Blog do Eliomar

Categorias para Brasil

Brasileiro trabalha cinco meses do ano para pagar impostos

208 3

Cinco meses de trabalho por ano do brasileiro são apenas para pagar tributos, segundo estudo do Instituto Brasileiro de Planejamento Tributário (IBPT). O cálculo considera os impostos sobre a renda, o patrimônio e o consumo. Em média, há comprometimento de 40,98% da renda bruta do trabalhador para os fiscos federal, estadual e municipal. A “alforria” tributária dos contribuintes, segundo o IBPT, foi concedida, neste ano, pelo governo brasileiro, apenas em 30 de maio, o que significa dizer que, somente a partir dessa data a pessoa começou a trabalhar para si mesma, sem intervenções fiscais. São 150 dias de trabalho para os três fiscos – um a mais que no ano passado.

Além disso, a alíquota mais elevada (27,5%) recai sobre renda mais baixa do que em países como Estados Unidos, Inglaterra e Argentina, de acordo com estudo da consultoria Ernst & Young Terco. Os brasileiros com renda mais baixa também recolhem, em proporção, mais do que trabalhadores de extratos superiores.

Menos reembolsos para a sociedade

Segundo ainda o IBPT, entre os 30 países com cargas tributárias mais altas, o Brasil é o que menos devolve em serviços e investimentos à sociedade. Além de trabalhar cinco meses no ano só para pagar impostos, o brasileiro precisa dedicar a renda de outros quatro meses para suprir a lacuna deixada pelos maus serviços prestados pelo Estado.

Os investimentos em áreas básicas são menos eficazes que em outros países, segundo dados do Instituto. O Brasil e a Coreia do Sul investem o mesmo percentual do Produto Interno Bruto (PIB) na área, em torno de 4,5%. Porém, enquanto os alunos sul-coreanos estão entre os mais bem avaliados nos testes internacionais Pisa, os brasileiros estão entre os piores.

Segundo o presidente do IBPT, João Eloi Olenike, o aumento da eficiência na gestão e nos gastos públicos permitirá fazer muito mais com menos, melhorando os serviços com redução da carga tributária. Ele explicou que não se justifica o aumento de tributos, uma vez que vivemos num dos países que mais cobram impostos e “os valores recolhidos não retornam em serviços como segurança, rodovias sem pedágio e saneamento básico”, apontou.

O economista Paulo Rabello de Castro, da RC Consultores, explicou que o crescimento da carga tributária tem freado a taxa de eficiência da economia de modo significativo nos últimos anos que se poderia afirmar que o Brasil perdeu, pelo menos, um ano de PIB a cada década.

Alexandre Schwartsman, ex-diretor do Banco Central, disse que a elevação da carga tributária nos últimos anos foi destinada em sua grande maioria para custear o aumento dos gastos correntes dos governos, incluindo benefícios sociais e salários de funcionários públicos.”

(POVO Online – Canal Economia)

Estiagem – Presidente da CUT/CE cobra políticas de trabalho e renda no semiárido

Com om título Semiárido agoniza com mais uma seca”, eis artigo da presidente da Central Única dos Trabalhadores (CUT), no Ceará, Joana Almeida. Ela elogia as políticas públicas de apoio aos agricultores atingidos pela estiagem, mas cobra políticas de trabalho e renda no campo. Confira:

O homem e a mulher do campo enfrentam dificuldades com a estiagem. A sobrevivência da população e do rebanho está comprometida com a maior seca dos últimos 50 anos. Os reservatórios do Ceará estão abaixo da capacidade de armazenamento de água. Por isso, municípios com os maiores açudes do estado, como Banabuiú, Jaguaretama, Orós, Nova Jaguaribara, estão sendo abastecidos por carro-pipa. As fontes de alimentação humana e animal também estão prejudicadas. Em função do período da entressafra, o preço de itens da cesta básica, como feijão, arroz, fubá dispararam.

Reconhecemos que ações emergenciais executadas a nível federal, como o Programa Garantia Safra, têm sido valiosas. Em 2012, as 5 parcelas oferecidas ao agricultor foram insuficientes. O governo federal garantiu então mais 2 parcelas. Porém, defendemos que é preciso elaborar políticas de trabalho e renda para famílias do campo, tendo em vista que essa mão-de-obra fica ociosa no período da entressafra.

Outra importante iniciativa do governo federal foi o Programa Bolsa Estiagem. Mas acreditamos que o valor de quatrocentos reais, distribuído em 5 parcelas, é pequeno em comparação ao preço da saca de 60 quilos de milho, que custa cinquenta reais.

Existem vários outros programas, mas nem todos funcionam em sua totalidade. Os Programas 1 Milhão de Cisternas (P1MC) e Uma Terra e Duas Águas (P1+2) são importantes para garantia da segurança hídrica. No entanto, as cisternas estão vazias. O Programa Carros-Pipa é insuficiente para a demanda. As políticas de implantação, revitalização de poços e adutoras dessalinizadores são executadas em uma década e não em 6 meses de estiagem. É preciso implantar políticas para disponibilizar água dos açudes públicos para a produção de suporte forrageiro e para abastecimento da população. Hoje, as águas do canal da integração são utilizadas para fins industriais, enquanto nas margens, pessoas sofrem com a Seca.

Portanto, é essencial efetivar medidas emergenciais com a maior rapidez para minimizar os efeitos da Seca no Ceará. A convivência com o semiarido não significa apenas o combate à seca ou só a construção de infraestrutura hídrica para abastecimento humano e animal, requer também ações de promoção do desenvolvimento rural sustentável e solidário no semiárido brasileiro e cearense.

Joana Almeida

imprensa@cutceara.org.br

Presidente da CUT-Ceará.

Polícia Federal apreende documentos na casa de vice-presidente da CBF

“Marco Polo del Nero, presidente da Federação Paulista de Futebol (FPF) e vice-presidente da Confederação Brasileira de Futebol (CBF), prestou depoimento à Polícia Federal na madrugada desta segunda-feira, em São Paulo. O dirigente teve documentos e computadores apreendidos em sua casa. Del Nero, o cartola mais poderoso do país na atualidade – é considerado nome certo para disputar a presidência da CBF na próxima eleição na entidade, às vésperas da Copa do Mundo de 2014 -, não revelou o motivo da operação de busca em sua residência. Ele disse apenas que o assunto não envolve sua atuação no futebol. Em nota divulgada pela FPF, o cartola diz que foi “surpreendido em uma operação da Polícia Federal” e afirma que os agentes estavam “em busca de documentos não relacionados à sua atividade na entidade e de seu escritório de advocacia”. No escritório, Del Nero tem como sócio o deputado petista Vicente Cândido, que foi relator da Lei Geral da Copa. Também nesta segunda, Del Nero participaria do seminário Soccerex, no Rio de Janeiro. Ao chegar para o evento, Marin evitou comentar o episódio envolvendo seu vice.

“Conhecido advogado criminalista, Marco Polo Del Nero prestou depoimento regulamentar na Polícia Federal sendo liberado em seguida. O teor do depoimento segue em sigilo de justiça”, afirma a nota da FPF. Na semana passada, Del Nero e o presidente da CBF, José Maria Marin, anunciaram a demissão de Mano Menezes do comando da seleção brasileira. A decisão foi atribuída em grande parte a Del Nero, que indicou Marin à vice-presidência da CBF e, assim, possibilitou sua chegada à presidência da entidade (ele assumiu no lugar de Ricardo Teixeira por ser o vice de mais idade dentro da CBF). Em entrevista ao portal UOL, Marco Polo del Nero se disse “absolutamente tranquilo” e afirmou que a ação da PF “não atrapalha em nada neste momento” de transição no comando da seleção brasileira. “A polícia chegou em casa, pediu documentos, eu dei. Depois prestei depoimento por cerca de 20 minutos. Como advogado, a gente não se assusta com essas coisas.”

Marco Polo del Nero é presidente da FPF desde 2003. Em 2007, ele assumiu um lugar no Comitê Executivo da Confederação Sul-Americana de Futebol (Conmebol). Neste ano, com a saída de Ricardo Teixeira do comando da CBF, passou a acumular mais um cargo, agora no Comitê Executivo da Fifa. Ligado ao Palmeiras, advogado especialista em Direito Penal, é considerado o homem forte do futebol brasileiro desde a queda de Teixeira – tudo por causa da relação muito próxima com Marin, que assumiu tanto a presidência da CBF como a chefia do Comitê Organizador Local (COL) da Copa do Mundo de 2014. A operação da PF, aliás, acontece em um momento delicado para Del Nero. No sábado, São Paulo recebe o sorteio dos grupos da Copa das Confederações de 2013. Por causa disso, a cúpula da Fifa estará na cidade a partir da quarta-feira. Del Nero seria o anfitrião de diversos compromissos importantes, como a reunião do comitê organizador do torneio e a visita às obras do Itaquerão, que será o palco da abertura da Copa de 2014.”

(Veja Online)

E por falar em Gestão de Marcas…

Com o título “Relações Públicas na Gestão das Marcas”, o jornalista e controlador da VSM Comunicação, Marcos André Borges, manda artigo intitulado “Relações Públicas na Gestão de Marcas”. Ele chama a atenção para esse tema que, inclusive, será aprofundado durante palestra, a partir das 18h30min desta segunda-feira, no Gran Marquise Hotel, por José Roberto Martins, especialista em branding (marcas). A exposição de José Roberto abrirá o projeto  “Grandes Nomes da Comunicação”.

Não é fácil construir uma marca de sucesso. Desafio maior é manter a confiança desta junto a seus públicos. Em uma sociedade planetária voltada para o consumo, o dever não é apenas de gigantes multinacionais como Coca-Cola, Nike e McDonald’s, mas de toda iniciativa, pública ou privada, que deve destinar e administrar recursos para cumprir suas promessas de marca, sob a pena de colocar em risco esse inestimável capital de confiança. A “Marca Brasil” e própria “Marca do Estado do Ceará”, são exemplos de capital intangível (?) que vêm se valorizando significativamente nos últimos anos graças as gestões implementadas em nível Federal e Estadual.

Mas por que é importante fazer branding? Segundo José Roberto Martins que é Administrador de Empresas, Mestre em Ciências da Comunicação pela ECA-USP, com 30 anos de experiência corporativa “ tendo sua marca uma atuação mundial, ou uma apenas local, você deve buscar a otimização do valor dela em relação ao faturamento gerado. Branding não é um trabalho fácil, e não se trata apenas de criar logotipos, desenhar embalagens e vender sacadinhas de propaganda que afaguem o ego dos envolvidos”.

Outra ferramenta relevante para o fortalecimento das marcas ocorre no plano interno das instituições, como é o caso a comunicação corporativa nas relações com os investidores (RI) nas corporações com capital aberto. Para isso é fundamental que o consultor de comunicação lance mão de recursos que mensurem as necessidades desse público e, ao mesmo tempo, saiba encontrar as melhores formas e ferramentas para traduzir, de forma transparente e confiável, as diretrizes, perspectivas de êxitos nas metas e decisões tomadas pelas corporações. Nesse aspecto o trabalho de relações públicas é fundamental.

Aloisio Anhalt, presidente da FIRB – Financial Investor Relations Brasil, ex-presidente executivo e atual membro do conselho de administração do IBRI – Instituto Brasileiro de Relações com Investidores destaca, entre outras questões, a importância da comunicação e do relacionamento no processo de gestão das relações com os investidores. Ele diz:

“‘Só é possível gerenciar aquilo que pode ser controlado”. Esta é uma velha máxima da Administração que até hoje não foi refutada por grande parte dos gestores das companhias, sejam elas abertas ou não. E continua: “na gestão de RI fica evidente que não é possível dissociar a atividade de planejamento da atividade de controle, pois planejamento sem controle reflete apenas intenções e controle sem planejamento resulta apenas em burocracia. Planejamento com controle define gestão”.

No mercado cearense, há muito que se trabalha pelo investimento na administração da marca, promovendo seu relacionamento com os públicos. Embora existam esforços de gestão nesse sentido, a maioria, no entanto, concentra-se em ações de marketing e publicidade e mais algumas poucas ferramentas da comunicação corporativa e mídias sociais, apostando serem suficientes para garantir uma exitosa experiência de marca. Administrar suas relações com o mercado e tornar públicas suas promessas são, certamente, premissas básicas na gestão de uma marca.

No entanto, ao longo de mais de 23 anos atuando no gerenciamento de reputação de diversas marcas, posso afirmar que esse investimento se revela insuficiente quando a relação passa a ser questionada pela opinião pública. Sem falar que para que se crie um “capital de credibilidade”, para enfrentar momentos de crise, é preciso investir em comunicação a longo prazo. Do contrário as instituições públicas ou privadas terão sempre que recorrer aos consultores de comunicação como “bombeiros” ´para debelar “incêndios” que poderiam ter muito menos intensidade – e até terem sido evitados – caso existisse um trabalho eficaz anterior de relações públicas junta a opinião pública em geral e públicos de interesse. Mesmo porque cabe também ao especialista em gerenciar reputação, atuar preventivamente, dentro das corporações, no sentido de se evitar a instalação das crises.

Quando tais medidas aqui elencadas não são implementadas, as instituições são obrigadas a investir quantias significativas para gerencias crises pontuais e sofrem prejuízos incalculáveis em suas marcas que – muitas vezes – têm dificuldades para recuperar a boa imagem institucional. Sem falar que esse processo demanda tempo e mais investimento em comunicação a longo prazo.

Então o que falta? Relacionamento. Na sociedade de consumo, as marcas são personificadas, adquirem as mesmas características de valor atribuídas às pessoas: tradicional, moderna, confiável, reconfortante, rápida, eficiente etc. Cada vez mais as empresas têm procurado refletir e traduzir essas promessas de valor em suas marcas. Muitas, porém, esquecem que, ao se personalizarem, absorvem também um dos valores mais importantes que caracterizam o homem: a falibilidade.

Admitindo-se a cultura de personificação das marcas na sociedade de consumo, temos que admitir que, assim como as pessoas, as marcas são falíveis mesmo que, como também nós, humanos, não saiam por aí propagando seus erros. Como então nos diferenciarmos positivamente? Pela habilidade de reconhecer erros e melhorar-se a partir dessas experiências. Desta forma, marcas que melhor administram a dicotomia entre a possibilidade de cumprir ou não suas promessas, têm, na crise, a oportunidade de melhoria.

Uma segunda chance, no entanto, nem sempre é possível. Diante de uma promessa não cumprida, que põe em risco a confiança na marca, nem sempre a soma de todo o investimento em marketing e publicidade são suficientes para permitir sua recuperação ou sobrevivência, e seu capital de relacionamento precisa ser acionado.

Torna-se necessário, no entanto, sensibilizar para o conceito de relacionamento da marca com seus públicos. Para discutir essas questões a VSM Comunicação está trazendo à Fortaleza, realizando um evento direcionado para gestores e profissionais da comunicação, nesta segunda-feira (26/11), com o palestrante e escritor José Roberto Martins, especialista em branding que vem ajudando as instituições públicas e privadas a calcular o capital intangível de suas marcas. Se a dinâmica das relações humanas é material de pesquisa de diversas ciências, o relacionamento entre instituições e seus públicos, que se dá em ambiente de rica complexidade, não difere, e tem, nas Relações Públicas, a disciplina necessária para o estudo e desenvolvimento dessas relações.

Instituições, públicas e privadas devem, portanto, ampliar seu leque de recursos para assegurar que a gestão de suas marcas tenha as ferramentas necessárias para administrar bem suas promessas de valor junto ao maior número de segmentos sociais possível, construindo assim uma reserva de capital em momentos de crise. Assim como no erro, onde a prevenção é o melhor caminho, na crise, identificar seus pontos fracos e prevenir também é a melhor saída. Não sendo possível, quem melhor administra as relações de sua marca pode valer-se do capital de boa reputação acumulado.

* Marcos André Borges é controlador da VSM Comunicação e Diretor do Sindicato Nacional das Empresas de Comunicação Social – SINCO.

PT acredita que pode reverter pate da condenção de Dirceu, Genoíno e Delúbio

176 2

“Como a esperança é a última que morre, parte do PT ainda acredita que é possível reverter as condenações de José Dirceu, José Genoíno e Delúbio Soares por formação de quadrilha no mensalão. A aposta é num recurso chamado de embargo infringente, que, em tese, possibilitaria a realização de um novo julgamento quando o condenado recebe pelo menos quatro votos a seu favor. Como os embargos infringentes devem ser sorteados, o recurso não cairá diretamente nas mãos de Joaquim Barbosa.

A turma do PT ainda faz o seguinte cálculo: com a chegada de Toria Zavascki, e de um outro ministro para a vaga de Ayres Britto, a Corte que vai analisar os recursos não é a mesma que condenou os mensaleiros.

O melhor dos cenários ainda traz duas outras possibilidades: a aposentadoria precoce de Celso de Mello, permitindo não dois, mas três novos ministros na Corte, e que o processo, no sorteio, caia nas mãos de Dias Toffoli.”

(Coluna Radar, da Veja Online)

Estiagem – Deputado lamenta que burocracia atrase liberações

194 2

[youtube]http://www.youtube.com/watch?v=tWqejK5P1q4&list=UU3PLF5T6g3ddE4BpeF0EhZg&index=2&feature=plcp[/youtube]

O deputado federal José Arnon (PTB) lamenta que a burocracia federal esteja atrapalhando a liberação de recursos para o combate à seca no Nordeste. O parlamentar também lamenta que mais uma vez a estiagem ocupe espaços na mídia quando muito já poderia ter sido feito para prevenir dificuldades.

Custo da construção cresce mais de 7% em um ano

” O Índice Nacional de Custo da Construção do Mercado (INCC-M), medido pelo Instituto Brasileiro de Economia (Ibre) da Fundação Getulio Vargas (FGV), aumentou 0,23% em novembro, variação ligeiramente inferior à de setembro (0,24%). No acumulado do ano, o índice apresentou variação de 6,93% e, nos últimos 12 meses, 7,3%. O resultado foi influenciado pelo grupo de despesas materiais, equipamentos e serviços, que sofreu decréscimo, passando de 0,49% para 0,22%. Na média, o INCC-M só não foi menor porque, no período, ocorreram reajustes salariais em Recife, um dos sete locais pesquisados, onde a taxa saltou de 0,48% para 2,21%.

Os cálculos relativos à mão de obra nas sete capitais indicam elevação de 0,01% para 0,24%. Desde janeiro, o custo da mão de obra ficou 9,21% mais caro e, em 12 meses, 9,72%, praticamente, o dobro do índice de materiais, equipamentos e serviços com variação de 4,63% e 4,87%, respectivamente. Das sete localidades pesquisadas, apenas Recife teve elevação do INCC-M (de 0,48% para 2,21%). Nas demais, ocorreram decréscimos: Brasília (de 0,32% para 0,07%) e Rio de Janeiro (de 0,22% para 0,08%); Salvador (de 0,14% para 0,13%); Belo Horizonte (de 0,28% para 0,18%); Porto Alegre (de 0,28% para 0,11%) e São Paulo (de 0,2% para 0,13%).”

(Agência Brasil)

Mercado reduz projeção para crescimento da economia do País

“Analistas do mercado financeiro consultados pelo Banco Central (BC) reduziram, pela segunda semana seguida, a projeção para o crescimento da economia, este ano. A estimativa para a expansão do Produto Interno Bruto (PIB) – soma de todos os bens e serviços produzidos no país, este ano, caiu de 1,52% para 1,50%. Para 2013, a projeção oscilou de 3,96% para 3,94%. Os dados constam do boletim Focus, divulgado semanalmente pelo BC. Para a produção industrial, a projeção de queda neste ano passou de 2,39% para 2,30%. Para 2013, a expectativa é que haverá recuperação, com retorno ao crescimento. A estimativa de expansão passou de 4,15% para 4,20%.

A projeção para a cotação do dólar foi mantida em R$ 2,03, neste ano, e em R$ 2,02, em 2013. A previsão para o superávit comercial (saldo positivo de exportações menos importações) foi alterada de US$ 19,2 bilhões para US$ 19,6 bilhões, neste ano, e foi mantida em US$ 15,52 bilhões, em 2013. A estimativa para a relação entre a dívida líquida do setor público e o PIB foi mantida em 35,2%, este ano, e em 34%, em 2013.

Para o déficit em transações correntes (registro das transações de compra e venda de mercadorias e serviços do Brasil com o exterior), houve ajuste na projeção de US$ 54,6 bilhões para US$ 54 bilhões, este ano. Para 2013, a estimativa é de US$ 65 bilhões, a mesma da semana passada. A expectativa para o investimento estrangeiro direto (recursos que vão para o setor produtivo do país) foi mantida em US$ 60 bilhões, neste ano. Para 2013, passou de US$ 60 bilhões para US$ 59 bilhões.”

(Agência Brasil)

Fuleco é o nome do mascote da Copa 2014. Gostou?

446 7

Depois de mais de dois meses de votação aberta aos internautas, foi anunciado ontem, no programa Fantástico (TV Globo), o nome oficial da mascote da Copa do Mundo da Fifa 2014. Fuleco teve 48% dos mais de 1,7 milhões de voto.

O famoso tatu-bola é uma criatura nativa do Brasil e foi escolhida para representar o Mundial. Os outros dois nomes que estavam na disputa eram Zuzeco e Amijubi.

DETALHE – Amijubi é uma representação de simpatia e alegria. Fuleco e Zuzeco trazem uma mensagem ecológica. Gostou do nome?

Morre ex-deputado federal Sérgio Miranda

225 12

O ex-deputado federal Sérgio Miranda (PDT/MG) morreu, nesta madrugada de segunda-feira, em Brasília. Lutava contra um câncer no pâncreas.  O velório ocorrerá em Brasília.

O enterro também será em Brasília, na manhã desta terça-feira.

Sérgio Miranda era matemático, militou contra a ditadura e tinha atuação forte na área do orçamento. No Ceará, era muito amigo do presidente regional do PCdoB, Carlos Augusto Diogenes”, “Patinhas”. Também militou no PCdoB.

Pronatec – Dilma destaca que programa atingiu 1,1 milhão de matrículas no Senai

“A presidenta Dilma Rousseff disse hoje (26) que o Programa Nacional de Acesso ao Ensino Técnico e Emprego (Pronatec) atingiu a marca de 1,1 milhão de matrículas em cursos técnicos, de aprendizagem profissional e de qualificação do Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (Senai). No programa semanal Café com a Presidenta, ela avaliou que o Brasil precisa de uma indústria forte e competitiva para garantir o crescimento e a criação de oportunidades de trabalho. “Mas, para ter uma indústria forte, o país precisa de mão de obra qualificada e de técnicos bem formados”, disse, ao destacar áreas como automação industrial, petróleo e gás, mineração, mecatrônica, manutenção de aeronaves, eletrônica, indústria naval e computação.

Dilma lembrou que a meta do governo é criar, por meio do Pronatec, 8 milhões de vagas em cursos técnicos e de qualificação profissional até 2014. Atualmente, 2,2 milhões de jovens estão matriculados no programa.

De acordo com a presidenta, o governo planeja expandir as ações do Senai, destinando R$ 1,5 bilhão à construção de escolas, modernização e ampliação das 251 unidades já existentes. “Um país que aposta na educação profissional e que tem uma indústria forte e competitiva consegue crescer, se desenvolver, gerar mais oportunidades, mais renda e emprego de qualidade. Com isso, podemos melhorar a vida de todos.”

(Agência Brasil)

Mensalão – Parlamentares conhecerão penas nesta semana

“O julgamento da Ação Penal 470, o processo do mensalão, continua nesta semana com a definição das penas dos políticos condenados por corrupção passiva. O Supremo Tribunal Federal (STF) faz hoje (26) a quadragésima oitava sessão dedicada ao assunto, depois de quase quatro meses de julgamento. Apenas nove ministros continuam votando após as aposentadorias de Cezar Peluso em agosto e Carlos Ayres Britto no dia 18 de novembro.

A Corte já fixou a pena de 16 condenados, restando apenas nove: os deputados federais João Paulo Cunha (PT-SP), Valdemar Costa Neto (PR-SP) e Pedro Henry (PP-MT); os ex-deputados Pedro Corrêa (PP), Bispo Rodrigues (PL, antigo PR), Roberto Jefferson (PTB), Romeu Queiroz (PTB), José Borba (PMDB); e o ex-tesoureiro do PTB Emerson Palmieri. O relator Joaquim Barbosa não informou qual será o primeiro da lista.

Encerrada a etapa das penas, o julgamento prosseguirá com a análise de questões residuais, como a responsabilidade pelo decreto de perda de mandato parlamentar – se do STF ou do Congresso Nacional –, o pedido do Ministério Público de prisão imediata dos condenados sem esperar os recursos e a possibilidade de decretar o ressarcimento de valores desviados do Erário. Os ministros também vão revisar as penas para evitar incongruências e muitos já manifestaram interesse em analisar várias penas em conjunto, como um só crime em continuidade delitiva, o que reduziria significativamente os tempos de prisão já estipulados.

Confira os 16 réus que tiveram as penas fixadas (multa em valores aproximados, sem correção monetária):

Marcos Valério (publicitário): 40 anos, dois meses e dez dias + R$ 2,72 milhões

Ramon Hollerbach (publicitário): 29 anos, sete meses e 20 dias + R$ 2,533 milhões

Cristiano Paz (publicitário): 25 anos, 11 meses e 20 dias + R$ 2,533 milhões

Simone Vasconcelos (ex-diretora da SMP&B): 12 anos, sete meses e 20 dias + R$ 374,4 mil

Rogério Tolentino (advogado ligado a Valério): oito anos e 11 meses + R$ 312 mil

José Dirceu (ex-ministro da Casa Civil): dez anos e dez meses + R$ 676 mil

José Genoino (ex-presidente do PT): seis anos e 11 meses + R$ 468 mil

Delúbio Soares (ex-tesoureiro do PT): oito anos e 11 meses + R$ 325 mil

Kátia Rabello (ex-presidenta do Banco Rural): 16 anos e oito meses + R$ 1,5 milhão

José Roberto Salgado (ex-vice-presidente do Banco Rural): 16 anos e oito meses + R$ 1 milhão

Vinícius Samarane (ex-diretor do Banco Rural): oito anos e nove meses + R$ 598 mil

Breno Fischberg (sócio da corretora Bônus Banval): cinco anos e dez meses + R$ 572 mil

Enivaldo Quadrado (sócio da corretora Bônus Banval): nove anos e 20 dias + R$ 676 mil

João Cláudio Genu (ex-assessor parlamentar do PP): sete anos e três meses + R$ 520 mil

Jacinto Lamas (ex-secretário do PL, atual PR): cinco anos + R$ 260 mil

Henrique Pizzolato (ex-diretor do Banco do Brasil): 12 anos e sete meses + R$ 1,316 milhão.

(Agência Brasil)

Cid receberá dois embaixadores nesta semana

O governador Cid Gomes (PSB) receberá nesta semana, no Palácio da Abolição, a visita de dois embaixadores.

Nesta segunda-feira, a partir das 14 horas, lan Charlton, do Reino Unido.

Na terça-feira, às 10 horas, será a vez de Magno Robach, da Suécia. Tudo no Palácio da Abolição.

Ambos chegam para uma série de contatos com autoridades, Poder Legislativo, Poder Judiciário e empresariado.

INSS começa a depositar nesta 2º feira a segunda parcela do 13º dos aposentados

O Instituto Nacional de Seguridade Social (INSS) começa a depositar, nesta segunda-feira, a segunda parcela do 13º salário para aposentados e pensionistas. Os primeiros a receber serão aqueles que ganham até um salário mínimo (R$ 622) e cujo número de inscrição no Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) termina em 1, desconsiderando-se o dígito. Para quem recebe acima do mínimo, os pagamentos começarão a ser feitos na próxima segunda-feira, dia 3 de dezembro. Todos os depósitos serão feitos até 7 de dezembro, sexta.

No total, serão pagas parcelas para cerca de 25,8 milhões de beneficiários. Estima-se que o pagamento da segunda parcela do 13º  injete cerca de  R$ 11,7 bilhões na economia. A primeira parcela do 13º deve ser depositada para todos os trabalhadores até o dia 30 de novembro, mas aposentados e pensionistas do INSS receberam o primeiro pagamento em agosto. Tanto a primeira quanto a segunda parcelas do décimo terceiro têm o Imposto de Renda (IR) retido na fonte.

Pessoas que recebem amparo previdenciário do trabalhador rural, renda mensal vitalícia, amparo assistencial ao idoso e ao deficiente, auxílio suplementar por acidente de trabalho, pensão mensal vitalícia, abono de permanência em serviço, vantagem do servidor aposentado pela autarquia empregadora e salário-família não têm direito a décimo terceiro derivados desses benefícios.

SERVIÇO

* É possível conferir o valor exato do 13º salário no site da Previdência.

(Com Portal Uol)

Inpe estima tempo de vacas magras para 2013

344 1

Um estudo preliminar do Inpe aponta para inverno abaixo da média no Nordeste, período de dezembro deste ano a fevereiro de 2013.

Ou seja, prenúncio de que o tempo das vacas magras deve continuar. Nesta segunda-feira, a Funceme inicia seminário sobre o mesmo tema e deve divulgar prognóstico.

(Foto – Roberto Malvezzi)

Elmano de Freitas faz novos contatos em Brasília de olho em cargo federal

O candidato derrotado a prefeito de Fortaleza pelo PT, Elmano de Freitas, embarcou, nesta madrugada de segunda-feira, para Brasília. Em mais uma viagem pela Capital Federal, trata da possibilidade de ocupar um cargo federal. Elmano nada fala sobre o assunto que, inclusive, foi discutido na última semana, em Brasília, por ele durante um almoço com a presidente Dilma Rousseff. Nesse mesmo almoço, estava a prefeita de Fortaleza e presidente regional do , Luizianne Lins, que também estaria cotada para um cargo federal.

Indagado sobre a questão de cargo federal, Elmano preferiu dizer que estava indo para Brasília acompanhar a liberação  de verbas federais para a Prefeitura. No mesmo voo dele, seguiu o secretário de Finanças de Fortaleza, Alexandre Cialdini, que não falou em recursos, mas em contatos com o secretário do Tesouro Nacional, Arno Augustinho. Cialdini foi convidá-lo para participar do Congresso Internacional de Educação Fiscal, promoção da Prefeitura de Fortaleza, que será aberto nesta terça-feira, no Hotel Praia Centro.

Chefe de gabinete de Dilma em São Paulo mediou reuiniões com criminosos

219 1

“Relatório da Operação Porto Seguro revela que Rosemary Nóvoa de Noronha, chefe de gabinete da Presidência da República em São Paulo, intermediou reuniões de “autoridades públicas” com integrantes da organização criminosa que corrompia servidores para emissão fraudulenta de pareceres técnicos. O documento assinala que Rosemary promoveu encontro “do governador da Bahia para Alípio Gusmão e César Floriano”.

Alípio Gusmão é conselheiro da Associação Brasileira de Celulose e Papel (Bracelpa). Carlos César Floriano, empresário, foi preso sexta-feira pela Polícia Federal em São Paulo e indiciado formalmente por corrupção ativa. A PF imputa a ele papel de destaque no grupo que pagava até R$ 300 mil por laudo forjado e se infiltrou em três agências reguladoras, no Tribunal de Contas da União, na Advocacia-Geral da União, na Secretaria do Patrimônio da União e no Ministério da Educação.

A PF coloca Rosemary no mesmo plano do grupo que foi indiciado por formação de quadrilha – dois servidores da Agência Nacional de Águas (ANA) e da Agência Nacional de Aviação Civil (Anac), três advogados e um empresário. Todos estão presos. Dilma decidiu exonerar Rosemary após a operação da PF, que enquadrou criminalmente a escolhida de Lula em dois crimes: corrupção passiva e tráfico de influência.

A PF destaca que Rosemary, “valendo-se do cargo de chefe de gabinete da Presidência da República”, atendia interesses de Paulo Rodrigues Vieira, nomeado pelo ex-presidente Lula diretor de Hidrologia da Agência Nacional de Águas (ANA). Vieira é apontado como cabeça da organização e foi indiciado por corrupção, tráfico de influência, falsidade ideológica e falsificação de documento.

A Porto Seguro prendeu seis investigados. A Justiça autorizou a força tarefa a vasculhar os escritórios de Rosemary e do ministro adjunto da Advocacia-Geral da União (AGU), José Weber Holanda Alves, sob suspeita de ligação com a quadrilha. Ele também será exonerado.”

(Com Agências)

 

2014 – Dilma é mais lembrada do que Lula

“Os eleitores lembram mais da presidente Dilma Rousseff (PT) que de seu padrinho político para a sucessão de 2014. Em pesquisa do Ibope, Dilma foi citada espontaneamente por 26% dos eleitores como candidata preferida à Presidência em 2014. Sem que eles vissem os nomes na cartela, Luiz Inácio Lula da Silva (PT) ficou em segundo lugar, com 19% das menções. A diferença de sete pontos fica fora da margem de erro. Do lado da oposição, apenas três nomes pontuam: dois tucanos, José Serra (4%) e Aécio Neves (3%), e Marina Silva (2%), atualmente sem partido. Juntos, os demais nomes citados somam 2%.

A taxa dos que não souberam dizer, espontaneamente, em quem votariam para presidente se a eleição fosse hoje chegou a 39%. A eles se soma 1% de eleitores que não quiseram responder. Além desses, outros 4% disseram que anulariam ou votariam em branco. Faltando dois anos para a eleição, o total de 44% de eleitores sem candidato é baixo, em comparação a outros pleitos

Em fevereiro de 2010, oito meses antes de irem às urnas para escolher o sucessor de Lula, 52% não tinham candidato na ponta da língua (Ibope) – e outros 23% citavam o nome do então presidente, que era inelegível. Na prática, só um a cada 4 eleitores sabia dizer, espontaneamente, o nome de candidato que poderia concorrer. Hoje, segundo o Ibope, 55% dos eleitores têm o nome de um possível candidato viável na ponta da língua – e quatro de cada cinco desses eleitores citam Dilma ou Lula.

A presidente é mais citada espontaneamente no Nordeste (31%), na classe C (27%), nas cidades com menos de 100 mil habitantes, por jovens de 16 a 24 anos (31%), por quem tem escolaridade intermediária (29% entre quem cursou até da 5.ª à 8.ª série). Lula vai melhor entre os mais velhos e entre os mais pobres. O Ibope entrevistou 2.002 eleitores em 143 municípios entre 8 e 12 de novembro. A margem de erro máxima é de dois pontos porcentuais, para mais ou para menos. ”

(Com Agências)

Ministro determina abertura de procedimento interno para apurar acidente em feira

O ministro do Desenvolvimento Agrário, Pepe Vargas, determinou a abertura de procedimento interno para apurar “administrativamente” os fatos relativos ao desabamento da estrutura metálica que servia de portal de saída da oitava edição da Feira Nacional da Agricultura Familiar – Brasil Rural Contemporâneo. O acidente desse sábado (24), no Rio, causou a morte de uma pessoa e ferimentos em três. Com isso, o encerramento da feira, que seria neste domingo (25), foi antecipado.

Em nota divulgada há pouco, o Ministério do Desenvolvimento Agrário (MDA) informou que está aguardando os laudos técnicos que indicarão as causas do desabamento. Neste domingo, o ministro visitou a vítima do acidente que ainda está hospitalizada e as que já receberam alta. Ele recebeu os parentes de Adriana Ribeiro de Jesus – que morreu no acidente -, que chegaram ao Rio à tarde.

O MDA rebateu as especulações sobre as condições de segurança da estrutura do evento e disse ter prestado socorro imediato às vítimas. Na nota, o ministério assegurou que a feira, na Marina da Glória, dispunha de toda a estrutura necessária para atendimento de urgência e emergência em caso de acidentes.

“Essa estrutura estava de acordo com o que determina o 1º Grupamento de Socorro de Emergência, do Corpo de Bombeiros Militar do Rio de Janeiro, que aprovou a Ficha de Avaliação de Risco em Eventos (Fare) e autorizou sua execução por meio de laudo técnico favorável”.

A nota acrescenta que a feira tem também a Certidão de Anotação de Responsabilidade Técnica (Cart), que é emitida pelo Conselho Regional de Medicina do Rio. Nessa certidão consta o nome do responsável técnico, a empresa que faria a remoção em caso de necessidade e o hospital de referência, no caso o Souza Aguiar. Todos os procedimentos foram seguidos.

(Agência Brasil)

Senadores articulam votação do Fundo de Participação dos Estados nesta semana

Preocupados com o prazo exíguo para definir uma nova regra de partilha do Fundo de Participação dos Estados (FPE), senadores articulam a votação da matéria nesta semana. As negociações contam com respaldo do presidente da Casa, José Sarney (PMDB-AP).

O presidente da Comissão de Constituição e Justiça (CCJ), Eunício Oliveira (PMDB-CE), disse que a ideia é o senador Walter Pinheiro (PT-BA) apresentar seu parecer na reunião da comissão de quarta-feira (28). Pinheiro é relator da matéria na Comissão de Assuntos Econômicos (CAE).

Cauteloso, o senador do PT disse à Agência Brasil que a votação ou não da matéria dependerá do andamento das conversas com os parlamentares. Se elas prosperarem, haverá clima para apreciar o projeto de lei. “Nós estamos procurando conversar com todo mundo. Quanto o assunto estiver maduro vamos votar. Esta semana quero terminar estas conversas para ver em que data dá para votar a matéria”, disse Pinheiro.

Como na CCJ não há um relator, Eunício usaria a prerrogativa de assumir a função. Com um pedido de urgência apresentado na comissão ele poderia relatar a matéria direto no plenário do Senado. “Há uma articulação na Casa, inclusive do presidente José Sarney, para que se vote a matéria”, disse o senador.

(Agência Brasil)