Blog do Eliomar

Categorias para Brasil

Em pronunciamento, Dilma diz ter a obrigação de ouvir a voz das ruas

260 2

A presidenta Dilma Rousseff fez na noite desta sexta-feira (21) um pronunciamento à nação em cadeia nacional de rádio e TV para falar sobre as manifestações e protestos que ocorrem pelo país. Na mensagem, Dilma reconheceu a legitimidade dos protestos, criticou a violência e o vandalismo de alguns e disse que o governo vai tomar medidas para levar reivindicações adiante.

Confira na íntegra o pronunciamento:

“Minhas amigas e meus amigos, todos nós, brasileiras e brasileiros, estamos acompanhando, com muita atenção, as manifestações que ocorrem no país. Elas mostram a força de nossa democracia e o desejo da juventude de fazer o Brasil avançar.

Se aproveitarmos bem o impulso desta nova energia política, poderemos fazer, melhor e mais rápido, muita coisa que o Brasil ainda não conseguiu realizar por causa de limitações políticas e econômicas. Mas se deixarmos que a violência nos faça perder o rumo, estaremos não apenas desperdiçando uma grande oportunidade histórica, como também correndo o risco de colocar muita a coisa a perder.

Como presidenta, eu tenho a obrigação tanto de ouvir a voz das ruas, como dialogar com todos os segmentos, mas tudo dentro dos primados da lei e da ordem, indispensáveis para a democracia. O Brasil lutou muito para se tornar um país democrático. E também está lutando muito para se tornar um país mais justo.

Não foi fácil chegar onde chegamos, como também não é fácil chegar onde desejam muitos dos que foram às ruas. Só tornaremos isso realidade se fortalecermos a democracia – o poder cidadão e os poderes da república.

Os manifestantes têm o direito e  a liberdade de questionar e criticar tudo. De propor e exigir mudanças. De lutar por mais qualidade de vida. De defender com paixão suas idéias e propostas. Mas precisam fazer isso de forma pacífica e ordeira.

O governo e sociedade não podem aceitar que uma minoria violenta e autoritária destrua o patrimônio público e privado, ataque templos, incendeie carros, apedreje ônibus e tente levar o caos aos nossos principais centros urbanos.

Essa violência, promovida por uma pequena minoria, não pode manchar um movimento pacífico e democrático. Não podemos conviver com essa violência  que envergonha o Brasil.Todas as instituições e os órgãos da Segurança Pública devem coibir, dentro dos limites da lei, toda forma de violência e vandalismo. Com equilíbrio e serenidade, porém, com firmeza, vamos continuar garantindo o direito e a liberdade de todos. Asseguro a vocês: vamos manter a ordem.

Brasileiras e brasileiros, as manifestações dessa semana trouxeram importantes lições: as tarifas baixaram e as pautas dos manifestantes ganharam prioridade nacional. Temos que aproveitar o vigor destas manifestações para produzir mais mudanças que beneficiem o conjunto da população brasileira.

A minha geração lutou muito para que a voz das ruas fosse ouvida. Muitos foram perseguidos, torturados e morreram por isso. A voz das ruas precisa ser ouvida e respeitada. E ela não pode ser confundida com o barulho e a truculência de alguns arruaceiros. Sou a presidenta de todos os brasileiros. Dos que se manifestam e dos que não se manifestam. A mensagem direta das ruas é pacífica e democrática. Ela reivindica um combate sistemático à corrupção e ao desvio de recursos públicos. Todos me conhecem. Disso eu não abro mão.

Esta mensagem exige serviços públicos de mais qualidade. Ela quer escolas de qualidade; ela quer atendimento de saúde de qualidade; ela quer um transporte público melhor e a preço justo; ela quer mais segurança. Ela quer mais. E para dar mais, as instituições e os governos devem mudar.

Irei conversar, nos próximos dias, com os chefes dos outros poderes para somarmos esforços. Vou convidar os governadores e os prefeitos das principais cidades do país para um grande pacto em torno da melhoria dos serviços públicos. O foco será: primeiro, a elaboração do Plano Nacional de Mobilidade Urbana, que priviligie o transporte coletivo. Segundo, a destinação de 100% do petróleo para a educação. Terceiro, trazer de imediato milhares de médicos do exterior para ampliar o atendimento do SUS.

Anuncio que vou receber os líderes das manifestações pacíficas, os representantes das organizações de jovens, das entidades sindicais, dos movimentos de trabalhadores, das associações populares. Precisamos de suas contribuições, reflexões e experiências. De sua energia e criatividade, de sua aposta no futuro e de sua capacidade de questionar erros do passado e do presente.

Brasileiras e brasileiros, precisamos oxigenar o nosso velho sistema político. Encontrar mecanismos que tornem nossas instituições mais transparentes, mais resistentes aos malfeitos e acima de tudo mais permeáveis à influência da sociedade. É a cidadania, e não o poder econômico,  quem deve ser ouvido em primeiro lugar.

Quero contribuir para a construção de uma ampla e profunda reforma política, que amplie a participação popular. É um equívoco achar que qualquer país possa prescindir de partidos e, sobretudo, do voto popular, base de qualquer processo democrático.

Temos de fazer um esforço para que o cidadão tenha mecanismos de controle mais abrangentes sobre os seus representantes. Precisamos muito, mas muito mesmo, de formas mais eficazes de combate à corrupção. A Lei de Acesso à Informação, sancionada no meu governo, deve ser ampliada para todos poderes da república e instâncias federativas. Ela é um poderoso instrumento do cidadão para fiscalizar o uso correto do dinheiro público. A melhor forma de combater a corrupção é com transparência e rigor.

Em relação à Copa, quero esclarecer que o dinheiro do governo federal, gasto com as arenas, é fruto de financiamento que será devidamente pago pelas empresas e governos que estão explorando estes estádios. Jamais permitiria que esses recursos saíssem do orçamento público federal, prejudicando setores prioritários como a saúde e a educação.

Na realidade, nós ampliamos bastante os gastos com saúde e educação. E vamos ampliar cada vez mais. Confio que o Congresso nacional aprovará o projeto que apresentei para que todos os royalties do petróleo sejam gastos exclusivamente com a Educação.

Não posso deixar de mencionar um tema muito importante, que tem a ver com a nossa alma e o nosso jeito de ser. O Brasil, único país que participou de todas as Copas, cinco vezes campeão mundial, sempre foi muito bem recebido em toda parte.

Precisamos dar aos nossos povos irmãos a mesma acolhida generosa que recebemos deles. Respeito, carinho e alegria. É assim que devemos tratar os nossos hóspedes. O futebol e o esporte são símbolos de paz e convivência pacifica entre os povos. O Brasil merece e vai fazer uma grande Copa.

Minhas amigas e meus amigos, eu quero repetir que o meu governo está ouvindo as vozes democráticas que pedem mudança. Eu quero dizer a vocês que foram, pacificamente, às ruas: Eu estou ouvindo vocês. E não vou transigir com a violência e a arruaça. Será sempre em paz, com liberdade e democracia que vamos continuar construindo juntos este nosso grande país”.

(Agência Brasil)

CNN exibirá neste sábado reportagens especiais sobre manifestações no Brasil

424 2

A CNN International vai exibir, neste sábado, uma reportagem especial sobre as manifestações que se espalham pelo Brasil há duas semanas. Para descobrir o que tem alimentado o descontentamento da população, os correspondentes Shasta Darlington, em São Paulo, e Matthew Chance, no Rio de Janeiro, consultaram desde moradores de favelas até pessoas de classes mais altas da sociedade. Em pauta, a pergunta: afinal, por que eles estão protestando? O resultado dessa investigação vai ao ar ao longo da programação.

Desde a primeira reação popular, a CNN International acompanha de perto todos os acontecimentos no país.

O portfólio de notícias e serviços de informações da CNN está disponível em cinco idiomas diferentes através de todas as principais plataformas de TV, internet e mobile alcançando mais de 375 milhões de domicílios ao redor do mundo.

fabiolimaa

(Foto – Fábio Lima/O POVO)

Pesquisadores – Protestos são importantes, mas não se sabe em que vão resultar

“Pesquisadores de diferentes áreas do conhecimento, reunidos hoje (21), na Universidade de São Paulo (USP), destacaram a importância das manifestações que ocorrem em todo o país para demonstrar o anseio de participação política da sociedade brasileira. Eles disseram, porém, que não sabem ao certo em que esse movimento pode resultar. “Essas pessoas estão insatisfeitas pela forma como são representadas”, afirmou o filósofo Renato Janine Ribeiro, professor de ética e filosofia política da USP, ao participar do debate O que está acontecendo?. Para ele, de alguma forma, o movimento é contra as instituições. “De tempos em tempos, a política precisa ser irrigada por uma injeção forte de vida, mesmo que essa vida não saiba como se expressa, mas para mostrar que política é um meio, e não um fim. Quando se fala em necessidade de participação política, não é aquela feita em moldes tradicionais”, explicou.

O cientista político José Álvaro Moisés, responsável pelo Núcleo de Pesquisa de Políticas Públicas da USP, apontou como pano de fundo das mobilizações “um profundo mal-estar com a democracia existente no Brasil”. Segundo Moisés, isso não nega a existência de um regime democrático, mas faz referência à qualidade da democracia brasileira. “Tivemos avanços extraordinários em termos de reconhecimento de direitos nas últimas décadas, mas, visivelmente, tem áreas em que ela [democracia] funciona mal, e provavelmente o maior déficit é o da representação.”

O historiador em literatura brasileira Alfredo Bosi, professor aposentado da USP, também destacou a necessidade de repensar o modelo de participação política no país. Para ele, as manifestações expõe um problema vital, que é “como tornar viável uma democracia participativa, que me parece o ideal, e pela qual os grande problemas da cidade possam ser tratados com alguma racionalidade.” declarou.

Já o sociólogo Bernardo Sorj, professor aposentado da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), lembrou que houve nos últimos anos uma neutralização da participação política no país, sobretudo pela chegada ao poder do PT, que exercia um forte papel de mobilização. “Houve castração da vida política no Brasil pela capacidade de cooptar boa parte dos movimentos sociais, dos sindicatos, dos grêmios universitários, da sociedade civil. Portanto, nos surpreendemos porque nos acostumamos a uma postura apolítica”, disse ele.

O papel das mobilizações como instrumento de rompimento do “tédio” foi apontado pela psicóloga Sylvia Dantas, da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp). “Nós estávamos tomados por um estado de melancolia, de que as coisas estão tão complexas que não há como sair disso. Convivia-se com a ideia de que a nossa juventude estava alienada e todos estavam tomados pela passividade.” Sylvia acredita que este é um momento de catarse: “as pessoas estão colocando para fora a vigência de uma dissonância cognitiva, que, na psicologia, é explicada como o fato de que a percepção da realidade não está de acordo com o que é dito”.”

(Agência Brasil)

* VEJA o comentário do jornalista Augusto Nunes. Ele diz que falta grandeza a Dilma Rousseff no momento em que o País vive a onda de protestos. AQUI.

Joaquim Barbosa é o preferido dos manifestantes paulistas para o Planalto

O Datafolha fez pesquisa entre manifestantes paulistanos sobre sucessão presidencial. Foi durante ato de quinta-feira. Apesar de não figurar na lista de pré-candidatos ao Palácio do Planalto, o presidente do Supremo Tribunal Federal, Joaquim Barbosa, aparece como o preferido para suceder Dilma Rousseff. De acordo com o instituto, Barbosa foi mencionado por 30% dos entrevistados, contra 22% da ex-senadora Marina Silva, que tenta montar a Rede Sustentabilidade para concorrer ao Planalto em 2014. Dilma (PT) aparece em terceiro na lista, com 10% das menções.

O senador Aécio Neves (PSDB-MG), com 5%, e o governador de Pernambuco, Eduardo Campos (PSB), com 1%, vêm logo a seguir.

A margem de erro da pesquisa, que entrevistou 551 manifestantes, é de 4 pontos percentuais para mais ou para menos. No limite, Barbosa e Marina poderiam ter 26% das preferências, mas, segundo o Datafolha, a probabilidade de que esse cenário seja real é muito pequena.

(Folha Online)

CNPq apresentará Prêmio Jovem Cientista na UFC

Estudantes, professores e pesquisadores que têm interesse em participar do XXVII Prêmio Jovem Cientista, mas não conhecem bem as regras da competição terão a oportunidade de esclarecer todas as dúvidas na próxima terça-feira (25), durante encontro promovido pelo Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq). Será às 9h30min, no auditório do Centro de Ciências (Campus do Pici), onde serão apresentadas as oito modalidades do Prêmio, com depoimentos de vencedores de edições anteriores, apresentação de vídeos e distribuição de material informativo. 

O XXVII Prêmio Jovem Cientista, destinado a professores, estudantes do ensino médio, graduandos e pós-graduandos, está com inscrições abertas até 30 de agosto. Com o tema “água: desafios da sociedade”, a edição concederá mais de R$ 700 mil em prêmios, incluindo valores em espécie, bolsas de estudos, laptops e viagens. O tema foi escolhido devido à crescente preocupação da sociedade com a escassez de água para uso humano. Também serão premiados os orientadores dos estudantes agraciados e as escolas dos alunos de ensino médio premiados.

(Site da UFC)

Rosa da Fonseca vê onda de protestos como crise do limite do Capitalismo

188 6

[youtube]http://www.youtube.com/watch?v=wjzFfp5or2Q[/youtube]

A ex-vereadora Rosa da Fonseca afirmou, nesta sexta-feira, que a onda de protestos que se irrompeu no País é resultado da crise do limite do Capitalismo. Integrante do Movimento Crítica Radical, que condena o Capitalismo e apregoa a emancipação humana, Rosa tem participado das manifestações.

TRT do Ceará condena patroa que ofendeu costureira por procurar Justiça do Trabalho

“A 3ª Turma do Tribunal Regional do Trabalho do Ceará condenou a empresa Luicy Fardamentos a indenizar, por dano moral, uma costureira do município de Sobral. Após ser demitida, a empregada procurou a Justiça do Trabalho para reivindicar direitos que considerava terem sido desrespeitados. Inconformada com a decisão, a patroa foi ao portão da casa da costureira gritar palavrões contra ela e seu marido.

“A obrigação do empregador de agir com lealdade, lisura e consideração para com seu empregado excede o período de execução do contrato, alcançando a fase anterior à contratação e após a rescisão”, destacou, na decisão, o desembargador José Antonio Parente. Ele também ressaltou que o empregado pode pleitear indenização não apenas quando ele for atingido, mas também pessoas de sua família.

Um das provas utilizadas na condenação foi um boletim de ocorrência feito pela costureira no dia 21 de dezembro de 2011, quando ocorreu o incidente. Outra prova foi o depoimento de um dos vizinhos, que presenciou a visita da patroa. De acordo com o vizinho, o marido da costureira impediu a patroa de entrar em sua casa. Inconformada, a proprietária da empresa passou gritar palavrões contra ele e sua esposa.

Indenização

A costureira receberá indenização de R$1.722. A decisão da 3ª Turma do TRT/CE sobre o dano moral mantém a sentença anterior do juiz Jaime Araújo. “A honra é o único patrimônio que possui uma jovem e humilde trabalhadora, sendo sua carta de apresentação”, afirmou. Porém, a decisão da segunda instância também obriga a empresa a pagar aviso-prévio indenizado à costureira.

(TRT/CE)

Uma opinião sobre manifestações e um dos focos do protesto: preço da tarifa de ônibus

253 4

Com o título “Quem paga a tarifa?”, eis artigo do geografo Paulo Porto, empresário do setor de transportes coletivos, sobre a onda de protestos no País, onde um dos focos é o preço das passagens de ônibus. Confira:

O momento é oportuno para o maior conhecimento sobre o transporte público. Poucas planilhas de custos são tão transparentes, simples e discutidas publicamente quanto as que calculam a tarifa paga nos ônibus. Aproximadamente, 90% desse custo estão concentrados em quatro itens: pessoal, combustível, pneus e preço do veículo. Esse custo é rateado pela quilometragem rodada e pela quantidade de passageiros transportados.Se não há subsídios, quanto mais conforto e frequência, mais caro. Ainda não inventaram uma outra fórmula contra essa lógica matemática.

Já tivemos um grande avanço com a desoneração da maioria dos tributos incidentes na tarifa. É pouco. No mundo todo, o transporte é fortemente subsidiado. Nas pastagens brasileiras, os mandatários optaram por oferecer subsídios à indústria automobilística e ao avião em detrimento aos usuários do transporte público. A cidade de São Paulo subsidia em 20% a tarifa. Sentiram que não é o suficiente. Buscam fontes de custeio através de aumento do IPTU. É de uma ignorância única. A fonte de custeio deve vir de políticas restritivas aos automóveis como IPVA, gasolina, IPI, pedágio urbano, estacionamentos raros e caros e vias preferenciais e exclusivas para o ônibus.

Menos carros nas ruas, melhor transporte público. Também é interessante saber quem realmente paga ou não paga a tarifa hoje no Brasil.

Tendo como fonte a Associação Nacional das Empresas de Transportes Urbanos (ANTU), a média no País é: 52% são beneficiários do vale-transporte, pagos pelas empresas; 22% são estudantes beneficiados pela meia-passagem; 10% são beneficiários de alguma gratuidade estabelecida por lei como: idosos, portadores de necessidades especiais, policiais, carteiros, oficiais de justiça, “compradores de ingressos dos jogos da Fifa”, dentre outros menos importantes; os 18% restantes são profissionais autônomos, desempregados e outras poucas minorias sem capacidade de mobilização.

Não seria absurdo se as entidades empresariais e patronais estivessem financiando o Movimento Passe Livre (MPL) e suas manifestações em todo o País. Como maiores compradores do vale-transporte, seriam os maiores beneficiados. Como não devem ter tido essa ideia, devem estar apenas torcendo e aplaudindo o sucesso das justas manifestações.

* Paulo Porto

pauloportolima@me.com

Geógrafo.

Semana Nacional sobre Drogas tem programação em Fortaleza

183 1

A Rede de Atenção Integral à Criança e ao Adolescente Relacionada ao uso de Álcool e outras Drogas de Fortaleza – Rede Fortaleza, está realizando, até dia 26, a Semana Nacional sobre Drogas, que foca ações frente à situação do consumo de drogas que atinge toda a sociedade, sobretudo crianças e adolescentes. Nesta tarde de sexta-feira, as atividades acontecem no Parque das Crianças (Centro) até as 17 horas.

A Semana Nacional sobre Drogas 2013 traz como lema “Drogas: Liberdade para escolher ou para não ser vítima? Por Políticas NÃO Violadoras de Direitos Humanos”.

O objetivo da ação é pautar e sensibilizar a sociedade em geral sobre a necessidade da colaboração e participação intersetorial na busca da atenção integral para crianças e adolescentes, promovendo a garantia dos direitos.

A Rede Fortaleza é um fórum de discussão permanente entre o poder público e a sociedade civil que tem como missão atuar de forma articulada e sistemática propondo e monitorando políticas voltadas para a questão do uso e abuso de drogas.

Para maiores informações sobre detalhes de toda a programação ou obtenção da mesma, favor contatar a Secretaria Executiva do Fórum Rede Fortaleza pelo fone: 3433.1424 ou pelo e-mail: redefortaleza@gmail.com.

Ariosto Holanda: Manifestações dizem que o País precisa de "profunda reforma política"

[youtube]http://www.youtube.com/watch?v=KFVqpol27fs&feature=c4-overview&list=UU3PLF5T6g3ddE4BpeF0EhZg[/youtube]

Para o deputado federal Ariosto Holanda, as manifestações que se registram no País são positivas e mostram insatisfação de uma população que quer mais saúde e educação.

Ariosto, que é do PSB, partido aliado do Governo Dilma, afirma que esse quadro é um momento de reflexão e mostra também que o País precisa de uma “profunda reforma política”.

Fifa surpresa com manifestações no Brasil

156 2

“A Federação Internacional de Futebol (Fifa) foi surpreendida pelos protestos que acontecem em várias cidades brasileiras durante a Copa das Confederações. Segundo o porta-voz da federação, Pekka Odriozola, “ninguém estava esperando” as manifestações, que protestam, entre outras coisas, sobre os gastos públicos para a realização da Copa do Mundo de 2014. Mesmo sem esperar que acontecessem as manifestações, segundo o porta-voz do Comitê Organizador Local da Copa das Confederações, Saint-Clair Milesi, a organização do evento estava preparada para diversos cenários envolvendo a segurança dos envolvidos no torneio.

“Do lado operacional, para as medidas de segurança, nós pensamos em muitos cenários, mas não esperamos que isso fosse acontecer. Você precisa estar preparado para qualquer coisa”, disse Milesi.

Milesi qualificou como um boato a informação de que a Itália planejava deixar a Copa das Confederações devido aos protestos. “A própria Itália está achando absurda [essa informação]”, disse o porta-voz do Comitê. De acordo com a Fifa, nenhuma seleção fez um pedido oficial para abandonar a competição. Pekka Odriozola descartou cancelar a Copa das Confederações e a Copa do Mundo de 2014. Segundo ele, não há como dizer se haverá mudança no esquema de segurança para o evento que acontecerá no Brasil no ano que vem. “Faremos análises após a Copa das Confederações, para avaliar o que deu certo e o que deu errado”, afirmou.

Sobre o apedrejamento de ônibus da Fifa em Salvador ontem, Odriozola informou que ninguém ficou ferido porque os veículos estavam estacionados, vazios, quando foram alvejados por manifestantes. Segundo o porta-voz, o presidente da entidade, Joseph Blatter, que não está mais no Brasil, está sendo constantemente informado sobre os protestos no país.”

(Agência Brasil)

Welington Landim: "Quem foi pra rua não foi o Bolsa Família"

155 2

Do deputado estadual Welington Landim, aliado do governo do PT, pois é do PSB, nesta manhã de sexta-feira, na Assembleia Legislativa, ao falar sobre a onda de protestos que se registra no País:

“Quem foi pra rua não foi o Bolsa Família, mas essa meninada, a dona de casa, a classe média”.

Para Landim, os governantes precisam tirar lições de toda essa onda de manifestações. O governo federal, principalmente, precisa ser mais claro e ter “uma agenda urgente para resolver e melhorar a vida das pessoas”.

Copa das Confederações – Shakira pode conferir jogo em Fortaleza

202 2

shakira_gcom_60

A cantora Shakira, mulher de Gerard Piqué, jogador da Seleção da Espanha, no Brasil, esteve na manhã desta sexta-feira no consulado americano, no Rio de Janeiro. A cantora colombiana veio conferir a Copa das Confederações.

Por falar nisso, a Espanha joga contra a Nigéria neste domingo, a partir das 16 horas, na Arena Castelão. Será que Shakira vem para Fortaleza conferir o maridão atuando?

(Foto- Blog do Fábio/R7.com)

Onda de protestos – Termina reunião de Dilma com ministros e pode vir pronunciamento

142 1

A assessoria do Palácio do Planalto informou que já terminou a reunião em que a presidente Dilma Rousseff e vários ministros debateram a onda de manifestações por todo o país. A assessoria não disse quais foram os ministros que estavam presentes. Confirmou apenas a presença do ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo. Dilma e o ministro saíram calados da reunião.

A reunião começou às 9h30min. Os detalhes da pauta não foram divulgados, mas fontes afirmaram que um pronunciamento presidencial sobre o tema poderia ser considerado.

Por causa das manifestações, Dilma cancelou uma viagem que faria ao Japão sob argumento de que “não seria bom passar uma semana fora do país” neste cenário. Ela também adiou o lançamento do Plano Safra para o semiárido, evento que ocorreria hoje em Salvador.

(JB Online)

IBGE – Inflação recua 0,08 ponto percentual em junho

“O Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo-15 teve variação de 0,38% em junho, divulgou hoje (21) o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. A taxa recuou 0,08 ponto percentual em relação à de maio, que alcançou 0,46%. Em junho de 2012, o IPCA-15 foi 0,12%. Com o resultado, o acumulado no 1º semestre de 2013 é 3,45%, índice superior ao registrado no primeiro semestre de 2012: 2,58%. Em doze meses, a inflação acumulada no IPCA-15 chegou a 6,67%.

Os principais grupos que contribuíram para a desaceleração foram remédios e alimentos. A inflação dos medicamentos caiu de 2,94% em maio para 0,65% em junho, já que o índice do mês anterior ainda foi afetado pelo reajuste dos remédios vigente desde abril. Os alimentos tiveram queda de 0,47% para 0,27%.

O IPCA-15 leva em conta os preços coletados entre 15 de maio e 13 de junho, comparados aos de 13 de abril a 14 de maio. A pesquisa é realizada nas regiões metropolitanas do Rio de Janeiro, de Porto Alegre, Belo Horizonte, do Recife, de São Paulo, Belém, Fortaleza, Salvador, Curitiba, Brasília e Goiânia.”

(Agência Brasil)

Dilma terá reunião com Michel Temer

Depois da reunião de emergência que está tendo com alguns ministros, o que acontece neste momento no Palácio do Planalto, a presidente Dilma Rousseff terá agenda marcada com Michel Temer.

Por que Temer, o vice-presidente da República, não participou do encontro com Ideli Salvatti, Gleisi Hoffmann e José Eduardo Cardozo, não se sabe.

(Coluna Radar – Veja Online)

Empresa cearense do ramo da computação fecha parceria com grupo paulista

sergiofrota

Júlio César, Antonio Eliseu e Sérgio Frota.

A empresa cearense Pleimec, que atua com programas de computadores, está fechando parceria com a On Set Informática, uma das gigantes do setor no País e que tem base em São José dos campos (SP). O negócio está sendo acertado em Fortaleza, numa reunião que envolve o diretor da Pleimec, Sérgio Frota, e os diretores da On Set, Júlio César da Silva e Antonio Eliseu Holdenfor.

(Foto – Paulo MOska)

Copa 2014 – Se Brasil não der condições, Inglaterra assumirá o certame

protest

Do site 247 – Brasília:

A Fifa, comandada por Joseph Blatter, tem uma carta na manga, caso o Brasil se mostre incapaz de garantir padrões mínimos de segurança para as seleções internacionais e seus torcedores. A Inglaterra, que tentou ser sede da Copa de 2018, e perdeu a disputa para a Rússia, se ofereceu como “plano B” para o Mundial de 2014. A proposta foi feita a Blatter, que, dias atrás, antes de sair prematuramente do Brasil, antes do fim da Copa das Confederações, lembrou que não foi a Fifa quem pediu ao Brasil para realizar a Copa – mas exatamente o contrário.

As imagens de violência e depredação de espaços públicos que se espalham pelo mundo, com ataques a prefeituras, ao Congresso, ao Itamaraty e cerco até ao Palácio do Planalto, correm o mundo, sinalizando um poder acuado e incapaz de responder aos desafios do momento – numa primeira reação, a presidente Dilma Rousseff convocou, para as 9h desta sexta-feira, uma reunião de emergência com o ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo.

A proposta da Inglaterra, que é tratada confidencialmente, pode ganhar força se novas cenas de violência comprometerem o sucesso da Copa das Confederações. Até agora, já houve vários incidentes, como a tentativa de cerco ao Castelão, em Fortaleza, onde o Brasil enfrentou o México, os furtos à seleção espanhola, no hotel do Recife, e a depredação de um ônibus da seleção brasileira, em Salvador, ontem à noite. A situação é tão grave que a Fifa já ameaçou suspender a etapa final da Copa das Confederações.

Perder a Copa, no entanto, depois de gastos de R$ 30 bilhões gastos na construção das arenas e em outros investimentos para o torneio, teria impacto devastador no mundo político. Seria uma demonstração de fracasso coletivo do Brasil como nação. Mais grave ainda seria a transferência para a Inglaterra, cuja imprensa tem feito campanha sistemática contra a condução da política econômica no País. O risco é real. E cabe à presidente Dilma evitar que se materialize.

Mauro Benevides vê onda de protestos com "muita preocupação"

[youtube]http://www.youtube.com/watch?v=jK_zxSFb6gc&feature=c4-overview&list=UU3PLF5T6g3ddE4BpeF0EhZg[/youtube]

O deputado federal Mauro Benevides (PMDB) avalia a onda de protestos que se irrompeu no Pais como prova de “inconformismo” contra governantes, estendendo-se para o Parlamento brasileiro.

Mauro Benevides espera que as reivindicações feitas pela população sejam atendidas. Ele vê o quadro dos protestos com muita preocupação.