Blog do Eliomar

Categorias para Brasil

Crédito atingiu R$ 2,9 trilhões em setembro

“As operações de crédito do sistema financeiro somaram R$ 2,901 trilhões em setembro, com crescimentos de 1,3% no mês e de 11,7% em doze meses. O ritmo de expansão foi maior do que o registrado para agosto, quando houve variações respectivas de 0,9% e 11,1%. O montante representou 57,2% do PIB (Produto Interno Bruto, soma das riquezas de um país), ante 56,7% em agosto e 55% em setembro de 2013.

As elevações mensal e anual refletiram as elevações nas carteiras de pessoas físicas e jurídicas, que totalizaram R$ 1,360 trilhão e R$ 1,540 trilhão em setembro. O saldo de operações envolvendo pessoas físicas subiu 0,9% ante agosto e 13,3% em 12 meses. No caso de pessoas jurídicas, a elevação mensal foi 1,6%, e a anual, 10,3%.

O crédito com recursos livres, em que os bancos têm autonomia para aplicar o dinheiro captado, somou R$ 1,534 trilhão, correspondendo a 52,9% do total da carteira. Houve acréscimo de 0,9% nas operações de pessoas jurídicas e de 0,6% nas contratações das famílias com esse montante. Nas contratações de pessoas jurídicas, destacaram-se operações mercantis, como desconto de duplicatas e repasses externos e financiamentos de exportações. Nas envolvendo famílias, houve aumento mensal de 1,5% na modalidade cartão de crédito à vista e de 0,6% no crédito consignado.

O crédito com recursos direcionados, em que os empréstimos devem seguir regras definidas pelo governo, alcançou saldo de R$ 1,366 trilhão, registrando elevações de 2% no mês e de 20,6% em 12 meses.

Nos financiamentos destinados às famílias com essa fonte, houve alta de 2,5% no crédito rural. O BC definiu o aumento como sazonal. A carteira de financiamentos imobiliários também teve expansão, de 1,4%. Já no crédito direcionado contratado por pessoas jurídicas, houve crescimento de 2,3% na carteira para investimentos com recursos do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES). A autoridade monetária atribuiu a elevação, em parte, à depreciação cambial.

A taxa média de juros para pessoas físicas com recursos livres atingiu 42,8% ao ano, o menor valor desde maio. Já o custo médio do crédito para empresas ficou em 22,8% ao ano. A inadimplência nos empréstimos com recursos livres ficou em 5%.”

(Agência Brasil)

Aécio perdeu por que a eleição ganhou conotação plebiscitária?

verrr

Em sua coluna no O POVO desta quinta-feira, o jornalista Fábio Campos escreveu o tópico “O Dever da casa”, mostrando que a derrota do tucano Aécio Neves em seu Estado (MG), deixou a clara impressão de que o eleitor optou pelo voto plebiscitário: aprovar ou não a continuidade de Dilma com seu PT. Confira:

Os resultados de Aécio Neves em Minas Gerais são um capítulo a parte na campanha presidencial. Neto de um grande líder mineiro, Aécio governou o Estado por oito anos e deixou o poder com ótimos índices de popularidade. O erro fatal de avaliação foi acreditar que isso seria suficiente para que a maioria, por osmose, se tornasse devota de sua candidatura presidencial.

O caso de Minas deixou claro o seguinte: a eleição presidencial foi plebiscitária. Ou seja, sim ou não ao PT. Em São Paulo, devido às circunstâncias da economia industrial do Estado, o antipetismo prevaleceu com vigor. Fosse quem fosse o candidato tucano ou de oposição ao PT, é muito provável que se dessem os mesmos resultados.

Em Minas, o clima era outro. Lá, o antipetismo não era uma marca em boa parte por causa do próprio Aécio. Afinal, no enclave mineiro, os tucanos sempre estabeleceram uma relação de paz e amor com os petistas. As circunstâncias econômicas também diferiam do vizinho São Paulo. Deu no que deu. É clássico: candidato a presidente que não ganha em casa não merece ganhar a eleição. Essa frase teria sido proferida por Aécio meses antes da campanha.

Campanha de Dilma elevou o teto dos gastos

“A campanha de Dilma Rousseff elevou mais uma vez o seu limite de gastos para a campanha: o teto chegou a 383 milhões de reais.

No dia 20 de outubro, a campanha petista já havia aprovado a elevação do teto de R$ 298 milhões para R$ 338 milhões. A alteração solicitada foi deferida pela ministra do TSE, Maria Thereza de Assis Moura.

Com a vitória, não será difícil passar o chapéu nas grandes empresas e arrecadar a grana.”

(Coluna do Radar, da Veja Online)

Dilma, o Marketing, o Nordeste e a queda das máscaras

64 1

Com o título “Dilma 2014: Retrato de uma vitória”, eis mais um artigo do publicitário e escritor Ricardo Alcântara. Num dos trechos ele diz: “Se Dilma Rousseff governar o Brasil com a mesma competência dedicada por João Santana à sua campanha, estaremos todos muito bem em 2018”. Confira:

É verdade: a presidente Dilma fez, no todo, uma campanha muito agressiva. Agressiva nos termos em que colocou sua definição sobre os adversários e, mais ainda, na desproporção entre temas propositivos, quase inexistentes, e a virulência de sua ação desconstrutiva. Responda depressa: qual a principal proposta de campanha da candidata governista? Não houve. A resposta, muito vaga, às mudanças que os sinais das pesquisas indicavam, veio no formato simbólico de um slogan: ‘Governo Novo, Novas Ideias’. Sim, mas quais? Nenhuma.

A campanha governista tratou, basicamente, de descredenciar os adversários e reafirmar o legado dos doze anos de Lulismo, inclusive recorrendo muitas vezes ao mérito de índices cuja relevância fora alcançada nos governos anteriores, do ex-presidente Lula da Silva. Excluídos os pudores da boa ética para a qual o PT não se vê mais devendo obrigações, Dilma soube fazer uma campanha calibrada: escolheu as emoções certas e, dos riscos, ficou com os menores. O posicionamento estratégico a colocou em melhor condição de disputa.

Se Dilma Rousseff governar o Brasil com a mesma competência dedicada por João Santana à sua campanha, estaremos todos muito bem em 2018, embora tenham caído as últimas máscaras para que a distorção grosseira dos fatos fosse a efeito – um alto preço, creia. Campanha agressiva, mas, também, defensiva: seu mérito maior foi saber se descolar, perante parcelas do eleitorado (mais fiéis ao seu partido ou mais beneficiadas pelo seu governo), das pesadas denúncias relacionadas à Petrobras. Entre eles, poucas baixas.

Nordeste? Governista como sempre. Foi assim na ditadura. Foi assim com Collor e FHC. E será assim, enquanto houver aqui legiões de cidadãos em condições de vida vulneráveis, para quem as políticas públicas, compensatórias, são uma questão crucial de vida ou morte. E não há menor legitimidade nesse voto: cada um sabe onde seu calo aperta. Querem os sulistas que votemos com maior autonomia? Simples: mandem para cá metade das nossas indústrias – aquelas de capital nacional majoritário, pelo menos.

Dilma só teria perdido se Aécio Neves a tempo visse que, apesar de seu bem avaliado governo, Minas Gerais já houvera negado maioria aos tucanos por três vezes nas eleições presidenciais. Pois veio de lá e do Rio de janeiro o aval mais forte à continuidade. Olhe o mapa. Fácil perceber: não foi só Bolsa família. Colheu o governo, na sua hora mais delicada, de inflação com estagnação, um voto de confiança assentado também em salários maiores, empregabilidade e acesso ao crédito: Renda e Consumo decidiram a parada. De novo.

* Ricardo Alcântara,

Publicitário e escritor.

Cid e RC – Queda é com a oposição

O governador Cid Gomes (Pros) e o prefeito de Fortaleza, Roberto Cláudio (Pros), em clima de festa de inauguração do Shopping RioMar, nessa quarta-feira, decidiram percorrer o polo de compras. Ou seja, hora de dar uma olhadinha nas lojas e conferir o empreendimento e seu potencial econômico.

ciderccc

Resolveram descer pela escada rolante principal e, mesmo contemplando a beleza do shopping, não se esqueceram de um aceno aqui e outro ali para populares quando de repente…

cirdrecc2

.. a escada rolante deixou de funcionar.

Ambos, no entanto, foram ágeis e se seguraram na borda da escada, evitando alguma surpresa. Para quem saiu agora há pouco de campanhas vitoriosas, queda, seja qual for ela, não combina com os dois.

Curiosidade: Algum deles comprou alguma coisa?

(Fotos – Mauri Melo)

Ciro Gomes alerta: Coalização precisa mudar para que DiIma termine seu novo mandato

foto ciro gomes

“Eu não gosto da coalizão que está no poder do Brasil com a Dilma, PT-PMDB. Se não for mudada, inclusive no plano moral, talvez a Dilma não consiga terminar seu mandato”, alerta o ex-ministro Ciro Gomes (Pros), atual secretário estadual da Saúde, ao ser indagado sobre o cenário político-econômico do País pós-resultado das urnas. 

Ciro Gomes lamenta ainda que nenhum dos candidatos à Presidência, na eleição deste ano, demonstrou compromisso em celebrar um projeto econômico para o País.

“Todos eles discutiram, prostrados diante do setor financeiro, nuances de conservadorismo. E com esse conservadorismo o Brasil não sai dessa crise sem um grave colapso”. Com US$ 86 bilhões de déficit nas transações correntes com o estrangeiro, tem-se um efeito no País de uma transação crônica, crescente sobre o câmbio, e uma moeda que tende a se desvalorizar, avalia. Para ele, esta é a ameaça inflacionária real que não pode ser combatida com taxa de juros, política do Governo de Dilma Rousseff (PT).

Indagado se esse é o momento do Brasil crescer ou conter a inflação, Ciro afirma: “Se não crescer, a proporção da dívida versus PIB e seus efeitos fiscais vai continuar se deteriorando. Não te equação para o desequilíbrio nas nossas contas externas”.

Para o ex-ministro, no entanto, ao final da apuração, acabou prevalecendo a lucidez do brasileiro que preferiu guardar alguns valores centrais com a reeleição da presidente, frente ao “entreguismo alienante do PSDB”.

(Com O POVO)

Joaquim Cartaxo: Novo Governo Dilma quer Assembleia Constituinte pró-Reforma Política

61 2

[youtube]https://www.youtube.com/watch?v=BUVK-u3ePC0&list=UU3PLF5T6g3ddE4BpeF0EhZg[/youtube]

O ex-presidente regional do PT, Joaquim Cartaxo, rebateu, nesta quinta-feira, a tese exposta pela oposição de que o País está fechando o ano em situação péssima no plano econômico. Cartaxo expôs alguns números e lamenta que a oposição ainda não tenha descido do palanque.

Na condição de quem é membro do diretório nacional petista, Joaquim Cartaxo anunciou que uma das grandes metas do novo Governo Dilma Rousseff é convocar uma Assembléia Nacional Constituinte exclusiva par a provar a Reforma Política.

Ministério da Saúde lança campanha de vacinação contra sarampo e paralisia infantil

“O ministro da Saúde, Arthur Chioro, lança hoje (30) a Campanha Nacional de Vacinação contra o Sarampo e a Paralisia Infantil, que terá início dia 8 de novembro. Será às 11 horas, no Centro de Convenções Ulysses Guimarães, em Brasília.

O lançamento ocorrerá durante a 14ª Mostra Nacional de Experiências Bem-Sucedidas em Epidemiologia, Prevenção e Controle de Doença, que ocorre até amanhã (31). A mostra reúne, durante quatro dias, cerca de 4 mil profissionais, entre trabalhadores e gestores do Sistema Único de Saúde, para trocar informações sobre o aprimoramento do setor.

Os sintomas mais comuns do sarampo são febre, tosse seca, exantema (manchas avermelhadas), coriza e conjuntivite. A poliomielite causa lesões que afetam o sistema nervoso, provocando paralisia, principalmente nos membros inferiores.”

(Agência Brasil)

O PT ganhou, mas levou reprimenda nas urnas

dilmarezando

Da Coluna Política de Érico Firmo, no O POVO desta quinta-feira, eis tópico com o título “Mesmo na vitória, rejeição galopante”. Bom para reflexões da petezada. Confira:

O PT venceu sua quarta eleição presidencial seguida. Três mandatos já eram fato inédito na história democrática brasileira. Todavia, as vitórias ficam cada vez mais apertadas. Em 2002, Lula teve 22,5 pontos percentuais de vantagem sobre José Serra (PSDB). Em 2006, a diferença foi ligeiramente menor – 21,6% pontos de Lula em relação a Geraldo Alckmin (PSDB). Em 2010, Dilma foi eleita com 12,1 pontos a mais que Serra. Neste ano, Dilma se reelegeu com 3,28 ponto percentual de frente sobre Aécio Neves (PSDB).

Os números expõem a fadiga do modelo. Nesse ritmo, a derrota é o caminho óbvio para daqui a quatro anos. Há profunda rejeição ao PT em diversos setores, como se percebe na ira demonstrada nas redes sociais. Além disso, o governo se desgastou muito. Pesquisas da campanha confirmavam isso, tanto que Dilma tentou se apresentar como candidata de um processo de transformação em andamento, conforme discurso construído pelos seus marqueteiros. “Mais mudança, mais futuro” e “Governo novo, ideias novas” eram algumas das principais palavras de ordem que tentavam vender a ideia de transformação dentro da continuidade.

* Mesmo reeleita, Dilma recebeu recado contundente. Mais que discurso, será preciso mudar muita coisa mesmo para reverter a marcha do desgaste.

O que o Shopping RioMar tem a ver com Luizianne Lins?

53 2

luizianne-lins-eliomar

Na inauguração do Shopping RioMar, nessa quarta-feira, no bairro Papicu, ausência bem notada: a da ex-prefeita de Fortaleza, Luizianne Lins (PT).

Foi ela quem fechou todo o pacote econômico e de compensação ambiental que viabilizou a implantação do empreendimento.

Mas o controlador João Carlos Paes Mendonça mandou convite para Luizianne, que não veio. Ela está vivendo as ultimas semanas de aula do mestrado que faz Rio.

BS Par apresentará projeto arrojado de Centro Comercial

293 1

O presidente da Federação das Indústrias do Ceará (Fiec), Beto Studart, na condição de empresário, comandará a partir das 10h30min desta quinta-feira, o ato de apresentação de mais um empreendimento do seu grupo, a BSPar Participações.

Trata-se do BS Design Corporate Towers, um complexo de escritórios comerciais com conceito A+, dentro dos mais modernos padrões arquitetônicos no mundo.

projetoot

Na ocasião, Beto e equipe darão entrevista coletiva expondo todos os detalhes desse projeto fincado no coração da Aldeota.

Secretário da Segurança Pública do Estado em alta cotação para continuar no cargo

95 6

servilho

As apostas são altíssimas na tese de que Servilho Paiva, o titular da Secretaria da Segurança Pública e Defesa Social do Estado, continuará no cargo.

O governador eleito Camilo Santana (PT) gostaria de ver todo implantado o programa “Pacto pela Vida” que Servilho implementou, com êxito, em Pernambuco.

No Ceará, essa ação começou nestes meses finais da gestão do governador Cid Gomes (Pros) e vem obtendo bons resultados.

Pelo menos, é o que dizem as estatísticas.

Quer ser cervejeiro?

O Instituto da Cerveja, com sede em São Paulo, oferecerá, entre novembro deste ano e fevereiro de 2015,  o Curso Aberto de Tecnologia Cervejeira, voltado para interessados em entrar no mercado de produção da bebida. Com inscrições abertas até o próximo dia 4, o curso contará com aulas práticas sobre os processos de fabricação de cervejas especiais.

O objetivo é capacitar os participantes para o ingresso em cervejarias de pequeno, médio e grande porte. As atividades, que somam 124 horas no total, incluem análise sensorial da cerveja, desenvolvimento de receitas, história e legislação da bebida. Os alunos também visitarão micro cervejarias e maltearias.

Professores do instituto e convidados conduzirão as atividades no período. A lista dos palestrantes conta com nomes como Marcus Dapper, cervejeiro da Dama Bier, e Rubens Mattos, cervejeiro da Brasil Kirin. O engenheiro de processos e especialista em leveduras Marcelo Braga e Frank Nohel, coordenador da Cooperativa Agrária Agroindustrial, também ministrarão aulas. Após a conclusão do curso e realização de 200 horas de estágio em uma cervejaria, os participantes do curso podem requerer um certificado extra de cervejeiro profissional.

SERVIÇO

Instituto da Cerveja – Avenida das Carinás, 417, Moema (SP)

Quanto: R$ 3.200

Inscrições e mais informações: info at institutodacerveja.com.br ou pelo telefone (11) 95946-0244.

(Blog Paladar)

Acrísio Sena: Setores da imprensa tentam desqualificar a vitória de Dilma

Com o título “As eleições e as novas tarefas do PT”, eis artigo que o vereador Acrísio Sena manda para o Blog. Ele comemora a reeleição da presidente Dilma Rouseff e lamenta que setores da grande imprensa estejam tentando desqualificar a vitória dela, falando de pais dividido.Confira:

É evidente a intenção de vários setores – inclusive na imprensa – de desqualificar a vitória de Dilma Rousseff no último dia 26. Fala-se em “país dividido”, por conta da eleição apertada, com diferença de apenas 3%. Ora, trata-se da mais difícil e espetacular vitória da história dos embates presidenciais, na qual ficou evidente a força da militância do PT, contra tudo e contra todos, afirmando um projeto de governo e, mais que isso, uma concepção ideológica, diametralmente oposta ao do adversário tucano. A instituição do 2º turno existe, diga-se de passagem, para consolidar uma maioria para o eleito. E maioria, ensina a matemática, é 50% mais um. O resto é choro e ranger de dentes.

Há, porém, que se fazer uma série de ressalvas em relação às tarefas que deverão ser assumidas pelo próximo governo Dilma. No primeiro discurso como presidenta reeleita, a senha já foi dada: é preciso acelerar a reforma política. E já está clara a resistência de diversos setores políticos, amplificada pela imprensa, à ideia do plebiscito, como se isso fosse uma tática de deslegitimização do Congresso. Ora, o plebiscito é um dispositivo perfeitamente legal e amparado pela Constituição. Caso haja resistência, da parte de setores representativos mais conservadores às mudanças, a alternativa deve ser de fato consultar o povo através da democracia direta.

Tal método também poderia fortalecer o diálogo – também ressaltado nas intervenções da presidenta – com diversos setores sociais. O jornalista Alexandre Haubrich captou bem este sentimento, lembrando que, se os últimos 12 anos incrementaram o consumo e aumentaram o contingente da classe média, os que ascenderam parecem não ter assimilado isso como uma nova condição favorecida pelas mudanças macroeconômicas, mas como uma conquista pessoal. Essa perspectiva conservadora havia sido já exposta por Paulo Freire: “se a educação não é libertadora, o sonho do oprimido é transformar-se em opressor”. Sem um debate político sistemático com a sociedade civil, com representantes dos movimentos sociais ocupando cargos governamentais e sem formar novas lideranças, sem enfrentar o debate sobre a democratização dos meios de comunicação, o PT não conseguiu sedimentar um discurso que lhe fosse favorável.

A reforma política precisa investir no fortalecimento dos partidos e de instrumentos de consulta popular, além das instituições de base, favorecendo a autonomia e a fiscalização das instituições por parte dos cidadãos, coibindo a corrupção no seu nascedouro. O debate político pode e deve ser constante, e não ocorrer de dois em dois anos, de forma a construir uma nova consciência social e colocar o governo em sintonia com os anseios populares.

Somente desta forma, a população poderá sentir-se parte integrante dos avanços sociais, econômicos, políticos e culturais, fugindo das discussões rebaixadas, falso-moralistas e preconceituosas promovidas pela direita. Com uma participação política constante, as conquistas seriam finalmente assimiladas em sua complexidade, fruto de um diálogo com o governo, e defendidas como resultado de sua ação independente e emancipatória.

* Acrísio Sena,

Vereador do PT.

Mauro Benevides lança novo apelo pró-refinaria

senadormauro

O deputado federal Mauro Benevides (PMDB) lamentou, da tribuna da Câmara, nesta quarta-feira, que o projeto da refinaria Premium do Ceará esteja sendo adiado outra vez. Pelo menos foi essa a informação divulgada pela Agência Reuters.

Para Mauro, esse projeto não pode sair dos planos de nenhum governante, no que exigirá nova mobilização da classe política e do governador eleito Camilo Santana (PT).

Mauro chegou a lembrar: “Em 1975, eu, Virgílio Távora  Wilson Gonçalves, todos nós senadores, entregamos ao então presidente Ernesto Geisel um projeto de refinaria para o Ceará.”

Pois é, de lá para cá, esse sonho acabou virando um pesadelo em matéria de promessas e entraves burocráticos e financeiros.

Shopping RioMar: Inauguração com peso político

omamarr

Prefeito RC, João Carlos Paes Mendonça, Cid e Ciro Gomes

Na festa de inauguração do Shopping RioMar Papicu, nesta quarta-feira, sob comando de João Carlos Paes Mendonça, dono do empreendimento, não faltou peso políico.

Ali, compareceram o governador Cid Gomes (Pros), o prefeito de Fortaleza, Roberto Cláudio (Pros), e o secretário estadual da Saúde, Ciro Gomes (Pros), além de lideranças do setor empresarial como Deusmar Queiroz (Grupo Pague Menos).

Em meio ao clima de festa, Ciro Gomes não poupou críticas ao setor econômico do governo Dilma Rousseff. “Tá tudo errado!”, disse ele. Já seu irmão, Cid, continua acreditando no projeto da refinaria de petróleo. Informou não ter informações obre adiamento do projeto e que, da sua parte, fez tudo o que tinha que fazer para viabilizar o empreendimento.

(Foto – Divulgação)

Governo quer aprovar fusão e simplificação do PIS e Confins ainda neste ano

O governo federal definiu como prioridade para a área econômica, até o fim deste ano, duas medidas de desafogo tributário.

A primeira é a aprovação, no Congresso Nacional, do projeto de lei complementar que unifica e reduz as alíquotas do ICMS para operações entre os Estados. A segunda é a definição do projeto de lei de fusão e simplificação de dois dos principais tributos federais, o PIS e a Cofins.

Em meio às especulações sobre a nova equipe econômica do governo, a presidente Dilma Rousseff elegeu a formulação de medidas como meio para ajudar o governo a resgatar a confiança do mercado financeiro, sobretudo no campo da chamada responsabilidade fiscal.

(Com o Estadão)

STF – Ministro determina sigilo absoluto sobre Operação Lava-Jato

Os procedimentos relacionados à operação Lava-Jato da Polícia Federal tramitam de forma oculta no Supremo Tribunal Federal (STF), por determinação do ministro Teori Zavascki, relator do caso na Corte.

Eventuais inquéritos abertos contra políticos citados após os acordos de delação premiada não constarão sequer do andamento processual disponível no site do STF. O ministro entende que o segredo absoluto está previsto na nova Lei de Organizações Criminosas (Lei 12.850/2013), para garantir a rapidez e a eficácia das investigações.

A regra do sigilo absoluto valerá para o público, mas não para advogados dos investigados.

(Valor Econômico)

Cantor Falcão espera que governador eleito invista mesmo em escola de tempo integral

[youtube]https://www.youtube.com/watch?v=G1s7d1zfTe4[/youtube]

O cantor bregastar Falcão está eixo Rio-São Paulo. Hora de divulgar seu novo CD, cujo título é “Sucessão de sucessos que se sucedem sucessivamente sem cessar”. Nesta quaqrta-feira, ele vai estar no programa do Ratinho (SBT) e ainda gravará para o Programa do Jô (Globo).

Falcão, que votou em Camilo Santana (PT), aproveitou para dizer o que espera do governador eleito: cumprir a promessa de investir em educação profissionalizante e escola integral.