Blog do Eliomar

Categorias para Brasil

BNB – O "farol" não era nem lanterna

96 1

[youtube]http://www.youtube.com/watch?v=UaGEEclSWLE[/youtube]

Ao se despedir do cargo de presidente do Banco do Nordeste do Brasil sexta-feira última, o economista Roberto Smith fez balanço de seus mais de oito anos, mas não poupou farpa na gestão do tucano Byron Queiroz. Byron tinha como mote publicitário ser o banco o “farol do desenvolvimento” da região. Eis aí a fala de Smith para considerações dos leitores deste Blog.

Mega-Sena acumula de novo!

“Nenhuma apostada acertou as seis dezenas sorteadas pela Caixa Econômica Federal (CEF), neste sábado (18), pelo concurso 1.293 da Mega-Sena.
Confira os números sorteados: 011324404450
Segundo a Caixa, 163 apostas acertaram a quina e cada uma receberá R$ 20.581,95. Outras 11.182 apostas acertaram as quatro dezenas e vão receber R$ 428,60. A arrecadação total do sorteio foi de R$ 57.303.466,00
De acordo com a Caixa, o prêmio acumulado para o próximo concurso, que será sorteado na quarta-feira (22) é de R$ 50 milhões.”
(Com Uol)

Senado pode incluir novas empresas no "Simples"

“Uma das principais reclamações dos empresários brasileiros é a alta carga tributária do país. Para as micro e pequenas empresas, uma das opções para amenizar o problema é a adesão ao Simples Nacional, que permite a redução de impostos e diminui a burocracia da documentação tributária.

No Senado, uma das mudanças mais avaliadas pela Comissão de Assuntos Econômicos (CAE) é a adesão de empresas do mais variados setores ao Simples. Na próxima terça-feira (21), a partir das 10 horas, a CAE deve analisar o Projeto de Lei do Senado (PLS) 642/07, do ex-senador Renato Casagrande (PSB-ES). O projeto prevê a adesão ao Simples Nacional de microempresas e empresas de pequeno porte fabricantes de bebidas não-alcoólicas.

Na justificação do projeto, o autor afirma que a indústria de bebidas não-alcoólicas no Brasil é dominada por grandes multinacionais, que têm bem mais estrutura que as empresas brasileiras. Assim, os pequenos fabricantes pagam proporcionalmente mais impostos do que as grandes empresas, já que seus produtos costumam ser mais baratos. O relator do projeto é o senador Francisco Dornelles (PP-RJ).”

(Agência Senado)

Copa 2014 – Veja quem votou a favor da MP que flexibiliza licitações

140 3

“Veja na lista abaixo como os deputados se posicionaram na Medida Provisória 527, que cria o Regime Diferenciado de Contratações (RDC) para a Copa do Mundo de 2014 e as Olimpíadas de 2016. A polêmica proposta dá a opção ao administrador de não utilizar a atual lei de licitações, contratar as obras de forma integrada, dispensar o projeto básico prévio e utilizar orçamentos sigilosos até o término da concorrência. A oposição e órgãos técnicos dizem que a medida abre portas para superfaturamentos; o governo afirma que essas brechas serão fechadas com o RDC.

Na votação de quarta-feira passada, os deputados aprovaram o relatório de José Guimarães (PT-CE) com 272 votos a favor, 76 contra e 3 abstenções. Falta votar ainda os dez destaques ao projeto, como o que estende a licitação simplificada para todo tipo de obra, não só relacionada à Copa e às Olimpíadas. Os destaques da oposição acabam com o RDC ou matam sua principal ideia, a contratação integrada.

Havia 352 deputados presentes no plenário. Veja na lista abaixo, por ordem de partido, como votaram os parlamentares:

Parlamentar — UF — VotoAbelardo Lupion — PR — Não
Alexandre Leite — SP — Não
Antonio Carlos Magalhães Neto — BA — Não
Arolde de Oliveira — RJ — Não
Augusto Coutinho — PE — Não
Claudio Cajado — BA — Não
Davi Alcolumbre — AP — Não
Eduardo Sciarra — PR — Não
Efraim Filho — PB — Não
Fábio Souto — BA — Não
Felipe Maia — RN — Não
Fernando Torres — BA — Sim
Guilherme Campos — SP — Não
Hugo Napoleão — PI — Não
Jairo Ataide — MG — Sim
Jorge Tadeu Mudalen — SP — Não
José Nunes — BA — Abstenção
Júlio Campos — MT — Abstenção
Júlio Cesar — PI — Abstenção
Luiz Carlos Setim — PR — Não
Marcos Montes — MG — Não
Mendonça Filho — PE — Não
Onofre Santo Agostini — SC — Não
Onyx Lorenzoni — RS — Não
Pauderney Avelino — AM — Não
Paulo Cesar Quartiero — RR — Não
Paulo Magalhães — BA — Sim
Walter Ihoshi — SP — Não
Total DEM: 28    

DEM 

PCdoB 
Alice Portugal — BA — Sim
Assis Melo — RS — Sim
Chico Lopes — CE — Sim
Daniel Almeida — BA — Sim
Delegado Protógenes — SP — Não
Edson Pimenta — BA — Sim
Evandro Milhomen — AP — Sim
Jandira Feghali — RJ — Sim
Jô Moraes — MG — Sim
João Ananias — CE — Sim
Luciana Santos — PE — Sim
Osmar Júnior — PI — Sim
Total PCdoB: 12    

PDT 
André Figueiredo — CE — Sim
Ângelo Agnolin — TO — Sim
Brizola Neto — RJ — Sim
Damião Feliciano — PB — Sim
Felix Mendonça Júnior — BA — Não
Flávia Morais — GO — Sim
Giovani Cherini — RS — Sim
Giovanni Queiroz — PA — Sim
João Dado — SP — Não
José Carlos Araújo — BA — Sim
Manato — ES — Sim
Marcelo Matos — RJ — Sim
Miro Teixeira — RJ — Não
Oziel Oliveira — BA — Sim
Paulo Pereira da Silva — SP — Sim
Reguffe — DF — Não
Salvador Zimbaldi — SP — Sim
Sebastião Bala Rocha — AP — Obstrução
Vieira da Cunha — RS — Sim
Wolney Queiroz — PE — Não
Zé Silva — MG — Sim
Total PDT: 21    

PHS 
Felipe Bornier — RJ — Sim
José Humberto — MG — Sim
Total PHS: 2    

PMDB 
Alberto Filho — MA — Sim
Alceu Moreira — RS — Sim
Almeida Lima — SE — Sim
Arthur Oliveira Maia — BA — Sim
Átila Lins — AM — Sim
Benjamin Maranhão — PB — Sim
Carlos Bezerra — MT — Sim
Celso Maldaner — SC — Sim
Danilo Forte — CE — Sim
Darcísio Perondi — RS — Não
Edinho Araújo — SP — Sim
Edson Ezequiel — RJ — Sim
Eduardo Cunha — RJ — Sim
Fabio Trad — MS — Sim
Fátima Pelaes — AP — Sim
Fernando Jordão — RJ — Sim
Flaviano Melo — AC — Sim
Francisco Escórcio — MA — Sim
Gabriel Chalita — SP — Sim
Gean Loureiro — SC — Sim
Geraldo Resende — MS — Sim
Íris de Araújo — GO — Sim
João Arruda — PR — Sim
João Magalhães — MG — Sim
Joaquim Beltrão — AL — Sim
José Priante — PA — Sim
Júnior Coimbra — TO — Sim
Leandro Vilela — GO — Sim
Leonardo Quintão — MG — Sim
Luciano Moreira — MA — Sim
Lucio Vieira Lima — BA — Sim
Manoel Junior — PB — Sim
Marçal Filho — MS — Sim
Marcelo Castro — PI — Sim
Marinha Raupp — RO — Sim
Marllos Sampaio — PI — Sim
Mauro Lopes — MG — Sim
Mendes Ribeiro Filho — RS — Sim
Moacir Micheletto — PR — Sim
Nelson Bornier — RJ — Sim
Newton Cardoso — MG — Sim
Nilda Gondim — PB — Sim
Osmar Serraglio — PR — Sim
Osmar Terra — RS — Sim
Paulo Piau — MG — Sim
Pedro Chaves — GO — Sim
Professor Setimo — MA — Sim
Raimundão — CE — Sim
Raul Henry — PE — Não
Renan Filho — AL — Sim
Rogério Peninha Mendonça — SC — Sim
Ronaldo Benedet — SC — Sim
Saraiva Felipe — MG — Sim
Teresa Surita — RR — Sim
Valdir Colatto — SC — Sim
Washington Reis — RJ — Sim
Wladimir Costa — PA — Sim
Total PMDB: 57    

PMN 
Dr. Carlos Alberto — RJ — Sim
Fábio Faria — RN — Sim
Jaqueline Roriz — DF — Sim
Total PMN: 3    

PP 
Afonso Hamm — RS — Sim
Carlos Souza — AM — Sim
Cida Borghetti — PR — Sim
Dilceu Sperafico — PR — Sim
Dimas Fabiano — MG — Sim
Esperidião Amin — SC — Não
Iracema Portella — PI — Sim
Jair Bolsonaro — RJ — Sim
Lázaro Botelho — TO — Sim
Luis Carlos Heinze — RS — Não
Missionário José Olimpio — SP — Sim
Neri Geller — MT — Sim
Rebecca Garcia — AM — Sim
Renzo Braz — MG — Sim
Roberto Balestra — GO — Sim
Roberto Britto — BA — Sim
Roberto Dorner — MT — Sim
Roberto Teixeira — PE — Sim
Simão Sessim — RJ — Sim
Toninho Pinheiro — MG — Sim
Vilson Covatti — RS — Sim
Waldir Maranhão — MA — Sim
Zonta — SC — Sim
Total PP: 23    

PPS 
Arnaldo Jardim — SP — Não
Augusto Carvalho — DF — Não
Carmen Zanotto — SC — Não
César Halum — TO — Sim
Dimas Ramalho — SP — Não
Geraldo Thadeu — MG — Sim
Moreira Mendes — RO — Sim
Rubens Bueno — PR — Não
Sandro Alex — PR — Não
Total PPS: 9    

PR 
Anthony Garotinho — RJ — Não
Aracely de Paula — MG — Sim
Davi Alves Silva Júnior — MA — Sim
Dr. Paulo César — RJ — Sim
Francisco Floriano — RJ — Sim
Giacobo — PR — Sim
Giroto — MS — Sim
Henrique Oliveira — AM — Sim
Homero Pereira — MT — Sim
Izalci — DF — Sim
José Rocha — BA — Sim
Liliam Sá — RJ — Sim
Lúcio Vale — PA — Sim
Maurício Quintella Lessa — AL — Sim
Milton Monti — SP — Sim
Neilton Mulim — RJ — Sim
Ronaldo Fonseca — DF — Sim
Tiririca — SP — Sim
Vicente Arruda — CE — Sim
Wellington Fagundes — MT — Sim
Zoinho — RJ — Sim
Total PR: 21
    
PRB 
Acelino Popó — BA — Sim
Antonio Bulhões — SP — Sim
Cleber Verde — MA — Sim
George Hilton — MG — Sim
Heleno Silva — SE — Sim
Jhonatan de Jesus — RR — Sim
Jorge Pinheiro — GO — Sim
Márcio Marinho — BA — Sim
Otoniel Lima — SP — Sim
Ricardo Quirino — DF — Sim
Vilalba — PE — Sim
Vitor Paulo — RJ — Sim
Total PRB: 12    

PRP 

Jânio Natal — BA — Sim
Total PRP: 1    

PSB 
Abelardo Camarinha — SP — Não
Alexandre Roso — RS — Sim
Ariosto Holanda — CE — Sim
Domingos Neto — CE — Sim
Edson Silva — CE — Sim
Glauber Braga — RJ — Sim
Jefferson Campos — SP — Sim
Jonas Donizette — SP — Sim
José Stédile — RS — Sim
Keiko Ota — SP — Sim
Laurez Moreira — TO — Sim
Leopoldo Meyer — PR — Sim
Luiz Noé — RS — Sim
Luiza Erundina — SP — Sim
Mauro Nazif — RO — Sim
Pastor Eurico — PE — Sim
Ribamar Alves — MA — Sim
Romário — RJ — Sim
Valadares Filho — SE — Sim
Total PSB: 19    

PSC 
Andre Moura — SE — Sim
Carlos Eduardo Cadoca — PE — Sim
Deley — RJ — Sim
Erivelton Santana — BA — Sim
Filipe Pereira — RJ — Sim
Lauriete — ES — Sim
Marcelo Aguiar — SP — Sim
Pastor Marco Feliciano — SP — Sim
Ratinho Junior — PR — Sim
Stefano Aguiar — MG — Sim
Total PSC: 10    

PSDB 
Alberto Mourão — SP — Sim
Antonio Carlos Mendes Thame — SP — Não
Antonio Imbassahy — BA — Não
Berinho Bantim — RR — Não
Bruno Araújo — PE — Não
Carlaile Pedrosa — MG — Não
Carlos Alberto Leréia — GO — Não
Carlos Brandão — MA — Não
Carlos Sampaio — SP — Não
Cesar Colnago — ES — Não
Delegado Waldir — GO — Não
Duarte Nogueira — SP — Não
Dudimar Paxiúba — PA — Não
Eduardo Azeredo — MG — Não
Eduardo Barbosa — MG — Não
Fernando Francischini — PR — Não
Hélio Santos — MA — Não
João Campos — GO — Não
Jutahy Junior — BA — Não
Luiz Fernando Machado — SP — Não
Luiz Nishimori — PR — Não
Manoel Salviano — CE — Sim
Marcus Pestana — MG — Não
Nelson Marchezan Junior — RS — Não
Paulo Abi-Ackel — MG — Não
Pinto Itamaraty — MA — Não
Raimundo Gomes de Matos — CE — Não
Reinaldo Azambuja — MS — Não
Rui Palmeira — AL — Não
Ruy Carneiro — PB — Não
Valdivino de Oliveira — GO — Não
Vanderlei Macris — SP — Não
Vaz de Lima — SP — Não
William Dib — SP — Não
Total PSDB: 34    

PSL 
Dr. Francisco Araújo — RR — Não
Total PSL: 1    

PSOL 
Chico Alencar — RJ — Não
Ivan Valente — SP — Não
Jean Wyllys — RJ — Não
Total PSOL: 3    

PT 
Alessandro Molon — RJ — Sim
Amauri Teixeira — BA — Sim
André Vargas — PR — Sim
Arlindo Chinaglia — SP — Sim
Artur Bruno — CE — Sim
Assis Carvalho — PI — Sim
Assis do Couto — PR — Sim
Benedita da Silva — RJ — Sim
Beto Faro — PA — Sim
Cândido Vaccarezza — SP — Sim
Carlinhos Almeida — SP — Sim
Carlos Zarattini — SP — Sim
Chico D`Angelo — RJ — Sim
Cláudio Puty — PA — Sim
Dalva Figueiredo — AP — Sim
Décio Lima — SC — Sim
Devanir Ribeiro — SP — Sim
Domingos Dutra — MA — Sim
Dr. Rosinha — PR — Sim
Eliane Rolim — RJ — Sim
Erika Kokay — DF — Sim
Fernando Marroni — RS — Sim
Francisco Praciano — AM — Sim
Gabriel Guimarães — MG — Sim
Gilmar Machado — MG — Sim
Janete Rocha Pietá — SP — Sim
Jesus Rodrigues — PI — Sim
Jilmar Tatto — SP — Sim
João Paulo Lima — PE — Sim
José Airton — CE — Sim
José De Filippi — SP — Sim
José Guimarães — CE — Sim
José Mentor — SP — Sim
Joseph Bandeira — BA — Sim
Josias Gomes — BA — Sim
Leonardo Monteiro — MG — Sim
Luci Choinacki — SC — Sim
Luiz Alberto — BA — Sim
Luiz Couto — PB — Sim
Márcio Macêdo — SE — Sim
Marco Maia — RS — Art. 17
Marcon — RS — Sim
Marina Santanna — GO — Sim
Miriquinho Batista — PA — Sim
Nazareno Fonteles — PI — Sim
Nelson Pellegrino — BA — Sim
Newton Lima — SP — Sim
Odair Cunha — MG — Sim
Padre João — MG — Sim
Padre Ton — RO — Sim
Pedro Eugênio — PE — Sim
Pedro Uczai — SC — Sim
Policarpo — DF — Sim
Reginaldo Lopes — MG — Sim
Ricardo Berzoini — SP — Sim
Ronaldo Zulke — RS — Sim
Rubens Otoni — GO — Sim
Rui Costa — BA — Sim
Ságuas Moraes — MT — Sim
Sérgio Barradas Carneiro — BA — Sim
Sibá Machado — AC — Sim
Taumaturgo Lima — AC — Sim
Valmir Assunção — BA — Sim
Vander Loubet — MS — Sim
Vicentinho — SP — Sim
Waldenor Pereira — BA — Sim
Weliton Prado — MG — Sim
Zé Geraldo — PA — Sim
Zeca Dirceu — PR — Sim
Total PT: 69    

PTB 
Alex Canziani — PR — Sim
Arnaldo Faria de Sá — SP — Sim
Celia Rocha — AL — Sim
Danrlei De Deus Hinterholz — RS — Sim
Eros Biondini — MG — Sim
José Augusto Maia — PE — Sim
José Chaves — PE — Sim
Josué Bengtson — PA — Sim
Jovair Arantes — GO — Sim
Nilton Capixaba — RO — Sim
Ronaldo Nogueira — RS — Sim
Sabino Castelo Branco — AM — Sim
Sérgio Moraes — RS — Sim
Silvio Costa — PE — Sim
Total PTB: 14    

PTC 
Edivaldo Holanda Junior — MA — Sim
Total PTC: 1    

PTdoB 
Lourival Mendes — MA — Sim
Total PTdoB: 1    

PV 
Alfredo Sirkis — RJ — Sim
Fábio Ramalho — MG — Sim
Guilherme Mussi — SP — Sim
Henrique Afonso — AC — Sim
Lindomar Garçon — RO — Sim
Paulo Wagner — RN — Sim
Penna — SP — Sim
Ricardo Izar — SP — Sim
Roberto de Lucena — SP — Sim
Roberto Santiago — SP — Sim
Rosane Ferreira — PR — Sim
Sarney Filho — MA — Sim
Total PV: 12    

(Congresso em Foco)

Brasil: 10 milhões vivem com até R$ 39,00 mensais

“Uma população estimada em 10,5 milhões de brasileiros – equivalente ao Estado do Paraná – vive em domicílios com renda familiar de até R$ 39 mensais por pessoa. São os mais miseráveis entre 16,267 milhões de miseráveis – quase a população do Chile – contabilizados pelo governo federal na elaboração do programa Brasil sem Miséria.

Lançado no dia 3 de maio como principal vitrine política do governo Dilma Rousseff, o programa visa à erradicação da miséria ao longo de quatro anos.

Dados do Censo 2010 recém-divulgados pelo IBGE que municiaram a formatação do programa federal oferecem uma radiografia detalhada da população que vive abaixo da linha de pobreza extrema, ou seja, com renda familiar de até R$ 70 mensais por pessoa – que representam 8,5% dos 190 milhões de brasileiros.

A estimativa dos que sobrevivem com até R$ 39 mensais per capita é a soma dos 4,8 milhões de miseráveis que moram em domicílios sem renda alguma e 5,7 milhões de moradores em domicílios com rendimento de R$ 1 a R$ 39 mensais. Estima-se que outros de 5,7 milhões vivem com renda entre R$ 40 e R$ 70 mensais por pessoa da família.

Os números calculados pelo Estado são aproximados e levam em conta o número médio de 4,8 moradores por domicílio com renda familiar entre R$ 1 e R$ 70 mensais.”

(Estadão)

Tarifas da Caixa Econômica sofrem reajuste abusivo

Do professor universitário Fernando Mourão, recebemos a seguinte nota, em tom de protesto. Confira:
 
Caro Eliomar,
Em 16 de Maio de 2011, as tarifas de cobrança da CAIXA ECONÔMICA FEDERAL eram de R$ 1,61 quando cobradas através dos lotéricos, pois é um canal mais barato, enquanto que pela compensação era de R$ 3,26.
Agora, desde 10 de junho último, passou tudo para uma tarifa única de R$5,40. Ou seja, um aumento de 335,40 % no caso dos pagamentos feitos nas lotéricos e de 165,64 % naqueles feitos pela compensação.
É tudo pelo social !
Um abraço e boa sorte.
 
Do seu leitor,
Fernando Mourão.

Aécio Neves cai do cavalo, mas passa bem

93 1

Passa bem, segundo a família, o senador Aécio Neves (PSDB-MG) que sofreu um acidente enquanto cavalgava nas proximidades da fazenda de sua família em Cláudio, no interior de Minas Gerais, no fim da tarde da última sexta-feira. O cavalo tombou, levando o tucano ao chão. Aécio quebrou a clavícula direita e cinco costelas do lado direito do corpo. Ele praticava montaria com um primo e um amigo.

Após a queda, Aécio foi levado a um hospital de Belo Horizonte, onde ficou internado até o início da noite deste sábado. A recomendação médica é que o senador fique de repouso por cerca de dez dias. Ele não deve retornar ao Senado antes disso. Aécio ficará com o braço direito imobilizado por até oito semanas.

(Com Rádio POVO/CBN e Agências)

Livro aborda as vias culturais de Juazeiro do Norte

Será lançado dia 23 de julho, às 9 horas, no Hotel Cariri Plaza (Praça Padre Cícero), em Juazeiro do Norte, o livro “Juazeiro, Magia e Poesia”, de autoria de Manoel César e Nilze Costa e Silva.

O livro é uma edição comemorativa do centenário da cidade. Para além da data festiva, segundo os autores, a ideia é ressaltar a beleza do lugar, tomando a mão do visitante e levando-o a conhecer a cultura de Juazeiro do Norte através da sua história e da magia que transformou a cidade numa “Meca Nordestina”.

A "Bruzundanga" do Partido Verde

Os militantes verdes do Ceará estão em pé de guerra com a cúpula nacional, sobrando também para a direção estadual do partido. Depois de Polô, que disputou o Senado no pleito passado, ter dado adeus ao PV, eis o desabafo de Paulo Sombra, militante que chegou a ser excluído da direção estadual verde. Confira:

Carta do Ceará aos Verdes do Brasil
Prezados,
Não é possível ficar calado diante de tantas atrocidades cometidas pela Direção Nacional do PV nos últimos tempos. Primeiro prorrogam o mandato do Presidente Nacional para que ele chegue ao 13º ano seguido no poder. Além disso, se recusam a perceber a necessidade de melhorias ao PV e passam a cometer brutalidades com os que querem debater, apresentar propostas, dialogar sobre o caminho. Como podemos construir um partido sem que possamos buscar aprimorar a sua estrutura?
O estatuto do PV diz que o partido “tem como objetivo alcançar o poder político institucional, de forma pacífica e democrática, em suas diversas instâncias, para aplicar e propagar o seu Programa”. Será que a direção do PV quer mesmo se preparar para alcançar o poder nas diversas instâncias e aplicar o seu programa? Talvez achem mais fácil ficar como está, pois geralmente grandes desafios exigem alguma abdicação ou mudança e pode não ser conveniente para alguns saírem da zona de conforto que o status quo proporciona. Infelizmente dessa maneira não vejo como o PV avançar.
O cancelamento da Executiva Estadual de São Paulo foi o ultraje maior, o resumo do modus operandi que assola o Partido Verde nos últimos tempos. Como justificar cancelar o local onde o PV foi mais bem sucedido no país? Como explicar racionalmente que o maior exemplo de sucesso do PV nos estados do Brasil não é mais válido?
A Direção Nacional do Partido Verde parece seguir uma lógica perversa: quanto pior melhor. Só assim pra entender como cancelam a Executiva Estadual do PV São Paulo – que obteve mais de 8% dos votos válidos para a Câmara Federal em 2010 – e mantém a do PV Ceará, que obteve pífios 11.564 votos nominais para deputado federal, num universo de 4,2 milhões de votantes. Se somarmos aos votos de legenda (que foram mais do que os nominais) chegaremos ao fantástico índice de 0,6% do total dos votos. Foi isto que o PV Ceará obteve: um vexame. Faço questão de ressaltar a qualidade dos candidatos a deputado federal, que se esforçaram e deram o melhor de si; o problema foi a condução do processo pela direção estadual: não havia foco, metas claras, tampouco interesse em eleger um Verde à Câmara dos Deputados.
Pra não dizer que só falamos de números, na carta programática do partido, está explícito no primeiro item que “o PV é um instrumento da ecologia política. Sua existência não é um fim em si mesmo e só faz sentido na medida em que sirva para fazer avançar suas idéias e programa na sociedade transformando concretamente a realidade”. Será que no Ceará, por exemplo, o partido tem atuado para avançar suas idéias e transformar concretamente a realidade? O que dizer de um estado que nomeia Comissões Municipais com prazo de vigência de apenas 6 meses? Como se constrói um projeto político em 6 meses? Isso é completamente ilegal perante o estatuto, é uma imoralidade.
Como vão incentivar as pessoas de bem a se filiarem ao PV, organizarem Comissões Municipais e pleitearem candidaturas se a qualquer momento – a qualquer momento mesmo – as Comissões podem ser canceladas de acordo com a vontade da caneta do presidente, seja para entregar para um familiar, um amigo ou para alguém que ofereça uma ‘opção’ mais conveniente? E ?ai? de quem argumentar. Não se faz política dessa maneira, não é esse o partido que a sociedade espera. O PV não pode ser um blefe.
Como falar em democracia se ao menor sinal de questionamento expurgam quem não é adepto da prática do “sim, senhor”? Belo exemplo de como um grupo assim pode governar algum lugar. Sobra autoritarismo e falta direção.
Penso que em toda estrutura, sejam em empresas, governos e demais instituições, a importância do ‘ouvir’ é imensa. A atual direção do PV demonstra não ter compreendido a voz da sociedade, a necessidade de um partido que dialogue, que seja exemplo, que construa pontes e não muros. Esse é um recado muito forte que ecoa por onde passamos, Penna que os Manda-Chuvas não assimilaram essa mensagem.
Acho que estamos entrando numa nova era da Bruzundanga. Na conhecida obra póstuma de Lima Barreto, uma ficção repleta de realidade, acompanhamos a história de um país abarrotado de favorecimentos, privilégios e pensamentos retrógados. Na Bruzundanga, há um apego obsessivo por títulos, além de uma carta magna absurda cujo adendo maior é: “toda a vez que um artigo ferir interesses de parentes de pessoas da situação ou de membros dela, fica entendido que não tem aplicação”. Há um flerte constante com a ‘situação’ porque ela garante o continuísmo. A quem interessa continuar com o PV assim?
A moda mais recente dos que querem criticar a luta pela democracia no PV é ameaçar nos processar. Dizem que estamos atentando contra a “boa imagem partidária”. Boa imagem? Que imagem? Querer debater uma reformulação para tornar o partido verdadeiramente aberto é atentar contra a imagem do PV? Querer construir um partido melhor e – da mesma forma que falamos durante toda a campanha – nos colocar a disposição para ouvir a sociedade é atentar? Que sejamos presos, então, se for isso.
Nós queremos um partido democrático pra poder olhar para as pessoas e saber que o que falamos é o que praticamos em nossa casa política. Não entendo como o PV pode se propor a ser um partido monopolizado por meia dúzia de privilegiados, entronizado na burocracia oficial, cuja vida é artificial e sem conexão com as bases. O PV não pode se subjugar ao papel de coadjuvante. Chegou o momento de decidir se o partido merece não estar nem à esquerda nem à direita, mas à frente.
Está na hora de escolher se é pra avançar ou retroagir. Está na hora de ser protagonista, meu povo! Ou alguém prefere viver na Bruzundanga?
Paulo Sombra
Conselheiro Nacional – PV
Ex-dirigente Estadual – PV Ceará

José Dirceu: Crimes da ditadura não podem prescrever

112 2

“O ex-ministro da Casa Civil, José Dirceu (Governo Lula), afirmou neste sábado (18) que vai continuar defendendo a tese de que crimes como tortura e assassinatos cometidos durante a ditadura militar não prescrevem.

Dirceu fez a afirmação ao ser questionado sobre a posição do governo de enterrar a posssibilidade de rever a Lei da Anistia. “Mais cedo ou mais tarde será declarado por autoridades internacionais que o Brasil está fora da lei”, disse à Folha de São Paulo.

“Estamos em sentido contrário de todos os outros países do mundo, principalmente da América do Sul”, afirmou.”

(Com Agências)

Lula pede ao PT que trabalhe por unidade e deixe Dilma governar com "tranquilidade"

“O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva pediu neste sábado (18) que os petistas trabalhem por unidade no partido para que a presidente Dilma Rousseff possa governar com “tranquilidade”. Ele participou do Encontro das Macrorregiões do PT de São Paulo. “A unidade do PT é condição básica para que a companheira Dilma tenha condições de governar com tranqüilidade. […] Precisamos estar cada vez mais unidos para construir tranquilidade para a governança da companheira Dilma. Temos uma maioria folgada [no Congresso] e não há razão para termos problemas”, afirmou.
Lula afirmou que tem recebido telefonemas de parlamentares pedindo para que interfira nos conflitos internos do partido. “Acho que vocês tem que resolver entre vocês. Todo mundo é maduro. O que temos é que dar tranquilidade à nossa companheira. A Dilma tem que deitar todo dia sabendo que a bancada do PT está afiadíssima”, disse.
Após cinco meses de governo Dilma, dois ministros já deixaram o cargo. Antonio Palocci saiu da chefia da Casa Civil após denúncias de que teria aumentado o patrimônio em 20 vezes. Sem citar casos concretos, Lula afirmou que está  “de saco cheio” de ver colegas petistas sendo acusados de cometer irregularidades.
“É importante a gente ter em conta que o jogo é duro e que a gente não baixe a cabeça, para que a gente enfrente. Eu sinceramente estou de saco cheio de ver meus companheiros serem acusados, a família destruída e depois ninguém prova coisa nenhuma contra eles”, disse.
Contribuiu para o enfraquecimento político de Palocci a postura de parlamentares petistas de exigir explicações do ex-ministro, assim como declarações de que a crise era apenas do governo e não do PT.
Já o ex-ministro de Relações Institucionais Luiz Sérgio deixou o cargo após articulações de deputados e senadores do PT para que ele fosse substituído.Sem citar casos concretos, Lula afirmou que “de saco cheio” de ver colegas petistas sendo acusados de cometer irregularidades.
No discurso deste sábado, Lula afirmou que distensões entre petistas devem ser resolvidas internamente e de imediato, em reuniões convocadas pelo presidente do partido, Rui Falcão.
“O PT é importante saber o seguinte: temos 88 deputados. Lá são 513. Qualquer fissura dentro da bancada do PT, não faltará partido para colocar uma cunha para a crise aumentar,” disse.
O ex-presidente citou o mensalão, escândalo que atingiu o governo dele em 2005. Segundo Lula, o esquema em que deputados supostamente recebiam propina para aprovar projetos de interesse do governo só resultou em Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) e investigação criminal porque o PT se dividiu.
“Sei que um dos problemas nossos em 2005 era a desconfiança na nossa própria bancada. Companheiro torcendo para que o outro se ferrasse porque pertencia a outra corrente dentro do PT. […] A crise de 2005 começou com uma denúncia de uma propina de 3 mil reais e transformaram esse negócio numa CPI”, afirmou.
Lula também falou da importância em manter uma boa relação com o PMDB, maior partido da base aliada. “Nossa relação com PMDB é muito importante. Muitas coisas saem na mídia. A gente não pode aceitar nenhuma provocação. Na dúvida, a gente tem que chamar o companheiro para conversar.”

(Portal G1)

E ninguém mais fala do enriquecimento de Palocci…

69 1
Com o título “Quem em cobra, cai. Quem paga, fica”, eis artigo do publicitário e poeta Ricardo Alcântara para este sábado de Blog. Ele lamenta que foi tanto alarde em torno do enriquecimento de Palocci para, dias depois, tudo sair da mídia. Confira:

O país ficou escandalizado com o fato de Antonio Palocci ter multiplicado por vinte vezes seu patrimônio em poucos anos. A reação da opinião pública custou a ele o posto que ocupava como mais poderoso ministro do governo. A demissão de Palocci – breve chuva em dia de verão – esgotou o potencial de interesse da notícia, como se o entulho que ela denunciara – não somente ético, mas em seu aspecto maior, político – tivesse sido removido.
Ninguém mais se mostra preocupado com o assunto. A ninguém parece relevante esclarecer como é que algumas dezenas de milhões foram parar na conta bancária de um deputado federal assim, de uma hora para outra. Não se pretende saber quem pagou tão caro a ele, nem que serviço prestou para merecer tamanha recompensa. Ninguém mais quer saber se o bem público – o seu, o meu, o nosso dinheiro – foi lesado ou não. Tanto faz.
Imolado o cordeiro no altar dos sacrifícios, espiadas estão todas as culpas e encerrado o episódio. Sob suspeita de ter vendido vantagens indevidas, caiu o ministro, mas o possível corruptor que o teria comprado escapou ileso. Tedioso, porque óbvio demais, mas sempre necessário, é lembrar que o corruptor permanece impune porque o país pertence, de fato, a ele, que passa por cima das leis fracas e por baixo das mais fortes, e não a você.
Para obter vantagens, subornam os que tomam decisões na esfera pública, financiam as campanhas eleitorais dos governantes e suas verbas publicitárias decretam a lei do silencio aos grandes veículos de comunicação. O ministro caiu, mas, logo no dia seguinte, tudo que dele se suspeitara continuou a ser praticado em Brasília em atos rotineiros da promiscuidade crônica que casa e batiza nas relações entre o público e o privado no país.
O dano que episódios como aquele causam é de maior monta que os valores subtraídos: é a contaminação do sistema representativo pela legião viral de agentes que privatizam o Estado e sabotam o interesse comum. Não é exclusivamente pecuniário, mas institucional e sistêmico, o dano que se impõe, triunfal e indissolúvel, também agora, quando os sujeitos são aqueles que anteriormente foram portadores das melhores esperanças.
Agora, quando se pretende discutir uma Reforma Política, menos relevante do que o debate pontual sobre esta ou aquela proposta – financiamento, voto em lista, reeleição – é formar um consenso sobre o que dela se pretende. A legislação necessária deve reduzir ao seu ponto de equilíbrio a influência do poder econômico nas decisões tomadas por agentes públicos, ampliando o potencial de representatividade do sistema democrático. É isso ou nada.
Caso contrário, haverá pelo menos um Palocci entre um equinócio e outro, um parlamento habilitado a extorquir a presidência, uma máquina pública rendida à pirataria – enfim, uma democracia mais consentida do que estimada.
* Ricardo Alcântara
Publicitário e poeta.

Copa 2014 – Ministério Público Federal promove debate sobre o tema

O Ministério Público Federal no Ceará e a Assembléia Legislativa do Ceará promoverão, na próxima quarta-feira, uma  audiência pública sobre o tema “Copa 2014 – Impactos das obras e os Direitos Fundamentais das Comunidades Afetadas – Direito à moradia”.
O objetivo é discutir o futuro de áreas da Capital cearense que sofrerão impactos dos projetos do certame, questão de desapropriações e a situação de comunidades.
A audiência pública ocorrerá às 14h30min, com a presença da procuradora regional dos Direitos do Cidadão, Nilce Cunha Rodrigues, e de membros da Comissão de Direitos Humanos do Poder Legislativoa, além de lideranças de comunidades e setores ligados a ONGs que atuam no campo da moradia e dos direitos humanos.

Artesã de Tamboril ganha prêmio "Sebrae Mulher de Negócios"

“Em Tamboril, município do Ceará, o talento de 25 mulheres aliado à qualidade tem gerado renda e contribuído para retratar a história local. O grupo produz caminho de mesa, colcha de cama e pano de bandeja, feitos de crochê e bordado. A Associação de Artesãos de Tamboril (Tamboriarte) é uma iniciativa de como o trabalho cooperado pode transformar a vida e a realidade das famílias locais.
A presidente da cooperativa e vencedora nacional do Prêmio Sebrae Mulher de Negócios, na categoria ?Negócios Coletivos?, Maria de Fátima Santana de Oliveira, coordena os trabalhos. A empreendedora conta que aprendeu a fazer crochê e a negociar suas peças ainda menina, ensinamentos passados por seus pais agricultores. ?Desde pequena aprendi que posso sobreviver da minha arte e que artesanato pode ser um negócio, e não simplesmente um passatempo?, afirma.
Mesmo passando em concurso público para agente de saúde, Maria de Fátima nunca deixou o artesanato de lado. ?Se me perguntam qual é o meu trabalho, digo sem medo que sou artesã e mulher de negócios?, ressalta. Em 1990, ela teve sua primeira experiência com o associativismo. ?Ajudei a fundar uma associação de moradores. Tivemos importantes conquistas como proporcionar formação profissional para os moradores de baixa renda do bairro e a montagem de uma rádio comunitária?, conta.
A experiência adquirida foi utilizada para criar a Associação de Artesãos de Tamboril (Tamboriarte). ?Como sou artesã e acredito na força da união, nada mais natural do que formar uma associação de artesãos.? Na época, ela fez o curso Vivência dos Inhamuns, desenvolvido pelo Sebrae local. ?Tive a oportunidade de conhecer o que o design pode fazer pelo artesanato. Fizemos estudos sobre a história, cores e símbolos do Ceará?.
Ela garante que se preparou e conseguiu mobilizar um grupo de artesãos, com os quais fundou a Tamboriarte. ?No início, o grupo estudou bastante sobre associativismo, qualidade, produto e mercado?, lembra. Hoje a associação tem sede e loja privilegiada no centro do município. ?Nosso artesanato é conhecido pela qualidade de acabamento e pelas coleções que já lançamos, com as cores e motivos da nossa terra?.
Todas as peças em exposição na loja e as encomendas passam por um controle feito por pelo menos duas das artesãs mais experientes do grupo. Também há responsabilidade com o meio ambiente. ?Nosso trabalho significa fonte de renda sustentável, que não gera resíduos poluentes, não agride a natureza e que procura utilizar matéria-prima da região, como é o caso do algodão?, explica a artesã. ?A Tamboriarte hoje é referência de artesanato na região e queremos continuar sempre nos aprimorando, para que nossas conquistas sejam mantidas e nossos sonhos se renovem e se realizem?, torce Maria de Fátima.

“(Agência Sebrae)

Novo Código Florestal – CNBB vai mobilizar fieis contra matéria

“A Igreja Católica poderá mobilizar suas 12 mil paróquias para fazer circular um abaixo-assinado contra o projeto do novo Código Florestal aprovado na Câmara dos Deputados e em tramitação no Senado Federal.
O anúncio foi feito nesta sexta-feira, 17, em Brasília pela cúpula da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), que pretende criar um fórum com a Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), a Associação Brasileira de Imprensa (ABI) e um grupo de ex-ministros do Meio Ambiente contrários às mudanças propostas na lei.
O Conselho Permanente da CNBB divulgou nota contra a flexibilização do uso de áreas de preservação permanente (APP) e contra a anistia das multas e penalidades a quem desmatou, estabelecidas no relatório do deputado Aldo Rebelo (PCdoB-SP).
O documento convoca os católicos “a participar do processo de aperfeiçoamento do Código Florestal, mobilizando as forças sociais e promovendo abaixo-assinados contra a devastação”. Segundo a CNBB, as decisões referentes ao código não podem ser motivadas por uma lógica produtivista que não leva em consideração a proteção da natureza, da vida humana e das fontes da vida. “Não temos o direito de subordinar a agenda ambiental à agenda econômica”, diz ainda a nota da CNBB.
No ano passado, a participação da Igreja Católica viabilizou o recolhimento de mais de 1 milhão de assinaturas em favor da Lei da Ficha Limpa aprovada pelo Congresso Nacional. Com a mobilização de agora, a CNBB espera ser ouvida na discussão do novo código. “Não queremos nos furtar a participar da melhoria do texto”, disse aos jornalistas o secretário-geral da CNBB, dom Leonardo Ulrich Steiner.
Além de destacar a importância de participar das discussões, o bispo disse esperar que Senado convoque a Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência (SBPC) para debater a proposta. No mês passado, a SBPC apresentou ao Congresso Nacional e ao governo federal um estudo preliminar sobre as consequências da mudança do código no aumento do desmatamento.
“Eu espero ser convidada para o debate. Já estamos com a apresentação pronta”, disse à Agência Brasil a presidente da SBPC, a bioquímica Helena Nader.
Ela informou que a presidência do Senado não acatou nenhuma das sugestões encaminhadas pela SBPC em carta, como, por exemplo, a proposta de que a Casa inclua a Comissão de Ciência, Tecnologia, Inovação, Comunicação e Informática (CCT) na discussão do projeto do novo código.
O projeto tramita entre as comissões de Meio Ambiente, Defesa do Consumidor e Fiscalização e Controle (CMA), de Agricultura e Reforma Agrária (CRA) e de Constituição, Justiça e Cidadania (CCJ).
A CNBB também divulgou nota sobre a violência na Amazônia, mencionando o assassinato de quatro camponeses, recentemente, nos estados do Pará e de Rondônia, que foi associado a conflitos agrários e ambientalistas. “As ameaças [aos camponeses mortos] já eram de conhecimento das autoridades competentes, Infelizmente, pouco foi feito para proteger estas famílias”, diz a nota da CNBB.”

(Agência Brasil)

Copa 2014 – José Guimarães explicará na Assembleia o porquê da aprovação da MP que flexibiliza obras

85 2
O deputado federal José Nobre Guimarães (PT), que foi relator da MP que flexibilizou as licitações das obras da Copa 2014, vai à Assembleia Legislativa dar explicações sobre o porquê da aprovação da matéria. Há críticas de que ela pode dar margens a problemas relacionados ao controle financeiro dos empreendimentos e que passaria por cima do Tribunal de Contas da União.
“Está acertado uma visita dele (José Guimarães) na próxima segunda-feira, às 15h, no gabinete do presidente da Casa, deputado Roberto Claudio (PSB). Ele vem para poder expor seus convencimentos para que fiquemos convencidos”, anunciou, nesta sexta-feira, o deputado estadual Carlomano Marques (PMDB).
Carlomano explicou que o País ainda não tomou conhecimento da RDC e que seu objetivo não é acusar ninguém. “Só digo que tem um bode na sala exalando um odor muito fedorento. Essa decisão teria que ser trabalhada exaustivamente, porque, dá conta do dinheiro público brasileiro”, destacou.

Copa 2014 – PSDB estuda medida jurídica contra MP que flexibiliza licitações

“Em nota divulgada na tarde desta sexta-feira, o secretário-geral do PSDB, deputado Rodrigo de Castro (MG), criticou a medida provisória aprovada na quarta-feira (15) na Câmara, que pretende criar o RDC (Regime Diferenciado de Contratações) e explicita o sigilo das informações a respeito dos orçamentos das obras da Copa de 2014 e da Olimpíada de 2016.
Ele afirmou que o departamento jurídico da legenda estuda “as medidas cabíveis no sentido de impedir esse abuso com o contribuinte brasileiro”. O presidente nacional do PSDB, deputado Sérgio Guerra (PE), também divulgou comunicado criticando a aprovação do RDC pela Câmara, o que, segundo ele, configura “um verdadeiro crime com relação à Copa do Mundo”.
Para o tucano, a votação favorável à MP é “um escândalo que coloca o Brasil ao lado de países que não prezam o dinheiro dos contribuintes. É um afronta à transparência e ao interesse público”. Ele acusou o PT de ser incompetente e agora querer “apressar as obras da Copa do Mundo e das Olimpíadas a qualquer custo”, e afirmou que, no Senado, o PSDB insistirá em barrar o texto.”
(Folha.com)