Blog do Eliomar

Categorias para Brasil

Vem aí o Tejubode 2015

216 2

bode

Após dois anos suspenso, vem aí o Tejubode, a maior feira de ovinos e caprinos do Ceará, que ocorrerá em Tejuçuoca (Zona Norte).

A festa, com exposição de animais, leilões e shows, ocorrerá de 4 a 6 de setembro, no parque municipal.

Neste ano, por causa da seca, seguindo o estilo parceria público-privada, informa o prefeito Walmar Bernardo.

Tudo pronto para a XIII Mostra Brasileira do Teatro Transcendental

[youtube]https://www.youtube.com/watch?v=oed7juMInns[/youtube]

Vem aí a XIII Mostra Brasileira do Teatro Transcendental. 

De 19 a 23 deste mês, no Teatro do Via Sul. Durante os cinco dias, o evento levará ao público seis espetáculos teatrais, entre drama, comédia e infantil.

A Mostra trará peças que valorizam o tema escolhido esse ano – “Ética e cidadania: vamos usar todo dia!” e transmitem mensagem de paz, amor e solidariedade.

XX Encontro Nacional dos Jornalistas em Assessoria de Imprensa com descontos na inscrição

Atendendo a uma reivindicação de jornalistas sindicalizados e estudantes de jornalismo pré-sindicalizados, a diretoria do Sindicato dos Jornalistas Profissionais no Ceará (Sindjorce) decidiu manter a tradição da entidade e anunciou a adoção de uma política diferenciada para as inscrições de associados para o XX Encontro Nacional dos Jornalistas em Assessoria de Imprensa, que ocorre em Fortaleza de 1º a 3 de outubro.

Os filiados em dia e pré-filiados terão desconto de 10% no valor da inscrição para o evento, podendo parcelar o pagamento em até três vezes no cheque. Para o jornalista sindicalizado em dia, a taxa cai de R$ 330,00 para R$ 297,00, divididos em até três vezes, com parcelas iguais de R$ 99,00, sendo o primeiro cheque para o dia, o segunda para 1º de setembro e o terceiro para 1º de outubro, data do início do XX ENJAI.

Com o desconto, a taxa de inscrição para estudantes pré-sindicalizados e jornalistas aposentados filiados ao Sindjorce cai de R$ 165,00 para R$ 148,50, podendo ser parcelados em três cheques de R$ 49,50. Os mesmos valores e condições de pagamento valem ainda para jornalistas sindicalizados desempregados, com o primeiro cheque para o dia, o segundo para 1º de setembro e o terceiro para 1º de outubro. 

Sindicalização e pré-sindicalização gratuitas 

Para sindicalizados inadimplentes, não haverá o desconto de 10%, mas o pagamento da inscrição poderá ser parcelado em duas vezes no cheque, no valor de R$ 165,00, sendo o primeiro para o dia e o segundo para 1º de outubro.

Se você não é sindicalizado, nem pré-sindicalizado, mas tem interesse em ter acesso à política de descontos para inscrição no maior fórum nacional de debates dos jornalistas em assessoria de imprensa do Brasil, basta se associar ao Sindjorce. A sindicalização é inteiramente gratuita. Informações com o funcionário Macell Davis nos telefones 85. 3272.2966 ou 3247.1094.

Em caso de escolha da modalidade de inscrição por meio de cheques pré-datados, o pagamento deve ser feito diretamente na tesouraria do Sindjorce, que funciona na Rua Joaquim Sá, 545, bairro Dionísio Torres (entre as ruas Nunes Valente e Tibúrcio Cavalcante). 

Valores e condições de pagamento das taxas de inscrição: 

Delegado eleito em assembleia: R$ 390,00, pagos por meio de depósito bancário na conta 868-8, agência 1559 da Caixa Econômica Federal, até o dia 1º de setembro.

Jornalista profissional e demais observadores: R$ 330,00, pagos por meio de depósito bancário na conta 868-8, agência 1559 da Caixa Econômica Federal, até o dia 3 de setembro.

Jornalista sindicalizado em dia: R$ 297,00 (desconto de 10%), podendo ser parcelado em até 3 vezes no cheque, no valor de R$ 99,00, sendo o primeiro para o dia da inscrição, o segundo para 1º de setembro e o terceiro para 1º de outubro.

Jornalista sindicalizado inadimplente: R$ 330 (sem desconto), podendo ser parcelado em 2 vezes no cheque, no valor de R$ 165,00, sendo o primeiro para o dia e o segundo para 1º de outubro.

Jornalista aposentado e estudante de jornalismo: R$ 165,00, pagos por meio de depósito bancário na conta 868-8, agência 1559 da Caixa Econômica Federal.

Aposentado sindicalizado e estudante pré-sindicalizado: R$ 148,50 (desconto de 10%), parcelados em até três cheques de R$ 49,50, sendo o primeiro para o dia, o segundo para 1º de setembro e o terceiro para 1º de outubro.

Jornalista sindicalizado desempregado: R$ 148,50, parcelados em até três cheques de R$ 49,50, sendo o primeiro para o dia, o segundo para 1º de setembro e o terceiro para 1º de outubro.

DETALHE – Em caso de escolha da modalidade de cheques pré-datados, o pagamento da inscrição deve ser feito até o dia 3 de setembro na tesouraria do Sindjorc

Especialista em autismo dará palestra na Assembleia Legislativa

A Assembleia Legislativa será sede, a partir das 18h30min desta quinta-feira, no Auditório Murilo Aguiar, de palestra sobre tratamento biomelecular do autismo. Quem falar sobre o tema é a médica Camila Milagres Pereira. O evento foi solicitado pelo líder do Governo, deputado Evandro Leitão (PDT).

Evandro Leitão ressalta que foi sancionada, em dezembro de 2012, e regulamentada, em 2014, a Lei que institui a Política Nacional de Proteção dos Direitos da pessoa com Transtorno do Espectro Autista. A legislação institui “o incentivo à formação e à capacitação de profissionais especializados no atendimento à pessoa com transtorno do espectro autista, bem como a pais e responsáveis”.

“Baseados nessa lei de iniciativa popular, nós atendemos a solicitação de uma associação de mães e pais de autistas para a realização dessa palestra, e assim divulgar os tratamentos existentes”, ressalta o parlamentar.

A Conferencista

Camila Milagres é médica pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) e pós-graduada em Medicina Ortomolecular pela Universidade Católica de Petrópolis. É membro da Associação Brasileira de Fitoterapia e foi pesquisadora do Instituto Nacional de Medicina Molecular.

Quando o protesto contra Dilma lembra aula de aeróbica

83 2

Com o título “A política entra na dança”, eis artigo do jornalista Henrique Araújo, editor-adjunto de Conjuntura do O POVO, que pode ser conferido no jornal O POVO desta quinta-feira. Ele aborda a dança coreografada que grupos de manifestantes contra Dilma apresentam em seus protestos. Confira:

Vou falar do único assunto possível. A dança. O vídeo. O ato. A junção hipnótica entre protesto e música, se não é nova, ao menos nunca antes neste país havia chegado a tal ponto: uma aeróbica política com pinta de aula de academia. Nada contra. Não quero ridicularizar ninguém. Entendo que as pessoas estejam furiosas com o governo, indo às ruas reclamar. Se fazem isso dançando, melhor ainda. Com uma coreografia, o que exigiu ensaio, e timing profissional, o protesto cumpre duplamente a meta, como diria a presidente no seu tradicional português-charada. Entusiasmado com a novidade, me declaro desde já um fervoroso apoiador da manifestação dançante.

E acrescento: por que não dançar também contra Renan Calheiros e seu pacote antiambiental? E contra a retirada dos planos de educação de termos relacionados à igualdade entre gêneros? E contra o corte de árvores? Que tal uma zumba contra o espancamento de adolescentes infratores? Quem iria a uma salsa contra o estacionamento irregular nas ciclofaixas? E a um forró para reduzir o valor da conta de energia? Um funk contra a revisão do estatuto do desarmamento não seria má ideia. E, se ainda restar energia e sola de sapato, um tango pelo freio à proposta de redução da maioridade.

Dançar, pra mim, é sinônimo de erotismo. Erotismo não combina com disciplina patriótica. Mesmo assim, fico feliz quando vejo dimensão festiva numa manifestação. A própria esquerda, por exemplo, convive mal com a festa, e ainda hoje muita gente confunde sisudez com consciência política. É uma dessas pragas do pensamento revolucionário: investe-se de um ascetismo missionário a fim de mudar o mundo, mas é incapaz de enxergar e respeitar o outro. Tem dificuldade de entender que, se a dança é o sexo por outros meios, não há mudança sem festa. E nem festa sem dança. O que não significa que toda dança conduza necessariamente a uma transformação. Há danças e danças. Para manter e para conservar.

O corpo em movimento é uma espécie de ayahuasca visual: transcendente no que tem de libertador. O cineasta Leonardo Mouramateus sabe disso. Em seus filmes, os jovens dançam de um modo político, num tipo de recusa ao estabelecido. É uma dança que desconcerta o discurso e abre possibilidades. Nas noites de quinta e sexta-feira, as esquinas do Centro ficam cheias. A Liberato Barroso, tradicional via de comércio popular, vira uma pista de dança nos pontos de churrasquinho, com cerveja e forró a céu aberto. É gente, como eu e você, que passou o dia trabalhando, o corpo maltratado na postura disciplinada da obrigação.

Findado o expediente, porém, demoram-se na dança, uns colados aos outros. Lição que aprendi: o gozo alivia e azeita a máquina do corpo. Dançar, pra mim, é isso. E se o corpo na rua é mensagem política, e a política é o exercício de negociar nossos prazeres e responsabilidades individuais e coletivas, que mensagem a dança coreografada como protesto quer transmitir? Brincar com a dança, mesmo num protesto ensaiado, é um exercício cheio de interrogações. Espero que as respostas encontradas por quem se atreve a dançar na política não sejam binárias, do tipo contra ou a favor, nem personalistas, do tipo ele ou ela, mas abertas ao diálogo, como o próprio.

Henrique Araújo,

Editor-adjunto de Conjuntura do O POVO.

Vice-presidente da AMB é contra a tese de impeachment e apregoa respeito à Constituição

103 1

[youtube]https://www.youtube.com/watch?v=RzMCDLPcRnk[/youtube]

O vice-presidente da Associação dos Magistrados do Brasil, o cearense Ricardo Barreto, avisa: “O momento é de muita responsabilidade com o País!”

Ele vê com preocupação o cenário nacional, mas não comunga com a tese de impeachment da presidente Dilma Rousseff, como apregoam setores da oposição.

Para Ricardo Barreto, ao respeito à Carta Magna precisa ser respeitado e qualquer mudança que ocorra no País, em termos políticos, precisa vir por meio do voto popular.

 

Catedral de Fortaleza terá missa pela beatificação e canonização de Dom Lustosa

DOM LUSTOSA

Nesta sexta-feira, será realizada, às 12 horas, na Catedral Metropolitana de Fortaleza, a Santa Eucaristia pela beatificação e canonização de Dom Antônio de Almeida Lustosa. A celebração litúrgica, presidida pelo arcebispo de Fortaleza, dom José Antonio Aparecido Tosi Marques, lembrará, ainda, os 41 anos de morte de Dom Lustosa. Padres salesianos também participarão da missa em homenagem ao ex-arcebispo de Fortaleza, que era da Congregação Salesiana.

Em seguida, os fieis participarão de uma visita guiada à Capela do Ressuscitado, na cripta da Catedral, onde dom Lustosa está sepultado. Na ocasião, haverá um momento de oração e depois a abertura da exposição da vida e obra do religioso.

A missa marca também os 16 anos de luta da Comissão de Apoio à Causa de Beatificação e Canonização de dom Antônio de Almeida Lustosa. A comissão surgiu em 1999, quando dom José Antonio, diante de um grupo que organizava a celebração litúrgica dos 25 anos de falecimento de dom Lustosa, decidiu que era o momento de resgatar a “memória desse homem”.

De acordo com a Irmã Margarida Maria Sales, uma das fundadoras da comissão, o grupo surgiu para revitalizar o processo de canonização do religioso, que havia sido instaurado em 1993. Recentemente, a Congregação Salesiana recebeu a informação de que está avançado o processo de beatificação de dom Lustosa, com sinalização para ser oficializado em 2016.

Leitor protesta contra filas bancárias

De Josivan Marinho, leitor do Blog, recebemos nota em que ele reclama das enormes filas nos bancos de Fortaleza e dos poucos caixas. Sem dúvida, está na hora dos órgãos de defesa do consumidor darem nova prensa nesse segmento. Confira:

Caro Eliomar de Lima,

O motivo desta é para que tome conhecimento do ocorrido segunda-feira (10/08) no Bradesco – Agência Parangaba, quando recebi a senha nº 202, às 15h40mins, e só fui atendido às 18 horas para sacar um valor acima do permitido nos caixas eletrônicos.

Nessa, como em todas as agências, sem exceção, quem não é Cliente Bradesco Executive ou Cliente Bradesco Prime é, infelizmente, tratado como Cliente Bradesco “Primo-pobre”. Uma vergonha! Sou obrigado a manter essa conta por ser fornecedor do Governo do Estado do Ceará desde a época do Banco do Estado do Ceará (BEC).

Com lucros bilionários todos os anos baseados na redução dos caixas independente da quantidade de operações financeiras e cobrança de taxas extorsivas aos correntistas, só fazem isso porque nossas leis são letras mortas. Nunca são punidos exemplarmente. O mais grave é que, nesses casos, os correntistas são penalizados com o pagamento de juros e multas e ficam desacreditados com os fornecedores, parceiros e colaboradores por ter os pagamentos adiados para o dia seguinte.

Por saber da sua grande influência no cenário sócio-econômico cearense, principalmente pela sua Coluna Vertical e o Blog do Eliomar, sugiro incluir, se possível, nesses espaços, esse meu desabafo por conta de um desrespeito flagrante às leis vigentes.

Atenciosamente,

*Josivan Marinho,

Seu leitor.

VAMOS NÓS – Nesta semana, Josivan, sentimos na pele esse absurdo. Tivemos que resolver uma pendência na agência do Santander, na avenida 13 de Maio.Ficamos numa fila por quase duas horas. Apenas três caixas.

Dia do Economista – Três profissionais da área ganharão homenagem

foto marcos holanda bnb

O Conselho Regional de Economia comemora, nesta quinta-feira, o Dia do Economista. Para marcar a data, haverá, a partir das 19 horas, uma sessão solene na Assembleia Legislativa.

Durante o ato, o Corecon-CE prestará homenagem a três economistas de destaque. Marcos Holanda, presidente do Banco do Nordeste; Fernando Cirino Gurgel, dono da Durametal, a maior exportadora de tambores de freios do País; e o deputado Sérgio Aguiar (Pros), primeiro-secretário do legislativo estadual

Serpro paralisará atividades, por duas horas, nesta sexta-feira

Os trabalhadores do Serpro (Serviço Federal de Processamento de Dados) decidiram, em assembleia geral, paralisar as atividades do órgão nesta sexta-feira, das 9 até às 11 horas.

Os mais de 600 servidores cruzarão os braço para mostrar sua insatisfação com os baixos salários aplicados pela empresa. O ato, segundo lideranças do movimento, é também contra “a intransigência dos negociadores da estatal”.

Os trabalhadores do Serpro buscam a retomada das negociações da campanha salarial 2015.

 

Vacina contra a dengue pode estar à disposição em 2018

arthur_chioro_02

“O ministro da Saúde, Arthur Chioro, disse hoje (13) que a vacina contra a dengue pode estar disponível em 2018 no país, “se tudo der certo nas pesquisas que os cientistas estão fazendo”. Segundo ele, o governo aguarda o desenvolvimento de uma vacina que seja segura para a população. Chioro informou que o Instituto Butantã, em São Paulo, e a Fundação Oswaldo Cruz, em Manguinhos, no Rio de Janeiro, são os dois polos brasileiros que estão investigando a vacina de maneira avançada.

“Não há expectativa imediata. E insisto, se tudo der certo nas pesquisas. Porque vacina contra doença viral e, no caso da dengue, contra quatro sorotipos diferentes, nós vamos ter que esperar um avanço e se conseguirmos [isso] não tenha dúvida de que o governo, o Ministério da Saúde vai trazer mais uma vacina para os brasileiros”, acrescentou.

Segundo o ministro, o Brasil conta com as 14 vacinas recomendadas pela Organização Mundial da Saúde, e as vacinas contra o HPV, a hepatite A, a difteria e tétano acelular para gestantes foram as últimas a serem incorporadas ao calendário vacinal.”

(Agência Brasil)

E se os escândalos não fossem com o PT no poder?

132 2

Com o título ” E se a esquerda fosse a oposição?”, eis o que indaga o colunista Fábio Campos, no O POVO desta quinta-feira. Ele convida a uma reflexão expondo um cenário diferente do que se, tem no momento, nessa política de tantos escândalos. Confira:

Quem conheceu de perto o modo petista de fazer oposição, que durou mais de duas décadas, sabe que os oposicionistas de hoje são, digamos, amestrados. Dóceis e caseiros bichanos. Fossem os petistas os oposicionistas de hoje, creiam, não sobraria pedra sobre pedra na política. Aliás, o Governo já teria caído desde 2005, ano em que explodiu o mensalão.

Visualizem o seguinte quadro com a esquerda na oposição: mensalão escancarado, o esquema esquadrinhado de forma detalhada pelo Ministério Público, julgamento no Supremo levando à prisão o tesoureiro do partido do poder, além de membros da cúpula desse partido e até o seu presidente.

As ruas teriam ficado de prontidão, sindicatos e centrais sindicais promoveriam grandes manifestações, as redações explodiriam de indignação, os protestos seriam levados às instituições estrangeiras, propostas de impeachment se multiplicariam, greves seriam convocadas e toda sorte de ações seriam providenciadas até o limite.

E qual seria o limite? Ora, a queda dos “meliantes” que tentaram solapar a democracia comprando com dinheiro público a base de apoio parlamentar. O argumento pelo impeachment seria a defesa da democracia, justamente o argumento de hoje, só que contra o impeachment. E o que fez a oposição real diante do mensalão? Preparou-se para ser derrotada nas três eleições presidenciais seguintes.

E no cenário de agora, dez anos depois? Imaginem a esquerda na oposição se deparando com uma gangue que, no poder, concretizou um projeto criminoso desde já considerado o maior escândalo de corrupção já registrado no mundo, que surrupiou bilhões de empresas estatais no maior conluio público-privado de nossa história.

Imaginem também a forma como agiria a esquerda Brasileira na oposição se o BNDES, a CEF e a Itaipu distribuíssem R$ 855 mil para bancar uma manifestação do “movimento social” em Brasília para apoiar o Governo e atacar seus opositores. Sim, foi o que aconteceu com a “marcha das Margaridas”.

São cenários hipotéticos que servem para analisar o comportamento da oposição hoje. O que se pode chamar de oposição ao Governo está restrito a um punhado de partidos. O principal deles é o PSDB, que está longe de ser considerado radical. Um partido com baixa influência no parlamento e com pequeníssima inserção social no território nacional.

Hoje, a oposição ao Governo parte da própria base que, até muito recentemente, concedia folgadas vitórias ao petismo no Congresso. Muitas vezes, uma oposição reforçada com votos até do PT. Parte também de movimentos que nasceram fora do âmbito de partidos, que organizam manifestações de rua e se declaram, em boa parte, liberais.

Fossem de esquerda, tais movimentos seriam chamados de “sociais”. Como não são, passam a ser ironizados e estigmatizados. De fato, se comportam de forma muito diferente do que o Brasil se acostumou a ver nas ruas desde a metade da década de 1960.

O fato é que são esses movimentos, e não os partidos de oposição, que encabeçam a manifestação marcada para o próximo domingo. Os atos que devem ocorrer em todo o País são apontados como termômetros políticos importantes. É evidente que o impacto vai depender do tamanho das mobilizações.

*Fábio Campos,

jornalista do O POVO.

Banco do Brasil – Lucro aumenta 6,3% no segundo trimestre deste ano

“O Banco do Brasil registrou lucro líquido de R$ 3,008 bilhões, no segundo trimestre deste ano, com crescimento de 6,3%, na comparação a igual período de 2014 (R$ 2,829 bilhões). Os ativos do Banco do Brasil atingiram R$ 1,534 trilhão em junho deste ano, crescimento de 9,5% em 12 meses e de 0,7% em relação ao trimestre anterior.

A carteira de crédito ampliada, que inclui títulos de valores mobiliários e garantias prestadas, atingiu R$ 776,8 bilhões em junho, crescimento de 8% em 12 meses. O financiamento imobiliário registrou aumento de 37,8% em 12 meses.

A carteira de crédito de clientes pessoa física do Banco do Brasil finalizou o segundo trimestre de 2015 com saldo de R$ 158,9 bilhões, crescimento de 3,4% no trimestre e de 11,6% em 12 meses. As linhas de menor risco de inadimplência (crédito consignado, CDC Salário, financiamento de veículos e crédito imobiliário) corresponderam a 76,9% do total da carteira.

O financiamento ao agronegócio encerrou o primeiro semestre de 2015 com R$ 168,3 bilhões. Esse montante é 7,1% maior do que o registrado ao final do primeiro semestre de 2014. O saldo de crédito concedido às empresas encerrou junho com R$ 353,3 bilhões, crescimento de 5,4% em 12 meses.

O índice de inadimplência (relação entre as operações vencidas há mais de 90 dias e o saldo da carteira de crédito) chegou a 2,04%, em junho. Houve aumento da inadimplência em relação a igual mês de 2014, quando estava em 1,99%. Mas o BB destaca que a inadimplência do banco está abaixo do patamar total do Sistema Financeiro, que registrou 2,9%, em junho.

Ely Aguiar repudia “Marcha das Margaridas”

85 4

elyaguiarr

O deputado estadual Ely Aguiar (PSDC) ocupou a tribuna da Assembleia Legislativa, nesta manhã de quinta-feira, para bater duro na “Marcha das Margaridas”. Esse movimento ocorre anualmente em Brasília e congrega mulheres de todo o País, que reivindicam melhores condições para o campo e para as cidades.

Ely Aguiar lamentou que essa marcha tenha tido o apoio de dinheiro público, porque bancada por organizações sindicais como a Central Única dos Trabalhadores.

A Marcha das Margaridas se solidarizou com a presidente Dilma Rousseff e se posicionou contra qualquer tipo de ação golpista contra o Governo.

Operação Lava Jato – 18ª fase prende um ex-vereador petista

“A Polícia Federal cumpre, desde o início da manhã de hoje (13), um mandado de prisão temporária e dez de busca e apreensão na 18ª fase da Operação Lava Jato, denominada Pixuleco II, termo usado em alusão ao recebimento de propina por investigados na operação. Os mandados estão sendo cumpridos em Brasília, Porto Alegre, São Paulo e Curitiba.

De acordo com a Polícia Federal, o foco dessa nova fase da Lava Jato é o cumprimento de medidas cautelares contra um operador, identificado após a 17ª fase da operação, em que foi preso o ex-ministro José Dirceu. Esse operador, segundo as investigações, seria responsável por arrecadar “valores ilícitos” de mais de R$ 50 milhões em contratos de crédito consignado no Ministério do Planejamento.

DETALHE – A PF prendeu o advogado e ex-vereador Alexandre Romano, de Amaricana (SP), acusado de ser operador. Ele está sendo levado para Curitiba (PR).

(Com Agência Brasil)

Projeto quer reduzir roubos e furtos de celulares no Ceará

91 1

odilonn

O deputado estadual Odilon Aguiar (Pros) apresentou um projeto de lei que tem por objetivo diminuir o número de roubos e furtos de celulares no Ceará. Pela  proposta, a vítima que tiver o celular subtraído, terá o aparelho bloqueado em 24 horas pelas operadoras. Dessa maneira, o celular fica impossibilitado de funcionar mesmo que coloque um chip de outra operadora.

O bloqueio, de acordo com o projeto, acontecerá mediante o fornecimento do IMEI, que é o registro do telefone. Esse número está na nota fiscal, na embalagem ou pode ser obtido discando no próprio aparelho asterisco (*), jogo da velha (#), zero (0) seis (6), jogo da velha (#). O número que aparece é o IMEI, que deverá ser guardado.

“A vítima fará o boletim de ocorrência, dará o número do registro do telefone, o chamado
IMEI, então a Polícia Civil pedirá diretamente à operadora o cancelamento do aparelho. Não apenas da linha, mas do próprio aparelho. Ou seja, ele ficará inservível. Para voltar a
funcionar será necessário que o proprietário o reabilite”, explica Odilon, destacando que
com o projeto, a pessoa que tiver o celular roubado, furtado ou extraviado passará a ter
chances reais de recuperar o aparelho.

Dados recentes, de 2011 a junho deste ano, apontam para um fato: os roubos, furtos e extravios de celulares chegaram a 44.249 unidades. Mas esses números podem ser maiores, já que muitas vítimas não registram as ocorrências. Consequentemente, muitos dos telefones caem nas mãos dos criminosos ou passam a fazer parte de um comércio clandestino de telefones celulares, ocasionando o aumento de ocorrências.

Receita Federal – Analistas tributários voltam ao trabalho após três dias de paralisação

“Depois de três dias de paralisação, os analistas tributários da Receita Federal voltam hoje (13) ao trabalho. Desde segunda-feira (10), os profissionais cruzaram os braços para pedir a manutenção da categoria na Proposta de Emenda à Constituição 443, que vincula o reajuste de várias categorias do funcionalismo ao vencimento dos ministros do Supremo Tribunal Federal (STF).

Na terça-feira (11), a Câmara dos Deputados derrubou o destaque que excluía os analistas tributários da reestruturação salarial. Foram 269 votos a favor da rejeição e 185 contra. Mesmo após a rejeição da emenda, a categoria continuou com a paralisação ontem (12).

De acordo com o Sindicato Nacional dos Analistas Tributários da Receita Federal (Sindireceita), 90% da categoria aderiram à paralisação. Nesses três dias não houve atendimento ao contribuinte nas delegacias, inspetorias e agências do órgão. Certidões negativas deixaram de ser emitidas e cobranças foram suspensas.

A paralisação também afetou as atividades alfandegárias. A fiscalização, a vigilância e a repressão nos portos, aeroportos e postos de fronteiras foram interrompidas. Segundo o Sindireceita, filas de caminhões se formaram nos postos de fronteira, especialmente na Ponte da Amizade, que liga o Brasil ao Paraguai. A Agência Brasil procurou a Receita Federal, que não se manifestou sobre a mobilização dos analistas tributários.”

(Agência Brasil)

Há um ano o País perdia Eduardo Campos. O acidente aéreo continua sem respostas

EDUARDO-CAMPOS-PREFEITOS-10

“Há um ano, por volta das 10 horas, a aeronave Cessna 560 XL, prefixo PR-AFA, caía no meio de uma área residencial do bairro Boqueirão, em Santos, no litoral paulista. A bordo estavam o então candidato do PSB à Presidência da República nas eleições de outubro 2014, Eduardo Campos, de 49 anos, e mais seis pessoas (quatro assessores, o piloto e o copiloto). O acidente, até hoje não esclarecido, mudou os rumos do pleito presidencial e os cenários políticos pernambucano e brasileiro.

“Foi um fato extremamente traumático que mudou inteiramente as condições da disputa eleitoral tanto interna, em Pernambuco, quanto em nível nacional”, analisa o cientista político e professor da Universidade Federal de Pernambuco, Michel Zaidan Filho. Herdeiro político do avô, Miguel Arraes, Eduardo Campos, que era o terceiro colocado nas pesquisas de intenção de voto à época, deixou a viúva, Renata Campos, e cinco filhos.

A morte abrupta do político provocou comoção em Pernambuco. Milhares de pessoas, de diversas regiões do estado, foram até Recife acompanhar as cerimônias fúnebres, que duraram quatro dias. Personalidades do mundo político, como a presidenta Dilma Rousseff, que concorria à reeleição, o candidato tucano Aécio Neves e o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva participaram do velório, no Palácio das Princesas, sede do governo pernambucano. No dia 17, o corpo de Eduardo Campos foi enterrado no Cemitério de Santo Amaro, no mesmo túmulo do avô, que morreu no dia 13 de agosto de 2005.”

(Agência Brasil)

Ivo Gomes em clima de “cruz, credo!”

145 1

ivo_gomes

 

O deputado estadual Ivo Gomes (Pros) não é só crítico, mas, também, quando quer, sabe ser espirituoso e exercitar sua veia irônica. Caso, por exemplo, desse post em sua página no Facebook. Ele diz, por três vezes, a palavra “cruz”.

Uma alusão à prática que muitos católicos têm de se benzer três vezes diante de situações nefastas ou perigosas.

Na foto, aparece um rival político dos Ferreira Gomes: o líder do PMDB no Senado, Eunício Oliveira, que acabou derrotado no páreo governamental por Camilo Santana, petista igual a Dilma que, em busca da governabilidade, teve que se desdobrar aos poderosos do PMDB do momento e, pelo que se vê na foto, do passado.

Previdência do Estado do Ceará tem déficit de R$ 1 bilhão

120 1

déficit

Anote o número atualizado do déficit previdenciário do Estado do Ceará para este ano: R$ 1 bilhão. Quem informa é o secretário do Planejamento e Gestão do Estado, Hugo Figueiredo.

Ele diz que esse valor assusta, mas que, no momento, ainda está sob controle e exige que não somente o governo estadual, mas outros em clima de aperto na área, abram discussões com o governo federal. Hugo explica que há alternativas para amenizar o cenário: apostar em previdência complementar, o que foi sugerido à União pelos governadores nordestinos em carta enviada ao Ministério da Previdência Social. Atualmente, são 130 mil servidores na ativa e cerca de 60 mil aposentados e pensionistas.

Por falar nisso, há quem se lembre de que, num passado recente, a Coelce foi privatizada com promessa de que o apurado iria fomentar um fundo de pensão.