Blog do Eliomar

Categorias para Brasil

Aécio defende participação de Tasso no processo de refundação do PSDB

98 3

Aécio e Tasso: oposição propositiva.

Ex-governador de Minas e senador eleito, Aécio Neves defende a “refundação do PSDB” para recuperar sua “identidade”. Para isso, propõe refazer o programa partidário até maio de 2011.
O novo texto defenderia sem “constrangimentos” as privatizações de FHC e, ao mesmo tempo, fugiria de armadilhas eleitorais fixando que empresas como Banco do Brasil e Petrobras devem ser mantidas como estatais. Ele promete uma “oposição generosa” a Dilma nas discussões sobre reformas e “aguerrida” na defesa da democracia e da ética. Aécio diz que o presidente Lula “atropelou” algumas instituições na campanha, mas Dilma “foi eleita legitimamente”.

Folha – Qual será o papel do PSDB no governo Dilma?
Aécio Neves – Existiu um pensador inglês que deixa um ensinamento tanto para o governo que assume como para a oposição. Benjamin Disraeli, primeiro-ministro da Inglaterra (1804-1881), dizia que para haver um governo forte é preciso haver oposição forte. É esse papel que temos de desempenhar.

F – O PSDB precisa de mudanças após as últimas três derrotas?
AN – Estamos no momento de refundar o PSDB para recuperar nossa identidade partidária. Por isso estarei propondo ao partido que, daqui até maio, quando teremos nossa convenção partidária, possamos refazer e atualizar o nosso programa partidário.
Vou sugerir um grupo de três notáveis do partido para coordenar essa refundação.

F – Quem seriam os notáveis?
AN – O presidente Fernando Henrique, o candidato José Serra e o ex-presidente do PSDB Tasso Jereissati.

F – Qual a linha da refundação?
AN – Que fale da nossa visão sobre privatização sem constrangimentos. Temos de mostrar como foi importante para o país a privatização das telecomunicações, Embraer, Vale. Ao mesmo tempo assegurar, de forma clara, que existem empresas estratégicas do Estado que não estarão sujeitas a qualquer discussão nessa direção, como o Banco do Brasil, a Petrobras.

F – O sr. quer acabar com as armadilhas eleitorais em que o partido caiu nas eleições?
AN – Temos de falar disso com altivez, reconhecendo e assumindo o nosso legado. Não existiria o governo Lula com seus resultados se não tivesse havido os governos Itamar Franco e FHC.

F – FHC disse que não mais apoiará um PSDB que não defenda seu passado.
AN – Eu compreendo a angústia do presidente, mas não vou, numa hora dessas, olhar para trás. Vou olhar para a frente. O governador Serra defendeu com extrema altivez e coragem pessoal as teses que achava que deveria defender. Foi um guerreiro nesta campanha, defendeu valores extremamente importantes.

F – E sobre lançar daqui a dois anos o candidato do PSDB a presidente em 2014?
AN – Não sei se é hora de pensar nisso. A vida é feita por etapas. Não podemos é correr o risco de ter um processo atropelado no final.

F – O momento é mais de a “luta continua”, fala de Serra após a derrota, ou de estender a mão, de Dilma Rousseff?
AN – Temos como exercer uma oposição aguerrida na defesa das nossas instituições, da própria democracia e na fiscalização permanente das ações do governo, colocando limites em eventuais excessos. E, ao mesmo tempo, exercermos uma oposição propositiva, que apresente propostas em torno de uma agenda de Estado, e não de governo. Aí entra na pauta a agenda das grandes reformas. Devemos estar dispostos a sentar à mesa na busca de construção de consensos em torno dessas reformas.

F – Quais?
AN – Começo pela política, que reorganize nosso sistema político-partidário. A tributária, que aponte na direção da redução da carga tributária. Reforma do Estado, que fortaleça Estados e municípios; a construção de uma política industrial racional, que nos tire da armadilha em que entramos, que nos transforma em exportadores de produtos primários e importadores de manufaturados. Na discussão desses temas a próxima presidente encontrará uma oposição generosa e ao mesmo tempo firme na defesa das instituições democráticas, nos limites éticos.

F – O presidente Lula pediu à oposição que não seja raivosa em relação ao governo Dilma.
AN – Não vamos fazer a oposição raivosa exercida pelo PT ao governo FHC, votando contra tudo. O próprio PT deve ter aprendido com isso. O Brasil está maduro para ter outro tipo de oposição.

F – Na eleição, sua relação com Lula ficou desgastada.
An – Temos de compreender isso como parte do processo eleitoral. Passado o calor eleitoral, todos temos de ter a disposição para conversar. Só uma oposição frágil e insegura se negaria a discutir com o governo temas essenciais à vida nacional.

F – Lula extrapolou na eleição?
AN – A eleição está passada. Quem tem de fazer esse juízo é a sociedade. A presidente foi eleita legitimamente.

F – A fila andou no PSDB? O sr. é o candidato a presidente?
AN – [rindo] O PSDB nunca teve dificuldades de quadros. Continua não tendo. Só alguém neófito em política se lança candidato de si próprio. Eu estarei à disposição do partido para cumprir o papel que me designar.

F – Quem foi o personagem da eleição de 2010?
AN – O presidente Lula. Construiu uma candidatura à revelia do seu partido e venceu. Essa é a marca que fica. Atropelando em determinados momentos algumas das nossas instituições, mas venceu as eleições e temos de reconhecer essa vitória, não nos fragilizarmos a partir dela.

F – O sr. pode sair do PSDB?
AN – Meu destino é no PSDB.

F – Defende a abertura de uma janela partidária para troca de partidos no próximo ano?
AN – Não acho que seja o essencial. Deveríamos discutir a cláusula de desempenho.

(Folha Online)

Copa 2014 – Relator do TCU vai expor ações de fiscalização dos projetos

O presidente do Tribunal de Contas da União, ministro Ubiratan Aguiar, está em Fortaleza para acompanhar palestra que o também ministro do órgão, Valmir Campelo, proferirá, a partir das 16h30min desta sexta-feira, na sede da secretariageral desse tribunal, em Fortaleza.

Valmir Campelo, relator das obras da Copa de 2014, dará explicações sobre como ocorrerá o trabalho de fiscalização do TCU nessa área. O acompanhamento será feito nas ações que receberão verbas federais ou empréstimos via BNDES, conforme o ministro.

“Vamos fazer esse encontro informal com membros dos tribunais de contas aqui do Eatado. Nós estamos realizando esse tipo de evento para dar esclarecimentos e buscar parcerias que fortaleçam o processo de fiscalização, adiantou Campelo.

DETALHE – Valmir Campelo, bom lembrar, é cearense.

Infraero – Aluguéis decolam de foguete

117 1

“A Infraero não pode reclamar de falta de verba. Estatal que administra 67 grandes aeroportos do país, tem em caixa boa perspectiva de receita de milhões por ano com aluguéis dos espaços nos terminais. Veja o caso só do Aeroporto JK, em Brasília. Conhecida grife gastronômica acaba de ganhar a licitação para operar no lugar do maior restaurante do terminal principal. Serão R$ 169 mil mensais de aluguel. Uma lanchonete no andar superior sai por R$ 128 mil. Já no terminal 2, novo, fonte da coluna diz que valor para a lanchonete chega a R$ 90 mil. Oficialmente, a Infraero informou que o aluguel ali é de R$ R$ 3.812,05.

A Infraero informou que “disponibiliza por meio de edital o valor mínimo para a concessão”, e usa como padrão comparações de valores com outros terminais, além da localização da área e previsão de faturamento da atividade fim. ”

(JB Online)

VAMOS NÓS – No Aeropoto Internacional Pinto Martins, o quadro é o mesmo de aluguéis exorbitantes. Bom apenas para fortes grupos que abocanham tudo e acabam formando, na maioria dos aeroportos brasileiros, um cartel. Recentemente, um grupo da área de alimentação ganhou concorrência para explorar (explorar mesmo!) uma loja na Praça de Alimentação e um box numa das salas de embarque. Paga R$ 45 mil por mês. Só mesmo uma rede para aguentar.

Dilma é vista em casa de empresário na Bahia

100 2

“Na primeira folga desde o fim da campanha, a presidente eleita Dilma Rousseff escolheu o Nordeste, região que lhe deu mais de 70% dos votos, para descansar. A Folha apurou que Dilma foi vista ontem na casa do empresário paulista João Paiva, na praia de Patizeiro, a cerca de 30 km do centro de Itacaré. Ela estaria hospedada no local desde ontem.

Pouco conhecido, Paiva tem uma casa luxuosa isolada no topo de um morro cercado de mata nativa e com vista para o mar. Projetada pelo arquiteto Claudio Bernardes (1949-2001), o imóvel é considerado um dos mais luxuosos de Itacaré, retiro de artistas e empresários. A construção já foi capa da “Casa Vogue”, que a descreveu como a “materialização do paraíso tropical”, em 2007. Segundo a revista, são 1.200 metros quadrados erguidos em “linhas contemporâneas equilibradas em pedra, madeira e vidro”.

(Folha Online)

Lula pode disputar cargo na cúpula da ONU

“O Brasil formalizou sua disputa pela direção-geral da Organização das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura (FAO) com o inédito cuidado de não antecipar o nome do seu candidato.

A cautela se deve ao fato de o presidente Luiz Inácio Lula da Silva não ter ainda decidido se concorrerá ao posto ou se deixará a disputa para seu ministro das Relações Exteriores, Celso Amorim.

De acordo com autoridades brasileiras, o candidato original de Lula, José Graziano, teria chances remotas de ser o indicado pelo governo para esse organismo sediado em Roma.

A definição sobre a candidatura brasileira para a FAO terá de esperar a sucessão de Amorim, cujo pedido de permanecer mais um ano à frente do Itamaraty foi negado pelo próprio Lula.

O ex-ministro da Fazenda Antonio Palocci é o mais cotado neste momento para assumir o Itamaraty dentre os que estão na lista da presidente eleita, Dilma Rousseff. Recentemente, foi adicionado o nome do presidente do Banco Central, Henrique Meirelles, um dos colaboradores de Lula que devem permanecer no governo Dilma.

O nome de maior agrado pessoal de Dilma, entretanto, é o do diplomata Antônio Patriota, secretário-geral das Relações Exteriores e ex-embaixador do Brasil em Washington. Patriota tornou-se amigo de Dilma ao longo do governo Lula e é visto pela equipe da presidente-eleita como uma opção menos traumática para a liderança do Itamaraty, por tratar-se de um membro da corporação.

Dentre essas três opções, a escolha de Patriota sugere a continuidade da política externa de Lula-Amorim. Porém, com um grau mais acentuado de pragmatismo, principalmente quanto à relação Brasil-EUA.

A aposta em Palocci envolveria mudanças mais profundas, em especial na orientação da política comercial, como já foi sinalizado no seu período na Fazenda. A posição de Meirelles sobre temas de política internacional é uma incógnita. Mas, o presidente do BC tem demonstrado capacidade de negociação em foros internacionais.

Uma vez escolhido o chanceler de Dilma, Lula deverá decidir seu destino e, portanto, a candidatura brasileira para a FAO.

Há mais de um ano, o presidente vinha publicamente reafirmando seu interesse em montar uma entidade, no Brasil, para trabalhar a cooperação com a África e a América do Sul em políticas de combate à fome e à pobreza.

Mas, nas últimas semanas, acentuaram-se os rumores de que o presidente estaria interessado em assumir a organização, em Roma. A escolha está programada para o final de 2011, de forma a permitir a sucessão do atual diretor-geral, o médico senegalês Jacques Diouf, em janeiro de 2012. Diouf está em seu terceiro mandato na FAO.”

(O Globo)

UFC é a universidade federal que mais oferece vagas no País

“Entre as instituições de ensino superior que usarão somente o Sistema de Seleção Unificada (Sisu) para escolher os novos estudantes, a Universidade Federal do Ceará (UFC) é a que apresenta o maior número de vagas. Serão 5.724 vagas ofertadas para todo o País, distribuídas entre 102 cursos em Fortaleza, Sobral, Quixadá e na região do Cariri. Em seguida, vem a Universidade Federal do Mato Grosso do Sul (UFMS), com 3.920, e a Rural de Pernambuco (UFRPE), com 3.200.

Os dados foram divulgados na edição de ontem do jornal O Estado de São Paulo. No levantamento, o Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) vai servir como vestibular para pelo menos 83 mil vagas em 84 institutos e universidades federais, dos 97 existentes em todo o País. A previsão, de acordo com o Ministério da Educação (MEC), é que todas essas vagas, no ano que vem, sejam ofertadas no Sisu, dispositivo online criado pelo ministério que seleciona candidatos do Enem para universidades e institutos federais.

Procurado pelo O POVO, o coordenador de Planejamento, Informação e Comunicação da Pró-reitoria de Graduação da UFC, Miguel Franklin, responsável pela oferta de vagas e pelo Sisu na universidade, confirmou a informação. Segundo o coordenador, do total, 4.097 vagas são destinadas para o primeiro semestre de 2011 e 1.627 para a segunda metade do ano. “Mas a gente vai fazer uma só chamada para o início e para o meio do ano”, esclareceu o coordenador.

Franklin garantiu que o número de vagas disponíveis será praticamente o mesmo da época do vestibular tradicional. Haverá mudanças apenas nos cursos que a universidade teve de separar a licenciatura do bacharelado. As vagas que antes eram destinadas a um curso só serão divididas para as duas formações. “É uma orientação do MEC que os cursos sejam separados por grau, porque o Sisu já contempla essa recomendação. Quando a pessoa for escolher, ela vai ter de escolher um dos dois”, orientou. Os cursos de Filosofia, Ciência Biológicas, Ciências Sociais, Geografia e História vão passar pela modificação.

Crescimento

Em relação a este ano, quando o Sisu foi ao ar pela primeira vez, o número de vagas para 2011 aumentou em 30,7%. A previsão do MEC é que sejam ofertadas 83 mil. Este ano, foram oferecidas aproximadamente 63,5 mil. Pelo sistema, todo aluno que participa do Enem usa a nota do exame para fazer até duas opções de curso e instituição, em ordem de preferência, e pode alterá-las até o fim do período de inscrições.

A inscrição dos estudantes estava inicialmente prevista para começar em 20 de janeiro. No entanto, conforme a assessoria de comunicação da Secretaria de Educação Superior (Sesu) do MEC, responsável pelo Sisu, o período de inscrições ainda não está definido.

HORÁRIO DO ENEM

> No Ceará, os candidatos devem ficar atentos porque o Enem se baseia no horário de Brasília. Amanhã, o exame começa às 13 horas (12h no Ceará) e termina às 17h30min (16h30min no Ceará).

> No segundo dia, a prova começa no mesmo horário mas, por conta da prova de Redação, termina uma hora depois, às 18h30min (17h30min no Ceará).

> Recomenda-se chegar ao local da prova com uma hora de antecedência, ou seja, às 11h. Os portões fecham às 11h55min.

O QUE LEVAR?

> No dia da prova é preciso levar: documento com foto, cartão de confirmação da inscrição e caneta esferográfica preta.

> Não é permitido levar celular ou qualquer aparelho emissor e receptor de mensagens, como pagers, bips, MP3 ou similar. Calculadoras estão proibidas.”

(O POVO)

Presidente nacional do PSDB apregoa oposição sem o quanto pior, melhor

Em carta encaminhada nesta quinta-feira a militantes, candidatos e colaboradores do PSDB, o presidente do partido, senador Sérgio Guerra, defendeu que o partido faça uma oposição “forte” à presidente eleita, Dilma Rousseff (PT), porém sem a prática do “quanto pior, melhor”. Após o presidente Lula (PT) afirmar que a oposição foi “raivosa” durante seu governo, ao fazer a “política do estômago”, o tucano utilizou um tom ameno para propor a fiscalização do governo Dilma.
Na carta, Guerra apontou que as urnas deram ao PSDB a “obrigação” de fazer oposição ao governo Dilma, com a defesa de bandeiras tradicionais dos tucanos. “Nunca fomos, e não seremos agora, a favor do quanto pior melhor. Entretanto, as urnas deram ao partido a obrigação de fazer uma oposição forte, sem concessões. E para defender bandeiras como a defesa da liberdade de pensamento e do respeito às leis, nós precisamos, mais do que nunca, da ajuda permanente de vocês”, diz, no documento.

Guerra pediu o apoio dos aliados para fiscalizar o novo governo a partir de janeiro de 2011. “A luta pela democracia não se faz só em época de eleição, mas todos os dias, em todos os lugares, reais ou virtuais. Para essa grande tarefa de fiscalização do governo e de difusão dos nossos ideais, contamos com vocês”. Na carta, o tucano diz ainda que o PSDB “saiu maior, mais forte e unido” das eleições ao eleger oito governadores e manter bancadas “representativas” no Congresso e Assembleias Legislativas. “Vocês sabem que nada nesta caminhada foi fácil. E nós sabemos que sem vocês não teríamos força para chegar aonde chegamos. Sabemos também que temos pela frente a tarefa de fazer o nosso partido avançar muito mais na sua organização e na sua integração com a sociedade”.

(Folha.com)

No twitter, presidente nacional do PT defende volta da CPMF

“Fortalecendo o discurso pela volta da Contribuição Provisória Sobre Movimentação Financeira (CPMF), o presidente nacional do PT, José Eduardo Dutra, se posicionou a favor da cobrança nesta quinta-feira (4), em sua página na rede de microblogs Twitter. “A quem interesse: sou a favor da CPMF. (Está) registrado nos anais do Senado. Votei contra em 98 por decisão partidária, mas registrei minha opinião”, escreveu.

Minutos mais tarde, Dutra reforçou que cabe ao Congresso Nacional decidir sobre a reforma tributária, incluindo a volta ou não da CPFM. “Quem vai decidir sobre reforma tributária é o congresso. Deixem de factóides e discutam no lugar certo. O congresso decide”, disse. Outras lideranças já haviam se manifestado sobre o assunto. O governador reeleito de Pernambuco, Eduardo Campos (PSB), afirmou que não há um financiamento suficiente na saúde e sinalizou apoio à volta de um mecanismo como a CPMF para ajudar o setor. Sua posição foi acompanhada por outros integrantes do partido, reunidos em Brasília.

“Os governadores do PSB têm colocado ao presidente Lula que há um subfinanciamento da saúde que é grave”, disse. “Se precisar restabelecer em parte ou totalmente a CPMF, vamos fazer isso. Porque depois que caiu a CPMF eu não vi baixar o preço de nada.” O governador reeleito do Ceará, Cid Gomes, também defendeu uma nova contribuição para garantir mais dinheiro para o setor. “É um sacrificiozinho muito pequeno para cada brasileiro em nome de um grande número de brasileiros que precisa dos serviços de saúde e precisa que esses serviços sejam de qualidade.”

A presidente eleita Dilma Rousseff (PT), por outro lado, afirmou que não enviará ao Congresso Nacional nenhuma proposta de recriação da cobrança, mas acrescentou “estar atenta” às necessidades dos governadores.

CPMF

A CPMF foi extinta em 2007 e já no ano seguinte o Congresso Nacional começou a discutir a regulamentação da Emenda 29, que fixa percentuais mínimos a serem investidos anualmente na saúde pela União, por Estados e municípios. O debate sobre a regulamentação, contudo, esbarra na criação de um novo imposto, a Contribuição Social para a Saúde (CSS), que não é consenso. Nos moldes da CPMF, a nova contribuição, com alíquota de 0,1%, teria sua arrecadação destinada exclusivamente para a saúde.”

(Portal Terra)

Ministro do Trabalho estima mínimo entre R$ 560,00 e R$ 570,00

“O ministro do Trabalho, Carlos Lupi, disse hoje (4) que o salário mínimo deverá ser reajustado em 2011 para um valor entre R$ 560 e R$ 570. “Dificilmente ficará menos do que isso”, afirmou após participar de uma homenagem ao ex-presidente Getúlio Vargas, na sede do Sindicato dos Trabalhadores em Processamento de Dados do Estado de São Paulo.

Representantes de centrais sindicais sugeriram hoje (4) ao relator do Orçamento, senador Gim Argello (PTB-DF) que o mínimo seja elevado para R$ 580 no ano que vem. A proposta faz parte das negociações com o governo federal e a presidente eleita, Dilma Rousseff, para um aumento maior que os R$ 540 previstos no relatório da proposta orçamentária.

Segundo Lupi, a definição do valor do reajuste depende de estudos técnicos para avaliação de sua viabilidade. “Nós vamos ver agora com as contas da Fazenda e da Previdência o limite máximo que podemos dar”, disse.

Na opinião do ministro, a presidente eleita tenderá pelo maior valor possível, mas levará em conta o equilíbrio das contas públicas. “Ela [Dilma Rousseff] vai ficar mais próximo daquilo que for o máximo que for possível dar sem comprometer as contas do governo federal”, afirmou.

No entanto, os efeitos positivos de um aumento no salário mínimo tendem, de acordo com Lupi, a compensar o crescimento dos gastos. “Quando você aumenta o salário mínimo aumentam os impostos, porque tudo é decorrente do salário-mínimo”, explicou.

O ministro ironizou a proposta da oposição de elevar o mínimo para R$ 600, como defendido durante a campanha pelo então candidato José Serra (PSDB). “Pena que eles só tiveram essa visão mais social agora”, disse.”

(Agência Brasil)

Prefeitura consolida Fortaleza como boa opção no mercado do Réveillon

133 1

Nem tudo é lentidão ou brigas paroquiais na administação de Fortaleza. A Folha de São Paulo, em seu caderno de Turismo, destaca a Capital cearense como uma das boas opções para o Réveillon. Isso ao lado do Rio e de Florianópolis.

De fato, Luizianne Lins (PT) conseguiu avançar e incluiu a cidade nesse nicho turístico a partir de investimentos ousados e elevados. Mas há retorno, embora muitos que aqui cheguem como visitantes, saiam reclamando não ter encontrado a Fortaleza tão bela como gostariam.

De qualquer forma, pontos para a gestão municipal.

(Dica do Blog Gente de Mídia)

Simpatias de Cid por Aécio presidindo o Senado é posição isolada, dizem socialistas

111 1

“Após a proposta do governador do Ceará, Cid Gomes (PSB), repercutir no encontro do partido nesta quinta-feira (4) em Brasília, outros governadores eleitos do partido deixaram claro que esta não é a posição oficial do PSB. Durante o encontro, ele levantou a ideia de a base do governo indicar o senador eleito Aécio Neves (PSDB) como presidente do Senado, estabelecendo um pacto com a oposição em prol da governabilidade.

“Essa é uma proposta que o Cid lançou, não foi o PSB que lançou. O partido não vai defender essa proposta”, disse Renato Casagrande, governador eleito do Espírito Santo.

 “A posição não é do PSB, é algo que partiu do Cid. O partido não deve deliberar sobre isso durante esta reunião”, afirmou Wilson Martins, governador eleito do Piauí.

Segundo Cid Gomes, só depende da presidente eleita para que a ideia entre em prática. “Convencida a Dilma, o PT se convencerá”. Sobre a possível irritação que viria do PMDB caso Dilma apoiasse a indicação de Aécio, Cid disse que “se o PMDB não quiser aceitar, não aceita. Mas vai aceitar”, afirmou.

Ele disse também que, ao fazer a proposta ao partido, houve quem aplaudisse – no entanto não quis citar nomes. “Mas o Eduardo Campos (presidente do PSB e governador de Pernambuco) também defende a aproximação com a oposição em prol da governabilidade”, declarou.

Wilson Martins disse que é necessário analisar as propostas da campanha de José Serra. “Ela [Dilma] vai governar com mais folga do que governou o Lula, vai governar com maioria na Câmara Federal e também no Senado Federal. É importante que a presidente possa estar estendendo a mão à oposição no sentido da governabilidade. É preciso ver o que tem de bom, o que tem de positivo, o que é de apelo popular que foi proposto pelo candidato da oposição”, afirmou o governador eleito do Piauí.”

Piti pela primeira fila

“Na cerimônia ontem à noite de entrega do troféu Dom Quixote a personalidades que se destacam na defesa da ética e do direito, a mulher de Ricardo Lewandowski, Yara, ficou irritadíssima com o cerimonial do Supremo. Motivo: fora colocada na segunda fileira, longe das autoridades do STF.

Deslocada, Yara telefonou para o marido, que no momento estava no TSE presidindo a sessão. Entre outras coisas, disse-lhe em voz alta:

– Quando você for presidente do tribunal não quero ver nenhum membro deste cerimonial em sua equipe!

O piti deu resultado. Yara foi colocada ao lado dos ministros Carlos Ayres Britto e Dias Toffoli.

A propósito, Lewandowski deve assumir o Supremo somente em 2014, após as presidências de Ayres Britto e Joaquim Barbosa.” 

 (Veja Online – Lauro Jardim)

Cid quer Aécio presidindo o Senado

88 1

“O senador eleito por Minas Gerais, Aécio Neves (PSDB), teve seu nome sugerido pelo governador reeleito do Ceará, Cid Gomes (PSB), para o cargo de presidente do Senado a partir de 2011. O socialista espera que a presidente eleita Dilma Rousseff (PT) acerte um pacto entre os partidos da base aliada para apoiar o tucano. “A Dilma precisa fazer um gesto, estender a mão à oposição. Isso poderia ser o Aécio na Presidência do Senado”, afirmou Cid Gomes.

O governador do Ceará fez questão de distinguir Aécio de outros integrantes do PSDB, como o candidato derrotado para a Presidência da República, José Serra. “Quem encarna o PSDB mais radical, pelo histórico da polarização, é o Serra. O Aécio é uma pessoa de diálogo. Com isso ela teria um pacto pela governabilidade”, afirmou.

Antes de tomar a rota das férias, Cid ainda passou a manhã reunido com lideranças do PSB em Brasília, para avaliar o resultado das eleições e tratar do futuro do partido. ”

(Com Portal Terra)

Lula promete lutar como um"leão" pela Reforma Política

“O ministro das Relações Institucionais, Alexandre Padilha, afirmou nesta quinta-feira (4), depois da reunião ministerial realizada no Palácio do Planalto, que o presidente Luiz Inácio Lula da Silva disse aos ministros que irá se dedicar pessoalmente, “e lutar como um leão”, pela elaboração de um projeto de reforma política, quando deixar a Presidência da República, no dia 1º de janeiro de 2011. Antes disso, porém, Padilha revelou que Lula deve apresentar em dezembro um documento batizado de “Legado dos oito anos de governo” que será registrado em cartório e terá a relação de todas as ações dos dois mandatos dele.

“A Casa Civil e o gabinete da Presidência estão coordenando um balanço dos oito anos de governo, chamado ‘Legado dos oito anos de governo’ e ele disse que em dezembro vai marcar uma data para que os ministros juntamente com ele venham a registrar esse balanço em cartório”, afirmou Padilha. “O presidente disse também que, ao sair do governo, a principal tarefa que ele vai assumir, ele disse que vai lutar como um leão por essa tarefa, é a reforma política do sistema eleitoral no país. Ele quer atuar dentro do PT, mas buscar também o conjunto de partidos aliados ao seu governo hoje para que já no primeiro ano esses partidos apresentem uma proposta de reforma política”, complementou o ministro.

Penúltima reunião

O presidente Lula reuniu 36 ministros no Palácio do Planalto na manhã desta quinta para essa que foi, segundo Padilha, a penúltima reunião ministerial do governo. Segundo o ministro, Lula ainda irá reunir o corpo ministerial uma última vez para uma confraternização e um balanço das ações do governo. No encontro, que começou por volta de 9h50 e foi encerrado por volta de 13h, Lula também cobrou empenho dos ministros para a continuidade dos trabalhos nos últimos dois meses de mandato e proibiu os integrantes do primeiro escalão de tirarem férias. “O presidente fez essa reunião ministerial, nas próprias palavras dele, ‘provavelmente a penúltima reunião ministerial do governo’, e reiterou a disposição de que nós temos que trabalhar até 31 de dezembro. Determinou que nenhum ministro deve entrar de férias até 31 de dezembro. Até porque depois do dia 1 de janeiro todos eles devem entrar de férias”, relatou Padilha.

Medidas polêmicas, como os novos marcos regulatórios da mineração, regulação da mídia, entre outros, serão discutidas internamente entre os órgãos do governo. Segundo Padilha, Lula vai tratar pessoalmente com a nova presidente, Dilma Rousseff, da agenda de apresentação de matérias ao Congresso: “Ele reafirmou que quer, até o final do ano, que os ministros se dediquem às últimas medidas que possam ter divergências ainda. Ele quer discutir tanto com a equipe de transição quanto com a presidente eleita o envio de medidas após o seu governo.”

Cargos no governo

Lula também reforçou o recado já transmitido em entrevista coletiva nesta quarta-feira (3) que não irá interferir na formação do novo governo de Dilma e avisou aos ministros que ninguém tem lugar garantido na esplanada a partir de janeiro de 2011. “O presidente reafirmou o que já tinha falado de que ele, enquanto presidente da República, não vai sugerir nem vetar qualquer nome para o próximo governo a ser construído pela presidente Dilma. O próximo governo tem que ter a cara da presidente Dilma. Disse claramente que nenhum ministro e partido tem vaga garantida no ministério. Ele disse que o ministério não é de nenhum ministro ou partido”, relatou Padilha.

Economia

Além de Lula, também o ministro da Fazenda, Guido Mantega, fez uma apresentação da situação econômica do país na qual afirmou que a economia deve crescer entre 7,5% e 8% neste ano. Segundo Alexandre Padilha, o Brasil irá para a reunião do G-20 na próxima semana determinado a se posicionar contra qualquer medida que estimule a guerra cambial no mundo: “O ministro Mantega disse que o país deve ir ao G-20 para buscar articulação com os demais países para reforçar uma posição contra qualquer guerra cambial que possa existir no mundo.” Padilha disse ainda que o Brasil vai fortalecido para a reunião do G-20,  já que a situação econômica do país prevê crescimento elevado.

Congresso

Segundo Padilha, a prioridade do governo no Congresso será cumprir o calendário de aprovação do Orçamento da União e a votação do marco regulatório do pré-sal: “Estamos conversando com os líderes do Congresso porque são prioridades do governo a votação do orçamento e a aprovação do pré-sal ainda neste ano. É uma decisão do governo e ainda vamos conversar com os líderes para reafirmar essa orientação.”

(iG/Foto – Arquivo)

Cid quer a volta da CPMF

109 6

Antes de entrar de férias, o governador reeleito Cid Gomes (PSB) defendeu a implantação da Contribuição Social para Saúde (CSS), novo nome da Contribuição Provisória sobre Movimento Financeira (CPMF) que já passou pelo Senado e precisa ser aprovada pela Câmara. Foi durante entrevista nesta semana, em Brasília.

“Eu defendo que seja implantada a CSS já, agora, antes da posse da presidenta Dilma”, disse ele. Cid enfatiza que a contribuição seja vinculada ao repasse automático aos Estados e municípios. “O que não pode é o dinheiro ficar nas mãos da união, e os Estados e os municípios fiquem com o pires na mão”.

Segundo o governador, houve privilégios estabelecidos antes do governo Lula com relação à CPMF. Ele diz que em São Paulo, por exemplo, o repasse per capita era uma vez e meia maior do que o do Ceará. “Em São Paulo, 50% da população depende do SUS (Sistema Único de Saúde). Os outros 50% têm plano de saúde. Já no Ceará, 90% dependem do SUS, menos de 10% têm plano de saúde.

PDT que mais cargos no Governo

“O ministro do Trabalho e presidente licenciado do PDT, Carlos Lupi, disse que “a maioria esmagadora do partido quer continuar com a Pasta, mas avançar em outros espaços”, no próximo governo. O pedetista vai se reunir na semana que vem com o presidente do PT, José Eduardo Dutra, encarregado pela presidente eleita Dilma Rousseff de conversar com todos os partidos aliados.

“O PDT pode colaborar com quadros experientes em vários setores, especialmente na área social, de minas e energia, petróleo. Tudo o que envolve a área social nos interessa. A hora não é de pressionar, mas de dialogar. A Dilma vai avaliar nosso trabalho no ministério. Temos 30 anos de amizade. Tenho consciência de que cumprimos nosso dever, mas ela vai avaliar e verificar onde seremos úteis”, disse Lupi, lembrando que seu partido “foi o primeiro a declarar apoio oficial a Dilma, antes mesmo da convenção do PT.”

Segundo Lupi, a conversa direta com Dilma acontecerá quando as negociações sobre participação no governo estiverem mais avançadas. “Em 2006 (ano da reeleição do presidente Lula) também foi assim. Nosso diálogo era com o Tarso Genro, conversamos com o Lula quando as coisas já estavam encaminhadas”, lembrou. No primeiro escalão, o PDT tem apenas o Ministério do Trabalho. Lupi evita citar outros cargos que o partido gostaria de ocupar no futuro governo Dilma.”

(Agência Estado)

Lula reúne ministros para cobrar empenho

“Com o objetivo de discutir o fim do seu mandato, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva convocou uma reunião ministerial na manhã desta quinta-feira (4) no Palácio do Planalto. O presidente pretende cobrar empenho para conclusão das obras em andamento. De acordo com a assessoria de imprensa do Planalto, o encontro estava previsto para as 9h30, mas até as 9h40 ele ainda não havia sido iniciado.

Além dos assuntos em pauta, Lula também deverá pedir para que os ministros auxiliem a presidente eleita Dilma Rousseff na transição. Essa deve ser a última reunião de Lula com os 37 ministros de seu governo.”

(Agência Brasil)

Processo de compra de caças pode durar até novembro de 2011

“O processo de contratação da empresa estrangeira que vai fornecer os 36 caças que vão equipar a Força Aérea Brasileira (FAB) não vai se encerrar este ano. O fim do mandato do presidente Lula vai marcar a escolha inicial da empresa fornecedora, mas já vai incluir a presidente eleita, Dilma Rousseff, justamente porque vai se estender por seu mandato.

Após a decisão sobre a empresa, o governo brasileiro precisará garantir que serão atendidas todas as exigências para o fornecimento dos caças, principalmente, os termos de transferência de tecnologia. Por isso, o processo de negociação comercial tende a ser longo, acredita o ministro.

Após a escolha da empresa, a Força Aérea iniciará uma série de discussões técnicas para estabelecer as exigências de transferência de tecnologia. “Não estamos comprando aviões, estamos aprendendo a fazer. Estamos comprando tecnologia para capacitação nacional. Só se saberá se a empresa escolhida vai cumprir ou não (as exigências) quando sentarmos na mesa para assinar o contrato”, disse o ministro. Ele participou da VII Conferência de Segurança Internacional do Forte de Copacabana, no Rio de Janeiro.

Por isso, ele acredita que, mesmo após a decisão inicial de qual deverá ser a empresa a fornecer os caças ao Brasil, esse nome ainda poderá mudar. “O que pode acontecer, eventualmente, é que os presidentes (Lula e Dilma) decidam por uma solução, mas na hora de sentar e discutir os itens, encontrem problemas. Isso é um processo. A questão dos submarinos, por exemplo, levou praticamente um ano de discussão”, lembrou.

Ou seja, o processo interno pelo qual o país vem passando é somente um primeiro passo. A partir do momento da escolha, há um segundo momento, de negociação comercial, com os requisitos que o avião
precisa ter e o nível de transferência de tecnologia exigido pelo Brasil.

“Se houver essa decisão no final do ano, é um processo que seguramente vai levar até outubro, novembro”, acredita Jobim. O presidente Lula já demonstrou preferência pelos caças franceses. Mas há outras opções, como o avião sueco e o americano. Questionado se a presidente eleita, Dilma Rousseff, compartilha da mesma posição, o ministro disse que nãos e trata de preferência sobre um ou outro, “não é questão de ser belo ou feio”.

“É questão de saber quem está disposto a transferir tecnologia para o Brasil e capacitar o país na negociação. Se não houver disposição de capacitação nacional, no meu ponto de vista e no ponto de vista da estratégia nacional de Defesa, não há conversa”, frisou.

Nelson Jobim disse que todas as empresas que fizeram propostas para o governo brasileiro se dizem dispostas a transferir tecnologia, mas “uns têm mais possibilidades, outros menos”. “E isso vai ser decidido pelo presidente”, disse. O ministro afirmou não ter nenhum plano de participação ou não do governo de Dilma Rousseff.”

(Valor Econômico)