Blog do Eliomar

Categorias para Brasil

Neymar tem um problema a resolver no pós-Copa

Com o título “Neymar tem um problema para resolver”, eis artigo do jornalista Fernando Graziani, do O POVO. E é problema de imagem. Confira:

Era até possível imaginar antes da Copa do Mundo da Rússia que o Brasil fosse eliminado por alguma boa seleção, como ocorreu diante da Bélgica, nas quartas de final do torneio, derrota por 2 a 1. O que não dava para prever era que o melhor jogador do time se tornasse assunto mundial e não pelo seu bom ou ruim desempenho técnico, mas por causa das suas quedas, exageros quando sofria falta e objetivo de ludibriar a arbitragem.

As simulações de Neymar irritaram adversários, torcedores brasileiros e foram manchetes de jornais por todo o planeta. Viraram quadros de humor, vídeos, gifs, áudios, desafios, paródias, joguinhos de computador e sátiras. Uma foto do atacante caído foi usada para uma campanha do Instituto Nacional de Emergência Médica (Inem) de Lisboa, em Portugal, contra trotes. A Cruz Vermelha de Jalisco, no México, também utilizou uma queda do jogador para promover uma campanha contra ligações falsas.

A Copa já acabou, o Brasil foi eliminado no dia 6 de julho, mas as irônicas homenagens seguem. É um problema de imagem que certamente terá que ser resolvido com gestão de crise por sua enorme equipe, até para evitar que patrocinadores queiram quebrar ou não renovar contratos, afinal, será que vale pagar uma fortuna pela imagem de um jogador de futebol conhecido mundialmente por seus mergulhos e simulações?

A tentativa de recuperação já começou. Na sexta-feira que passou, uma simpática mensagem no Instagram do atleta desejava sorte na final da Copa aos amigos Mbappé, francês que joga com o brasileiro no PSG, e o croata Raktic, companheiro dos tempos de Barcelona. Um leilão do Instituto Neymar que pretende arrecadar mais de R$ 3 milhões para a caridade será realizado na próxima quinta-feira, 19, com a presença de dezenas de atletas, celebridades e empresários. Entretanto, o que vai resolver a situação é Neymar voltar ao PSG, jogar muita bola – é craque – fazer gols e parar de querer levar vantagem em tudo. Não é possível que não consiga, especialmente com a repercussão negativa enorme de suas atitudes.

*Fernando Graziani

fernandograziani@opovo.com.br

Jornalista do O POVO.

(Foto – Montagem sobre foto de Twitter e AFP)

Banco Central divulga ranking das queixas contra bancos no primeiro semestre deste ano

O Santander liderou o ranking de reclamações contra instituições financeiras no segundo trimestre, com mais de 4 milhões de clientes, informou hoje (16) o Banco Central (BC).

No segundo trimestre deste ano, o Banco Central (BC) recebeu 1.576 queixas consideradas procedentes contra o Santander, sendo a maioria delas relacionadas à “integridade, confiabilidade, segurança, sigilo ou legitimidade das operações e serviços, exceto as relacionadas a cartão de crédito, cartão de débito, internet banking e terminais de autoatendimento”, totalizando 426 casos.

Para fazer o ranking, as reclamações procedentes são divididas pelo número de clientes da instituição financeira que originou a demanda e multiplicadas por 1 milhão. Assim, é gerado um índice, que representa o número de reclamações da instituição financeira para cada grupo de 1 milhão de clientes. O resultado é, portanto, avaliado pela quantidade de clientes de cada instituição financeira. Com esse cálculo, o Santander ficou com índice 38,14. O conglomerado Santander tem 41,3 milhões de clientes.

Em segundo lugar, vem a Caixa com índice 27,68 e 2.475 reclamações. A Caixa tem mais de 89,4 milhões de clientes. O Banco do Brasil ficou em terceiro lugar com índice 20,85 e 1.301 reclamações. O BB tem cerca de 62,4 milhões de clientes.

Do total de 10.110 reclamações, a principal está relacionadas a situações como não realização de débito automático, divergências entre saques e depósitos, problemas com transações por falha humana, cobrança em duplicidade e alterações em investimentos, sem autorização. Foram relatados 1.656 casos nessa situação. Também foram registrados 1.390 casos de oferta ou prestação de informação a respeito de produtos e serviços de forma inadequada e 1.306 irregularidades relativas a integridade, confiabilidade, segurança, sigilo ou legitimidade das operações e serviços relacionados a cartões de crédito.

A insatisfação com serviços e produtos oferecidos por instituições financeiras pode ser registrada no BC e as reclamações ajudam na fiscalização e regulação do Sistema Financeiro Nacional. Quando a reclamação chega à autarquia, é encaminhada para a instituição financeira que tem prazo de 10 dias úteis (descontados sábados, domingos e feriados) para dar uma resposta, com cópia para o BC.

Entretanto, o BC recomenda que a reclamação seja registrada, primeiramente, nos locais onde o atendimento foi prestado ou no serviço de atendimento ao consumidor (SAC) da instituição financeira. Se o problema não for resolvido, o cidadão pode ainda recorrer à ouvidoria da instituição financeira, que terá prazo de até 10 dias úteis para apresentar resposta. Os clientes bancários também podem buscar atendimento no Procon e recorrer à Justiça.

Procurados, Santander e Banco do Brasil ainda não se pronunciaram sobre o ranking de reclamações.

Em nota, a Caixa Econômica Federal informou que “valoriza a opinião dos clientes e a utiliza como subsídio para melhoria e modernização de todos os seus processos de atendimento”. O banco acrescentou que “revisa permanentemente seus serviços e produtos, priorizando a redução das reclamações e o aumento da solução em todos os canais, internos e externos”.

(Agência Brasil)

Deputado quer skate no currículo escolar

O deputado federal Felipe Carreras (PSB-PE) apresentou um projeto de lei para que o skate faça parte da disciplina de Educação Física como um tema transversal nos currículos escolares. A informação é do O Globo.

Os temas transversais, estabelecidos em 1997, são questões e valores básicos à cidadania, a serem trabalhados de modo interdisciplinar nos estabelecimentos de ensino.

(Foto – Site InfoEscola)

Valor corrigido da cota do PIS/Pasep já pode ser conferido

Os trabalhadores com direito a cotas dos fundos dos programas de Integração Social (PIS) e de Formação do Patrimônio do Servidor Público (Pasep) podem conferir, a partir de hoje (16), os valores corrigidos que receberão em agosto. Para saber o saldo e se tem direito ao benefício, o trabalhador pode acessar os sites do PIS e do Pasep.

Para os cotistas do PIS, também é possível consultar a Caixa Econômica Federal no telefone 0800-726-0207 ou nos caixas eletrônicos da instituição, desde que o interessado tenha o Cartão Cidadão. No caso do Pasep, a consulta é feita ao Banco do Brasil, nos telefones 4004-0001 ou 0800-729-0001.

Tem direito ao saque as pessoas que trabalharam com carteira assinada antes da Constituição de 1988. As cotas são os recursos anuais depositados nas contas de trabalhadores criadas entre 1971, ano da criação do PIS/Pasep, e 1988.

Quem contribuiu após 4 de outubro de 1988 não tem direito ao saque. Isso ocorre porque a Constituição, promulgada naquele ano, passou a destinar as contribuições do PIS/Pasep das empresas para o Fundo de Amparo ao Trabalhador (FAT), que paga o seguro-desemprego e o abono salarial, e para o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES).

Até 2017, o saque das cotas era permitido para pessoas com mais de 70 anos de idade, em caso de aposentadoria e em outras situações específicas. Desde o ano passado, o governo federal flexibilizou o acesso e até setembro pessoas de todas as idades podem retirar o dinheiro.

Em julho, o pagamento foi suspenso para o cálculo do rendimento do exercício 2017-2018. No ano passado, o rendimento foi de 8,9%. Na primeira etapa do cronograma, encerrada no dia 29 de junho, 1,1 milhão de trabalhadores fizeram o saque, retirando uma soma de R$ 1,5 bilhão.

A partir de 8 de agosto, correntistas da Caixa e do Banco do Brasil terão o crédito efetuado automaticamente. A partir do dia 14 de agosto, todas as pessoas poderão sacar os recursos corrigidos. O prazo ficará aberto até 28 de setembro.

A partir de 29 de setembro, só será possível receber as quantias dos dois fundos nos casos previstos na Lei 13.677/2018.

(Agência Brasil)

Inadimplência 63,6 milhões de consumidores brasileiros no primeiro semestre

A inadimplência em todo o país atingiu 63,6 milhões de consumidores – 42% da população adulta brasileira -, ao final do primeiro semestre deste ano, de acordo com o Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil) e a Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL). O dado leva em conta brasileiros com o CPF restrito pelo atraso no pagamento de contas.

Em junho, houve crescimento de 4,07% na comparação com o mesmo período do ano passado – o último recuo da inadimplência foi registrado em novembro de 2017 (0,89%). Na comparação entre maio e junho, houve alta de 0,61%, a maior variação positiva desde março deste ano.

Por região, a Sudeste teve crescimento de 9,88% em junho frente ao mesmo período do ano passado. O Nordeste apresentou alta de 4,81% na quantidade de devedores. As variações também foram positivas no Centro-Oeste (2,82%), Sul (2,13%) e Norte (2,02%).

Os estados do Norte concentram, de forma proporcional, o maior número de brasileiros inadimplentes no país, 5,79 milhões de consumidores, que, juntos, somam 48% da população adulta residente. A segunda região com maior número relativo de devedores é o Nordeste, que conta com 17,61 milhões de negativados, ou 44% da população.

Faixa etária

No comparativo por faixa etária, houve queda da inadimplência entre a população mais jovem, mas o número de atrasos aumentou entre aqueles com idade mais elevada. Na faixa dos 18 aos 24 anos de idade, a queda foi de 23,31%, e na faixa dos 25 aos 29 anos, o recuo foi de 5,28%. O maior crescimento no atraso de contas foi observado na população idosa (65 aos 84 anos), com alta de 10,76%. Em seguida estão os consumidores de 50 a 64 anos (7,71%), de 40 a 49 anos (5,58%) e de 30 a 39 anos (2,04%).

As dívidas bancárias, como cartão de crédito, cheque especial, financiamentos e empréstimos, foram as que apresentaram a maior alta em junho, com crescimento de 7,62% na comparação com o mesmo mês de 2017. Em segundo lugar ficaram as contas básicas como água e luz, com alta de 6,69% nos atrasos. A inadimplência com contas de telefone, internet e TV por assinatura aumentaram 3,57%. As compras feitas no boleto ou crediário no comércio foi o único segmento a apresentar queda na quantidade de atrasos, com recuo de 9,24% em junho.

Mais da metade das dívidas pendentes de pessoas físicas, 51%, têm como credor algum banco ou instituição financeira. A segunda maior representatividade fica por conta do comércio, que concentra 18% do total de dívidas não pagas, seguido pelo setor de comunicação (14%). Os débitos com as empresas concessionárias de serviços básicos como água e luz representam 8% das dívidas não pagas no Brasil. Em média, cada inadimplente tem duas dívidas em aberto.

(Agência Brasil)

Um comentário sobre o porquê de Bolsonaro estar em alta nas pesquisas

Com o título “O favoristismo surpreendente”, eis artigo de Rui Martinho Rodrigues, historiador. Ele analisa o porquê de Jair Bolsonaro estar em alta na preferência popular. Confira:

Quem dissesse que um candidato sem partido de fato; sem marqueteiro; sem discurso articulado sobre economia ou outro assunto, confessando que não entende de nada e sem nenhum dote de oratória seria um forte candidato à presidente, ninguém acreditaria. O que faz de Bolsonaro um candidato forte? Declarações contrárias à ideologização da escola, à nova moral sexual, promessas de privatizar (excetuando empresas estratégicas), críticas ao desarmamento civil, proposta de leis mais duras, flexibilização de leis ambientais e outros temas são colocados de modo vago pelo candidato.

O candidato justifica o caráter lacunoso do seu discurso relativamente aos problemas e soluções, dizendo que não é técnico em tudo, não vai fazer o prato, mas escolher o item do cardápio e que precisa ouvir o Congresso ungido pelas urnas. Seriam estas explicações suficientes? Nunca foi. Agora estaria sendo? Porque a campanha ainda não começou? Formadores de opinião o favoreceram? Não, antes pelo contrário, todos são contra ele. A sinceridade pode contribuir um pouco. Tocar nos pontos sensíveis sem descer aos detalhes que dividem opiniões favorece.

Expressar sentimentos de grande parte dos brasileiros é o ponto central. Não explorar o antiamericanismo nem o anticapitalismo, pondo em seu lugar a tolerância zero com o crime e a corrupção podem ser parte do fenômeno. Sessenta mil homicídios, a corrupção, a decepção com os formadores de opinião e o repúdio aos políticos e doutrinas dominantes fazem parte do fato. Eleitores querem algo diferente. Probidade e as iniciativas simples e diretas. Discursos sofisticados e figuras públicas repudiadas perderam prestígio.

A semelhança com a eleição de Trump é notória. O tempo de televisão e a campanha serão mais curtos. O que virá? Um fato novo mudará o quadro aqui descrito? Só o tempo sabe a resposta.

*Rui Martinho Rodrigues

rui.martinho@terra.com.br

Historiador.

TV espanhola destaca Fortaleza para turistas europeus

O programa de turismo Viajeros Cuatro, exibido nos canais espanhóis Cuatro e Mitele, está apresentando Fortaleza como a “Miami brasileira”. Reconhecida a Capital cearense como um dos principais destinos turísticos brasileiros a serem visitados pelos europeus, destacando suas praias, o povo acolhedor, a boa infraestrutura, a gastronomia, além de uma vida noturna agitada.

Ainda no programa, destaque para roteiros culturais como opções de entretenimento como o Theatro José de Alencar, o artesanato e produtos regionais do Mercado Central. As boas opções de alimentação e lazer também ganharam espaço através dos inúmeros restaurantes da cidade, como os que se encontram no bairro Meireles, indicados como ideais para ter acesso à gastronomia local e internacional, com pratos sofisticados ou simples, a base de pescados e frutos do mar, além de equipamentos já reconhecidos como o Mercado do Peixes, Orla da Cidade, Barracas da Praia do Futuro, entre outras.

A atração expõe também opções ligadas às práticas de esportes como surf, kitesurf e windsuf, além de passeios de buggy e a cavalo e infraestrutura das barracas de praia da cidade e Região Metropolitana. As áreas verdes do Cocó foram referenciadas como um lugar de refúgio e paz a poucos passos do agito da cidade grande.

Destinos cearenses

Embora o programa tenha sido voltado, em quase sua totalidade, para que os turistas europeus conhecessem as belezas da Capital do Ceará, roteiros mundialmente já reconhecidos como Jericoacoara e Canoa Quebrada, além de locais como Guaramiranga e Cumbuco, também foram apresentados como opções a mais àqueles que desejam conhecer outras belezas praianas e serranas do nosso Estado.

SERVIÇO

*Confira o programa no link: – https://www.mitele.es/programas-tv/viajeros-cuatro/5b44c0ff4bec797d428b45ef/player

(Foto – Divulgação)

Inflação medida pelo IPC-S registra queda de 0,34% na segunda semana de julho

A inflação medida pelo Índice de Preços ao Consumidor Semanal (IPC-S) fechou a semana encerrada em 15 de julho, com queda de 0,34 ponto percentual, ao apresentar variação de 0,67%, contra 1,01% da semana imediatamente anterior.

Divulgada hoje (16), pelo Instituto Brasileiro de Economia da Fundação Getulio Vargas (Ibre/FGV), o resultado desta última semana reflete queda de preços em sete das oito classes de despesas componentes do índice.

A exceção foi apenas o grupo Educação, Leitura e Recreação, cujos preços passaram de 0,76% para 1,05%. Nesta classe de despesa, a maior contribuição partiu do item salas de espetáculo, que passou de 0,70% para 1,72%.

Já entre os sete grupos que fecharam com retração na taxa de inflação, entre a semana encerrada no dia 7 e da do dia 15, a maior contribuição partiu do grupo Alimentação, cujos preços chegaram a cair entre uma semana e outra 0,81 ponto percentual, de 1,17% para 0,36%.

Nessa classe de despesa, cabe mencionar o comportamento do item hortaliças e legumes, cuja taxa passou de menos 10,27% para menos 18,45%, fechando a semana encerrada no último dia 15 com uma deflação que chegou a 28,82 pontos percentuais.

Também registraram decréscimo em suas taxas de variação os grupos: Transportes (de 0,98% para 0,36%), Habitação (de 1,75% para 1,59%), Vestuário (de -0,26% para -0,54%), Despesas Diversas (de 0,18% para 0,07%), Saúde e Cuidados Pessoais (de 0,35% para 0,31%) e Comunicação (de 0,42% para 0,39%).

(Agência Brasil)

Ciro expõe suas propostas de presidenciável em São Luís

O pré-candidato a presidente da República pelo PDT, Ciro Gomes, cumpre agenda, nesta segunda-feira (16), no estado do Maranhão.

Às 17h30min, conferirá o lançamento da pré-candidatura de Weverton Rocha ao Senado, em ato programado para o Centro de Convenções do Sebrae.

Em seguida, às 19h30min, Ciro dará palestra para representantes da Associação Comercial do Maranhão (ACM), Câmara dos Dirigentes Lojistas de São Luis (CDL), Federação do Comércio do Maranhão (Fecomércio) e Federação das Indústrias do Maranhão (Fiema), no Grand São Luiz Hotel.

Atividade econômica recua por causa ainda da greve dos caminhoneiros, diz BC

A atividade econômica recuou em maio. O Índice de Atividade Econômica do Banco Central (IBC-Br), dessazonalizado (ajustado para o período), apresentou queda de 3,34%, na comparação com abril, de acordo com dados divulgados hoje (16). O recuo veio após crescimento de 0,5%, em abril comparado a março, de acordo com dados revisados.

Em maio, o país foi afetado pela crise de desabastecimento gerada pela greve dos caminhoneiros no final do mês.Na comparação com o mesmo mês de 2017 (sem ajuste para o período), houve queda de 2,9%. No ano, foi registrado crescimento de 0,73%. Em 12 meses, a expansão chegou a 1,13%.

economia ilustração 2
O país foi afetado pela crise de desabastecimento gerada pela greve dos caminhoneiros – Marcello Casal jr/Agência Brasil
O IBC-Br é uma forma de avaliar a evolução da atividade econômica brasileira e ajuda o BC a tomar suas decisões sobre a taxa básica de juros, a Selic.

O índice incorpora informações sobre o nível de atividade dos três setores da economia: indústria, comércio e serviços e agropecuária, além do volume de impostos.

O indicador foi criado pelo BC para tentar antecipar, por aproximação, a evolução da atividade econômica. Mas o indicador oficial é o Produto Interno Bruto (PIB – a soma de todas as riquezas produzidas no país), calculado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Para instituições financeiras consultadas pelo BC, o PIB deve crescer 1,5%, neste ano.

(Agência Brasil)

É preciso cuidar da transição

Com o título “É preciso cuidar já da transição”, eis o Editorial do O POVO desta segunda-feira:

O Brasil viverá, na fase entre o fim do processo eleitoral e a chegada de um novo governo, um momento de instabilidade que exigirá uma competente e delicada gestão para minimizar os efeitos naturais da transição de poder. Neste sentido, é louvável o cuidado que já apresenta a equipe econômica atual de buscar as assessorias dos pré-candidatos para um início de discussão sobre o cenário de futuro que se desenha para o País no setor. Cenário, todos sabemos, que não projeta facilidades no seu horizonte.

Alguns dirão que é ainda muito cedo, sequer temos candidaturas oficializadas. Tudo bem, há esse aspecto, mas o momento grave indica como útil uma iniciativa que busca oferecer elementos para a construção de um projeto de governo que considere a realidade a partir de estatísticas e números confiáveis.

Há muita dúvida no campo econômico, especialmente depois que o Congresso Nacional impôs um conjunto de derrotas ao fragilizado governo e, com isso, ficaram estabelecidos compromissos de futuro que impactarão nas já debilitadas contas públicas. O quadro à vista indica que teremos uma transição com dificuldades que há alguns anos não experimentávamos, o que torna indispensável aos envolvidos na disputa eleitoral pela presidência da República que disponham de informações seguras para agir no momento crucial da chegada.

Louve-se a boa disposição do ministro da Fazenda, Eduardo Guardia, de ir aos partidos e às equipes de assessorias para sugerir as conversas, se colocar à disposição, oferecer os dados de que precisam para entender o tamanho de desafio que espera quem vier a sair vencedor. Em tais horas, a postura de quem é governo faz a diferença no sentido de possibilitar o conhecimento real do quadro e, claro, permitir que as ações sejam elaboradas considerando a visão de mundo de cada um.

É um passo importante, especialmente quando se considera o momento caótico da política nacional. As urnas dificilmente nos oferecerão em perspectiva, com qualquer resultado, uma alternativa que encaminhe uma ideia de consenso, o que aumenta muito a responsabilidade de quem estiver envolvido nos debates que acontecem nessa fase crucial de definições.

Guardia e equipe já demonstram, com a atitude de agora, consciência da importância de termos uma transição com os cuidados necessários para que mais este fator de instabilidade não venha a alimentar um quadro já suficientemente difícil. É preciso, de outra parte, que os envolvidos com as campanhas e os candidatos apresentem igual disposição de discutir o quadro real que os espera a partir de janeiro de 2019.

Mercado reduz projeção do déficit nas contas públicas

Instituições financeiras consultadas pelo Ministério da Fazenda reduziram a previsão para o resultado negativo das contas públicas, neste ano. A estimativa do déficit primário do Governo Central (Tesouro Nacional, Previdência Social e Banco Central), para este ano, passou de R$ 151,192 bilhões, em junho, para R$ 149,642 bilhões, neste mês. A estimativa está abaixo da meta de déficit perseguida pelo governo, de R$ 159 bilhões. O resultado primário é formado por receitas menos despesas, sem considerar os gastos com juros.

Os dados constam da pesquisa Prisma Fiscal, elaborada pela Secretaria de Política Econômica do Ministério da Fazenda, com base em informações do mercado financeiro.

Para 2019, a estimativa das instituições financeiras é de déficit de R$ 123,288 bilhões, maior que os R$ 117,875 bilhões previstos em junho. A estimativa para as despesas chegou a R$ 1,366 trilhão, ante R$ 1,367 trilhão, previstos em junho. As receitas líquidas devem chegar a R$ 1,217 trilhão, este ano, a mesma previsão anterior.

Para 2019, a projeção de receita líquida do Governo Central é de R$ 1,302 trilhão, ante R$ 1,303 trilhão previstos no mês passado. No caso da despesa total, a projeção ficou em R$ 1,422 trilhão, ante R$ 1,420 trilhão, previstos em junho.

A pesquisa apresenta também a projeção para a dívida bruta do Governo Central, que, na avaliação das instituições financeiras, deve ficar em 76% do Produto Interno Bruto (PIB – soma de todas as riquezas produzidas pelo país), neste ano. A previsão anterior era 75,8% do PIB. Para 2019, a estimativa ficou em 78,10% do PIB, ante 77,8% previstos no mês passado.

(Agencia Brasil)

O “solta e prende” do Lula – Quando todos erram

257 3

Com o título “Quando todos erram”, eis artigo do jornalista Plínio Bortolloti sobre a miscelânea em que se constituiu o solta e prende do Lula, Sergio Moro e o TRF-4. Confira:

Já escrevi uma ou duas vezes que o juiz Sérgio Moro perdeu a isenção para julgar processos do réu Luiz Inácio Lula da Silva. Se dúvida houvesse, ela teria se dissipado depois de Moro, de férias, arranjar tempo para, em dobradinha com o Ministério Público Federal, contestar a ordem do desembargador Rogério Favreto que mandara libertar Lula da prisão em Curitiba.

Favreto estava como plantonista no Tribunal Regional Federal da 4ª Região quando despachou em favor de Lula. Diga-se: forçou a mão ao arranjar um suposto “fato novo” (a pré-candidatura à Presidência) para mandar soltá-lo. Com essa justificativa, o desembargador resolveu contrariar uma decisão – certa ou errada – já tomada em tribunais superiores. De qualquer modo, quando se trata de uma ordem judicial – certa ou errada -, primeiro se a cumpre; depois buscam-se os canais legais para revogá-la, se for o caso.

O desembargador, devido ao seu histórico, poderia manifestar-se impedido para julgar Lula. Porém, o mesmo deveria valer para outros magistrados. Citando dois: Gilmar Mendes, devido à proximidade com alguns réus, além da ligação com o PSDB; Alexandre de Moraes (era filiado ao PSDB e próximo do MDB). Interessante, portanto, ouvir alguns colunistas de “grife”, lembrando o passado petista de Favreto, mas, convenientemente, esquecendo-se de usar medida equivalente em relação a outros magistrados.

O fato inafastável é que o comportamento equivocado de Favreto não difere de medidas tomadas por alguns ministros do Supremo Tribunal Federal (STF) que, para impor o seu entendimento pessoal, passam por cima de decisões do colegiado. Óbvio que o mau exemplo logo se disseminaria por outras instâncias.

Depois da lambança de domingo, entrou em campo a ministra Laurita Vaz, presidente do Superior Tribunal de Justiça (STJ) considerando “teratológica” (por que ministros supremos gostam tanto dessa palavra?) a decisão de Favreto; porém, “absolvendo” o erro do juiz Sérgio Moro, que autonomeou-se dono do destino de Lula.

O fato é que, nessa confusão toda, o Judiciário vem nos oferecendo a sua “cota de insensatez”, como registrou o editorial deste jornal (9/7/2018).

*Plínio Bortolotti

plinio@opovo.com.br

Jornalista do O POVO

Caso Cerveró – Lula e André Esteves são absolvidos

O banqueiro André Esteves e o ex-presidente Lula foram absolvidos no Caso Cerveró. A sentença foi proferida nesta manhã de quinta-feira pelo juiz da 20ª Vara de Brasília. O Ministério Público já havia pedido a absolvição da dupla.

Os procuradores dizem não ter encontrado evidências de que Esteves e Lula tenham tentado obstruir a Justiça. Trata-se de um presentão para Esteves. Hoje ele completa 50 anos, informa a Coluna Radar, da Veja Online.

A ação penal foi aberta para apurar se eles tentaram comprar o silêncio do ex-diretor da Petrobras. O processo foi aberto com base na delação do ex-senador Delcídio Amaral.

(Foto – Wikipedia)

Ajufe não defenderá Rogério Favreto

A Associação dos Juízes Federais do Brasil (Ajufe) decidiu não defender o desembargador Rogério Favreto, do Tribunal Regional Federal da 4ª Região. Embora juiz federal, Favreto não é filiado à entidade. Portanto, ela não seria obrigada a se posicionar sobre o caso, informou um membro da diretoria. A informação é do site Consultor Jurídico.

Favreto havia determinado a soltura de Lula para que ele pudesse se candidatar. Moro, de férias, disse ter sido orientado pelo presidente do TRF-4, desembargador Thompson Flores, a desobedecer a decisão. Gebran Neto, relator da “lava jato” em segunda instância, concedeu uma decisão proibindo a Polícia Federal de cumprir a ordem de soltura.

A Ajufe informou que pretende falar com o corregedor nacional de Justiça, ministro João Otávio de Noronha, em nome do desembargador João Pedro Gebran Neto, também do TRF-4, e do juiz Sergio Moro. Eles são acusados de infração disciplinar por ter tentado se sobrepor ao plantão judicial do fim de semana passado, que tinha Favreto como titular.

Já Favreto é acusado por associações do Ministério Público de ter tentado se sobrepor à 8ª Turma do TRF-4, que manteve a condenação do ex-presidente Lula e mandou prendê-lo. Para eles, houve abuso de autoridade.

Nessa quarta, a Procuradoria-Geral da República pediu que o Superior Tribunal de Justiça abra um inquérito para investigar Favreto. De acordo com o pedido, o desembargador prevaricou ao mandar soltar Lula — a ministra Laurita Vaz, presidente do STJ, ao reformar a decisão do desembargador, disse que ele promoveu insegurança jurídica por ter decidido uma liminar de réu preso durante o plantão.

Para ser associado da Ajufe, é preciso pagar uma mensalidade, que é descontada direto na folha de pagamento dos magistrados.

Escola de Música de Sobral abre inscrições para 18 cursos

A Escola de Música de Sobral Maestro José Wilson Brasil está com inscrições abertas para 18 cursos de longa duração nas áreas de instrumentos, canto e musicalização. Segundo a assessoria de imprensa do equipamento, o período de renovação de matrículas dos veteranos acontecerá entre os dias 31 de julho e 3 de agosto. Já a matrícula dos novatos acontecerá a partir do dia 7 a 10 de agosto.

Os interessados devem se dirigir à sede da Escola de Música de Sobral (Avenida Dom José, 426, Centro – Sobral-CE), das 9 às 12 horas e das 15 às 18 horas. Estudantes da rede particular pagarão mensalidade integral, enquanto alunos de escolas e universidades públicas têm desconto de 50% nas mensalidades.

Documentação Necessária para matrícula:

– RG ou CERTIDÃO de Nascimento do aluno (RG do responsável, no caso menor de idade);

– CPF do aluno e/ou do responsável, caso menor de idade;

– Declaração ESCOLAR atualizada (para alunos de escola pública);

– Comprovante de residência atualizado;

– Taxa de MATRÍCULA INTEGRAL, se for o caso (R$ 62,90);

* Solicitações de DESCONTO (50%):

– Taxa de MATRÍCULA 50% de desconto (R$ 31,45);

– Para alunos de Universidades Públicas (comprovante de matrícula atualizado);

– Para Funcionários/Servidores Públicos (comprovante de vínculo empregatício);

* Solicitações de ISENÇÃO da taxa:

1 – Para ALUNOS egressos do Ensino Médio concluído em Escola Pública (apresentar comprovante);

2 – Para ALUNOS que comprovarem BAIXA-RENDA (renda familiar menor que dois salários mínimos);

3 – Para APOSENTADOS que desejam aprender um Instrumento (apresentar comprovante);

SERVIÇO

*Para mais informações – (88) 3611-5484.

Tribunal de Justiça convoca 49 aprovados do concurso 2014

536 2

O Tribunal de Justiça do Ceará convocou 49 aprovados no concurso público para servidor efetivo realizado em 2014. São 43 técnicos judiciários e seis analistas judiciários. O ato foi assinado pelo presidente da Corte, desembargador Gladyson Pontes, e publicado no Diário da Justiça dessa quarta-feira (11).

Os convocados, segundo a assessoria de imprensa do TJCE, têm prazo de dez dias para comparecerem à Secretaria de Gestão de Pessoas do TJCE, localizada no Palácio da Justiça, no Cambeba, com a documentação necessária. Consulte a relação dos documentos.

\\LINK 1\\
http://esaj.tjce.jus.br/cdje/consultaSimples.do?cdVolume=9&nuDiario=1943&cdCaderno=1&nuSeqpagina=13

\\LINK 2\\
https://www.tjce.jus.br/institucional/concursos/

Quem vela a Constituição Brasileira?

Com o título “Quem vela a Constituição?”, eis artigo de Jesualdo Farias, ex-reitor da UFC e ex-secretário estadual das Cidades. Para ele, a Carta Maga – com democracia e tudo, está fragilizada desde o “golpe” contra o Governo Dilma. Confira:

Em seu discurso na sessão de promulgação da Constituição, Ulysses Guimarães destacou que “a Constituição certamente não é perfeita.

Ela própria o confessa ao admitir a reforma. Quanto a ela, discordar, sim. Divergir, sim. Descumprir jamais. Afrontá-la, nunca. A persistência da Constituição é a sobrevivência da democracia”.

Pois bem, esta conquista do povo brasileiro nunca esteve tão vulnerável. Este sentimento vem se fortalecendo desde o golpe que depôs a Presidente Dilma, sem crime de responsabilidade, e que foi liderado por próceres da república que, hoje estão presos ou a caminho do xadrez. Desde então, a Constituição passou a ser afrontada pelos poderes da república, de acordo com conveniências e interesses políticos.

Gostaria muito que estas fossem apenas as minhas impressões. No entanto, em uma rápida passagem pelas manchetes dos jornais dos últimos meses, é possível colher registros de farpas entre os supremos juízes que corroboram com esta preocupação. Do ministro Luís Roberto Barroso, destaca-se: o problema da corte não é pressão interna, “é juiz que faz favor e acha que o poder existe, não para fazer o bem e a justiça, mas para proteger os amigos e perseguir os inimigos”.

Em crítica à ministra Carmem Lúcia, o ministro Marco Aurélio Melo, destacou que está no STF há 28 anos, e nunca viu manipulação da pauta como a que está acontecendo. Resta indagar: a quem interessa esta suposta manipulação? Há favorecimento político? Há previsão de resultado da votação da matéria protelada? Quais os impactos para os milhões de brasileiros que ainda acreditam na justiça?

Neste contexto, serve de alerta a manifestação recente do jurista e ex-governador de São Paulo, Cláudio Lembo, ao definir o cenário macabro que estamos vivendo: “o poder judiciário tornou-se um instrumento político e o ativismo jurídico tornou-se uma arma horrível contra a sociedade. É ingenuidade pensar que a Constituição ainda existe e combater a luta judicial é uma quase loucura. Vivemos uma grande farsa”.

*Jesualdo Farias

jesualdo.farias@gmail.com

Professor titular da UFC.

Secult-CE – Concurso ganha vaga para profissional de Comunicação Social e Filosofia

O concurso público da Secretaria da Cultura do Ceará, com inscrições, a partir de 24 deste mês de julho, ganhou uma vaga para profissional de Comunicação Social. Vaga nesse sentido havia sido vetada pela Secretaria do Planejamento e Gestão do Estado.

Uma emenda proposta pelo Sindicato dos Jornalistas Profissionais do Estado reabilitou a vaga, que foi acatada e encaminhada pelo deputado Elmano de Freitas (PT). A Assembleia Legislativa aprovou a mensagem como todo.

Parreira diz que falta de experiência foi decisiva para fracasso da Seleção Brasileira

O técnico Carlos Alberto Parreira, campeão do mundo com a Seleção Brasileira em 1994, afirmou, nesta quinta-feira (12), que faltou experiência ao Brasil, entre comissão técnica e jogadores, para conquistar o título da Copa do Mundo da Rússia 2018.

“Não basta conhecer os problemas, é preciso saber como resolvê-los. De 21 copas do Mundo, ganhamos apenas cinco. Ficamos muitos anos sem ganhar, porque é muito difícil. Muitas coisas influenciam. Não é suficiente só ter talento, senão ganharíamos todas as copas. É preciso chegar preparado e com fome. Quando há compromisso, ganhamos. Se falta algum elemento, fracassamos”, disse hoje, em entrevista coletiva do Grupo de Estudo Técnicos, no estádio Luzhniki, em Moscou.

“Em 2006, tínhamos bons jogadores, mas faltava a fome de vencer, tinham mais fome no passado, quando ganharam. Agora, não vieram 100%. Faltaram estrutura e experiência. Houve bons jogadores, mas só três ou quatro tinham jogado um Mundial e, para a comissão técnica, também era o primeiro. A Bélgica nos surpreendeu na primeira parte e nós fomos melhores na segunda, mas Úcamos fora. Desde o dia em que nos eliminaram, sonhamos ganhar o Mundial seguinte. Para nós, é como uma espécie de religião “, acrescentou Parreira.

(Agência Brasil com EFE/Foto – Reprodução da SportTV)