Blog do Eliomar

Categorias para Brasil

Vale agora é a maior empresa exportadora do Brasil

“A Vale passou a Petrobras e assumiu o posto de maior empresa exportadora brasileira. No acumulado do ano até julho, de acordo com dados do Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, a mineradora exportou US$ 10,143 bilhões, ante US$ 10,139 bilhões da estatal petrolífera.

Essa é a primeira vez que a mineradora conseguiu ocupar a primeira posição no ranking das empresas brasileiras exportadoras, apoiada na alta do mercado de minérios.

A Petrobras mantinha a primeira posição entre as exportadoras brasileiras desde 2002, quando passou a então líder, Embraer.

Em termos percentuais, Petrobras e Vale são responsáveis, cada uma, por 9,49% das exportações brasileiras.

No final do ano passado, a estatal detinha uma parcela de 8,04% das exportações do Brasil, enquanto a mineradora, com um volume de vendas externas de US$ 10,826 bilhões, tinha uma parcela de 7,08%.”

(Folha.com)

Entidades populares de Alagoas fazem novo movimento "Fora Collor"

Entidades representativas da sociedade civil organizada marcaram para a próxima quinta-feira (26) o segundo “Fora Collor”, ato de repúdio ao nome do senador Fernando Collor (PTB-AL), candidato ao Governo de Alagoas. O primeiro “Fora Collor” aconteceu no dia 11 de agosto. “Nossa proposta é dizer a todos que estamos preocupados com a candidatura do senador. Neste ato, também faremos um repúdio aos candidatos acusados de assassinato que disputam as eleições este ano”, disse o coordenador do Movimento de Combate à Corrupção Eleitoral (MCCE), Antônio Fernando dos Santos, o “Fernando CPI”.

O MCCE é formado por advogados, sindicalistas, estudantes de escolas públicas e particulares e movimentos de luta pela terra. A Juventude do PTB promete um ato semelhante, em apoio a Collor. “Não sei o porquê de apenas o nome do senador gerar um movimento como este. E logo em período eleitoral? Isso é estranho”, disse o presidente nacional da Juventude, Anderson Xavier. O primeiro “Fora Collor” quase registrou um confronto com os apoiadores do senador. Nas ruas de Maceió, eles trocaram agressões verbais e provocações. A Polícia Militar reforçou o contingente para evitar quebra-quebra em prédios públicos.”

(Portal Tera)

Em Alagoas, Lula pede votos na propaganda eleitoral para Renan Calheiros

68 2

“O presidente Lula apareceu no horário eleitoral ontem (23) à noite em Alagoas para pedir votos ao senador Renan Calheiros (PMDB-AL), que disputa a reeleição. A declaração de apoio do presidente tem cerca de 15 segundos e associa o senador à candidata petista à Presidência, Dilma Rousseff. “Quando for presidenta, Dilma vai precisar de senadores que apoiem seus projetos e ajudem o Brasil a avançar no rumo certo. Por isso, aqui em Alagoas, vote em Renan Calheiros, que está com Dilma”, disse Lula.

Também aparecem no programa de Renan o senador petista Paulo Paim (PT-RS), candidato à reeleição, e do deputado Paulinho da Força (PDT-SP). Os dois falam da atuação dele no Senado.

O programa eleitoral de Renan o apresenta como “padrinho” dos aposentados e defensor do aumento real no salário mínimo. O programa diz que o senador criou uma comissão para reajustar o salário mínimo acima da inflação, trabalhou para o aumento dos aposentados e defendeu a renegociação das dívidas dos pequenos agricultores, que vai perdoar dívidas de até R$ 10 mil. O senador Renan Calheiros renunciou à presidência do Senado em 2007 após enfrentar dois processos por quebra de decoro parlamentar na Casa, dos quais foi absolvido.”

(Folha.com)

Garotinho é condenado a dois anos e seis meses de reclusão por formação de quadrilha

58 1

“A Justiça Federal do Rio condenou o ex-governador Anthony Garotinho (1999 a 2002) a dois anos e seis meses de reclusão por formação de quadrilha. A Procuradoria da República havia denunciado o ex-governador em maio de 2008 por “garantir politicamente a manutenção” de um grupo na chefia da Polícia Civil que não reprimia jogos de caça-níqueis no Rio, além de promover corrupção e lavagem de dinheiro. Esse grupo era comandado, segundo a Procuradoria, pelo ex-chefe da Polícia Civil Álvaro Lins, condenado a 28 anos de prisão por corrupção, lavagem de dinheiro e também formação de quadrilha.

Lins esteve à frente do cargo na administração de Garotinho, entre o fim de 2000 e início de 2002, e na gestão de Rosinha Garotinho (2003 a 2006), mulher do ex-governador. Em 2006, ele foi eleito deputado estadual, mas acabou cassado em 2008 devido às acusações. Em sua página na internet, Garotinho escreveu que a sentença é uma perseguição às vésperas da eleição. O ex-governador é candidato a deputado federal pelo PR.

“Além da afirmação do Ministério Público Federal de que eu sabia das supostas atividades do ex-chefe de Polícia Civil, Álvaro Lins, não há, nos autos, rigorosamente, nenhuma acusação ou prova formais contra mim”, disse Garotinho. A pena do ex-governador foi transformada em duas punições: prestação de serviço à comunidade, ainda a ser definido, e proibição de exercer cargo público e mandato eletivo. Cabe recurso.

A Procuradoria informa ainda que foram condenados os ex-policiais civis Alcides Campos Sodré Ferreira (cinco anos e nove meses), Daniel Goulart (dois anos), Fábio Menezes de Leão (quatro anos e seis meses), Mario Franklin Leite de Carvalho (11 anos e três meses) e Ricardo Hallak (sete anos e nove meses). Eles teriam sido colocados em cargos da polícia para beneficiar a máfia de caça-níqueis.”

(Folha.com)

Clima do "já ganhou" faz aliados relegarem a 2º plano campanha de Dilma

“O clima de “já ganhou” em torno da candidatura da petista Dilma Rousseff à Presidência tomou conta da base aliada – e tem dado cada vez mais trabalho à cúpula do PT. Os esforços da legenda para manter o foco na campanha estão sendo minados pelo apetite de partidos da coalizão, que já trabalham na distribuição de cargos em um eventual governo de Dilma. Como revela nesta terça-feira a coluna Radar, de Lauro Jardim, dirigentes de partidos da base querem que o presidente Lula dedique menos tempo em sua agenda à promoção de Dilma e entre de cabeça nas campanhas de candidatos aliados à Câmara e ao Senado.

Para esses dirigentes, já é hora de buscar “mais tranquilidade” no Congresso para o próximo governo. E é justamente na figura de Lula que o otimismo da base encontra apoio. O presidente já disse que dá como certa a eleição de sua candidata – e que sua dúvida era apenas se ela venceria em primeiro turno. Na segunda-feira, Lula apresentou Dilma como “presidente da República” a funcionários de uma fábrica no ABC.

Na cúpula da campanha, porém, o discurso é outro. José Eduardo Cardozo, um dos coordenadores da campanha de Dilma, disse a VEJA que o PT deve seguir o mesmo rumo de campanha que tem adotado desde o início, com intensificação da presença do presidente Lula nas agendas da ex-ministra. “Campanha de salto alto é campanha que tropeça”, afirmou.

Mas, na prática, o que se vê é a tentativa do partido de conter o apetite das legendas coligadas que, animadas com os resultados das pesquisas sobre intenção de voto, já insistem em tratar da partilha do governo e dos principais cargos do primeiro escalão e das estatais, caso a petista vença a eleição.

O presidente nacional do PT, José Eduardo Dutra, também coordenador da campanha da ex-ministra, fez na segunda-feira um apelo ao presidente nacional do PMDB, deputado Michel Temer (SP), candidato a vice na chapa de Dilma, para que o partido se abstenha de tratar da montagem do futuro governo. No domingo, reportagem publicada pelo jornal O Estado de S. Paulo mostrou que o PMDB já planeja “partilhar os cargos meio a meio”.

Segundo Dutra, Temer afirmou que está lutando para pôr ordem na casa e impedir qualquer ânimo mais exaltado pela busca dos cargos. “Ele (Temer) afirmou que o PMDB não está tratando desse assunto”, disse Dutra. “Até leu uma nota em que comunica que o tema nunca foi negociado com o PT e que ninguém no PMDB está autorizado a falar qualquer coisa sobre esse assunto.”

Horário eleitoral – No programa de rádio desta terça, o PT abandonou o discurso oficial e abusou do salto alto. O locutor afirmou que “ninguém segura mais” a candidata do PT e aproveitou até para cutucar os adversários: “Ela disparou. E os bichinhos já estão tudo de bico caído, batendo asa, voando”.”

(Veja Online)

Médicos residentes em greve debaterão a situação da categoria na Assembleia Legislativa

Com o objetivo de discutir a valorização da atividade de residência médica no Ceará, a Assembleia Legislativa promoverá nesta quinta-feira, às 14h30min, uma audiência pública. Os residentes decretaram greve, de caráter nacional, no último dia 16 e, entre as principais reivindicações, estão o reajuste de 38,7% da bolsa-auxílio e o adicional de insalubridade.

No Ceará, a categoria é representada por cerca de 500 médicos, que atuam nos hospitais públicos de Fortaleza e ainda em Sobral e Região do Cariri.  A audiência foi solicitada pelo deputado João Ananias. Segundo o presidente da Associação dos Médicos Residentes do Ceará, Felipe Távora Sydrião,  a greve nunca é a melhor solução, principalmente em se tratando de saúde pública, mas  a remuneração que a categoria recebe  está defasada.

CNT/Sensus – Dilma ganharia as eleições no 1º turno

“A candidata do PT, Dilma Rousseff, acumula 46% das intenções de voto e venceria a eleição para presidente da República no primeiro turno, segundo dados de pesquisa Sensus encomendada pela Confederação Nacional do Transporte (CNT) e divulgada nesta terça-feira (24). José Serra (PSDB) aparece com 28,1% e Marina Silva (PV), com 8,1%. De acordo com a pesquisa, Dilma venceria no primeiro turno porque, se a eleição fosse hoje, teria mais do que a soma dos votos de todos os demais candidatos.

Na pesquisa anterior, de 5 de agosto, Dilma tinha 41,6%, Serra registrava 31,6% e Marina 8,5%. O instituto entrevistou 2 mil eleitores em 136 municípios de 24 estados dos dias 20 a 22 . A margem de erro do levantamento é de 2,2 pontos percentuais para mais ou para menos. Plínio de Arruda Sampaio (PSOL) e Zé Maria (PSTU) registraram 0,4% na pesquisa. Eymael (PSDC) teve 0,3%, Rui Costa Pimenta (PCB) teve 0,2% e Levy Fidelix (PRTB) e Ivan Pinheiro (PCB) não pontuaram. A parcela de eleitores que disse votar em branco ou nulo ficou em 5,1%, e os que não souberam ou não responderam foram 11,7%.

Pesquisa espontânea
Na parte da pesquisa em que os entrevistados respondem espontaneamente em que votariam (sem que seja apresentado a eles o cartão com os nomes dos candidatos), Dilma tem 37,2%, Serra, 21,2%, e Marina, 6%, segundo o Sensus. O candidato Zé Maria aparece 0,6%, Plíniio, com 0,2%. Eymael, Ivan Pinheiro e Rui Costa Pimenta tiveram 0,1%. Levy Fidelix não pontuou.

Segundo turno
No cenário de uma eventual disputa em segundo turno entre Dilma e Serra, a vantagem também é da petista. Ela teria 52,9% contra 34% do tucano. Na pesquisa anterior, Dilma vencia por 48,3% a 36,6%.

Rejeição
A pesquisa mostra também o índice de rejeição dos candidatos. No levantamento, 47,9% disseram que não votariam em Marina Silva (PV) de jeito nenhum. Para José Serra (PSDB), esse percentual é de 40,7%. Dilma Rousseff apareceu com 28,9%.

Expectativa de vitória
Para 61,8% dos entrevistados, independentemente do candidato em quem vão votar, Dilma vai ganhar a eleição. Para 21,9%, o vencedor será José Serra.

Horário eleitoral
A pesquisa mostra que 13,2% dos entrevistados assistiram a todos os programas do horário eleitoral gratuito. Foram 29,7% os que disseram ter visto em parte e 22,8% disseram ter ouvido falar ou conversado sobre o assunto. O levantamento diz que 56% dos entrevistados avaliaram o programa de Dilma como o melhor do horário eleitoral. Para 34,3%, Serra apresentou o melhor programa e 7,5% gostaram mais do programa de Marina.

Por regiões
No levantamento por regiões, Serra só vence Dilma no Sul, segundo o Sensus. Nessa região, o tucano tem 47,8% contra 35,7% da petista. Marina aparece com 6,9%. A maior vantagem da petista é na região Nordeste. Ela tem 62,1% contra 19,8% de Serra; Marina fica com 6,4%. Na região Sudeste, a petista está na frente com 39,2% contra 27,6% do tucano e 9,7% da candidata do PV. Nas regiões Norte e Centro Oeste somadas, Dilma soma 45% contra 25,5% de Serra e 7,6% de Marina.

OS RESULTADOS DA PESQUISA CNT-SENSUS
Dilma Rousseff (PT) – 46%
José Serra (PSDB) – 28,1%
Marina Silva (PV) – 8,1%
Plínio de Arruda Sampaio (PSOL) – 0,4%
Zé Maria (PSTU) – 0,4%
Eymael (PSDC) – 0,3%
Rui Costa Pimenta (PCO) – 0,2%
Ivan Pinheiro (PCB) – 0%
Levy Fidelix (PRTB) – 0%
Indecisos – 11,7%
Branco ou nulo – 5,1%

(POrtal G1)

Prefeituras têm até 10 de setembro para informar sobre Projovem Adolescente

“Os gestores dos municípios que executam o Projovem Adolescente, coordenado pelo Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome (MDS), devem preencher informações no Sistema de Acompanhamento de Gestão do programa (Sisjovem) até o dia 10 de setembro de 2010. O preenchimento das informações é obrigatório para todos os coletivos em funcionamento nas cidades. Para ter acesso ao sistema, basta digitar o endereço eletrônico http://aplicacoes.mds.gov.br/sisjovem e usar o nome de usuário e senha utilizados para acesso ao CadSuas. Além do preenchimento de informações gerais dos grupos, o gestor também deve ficar atento ao envio eletrônico da frequência mensal dos jovens.

Em 1º de setembro deste ano, o MDS vai avaliar o desempenho geral do Sisjovem, que funciona experimentalmente desde o mês de janeiro. O coordenador da Secretaria Nacional de Assistência Social do MDS, Alexandre Reis, afirma que, dependendo dessa avaliação, o sistema poderá ser adotado como fonte oficial para acompanhamento e gestão do Projovem Adolescente, que atende a faixa etária de 15 a 17 anos.

Segundo o coordenador, o Sisjovem poderá, inclusive, ser utilizado para calcular os valores das transferências mensais – que os gestores conhecem como Piso Básico Variável I – referente aos recursos repassados pelo ministério para o cofinanciamento do serviço socioeducativo do programa. “Quando isso ocorrer, as transferências estarão condicionadas ao registro e envio eletrônico da frequência mensal dos jovens participantes do programa até o dia 7 de cada mês, sempre com referência ao mês anterior”, explica.

SERVIÇO

Para esclarecer dúvidas quanto à operação do sistema, os gestores devem fazer isso exclusivamente por escrito e enviar as perguntas para o e-mail atendimento.sisjovem@mds.gov.br, com o título “Sisjovem – Dúvidas de preenchimento e operação”. O não preenchimento das informações no Sisjovem pode implicar interrupção do repasse de recursos do Projovem Adolescente.

(Site do MDS)

Para Jefferson, o Serra já perdeu

66 1

“De Roberto Jefferson, o aliado (nesta eleição, de José Serra) que não tem papas na língua:

– Agora que os anéis se foram, resta salvar os dedos. Temos que guardar energias para eleger o Beto Richa, consolidar o Geraldo Alckmin e virar o Antonio Anastasia.

Mas e o Serra? Sem chance?

– Vou votar no Serra, mas não tem mais volta. Agora, só se a Dilma for apanhada com uma mala com 200 000 reais dentro.”

(Coluna Radar – Veja Online)

Mensalão do DEM – PF conclui que Arruda era o chefe da organização

“A Polícia Federal (PF) concluiu no dia 9 de agosto o relatório final da investigação sobre o esquema de pagamento de propinas no governo do Distrito Federal, conhecido como “mensalão do DEM”. No documento, o ex-governador José Roberto Arruda (sem partido, ex-DEM) é apontado como chefe de uma “organização criminosa” para desviar recursos públicos por meio de empresas contratadas pelo seu governo. As informações são do jornal O Estado de S.Paulo.

Um ano depois do início da investigação, a PF conclui que Arruda e seus aliados se enquadram nos crimes de “formação de quadrilha” e “corrupção passiva” para obter “vantagens espúrias”. “José Roberto Arruda encabeçava uma organização criminosa voltada à captação de dinheiro bancado por empresas contratadas”, diz o relatório de 93 páginas. A PF aponta crimes cometidos por sete empresas, Arruda e 12 integrantes do alto escalão de seu governo e pede a abertura de investigação para cada envolvido, com o objetivo de investigar lavagem de dinheiro e ocultação de bens.

O mensalão do governo do DF, cujos vídeos foram divulgados no final do ano passado, é resultado das investigações da operação Caixa de Pandora, da Polícia Federal. O esquema de desvio de recursos públicos envolvia empresas de tecnologia para o pagamento de propina a deputados da base aliada.

O ex-governador José Roberto Arruda (sem partido, ex-DEM) aparece em um dos vídeos recebendo maços de dinheiro. As imagens foram gravadas pelo ex-secretário de Relações Institucionais, Durval Barbosa, que, na condição de réu em 37 processos, denunciou o esquema por conta da delação premiada. Em pronunciamento oficial, Arruda afirmou que os recursos recebidos durante a campanha foram “regularmente registrados e contabilizados”.

As investigações da Operação Caixa de Pandora apontam indícios de que Arruda, assessores, deputados e empresários podem ter cometido os crimes de formação de quadrilha, peculato, corrupção passiva e ativa, fraude em licitação, crime eleitoral e crime tributário.”

 (JB Online)

TSE inicia lacre de programas da urna eletrônica

“O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) inicia, nesta terça-feira, o trabalho de lacrar programas existentes na urna eletrônica. A solenidade será às 18h30min, no auditório do tribunal, em Brasília.

Aberto ao público, o evento tem como objetivo mostrar à sociedade, aos representantes de partidos políticos, da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) e do Ministério Público (MP) que o processo eleitoral é seguro, especialmente porque é inviolável.

Além de receber o lacre físico, a urna eletrônica é lacrada digitalmente, após receber uma assinatura. Os trabalhos serão encerrados no dia 2 de setembro.

(Agência Brasil)

PT articula um novo partido para apoiar futura gestão de Dilma Rousseff

“O PT já articula a formação de um novo partido que apoiaria Dilma Rousseff (PT) no caso de ela ganhar a eleição para a Presidência. A legenda abrigaria parlamentares do PSDB, do PPS e até do DEM dispostos a fazer uma transição lenta, gradual e segura rumo aos braços governistas. Já há conversas entabuladas.

Para que a nova agremiação tenha sucesso será preciso mudar a lei, que impede que um parlamentar eleito por um partido troque de legenda -hoje, se isso ocorre, o político perde o mandato. “Mudança na legislação eu garanto que vai ter. A ideia é amplamente majoritária no Congresso, independente de quem vença as eleições”, diz o deputado Cândido Vacarezza (PT-SP), líder do governo na Câmara.

Sem comentar a possibilidade de criação de um novo partido, ele afirma que a mudança deve permitir a abertura de uma “janela” para que deputados troquem de legenda no primeiro ano depois de eleitos.”

(Folha – Coluna Mônica Bergamo)

Justiça invalida provas da PF contra Família Sarney

“A Justiça invalidou parte das provas obtidas por interceptação de e-mails em operação realizada pela PF quando investigava negócios e movimentações financeiras do empresário Fernando Sarney, filho do presidente do Senado, José Sarney.

A decisão atinge, segundo advogados e juízes ouvidos pela Folha, cerca de 10 mil e-mails que possuem o domínio “@mirante”, usado tanto pela família Sarney como pelos funcionários do Grupo Mirante, empresa que reúne rádios, TVs e jornal no Estado do Maranhão.

A PF pediu, e a Justiça à época autorizou, a quebra do sigilo de e-mails registrados em nome do grupo. Agora, a Justiça entendeu que, ao fazer isso, a PF teve acesso a mensagens de todos os funcionários do grupo e não apenas dos que eram alvo de investigação.

REMOÇÃO DAS PROVAS

Os inquéritos terão que ser reescritos pela PF, segundo apurou a Folha, para que as menções às provas, agora consideradas ilícitas, sejam removidas, o que pode atrasar a conclusão do caso. A investigação começou em fevereiro de 2007, devido à movimentação atípica de R$ 2 milhões na conta de Fernando Sarney e de sua mulher, Teresa Murad Sarney. A apuração se estendeu até agosto de 2008 e apontou crimes de tráfico de influência em órgãos do governo federal, formação de quadrilha, desvio de recursos públicos e lavagem de dinheiro. Fernando nega as acusações.

Ao longo da operação, chamada de Boi Barrica e rebatizada de Faktor, foram “grampeados” 452 endereços de e-mail, o que possibilitou à Justiça ter acesso a milhares de mensagens eletrônicas trocadas entre os funcionários do grupo Mirante.

RECURSO
A decisão da Justiça que anulou os e-mails como prova foi tomada em julho a pedido de João Odilon Soares, um funcionário do grupo de comunicação dos Sarney que também aparece como sócio da factoring da família, usada, segundo a PF, para lavar dinheiro. Ele também era tesoureiro de uma ONG de Fernando suspeita de desviar dinheiro da Eletrobrás. Ambos foram indiciados por gestão financeira irregular, lavagem de dinheiro, falsidade ideológica e formação de quadrilha.

A defesa dele é feita pelo mesmo escritório contratado pela família Sarney. Os advogados pediram ainda a nulidade das provas captadas por meio de quebra de sigilo telefônico, fiscal e bancário, mas não foram atendidos. Eles podem recorrer ao STJ (Superior Tribunal de Justiça), assim como o Ministério Público Federal também deverá recorrer para que as provas voltem a valer.

SEM COMENTÁRIOS
O advogado Eduardo Ferrão, que defende tanto Soares como Fernando Sarney, disse que nem ele nem seus clientes falarão sobre o caso, que corre em sigilo na Justiça. A PF não comentou o assunto. Entre as mensagens interceptadas pela PF com autorização judicial está a que trata da remessa ilegal pela família Sarney de US$ 1 milhão para uma suposta empresa chinesa.

No entendimento de advogados e juízes ouvidos pela Folha, a partir da decisão da Justiça, a PF terá que demonstrar que chegou à informação sobre o dinheiro no exterior por outra fonte que não apenas o e-mail. Caso contrário, a investigação sobre remessa ilegal ao exterior pode ser prejudicada. Trocada entre Ana Clara, neta do presidente do Senado, e Teresa, a mensagem trazia anexa autorização de transferência do dinheiro assinada por Fernando, que gerencia os negócios da família.”

(Folha Online)

PSDB discute ajustes da campanha e deve priorizar 4 Estados

“Preocupado com a queda do candidato José Serra nas pesquisas de opinião, o comando do PSDB já discute ajustes na campanha nacional e uma estratégia de sobrevivência da oposição em caso de derrota na corrida presidencial. O partido apostará suas fichas na eleição de governadores de quatro Estados: São Paulo, Paraná, Minas Gerais e Goiás. Além da correção de rumo para a Presidência, a cúpula tucana se reúne, amanhã em São Paulo, para discutir o futuro da campanha e o destino do partido.

Chamado a São Paulo a pretexto de gravar sua participação na propaganda de Serra, o ex-governador de Minas Aécio Neves tem encontro marcado com o presidente nacional do PSDB, Sérgio Guerra (PE). Segundo tucanos, está prevista ainda a participação do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso na conversa. A assessoria de FHC afirma, porém, que “até o momento, não consta nada do tipo na agenda dele”. Serra deve estar no Rio Grande do Norte amanhã, dia da reunião.

A partir de agora, o partido deverá concentrar seus esforços na manutenção do governo de Minas, onde o peemedebista Hélio Costa lidera a disputa. Apesar de remotas, há expectativa de vitórias no Pará e no Piauí. O tucanato conta ainda com a eleição de pelo menos oito senadores, entre eles Aécio e Tasso Jereissati (CE).

No plano nacional, todo o movimento será para garantir a chegada de Serra ao segundo turno -o foco deve ficar nos nove maiores colégios eleitorais do país. Nos Estados, as candidaturas nos quatro locais-chave onde o partido tem boas chances devem receber um impulso financeiro extra.

Além de Aécio, que lidera a disputa pelo Senado em Minas, todos os candidatos a governador com chance de vitória – entre eles, Beto Richa (PR) e Marconi Perillo (GO) – vão participar do programa de Serra na TV.

SEM LULA NA TV
Segundo Guerra, a imagem do presidente Luiz Inácio Lula da Silva não deverá ser usada novamente. Semana passada, causou tremores no PSDB a exibição de fotos de Serra ao lado de Lula.

“A presença do presidente Lula não mudou nada. Não teve nenhum impacto. Não valeu nada. E por isso não deve se repetir”, disse Guerra, após reunião com o coordenador de comunicação da campanha, Luiz Gonzalez. Tucanos esperam, a partir de hoje, um programa mais agressivo. O comando da campanha tem pronto um jingle que cita o nome do ex-ministro José Dirceu.

Guerra estará hoje em Porto Alegre e Santa Catarina ao lado do presidente nacional do DEM, Rodrigo Maia (RJ), e do ex-presidente Jorge Bornhausen. Na viagem, o trio trabalhará para aplacar abalos na aliança nos Sul. Na noite de domingo, Guerra se reuniu com coordenadores da campanha, na área de mobilização, infraestrutura e arrecadação. Apesar de o comando da campanha descartar dificuldades de arrecadação, integrantes da equipe se queixaram da carência material.

Sob pressão, o coordenador administrativo da campanha, José Henrique Reis Lobo, disse que seria temerário gastar além do cronograma, sob pena de estourar o orçamento da campanha.
Guerra argumentou que dois programas não eram suficientes para se aferir a eficácia da propaganda. Serra está 17 pontos atrás de Dilma Rousseff (PT) no Datafolha.”

(Folha Online)

PSDB articula ofensiva para evitar fortalecimento do PT em São Paulo

“O PSDB de São Paulo pretende fazer uma reunião ampliada com filiados do Estado para discutir e tentar aumentar a participação deles nas campanhas majoritárias. O partido teme uma sangria nos votos do ex-governador e candidato à presidência, José Serra, causada pela ostensiva presença da petista Dilma Rousseff e de seu principal cabo eleitoral, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva, no Estado governado por tucanos há 16 anos.

Serra já perdeu espaço para sua adversária em São Paulo, Estado onde reinava absoluto nas pesquisas de intenção de voto. “É proselitismo, discussão de ideias”, afirma o organizador, deputado Mendes Thame. Dilma carregou sua agenda nos últimos dias com eventos na capital paulista. Nesta segunda-feira (23), fez uma panfletagem em São Bernardo na companhia de Lula.

O partido também fará, no dia 1º de setembro, um encontro de prefeitos paulistas na casa de shows Credicar Hall. Foram convidados cerca de 450, que apoiam a coligação para eleger o candidato ao governo Geraldo Alckmin e Serra. À frente da organização, está o deputado estadual Sydnei Beraldo. O encontro foi articulado por Serra e pelo governador de São Paulo, Alberto Goldman, em conjunto com a chapa paulistana: Alckmin e os candidatos ao Senado, Aloysio Nunes e Orestes Quércia.

A sigla espera receber ao menos 300 prefeitos da coligação (PSDB, PMDB, PPS e PTB) e, segundo tucanos paulistas, “contagiá-los” para evitar aproximações com a ala petista do PMDB em São Paulo, liderada por Michel Temer, vice de Dilma. O evento serve também como resposta ao candidato do PT ao governo, Aloizio Mercadante, que explorou eleitoralmente uma suposta debandada de prefeitos da coligação tucana. Segundo os cálculos do PSDB no Estado, perderam apenas um prefeito para a base petista.”

(Portal Terra)

Justiça Eleitoral usa Lei da Ficha Limpa e barra candidatura de Maluf

92 2

“Por quatro votos a dois, os juízes do Tribunal Regional Eleitoral de São Paulo decidiram enquadrar o deputado federal Paulo Maluf (PP-SP) na Lei da Ficha Limpa e vetar sua candidatura à reeleição. Maluf ainda pode recorrer ao TSE (Tribunal Superior Eleitoral). Os magistrados consideraram que a condenação no TJ (Tribunal de Justiça) de São Paulo pelo suposto envolvimento em uma compra de frangos superfaturada pela prefeitura da capital paulista à época em que Maluf era prefeito serve como argumento para barrá-lo. O presidente do tribunal, Walter de Almeida Guilherme, disse, no julgamento, que a Lei da Ficha Limpa “é um avanço para a moralização dos hábitos políticos”, pouco antes de votar pelo indeferimento.

FICHA LIMPA
O deputado foi impugnado pela lei aprovada neste ano, que considera “fichas-sujas” os políticos condenados por órgãos colegiados da Justiça, em geral cortes estaduais. A impugnação foi motivada pela condenação no Tribunal de Justiça de São Paulo da suposta participação em uma compra de frangos superfaturada pela Prefeitura de São Paulo. Ele responde a quatro procedimentos criminais no STF –um inquérito e três ações penais.

O mais antigo deles, a ação penal 458, começou na Justiça de São Paulo em 2001 e poucos se arriscam a dizer quando será concluído. Refere-se à acusação do Ministério Público de São Paulo de que Maluf, à frente da prefeitura paulistana (1993-1996), fraudou o orçamento para gastar mais no seu último de governo, deixando para o seu sucessor um rombo de R$ 1,2 bilhão. Os outros casos tiveram origem em investigações do Ministério Público que apontaram desvios de recursos públicos da construção do túnel Ayrton Senna e da avenida Roberto Marinho. Um deles levou à prisão preventiva de Maluf por 40 dias em 2005.

FRANGOS
No último dia 27 de julho, o TJ-SP rejeitou um recurso de Paulo Maluf (PP-SP) que buscava cassar a condenação do congressista pela suposta participação em uma compra de frangos superfaturada pela Prefeitura de São Paulo. A defesa de Maluf alegou em juízo que a condenação teve por base um cálculo incorreto e no caso da aquisição de frangos não houve prejuízo aos cofres públicos.

Os desembargadores da 7ª Câmara de Direito Público, porém, entenderam que essa questão não poderia ser discutida por meio do tipo de recurso apresentado pelo deputado– tecnicamente chamado embargos de declaração– e rejeitaram o pedido dos advogados de Maluf sem discutir sobre a correção do cálculo do suposto prejuízo ao município.”

(Folha.com)