Blog do Eliomar

Categorias para Brasil

Governo descarta privatização dos Correios

111 1

O presidente da Empresa Brasileira de Correios e Telégrafos (ECT), Wagner Pinheiro, assegurou,  durante audiênica na Comissão de Trabalho da Câmara, que o órgão não será privatizada. Ele explicou que a Medida Provisória (MP 532/11), em tramitação no Congresso, que trata sobre a ECT objetiva aumentar a eficiência da estatal.

“A proposta busca modernizar e fortalecer a ECT como instituição pública importante para o País, não a sua privatização”, garantiu Wagner Pinheiro, assegurando que não há razão para preocupação dos trabalhadores. Ele explicou que os empregados do setor continuarão a ser contratados através de concurso público e que o regime jurídico para a essa contratação será regido pela Consolidação das Leis do Trabalho (CLT).

Para os deputados petistas Eudes Xavier e Claudio Puty (PA), autores do requerimento dessa audiência pública, o debate cumpriu o objetivo. “A nossa obrigação republicana e a nossa representação no mundo do trabalho nos fizeram propor a audiência. Nós saímos desse debate com a certeza de tarefa cumprida, pois acreditamos que é importante o trabalhador se apropriar desse debate”, avaliou Eudes Xavier.

A MP 532/11, entre outros pontos, estabelece a constituição de subsidiárias, autoriza atuação da empresa no exterior e permite a exploração de serviços de logística integrada, financeiros e postais eletrônicos.

Dnit nomeia três novos diretores em caráter "excepcional e transitório"

“Três novos diretores foram nomeados, em caráter “excepcional e transitório”, para o Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (Dnit). A decisão, publicada nesta quinta-feira no Diário Oficial da União, vai ocupar postos estratégicos que ficaram vagos após as demissões e afastamentos nos órgãos ligados ao Ministério dos Transportes, causados por denúncias de corrupção na pasta.

Luiz Heleno Albuquerque Filho foi nomeado para a Diretoria-Executiva do Dnit, Eloi Angelo Palma Filho, para a Diretoria de Infraestrutura Rodoviária, e Marcelo Almeida Pinheiro Chagas, para a Diretoria de Infraestrutura Ferroviária. A decisão foi assinada pelo presidente do conselho de administração do Dnit, Miguel Mário Bianco Masella.”

(Portal Terra)

Prefeita abre assembleia de secretários de Finanças

190 2

 

A prefeita de Fortaleza, Luizianne Lins (PT), segundo sua assessoria de imprensa, vai abrir, a partir das 9 horas, no Gran Marquise Hotel, a terceira assembleia geral ordinária da Associação Brasileira das Secretaria de Finanças das Capitais.

Na ocasião, o secretário Alexandre Cialdini, titular das Finanças de Fortaleza, apresentará os programas fiscais que o Município vem adotando como forma de modernizar e aprimorar a arrecadação.

Ainda na programação uma palestra de Fátima Cartaxo, especialista em Gestão Fiscal e Munciipal do Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID). Falará sobre o programa de apoio à gestão de integração dos fiscos do Brasil.

Senado aprova texto base de MP que reajusta tabela do IR em 4,5%

“O Senado aprovou nesta quarta-feira o texto base da medida provisória que corrige a tabela do Imposto de Renda da Pessoa Física em 4,5 por cento de 2011 a 2014. O texto foi aprovado de forma simbólica. Agora os senadores analisam emenda à matéria proposta pelo PSOL. Quando a votação for concluída, o texto será encaminhado ao Planalto para sanção presidencial.

Com o ajuste, a faixa de isenção para os ganhos de 2011 passa de 1.499 reais para 1.566 reais. O texto aprovado estima a renúncia de receita decorrente da atualização da tabela em 1,61 bilhão de reais neste ano.

A renúncia deve ser compensada por acréscimos na receita estimados em 802,43 milhões de reais obtidos com o aumento do Imposto sobre Operações Financeiras (IOF) determinado em março e de 948 milhões de reais conseguidos com a elevação de tributos sobre as chamadas ‘bebidas frias’, como refrigerantes e cervejas.

O percentual de correção definido em 4,5 por cento pela MP, enviada pela presidente Dilma Rousseff ao Congresso, é menor do que o exigido no início do ano pelas centrais sindicais, de 6,46 por cento. O reajuste de 4,5 por cento tem como base a meta de inflação definida pelo governo.

O envio da MP ao Congresso pela presidente Dilma estava condicionado à aprovação da política de reajuste para o salário mínimo até 2015 e do valor de 545 reais para este ano, o que ocorreu em fevereiro. Dilma enviou ao Congresso a MP de correção do IR em março, e ela foi aprovada pela Câmara dos Deputados no início de julho.”

 (Portal G1)

Eleições 2012 – PT abrirá brecha para aliança com partidos rivais

117 2

“A cúpula do PT vai aprovar resolução que abre brechas para alianças com partidos de oposição, nas eleições municipais de 2012, em locais onde essas siglas apoiarem o governo de Dilma Rousseff. A proposta sobre tática eleitoral, que será apresentada nesta quinta-feira, 4, à Executiva do PT, em reunião no Rio, menciona explicitamente o PSDB, o DEM e o PPS.

Não é a primeira vez que o PT autoriza ou fecha os olhos para acordos com adversários durante as eleições. Em 2008, por exemplo, na disputa pela Prefeitura de Belo Horizonte, os petistas vetaram a aliança costurada pelo então prefeito Fernando Pimentel – hoje ministro do Desenvolvimento – com o governador Aécio Neves (PSDB), eleito senador – para apoiar Márcio Lacerda (PSB). Depois de muita polêmica, no entanto, a direção do PT lavou as mãos. Lacerda foi eleito.

O presidente do PT, Rui Falcão, e o secretário de Organização do partido, Paulo Frateschi, conversaram com Dilma na quarta-feira, 3, à noite, no Palácio do Planalto.

Na prática, a proposta que prevê coligações com a oposição atende à política do pragmatismo recomendado pelo ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. “Em determinadas situações, precisamos juntar todos os diferentes para enfrentar os antagônicos”, disse o ex-presidente.”

(Estadão)

Bompreço é condenado a indenizar cliente que ingeriu queijo com validade vencida

“A juíza Francisca Francy Maria da Costa Farias, da 13ª Vara Cível de Fortaleza, condenou o Bompreço S/A Supermercados do Nordeste a pagar indenização de R$ 3 mil à M.G.R.B.. A cliente sofreu intoxicação alimentar após ingerir um queijo, vendido pela empresa, com prazo de validade vencido.

Segundo os autos (nº 124605-95.2008.8.06.0001/0), no dia 12 de fevereiro de 2008, a consumidora foi ao Bompreço, localizado na avenida Barão de Studart, para fazer compras. Um dos produtos adquiridos foi um queijo processado do tipo cheddar.

No dia seguinte, após consumir o queijo, ela passou a sentir dores no estômago e febre. Teve ainda crise de vômito e diarreia. Ao perceber que o produto estava com o prazo de validade vencido, foi ao hospital e recebeu medicação contra infecção gastrointestinal.

Alegando despesas com o tratamento, M.G.R.B. ingressou com ação na Justiça requerendo indenização no valor de R$ 41.500,00. Afirmou ainda que, por ter ficado um período sem trabalhar, precisou contrair empréstimos, o que elevou os seus gastos.

Em contestação, o Bompreço afirmou não ter sido comprovado que o queijo consumido era o demonstrado na nota fiscal anexada ao processo. Argumentou também que o supermercado possui departamento com a função de fiscalizar a manutenção, conservação e o prazo de validade dos produtos perecíveis.

A juíza, ao analisar o caso, considerou que a cliente deveria ter checado a validade do produto antes de adquiri-lo. “Acima disso, no entanto, sobrepõe-se o dever do fornecedor em manter fiscalização periódica daquilo que expõe à venda em seu estabelecimento comercial”. A magistrada fixou a indenização por danos morais em R$ 3 mil, afirmando que os pedidos de empréstimos alegados não foram provados.”

(TJ-CE)

STF aprova orçamento 2012 incluindo reajuste de 15% para ministros.

90 1

“Os ministros do Supremo Tribunal Federal (STF) aprovaram, nessa quarta-feira, a proposta orçamentária da Corte para 2012 no valor de R$ 614, 073 milhões. O proposta prevê um reajuste de quase 15% no salário dos ministros, dos atuais R$ 26,7 mil para R$ 30,6 mil. O orçamento proposto também prevê R$ 18,9 milhões para projetos de recuperação e modernização do Tribunal, entre eles, o da construção de um prédio para abrigar a TV Justiça, no valor de R$ 2,8 milhões.

De acordo com previsão orçamentária, R$ 12 milhões devem ser destinados para um novo projeto de informática do Supremo; R$ 3 milhões para construção de uma torre de elevadores projetada pelo arquiteto Oscar Niemeyer; R$ 4 milhões para substituição de vidraças; R$ 800 mil para troca dos carpetes e R$ 2,8 milhões para ampliação das garagens.

A proposta será encaminha ao Executivo que deverá ser incluida na Lei Orçamentária Anual (LOA), que será encaminhada ao Congresso Nacional. O presidente do STF, ministro Cezar Peluso, ressaltou que no ofício de encaminhamento da proposta fez uma “menção expressa” de que o Executivo não tem prerrogativa para promover alterações na proposta.

A previsão de gastos para 2012 aprovada hoje é R$ 10 milhões superior ao orçamento deste ano. No entanto, a proposta enviada ao Executivo sofreu um corte aproximado de R$ 100 milhões. Segundo o orçamento para o ano que vem, estão previstos gastos R$ 39,1 milhões para pagamento de 1,1 mil servidores ativos e cerca de 400 inativos e pensionistas.”

(Portal Uol)

DETALHE – Esse reajuste para ministros terá efeito cascata e atenderá aos magistrados. Não é a toa que, nessa quarta-feira, todos os presidentes de associações estaduais de magistrados estavam em Brasília acompanhando essa definição orçamentária. No grupo, o presidente da ACM, juiz Marcel Roseno.

IPI sobre cigarro sobe para 45% no fim do ano

“O coordenador geral em exercício de fiscalização da Receita Federal, Marcelo Fisch, afirmou nesta quarta-feira, 03, que a mudança no regime de tributação de Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI) sobre cigarros, a partir de 1º de dezembro deste ano, representa um aumento da carga tributária para o setor, de 60% para 81%, para as empresas que optarem pelo regime geral.

Por este regime, a alíquota de IPI será de 45% sobre o preço no varejo a partir de dezembro. A carga inclui ainda 11% de PIS e 25%, em média, de Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS).
Segundo ele, no entanto, as empresas terão a opção de aderir a um regime especial, que será definido por decreto, que é mais brando em termos de carga tributária. Fisch disse que só será possível saber se haverá aumento da carga tributária para as empresas em regime especial depois que as alíquotas forem definidas entre a Receita Federal e o Ministério da Fazenda.

“Não se sabe se vai começar com aumento de carga tributária. Vai depender do ministro. A Receita só vai definir as alíquotas depois desta discussão”, informou. Ele antecipou que haverá um valor mínimo de R$ 0,80 por maço mais uma alíquota ad valorem de no máximo 15%. “Quanto mais barato o preço do cigarro, maior a incidência de tributo para desestimular o consumo, para atender a convenção de saúde”, afirmou.

Fisch disse que há algum tempo a Receita tenta implementar um novo marco legal para cigarros. O atual está em vigor desde 1999 e está sofrendo questionamentos jurídicos pelos fabricantes. “O novo modelo vem trazer maior segurança jurídica e um novo ciclo para o fabricante”, disse.”

(Agência Brasil)

União Geral dos Trabalhadores protesta contra Plano Brasil Melhor

A União Geral dos Trabalhadores (UGT) distribuiu com a imprensa, nesta quarta-feira, nota repudiando a forma como o governo federal lançou o Plano Brasil Maior, que promete desonerar impostos do setor industrial. O lamento é porque as entidades sindicais, tão privilegiadas na Era Lula, foram escanteadas desse debate. Confira:

NOTA OFICIAL – UGT

O Plano Brasil Maior, lançado pela presidente Dilma Rousseff, é recheado de boas intenções. Mas atropelou o processo de discussão democrática que pode vir a comprometer, inclusive, sua implantação.

As centrais sindicais não foram chamadas para sua elaboração. A preservação dos empregos é apenas parte do discurso da presidente, já que não existem garantias formais de manutenção e ampliação das vagas sequer para os setores beneficiados (confecções, calçados e artefatos; móveis e software). A UGT se preocupa, ainda, com a desoneração de 1,5% da folha de pagamento, pois não há informação se é suficiente para compensar a perda de arrecadação da seguridade social.

1. Em primeiro lugar, queremos manifestar nossa contrariedade da forma como foi construído o atual programa: sem a participação das centrais sindicais dos trabalhadores.

2. Não estão explícitas as medidas que garantam a preservação e a ampliação do emprego, não só dos setores indicados no plano piloto (confecções; calçados e artefatos; móveis e software), mas de todos os demais setores da indústria brasileira;

3. Além do mais, a criação do Programa BNDES Qualificação (cujo orçamento previsto é de R$ 3,5 bilhões) deve contar com a participação das centrais sindicais na determinação dos setores que devem ser abrangidos por esse programa. Isso não está previsto no programa lançado.

4. Política Industrial não se resume à desoneração da folha de pagamento. É preciso enfrentar três problemas básicos da indústria brasileira: tributário, infraestrutura/logística e crédito de longo prazo para investimento produtivo e de geração de inovações científico-tecnológicas.

6. Desta forma, não visualizamos, salvo melhor juízo, nenhuma medida que vise combater os gargalos de logística e infraestrutura, que oneram acentuadamente a indústria.

7. Ademais, se é para fazermos uma experiência quanto à desoneração da folha de pagamento e a instituição de uma alíquota sobre ao faturamento das empresas, que se eleve a alíquota de 1,5% para outro percentual maior que permita cobrir a perda de arrecadação da seguridade Social.

8. Por fim, entendemos que não se resolve o peso do problema cambial na indústria brasileira com medidas paliativas de desoneração da folha de pagamento, mas com redução drástica das taxas de juros para desestimular a entrada de capitais especulativos no Brasil e aumentar os mecanismos que inibam a entrada desses capitais.

Ricardo Patah,
Presidente nacional da UGT

CPI do DNIT – Fracassa tentativa de criação

“O presidente do Senado, José Sarney (PMDB-AP), devolveu esta tarde o requerimento de criação da comissão parlamentar de inquérito que investigaria as denúncias de corrupção no Ministério dos Transportes. Segundo Sarney, o documento “não atende aos requisitos necessários”, uma vez que apenas 25 senadores o assinaram.

Na terça-feira, 3, o líder do PSDB, senador Álvaro Dias (PR), protocolou o requerimento com as 27 assinaturas necessárias conforme o regimento interno do Senado. Mas, até esta tarde, dois senadores haviam retirado seus nomes, o que provocou a devolução do pedido de criação da CPI.

O líder do governo no Senado, Romero Jucá (PMDB-RR), disse que convenceu os senadores da base aliada a retirar as assinaturas alegando que isso daria à oposição um instrumento político para ação contrária ao governo.

“Não vale a pena dar à oposição uma CPI para ela fustigar o governo. A oposição vai tentar fazer uma CPI a qualquer momento. A base do governo tem condição de evitar uma CPI se os senadores e senadoras não assinarem. É isso que vamos procurar mostrar”, alegou Jucá.
Ainda de acordo com ele, o governo está investigando todas as denúncias que surgiram, argumento usado para convencer os senadores João Durval (PDT-BA) e Reditário Cassol (PP-RO) a retirar seus nomes do requerimento.

Álvaro Dias lamentou o que chamou de uma “ação” do Planalto – referindo-se ao palácio de onde despacha a presidenta Dilma Rousseff – para convencer os senadores a voltar atrás e disse que isso demonstra que há denúncias ainda não esclarecidas. “A partir dessa ação desenvolvida na calada da noite, fica explícito que não há a intenção do governo de promover mudança no modelo de promiscuidade que existe”, disse o líder do PSDB.

Ele disse que não terá dificuldades em conseguir que os 25 senadores que assinaram o requerimento recoloquem suas assinaturas e que continuará trabalhando para conseguir os dois apoios que faltam. “A oposição tem que cumprir o seu dever e vai reiniciar a coleta de assinaturas”, concluiu.”

(Com Agências)

Roberto Gurgel é reconduzido para cargo de procurador-geral da República

“A indicação de Roberto Gurgel para um novo mandato de dois anos como procurador-geral da República foi aprovada na tarde desta quarta-feira, 3, por 21 votos favoráveis e um contrário, após sabatina na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) do Senado. A indicação por decisão da comissão deve ser encaminhada ainda nesta quarta ao plenário da Casa para ser votada. Durante a sabatina, Gurgel foi cobrado por integrantes do DEM e do PSDB por ter arquivado, sem abrir o inquérito, as acusações de enriquecimento ilegal contra o ex-ministro chefe da Casa Civil Antonio Palocci.
Gurgel argumentou que não tinha indícios suficientes para pedir abertura de inquérito contra Palocci no Supremo Tribunal Federal (STF) e que, para eventualmente prosseguir as apurações, precisaria da autorização do STF para pedir a quebra dos sigilos bancário e fiscal de Palocci. No entanto, ele avaliou que, sem indícios suficientes, o STF não autorizaria essas investigações. “Seria inútil porque jamais haveria autorização para quebra de sigilo pelo Supremo”, disse Gurgel.
O senador Pedro Taques (PDT-MT) – que é ex-procurador – disse ter discordado da decisão de Gurgel e afirmou que procurador-geral da República não pode ser um “esperador geral da República” e que deveria ter investigado mais a conduta de Palocci para tomar sua decisão de arquivar ou não as acusações.”
(Agência Estado)

Diretor da ANP e cinco ministros prestarão esclarecimentos à Câmara sobe denúncias de corrupção

“A Comissão de Fiscalização Financeira e Controle da Câmara aprovou convites para que ministros e autoridades públicas expliquem as denúncias de irregularidades nos respectivos órgãos. Os requerimentos, de autoria do deputado Vanderlei Macris (PSDB-SP), eram para convocação das autoridades, mas, por meio de acordo com o governo, foram transformados em convite. A diferença é que, no caso do convite, a presença não é obrigatória.

O ministro dos Transportes, Paulo Sérgio Oliveira Passos, deve prestar esclarecimentos sobre as denúncias de corrupção e superfaturamento e, também, sobre as medidas adotadas para reduzir o custo das obras em rodovias brasileiras.

O ministro das Cidades, Mário Negromonte, deve falar sobre a suspeita de favorecimento de empresas que fizeram doações para campanhas de políticos ligados aos partidos que apoiam a presidenta Dilma Rousseff.

O ministro das Comunicações, Paulo Bernardo, deverá dar explicações sobre a denúncia de que ele, quando era ministro do Planejamento, tinha conhecimento das alterações contratuais que elevaram os preços pagos pelo governo por obras rodoviárias e ferroviárias no Paraná.

Já os ministros do Desenvolvimento Agrário, Afonso Florence, e do Meio Ambiente, Izabella Teixeira, devem falar sobre denúncias de ocupação ilegal de terras em áreas de proteção ambiental e de assentamentos destinados à reforma agrária. Também foi aprovado o requerimento para que o presidente da Agência Nacional do Petróleo (ANP), Haroldo Lima, fale sobre as denúncias de irregularidades e de corrupção no órgão regulador do setor de energia fóssil e de biocombustíveis.”

(Agência Brasil)

E a poupança como vai?

Os depósitos superaram os saques em caderneta de poupança da Caixa Econômica Federal em R$ 2,5 bilhões em julho. Segundo o banco, essa é a maior captação líquida positiva de 2011 e a maior dos últimos dez anos.

O saldo da poupança da Caixa ficou em R$ 139 bilhões, mantendo mais de 34% de participação no mercado. Em julho, o banco superou a marca de 42 milhões de cadernetas de poupança ativas.

A instituição está investindo na divulgação da poupança, especialmente com a campanha “Poupançudos do Rock”, que apresentou uma “versão roqueira” para os mascotes criados em 2006.

Para a Caixa, a poupança é uma importante meio de se iniciar o contato com o universo financeiro, tendo em vista a facilidade de acesso e movimentação que oferece.”

 (Agência Brasil)

Comentário do Felipão – Ceará X Avaí

[youtube]http://www.youtube.com/watch?v=dsYwU2l-064[/youtube]

Nesta quarta-feira, a partir das 19h30min, no Novo PV, tem jogo do Ceará contra o Avaí, vláido pela Série A do Brasileirão. Para o comentarista Felipe Araújo, o alvinegro não pode deixar escapar a vitória contra, principalmente, um time que, apesar de estar na zona de rebaixamento, quer voltar a respirar na tabela.

* Sobre baixas no Ceará, confira no site Esportes do POVO aqui.

TSE aprova com ressalvas contas da campanha presidencial de 2010 do PMDB

“As contas da campanha presidencial do Comitê Financeiro Nacional do Partido do Movimento Democrático Brasileiro (PMDB) referentes às eleições de 2010 foram aprovadas, com ressalvas, pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE). A decisão é do ministro Arnaldo Versiani (foto).

Após análise da documentação apresentada pelo partido, a área técnica do Tribunal constatou a existência de  inconsistências pontuais que, de acordo com o parecer, não chegam a comprometer a regularidade das contas.

A primeira irregularidade seria uma doação de R$ 600 feita por uma empresa supostamente criada em 2010, contrariando o disposto no parágrafo 2º do artigo 16 da Resolução 23217/2010. O valor, contudo, aponta o parecer, representa apenas 0,013% do total de R$ 4,55 milhões arrecadados pela legenda. Assim, considerando os princípios da razoabilidade e proporcionalidade, a irregularidade não implicaria a desaprovação de contas.

Também foram verificadas pela área técnica do TSE inconsistências na comprovação de gastos de campanha que totalizaram pouco mais de R$ 57 mil. O valor, porém, corresponde a 0,95% do total de recursos aplicados pelo PMDB na campanha à presidência, o que também não ensejaria a desaprovação.

Em sua decisão, o ministro Arnaldo Versiani acolheu o parecer técnico e aprovou, com ressalvas, as contas do Comitê Financeiro Nacional para presidente da República do PMDB referente às eleições de 2010.”

(TSE)

Ministério do Turismo define critérios de investimento em aeroportos regionais

“A adoção de novos critérios para a realização de investimentos públicos na construção, reforma ou ampliação de aeroportos regionais entrou na pauta da reunião do ministro de Turismo, Pedro Novais, com o presidente da Associação Brasileira de Empresas de Aviação Regional (Abetar), Lázaro Chryssafidis.

Os critérios defendidos pela Abetar são resultado de um estudo realizado pela entidade em 174 cidades brasileiras de todas as regiões do país. O levantamento, feito em parceria com Centro de Excelência em Turismo da Universidade de Brasília (UnB), tem o objetivo de orientar o investimento público.

“Queremos definir prioridades baseadas nos planos de investimentos das empresas, no atrativo turístico ou na existência de infraestrutura hoteleira”, explicou o dirigente da Abetar. O estudo confere notas e faz projeções sobre o crescimento do tráfego aéreo nos municípios a partir da entrada em operação de cada um dos 174 aeroportos.

Em muitas cidades existem pistas de pouso, mas faltam outros requisitos para a obtenção da licença de operações concedida pela Agencia Nacional de Aviação Civil. Para obter essa licença, os aeroportos regionais devem ter um terminal de passageiros, tamanho da pista adequado, pátio para o estacionamento de aeronaves, equipe de corpo de bombeiros, estacionamento para veículos, iluminação, cerca patrimonial e equipamentos de segurança (raios X).

O tamanho da pista, do pátio de estacionamento de aviões e dos demais equipamentos é definido com base no tipo de operação que ele vai realizar. O ministro do Turismo, Pedro Novais, firmou compromisso avaliar a proposta e, se necessário, encaminhá-la para a área técnica. 

(MinTUR)

Dom Sérgio da Rocha, o arcebispo de Brasília

Dom Sérgio, ex-bispo-auxiliar de Fortaleza.

O arcebispo de Fortaleza, dom José Antônio de Aparecido Tose, comandará grupo de cearenses que assistirão, no próximo sábado, ao ato de posse de dom Sérgio da Rocha como arcebispo de Brasília.

Dom Sérgio foi bispo-auxiliar de Fortaleza e, antes de ser nomeado arcebispo de Brasília, foi também arcebispo de Teresina (PI). A nomeação dele foi divulgada no dia 15 de junho último pelo Papa Bento XVI.

“Quero que a Igreja de Brasília possa testemunhar a comunhão que se fundamenta na fé e que está enraizada no amor que se expressa, depois, nas diversas iniciativas pastorais”, destacou Dom Sérgio em entrevista à Canção Nova.