Blog do Eliomar

Categorias para Brasil

Boletos vencidos acima de R$ 800,00 já podem ser pagos em qualquer agência bancária

Boletos vencidos acima de R$ 800 já podem ser pagos em qualquer banco, a partir deste sábado. A medida faz parte da nova plataforma de cobrança da Federação Brasileira de Bancos (Febraban) que começou a ser implementada em julho do ano passado. As mudanças estão sendo feitas de forma escalonada, tendo sido iniciada com a permissão para quitação de boletos em atraso acima de R$ 50 mil. A partir de 26 de maio, serão permitidos os boletos acima de R$ 400 e a expectativa é que até setembro deste ano o processo seja concluído.

A nova plataforma de cobrança permite a identificação do Cadastro de Pessoa Física (CPF) ou do Cadastro Nacional de Pessoa Jurídica (CNPJ) do pagador, o que, de acordo com a Febraban, facilita o rastreamento de pagamentos. Ao quitar o boleto, o próprio sistema verifica as informações. Se os dados do boleto coincidirem com os da plataforma, a operação é validada.

O sistema de boleto de pagamento anterior foi criado em 1993 com o início do procedimento de compensação eletrônica. Após 25 anos, a avaliação do setor bancário é que ele precisava ser modernizado. Entre os benefícios da nova plataforma está a permissão para pagamento de boletos após o vencimento em qualquer agência bancária, sem risco de erros nos cálculos de multas e encargos.

A Febraban optou por um período de convivência entre o modelo antigo e o novo. O cronograma de desligamento do sistema antigo também é feito de forma escalonada. A partir de fevereiro deste ano, por exemplo, passou a ser obrigatório que os boletos com valores acima de R$ 2 mil fossem registrados na nova plataforma de pagamentos da rede bancária, não sendo mais aceitos boletos sem registro.

O calendário inicial previa que a nova plataforma incluísse todos os boletos a partir do fim de 2017. “Mas foi necessária uma adaptação para garantir a segurança e a tranquilidade no processamento, em função do elevado número de documentos”, justificou a federação. Segundo a entidade, são processados cerca de 4 bilhões de boletos por ano no país.

Cronograma

Os boletos acima de R$ 400 são os próximos a serem incluídos no novo sistema, a partir do dia 26 de maio. Em 21 de julho, poderão ser pagos em qualquer banco após o vencimento os boletos de qualquer valor. Em 22 de setembro o processo será concluído com a inclusão dos boletos de cartão de crédito e de doações, entre outros.

(Agência Brasil)

Pesquisadores da UFC desenvolvem novo tratamento para lesões da hanseníase

Um grupo de pesquisadores da Universidade Federal do Ceará desenvolveu um novo método para tratar lesões da hanseníase: uma biomembrana produzida a partir de proteínas vegetais extraídas da planta Calotropis procera (algodeiro-de-seda ou ciúme). A membrana já foi testada clinicamente e chegou a fechar quase completamente feridas abertas há 15 anos. A informação é da Agência UFC.

Essa membrana tem a aparência de um plástico transparente, que adere à pele e promove o fechamento das lesões (por conta do constante estado de inflamação, elas têm dificuldade de se curar sozinhas).

A ideia dos pesquisadores é disponibilizar a membrana no sistema público de saúde, já que tratamentos convencionais de cicatrização são caros.

(Foto – Ribamar Neto)​

Páscoa – 103,9 milhões de brasileiros pretendem ir às compras

Pesquisa divulgada pelo Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil) e pela Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL) mostra que 103,9 milhões de brasileiros pretendem realizar compras para a Páscoa, este ano. Segundo a pesquisa, 69% dos consumidores pretendem comprar ou já compraram presentes e chocolates para a Páscoa, número superior à intenção de compras do ano passado (57%). Somente 12% dos entrevistados não pretendem ir às compras este ano.

Entre os que vão comprar presentes ou produtos para a Páscoa, 41% pretendem gastar o mesmo que o ano passado, enquanto 36% pretendem gastar menos e, 15%, um valor superior do que gastou em 2017. O levantamento mostra ainda que a maioria dos consumidores (44% do total dos entrevistados) pretende comprar a mesma quantidade de produtos que adquiriram em 2017 e que 31% pretende comprar mais produtos este ano, enquanto 14% pretende comprar menos. A média de compras esperada é de cinco produtos, com gasto médio estimado em R$ 135,03.

A maioria dos entrevistados (41% do total) disse ter a sensação de que os preços dos produtos para a Páscoa deste ano estão mais caros do que no ano passado. Nove entre cada dez consumidores disse ainda que vai pesquisar os preços dos ovos e produtos de Páscoa antes de comprá-los.

Entre os produtos que devem ser mais comprados nesta Páscoa estão os ovos de chocolate (escolha de 61% dos entrevistados), seguido pelos bombons (51%) e barras de chocolate (48%).

“O consumidor brasileiro já aprendeu que a variação de preços dos ovos de páscoa é enorme e pode ficar próxima a 100% em algumas cidades, de acordo com o Procon. Então, ir às compras na primeira loja que aparece é um erro grave. O ideal é se planejar com antecedência, usar a internet para pesquisar e só tomar decisões depois de ter visto os preços praticados em vários estabelecimentos. Por fim, é válido refletir: é necessário mesmo comprar ovos, ou este é apenas mais um símbolo de consumo? Muitas vezes o chocolate em outros formatos, como a barra, por exemplo, sai muito mais barato para o consumidor. Mas, em todo caso, se a pessoa fizer questão, pode buscar ovos artesanais ou caseiros, que saem mais em conta e também podem ser ótimos presentes”, disse Marcela Kawauti, economista-chefe do SPC Brasil.

(Agência Brasil)

Semana do Padre Cícero – Waldonys é atração em Juazeiro do Norte

O cantor e sanfoneiro Waldonys será atração, nesta noite de sábado, em Juazeiro do Norte (Região do Cariri). Isso dentro da 36ª Semana do Padre Cícero, que comemora o 174º aniversário do religioso.

A programação, iniciada na última terça-feira, será encerrada neste domingo com a Meia Maratona do Padim Ciço. Durante toda esta sexta-feira, várias missas são celebradas nas igrejas da cidade, de acordo com programação aprovada pelo prefeito José Arnon (PTB).

 

 

Arrecadação federal cresceu 10,67% em fevereiro

Beneficiada pela recuperação da economia e pela renegociação de dívidas ocorrida no fim do ano passado e em vigor este ano, a arrecadação federal teve forte crescimento no mês passado. Segundo números divulgados pela Receita Federal, o governo arrecadou R$ 105,122 bilhões em fevereiro, alta de 10,67% em relação ao mesmo mês do ano passado, descontada a inflação oficial pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA).

Em valores corrigidos pelo IPCA, a arrecadação atingiu o melhor nível para o mês de fevereiro desde 2015. Nos dois primeiros meses de 2018, a União arrecadou R$ 260,742 bilhões, alta de 10,34% acima do IPCA em relação ao primeiro bimestre do ano passado e o melhor resultado para o período desde 2014.

De acordo com a Receita Federal, a arrecadação aumentou R$ 10,136 bilhões na comparação com fevereiro do ano passado em valores corrigidos pelo IPCA. Desse total, parte do crescimento decorreu do Programa Especial de Regularização Tributária (Pert), também conhecido como Novo Refis, e da elevação de tributos sobre os combustíveis. No entanto, se forem descontadas fatores externos, a arrecadação teria crescido 7,36% acima da inflação.

Em vigor desde o fim de julho do ano passado, a elevação do Programa de Integração Social (PIS) e da Contribuição para o Financiamento da Seguridade Social (Cofins) sobre os combustíveis reforçou os cofres federais em R$ 2,334 bilhões em fevereiro, contra R$ 1,089 bilhão no mesmo mês de 2017. Beneficiadas pelo aumento da cotação do petróleo no mercado internacional, que influencia o pagamento de royalties, as receitas não administradas pelo Fisco cresceram 19,26% na mesma comparação, se for descontada a inflação.

(Agência Brasil)

Gasto de brasileiros no Exterior chega a US$ 1,405 bilhão em fevereiro

Foto ilustracion dolar
Foto:
Fernanda Corbani

Os gastos de brasileiros em viagem ao exterior chegaram a US$ 1,405 bilhão em fevereiro. Esse é o maior resultado para o mês desde 2015, quando o valor atingiu US$ 1,490 bilhão. Os dados foram divulgados hoje (23) pelo Banco Central (BC), em Brasília.

No mesmo mês do ano passado, essas despesas ficaram em US$ 1,362 bilhão. As receitas de estrangeiros no Brasil ficaram em US$ 611 milhões, contra US$ 535 milhões em igual mês de 2017. Essas receitas do mês passado foram as maiores para o mês na série histórica do BC, iniciada em 1995.

Com esses resultados, o saldo das viagens ficou negativo em US$ 794 milhões. Nos dois meses do ano, o déficit na conta de viagens ficou em US$ 2,017 bilhões. Nesse período, as despesas de brasileiros no exterior somaram US$ 3,407 bilhões.

Segundo o chefe do Departamento de Estatísticas do BC, Fernando Rocha, o aumento das despesas de brasileiros no exterior é devido à recuperação da economia. “As despesas continuam nessa trajetória de recuperação”, disse.

Nos dados preliminares deste mês, até o dia 21, as receitas de estrangeiros no Brasil ficaram em US$ 392 milhões e as despesas de brasileiros em US$ 1,082 bilhão. Com isso, a conta ficou negativa em US$ 690 milhões, até o dia 21.

(Agência Brasil)

Presidente da Caixa vai assumir o Ministério da Saúde

Gilberto Occhi, presidente da Caixa Econômica Federal, vai deixar a presidência do banco na próxima semana para assumir o Ministério da Saúde. O titular da pasta, Ricardo Barros, se desincompatibilizará do cargo para disputar uma vaga na Câmara dos Deputados. Os dois são do PP. A informação é do O Globo.

O Planalto defende que os ministros que vão disputar as eleições entreguem seus cargos até o dia 05 de abril (o prazo máximo para descompatibilização é dia 07 de abril). A ideia é ter uma margem para a publicação no Diário Oficial da União. Barros vai sair já no dia 28 de março, porque vai ser presidente da Comissão Mista de Orçamento.

Se depender do Ministério da Fazenda, o vice-presidente de Finanças da Caixa, Arno Meyer, assumirá a presidência do banco. Ele é economista e já exerceu cargos nos Ministérios do Planejamento e da Fazenda. Nos bastidores, no entanto, há pressão para indicação política.

Palocci quer seu habeas corpus julgado pelo STF no mesmo dia do pedido de Lula

O ex-ministro da Fazenda, Antonio Palocci, pediu, nessa quinta-feira, à presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Cármen Lúcia, para que seu habeas corpus seja julgado no próximo dia 4 de abril, mesma data em que foi marcado o julgamento de um pedido de liberdade preventivo do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

Palocci argumentou ter “prioridade absoluta” sobre Lula, uma vez que está preso preventivamente desde setembro de 2016 no âmbito da Operação Lava Jato, enquanto o ex-presidente encontra-se solto.

“Vossa Excelência [Cármen Lúcia] optou por priorizar o julgamento de habeas corpuspreventivo, impetrado em favor de paciente que não se encontra preso, em manifesto detrimento do julgamento do presente writ [pedido], o qual, repita-se pela centésima vez, aponta ilegalidade de prisão preventiva que se alonga por nada menos do que um ano e meio” escreveram os advogados de Palocci no pedido.

Palocci foi condenado em junho do ano passado a 12 anos e dois meses de prisão, inicialmente em regime fechado, por corrupção passiva e lavagem de dinheiro, pelo juiz Sérgio Moro, da 13ª Vara Federal de Curitiba. Diferentemente de Lula, o ex-ministro ainda não teve recurso julgado no Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF4), segunda instância da Justiça Federal.

O ex-ministro da Fazenda já teve diversos pedidos de liberdade negados em sucessivas instâncias. Em maio, o relator da Lava Jato no STF, ministro Edson Fachin, rejeitouindividualmente o habeas corpus de Palocci e enviou o caso ao plenário para resolução de uma questão processual sobre o caso. Até o momento, entretanto, o processo não chegou a ser incluído na pauta de julgamentos.

Ontem (22), o plenário do STF concedeu a Lula um salvo-conduto até que seu habeas corpuspreventivo, com o qual pretende evitar sua prisão após condenação no TRF4, seja julgado no mesmo 4 de abril em que Palocci pediu a apreciação de seu caso.

(Agência Brasil)

Temer anuncia apoio à queda do veto ao Refis das micro e pequenas empresas

207 1

O presidente Michel Temer disse hoje (23) que o governo concluiu os estudos sobre o Programa Especial de Regularização Tributária das Microempresas e Empresas de Pequeno Porte, o chamado Refis das micro e pequenas empresas, e que o governo pode “patrocinar a queda do veto” ao texto aprovado pelo Congresso Nacional.

O veto que foi dado pelo presidente Temer será agora analisado pelo Congresso Nacional. De acordo com Temer, o governo apoiará a queda do próprio veto.

“Como houve problema de natureza legislativa, fomos obrigados a vetar esse projeto, mas imediatamente mandamos fazer estudos com vistas a fazer com que o veto fosse derrubado e o [Henrique] Meirelles [ministro da Fazenda] fez todo o esforço”, justificou nesta sexta-feira Temer.

Segundo o presidente, o governo concluiu recentemente o estudo. “Aqui é o primeiro anúncio, eu e Meirelles podemos, a essa altura, patrocinar a queda do veto para que a micro e pequena empresa tenha a possibilidade de refinanciar os seus débitos”, disse.

O projeto aprovado pelo Congresso concede descontos de juros, multas e encargos com o objetivo de facilitar e parcelar o pagamento dos débitos de micro e pequenas empresas, desde que 5% do valor total seja pago em espécie, sem desconto, em até cinco parcelas mensais. O restante da dívida poderia ser pago em até 15 anos. A adesão incluía débitos vencidos até novembro de 2017.

Em janeiro, o presidente Michel Temer vetou integralmente o projeto com a justificativa de que a medida fere a Lei de Responsabilidade Fiscal ao não prever a origem dos recursos que cobririam os descontos aplicados a multas e juros com o parcelamento das dívidas.

O veto foi criticado principalmente pelas organizações que representam esses empresários. Segundo o Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae), o Refis deve beneficiar cerca de 600 mil empresas brasileiras que devem cerca de R$ 20 bilhões à União.

(Agência Brasil)

Trabalhadores da antiga Sameac brigam pelo pagamento dos salários

Uma novela que dura mais de dois anos prossegue no âmbito judicial.

É a luta dos trabalhadores do Hospital Universitário Walter Cantídio e da Maternidade-Escola Assis Chateubriand, que haviam sido demitidos quando da chegada da Empresa Brasileira de Serviços Hospitalares (Ebserh) como gestora desses equipamentos ligados à Universidade Federal do Ceará.

O grupo, com muitos com 30 anos de serviços, tenta agora receber seus salários, como informa Rosângela Saldanha, da comissão representativa dos trabalhadores. De posse de vários documentos judiciais garantindo vitória em várias etapas dessa peleja, Rosângela expõe para o Blog toda a situação.

MEC libera resultado do P-Fies na próxima segunda-feira

O Ministério da Educação (MEC) adiou o anúncio da lista de pré-selecionados na modalidade P-Fies, do Fundo de Financiamento Estudantil (Fies) para a próxima segunda-feira, (26). Serão oferecidas 75 mil vagas, nos primeiros seis meses de 2018 aos candidatos com renda mensal de até cinco salários mínimos por pessoa da família. Nesta versão, o agente financeiro do empréstimo será um banco privado.

O P-Fies é destinado à concessão de financiamento a estudantes em cursos superiores não gratuitos, com avaliação positiva nos processos conduzidos pelo MEC. As condições para concessão de financiamento ao estudante serão definidas entre o agente financeiro operador do crédito (banco), a instituição de ensino superior e o estudante.

Segundo as regras gerais do Fies, o valor mínimo a ser financiado é R$ 50 por mês. O percentual de financiamento dos encargos educacionais será definido de acordo com o comprometimento da renda familiar mensal bruta per capita e do valor da mensalidade.

(Agência Brasil)

O brasileiro tem as togas que merece?

237 1

Com o título “Parecia discussão de bar, com todo respeito aos bares”, eis artigo do jornalista Guálter George, editor de Política do O POVO. Confira o que ele achou da troca de farpas entre os ministros Gilmar Mendes e Luis Roberto Barroso, no STF:

Este Supremo Tribunal Federal (STF) de hoje, de maneira definitiva, não é aquele que precisaríamos ter para a travessia de momento nacional tão dramático. As caras de surpresa dos jovens estudantes de Direito sentados nas cadeiras logo atrás do ministro Luís Roberto Barroso enquanto ele, voz e feições alteradas, se insurgia contra Gilmar Mendes, colega de Corte, na sessão da última quarta-feira, chamando-o, dentre outras coisas, de “pessoa horrível”, “mistura do mal com o atraso e pitadas de psicopatia”, “desonra para o Tribunal”, meio que simbolizam o espanto que é de todos os cidadãos brasileiros diante dos espetáculos recorrentes de desequilíbrio que ultimamente partem daquele espaço, que deveria ser de permanente respeito entre pares.

De outra parte, para deixar mais claro o tamanho do problema ali instalado, tivemos o atacado Gilmar também atacando, vinculando o colega a “manobras” para conduzir votações de acordo com o próprio interesse, recomendando, ironicamente, que ele fechasse “‘o escritório de advocacia” etc. Coisa de dois bêbados numa mesa de bar, com todo respeito aos que bebem e aos que frequentam tais lugares. É impossível se fazer justiça em meio a um ambiente de tanta falta de educação, incivilidade e ausência de companheirismo, no melhor sentido do termo. Aceitando-se como verdade tudo que um diz do outro, como dar àquele colegiado a condição qualificada de última palavra no debate jurídico nacional? O Judiciário é, por sua natureza, o poder mais fechado entre os que fazem o equilíbrio institucional do Estado. Este aspecto, que até costuma parecer antipático em tempos de democracia, ao mesmo tempo lhe garante a condição teórica, confrontados Legislativo e Executivo, de único em condições reais de manter uma distância necessária do humor das ruas quando chamado para tomar decisões de grande impacto para o interesse da coletividade.

A discussão de baixíssimo nível da tarde da última quarta entre os dois ministros é uma denúncia da tragédia de momento que experimentamos. Quando membros do mais alto escalão da Justiça nacional engalfinham-se verbalmente daquela forma rasteira, rude, até, um colocando a capacidade e a honra do outro em xeque, o que acaba exposto é o descompromisso de ambos com a preservação de uma Casa que quanto mais fragilizada menos servirá ao interesse da sociedade, que a mantém na perspectiva de tê-la apta a oferecer sempre as melhores respostas. Não é aquilo que vimos acontecer, nas palavras dos próprios envolvidos durante a inacreditável refrega daquele dia triste.

A má qualidade da vida pública é um problema cuja complexidade não será enfrentada mantendo-se o foco apenas na representação política, por mais que ela efetivamente mereça sempre atenção especial. Há muito mais a ser consertado e os ministros do STF apresentam, com o mau comportamento, um lado do problema que não tem a ver com a decantada característica do eleitor nacional de nem sempre fazer as escolhas adequadas quando chamado ao voto. O infeliz episódio da vez pode ser transformado em mais uma chance de discutirmos as mudanças que o processo exige, abrindo-se espaço real à meritocracia, especialmente quando se trata de compor a nossa Corte de Justiça mais importante. Gilmar Mendes e Luís Roberto Barroso, pelo exemplo, mostram muito pouco compromisso com o STF, o Judiciário e o País.

*Guálter George

gualter@opovo.com.br

Editor de Política.

Prazo para entrega da Rais termina nesta sexta-feira

O prazo para a entrega da declaração da Relação Anual de Informações Sociais (Rais) de 2017 termina hoje (23). Ele começou no dia 23 de janeiro deste ano. A entrega da Rais é obrigatória para todas as empresas com Cadastro Nacional de Pessoa Jurídica (CNPJ) ativo na Receita Federal em qualquer período do ano passado, com ou sem empregado, além de todos os estabelecimentos com Cadastro Específico do INSS (CEI) que tenham funcionários.

Já os microempreendedores individuais (MEI) só precisam fazer a declaração se tiverem empregado. Caso contrário, a declaração é facultativa.

Segundo dados do Ministério do Trabalho, divulgados na última terça-feira (20), 6 milhões de estabelecimentos enviaram a declaração relativa a quase 38,2 milhões de vínculos. Isso corresponde a cerca de 75% do total estimado.

As empresas que perderem o prazo estão sujeitas a uma multa. Os valores vão de R$ 425,64 a R$ 42.641, dependendo do tempo e do número de funcionários registrados.

Já o trabalhador que não constar da Rais não conseguirá receber o Abono Salarial ou o Seguro-Desemprego, e poderá ser prejudicado na contagem de tempo para a aposentadoria e outros direitos trabalhistas.

Em 2016, o Ministério do Trabalho recebeu informações de 8,5 milhões de estabelecimentos envolvendo 67,2 milhões de vínculos.

Segundo o ministério, a declaração é importante para o governo ter informações sobre a atividade econômica do país e o ministério planejar e adotar políticas públicas apropriadas.

(Agência Brasil)

Confiança do Consumidor avança 4,6 pontos de fevereiro para março, diz FGV

O Índice de Confiança do Consumidor, medido pela Fundação Getulio Vargas (FGV), avançou 4,6 pontos de fevereiro para março deste ano e chegou a 92 pontos, em uma escala de zero a 200 pontos. Em relação a março de 2017, o índice avançou 8,1 pontos.

Na passagem de fevereiro para março melhoraram tanto as avaliações sobre a situação atual quanto as expectativas em relação aos próximos meses. O Índice de Situação Atual cresceu 3,4 pontos e atingiu 78,6 pontos, mas ainda se mantém na zona de pessimismo.

O Índice de Expectativas avançou para a zona de otimismo ao subir 5 pontos, de 96,5 para 101,5 pontos, o maior nível desde dezembro de 2013 (103,6).

Em relação à situação econômica geral, o indicador que mede o grau de satisfação com a economia no momento avançou 1,7 ponto, para 84,4 pontos. Já o indicador das perspectivas para a situação econômica nos seis meses seguintes avançou 3,9 pontos, para 118 pontos, o maior nível da série histórica.

Segundo a FGV, a recuperação gradual da situação atual contribui para que os consumidores se sintam mais confiantes para novas compras. “A sustentação dessa melhora na intenção de compras dependerá, contudo, da não ocorrência de choques negativos no âmbito político ou econômico nos próximos meses”, afirma Viviane Seda Bittencourt, coordenadora da Sondagem do Consumidor.

(Agência Brasil)

TSE – Vereador que mudar de partido pode perder o mandato

As regras da janela partidária dos deputados — período em que eles podem trocar de partido sem perder o mandato, em ano eleitoral — não se estendem a vereadores, definiu o Plenário do Tribunal Superior Eleitoral na nesta semana. Segundo a corte, a janela dos vereadores obedece ao período de seus próprios mandatos, sem coincidir com a legislatura dos parlamentares federais.

A legislação fala de “término de mandato” como justa causa para o deputado deixar o partido, mas um grupo de vereadores queria sair na janela dos parlamentares, agora em março. Ao responder a uma consulta sobre o tema, o TSE declarou que a saída da agremiação sem risco de perder mandato só poderá ocorrer no último ano do mandato, ou seja, em 2020.

O ministro Admar ressaltou que a fidelidade partidária deve ser a regra, e que o parlamentar deve exercer o mandato até o fim para honrar o voto do eleitor que o elegeu e prestigiar a agremiação que deu suporte à candidatura.

Nas palavras dele, o TSE, ao permitir aos vereadores o uso da regra para deixar o partidos agora, estaria fazendo um “puxadinho” na legislação. A decisão foi unânime.

(TSE)

PF cumpre mandados de prisão por fraudes na Casa da Moeda

Policiais federais e a Corregedoria-Geral do Ministério da Fazenda fazem hoje (23) uma operação para investigar fraude em licitação na Casa da Moeda do Brasil, no Rio de Janeiro.

Estão sendo cumpridos seis mandados de busca e apreensão no Rio, São Paulo, São José dos Campos (SP), Itajubá (MG) e Brazópolis (MG).

Segundo a Polícia Federal, há suspeita de que uma empresa privada tenha sido beneficiada por uma licitação destinada à aquisição de equipamentos utilizados na fabricação de dinheiro. Os equipamentos custaram à Casa da Moeda R$ 300 milhões.

A PF acredita que tenha havido pagamento de vantagens indevidas a servidores públicos para que a empresa tivesse sucesso na licitação, ocorrida em 2009.

Essa é a segunda fase da Operação Vícios, cuja primeira fase ocorreu em julho de 2015. Na ocasião, 23 mandados de busca e apreensão foram cumpridos no Rio, São Paulo e Brasília, inclusive em dependências da Receita Federal e da Casa da Moeda.

(Agência Brasil)

Lava Jato entra em sua 50ª fase

Tudo começou com a delação de Sérgio Machado.

A Polícia Federal (PF) desencadeou, nesta manhã de sexta-feira (23), a 50ª fase da Operação Lava Jato, batizada de Operação Sothis II. Três mandados de busca e apreensão, informa o Portal G1.

As ordens judiciais são cumpridas em Salvador, na Bahia, e em Campinas e em Paulínia, no interior de São Paulo e, de acordo com a PF, são um complemento às investigações da 47ª fase da Lava Jato.

A 47ª fase apura o pagamento de propina a agentes públicos e atos de lavagem subsequentes em contratos da Transpetro. A Transpetro é uma subsidiária da Petrobras.

O G1 apurou que o alvo de busca e apreensão em Salvador é Ana Zilma Fonseca de Jesus – esposa do ex-gerente da Transpetro, José Antônio de Jesus, preso na 47ª fase.

Segundo o Ministério Público Federal (MPF), um dos focos da investigação é a empresa do ramo de engenharia Meta Manutenção e Instalações Industriais Ltda, suspeita de pagar R$ 2.325.000,00 em propina para o ex-gerente da Transpetro.

DETALHE – As investigações começaram a partir da delação do ex-presidente da Transpetro, o cearense Sérgio Machado.