Blog do Eliomar

Categorias para Brasil

Mulher de João de Deus será ouvida pela Polícia de Goiás

A esposa do médium João de Deus, Ana Keyla Teixeira, de 40 anos, prestará depoimento nesta quarta-feira (26), a partir de 13h, na Delegacia Estadual de Investigações Criminais (Deic), em Goiânia. Ana Keyla, que tem defendido o marido, será interrogada pelo delegado Valdemir Pereira. Ela é mãe da filha mais nova do médium, acusado de crimes sexuais.

Um novo depoimento do médium João de Deus, para a Polícia Civil de Goiás (PCGO), não deverá mais ocorrer esta semana, como estava previsto. Segundo a PCGO, o investigado só será ouvido depois de novas diligências, incluindo oitivas de testemunhas.

João de Deus terá que explicar a origem de mais de R$ 1,6 milhão escondidos em endereços ligados a ele, além das das cinco armas sem registro apreendidas. Ao todo, o médium pode responder por quatro crimes: estupro, estupro de vulnerável, violação sexual mediante fraude e posse ilegal de arma.

Histórico

A força-tarefa do Ministério Público (MP) de Goiás, que investiga as denúncias de crimes sexuais envolvendo o médium, já recebeu 596 relatos de mulheres que se dizem vítimas de João de Deus. Dessas, 75 já foram ouvidas em Goiás e em outros estados.

Segundo os promotores que atuam na força tarefa, das 255 pessoas identificadas, 23 tinham entre 9 e 14 anos na ocasião dos fatos, 28 delas, entre 15 e 18 anos, e 70, idade de 19 a 67 anos.

João de Deus está preso preventivamente desde o dia 16 no Núcleo de Custódia de Aparecida de Goiânia, a 18 quilômetros da capital. A defesa já recorreu ao Superior Tribunal de Justiça (STJ) e ao Supremo Tribunal Federal (STF), na tentativa de reverter a detenção para prisão domiciliar com tornozeleira.

(Agência Brasil)

Saque do abono salarial 2016 termina nesta sexta-feira

O prazo para o saque do Abono Salarial ano-base 2016 termina na próxima sexta-feira (28). Cerca de 7,5% dos trabalhadores com direito ao recurso ainda não sacaram o dinheiro. O valor ainda disponível de R$ 1,3 bilhão para 1,8 milhão de trabalhadores. Inicialmente, o prazo limite era 29 de junho, mas a prorrogação foi autorizada em julho por resolução do Conselho Deliberativo do Fundo de Amparo ao Trabalhador (Codefat).

Até o momento, já foram pagos R$ 16,7 bilhões para 22,7 mil trabalhadores. A região com maior percentual de beneficiários a receber o Abono 2016 é a Centro-Oeste, onde 11,63% das pessoas com direito ao recurso ainda não foram ao banco receber o benefício.

O estado com mais trabalhadores que ainda não retiraram o dinheiro é São Paulo. São 410,5 mil pessoas, ou 6,95% do total de beneficiários. O valor ainda disponível para esses trabalhadores é mais de R$ 297 milhões.

Já o Distrito Federal é a Unidade da Federação (UF) com maior número proporcional de beneficiários com direito ao saque que ainda não retiraram o valor. Na capital federal, 29,33% estão nessa situação. São 148,5 mil trabalhadores com R$ 110 milhões para retirar.

Tem direito ao abono salarial ano-base 2016 quem estava inscrito nos programas de Integração Social (PIS) e de Formação do Patrimônio do Servidor Público (Pasep) há, pelo menos, cinco anos, trabalhou formalmente por pelo menos 30 dias em 2016 com remuneração mensal média de até dois salários mínimos e teve seus dados informados corretamente pelo empregador na Relação Anual de Informações Sociais (RAIS).

A quantia a que cada trabalhador tem direito depende do tempo em que ele trabalhou formalmente em 2016. Quem esteve empregado o ano todo recebe o valor cheio, que equivale a um salário mínimo (R$ 954). Quem trabalhou por apenas 30 dias recebe o valor mínimo, que é 1/12, e assim sucessivamente.

Trabalhadores da iniciativa privada devem procurar a Caixa Econômica Federal. A consulta pode ser feita pessoalmente, pela internet ou pelo telefone 0800-726 02 07. Para servidores públicos, a referência é o Banco do Brasil, que também fornece informações pessoalmente, pela internet ou pelo telefone 0800-729 00 01.

(Agência Brasil)

Cearense vai presidir a Valec, estatal das ferrovias, na Era Bolsonaro

480 8

O cearense Valmir Campelo, ex-presidente do Tribunal de Contas da União (TCU), vai presidir a Valec, a estatal das ferrovias na Era Bolsonaro. A informação é do jornal Correio Braziliense.

Valmir aceitou convite do futuro ministro da Infraestrutura, Tarcísio Freitas, a quem o órgão ficará vinculado. A escolha decorre do bom trânsito de Campelo nos tribunais, no TCU e também no meio político.

Valmir Campelo foi administrador de Taguatinga, Gama e Brazlândia, deputado, senador, ministro do TCU e vice-presidente do Banco do Brasil.

Neste ano, estava cotado para disputar o governo do DF ou o Senado pelo PPS, mas desistiu de qualquer candidatura.

(Foto – Correio Braziliense)

Tasso vai mergulhar na busca por votos para ganhar a presidência do Senado

240 2

Após as festas de fim de ano, o senador Tasso Jereissati (PSDB) cairá em campo em busca de votos para ganhar a presidência do Senado. Ele já comunicou à família e aos tucanos locais que este é um dos seus projetos para 2019.

Tasso até virou amiguinho do senador eleito Cid Gomes (PDT), que articula um bloco em favor do tucano. O nome de Jereissati agrada aos bolsonaristas, que tem, principalmente, uma vitória do emedebista Renan Calheiros.

(Foto – Agência Senado)

UFC inscreve para curso de férias sobre arte chinesa

O Instituto Confúcio na Universidade Federal do Ceará encera, nesta quinta-feira (27), exclusivamente via formulário eletrônico (https://docs.google.com/forms/d/e/1FAIpQLSfxm7fL_Tmd98lDGXKwMBUNz_10lWXNa4pjrDifUqOIYYpsqA/viewform), inscrições para o curso de férias “Um Vislumbre da Arte Chinesa”.

O programa do curso terá os seguintes tópicos: Pintura chinesa e caligrafia; Nó chinês: Arte folclórica chinesa; Cerimônia do chá: arte do chá chinês; e Culinária e festival chineses: a celebração do Festival da Primavera. São ofertadas 30 vagas, contemplando as comunidades interna e externa à UFC.

Os interessados devem ter proficiência em língua inglesa em nível intermediário ou avançado, pois as aulas são ministradas em inglês. As atividades do curso ocorrerão aos sábados, de 5 a 26 de janeiro de 2019, na sala 105 do Bloco Didático III da Faculdade de Economia, Administração, Atuária e Contabilidade (FEAAC – Rua Marechal Deodoro, 400, Benfica), em Fortaleza. No total serão 12 horas-aula.

SERVIÇO

Mais informações podem ser obtidas pelo e-mail assessoriatecnica@prointer.ufc.br ou no site do Instituto Confúcio (www.institutoconfucio.ufc.br).

*Instituto Confúcio – (85) 3366 7336.

===

Sistema S – Ameaça de corte na verba gera conflito entre CNI e equipe econômica de Bolsonaro

O presidente da Fiec, Beto Stuart, não vai à posse de Bolsonaro. Encontra-se no Exterior.

Da Coluna do Eliomar de Lima, no O POVO desta quarta-feira

O espírito natalino não conseguiu resolver uma pendenga que promete render a partir de janeiro, quando Jair Bolsonaro tomar posse: a relação da Confederação Nacional das Indústrias (CNI) com a equipe econômica do futuro ministro da Economia, Paulo Guedes.

Isso, porque Guedes não abre mão de corte o orçamento do Sistema S (Sesi, Senai, Sesc, Senac e Sebrae) em 2019, justificando ter chegado a hora do empresariado dar sua cota de sacrifício, pois a CUT, sem contribuição sindical, já fez o seu sacrifício.

O problema é que o presidente da CNI, Robson Andrade e seu grupo se sentem não só revoltados, mas traídos. Eles querem as reformas de um governo que teve o apoio da entidade, mas avaliam que mexer no dinheiro do Sistema S é absurdo, pois a verba é oriunda de contribuição patronal. A turma de Guedes não vê dessa forma e diz que quer cortar 30%, mas, se não vier acordo, dará uma faca de 50%.

Na base, federações das indústrias, o clima é de revolta. O presidente da Fiec, Beto Studart, por exemplo, vai passar o Réveillon fora do País e, portanto, sem conferir o ato de posse de Jair Bolsonaro.

(Foto – Fiec)

Em mensagem de Natal, Lula diz que “a luta por um mundo melhor continua”

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva enviou uma carta de Natal, na noite da 2ª feira passada, aos militantes da Vigília Lula Livre e pediu que seus apoiadores sigam fortes. “O ódio pode estar na moda, mas não temam nem se impressionem com essas pessoas posando de valentões”, afirmou o petista em referência ao governo eleito de Jair Bolsonaro (PSL). A mensagem foi lida pelo ex-prefeito de São Bernardo do Campo Luiz Marinho (PT), em frente à Superintendência da Polícia Federal em Curitiba (PR), onde Lula está preso desde abril.

De acordo com o ex-presidente, o tempo “deles” (oposição) vai passar e a verdadeira mensagem de Jesus, “um marceneiro que foi perseguido pelos vendilhões do templo, pelos soldados e pelos promotores dos poderosos”, vai continuar a ecoar em cada Natal: uma mensagem de amor, fraternidade e esperança. “A luta por um mundo melhor continua”, acrescentou.

Lula lembrou ainda que, neste Natal, ele não poderá estar junto de sua família, filho e netos, mas acredita que não está sozinho “Estou com vocês da vigília, que têm sido minha família”, afirmou na carta. Ele também agradeceu a companhia dos militantes e considerou uma “provação” a escolha feita por seus apoiadores de enfrentar dias de frio e calor no Paraná.A vigília Lula Livre reuniu militantes em Curitiba na última segunda-feira. Um ato político à noite antecedeu uma celebração inter-religiosa. Em seguida, cerca de 300 pessoas participaram da Ceia de Natal em homenagem ao ex-presidente. Os militantes gritaram “Feliz Natal” para Lula.

(Com Agências/Foto – Agência Brasil)

Editorial do O POVO – “Novo Governo precisa do BNB”

174 2

Com o título “Novo Governo precisa do BNB”, eis o Editorial do O POVO desta quarta-feira:

o atingimento da meta de empréstimos do Fundo Constitucional de Financiamento do Nordeste (FNE) pela atual diretoria do Banco do Nordeste do Brasil (BNB) possui significado extra. Vai além do reconhecido mérito da atual gestão em aplicar acima dos R$ 30 bilhões estipulados para este exercício.

Conforme antecipou seu presidente Romildo Rolim, o BNB alcançou a marca de R$ 30.245.325.966,64 e já mira os R$ 32 bilhões até o fim desta semana e do ano. Foi uma meta ousada ante os R$ 17 bilhões de 2017. E um adendo: somando com o Crediamigo, o programa de microcrédito criativo do Banco, um segmento no qual o BNB é o principal especialista no País, chegou-se a R$ 40 bilhões.

Fosse uma instituição financeira como outra qualquer, seria um resultado a ser lido sob angulação apenas monetária e de medição de desempenho. Contudo, em se tratando do Banco do Nordeste, há variáveis outras no plano do intangível. Implica respeito pela principal instituição da União Federal na região.

Em plena transição de comando no Palácio do Planalto, como uma nova configuração de política econômica no Governo a ser iniciado dentro de seis dias, a demonstração de vigor do Banco reforça o quão fundamental ele é no papel de executar uma política de desenvolvimento regional. Nada de favor, mas aquilo que preconiza a Constituição vigente, nascida há 30 anos sob a égide da Cidadania.

Por mais sobejas que sejam as provas de importância para a economia de nove estados do Nordeste e partes de Minas Gerais e Espírito Santo, o BNB de modo recorrente padece das ameaças de fusão ou incorporação. A discussão deve se abrenhar no volume, no cumprimento das regras de compliance e também no perfil dos tomadores. Qual o modelo hoje, qual o porte do clientes atendidos pelas operações e como estabelecer a blindagem da atuação da Diretoria frente a natural pressão política na máquina estatal. Tudo isto diz muito da capacidade de irrigação dos recursos na economia.

A questão carrega daltonismo político em seu âmago. As cores partidárias historicamente mostraram-se indiferentes no tratamento dedicado por Brasília à pauta regional. Os interesses dos estados do Centro-Sul emergem na semântica. Os incentivos concedidos por estados manietados por limitações econômicas advindas de um crescimento pouco equânime recebem a alcunha de guerra fiscal.

O novo Governo terá conseguido sair do lugar comum caso atente para o Nordeste, seu Banco e suas políticas não como um paliativo, mas como uma estratégia importante para a economia nacional.

(Editorial do O POVO)

Prazo para justificar ausência no 2º turno termina nesta quinta-feira

O prazo para justificar a ausência no segundo turno das eleições gerais de 2018, dia 28 de outubro, termina nesta quinta-feira (27). Os eleitores que não votaram no segundo turno precisam regularizar a situação, sob pena de impedimento de fazer matrícula em universidades, tirar o passaporte, tomar posse em cargo público e receber o salário, no caso dos servidores.

Segundo o Tribunal Superior Eleitoral (TSE), o não comparecimento injustificado no dia da eleição é irregularidade punível com multa. Pela Constituição, os brasileiros com idade entre 18 anos e 70 anos são obrigados a votar. Após três ausências consecutivas não justificadas, o título de eleitor é cancelado.

Não precisam justificar a ausência os eleitores cujo voto é facultativo (analfabetos, os com 16 anos a 18 anos e os maiores de 70 anos), além dos portadores de deficiência física ou mental que torne impossível ou demasiadamente oneroso o cumprimento das obrigações eleitorais. A justificativa pode ser feita diretamente nos cartórios eleitorais ou pela internet.

Formulário
No primeiro caso, é necessário preencher o formulário disponível no cartórios eleitorais, nos postos de atendimento ao eleitor e nas páginas da Justiça Eleitoral na internet. O documento deverá ser entregue no cartório eleitoral ou enviado por via postal ao juiz da zona eleitoral na qual o eleitor é inscrito. É preciso anexar comprovante do motivo da ausência.

Pela internet, a justificativa é feita no Sistema Justifica. O eleitor deverá preencher o formulário online, informando seus dados pessoais e o motivo da ausência, bem como anexar o comprovante do impedimento para votar. Se a justificativa for aceita, o eleitor será avisado da decisão.

O brasileiro residente no exterior que não votou também precisa justificar o não comparecimento às urnas. Ao requerimento de justificativa eleitoral devem ser juntadas cópias do documento oficial brasileiro de identidade e do comprovante dos motivos alegados para justificar a ausência. A documentação deve ser enviada ao juiz da Zona Eleitoral do Exterior ou entregue nas missões diplomáticas ou encaminhada pelo Sistema Justifica.

(Agência Brasil)

Brasileiros passam bem após acidente com teleférico na Colômbia

A Embaixada do Brasil em Bogotá, na Colômbia, informa que os três brasileiros envolvidos em acidente com teleférico (bondinho) no morro de Monserrate passam bem. Segundo informação do Ministério das Relações Exteriores, a representação fez contato com o hospital onde os brasileiros foram encaminhados.

Conforme a imprensa local, ao todo 28 pessoas foram envolvidas em acidente ocorrido nessa segunda-feira, 24, a maioria estrangeira. De acordo com nota nas redes sociais do Corpo de Bombeiros de Bogotá, apenas cinco pessoas precisaram de atendimento emergencial antes da ida ao hospital.

O morro de Monserrate é ponto turístico e de peregrinação religiosa na região metropolitana de Bogotá.

As autoridades informaram que houve falha nos freios de uma das cabines, o que causou a perda de controle. Não há relatos de mortes.

Em funcionamento desde 1929, o bondinho de Monserrate é um dos pontos turísticos mais importantes da capital colombiana. Porém, havia críticas sobre a necessidade de atualizar o sistema técnico e de fiação do teleférico.

(Agência Brasil)

Paulo Guedes e CNI não vão comer o mesmo peru de Natal

Quem acompanha de perto as conversas entre o futuro ministro da Economia, Paulo Guedes, e sua equipe garante que a vontade da turma de “passar a faca no Sistema S” só se equipara ao desejo de ficar a léguas de distância do presidente da Confederação Nacional da Indústria (CNI), Robson Andrade.

É o que informa o jornalista Lauro Jardim, colunista do O Globo.

A CNI, com suas federações, está possessa com a decisão de Guedes de cortar 30% da verba do Sistema S, o que pode chegar a 50%, caso não haja acordo.

(Foto – Agência CNI Brasil)

Temer fala à Nação nesta véspera de Natal

O presidente Michel Temer fará hoje (24), às 20h30, um pronunciamento em cadeia nacional de rádio e televisão de aproximadamente três minutos.

A manifestação ocorre a menos de uma semana da transmissão da faixa presidencial para o presidente eleito, Jair Bolsonaro, que assume o Palácio do Planalto no próximo dia 1º. Tradicionalmente, os presidentes da República falam à nação na véspera do dia de Natal. A expectativa é que Temer apresente um breve balanço dos dois anos e meio à frente do governo.

No Natal passado, o presidente destacou que estava conduzindo uma série de mudanças positivas para o país, citou a recuperação da Petrobras e o esforço para colocar o Banco Nacional do Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) a serviço da sociedade. Também mencionou a redução dos juros e os avanços dos programas sociais.

Em 2016, Temer destacou que seu esforço se concentrava em desburocratizar e atrair investimentos para o Brasil.

(Agência Brasil)

PT fará plantão durante o recesso parlamentar para analisar medidas do novo governo

Gleisi Hoffmann preside o PT nacional.

O Partido dos Trabalhadores convocou integrantes de sua assessoria técnica na Câmara dos Deputados e no Senado para que fiquem de plantão durante o recesso parlamentar. A missão será examinar com lupa as primeiras medidas que forem encaminhadas pelo governo Jair Bolsonaro ao Congresso. É o que informa a Folha de S.Paulo.

Os petistas pensam em recorrer a manobras regimentais para travar o avanço de propostas que devem ser enviadas nos primeiros dias de janeiro, como a reorganização dos ministérios de acordo com o desenho definido pelo presidente eleito.

A direção do PT acha que Bolsonaro usará os primeiros dias de seu governo para criar fatos políticos de impacto em algumas áreas. Uma das apostas dos petistas é que haverá rompimento nas relações com Cuba e Venezuela, países vetados na posse do novo presidente.

(Foto -Veja)

Ciro passa o Natal em Fortaleza, mas de olho no País

356 12

Ciro Gomes já regressou dos EUA e passará o Natal com a família aqui em Fortaleza.

Ele ainda avalia, no entanto, se passará também por aqui o Réveillon e se vai ficar para a solenidade de posse do governador Camilo Santana (PT), a partir da 14 horas do dia 1º, na Assembleia Legislativa.

Ciro definiu quem em 2019 vai continuar sua peregrinação de palestras pelo Brasil. Quer reforçar a tese de que será a oposição de verdade ao futuro governo de Bolsonaro.

(Foto – Facebook)

José Macêdo, a saudade que muitos vão gostar de ter

187 2

Com o título “Meu pai, José Macêdo”, eis artigo do empresário Roberto Macêdo, filho do ex-senador José Macêdo, que nos deixou recentemente, aos 99 anos. Confira:

Meu pai, José Dias de Macêdo, cumpriu de forma digna, verdadeira, simples e muito produtiva sua missão na terra por 99 anos e 4 meses, fazendo por merecer, certamente, um julgamento justo de Deus.

Orgulha-nos, a toda a nossa família, o seu comportamento como esposo e pai amoroso, amigo, delicado e presente em todos os momentos; como cidadão exemplar, respeitador do próximo, trabalhador incansável e ético; como empresário visionário, empreendedor, ousado, inovador e pioneiro em quase tudo que realizou.

O pioneirismo do meu pai, José Macêdo, manifesta-se em vários empreendimentos que foram fundamentais para o desenvolvimento do Ceará e do Nordeste: importou o Jeep – que havia sido desenvolvido para a guerra – para servir de transporte e cumprir função de implemento agrícola; fundou a primeira autoescola para ensinar o cliente a dirigir; instalou o primeiro moinho de trigo, o primeiro frigorífico industrial, a primeira fábrica de transformadores elétricos, a primeira cervejaria, a primeira fábrica de pneus, e pagou 13º salário bem antes de ser lei.

A atenção às pessoas era o mais forte motor da sua ação em todos os aspectos. Com simplicidade e respeito ao outro, mesmo tendo alcançado o patamar de grande industrial, ele se considerava um vendedor e costumava dizer que todos na empresa eram também vendedores e melhores do que ele no que cada um fazia. A não ostentação era uma marca do meu pai, que nos orientava a sempre nos comportar como uma família de classe média com recursos.

Meu pai, José Macêdo, era um homem que amava a natureza e os animais. Tinha um atavismo sertanejo com o qual equilibrava o intenso ritmo de vida do homem de negócios. Das suas virtudes, uma demonstra bem a singularidade da sua grandeza: ele nunca fingia saber do que não sabia, e, assim, não receava em fazer perguntas; e por ter isso como um valor, também não escondia nada do que descobria. E agora, José? Olhai por nós!

*Roberto Macêdo

roberto@pmacedo.com.br

Empresário.

Lojistas tentam derrubar taxa dobrada que shoppings sobre as vendas de dezembro

Sempre em dezembro, donos de shoppings cobram aluguel dobrado dos lojistas, o que está no contrato. Já os lojistas reclamam dessa compulsoriedade, considerando que, neste mês, não vendem dobrado.

Há, inclusive, uma lei no Congresso querendo extinguir essa norma.

Alguns querem saber: o senador Tasso Jereissati vai apoia essa luta?

(Foto – Arquivo)

BNB renova por cinco anos parceria para compartilhamento da rede de lotéricas da Caixa

A parceria entre o Banco do Nordeste e a Caixa para compartilhamento da rede de atendimento, por meio das casas lotéricas, foi prorrogada por cinco anos. O acordo foi assinado pelos presidentes do BNB, Romildo Rolim, e o da Caixa, Nelson de Souza, na última semana, em Brasília, na sede da Caixa Econômica. A informação é da assessoria de imprensa do Banco do Nordeste.

Desde maio de 2018, os clientes do Banco do Nordeste, principalmente os atendidos pelos programas de microcrédito urbano e rural, Crediamigo e Agroamigo, podem realizar nas lotéricas os serviços de saque até R$ 1,5 mil, consulta de saldo e pagamento de boletos bancários.

Já foram realizadas mais de 680 mil operações na rede compartilhada. São mais de R$ 314 milhões em saques. Com a parceria, a capilaridade do BNB foi ampliada em 13 mil pontos de atendimento no país. Só no Nordeste são mais de 5 mil.

(Foto – Ilustrativa)

Posse de Bolsonaro será transmitida por pool de emissoras

Um pool de emissoras, como é o hábito desde a posse da primeira eleição direta para presidente, em 1990, vai transmitir a posse de Jair Bolsonaro. A informação é do site Diário do Poder.

A TV Record vai ceder o helicóptero para as imagens aéreas do dia 1º de janeiro, enquanto a Globo acompanhará o percurso de carro, apesar de não se saber se vai o veículo será o clássico Rolls Royce aberto ou um carro fechado. A Band e o SBT também estarão responsáveis por parte da transmissão da posse de Jair Bolsonaro.

O plano é que o “pool” tenha acesso ao conjunto de imagens, já que um só canal não teria condições (nem acesso) para fazê-lo sozinho.

A TV Brasil, da estatal EBC, é responsável pela cobertura a partir do momento que Bolsonaro chega ao Palácio do Planalto.

Então é Natal – A Luís Inácio Lula da Silva

177 1

Com o título “A Luís Inácio Lula da Silva”, eis crônica do professor universitário e arquiteto Romeu Duarte. “Entre uma garfada e outra no peru, o pensamento viaja a Curitiba, onde alguém se encontra preso e sofrendo injustamente os cruéis efeitos do maior lawfare de que já se teve notícia”, diz o articulista. Confira:

Tal como a rabanada, figurinha fácil nas ceias de Natal e Ano Novo, dois itens são inescapáveis em todas as quadras natalinas: o Natal de Luz na Loura Mamãe Noel do Sol e o show de Roberto Carlos na noite do nascimento do Santo Filho do Homem. Estes eventos têm atravessado gerações a fio, já se constituindo em acontecimentos que são esperados ao longo do ano por legiões e legiões de ardorosos fãs. “Ah, meu senhor, Natal sem as festas nas praças Portugal e do Ferreira e sem a música do Rei é o mesmo que carnaval sem cachaça e São João sem bolo de milho”, diz a vendedora ambulante de moda íntima no Centro, “sutiã e calcinha da moça da novela a dez real”. Pois é, com patrimônio cultural não se brinca, que a voz do povo é a voz de Deus, ora.

Com os festejos natalinos chegando cada vez mais cedo, traduzidos na tênue neve de algodão que emoldura as vitrines das lojas (já que a neve de verdade jamais cairá nestas latitudes, para desespero de muita gente), as árvores de Natal high-tech se armam nos dois logradouros públicos, sob os olhares cúmplices dos transeuntes. À noite, as duas praças se esquecem de que são redutos de tribos políticas adversárias e se deixam invadir pelos cânticos e as lembranças. Os moradores de rua da zona central sabem que aquele Natal não é deles e se mudam de latas e colchonetes para a Praça José de Alencar.

Do outro lado da cidade, a praça do Meireles, tão iluminada quanto a sua colega do Centro, amplia a sua forma de pátio de shopping, sacolas para lá e para cá.

Rente como panetone quente, o Brasa é pule de dez nas consoadas, tanto faz se nas ricas, nas remediadas ou nas pobres. Mas qual Rei se fará ouvir? O que começou meio tatibitate na bossa-nova e no samba-canção? O que conquistou milhões de fãs com o iê-iê-iê? O rapaz de olhos fundos e da alegria triste? O que se transformou no imperador dos motéis? O defensor das baleias, das mulheres gordinhas, pequenas e de 40? Ou o devoto fervoroso de Nossa Senhora? Claro, os bordões não podem faltar: “É uma brasa, mora!”, “E aí, bicho?”, “Meu amigo de fé, meu irmão camarada, Erasmo Carlos”. Sim, e quanto aos infalíveis convidados? Certamente mais uma vez estará vestido em branco e azul, com seu tom nasal, encantando e cantando “Esse cara sou eu”.

Entre uma garfada e outra no peru, o pensamento viaja a Curitiba, onde alguém se encontra preso e sofrendo injustamente os cruéis efeitos do maior lawfare de que já se teve notícia. A não ser, discordante leitor(a), que você queira também receber o mesmo tratamento jurídico a ele dispensado.

Pimenta na rosca de Natal dos outros é refresco, pois não? Fico imaginando como ele, solto, poderia curtir este momento tão aguardado pelas famílias brasileiras. Nos últimos dias, mais uma vez se rasgou a Constituição para mantê-lo atrás das grades, não importando se o sistema jurídico nacional fosse se enlamear ainda mais. Nas ruas, em vez de “Feliz 2019”, deseja-se “Que você escape em 1964”. Tempos difíceis, duros, retrógrados. Sigamos.

Feliz Natal, Lula, abraços.