Blog do Eliomar

Categorias para Brasil

Farmácia Popular oferecerá gratuitamente remédios contra diabetes e hipertensão

76 2

“O programa Aqui Tem Farmácia Popular vai oferecer medicamentos contra hipertensão e diabetes de graça. Atualmente, o governo paga 90% do valor desses medicamentos e o cidadão tinha de arcar com o restante. Com a medida anunciada nesta quinta-feira, 3, pelo governo, os remédios passam a ser distribuídos gratuitamente.

As 15 mil farmácias e drogarias privadas conveniadas ao programa têm até o dia 14 de fevereiro para se adaptar à medida. Qualquer brasileiro pode ter acesso aos medicamentos desde que apresente um documento com foto, o CPF e a receita médica.

Segundo o Ministério da Saúde, cerca de 900 mil hipertensos e diabéticos devem ser beneficiados com a medida. O ministro da Saúde, Alexandre Padilha, disse que a oferta gratuita desses remédios só foi possível graças a um acordo negociado entre o governo e o setor farmacêutico.

O programa oferece ainda remédios subsidiados para mais cinco doenças: asma, rinite, Mal de Parkinson, osteoporose e glaucoma, além de fraldas geriátricas. No total, são 24 tipos de medicamentos. ”

(Agência Brasil) 

Bancos estimam crescimento de 4,6% do PIB

“O crescimento do Produto Interno Bruto no ano de 2011 deve ficar em 4,6%, segundo dados de fevereiro divulgados nesta quinta-feira pela Federação Brasileira de Bancos (Febraban). O número é 0,1% superior do que o previsto em dezembro do ano de 2010.

Na pesquisa foram ouvidos 33 consultores entre os dias 27 de janeiro a 1º de fevereiro. Segundo a expectativa deles, a inflação pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) deve ficar em 5,5% no ano, 0,3% maior do que o estimado em dezembro. “Temos um cenário de crescimento, de pressão inflacionária, de melhora comercial”, disse Rubens Sardenberg, economista-chefe da Febraban.

A taxa Selic deve fechar o ano no patamar de 12,25% ao ano, 1 ponto superior a taxa atual e igual ao previsto em dezembro. Em 2012, a taxa básica de juro, segundo os bancos, terá queda e ficará em 11% ao ano.

O patamar esperado para o dólar ficou estável ante a pesquisa de dezembro, em R$ 1,75 para o final deste ano e R$ 1,80 para o final de 2012. As reservas cambiais também tiveram alta em sua expectativa, passando para US$ 308,5 bilhões. “O Banco Central vai continuar sua política de segurar o real, comprando dólares”.

Os números da Febraban para o crédito neste ano são, segundo Sardenberg, mais otimistas que os do Banco central. As operações totais terão, para a instituição, crescimento de 18% em 2011, 0,2% maior que o previsto em dezembro. Para as pessoas físicas, o crescimento do crédito deve ficar 17%, 0,3% maior que o de dezembro, e especificamente para compra de veículo de 17%, 0,1% maior que o previsto em dezembro.

“Não tivemos um impacto muito grande das expectativas. Estamos positivos na expansão do crédito”. O patamar esperado para taxa de inadimplência do final do ano teve uma queda de 0,1 ponto ante dezembro, indo para 4,5%.

A balança comercial tem expectativa de saldo US$ 9,3 bilhões no fim do ano, ante US$ 7,8 bilhões que constavam no relatório de dezembro. “É uma resposta ao cenário externo mais favorável. Isso será derivado, principalmente, do aumento das exportações”, disse Sardenberg, citando a valorização das matérias primas que o País exporta.

Ainda nas expectativas dos bancos estavam o aumento de 5,1% da produção industrial, alta de 5,9% do Índice Geral de Preços (IGP), crescimento do PIB americano em 2,9% e o risco Brasil em 181,3 pontos.”

(Portal Terra)

Mudanças Confiança contrata executivo para expandir negócios

339 3

Jarbas Studart e o diretor Luis Carlos Correa.

O grupo Mudanças Confiança, o mairo do setor de mudanças e transportes do Brasil e que tem matriz em Fortaleza, acaba de contratar novo executivo. Trata-se de Jarbas Studart, que, até bem pouco tempo, era superintendente da Unimed Fortaleza.

Studart, que já passou pela Xerox do Brasil e Telemar, segundo o diretor Luis Carlos Coelho, é “sangue novo” chegando ao grupo, que iniciou suas atividades em 19665 sob o comando do ex-deputado federal falecido Otacílio Correa.

Hoje Mudanças Confiança conta com escritório em todas as Capitais do País. Jarbas Studart chega para responder pela diretoria de Relacionamento e Novos Negócios. A meta é expansão não somente da rede, mas atingir novos nichos de mercado.

(Foto – Paulo MOska)

Punição para militares da ditadura

241 7

Com o título “Los hermanos argentinos”, eis artigo do jornalista Messias Pontes faz uma pregação para que no Brasil haja também punição de militares e abertura de documentos da época da ditadura. Confira:

O imperialismo, em especial o norte-americano, é intrinsecamente mau. Historicamente vive a pregar a cizânia em todo o mundo, se alimentando dos conflitos e fomentando a guerra onde pode e acha conveniente aos seus interesses. Quem manda nos Estados é a indústria bélica. Por isso quando não podem invadir um país, corrompem lideranças políticas, militares e judiciárias.

O exemplo mais recente foi o golpe de Estado em Honduras com a conivência do judiciário e de setores do legislativo daquele país centro-americano, quando os militares golpistas seqüestraram o presidente Manuel Zelaya na madrugada de 28 de junho de 2009 e o deportaram ainda de pijama. Tudo maquinado por Washington. Os colonistas e demais jornalistas amestrados defenderam o golpe e condenaram a corajosa posição assumida pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva que condenou e denunciou o golpe, e não reconheceu o novo governo eleito num processo fraudulento.

De há muito o imperialismo prega a competição entre nós e nossos hermanos argentinos e tenta nos levar a acreditar que o nosso vizinho é o pior dos inimigos, e que é no “irmão” do Norte que devemos buscar apoio para enfraquecer nosso vizinho.

Esse quadro começou a mudar com a chegada do ex-metalúrgico Luiz Inácio Lula da Silva à Presidência da República em 1º de janeiro de 2003. Forjado na luta sindical, Lula sabia muito bem quem eram seus amigos e os adversários e inimigos. Com essa percepção, tratou de fortalecer os laços com os países sul-americanos, notadamente com los hermanos argentinos. A única rivalidade admitida é no campo dos esportes, principalmente no futebol. Aí é “gostoso” ganhar dos nossos vizinhos.

Para felicidade nossa e de nossos vizinhos, a ex-ministra Dilma Rousseff derrotou o candidato da direita, o tucano José Serra, que já havia se comprometido com o imperialismo a detonar o MERCOSUL, voltando a se alinhar automaticamente ao Estados Unidos como fizeram os militares golpistas e principalmente o Coisa Ruim (FHC) nos seus desgovernos. A submissão era tamanha que ele nada fazia sem antes consultar o presidente Bill Clinton, e assistiu calado ao seu ministro das Relações Exteriores, Celso Lafer, tirar os sapatos em diversos aeroportos estadunidenses.
Em sua primeira viagem internacional, a presidenta Dilma Rousseff fez questão de priorizar a Argentina, também governada por uma valorosa mulher – Cristina Kirchner. Nossa Presidenta poderia ter ido primeiro a Washington, até porque recebeu convite do presidente Barack Obama.

Mas preferiu seguir a correta política de integração regional do ex-presidente Lula.
E para satisfação dos democratas dos dois países, Dilma fez questão de se encontrar com as mães e avós da Plaza de Mayo, cujos filhos e netos foram assassinados ou desapareceram durante a sangrenta ditadura militar naquele país. Com isso, ela explicitou o seu desejo de aprofundar o debate em torno das violações aos direitos humanos durante a ditadura militar.

É oportuno lembrar que os argentinos fizeram o seu dever de casa no tocante à apuração e punição dos violadores dos direitos humanos. O ex-ditador, general Jorge Videla, responsável pela prisão ilegal, tortura e morte de milhares de resistentes à feroz ditadura, foi condenado à prisão perpétua. Outros militares e civis acusados de violação aos direitos humanos, igualmente foram punidos.

No encontro com as avós e mães da Plaza de Mayo, Dilma Rousseff ouviu pedidos para que o Brasil também punisse os criminosos fardados ou não que cometeram monstruosos crimes, inclusive desaparecendo com os corpos das vítimas e escondendo os documentos oficiais do período. Ainda hoje 144 famílias esperam receber o corpo de seus ente queridos para dar-lhes uma sepultura digna. Aliás, o Brasil já foi punido pela Corte Interamericana de Direitos Humanos por não ter punido os torturadores e assassinos fardados.

Os democratas brasileiros esperam que a presidenta Dilma obrigue os militares a entregarem os documentos pertencentes ao Estado e digam onde enterraram os corpos daqueles que foram mortos sobre tortura. Ela deve tudo fazer para que a Comissão da Verdade seja instalada. Para tanto conta com o apoio da esmagadora maioria dos brasileiros e até mesmo de considerável número de jovens oficiais do Exército aglutinados no grupo denominado Capitanismo.

Outras viagens da presidenta Dilma serão realizadas ao país vizinho e na agenda bilateral está a maior integração, principalmente do setor automotivo e da cadeia do petróleo, além da sempre oportuna defesa dos direitos humanos. Há ainda um possível acordo para vendas conjuntas em terceiros mercados. Essa amizade com los hermanos argentinos deve não só ser mantida, mas principalmente fortalecida.

Messias Pontes,

Jornalista e ex-preso político.

Governo quer cortar recursos do PAC 2 obras sem comprometer discurso oficial

70 1

“O governo trabalha numa fórmula que lhe permita reduzir os investimentos na segunda fase do PAC 2 sem que isso comprometa o discurso de Dilma Rousseff – em mais de uma ocasião, a presidente afirmou taxativamente que os recursos do programa escapariam do contingenciamento orçamentário a ser anunciado neste mês pela equipe econômica.

Uma das manobras em estudo no Planalto é o atraso deliberado no cronograma de obras pontuais. Com isso, o governo faria caixa durante alguns meses, contribuindo para o esforço fiscal necessário ao cumprimento da meta de superavit primário de 3,1% do PIB.”

 (Folha Online)

Dilma quer baixar o preço dos remédios para diabetes e hipertensão

64 1

“Governo e representantes da indústria farmacêutica se reúnem hoje para discutir como baixar o preço dos remédios para hipertensão e diabetes dados à população nas farmácias populares. Dilma Rousseff vai comandar a reunião.

O governo quer descontos de mais de 50% nos preços. Argumenta que o preço menor será compensado pelo aumento no volume. A indústria vai ouvir, mas reagirá reclamando dos impostos sobre o setor.”

(Veja Online)

Biografia de parlamentares tem até "piadas fantárdigas"

74 1

“A biografia oficial dos novos deputados federais, disponível no site da Câmara, ganhou itens pouco comuns no cadastro parlamentar. O perfil do deputado Tiririca (PR-SP) cita como única obra publicada pelo palhaço o livro “As piadas fantárdigas do Tiririca” — com a ressalva de que o parlamentar foi co-autor da obra. O jogador de futebol e deputado federal Danrlei (PTB-RS) também destacou seu único livro publicado até o momento: “Danrlei: uma lenda gremista”.

Outro deputado famoso, Romário (PSB-RJ) inovou no campo “condecorações”. As comendas e títulos de cidadão honorário, comuns no perfil de parlamentares mais experientes, deram lugar aos títulos obtidos pelo baixinho em 1994: “tetra campeão do mundo de futebol” e “melhor jogador do mundo”. Todas essas informações são repassadas por assessores dos parlamentares a partir de um formulário padrão elaborado pela Câmara.

Os deputados mais novos e com menor experiência política foram os mais sucintos no preenchimento dos dados biográficos. Com 21 anos, idade mínima exigida para assumir o mandato, o deputado federal Hugo Motta (PMDB-PB) destacou, além da filiação partidária, apenas sua formação acadêmica: “medicina (incompleto)”.

Outro jovem deputado, o filho do senador Renan Calheiros (PMDB-AL), Renan Filho (PMDB-AL), lembra não só sua atuação política à frente da Prefeitura de Murici como também os anos de estudo na UnB (Universidade de Brasília). No campo “atividades sindicais, representativas de classe e associativas.”

(Folha.com)

Dilma quer executivo do Banco Safra comandando a Infraero

97 1

“O governo federal já decidiu quem deseja colocar no comando da Infraero: o presidente do Banco Safra, Rossano Maranhão. Dilma Rousseff quer anunciar o futuro titular da empresa em março e sacramentar a criação da Secretaria de Aviação Civil, órgão com status de ministério que subordinará não só a Infraero como também a Anac (Agência Nacional de Aviação Civil).

Ex-presidente do Banco do Brasil em parte do governo anterior, Maranhão já recusou, no passado, um convite de Lula para comandar a estatal que administra o setor aeroportuário.

Em 2007, na crise aérea, ele havia sido chamado pelo ministro da Defesa, Nelson Jobim, mas recusou a oferta.

A assessoria de Dilma já fez um diagnóstico dos problemas do setor. Avalia que quase a metade dos aeroportos brasileiros precisa de grandes reformas. Além de reestruturar completamente a companhia, ela ordenou uma troca de quase toda a diretoria da empresa.

Segundo a Folha apurou, a presidente também já sabe quem será o futuro ministro da Aviação Civil. Só não os nomeou ainda porque ambos estariam se desvencilhando de assuntos particulares e profissionais para ingressar nas novas funções.

A ideia é fazer um anúncio conjunto desses dois nomes. Dilma quer reestruturar completamente a companhia. Na campanha eleitoral, prometeu diversas vezes abrir o capital da Infraero.

Sua principal preocupação é preparar os aeroportos do país para a Copa do Mundo de 2014 e a Olimpíada de 2016, no Rio de Janeiro.”

(Folha Online)

DETALHE- Por aqui, quem comanda a Infraero é o petista Welington Santos. Com a meta de tocar o projeto de ampliação do Aeroporto Internacional Pinto Martins de olho na Copa 2014.

Envolvidos em escândalos são favoritos para a CCJ

“Apontadas como as mais importantes da Câmara e do Senado, as Comissões de Constituição e Justiça (CCJs) de ambas as Casas podem ser comandadas por parlamentares cujos nomes foram citados em escândalos recentes de corrupção.

Para a CCJ da Câmara, o PT ainda não bateu o martelo, mas o mais cotado é o deputado João Paulo Cunha (SP). Ele é um dos réus do esquema do mensalão por corrupção passiva, peculato e lavagem de dinheiro, no processo que está em análise no Supremo Tribunal Federal (STF).

No Senado, o PMDB escolheu Eunício Oliveira (CE), que teve seu nome e o de uma de suas empresas citados no inquérito da Operação Caixa de Pandora, da Polícia Federal.

A PF suspeita que uma empresa do senador teria se beneficiado do esquema que desviou dinheiro público e distribuiu propinas no Distrito Federal, no escândalo do mensalão do DEM.”

(Estadão)

Caso Panamericano – Servidores do Estado do Ceará em clima de apreensão

102 1

“A falência e a venda do Banco Panamericano, que pertencia ao empresário e dono do SBT, Sílvio Santos, mexeram com a vida de quase 20 mil servidores do Estado, que pagam seguro de vida em grupo nesse banco desde o Governo Virgílio Távora.

Eles temem que se repita o caso do Banco Santos. Quebrado, deixou servidores da Prefeitura de Fortaleza na mão, depois de operações mal sucedidas realizadas por gestores do Instituto de Previdência do Município (Era Juraci Magalhães).

O que se sabe a respeito desse episódio é que o IPM conseguiu – dos R$ 30 milhões que ficaram retidos, recuperar cerca de R$ 15 milhões. A metade, portanto.”

(Coluna Vertical, do O POVO)

Líder do Governo diz que recriação da CPMF só dentro de um pacote de reformas

“O líder do governo no Senado, Romero Jucá (PMDB-RR), afirmou que uma possível recriação da CPMF só será discutida no âmbito de uma reforma tributária mais ampla. Ele disse que não há possibilidade de aprovação do tributo de forma isolada.

“A CPMF só vai ser discutida no âmbito da reforma tributária. Ela não será discutida isoladamente”, afirmou Jucá. Ele disse não haver espaço para a recriação do chamado imposto do cheque porque “o governo não quer aumentar a carga tributária”.

Mesmo descartando a possibilidade da recriação isolada do tributo, Jucá destacou que considera a CPMF um “bom tributo”.

“Eu acho que é um bom imposto. Tem racionalidade, amplia a base de tributação e evita planejamento tributário. A única questão é que não se pode fazer isso isoladamente porque há um clamor por uma reforma tributária mais ampla”.

(Com Agências)

Carnaval 2011 – "Galo da Madrugada" terá camarote gay

“Pela primeira vez para o desfile do Galo da Madrugada haverá um camarote de grande porte direcionado ao público LGBT.

Será o ‘Metrópole Secrets’, que chega para confirmar o conceito de exclusividade e alegria que a marca do Clube Metrópole levará para a folia do Galo, em um ambiente confortável e repleto de surpresas. A começar pelo serviço All Inclusive e buffet com um wellcome coffe (café da manhã) e petiscos ao longo da festa. 

O espaço também ganhou conceito de marca e produção executiva da agência pernambucana Dot Assessoria & Promoção, que está à frente da produção do ‘Metrópole Secrets’, auxiliando a promoter Maria do Céu, organizadora do camarote, que promete muita criatividade para o espaço que receberá 700 pessoas.

A localização do camarote ainda é secreta e só será divulgada nos próximos dias, quando for anunciada o início da venda e valores dos convites do espaço. “Onde todos irão revelar os seus mais secretos segredos e fantasias no Carnaval 2011″.

O público que irá para a festa do Galo para participar do ‘Metrópole Secrets’ encontrará um ambiente climatizado, cenografia especial para dar todo charme, e exclusividade com decoração temática inspirada em um Carnaval clean remetendo ao conforto das cores branca e tons de lilás. 

No camarote o público encontrará um lounge club, bares, banheiros exclusivos, segurança, além de um área de relax e beleza, com serviços de massoterapia, estúdio de cabelo e maquiagem e moda de customização de camisetas.

Na programação, os foliões contarão ainda com shows de bandas locais e a animação de setlists de DJs que agitarão  o ‘Metrópole Secrets’ nos intervalos dos trios com os melhores sucessos do funk, axé, pagode e da house internacional.

Ainda animando o camarote haverá a presença de Gogo Dancers que farão performances sensuais nos queijos (mini plataformas) remetendo o clima da noite de uma boate.”

(JC Online)

Dilma visita o Congresso e lê mensagem em clima cordial

“O comparecimento da presidenta Dilma Rousseff ao Congresso Nacional para apresentar a mensagem presidencial pela abertura dos trabalhos legislativos deste ano foi marcada pelo clima de boa vontade entre o governo e a oposição.

Ao chegar ao Congresso Nacional, Dilma cumprimentou parlamentares aliados e oposicionistas. E no plenário, ao entrar acompanhada dos presidentes do Senado, José Sarney (PMDB-AP), e da Câmara, Marco Maia (PT-RS), e de líderes partidários, ela foi aplaudida de pé pelos congressistas que lotaram o local.

No percurso da presidenta até a mesa, deputados e senadores se amontoaram para saudá-la, recepcionando o governo que se inicia. Dilma por sua vez, voltou a prometer diálogo com o Congresso e trabalho conjunto, em seu discurso.

Do lado de fora do plenário, centenas de pessoas aguardavam a saída da presidenta da República, que foi até perto dos populares, estendeu as mãos e cumprimentou algumas pessoas.

A recepção calorosa também foi oferecida pelos deputados e senadores de oposição, que evitaram críticas contundentes e prometeram um voto de confiança nos primeiros meses do novo governo.

“O governo pode ter certeza de que irá encontrar uma postura aberta ao diálogo de nossa parte”, disse o líder do Democratas da Câmara, deputado Antônio Carlos Magalhães Neto (DEM-BA) ao fim da cerimônia.

Uma pequena manifestação, com faixas pela libertação de Cesare Battisti, ativista italiano preso no Brasil, foi instalada no caminho que a presidenta percorreu para deixar o Congresso. Os manifestantes pediam a libertação do italiano e caminhavam em direção a Dilma e ao presidente do Supremo Tribunal Federal, Cesar Peluso.

A presidenta da República saiu do Congresso Nacional sob aplausos. Ela estava acompanhada dos presidentes do Senado, José Sarney, da Câmara, Marco Maia, e de parlamentares.”

(Agência Brasil)

Reforma Política – Presidente da Câmara defende um menu fatiado

“Em sua primeira entrevista coletiva após ser eleito presidente da Câmara dos Deputados, Marco Maia (PT-RS) afirmou, nesta terça-feira (2), que uma reforma política em pedaços tem maior chance de êxito no Congresso do que uma proposta mais completa, com brechas para impasses. Ele também defendeu a continuidade das emendas parlamentares e a implementação de uma política salarial para os colegas.

“Não gosto de fazer promessas. As pequenas mudanças que vamos produzindo na legislação contribuem para mudar a cultura e a estrutura política do Brasil”, disse o petista, ao lado de sua 1ª vice-presidente, Rose de Freitas (PMDB-ES). “Vamos fazer um amplo debate e ver o que conseguimos aprovar por consenso. Vamos produzir em 2011 mudanças significativas na estrutura política brasileira”, afirmou.

Maia afirmou que, apesar de o tema também estar em debate no Senado e de ser “um grande desejo da sociedade brasileira”, os deputados não vão “responder a todos os temas, pela complexidade do que é uma reforma política”. “Vamos fazer um amplo debate sobre o assunto e avançar no que for possível”, disse ele, que considerou o tema “uma das maiores contribuições que esta legislatura pode dar ao Brasil”.

É consenso entre os principais líderes partidários que se não houver mudanças na estrutura política neste ano o governo da presidente Dilma Rousseff pode terminar sem tê-las, já que em 2012 o Congresso atua de olho nas eleições municipais. Muitos parlamentares temem que uma reforma possa reduzir suas chances de vencer eleições.

Em outro tema sensível para os colegas, o das emendas parlamentares, Maia afirmou que se trata de um “instrumento eficaz” para fazer recursos chegarem a regiões isoladas. O Palácio do Planalto já demonstrou que pretende deixar de lado muitas dessas propostas, em um ano no qual pretende fazer um ajuste fiscal que pode chegar a R$ 60 bilhões. “As emendas apresentam uma condição mais democrática de aplicação de recursos públicos”, disse Maia, retomando uma de suas bandeiras de campanha.

Salários

Maia disse que os deputados “resolveram um problema” no ano passado ao equipararem seus salários aos recebidos por ministros do STF (Supremo Tribunal Federal), alcançando R$ 26,7 mil. O objetivo neste ano, disse ele, é “dar arcabouço legal a isso, o que não podíamos fazer no ano passado”. Por meio de uma PEC (Proposta de Emenda Constitucional), ele quer que os aumentos de salários sejam automáticos, sem votação.

Sobre o salário mínimo, o petista evitou o confronto com os colegas e com o Palácio do Planalto. Deputados ligados ao sindicalismo e outros insatisfeitos com Dilma desejam que o número chegue a R$ 580, enquanto a presidente defende, no máximo, R$ 545, sob a justificativa de manter as contas públicas em equilíbrio.

“Todos nós gostaríamos que o salário mínimo continue crescendo e sendo instrumento de distribuição de renda. Foi uma política responsável para que o Brasil entrasse e saísse diferente da crise econômica”, disse Maia, ex-torneiro mecânico e ex-sindicalista em Canoas, na região metropolitana de Porto Alegre. O Parlamento quer ver essa política continuando. Agora também queremos que as contas públicas também estejam equilibradas. Isso também é a garantia de que sigamos crescendo.”

O presidente da Câmara, que assumiu o cargo pela primeira vez em dezembro após Michel Temer renunciar para assumir a Vice-Presidência da República, afirmou que o Parlamento não vai acelerar a discussão sobre o salário mínimo nem sobre a PEC 300, que estipula um piso nacional para os policias – embora tenha determinado “funcionamento imediato” para uma comissão especial que cuida do assunto de segurança.”

(Portal Uol)

Queixa contra a Brastemp mostra força das redes sociais

103 2

[youtube]http://www.youtube.com/watch?v=riOvEe0wqUQ[/youtube] 

“O site You Tube e as redes sociais – como o Facebook, Twitter e Orkut , se transformaram em uma arma poderosa para os consumidores e hoje são uma séria ameaça à reputação das empresas instaladas no Brasil, um dos países com mais adeptos de internet do mundo. A rapidez com que um vídeo postado há duas semanas por um cliente revoltado com Brastemp se disseminou pela internet ( veja vídeo) mostra que esses novos canais de comunicação já são capazes de proteger mais os direitos dos consumidores do que o Código de Defesa do Consumidor e o Procon (Fundação de Defesa e Proteção do Consumidor) e são mais eficientes do que qualquer Serviço de Atendimento ao Cliente (SAC) dos fornecedores.

A queixa contra a Brastemp feita por Oswaldo Oboreli, que ficou mais de 90 dias sem conseguir com que a empresa consertasse sua geladeira, ganhou tamanha audiência em tão poucos dias na internet que forçou a fabricante a se desculpar publicamente pelo defeito, pelo mau atendimento e a trocar o refrigerador prontamente.

Diante da repercussão, o próprio diretor de serviços e qualidade da Whirlpool, a dona da marca, Fabio Armaganijan, ligou para Oboreli para atender às suas reclamações. Só no You Tube, o vídeo “Não é umacontra a Brastemp”, feito por Oboreli, registra mais de 170 mil acessos.

No Twitter, a queixa contra a Brastemp chegou a figurar entre os assuntos mais comentados no mundo, o que chamou a atenção do professor da Escola Superior de Marketing do Rio De janeiro, Bruno Chamma. Durante um curso específico sobre mídias sociais, Chamma dedicou uma aula ao caso. “Esse é um exemplo do poder das redes sociais e de gestão de crise de comunicação”, afirma o professor, para quem as empresas terão de melhorar o processo de atendimento ao consumidor.

Chamma salienta que soube do vídeo pela internet, pelo site da Brainstorm9, especializado em marketing, e que suas conversas com Oboreli ocorreram pelo Facebook, o que demonstra por si só as mudanças dos canais de comunicação.

Boca a boca

A repercussão surpreendeu até mesmo Oboreli, funcionário público de 58 anos e morador de Santana do Paranáiba. “Recebi mensagens de apoio no Facebook até mesmo de brasileiros que vivem nos Estados Unidos”, afirma.

Após perder a paciência, sensação já vivenciada por qualquer consumidor, Osboreli decidiu arrastar a geladeira até a frente de sua casa e colocar um cartaz acusando a Brastemp. Só para o SAC da empresa, ele já havia feito mais de 10 ligações, todas sem resultados. “Pedi para que a minha filha gravasse o vídeo e coloquei no You Tube”, conta Oboreli, que possuía na época uma conta Twitter com 16 seguidores. Esse número saltou para 3 mil de uma hora para outra. 

Hoje, além de trocar sua geladeira por uma nova, Oboreli negocia uma indenização da Brastemp por danos materiais e pelo constrangimento. Por mais de 90 dias, explica, sua família precisou comer fora de casa.”

(iG)

Dilma vai ao Congresso ler a mensagem do Executivo

“A presidente Dilma Rousseff (PT) vai nesta quarta-feira, às 16 horas, entregar pessoalmente sua mensagem ao Congresso Nacional, repetindo o script feito pelo então presidente Luiz Inácio Lula da Silva, em 2003. No Congresso, Dilma deve falar reforçando a urgência de reformas no sistema tributário e enfatizar a dedicação na luta contra a pobreza, prioridade do seu governo. A presidenta vai se empenhar ainda na parceria entre os Três Poderes e ressaltará a necessidade de colaboração mútua.

Em 2003, o discurso de Lula confirmou o compromisso com a estabilidade e o crescimento, anunciando ênfase no ajuste fiscal, no sistema de metas inflacionárias, na ampliação do acesso ao crédito e na reforma tributária. Em 2007, a sua última mensagem ao Congresso Nacional foi levada por Dilma Rousseff na condição de ministra-chefe da Casa Civil. O presidente Lula voltou a destacar a contribuição de senadores e deputados para as realizações de seu governo.

Além de Dilma e Lula, o ex-presidente José Sarney também entregou a mensagem pessoalmente ao Congresso porque o presidente eleito, Fernando Collor de Mello, só tomou posse no dia 15 de março.”

(Agência Senado)

Uma análise sobre empregos gerados na Era Lula

Com o título “Brasil gera emprego, mas falta mão de obra qualificada”, Eduardo Pragmácio Filho, advogado e mestre em Direito do Trabalho, faz uma avaliação da geração de empregos na Era Lula. Confira:

Estudo recente da Organização Internacional do Trabalho (OIT) divulgou dados que revelam a diminuição do desemprego em alguns países em desenvolvimento. A boa notícia é que, pela primeira vez, o Brasil vai na contramão dos países mais desenvolvidos, que sofrem com o fantasma do desemprego estrutural e da instabilidade social. O país apresenta uma taxa de desemprego abaixo da dos países ricos e, pelo menos nas áreas metropolitanas, abaixo da média mundial.

Essa inusitada diminuição do desemprego nas economias emergentes é atestada também pela divulgação do número dos novos milhares de postos de trabalho criados na era Lula. Deve-se tomar o cuidado, no entanto, para que não haja apenas um crescimento numérico, mas, sobretudo, gerar um crescimento qualitativo.

A garantia constitucional do pleno emprego não é pura e simplesmente a criação de postos de trabalho e a manutenção deles. A garantia vai bem mais além, abrangendo a inclusão social e no emprego, a formação profissional e, sobretudo, a manutenção e promoção de um trabalho decente, erradicando qualquer forma de trabalho degradante e que venha ferir a dignidade da pessoa humana.

Na União Européia, para se alcançar o pleno emprego, busca-se um crescimento econômico sustentável, com coesão social, aliando políticas econômicas às políticas de emprego, promovendo a aprendizagem ao longo da vida como meio de aumentar a empregabilidade e a adaptabilidade. Nesse sentido, privilegia-se a mobilidade profissional e geográfica, entre setores e regiões, aumentando assim o potencial de produtividade da economia. A legislação trabalhista brasileira, no entanto, precisa avançar, no sentido de prever as mobilidades funcionais e geográficas, além de impor o dever de formação profissional, envolvendo a classe trabalhadora, patronal e o Estado.

Na prática, na realidade brasileira, o que se verifica é a falta de trabalhadores qualificados, aptos para atuarem em certas funções na construção civil, na área de tecnologia e nas novas zonas de industrialização. Esse ilusório paradoxo – diminuição de desemprego e aumento das vagas não preenchidas – pode provocar a imigração de trabalhadores estrangeiros, para contemplar a demanda cada vez crescente por mão-de-obra multi e super qualificada.

A formação profissional ao longo da vida deve ser plenamente fomentada pelo governo brasileiro, envolvendo as empresas, parceiros sociais e a classe trabalhadora, compartilhando a responsabilidade dessa imprescindível tarefa. Com isso, combate-se a exclusão social, melhora-se a competitividade e a adaptabilidade, promovendo, sobretudo, a dignidade da pessoa humana.

* Eduardo Pragmácio Filho, Advogado, Mestre em Direito do Trabalho pela PUC-SP, Professor da Faculdade Farias Brito.