Blog do Eliomar

Categorias para Brasil

Reajuste da conta de luz do cearense pode ficar abaixo dos 10%

270 1

Fortaleza, 20 de Marco de 2017 – Conta de luz, pagamentos.
– NEGOCIOS – 13ne0122 – HELENE SANTOS

O aumento anual da tarifa de energia no Ceará ficará abaixo dos 10%. A partir do dia 22 de abril, o reajuste passará a vigorar, mas o percentual será anunciado pela Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) na próxima terça-feira. O índice será menor para os consumidores de baixa tensão (residência) e maior para os de alta (indústrias). Demais estados sofreram reajuste em torno de 20%.

Segundo Erildo Pontes, presidente do Conselho de Consumidores da Enel Distribuidora Ceará (Conerge), o percentual ainda não pode ser revelado antes da homologação da Aneel. Porém, o índice deve ficar abaixo de dois dígitos, ou seja, menor que 10%, segundo sinalizado na reunião, em Brasília, com a Agência.

Até o anúncio oficial do reajuste, Erildo diz que o percentual pode sofrer alguma alteração a partir dos questionamentos que ocorrem em bastidores entre a distribuidora e a Aneel, mas que o resultado deve ficar dentro do patamar já sinalizado. “Diria que é um reajuste aceitável pelos consumidores. Não será como nos anos anteriores, em que chegou a 50% de aumento”.

Neste ano, o reajuste foi puxado pela baixa nos reservatórios de água, que fez com que as térmicas a gás e a diesel fossem acionadas para suprir a demanda energética, gerando custo mais alto do que a geração pela hidrelétrica.

Segundo Jurandir Picanço, consultor na área de energia da Federação das Indústrias do Estado (Fiec) e presidente da Câmara Setorial de Energias Renováveis do Ceará, a Aneel sinalizou que o reajuste será acima da inflação. Um efeito dos encargos que pesam e não são propriamente do custo do serviço, que é a Conta de Desenvolvimento Energético (CDE).

Para tentar minimizar o impacto de reajuste anual, a Aneel criou em 2015 o Sistema de Bandeiras Tarifárias. Adão Linhares, secretário-adjunto de Energia do Estado, explica que antes das bandeiras havia o acúmulo de déficit provocado pela falta de água das hidrelétricas e pelos custos das térmicas adicionadas.

“Então, o reajuste tinha que compensar financeiramente todo o dinheiro que a concessionária tinha emprestado comprando aquela energia mais cara”. As bandeiras ajudaram a compensar a necessidade de energia numa situação crítica.

Conforme Joaquim Rolim, coordenador do Núcleo de Energia da Fiec, os aumentos dos últimos três anos impactaram a competitividade da indústria e a expectativa. “O industrial não consegue colocar isso no preço do produto e os clientes não conseguem pagar a mais. A indústria já não suporta tantos aumentos de energia elétrica”, avalia.

Toda alta é inadequada, porque a população já está sentido a retomada da economia, avalia Cid Alves, presidente do Sindicato do Comércio Varejista e Lojista de Fortaleza (Sindilojas). “O aumento dos preços gera insegurança no consumo das famílias e o comércio é o que mais sente, porque no varejo é onde as famílias fazem suas compras”. Cid observa que o reajuste acaba por deslocar o dinheiro que seria aplicado no consumo para o pagamento adicional de energia. Nesse sentido, energia eólica e solar oferecem um custo melhor.

(O POVO – Repórter Cristina Fontenele)

A Força-Tarefa do Temer contra o crime organizado virou pirotecnia?

Da Coluna Política, do jornalista Érico Firmo, no O POVO desta sexta-feira, eis o tópico”Cadê a Força Federal do temer?”, que merece boas reflexões. Confira:

Em momento no qual a Secretaria da Segurança Pública e Defesa Social (SSPDS) realiza mais uma grande ofensiva contra facções criminosas, fico mais uma vez me perguntando: onde está a força-tarefa federal anunciada como reforço para a segurança no Ceará?

Para recapitular: depois da chacina das Cajazeiras, em 30 de janeiro, o presidente Michel Temer (MDB) autorizou, em 30 de janeiro, o envio de grupo da Polícia Federal ao Estado. Em 18 de fevereiro, quando líderes nacionais de uma das maiores facções do País foram executados em Aquiraz, a promessa foi reafirmada. Aí, as pessoas foram enviadas ao Estado no dia seguinte e iniciaram reuniões.

De lá para cá, já houve mais chacina, onda de ataques… E aí me perdoem os membros da tal força-tarefa se eu estiver sendo injusto. É capaz de eles estarem fazendo grande trabalho na surdina. De todas as operações deflagradas terem participação deles. De não receberem crédito algum por razões estratégicas. Tudo isso é possível.

Mas, a impressão para quem observa de fora, e sente os problemas, é de que aquilo não passou de pirotecnia. Os primeiros enviados da força-tarefa chegaram ao Estado na semana seguinte ao início da intervenção federal no Rio de Janeiro. Foi quando o governo Michel Temer (MDB) abandonou a reforma da Previdência e decidiu se firmar como governo da segurança pública.

Não houve até agora resultado que preste. Foi criado até ministério para a segurança pública. Mas, os efeitos da força-tarefa não são vistos. Até prova em contrário, que torço para vir, é pura empulhação para engabelar a opinião pública e fazer marquetagem eleitoreira em cima da violência. Nada de novo sob o sol.

STF vota devolução do mandato de Eduardo Cunha

O ministro Ricardo Lewandowski (STF) liberou para votação eletrônica o mandado de segurança no qual Eduardo Cunha pede para anular a decisão da Câmara dos Deputados que cassou o seu mandato de deputado.

A informação é do jornalista Lauro Jardim, colunista do O Globo, adiantando que, nesse modelo de votação, os ministros apresentam seu voto virtualmente, sem encontro presencial, e também sem muito alarde.

A expectativa, no entanto, é a de que os ministros o mantenham longe do Congresso.

Cármen Lúcia assume a presidência da República

Pela segunda vez na história do Brasil, uma mulher presidente do Supremo Tribunal Federal (STF) assume interinamente a Presidência da República. Cármen Lúcia ocupará o posto hoje (13), assim que o presidente Michel Temer deixar o espaço aéreo brasileiro, na viagem que fará a Lima, no Peru, para participar da 8ª Cúpula das Américas. A previsão é de que Temer embarque para a capital peruana às 11 horas.

A primeira presidente do STF a assumir o cargo foi a ex-ministra do STF Ellen Gracie, em maio de 2006, quando o então presidente Luiz Inácio Lula da Silva viajou à Argentina acompanhado das três autoridades que, na época, estavam em sua linha sucessória: o vice-presidente José Alencar; os então presidentes da Câmara, Aldo Rebelo (SD-SP), e do Senado, Renan Calheiros (MDB-AL).

Como desde a posse de Temer, após o impeachment de Dilma Rousseff, o Brasil não tem vice, caberia ao presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), assumir o cargo. Mas tanto Maia quanto o presidente do Senado, Eunício Oliveira (MDB-CE), se tornariam inelegíveis para as próximas eleições caso assumissem. Diante disso, eles optaram por sair do país até o retorno de Temer. Maia viaja para o Panamá e Eunício para o Japão.

Ainda não está definido se Cármen Lúcia cumprirá a agenda no cargo de presidente da República despachando do STF ou do Planalto. Estão previstas reuniões com a advogada-geral da União, Grace Mendonça, às 13 horas; com o ministro da Defesa, general Joaquim Silva e Luna, às 13h30min; com o presidente da Federação Interestadual das Empresas de Transporte de Cargas, José Hélio Fernandes, às 15 horas; e com o governador de Rondônia, Daniel Pereira, às 15h30min.

Às 16 horas, Cármen Lúcia receberá a antropóloga Débora Diniz, com quem tratará de alguns projetos em tramitação no Congresso. Às 18 horas, vai se reunir com o presidente da Associação dos Magistrados Brasileiros, Jayme de Oliveira.

(Agência Brasil)

TSE recebe até esta sexta-feira lista atualizada dos filiados a partidos políticos

Os 35 partidos políticos registrados no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) têm até esta sexta-feira (13) para enviar a relação atualizada de seus filiados em todo o país.

O alerta do TSE está previsto na Lei nº 9.096/1995, segundo a qual as legendas devem entregar, anualmente, a lista aos juízes eleitorais de cada localidade sempre na segunda semana dos meses de abril e outubro.

Ciro descarta visitar Lula na carceragem da PF em Curitiba

466 1

O presidenciável Ciro Gomes (PDT) descartou, ontem, em Fortaleza, visita ao acampamento organizado pelo Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST), em Curitiba. Questionado, o pedetista afirmou que não participa “desse tipo de coisa faz tempo” e que as mobilizações mais atrapalham do que ajudam o ex-presidente Lula, preso na superintendência da Polícia Federal no Paraná.

Segundo a Folha de São Paulo, no entanto, há um pedido de autorização na 12ª Vara Federal de Curitiba para que o pré-candidato presidencial do partido, Ciro Gomes, consiga visitar o ex-presidente Lula na prisão.

O requerimento, segundo a publicação, é assinado pelo deputado federal André Figueiredo, do PDT. O POVO procurou o parlamentar para confirmar a informação, mas as chamadas para o telefone celular não foram atendidas.

O presidente nacional da legenda, Carlos Lupi, alegou desconhecer o pedido e negou que a qualquer solicitação dessa natureza seja em nome da sigla. “Pode ter sido de maneira individual e não em nome do partido”, disse ao O POVO.

Ainda conforme a publicação, “a demanda ora veiculada envolve tão apenas três pessoas amigas do custodiado, que não apresentariam qualquer risco ao normal funcionamento da instituição”.

A ausência de Ciro em manifestação no Sindicato dos Metalúrgicos do ABC, antes de Lula ser preso, segue sendo um problema a ser digerido pela cúpula petista. Ciro, por outro lado, afirmou que estava em evento nos Estados Unidos, ao lado do vice-presidente nacional do PT, Alexandre Padilha, em agenda marcada há oito meses, e que não tinha voo de retorno ao Brasil após saber da notícia do despacho do juiz Sergio Moro.

(O POVO – Repórter Wagner Mendes/Foto – Alex Gomes)

Fortaleza 292 Anos – Fagner, Adísia Sá e Liberal de Castro recebem a Medalha Iracema

O prefeito de Fortaleza, Roberto Cláudio (PDT), vai entregar, a partir das 9 horas desta sexta-feira, no Paço Municipal, a mais alta comenda da cidade, a Medalha Iracema, a três personalidades.

Receberão a homenagem, dentro da programação festiva dos 292 anos de Fortaleza, o cantor e compositor Raimundo Fagner, a jornalista e professora Adísia Sá e o arquiteto Liberal de Castro.

(Foto – Divulgação)

Enem 2018 – Termina neste domingo prazo para pedir isenção da taxa

Termina no próximo domingo (15) o prazo para os candidatos ao Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) pedirem a isenção da taxa de inscrição da prova. O Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep) espera que cerca de 4 milhões de pessoas peçam a isenção da taxa neste ano.

Em 2018, o Enem completa 20 anos e pela primeira vez o pedido de isenção da taxa é feito antes do período de inscrição. Também pela primeira vez, os candidatos que tiveram a isenção no ano passado e faltaram aos dois dias de prova terão que justificar a ausência para ter a gratuidade novamente.

Se a solicitação de isenção for negada, ainda é possível recorrer da decisão, na Página do Participante, entre os dias 23 e 29 de abril. A aprovação da isenção da taxa de inscrição não significa que o participante já está inscrito no Enem 2018. As inscrições deverão ser feitas das 10h do dia 7 de maio às 23h59 de 18 de maio deste ano, pelo site do Enem.

Quem tem direito à isenção

– Quem está cursando a última série do ensino médio neste ano em escola da rede pública

– Quem cursou todo o ensino médio em escola da rede pública, ou como bolsista integral na rede privada, e tenha renda per capita igual ou inferior a um salário mínimo e meio

– Quem declarar situação de vulnerabilidade socioeconômica, por ser membro de família de baixa renda, e que esteja inscrito no Cadastro Único para Programas Sociais do Governo Federal (CadÚnico)

– Quem fez o Exame Nacional para Certificação de Competências de Jovens e Adultos (Encceja) do ano passado, que tenha atingido a nota mínima

(Agência Brasil)

As cidades e a cidade

Confira o Editorial do O POVO desta sexta-feira, 13, data em que Fortaleza comemora seus 292 anos:

Fortaleza é cidade de contrastes. Vivências tão múltiplas que se condensam num mesmo tecido social e se complexificam à medida que os desafios da metrópole vão ganhando corpo. É esse corpo urbano que chega aos 292 anos hoje. Há razões de sobra para festejar. Outras tantas que levam a pensar. Como coletividade, aonde aponta o futuro de Fortaleza?

Viver a capital cearense é sobretudo estar atado a um modo de ser: uma existência atravessada pela praia, o forró, os shoppings, as barracas, a Beira-Mar e o Centro. Nossos marcos geográficos e afetivos giram em torno principalmente de um trinômio indissociável: o mar, a gastronomia e o sol.

O caranguejo às quintas-feiras, as compras no Mercado Central, a tapioca e o pastel vendidos em garupas de bicicletas nas ruas, o fim de tarde na Praia de Iracema, o banho de mar no aterrinho, a panelada no São Sebastião, a caminhada no Parque do Cocó. Um amor que se encontra nas esquinas, nas manhãs de sábado do Passeio Público e nas voltas de bicicleta.

Mas é sempre difícil amar incondicionalmente. Há muitos senões pelo caminho. Aniversário também é tempo para isto: repensar o vivido e projetar o que vai pela frente, desenhando outro futuro. E os últimos dias em Fortaleza têm sido amaríssimos. Toda a violência que sobressalta e faz duvidar sobre a capacidade de resposta. No entanto, respondemos. Fortaleza vai em frente. Não se apavora. Não cede ao medo. Tampouco esquece os seus, sejam os de área nobre ou pobre. A cidade é a mesma para todos e todas. Ou se aceita esse pressuposto ou não há paz.

Uma Fortaleza para amar, então, tem um duplo sentido: a cidade real, na qual os fortalezenses de nascença ou por adoção acordam e trabalham desde as primeiras horas – o jangadeiro, a motorista, a garçonete, a estudante, o ambulante, o policial.

E outra cidade para amar que ainda não é presente: é projeto. E é nela que devemos pensar agora. Amar a capital cearense é construir desde agora uma coletividade cujos valores estejam assentados em justiça social e igualdade para quem partilha seu cotidiano. É nessa interação entre a cidade real e a cidade imaginária que se pode chegar a outro aniversário com mais motivos para comemorar do que agora.

Aos 292 anos, os 300 batem à porta e, com eles, toda essa carga simbólica do número fechado. Uma metrópole de três séculos.

Apenas oito anos separam o agora desse futuro que ainda soa como ficção. Em breve, porém, viveremos nele.

Esse é o aprendizado que se pode extrair neste dia: que o futuro da cidade e de seus habitantes é sempre conjugado no presente.

Quando dizemos Fortaleza de amanhã, falamos da Fortaleza de hoje.

Governo mantém em R$ 139 bilhões a meta de déficit primário para 2019

Apesar da melhoria na arrecadação da economia nos últimos meses, a equipe econômica manteve em R$ 139 bilhões a meta de déficit primário para o próximo ano. O valor consta da proposta da Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) de 2019, enviada hoje (12) ao Congresso Nacional.

O déficit primário é o resultado negativo nas contas do governo sem o pagamento dos juros da dívida pública. A LDO de 2018 estipulava uma meta de déficit primário de R$ 139 bilhões para o Governo Central – Tesouro Nacional, Previdência Social e Banco Central. Isso ocorre porque a LDO de um ano traz previsões para os três anos seguintes.

Há dois dias, o novo ministro do Planejamento, Esteves Colnago, tinha confirmado que o governo estudava a redução da meta de déficit primário para 2019 por causa da melhoria da arrecadação nos últimos meses. O governo, no entanto, recuou e decidiu manter a meta no valor estipulado.

“A ideia é não criar restrições desnecessárias para o próximo presidente”, disse Colnago hoje, ao explicar a decisão de não mudar o valor da meta fiscal.

Apesar de não ter alterado a meta de déficit para o Governo Central, a proposta da LDO aumentará a meta de superávit primário (resultado positivo desconsiderando os juros da dívida pública) dos estados e dos municípios de R$ 4,7 bilhões (valor da LDO de 2018) para R$ 10,5 bilhões na proposta da LDO para 2019. A meta das empresas estatais federais foi mantida em déficit de R$ 3,5 bilhões.

O texto da LDO prevê déficit primário de R$ 110 bilhões para o Governo Central em 2020 e de R$ 70 bilhões para 2021. Originalmente, a LDO de 2018 estipulava déficit de R$ 65 bilhões para 2020. O valor para 2021 é inédito.

A LDO define os parâmetros e as metas fiscais para a elaboração do Orçamento do ano seguinte. Pela legislação, o governo deve enviar o projeto até 15 de abril de cada ano. Caso os parlamentares não consigam aprovar a LDO até o fim do semestre legislativo, em 17 de julho, o Congresso não pode entrar em recesso.

(Agencia Brasil)

CNI vai ouvir presidenciáveis no dia 4 de julho

Ciro (PDT), Marina (Rede) e Bolsonaro (PSL) já circulam como presidenciáveis.

Está marcado para 4 de julho o Diálogo da Indústria com os Candidatos à Presidência da República. Organizado pela Confederação Nacional da Indústria (CNI), o evento reunirá, no Centro Internacional de Convenções do Brasil (CICB), em Brasília, cerca de 1.500 líderes empresariais de todo o país.

A informação é da assessoria de imprensa da entidade, adiantando que, nessa oportunidade, o empresariado discutirá com os principais candidatos à Presidência as propostas da indústria para aumentar a produtividade das empresas e estimular o crescimento sustentado da economia brasileira.

A CNI apresenta as propostas da indústria aos presidenciáveis desde a eleição de 1994. Neste ano, serão encaminhados aos candidatos cerca de 40 documentos com as sugestões do setor, que estão sendo elaborados com base no Mapa Estratégico da Indústria 2018-2022.

Lula recebe a visita dos filhos na carceragem da PF em Curitiba

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva recebeu nesta quinta-feira (12), na carceragem da Polícia Federal (PF) em Curitiba, a visita dos filhos Fábio Luís, Luís Claudio e Lurian e do neto Thiago, acompanhados do advogado Cristiano Zanin Martins. Foi a primeira visita ao ex-presidente desde que ele foi preso, no dia 7 deste mês, em São Bernardo do Campo (SP).

Do lado de fora, grupos que permanecem em vigília pedindo a libertação de Lula fizeram debates e receberam parlamentares do PT, entre os quais os deputados Carlos Zarattini (SP) e Henrique Fontana (RS). Ainda para hoje está prevista a realização de um ato com a participação da presidente do partido, senadora Gleisi Hoffmann (PR).

Dirigentes do PT criticam as condições em que o ex-presidente está preso, principalmente a dificuldade de visitar Lula. Na terça-feira (10), a 13ª Vara Federal de Curitiba negou autorização para a entrada de nove-governadores e três senadores na carceragem para uma visita ao ex-presidente.

(Agência Brasil)

João Bosco é atração no Teatro RioMar nesta quinta-feira

João Bosco volta aos palcos de Fortaleza para show, a partir das 21 horas desta quinta-feira. Será no Teatro RioMar Papicu. Durante 1h30min, ele promete apresentar as novas músicas ao público da Capital, como Duro na Queda (parceria com Aldir Blanc) e Ultra leve (que também tem assinatura de Zeca Baleiro).

Entre as inéditas, estarão ainda a faixa-título, Fim, Nenhum futuro e Quantos Rios, todas em parceria com Francisco Bosco. O público que acompanha o trabalho de João Bosco também ouvirá clássicos da música brasileira assinados pelo artista.

SERVIÇO

*Teatro RioMar Fortaleza

Ingressos- de R$ 50 a R$ 160.

(Foto – Divulgação)

STF nega pedido de habeas corpus de Palocci

Por 7 votos a 4,  os ministros  do Supremo Tribunal Federal (STF) decidiram hoje (12) negar o pedido de liberdade protocolado pela defesa do ex-ministro Antônio Palocci, preso desde setembro de 2016 na Superintendência da Polícia Federal em Curitiba, devido às investigações da Operação Lava Jato.

No ano passado, Palocci foi condenado pelo juiz federal Sérgio Moro a 12 anos, dois meses e 20 dias de prisão por corrupção passiva e lavagem de dinheiro em um dos processos a que responde no âmbito da Lava Jato.

A maioria de votos foi formada com base no voto do relator, proferido na sessão de ontem (11). Fachin entendeu que há risco para a ordem pública, caso o ex-ministro seja libertado. Para o ministro, Palocci ainda tem influência e parte dos recursos que foram desviados ainda não foi recuperado. “Esse cenário revela periculosidade concreta do agente, circunstância que evidencia fundado receio de práticas de futuras infrações”, entendeu o relator.

O entendimento foi acompanhado pelos ministros Alexandre de Moraes, Luís Roberto Barroso, Luiz Fux, Rosa Weber, Celso de Mello e Cármen Lúcia.

Votaram a favor da liberdade de Palocci os ministros Dias Toffoli, Gilmar Mendes, Ricardo Lewandowski e Marco Aurélio.

Última a votar, a presidente do STF, Cármen Lúcia, também acompanhou a maioria e entendeu que a decisão de Moro, ao manter a prisão de Palocci, levou em conta que não era possível substituir o cárcere por medidas cautelares, em função do risco de reiteração dos crimes.”O minsitro Fachin demonstrou que nada havia de desarrazoado [na sentença], porque o transcurso [do processo] se fazia da maneira razoável, pertinente e necessária. Não havia reconhecimento de excesso de prazo”, afirmou.

Para Gilmar, o prazo indefinido das prisões preventivas é uma forma de tortura para viabilizar acordos de delação premiada. “Vertentes que pretendem restringir o habeas corpus, limitar o habeas corpus estão, obviamente, fazendo rima com o AI-5”, disse.

Lewandowski entendeu que, com o encerramento das investigações e a definição da sentença do ex-ministro, não há mais necessidade da continuidade da prisão. “Com a prolação da sentença, a prisão preventiva já exauriu todos os seus efeitos, no tocante ao requisito da conveniência da instrução criminal, não mais substituindo risco de interferência na produção probatória, razão pela qual não se justifica, sob este fundamento, a manutenção da custódia cautelar”, argumentou.

De acordo com as investigações, a empreiteira Odebrecht tinha uma espécie de “conta-corrente de propina” com o PT, partido do ex-ministro. De acordo com os investigadores, a conta era gerida por Palocci, e os pagamentos a ele eram feitos por meio do Setor de Operações Estruturadas da Odebrecht – responsável pelo pagamento de propina a políticos – em troca de benefícios indevidos na Petrobras.

No STF, a defesa de Palocci alegou que o caso deveria ser julgado pela Segunda Turma da Corte, e não pelo plenário.  Além disso, os advogados criticaram o “uso da prisão preventiva como forma ilegal de antecipação de pena”.

(Agência Brasil)

Guarani de Campinas chega com dois desfalques para enfrentar o Fortaleza

Já está em Fortaleza a equipe do Guarani de Campinas (SP) que, nesta sexta-feira, na Arena Castelão, enfrentará o Fortaleza em partida válida pela Série B, do Brasileirão. É a estreia dos dois times no certame.

O Guarani desembarcou com dois desfalques: Bruno e Baraca, informou o presidente do clube, Palmeron Mendes, que falou com o Blog, destacando ser prioridade a classificação do time paulista para a Série A. Isso, porque há motivação.

“Nós fomos campeões na Série B do Paulistão e queremos fazer nosso clube voltar ao lugar que é seu: a primeira divisão do Brasileirão,”, reforçou Palmeron.

Economista falará sobre tendências da globalização para o empresariado cearense

O LIDE Ceará, movimento que congrega lideranças locais empresariais, vai realizar nesta sexta-feira (13), a partir das 8 horas, no Hotel Gran Marquise, mais uma edição do Café Debate Desta vez , o tema será “Megatendências Globais e o Impacto sobre os Negócios no Brasil”.

O convidado é o economista Marcos Troyjo, diretor do BRICLab na Universidade de Columbia, Nova York (EUA). Na conversa com o empresariado cearense, Troyjo examinará a trajetória da globalização ao longo dos últimos 25 anos e fará uma projeção de cenários até 2030.

Perfil

O professor Marcos Troyjo é diretor do BRICLab na Universidade Columbia, em Nova York, um fórum sobre Brasil, Rússia, Índia e China. É professor da Columbia-SIPA, School of International and Public Affairs, colunista semanal do jornal Folha de S. Paulo, comentarista internacional da Rádio Jovem Pan e colaborador regular da mídia eletrônica e impressa no Brasil e no mundo, com destaque para Financial Times, The World Financial Review, Latin Business Chronicle, Radio France Internationale, Voice of Russia e CNN en Español.

(Foto – Divulgação)

A construção de uma cidade cada vez mais jovem

Com o título “A construção de uma cidade cada vez mais jovem”, eis artigo de Wesley Sacramento, diretor da Associação dos Moradores dos Bairros Ellery e Monte Castelo. Ele apregoa a necessidade de políticas públicas que instiguem à participação da juventude no crescimento desta Fortaleza. Confira:

Amanhã, 13 de abril, nossa querida Fortaleza completa 292 anos. É uma cidade em crescimento e desenvolvimento constante, mas ainda enfrenta diversas contradições sociais. Vivenciamos os desafios para transformá-la numa Capital que acolha de fato a nossa juventude. As diversas ações espalhadas sempre no intuito de ocupar o espaço urbano com políticas públicas nos colocam um desafio: convencer a juventude do seu papel protagonista e transformador da realidade social.

Hoje, mesmo com a implantação de diversas políticas públicas para a juventude, infelizmente ainda nos deparamos com as dificuldades da identificação da juventude sobre a importância da sua participação nos processos sociais. Esse desafio é muito presente no cotidiano de quem enfrenta a realidade da luta no dia a dia da cidade. A experiência nos mostra que é imprescindível intensificar as ações de arte e educação e também instigar nos jovens para desenvolver o sentimento de pertencimento da cidade.

Neste aniversário de Fortaleza, além de festejar mais um ciclo para nossa Capital, devemos refletir sobre o fortalecimento das iniciativas que contribuem para melhorar a vida da juventude. A criação e ocupação dos equipamentos públicos e de uma agenda de ações são iniciativas que estão valorizando a juventude. Porém ainda temos um universo de jovens que ainda não sabem como acessar as diversas atividades e, por isso, é necessário potencializar as ações, buscando parcerias com os grupos espalhados pela cidade que atuam com a juventude.

Tenho convicção de que a junção entre o terceiro setor, o poder público e privado pode reduzir a desigualdade e a violência que afetam os jovens. Diante disso, é necessário fortalecer as iniciativas que visam promover a cultura, emprego, lazer, esporte, entre outras medidas que sejam capazes de dar conta da demanda. Por isso, conclamo todos para que possamos nos unir em torno das bandeiras da juventude com afinco, e juntos construirmos a cidade que queremos – uma Fortaleza cada vez mais jovem e capaz de abraçar os nossos sonhos.

*Wescley Sacramento

wescleysacramento2@gmail.com

Diretor da Associação Comunitária dos Bairros Ellery e Monte Castelo.