesta quarta-feira, na sede do partido, em Brasília e duas respostas dele foram as que os jornalistas mais aguardavam:

1. O senhor está preparado para enfrentar uma possível disputa com Lula em 2018?

“Não quero isso! Mas, se for preciso, tenho coragem. Já fiz isso duas vezes”

2. E o processo que o senhor pode responder por causa do episódio com o presidente da Câmara, Eduardo Cunha (ele foi chamado de picareta-mor e outras ofensas), Ciro devolveu:

“Quem tem que ser processado nesse País é quem é suspeito de envolvimento em corrupção. Quem fala a verdade tem que ser é aplaudido de pé.”

(Foto – Cláudio Barata)

Servidores federais anunciam protesto contra o pacote fiscal para o dia 23

82 1

“A Confederação dos Trabalhadores do Serviço Público Federal (Condsef) anunciou hoje (16) que, em protesto contra as medidas de austeridade fiscal anunciadas pelo governo federal, fará na quarta-feira (23) paralisações em todos os estados. De acordo com a assessoria da entidade, outras 20 entidades sindicais devem participar do movimento, chamado Dia Nacional de Luta.

De acordo com a Condsef, estão previstas atividades em frente a diversos órgãos do governo federal. Os organizadores afimaram que as medidas de austeridade não se justificam por não estarem focadas nas áreas onde realmente há excesso de recursos. Por meio da assessoria, a entidade informou que o governo “não está tirando da gordura” para atingir a meta fiscal.

Representando cerca de 800 mil servidores – metade dos quais já aposentada – a Condsef acredita que, devido à preocupação causada pelo anúncio do governo, a paralisação alcance uma adesão “bastante significativa”, uma vez que as medidas preveem suspensão de concursos e a eliminação do chamado abono de permanência, concedido aos servidores que atingem condições para aposentadoria, mas continuam a trabalhar.

A entidade estima que atualmente há no país cerca de 101 mil servidores na ativa que já poderiam estar aposentados.”

(Agência Brasil)

Governadores vão ao Congresso e defendem a volta da CPMF. Camilo Santana integrou o lobby

govoov

“Reunidos com parlamentares da base aliada, governadores de seis estados – Bahia, Rio de Janeiro, Tocantins, Piaui, Alagoas, Ceará – e representantes de Sergipe e do Rio Grande do Sul reiteraram, na Câmara dos Deputados, que são favoráveis à recriação da Contribuição Provisória sobre Movimentação Financeira (CPMF), como foi proposta pelo governo há dois dias. A contrapartida exigida por eles recai sobre a garantia de que a arrecadação não fique apenas com a União e que o percentual cobrado seja superior aos 0,2% sinalizados.

“Estamos irmanados em defesa da CPMF e pedindo ampliação para 0,38%”, defendeu o governador do Rio de Janeiro, Luiz Fernando Pezão. Ele explicou que a proposta dos estados é pelo compartilhamento da contribuição para ser investida nas áreas de seguridade social e saúde. O dinheiro seria dividido igualmente entre estados e municípios. “São os dois grandes gargalos nos estados e municípios, porque retiraram a CPMF e não colocaram nada no lugar”.

Na conversa sobre o pacote econômico com os deputados governistas, Pezão disse que a contribuição só foi derrubada há oito anos porque destinava os recursos exclusivamente para a União. Para ele, “nunca é tarde” para o retorno da CPMF. Pezão disse acreditar que há apoio mesmo entre os governadores de oposição.

Wellington Dias, governador do Piauí, disse que, em conversas com governadores de partidos contrários ao governo, eles reconsideraram posições “a partir do momento em que foi ampliada a discussão para a situação de estados e municípios. “No primeiro momento, o posicionamento era um percentual de 0,2% apenas para União”. Na opinião dele, assim seria difícil aprovar a CPMF.

O governador da Bahia, Rui Costa, engrossou o coro ao considerar o pacote é necessário, mas alertou que os estados querem participar das discussões em torno de uma alternativa para a situação econômica. “Precisamos de medidas de curto prazo que nos ajude a atravessar a grave crise fiscal, não importa como foi estabelecida. Esta questão não é partidária, mas de encontrar um marco estrutural para o país”, afirmou.

O presidente da Câmara Eduardo Cunha (PMDB-RJ), depois de uma conversa de uma hora com alguns dos governadores, afirmou que a situação dos estados e municípios “é delicadíssima”. “Se a União está perdendo em arrecadação, os estados e municípios estão perdendo mais fortemente, só que não podem se endividar, emitir títulos; não podem nada. Estão apelando não necessariamente para a CPMF, mas para solucionar o problema deles”, afirmou.

A conversa não o fez mudar de opinião. Cunha continua contrário à contribuição e sequer acredita que, em função dos prazos da Casa para analisar a proposta, vai solucionar o problema no próximo ano. “Com muita boa vontade, se passar, vai entrar em vigor em julho de 2016”, apostou.

O peemedebista garantiu que, se a recriação do imposto avançar, não fará obstrução à apreciação da matéria. “Eu nem posso votar [pelo Regimento]. Nem eleitor eu sou. Tenho minha opinião contrária à CPMF. É um aumento de carga tributária pernicioso porque incide em cascata. Não é cumulativa, então vai em todas as etapas”, explicou, reiterando que o governo deveria fazer um corte real nas contas da União.

Pelos cálculos do parlamentar, 75% dos cortes anunciados são relativos a recursos de “terceiros”. Ele comparou a economia anunciada com os cortes de ministérios às medidas tomadas na Câmara. “Se coloca apenas 2 R$ bilhões de despesas discricionárias, dizendo que R$ 200 milhões é pela redução de ministérios. Só nossa redução de horas extras aqui [na Câmara] vai dar R$ 80 milhões por ano. Ora, 40% do corte de ministérios equivale às horas extras da Câmara? O governo não está fazendo seu sacrifício”, criticou.

(Agência Brasil)

Líder do Pros consegue aprovar audiência para debater o desabastecimento do milho no Ceará

[youtube]https://www.youtube.com/watch?v=CwZnRnSMgRA[/youtube]

A Comissão de Integração Nacional e Desenvolvimento Regional aprovou, nesta quarta-feira, requerimento do líder do Pros na Câmara, Domingos Neto, propondo a realização de uma audiência pública sobre o desabastecimento do milho nos armazéns da Conab no Ceará. A audiência deverá ter a presença da ministra da Agricultura, Kátia Abreu, o presidente da Conab, Carlos Rubens, e o presidente da Federação da Agricultura do Ceará, Flávio Saboya.

Hoje há nove postos da Conab fechados no Estado e do milho prometido pelo governo federal – 30 mil toneladas, chegam cerca de 7 mil toneladas. Domingos Neto fez pronunciamento durante reunião dessa comissão.

 

 

 

Ciro Gomes: “Quero ajudar o Brasil e defender a democracia!”

109 3

cididid

Em seu discurso, Ciro Gomes fez uma avaliação do cenário político e econômico do País no momento, observando que a crise atual vem de um passado que permitiu, por exemplo, renuncia fiscal para as multinacionais do automóvel que custaram quase R$ 84 bilhões e elas transformaram tudo isso em remessa de lucro para o estrangeiro.

Ciro falou sobre necessidade de se ter, de fato,  uma política que promova a justiça social no País. Mas, sobre o cenário atual, afirmou que a tendência é piorar e que o governo está sem credibilidade. Ele criticou os bancos, que são aqueles mais lucraram com a política econômica do governo federal. “Só os bancos têm lucro!”, disse.

O ex-ministro revelou ter assinado a ficha no PDT “porque quero ajudar o Brasil e defender a democracia”. O ato ocorreu na sede do partido, em Brasília, nesta tarde de quarta-feira, na presença de toda a cúpula pedetista, de parlamentares da sigla e de outros partidos com o PSB do deputado Júlio Delgado, bem como sob olhares de uma caravana de políticos do Pros e do PDT do Ceará.

O ato contou com as presenças do governador Camilo Santana (PT), do prefeito Roberto Cláudio, e dos presidentes da Assembleia, Zezinho Albuquerque, e da Câmara Municipal de Fortaleza, Salmito Filho.

Ciro quer a manutenção de André Figueiredo à frente do PDT cearense

152 1

cididid

O ex-ministro Ciro Gomes discursou, logo após assinar, nesta quarta-feira, em Brasília, ao PDT, e defendeu a permanência do deputado federal André Figueiredo à frente do partido no Ceará. Pediu a união de todos da legenda para enfrentar desafios.

Quem ouviu atentamente o recado foi seu irmão, o ex-governador Cid Gomes. Há setores ligados ao cidismo que queriam seu nome comando, a partir da convenção estadual do dia 17 de outubro, o partido no Estado.

(Foto – Cláudio Barata)

Carlos Lupi : O PDT será a casa definitiva do Ciro!”

ososs

Na solenidade de filiação do ex-ministro Ciro Gomes ao PDT, das mais concorridas, o presidente nacional do partido, Carlos Lupi, em discurso, deu duas certezas: o partido, a partir de agora, vai crescer no País. Ele informou que o PDT deve ganhar receber a adesão de mais 80 prefeitos.

Outra do discurso de Lupi disse respeito ao fato de que Ciro já mudou de partido várias vezes em sua trajetória política. O dirigente nacional da sigla avisou: “O PDT vai ser a casa definitiva de Ciro Gomes!

No ato, o ex-ministro foi saudado por várias lideranças como futuro candidato a presidente da República. O prefeito de Natal assim o saudou, enquanto lideranças do Pros do Ceará, que vão mudar para o PDT dia 28 próximo, diziam que Ciro entrou para disputar.

(Foto – Cláudio Barata)

Carlos Lupi – Filiação de Ciro ao PDT é um casamento que resultou de um namoro de 13 anos

cirorororr

Sob o comando do presidente nacional do PDT, Carlos Lupí, acontece, nesta tarde de quarta-feira, em Brasília, o ato de filiação do ex-ministro Ciro Gomes ao pedetismo. A solenidade é das mais concorridas. O ministro Manuel Dias (Trabalho e Emprego), o governador Camilo Santana (PT), parlamentares como Júlio Delgado (PSB) e cerca de 50 prefeitos de todo o País como o de Fortaleza, Roberto Cláudio (Pros).

“Estamos aqui realizando um casamento de um namoro que durou 13 anos, dese quando o PDT apoiou a candidatura do Ciro a presidente da República em 2002”, disse, em discurso Carlos Lupi.

ciriroro2

O líder do PDT na Câmara dos Deputados, André Figueiredo, puxa uma caravana de pedetistas cearenses que conta com o secretário Mauro Filho (Fazenda) e o ex-secretário do Turismo do Estado, Bismarck Maia. O presidente da Câmara Municipal de Fortaleza, Salmito Filho, participa, ao lado do presidente da Assembleia Legislativa, Zezinho Albuquerque.

Brizola Neto, que é o neto do ex-governador falecido do Rio, Leonel Brizola, prestigia o evento, que lotou a sede do PDT .

(Fotos – Cláudio Barata)

Vendas no comércio varejista caíram 1% de junho a julho deste ano

“O volume de vendas do comércio varejista caiu 1% de junho para julho deste ano – sexta queda consecutiva do indicador – informou hoje (16) o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Ao divulgar os dados da Pesquisa Mensal de Comércio (PMC), o IBGE informou que, na comparação com julho do ano passado, o comércio teve queda de 3,5% nas vendas.

O comércio varejista acumula perdas de 2,4% no ano e de 1% no período de 12 meses. A receita nominal teve resultados positivos. De junho para julho, houve variação positiva de 0,1%. Na comparação com julho de 2014, a alta foi 4,2%. A receita nominal acumula altas de 4,2% no acumulado do ano e de 5,3% no período de 12 meses.

De junho para julho, o volume de vendas caiu em sete dos oito setores pesquisados pelo IBGE. O único setor que não teve queda foi o de outros artigos de uso pessoal e doméstico, que manteve-se estável. Entre os segmentos com recuo nas vendas, o principal destaque foi o de livros, jornais, revistas e papelaria, com redução de 5,5%.

Os demais setores tiveram as seguintes taxas de queda: móveis e eletrodomésticos (-1,7%), equipamento e material para escritório, informática e comunicação (-1,3%), artigos farmacêuticos, médicos e perfumaria (-1,1%), supermercados, alimentos e bebidas (-1%), tecidos, vestuário e calçados (-1%) e combustíveis e lubrificantes (-0,4%).”

(Agência Brasil)

Dilma Rousseff: Usar a crise para chegar ao poder é “uma versão moderna de golpe”

71 4

Dilma Rousseff: 'Do I look happy, Mr Obama?'

“A presidenta Dilma Rousseff disse hoje (16) que querer usar a crise econômica que o país atravessa como instrumento para chegar ao poder é “uma versão moderna do golpe”. Segundo Dilma, vários países passaram por crises nos últimos anos e, em nenhum, a “ruptura democrática” foi proposta como solução.

“Em todos esses países que passaram por dificuldades, você não viu nenhum país propondo a ruptura democrática como forma de saída da crise. Esse método que é querer utilizar a crise como um mecanismo para chegar ao poder é uma versão moderna do golpe”, comparou Dilma, em entrevista para a rádio Comercial AM, de Presidente Prudente, antes de viajar para um compromisso na cidade do interior paulista.

Dilma disse que há pessoas “que não se conformam” com o fato de o Brasil ser uma democracia sólida, baseada na legitimidade do voto popular. “Essas pessoas geralmente torcem para o quanto pior, melhor, e aí é em todas as áreas, quanto pior, melhor na economia, quanto pior, melhor na área politica; todas elas esperando uma oportunidade para pescar em águas turvas.”

Saiba Mais
Dilma diz que fará tudo para impedir avanço de processos antidemocráticos
A presidenta destacou que o Brasil “tem uma solidez institucional” e voltou a pedir união das forças políticas para fazer o país voltar a crescer. “O que temos de fazer é o seguinte, nos unirmos, todos juntos o mais rapidamente, independente das nossas posições e interesses pessoais ou partidários, e tomarmos o partido do Brasil, o partido que leva à mudança da nossa situação. Por isso, é fundamental muita calma nesta hora, muita tranquilidade e a certeza que eu posso garantir: o governo trabalha diuturnamente, incansavelmente para garantir a estabilidade econômica e política do país.”

Standard&Poor’s

Na entrevista, Dilma comentou o rebaixamento da nota de crédito do Brasil pela agência de classificação de riscos Standard&Poor’s, mas disse que a economia brasileira não tem problemas de crédito internacional nem dificuldades para atrair investimento estrangeiros.

“Estamos tomando todas as medidas para nós, não por causa da nota, estamos honrando compromissos e contratos. Não temos problemas de crédito internacional tampouco problema para atrair investimentos para o Brasil, aliás somos um dos países em que mais há entrada de capital para isso”, ressaltou.”

(Agência Brasil)

Partidos de oposição lançam a campanha “Basta de Impostos. Não à CPMF!”

mendonça-filho

O DEM, PSDB e Solidariedade – partidos de oposição, e, da base aliada (PP) lançaram hoje uma campanha contra a elevação da carga tributária no País. A campanha é denominada: “Basta de Imposto. Não à CPMF”. Os partidos anunciaram que tentarão fechar questão, em suas executivas nacionais, para impedir a aprovação de qualquer proposta que o governo envie prevendo a retomada da contribuição. O principal alvo do movimento é a sinalização dada pelo governo, durante o anúncio do pacote econômico, há dois dias, da possibilidade de criação de uma nova CPMF.

“Temos posição clara de que o país não aguenta mais imposto. Saturou. A solução para os problemas de desequilíbrio das contas passa pelo enxugamento da máquina, e da estrutura de governo, inchada na administração petista”, afirmou o líder do DEM na Câmara, Mendonça Filho (PE). Do mesmo partido, o senador Agripino Maia (RN) atribuiu à proposta de criação de uma nova CPMF “o preço que a sociedade está pagando pela reeleição da presidenta Dilma [Rousseff]”.

Para tentar reverter a situação projetada para 2016, a equipe econômica do governo disse que fará um corte de R$ 26 bilhões no Orçamento do próximo ano. Segundo o Planalto, a redução das despesas somada ao conjunto de medidas para aumentar receitas englobarão R$ 64,9 bilhões e, neste bolo, estaria a ideia de cobrança da nova CPMF.

Segundo o líder do PSDB na Câmara, Carlos Sampaio, o movimento lançado no Salão Verde da Câmara não é exclusivo das oposições no Legislativo. “É o sentimento da nação, que não suporta mais pagar impostos. Para aumentar impostos, em primeiro lugar, governo tem de ter credibilidade e este governo não tem credibilidade interna ou internacional. Em segundo lugar, a sociedade tem de ter clareza de que o governo fez sua parte e o governo não cortou gastos, e, em terceiro lugar, é importante que governo tenha base de sustentação sólida nesta Casa e não tem”, disse. Sampaio disse que nenhum dos “requisitos” foi cumprido.

guimammma

Do lado oposto, o líder do governo, deputado José Guimarães (PT-CE), tem reiterado a posição do Planalto e afirmado que as medidas são justas e reequilibram a economia, sem tirar nenhum direito dos brasileiros. Segundo ele, a criação da contribuição tem um viés provisório e objetivo apenas de cobrir os cofres do governo diante do cenário econômico do país. Guimarães afirmou que governo “cortou na sua própria carne”, com reduções nas despesas discricionárias, buscando atingir o superávit de 0,7% do PIB.

A reação da oposição foi quase imediata ao anuncio do Executivo no último dia 14. O governo começou um esforço para tentar amenizar a polêmica e costurar um acordo com a base aliada. Ontem (15) a presidenta Dilma Rousseff se reuniu com líderes governistas na Câmara e no Senado e recebeu uma carta de apoio à continuidade de seu mandato, assinada por todos os partidos aliados.

Um próximo encontro ainda deve ocorrer esta semana. A intenção é tentar viabilizar opções para que a estratégia anunciada pelo governo, e que ainda será desdobrada em projetos e medidas provisórias, chegue em um formato possível de ser aprovado pelo Congresso.”

(Agência Brasil)

Sociólogo prevê fim da polarização PT/PSDB. Seria a vez de Ciro Gomes agora?

189 14

Com o título “A Crise Política Nacional e o Fim da Polarização PSDB-PT”, eis artigo de Luiz Cláudio Ferreira Barbosa, sociólogo e consultor político. Ele analisa as perspectivas de Ciro Gomes no cenário da sucessão presidencial. O ex-ministro filia-se, nesta tarde de quarta-feira, em Brasília, ao PDT, de olho no olimpo federal. Confira:

A sociologia política nos ensina que a história política de toda sociedade é a história da sua organização produtiva mediada pelos conflitos de interesses e pelas contradições daí resultantes. A sua lógica de desenvolvimento e os condicionantes dos seus avanços ou recuos são determinados pelo nível de equilíbrio de forças dos diferentes agentes em ação. Nos períodos de crises, momento onde os conflitos sociais se aguçam, há quase sempre reacomodações ou mudanças no comando político da nação. O grau de radicalidade das mudanças será determinado, portanto, pelo grau de antagonismo dos agentes em conflitos
.
No Brasil, nos últimos 21 anos, temos vivenciado uma intensa polarização nas disputas presidenciais entre o PSDB e o PT. A hegemonia do PSDB durou 8 anos, veio na carona do sucesso do Plano Real do governo Itamar Franco e foi substituído pelo PT, quando os seus pressupostos macroeconômicos fracassaram e a economia brasileira entrou em crise. O crescimento da economia e os avanços sociais, por sua vez, garantiram as sucessivas vitórias dos candidatos petistas.

Durante essas duas décadas, algumas candidaturas alternativas ousaram quebrar essa polarização, mas as condições históricas, aliadas aos interesses da grande mídia nacional inviabilizaram o sucesso de uma terceira via.

Hoje, a conjuntura sócio-política que favoreceu a ascensão do PT mudou radicalmente. Um conjunto de fatores, como o agravamento da crise brasileira, provocada pela recessão e pelo crescimento do desemprego; a percepção dos eleitores de Dilma de que foram vítimas de um grande estelionato eleitoral; a descoberta de uma ampla rede de corrupção envolvendo figuras proeminentes do governo, do partido petista e de membros graúdos da base aliada – PMDB-PP – e, principalmente, pela certeza da exaustão do projeto lulopetista, criaram as condições objetivas e subjetivas para uma inflexão nesse anacrônico quadro de disputa maniqueísta e a ampliação do espaço para o surgimento de novas candidaturas, longe do espectro PSDB-PT.

No cenário nacional, há uma notória escassez de quadros políticos capazes de empolgar o eleitor neste momento de grave crise. O PSDB conta com os nomes carimbados do José Serra, Geraldo Alkimin e Aécio Neves, estigmatizados pelas propostas neoliberais e por representar, no imaginário político do brasileiro, a volta do falido modelo FHC.

O PT, por sua vez, conta somente com a figura carismática do Lula, porém, fortemente abalada pelos sucessivos escândalos de corrupção. O Ministério Público Federal e a Justiça Federal investigam, com grande repercussão na mídia, as graves acusações do empresário Léo Pinheiro, dono da OAS, feitas ao Lula. Também há indícios de que o Lula teria usado sua influência sobre o BNDES e no BNB para favorecer a Odebrecht, o falido empresário Eike Batista e o amigo Walter Faria, dono da Cervejaria Itaipava. As suspeitas de enriquecimento ilícito do Lulinha também contribuem para desgastar a imagem do ex-presidente. Esses fatos, que correm no universo da Lava Jato, podem evoluir e inviabilizar, definitivamente, a sua possível candidatura à Presidência da República.

Restam ainda os nomes de Ronaldo Caiado (DEM), Jair Bolsonaro (PP), Eduardo Paes (PMDB), Marina Silva e a do cearense Ciro Gomes. Ronaldo Caiado e Jair Bolsonaro, com os seus discursos conservadores e com bandeiras pouco convincentes, tendem a disputar um nicho de eleitorado não muito expressivo. Eduardo Paes do PMDB, prefeito do Rio de janeiro, não tem boa avaliação como gestor municipal e é ainda um nome desconhecido dos brasileiros. Marina, por sua vez, tem uma candidatura que classificaria como natimorta. As suas históricas indefinições ou ambiguidades de posições em relação ao governo petista e a sua ausência nos debates que discutem a crise que se intensificou desde o início do segundo governo Dilma têm esvaziado o seu espaço numa disputa sucessória.

Resta o cearense Ciro Gomes. Com um invejável curriculum político, Ciro tem longa experiência no executivo e no legislativo. Foi deputado estadual, federal, ministro da Fazenda no governo Itamar Franco e ministro da Integração Nacional, no Governo Lula. Como prefeito de Fortaleza(1989-90) e como governador do Ceará (1991-94), Ciro foi otimamente avaliado pelo eleitor.

Figura carismática, político determinado, conhecido pela agudeza da sua inteligência e dono de um discurso “rápido e redondo”, Ciro Gomes é conhecido ainda por ser um político polêmico e por não fugir ao debate. Duas vezes candidato à Presidência da República (1998 \ 2002) e dono de um grande recall político, Ciro Gomes acaba de entrar no PDT. Partido de tamanho médio, em crescimento, com grande tradição de lutas e com uma enorme capilaridade nacional, o PDT tem potencial para construir um grande arco de aliança e viabilizar uma candidatura competitiva.

Neste momento de crise, de implosão das condições que permitiram a polarização política nos últimos 21 anos, acredito que Ciro Gomes tem tudo para ser não mais a terceira via, mas a alternativa contra o fim da polarização PT – PSDB.

*Luiz Cláudio Ferreira Barbosa,

Sociólogo e consultor político.

Caucaia agora é zona livre do sarampo

[youtube]https://www.youtube.com/watch?v=H57466he900[/youtube]

O secretário da Saúde de Caucaia (Região Metropolitana de Fortaleza), Deuzinho Filho, comemora: a cidade ganhou certificação de zona livre do sarampo. Foi dada pelo Ministério da Saúde, após intensa campanha de vacinação.

Deuzinho viajou, inclusive, para Brasília, onde tentará novos recursos para ações de sua pasta. Quer apoio via emendas dos parlamentares federais que foram votados nesse município.

DETALHE – Além de Caucaia, Fortaleza também saiu dessa situação vexatória.

TSE garante registro para o Partido Novo

O Tribunal Superior Eleitoral aprovou a criação do 33º partido do País – o Partido Novo. A legenda já poderá, inclusive, disputar as eleições municipais de 2016. A nova sigla é formada principalmente por profissionais do setor privado, sem experiência na política, e identificados com ideias liberais.

Entre os integrantes estão administradores, engenheiros, estudantes, advogados, médicos, economistas, empresários, entre outros profissionais. O partido se compromete a barrar o carreirismo político, impedindo que os eleitos pela legenda exerçam mais do que dois mandatos consecutivos no mesmo cargo do Poder Legislativo, defende o voto facultativo.

O Partido Novo já fundou 9 diretórios estaduais (em SP, RJ, MG, ES, DF, GO, MS, RO e RN) 4 núcleos de apoio (no RS, SC, PR e PE).

(Folhapress)

VAMOS NÓS – Alguém se habilita no Ceará a implantar esse Partido Novo?

Todos por Ciro Gomes

86 3

O governador Camilo Santana (PT) e o prefeito Roberto Cláudio uniram o útil ao agradável em matéria de agenda nesta quarta-feira. Ambos prestigiarão a filiação do ex-ministro Ciro Gomes ao PDT, às 14 horas, mas, também circularam por alguns ministérios.

Camilo tem reunião com o secretário de Assuntos Internacionais do Ministério do Planejamento, Cláudio Puty, participa de encontro com outros governadores na Câmara dos Deputados, de olho n Nova CPMF e, no fim da tarde, será recebido pelo ministro da Fazenda, Joaquim Levy.

Roberto Cláudio incluiu audiência nos ministérios da Justiça, Cidades e Turismo.

VAMOS NÓS – Quem paga essa conta de viagens que coincidem sempre com os interesses do político de plantão? Eis a questão.