Blog do Eliomar

Categorias para Brasil

Novo Código Florestal – Ambientalista culpa PCdoB pela aprovação da matéria

94 5

De Polô, que foi candidato a senador pelo Partido Verde do Ceará – hoje desfiliado da legenda, comentando, em seu facebook, a aprovação do Novo Código Florestal:

Hoje o dia nasceu cinza… senti vontade de não me levantar da cama! Um enorme sentimento de indignação, vergonha de ser brasileiro e uma dor que vinha da alma! É, amigos, aprovaram o Novo Código Ruralista. E, como se não bastasse, o pivô disso tudo foi um partido que se diz progressista, um partido que vendeu sua alma aos ruralistas e ainda se diz socialista – o “PCo2doB” (como diz meu amigo João Saraiva), 90 anos jogados na lata do lixo.

Minha filha me perguntou, olhando para a fumaça de uma chaminé:
– É daí que se formam as nuvens?

Respondi que não e dei a explicação correta. Mas, no fundo, deu vontade de dizer que sim e que era culpa de um traidor chamado Aldo Rebelo!

Lei Maria da Penha – Quase 700 mil processos

“Em cinco anos, foram instaurados 685,9 mil processos com base na Lei Maria da Penha no País. O dado integra levantamento feito pelo Conselho Nacional de Justiça junto a juizados e varas especializadas nos processos de violência doméstica contra a mulher em todo o País. O número engloba desde a abertura de inquéritos a instauração de ações penais e medidas protetivas, entre outras ações. Os dados foram divulgados nessa quarta-feira, no enceramento da 6ª Jornada Maria da Penha.

O levantamento também revela que, em um ano e meio, o número de prisões em flagrante chegou a 26,4 mil e as decretações de prisões preventivas superaram os 4 mil. As informações mostram que, ao longo do mesmo período, 408 mil destes procedimentos foram julgados e encerrados.

O trabalho foi feito a partir de informações repassadas ao Conselho pelas coordenadorias dos Tribunais de Justiça especializadas em violência doméstica e familiar contra a mulher. Os resultados foram apresentados pela juíza Luciane Bortoleto no encerramento da 6ª Jornada Maria da Penha. O evento, organizado pelo CNJ, reuniu, em Brasília, representantes dos 27 Tribunais de Justiça que trabalham com o atendimento às vítimas de violência doméstica e de outros órgãos públicos que atuam na questão, como a Secretaria Especial de Políticas para as Mulheres, do Governo Federal, o Ministério Público e a Defensoria Pública.

As informações, segundo ela, serão encaminhadas ao Departamento de Pesquisas Jurídicas do CNJ para que se faça um aprofundamento da leitura dos dados e do que eles representam.

A região que mais se destacou nestes últimos anos foi o Sudeste, com aproximadamente 250 mil processos, seguido do Sul do país, com cerca de 110 mil procedimentos abertos. Também em relação aos procedimentos julgados e encerrados o Sudeste apresentou o maior número índice, de aproximadamente 130 mil. Em segundo lugar está o Centro-Oeste, com cerca de 90 mil procedimentos julgados e encerrados.

Dentre os estados, o destaque em termos de aplicação da lei tem sido o Rio de Janeiro, com 157,4 mil procedimentos instaurados. Em segundo lugar vem o Rio Grande do Sul, estado onde foram abertos 81,1 mil procedimentos. Também figuram na lista Minas Gerais, com 64 mil procedimentos, Paraná (26,1) e Espírito Santo (21,5).

(Agência CNJ)

BNB participa de reunião da Sudene sobre a seca

O presidente do Banco do Nordeste do Brasil, Jurandir Santiago, deve participar, nesta sexta-feira, no Recife, da reunião do Conselho Deliberativo da Sudene.

Ali, o assunto será um só: como agilizar providências para amenizar a situação dos agricultores da maioria dos municípios nordestinos que experimentam seca.

O BNB, por exemplo, já foi autorizado a prorrogar prazos de dívidas dos agricultores e suspender execuções. De acordo com a área do Programa da Agricultura Familiar, quem deve nesse segmento terá cinco anos para pagar e um ano de carência.

Morre o sambista Dicró

O sambista Carlos Roberto de Oliveira, o Dicró, morreu, nessa noite de quarta-feira, vítima de um infarto. Conhecido por músicas de letras humoradas e de duplo sentido, Dicró teve como grandes parceiros Bezerra da Silva e Moreira da Silva.

Dicró passou mal em casa logo após voltar de uma sessão de hemodiálise. O cantor sofria de diabetes e, segundo a família, chegou a reclamar de dores de cabeça quando voltou do hospital.

(Com Agências)

Assembleia debaterá MP que tira exclusividade da gestão do FDNE pelo Banco do Nordeste

[youtube]http://www.youtube.com/watch?v=2W8MVG9x0o8&list=UU3PLF5T6g3ddE4BpeF0EhZg&index=1&feature=plcp[/youtube]

Por iniciativa do deputado federal Danilo Forte (PMDB), a Assembleia Legislativa promoerá nesta sexta-feira, a partir das 9 horas, uma audiência pública sobre a Medida Provisíra 564. Essa mastéria retira a exclusividade do BNB de gerir recursos do Fundo de Desenvovimento do Nordeste (FDNE), o que vem gerando protestos.

Além dessa discussão, vão entrar também outros temas do interesse da região Nordeste, segundo Danilo Forte.

Câmara aprova requerimento de urgência para mensagem da Rio+20

O plenário da Câmara dos Deputados aprovou nessa quarta-feira (25) requerimento de urgência para votação da mensagem do Executivo que contém o acordo entre o Brasil e a Organização das Nações Unidas (ONU) para a Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável (Rio+20). A mensagem poderá ser votada amanhã. Também foi aprovada a urgência do projeto de lei que acaba com o fator previdenciário.

O dispositivo reduz o valor da aposentadoria na medida em que o trabalhador se aposenta antes de completar 65 anos de idade e 35 anos de contribuições, no caso dos homens, e 60 anos e 30 anos de contribuição, para as mulheres. Com isso, a matéria que recebeu parecer favorável pelo grupo de trabalho que discutia o tema, terá a tramitação rápida, uma vez que com a urgência ela poderá ser votada no plenário sem a necessidade de tramitar por comissões técnicas da Casa.

Pela regra aprovada não será submetido ao fator previdenciário o trabalhador que tiver somado 95 anos entre o tempo de contribuição à Previdência e a idade dele, no caso dos homens, ou 85 anos para as mulheres.

O grupo de trabalho também aprovou a apresentação de emenda substitutiva global para excluir a incidência do fator previdenciário quando a soma do tempo de contribuição e da idade do segurado não atingir 95 para os homens ou 85 anos para as mulheres. Nessa hipótese, será aplicado à média do salário de benefício do segurado um redutor de 2% para cada ano que faltar para atingir aquelas somas.

(Agência Brasil)

José Guimarães quer conversa com Ideli sobre ações contra a seca

“A bancada do Nordeste no Congresso está entregue, desde ontem, à coordenação de um parlamentar cearense. José Guimarães, do PT, assumiu a função, substituindo a Gonzaga Patriota (PSB-PE), sob a expectativa de que consiga melhorar as relações dos representantes nordestinos com o Palácio do Planalto, valendo-se do fato de ser, na Câmara, vice-líder do governo Dilma Rousseff.

Guimarães já começa a agir nesse sentido. Logo depois de formalmente definido como coordenador, o deputado cearense anunciou que organizará um encontro da bancada do Nordeste com a ministra da Articulação Política, Ideli Salvatti. A ideia é discutir, com ela, a adoção de medidas de combate à seca, tema que os parlamentares consideram urgente.

Outra medida prática inicial do novo coordenador foi instituir um grupo de trabalho para analisar a Medida Provisória 564/12, que trata do plano Brasil Maior, em relação ao artigo 6º da MP, que inclui outros bancos públicos – como Banco do Brasil e Caixa Econômica Federal – como operadores dos recursos do FNDE (Fundo de Desenvolvimento do Nordeste). Os deputados Antonio Balhman (PSB-CE), Chico Lopes (PCdoB-CE), Hugo Napoleão PSD-PI) e Zezeu Ribeiro (PT-BA) integram a comissão.

Guimarães decidiu criar conselhos temáticos mna bancada para sistematizar as propostas apresentadas e o trâmite das matérias nas comissões e no plenário. Cada conselho reunirá um grupo de parlamentares, que ficarão responsáveis temas como educação, ciência e tecnologia, agricultura familiar, divisão de royalties, entre outros.”

(O POVO)

Fausto Nilo é atração da Série Depoimentos

[youtube]http://www.youtube.com/watch?v=Esi_H_huKBM[/youtube]
A Série Depoimentos prestigia a música cearense levando ao palco o cantor e compositor Fausto Nilo no próximo sábado, às 20 horas, no anfiteatro do Centro Dragão do Mar. A história desse talentoso artista será contada e cantada durante todo o show. Nesta noite, entre tons cearenses, quem abre o evento é a cantora franco-brasileira Paula Tesser, que reencontra Fausto Nilo em um cenário musical.

Fausto Nilo nasceu na cidade de Quixeramobim (CE). A intimidade com a música veio logo cedo. Ainda criança, com os sete irmãos, participava de reuniões promovidas por seu avô, Fausto, amigo de Cego Aderaldoe ouros repentistas. Aos 11 anos, mudou-se para Fortaleza e, aos 20, ingressouna Faculdade de Arquitetura e Urbanismo pela Universidade do Ceará, em 1970. As mãos do arquiteto ganham também os traços do letrista ainda no ambienteuniversitário, onde fez amizades com o cantor e compositor Fagner, e outros jovens compositores como Rodger Rogério, Teti, Petrúcio Maia e Ricardo Bezerra, quepassariam a ser conhecidos como o “Pessoal do Ceará”.

Na bagagem deste“Pessoal”, a efervescência política da época, os Centros Populares de Cultura(CPCs) e as caravanas culturais que viajavam pelo interior do Estado entrediscos de vinil, artistas plásticos, poetas, atores e o novo comportamento de uma nova geração. Em 1971, por problemas políticos, mudou-se para Brasília,onde trabalhava como professor e escrevia as primeiras letras para músicas de amigos.

SERVIÇO

Ingressos à venda no Dragão do Mar:

Inteira: R$ 20,00 e Meia-entrada: R$10,00

Informações:85. 3488 8608

Doação de alimentos:

Doação antecipada na bilheteria, no ato da compra do ingresso ou doação no dia do show, na bilheteria ou na entrada do Anfiteatro do Dragão do Mar, ao apresentar o ingresso.

Um articulista que se define como “Chicólatra” e os shows de Chico Barque

209 2

[youtube]http://www.youtube.com/watch?v=VWxASchlDCI[/youtube]

O cantor e compositor Chico Buarque fará shows, nos dias 25 e 26 de maio, no Siará Hall, em Fortaleza. O juiz estadual Mantovani Colares, que se define como “Chicolatra”, manda artigo para o Blog, com o título “Fecho os olhos; E vou destacando o talento desse brasileiro. Confira:

FECHO OS OLHOS; E VOU.

 

Mantovanni Colares

            É um desafiador exercício – e provavelmente insolucionável – o de encontrar os reais motivos do frenesi causado pelo anúncio de mais um show de Chico Buarque, como esse a ocorrer nos próximos dias 25 e 26 de maio, em Fortaleza.

As razões primeiras, mais óbvias e apesar disso não satisfatórias, são a da distância entre uma apresentação e outra do Cantor (a última nesta cidade se deu em 2007) e a incontável legião de fãs que o acompanham desde os anos 1960. Tal resposta não elucida o mistério, já que muitos admiradores da obra musical buarqueana são jovens; bastantes jovens, eu diria. O hiato de apresentações ao vivo é um indicativo, mas certamente não é o único elemento propulsonador do fenômeno que faz esgotar em curtíssimo espaço de tempo os disputados ingressos.

Nas magníficas experiências que vivenciei mirando-o ao vivo – e já se vão sete shows degustados até o último acorde –, indagava aos mais jovens o porquê de se apreciar alguém tão distante cronologicamente de suas realidades. As respostas, embora de todo não convergentes, apontavam para um vetor, o da qualidade musical, decorrente da sensibilidade do Artista, a gerar um encantamento inexplicável.

Penso que esse é o caminho. Alguns costumam atribuir a seu viés político-contestador a simpatia que desperta nos que amargaram tantos momentos indesejáveis por conta da repressão em nosso país no final da década de 1960 e até o início da década de 1980. Quanto a mim, confesso que o repertório musical do Chico-político é o menos vibrante em meus arquivos sentimentais. Afeta-me particularmente o Chico-lírico, sua maestria para lidar com a eterna busca do encontro entre duas pessoas, desde os amores mundanos até os sublimes.

Essa identificação de qualquer um de nós com seus desabafos musicais pode ser também a chave desse segredo de sua imensa popularidade; além, é claro, de seu inegável charme, da sinceridade no que diz – até quando é insincero, como no “Samba do Grande Amor” –, e do imenso profissionalismo e seriedade com que ele encara o trabalho, inclusive o de fazer shows. Os espectadores estreantes ficarão positivamente surpreendidos com um artista preocupado em bem fazer sua proposta musical, sem estrelismo, sem afetações, em sinal de imenso respeito a seu público. A nossa sorte é que o Chico Buarque não tem a dimensão do que é ser Chico Buarque.

Os desavisados devem saber que o show “Chico” é temático. Podem ficar com inveja, mas já assisti ao seu novo espetáculo por duas ocasiões, a primeira no início da turnê, em dezembro de 2011, na cidade de Curitiba, e a segunda vez em março deste ano, em São Paulo; daí que posso dizer que o show foi arquitetado brilhantemente como meio de condução para divulgar seu mais recente trabalho musical (Chico, 2011, Gravadora Biscoito Fino), mas permeado por canções de outrora, todas de arrepiar, apresentando o tema único e inesgotável do amor em suas incontáveis possibilidades, desde a mais cândida à mais devassa, oscilando entre a paixão extrema e o cinismo incontrolável, como se poderá ver nas já conhecidas “Choro Bandido”, “O meu Amor”, “Anos Dourados” e “Sob Medida”; a enigmática “Ana de Amsterdã”; o delicioso xote “A Violeira” (com referência não só ao Ceará, mas também ao Crato e a Quixadá); uma versão desconcertante de “Cálice”, alinhavada com versos do rapper Criolo; a contagiante “Baioque” e seu final delicioso com a inserção de “My Mammy”, de Walter Donaldson, Joe Young e Sam M. Lewis, composta em 1918; a magistral apresentação em dupla com Wilson das Neves na mais que atual música de 1954 de Tom Jobim e Billy Blanco, “Tereza da Praia”, antecedida pelo samba do novo CD “Sou Eu”, que já virou um clássico, e para mim essa música representa a continuação de “Deixe a Menina” (de 1980, no então LP “Vida”), onde o marido não se conformava com a mulher tão desejada por tantos, até que finalmente se submete à realidade nesse novo samba, e suporta os explícitos assédios no salão de dança e também o jeito nada comportado da mulher, mas afirma: quem é que carrega a moça pra casa? sou eu!; e a sempre impactante “Geni e o Zepelin”, esta pela primeira vez trazida aos palcos sob sua voz, e para mim o ponto alto do  show, pois a entonação crescente e dramática da música nos faz viajar pela história, como se fôssemos espectadores daquele bem narrado drama, e somos conduzidos a uma trajetória de instrospecção e êxtase, como a cadência musical sugere, e o tempo parece ficar paralisado na extensa cantiga reveladora da hipócrita sociedade na qual vivemos.

Ainda que alguém não esteja familiarizado com seu novo trabalho, terá uma imensa satisfação ao se deparar com a riqueza musical desse CD, que contém blues (“Essa Pequena”), baião (“Tipo um Baião”), moda de viola (“Querido Diário”), choro canção (“Se eu Soubesse”), samba (“Sou Eu”) e até marchinha (“Rubato”), essa para orgulho nosso em parceria com o cearense Jorge Hélder, integrante de sua banda musical.        

Um destaque especial deve ser feito em relação à valsa “Nina”, pois nessa “valsa russa” – como o próprio Chico a batizou – tem-se a história de um amor virtual, onde ele mantém correspondência via computador com a Nina, e mesmo ao lado da modernidade não  dispensa o uso da imaginação. É que não há ligações de câmeras nos computadores, não se sabe ao certo se por precaridade dos equipamentos dos amantes virtuais ou por imposição de um Chico recém-ingresso no mundo da informática, mas com as cautelas devidas.            

Eis outro indicativo do magnetismo do Chico. Ele consegue desenvolver o lirismo musical em qualquer âmbito, inclusive no da modernidade, tendo como pano de fundo a nova forma de relacionamento entre as pessoas, nesta era atual, onde a internet praticamente dita as regras de convivência.

Nessa música, “Nina diz que tem a pele cor de neve / E dois olhos negros como o breu”, a demonstrar essa realidade limitada quanto à possibilidade de um saber com é realmente o outro, mas graças ao “google earth” se vê exatamente onde ela mora e até sua casa (“Nina diz que se quiser eu posso ver na tela / A cidade, o bairro, a chaminé da casa dela”), mas ele terá que imaginar como é o interior da casa e outros detalhes tão relevantes para quem está apaixonado (“Posso imaginar por dentro a casa /A roupa que ela usa, as mechas, a tiara /Posso até adivinhar a cara que ela faz /Quando me escreve”). O final é delicioso. Ele arremata que, apesar da distância física e com a indicação de que dificilmente os dois chegarão um dia a se conhecer de fato – ele não irá à Rússia, e ela mesmo confessa não atrever a viajar num país distante como o Brasil –, o mundo virtual permite uma espécie de proximidade, pois o importante é a imaginação, e com ela também se viaja, ou seja, o deslocamento integra a fantasia. E o Cantor confessa: “Sempre que esta valsa toca / Fecho os olhos, bebo alguma vodca /E vou”.

É nesse paradoxo entre o mundo virtual e o real, e em meio a tanta valorização dos caminhos apresentados pela informática, que nos sentimos privilegiados por apreciarmos ao vivo esse gênio brasileiro, cantando e tocando, acompanhado de extraordinários músicos, porque é uma experiência real, a penetrar de modo definitivo nalgum recanto especial de nossa memória. E sempre que recordo os shows dele aos quais tive a regalia de presenciar – nas cidades de Fortaleza (nos anos de 1987, 1993, 1999 e 2007), Curitiba (em 2011) e São Paulo (nos anos de 2006 e 2012)–, quase consigo ver e ouvir tudo novamente. Quase, não. Fecho os olhos; e vou.   

* Mantovanni Colares,

Juiz estadual, professor universitário, escritor e Chicólatra confesso.

Gonzaga Mota e sua literatura dinâmica

O ex-governador Gonzaga Mota vai lançar dois livros nesta quinta-feira, a partir das 20 horas, no Shopping Molina Center.

As publicações – “Textos para Reflexões” e “Ao Vento: Poemas”, serão apresentadas, bem como o autor, pelo poeta e professor Juarez Leitão.

Gonzaga Mota hoje está fora da política partidária e se treme todo quando alguém pergunta se ele disputará algum mandato em 2014. “Tô fora!” – diz logo, adotando um vida mais zen.

Artigo científico da UFC é aceito em conferência mundial

125 1

“O artigo científico “Spatial Determinants of Urban Residential Water Demand in Fortaleza, Brazil”, desenvolvido no Curso de Pós-Graduação em Economia (Caen) da Universidade Federal do Ceará (UFC), foi aceito na VI Conferência Mundial da Associação de Econometria Espacial. O evento será realizado em Salvador (BA), de 11 a 13 de julho próximo.  

O artigo é resultado de um projeto desenvolvido pelo professor José Raimundo Carvalho e pelo aluno de doutorado Diego Maria André junto à Companhia de Água e Esgoto do Ceará (Cagece). Os autores utilizaram técnicas de econometria espacial – campo de estudos com metodologia aplicada em situações nas quais importam a condição espacial, como na economia regional e economia do trabalho, para entender os fatores determinantes da demanda residencial por água em Fortaleza.

Diferentes especificações econométricas – como o Spatial Error Model (SEM), o Spatial Autoregressive Model (SAR), e o Spatial Model Autoregressive Moving Average (Sarma), foram aplicadas a uma base inédita de dados coletada junto aos domicílios de Fortaleza. Os resultados apontam para a necessidade de se considerar os efeitos espaciais nos modelos de demanda por água, para que se proponham políticas de distribuição de água. A ausência do cuidado metodológico pode subestimar efeitos de variáveis importantes, como preço médio, e superestimar efeitos de outras variáveis, como renda e número de cômodos, com conseqüências indesejáveis para o planejamento de políticas tarifárias.

(Site da UFC)

Advogado de Demóstenes diz que entregará defesa no fim da tarde desta 4ª feira

“O advogado Antônio Carlos de Almeida Castro, disse à Agência Brasil que entregará a defesa prévia do senador Demóstenes Torres (sem partido-GO) por volta das 18 horas. Hoje (25) é o último dia para que o parlamentar apresente seus argumentos sobre as denúncias que o envolvem com Carlos Augusto Ramos, o Carlinhos Cachoeira, preso por suspeita de explorar jogos ilícitos. De posse desse documento, o relator da investigação do caso no Conselho de Ética, Humberto Costa (PT-PE), terá cinco dias para apresentar seu parecer, prazo que pretende usar integralmente.

“Vou ler com calma [o documento] e dar meu parecer na reunião que, a princípio, está marcada para a próxima quinta-feira (3)”, disse o parlamentar à Agência Brasil. O conselho tem reunião agendada para amanhã (26). Ontem (24), foi feita uma sugestão ao relator para que já fizesse a leitura da defesa de Demóstenes na reunião desta quinta-feira ,deixando para a próxima semana somente a apresentação do parecer e a votação.

Caso o Conselho de Ética acate a abertura de processo de cassação de Demóstenes Torres por quebra de decoro, o senador goiano poderá fazer sua defesa no plenário do colegiado para que debata diretamente com os parlamentares as denúncias que envolvem seu nome, bem como os argumentos apresentados na defesa escrita. Demóstenes, no dia de abertura dos trabalhos do conselho, compareceu à reunião e disse que no tempo oportuno estaria à disposição dos parlamentares para comparecer a uma sessão e debater o caso.”

(Agência Brasil)

Caso Cachoeira – Quem paga honorários de Márcio Thomaz Bastos?

173 1

Essa é do site 247, de Brasília:

Ainda não ficou exatamente claro qual é o papel do ex-ministro da Justiça, Marcio Thomaz Bastos, na defesa do bicheiro Carlos Cachoeira. Quando, de fato, atuou como advogado, depois de deixar o governo federal, Thomaz Bastos utilizou os benefícios da lei para proteger seus clientes. Foi assim, por exemplo na caso da empresária Tânia Bulhões, que, por sugestão de seu advogado, aceitou o benefício da delação premiada, atribuiu todo o esquema de sonegação fiscal em suas lojas de artigos de luxo ao contador e, desta maneira, escapou da prisão – num caso semelhante, praticamente idêntico, Eliana Tranchesi, que morreu recentemente, foi condenada a 97 anos de prisão.

Thomaz Bastos já fez circular a versão de que Cachoeira não fará delação premiada nem será homem-bomba. A seu lado, um exército de jornalistas tem ajudado a disseminar informações tranquilizadoras. Ao que tudo indica, no entanto, o ex-ministro não desembarcou no caso Cachoeira depois de ter sido procurado pelo contraventor. Preso num presídio de segurança máxima, e com seu contador foragido, Cachoeira estava praticamente sem capacidade de ação. Seu verdadeiro advogado era Ricardo Sayeg, que viajou para o exterior quando Thomaz Bastos entrou em cena, numa missão presidencial.

Sim, a tarefa do advogado mais caro do Brasil é controlar o bicheiro e conter os danos que ele poderá causar a terceiros. Além disso, a plantação de notas relacionadas aos honorários, supostamente de R$ 15 milhões, foi a forma encontrada pelo advogado para justificar sua entrada num caso tão controverso – e que também valida seu preço junto a outros clientes privados. Ao que tudo indica, não é este o valor. E, se fosse, não é Cachoeira quem paga.

A esse respeito, o deputado Anthony Garotinho (PR-RJ) publicou texto interessante com a questão que não quer calar: quem paga os honorários de Márcio Thomaz Bastos? Leia, abaixo, o texto do parlamentar:

Desde a prisão de Carlinhos Cachoeira uma pergunta incômoda paira no ar. Quem irá respondê-la? Foi amplamente noticiado que o ex-ministro da Justiça do governo de Lula, Márcio Thomaz Bastos foi contratado por R$ 15 milhões pelo contraventor para defendê-lo e que já teria recebido a primeira parcela de R$ 5 milhões quando Cachoeira ainda estava no presídio federal de Mossoró, Rio Grande do Norte.

A pergunta é: quem pagou esse dinheiro, uma vez que o contraventor estava mofando numa cela sem poder assinar cheques? Essa talvez seja a primeira pergunta que a CPI deve fazer a Cachoeira. De onde está saindo o dinheiro para custear o advogado mais caro do Brasil? Qual dos seus aliados está pagando a conta?

O governador de Goiás, Marconi Perillo (PSDB)?

O governador do Rio, Sérgio Cabral (PMDB)?

O governador do Distrito Federal, Agnelo Queiroz (PT)?

O senador Demóstenes Torres (licenciado do DEM)?

O seu consultor para negócios no exterior, José Dirceu (PT)?

O seu sócio Fernando Cavendish?

Quem mais?

Até agora ninguém deu essa resposta.

(Ilustração – Folhapress)

Câmara retoma votação do Novo Código Florestal

“A Câmara dos Deputados retomou há pouco a votação do novo Código Florestal. Marcada inicialmente para ontem (24), a votação da proposta foi adiada devido à falta de acordo entre os partidos políticos.

Mais cedo, depois de reunião com o presidente da Casa, Marco Maia (PT-RS), o deputado Paulo Piau (PMDB-MG), relator da matéria, disse que deve reincorporar ao seu parecer dispositivo que estabelece faixa de preservação mínima de 15 metros de comprimento às margens de rios de até 10 metros de largura.

Neste momento, Piau faz a leitura do parecer. Ele rebateu as críticas do líder do PT na Câmara, deputado Jilmar Tatto (SP), de que seu relatório dá anistia a desmatadores. Segundo Piau, não se pode considerar anistia a revisão de multas aplicadas a produtores que ocupam, há décadas, áreas que passaram a ser consideradas ilegais ao longo do tempo.

Mais cedo, o deputado Moreira Mendes (PSD-RO), presidente da Frente Parlamentar da Agropecuária, disse que a mudança sobre a preservação de matas ciliares será “gravíssima” para os pequenos produtores. “Agora, o problema não é nosso, estaremos fazendo a nossa parte. Quem vai responder ao produtor e aos prejuízos que serão causados são aqueles que estão aí lutando para a volta do parágrafo quarto”, ponderou Mendes.”

(Agência Brasil)

Caixa reduz em até 21% taxa de juros da casa própria

” A Caixa Econômica Federal anunciou há pouco a redução em até 21% da taxa de juros efetiva cobrada em empréstimos feitos por meio do Sistema Financeiro de Habitação (SFH). Segundo uma simulação feita pelo banco, para os imóveis que custam até R$ 500 mil, os juros passam de 10% ao ano para 9% ao ano. Caso o mutuário seja cliente com conta-salário na Caixa, a taxa cairá para 7,9% ao ano.

Financiamentos fora do SFH também terão redução das taxas, de 11% para 10% ao ano. Neste caso, para clientes com conta-salário na Caixa, os juros ficarão em 9%. Em simulação da Caixa, se contratar um financiamento de imóvel no valor de R$ 600 mil, o cliente economizará mais de R$ 54 mil durante 20 anos, dos quais R$ 5,6 mil logo no primeiro ano.

As novas taxas foram anunciadas no lançamento do 8º Feirão da Casa Própria, marcado para o período de 4 de maio a 10 de junho, em 13 cidades (11 capitais).”

(Agência Brasil)

Oficialmente instalada, CPMI do Cachoeria pede documentos à PGR e STF

“Senadores e deputados instalaram oficialmente hoje (25) a comissão parlamentar mista de inquérito (CPMI) que vai investigar a atuação do empresário de jogos ilegais Carlinhos Cachoeira e suas ligações com agentes públicos e privados. Na primeira reunião da chamada CPMI do Cachoeira, o senador Vital do Rêgo (PMDB-PB) foi empossado presidente da comissão. O deputado Odair Cunha (PT-MG) foi também designado relator da CPMI. O nome dos dois foi oficializado por aclamação.

Mais de 70 requerimentos de convocação de oitivas e de requisição de documentos já foram apresentados, mas na primeira reunião, a CPMI aprovou somente o primeiro requerimento apresentado pelo relator Odair Cunha que requisitou os documentos da operações Vegas e Monte Carlo. Os pedidos serão endereçados ao Supremo Tribunal Federal (STF) e à Procuradoria Geral da República (PGR). “Esses documentos são nosso ponto de partida” explicou o relator.

O senador Fernando Collor (PTB-AL) também sugeriu a convocação do procurador-geral da República, Roberto Gurgel, e dos dois delegados que conduziram as investigações na Polícia Federal para que eles possam informar o estágio das investigações. No entanto, esse pedido não chegou a ser apreciado pelo CPMI.

Cachoeira está preso desde o fim de fevereiro. Escutas telefônicas feitas pela Polícia Federal, com autorização da Justiça, indicam que ele mantinha relações com parlamentares, autoridades e empresários envolvidos em licitações públicas milionárias.”

(Agência Brasil)

Nizan Guanaes é atração em evento que marca a parceria Jangadeiro-Band

O publicitáio Nizan Guanaes, controlador do Grupo ABC de Comunicação, dará palestra, a partir das 20 horas, no Theatro José de Alencar, sobre o tema “Ideia como ferramenta da criatividade”. Dentro da solenidade que marcará oficialmente a parceria da TV Jangadeiro com a Rede Band.

Nesse evento, estará presente Johnny Saad, presidente da Band.

No fim da tarde desta quarta-feira, Johnny e Nisan serão recebidos pelo acionista do Sistema Jangadeiro de Comunicação, Tasso Jereissati.

CCJ da Câmara aprova criação de banco de DNA para investigações sobre crimes violentos

91 1

“A Comissão de Constituição e Justiça da Câmara dos Deputados aprovou a proposta de criação de banco nacional de DNA para auxiliar nas investigações de crimes violentos. A medida está prevista no Projeto de Lei 2.458/2011, já aprovado pelo Senado. Pela proposta, os dados do banco de DNA serão sigilosos e as pessoas que os utilizarem para qualquer fim diferente daquele determinado pela Justiça responderão civil, penal e administrativamente. Os perfis genéticos seguirão normas internacionais de direitos humanos. Ou seja, não poderão revelar traços somáticos ou comportamentais, apenas o gênero do investigado ou do condenado.

A proposta tramita em regime de prioridade e ainda será analisada pelo Plenário da Câmara dos Deputados. O autor, senador Ciro Nogueira (PP-PI), esteve presente na reunião da CCJ e argumentou que o projeto apenas formaliza a instituição de um banco de material genético que já vem sendo testado no Brasil, denominado Sistema de Indexação de DNA Combinado (Codis, na sigla em inglês), que é o mesmo empregado nos Estados Unidos e em outros 30 países.

O relator da proposta, deputado Vicente Candido (PT-SP), recomendou a aprovação do texto. Ele citou especialistas no assunto e concluiu que a medida vai favorecer o combate ao crime. O objetivo do projeto é estabelecer uma unidade central gerenciadora de vestígios genéticos deixados em locais de crimes, como sangue, sêmen, unhas, fios de cabelo ou pele. Também constará do banco o material genético de criminosos condenados por violência dolosa, ou seja, intencional.”

(Agência Cãmara)