Blog do Eliomar

Categorias para Brasil

Privatização de aeroportos divide base aliada

“Parlamentares da oposição e aliados ao governo já divergem sobre o provável envio, pela presidente Dilma Rousseff, de uma medida provisória que permitirá a operação privada de aeroportos. A presidente, segundo informações publicadas pela imprensa, já decidiu entregar à iniciativa privada a construção e operação de novos terminais nos aeroportos de Guarulhos e Viracopos, no estado de São Paulo. O objetivo seria desafogar aeroportos vitais para a realização, no Brasil, da Copa do Mundo de 2014.

O líder do DEM, deputado Paulo Bornhausen (SC), deixa claro que o partido não será contra entregar à iniciativa privada a construção e a operação de novos terminais. No entanto, ele critica o modelo que, na sua avaliação, será adotado pelo Executivo.

“O governo pode até resolver os problemas dos aeroportos de São Paulo e do Rio de Janeiro, mas não dos estados que não têm o mesmo número de passageiros e, portanto, a mesma viabilidade econômica”, afirma. “É necessário vincular, aos aeroportos maiores, aqueles com menos capacidade de geração de receita, para existir um equilíbrio regional e garantir um sistema sustentável ao longo do tempo”, acrescenta.

Além disso, ele lamenta o que considera uma mudança de postura de Dilma logo após assumir a presidência quando se trata de privatização. “Fica a impressão, muito ruim para a classe política, de que o que se diz na campanha não é o que se faz no governo”, critica Bornhausen.

Segundo ele, a solução que os oposicionistas apontaram para o caos nos aeroportos foi “satanizada” na campanha de 2010 e ao longo dos últimos oito anos de governo petista, mas agora a privatização “é a mágica que a senhora Dilma Rousseff encontra para resolver o problema”.

Reação

O líder do governo, deputado Cândido Vaccarezza (PT-SP), rebate esses argumentos e diz que não há nada de contraditório em adotar a participação privada no setor aeroportuário.

“A oposição está fora de foco. A crítica que nós fizemos às privatizações do PSDB e do DEM foi a de que eles entregaram a preço de banana as empresas nacionais, como a Vale. Fizeram privatizações com sentimento antipatriótico”, afirma. “O caso dos aeroportos é outro, pois eles não vão ser privatizados. A iniciativa privada poderá construir aeroportos por concessão do governo, com preço justo. Isso não tem nada a ver com as privatizações do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso e do PSDB”, conclui Vaccarezza.

A expectativa é de que a MP também inclua a abertura do capital da Infraero, estatal que administra os terminais.”

(Agência Câmara)

Um "Ficha suja" no Turismo

177 3

Com o título “A ficha suja do executivo do Turismo”, eis uma das reportagens da revista Época desta semana. Confira:

O Ministério do Turismo foi criado em 2003 pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva para acomodar o aliado PTB em seu governo. Nasceu com um orçamento de R$ 377,7 milhões, acanhado para os padrões da Esplanada. A pasta cresceu em tamanho e prestígio durante os dois mandatos de Lula. Chegou a 2010 com uma verba de cerca de R$ 7 bilhões para administrar. Ficou rico e passou a ser cobiçado pelos partidos que compõem a base de sustentação de Lula e, agora, da presidenta Dilma Rousseff.

O novo protagonismo do Ministério do Turismo ficou manchado com a revelação de que verbas de convênios firmados pela pasta para patrocinar festas e eventos eram desviadas. O escândalo envolveu dezenas de parlamentares no momento em que o Congresso discutia o Orçamento da União para 2011. O senador Gim Argello (PTB-DF) renunciou à relatoria do Orçamento depois da descoberta de que destinou verbas para empresas de fachada.

Com esse histórico de problemas recentes, esperava-se que a presidenta Dilma Rousseff tomasse providências para moralizar a gestão do Ministério do Turismo. Não foi bem o que ocorreu. Antes mesmo de assumir o comando da pasta, o deputado Pedro Novais (PMDB-MA), de 80 anos, protagonizou outro escândalo. Novais apresentou uma conta à Câmara em que pediu ressarcimento de despesas com uma suíte de motel em São Luís, no Maranhão, onde teria ocorrido uma festa com 15 casais. Apesar do constrangimento, Novais conseguiu ser confirmado como ministro por causa dos apoios do presidente do Senado, José Sarney (PMDB-AP), e do deputado Henrique Eduardo Alves (RN), o líder do PMDB na Câmara.

Estimulado por essa demonstração de força, Henrique Alves patrocinou na semana passada mais uma nomeação no ministério: a de Frederico Silva da Costa para secretário executivo, o segundo cargo mais importante da pasta. Antes de ser promovido, Frederico da Costa era o responsável pelos investimentos do ministério em obras de infraestrutura. Tinha como principal atribuição a coordenação do Programa de Desenvolvimento do Turismo (Prodetur), que é financiado pelo Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID) e foi lançado em março de 2008, durante a gestão da petista Marta Suplicy. Na primeira leva de empréstimos do Prodetur foram destinados R$ 13 milhões para a construção de uma rodovia em Goiás, a GO-507, que reduz em cerca de 30 quilômetros o percurso para os turistas das regiões Sul e Sudeste que visitam a região de Rio Quente, onde está localizado o Rio Quente Resorts, um dos principais polos turísticos do país, por causa de suas águas termais.

A nova rodovia facilitou o acesso para 70% do cerca de 1 milhão de turistas que anualmente visitam o resort, mas, ao mesmo tempo, suscita uma questão de possível conflito de interesses. Metade do capital da empresa Rio Quente Resorts – maior beneficiária da construção da estrada – pertence à família de Frederico da Costa. Além disso, o empreendimento é dirigido por seu irmão, Francisco Costa Neto. Em resposta por escrito enviada pela assessoria do Ministério do Turismo, Frederico da Costa não tratou da questão do conflito de interesses e justificou o financiamento da construção da estrada como um atendimento a um pedido do governo de Goiás em favor de uma das maiores áreas turísticas do país.”

Governadores "mão de tesoura"

Com o título “Governadores mão de tesoura”, a revista IstoÉ aborda desta semana aborda a ânsia dos novos e velhos gestores estaduais por cortes nas despesas. Confira: 

Como quase sempre acontece em início de novos mandatos, governadores de vários estados do país chegaram à primeira semana de trabalho armados com afiadas tesouras à fim de, pelo menos agora, cumprir as promessas de reduzir os custos da máquina pública. Em quase todos os casos os novos mandatários determinaram rigorosas auditorias nos contratos assinados por seus antecessores, em especial aqueles de cores partidárias diferentes das suas.

Na nova onda de austeridade fiscal que varre o País nesse início de mandato, o foco dos cortes está baseado em um dos principais temas explorados nas campanhas eleitorais do ano passado: a redução dos custos de manutenção da máquina pública. Todos os governadores que sacaram as tesouras têm como objetivo gastar menos para liberar recursos que, prometem, serão direcionados para novos investimentos.

O plano de cortes mais auspicioso – e também o mais polêmico – ficou a cargo do governador de São Paulo, Geraldo Alckmin. Sem cerimônia e nenhum constrangimento político, Alckmin determinou que seja feito um verdadeiro pente fino em todos os contratos assinados por seu antecessor, candidato tucano derrotado à Presidência da República, José Serra.

O novo governador paulista determinou que nenhum contrato fique de fora da auditoria, nem mesmo aqueles ligados a organizações sociais ou aluguel de imóveis utilizados pelo governo. “Vamos olhar tudo, contrato por contrato, pasta por pasta”, afirmou o secretário de Gestão, Júlio Semeguini, com a ênfase de quem foi devidamente autorizado a vasculhar as entranhas do governo anterior. Nas estimativas de Semeghini, o levantamento permitirá que haja uma redução de 10% nos contratos já firmados.”

POR AQUI, o governador Cid Gomes anunciou corte de R$ 500 milhões em custeio, mas tambéma criação de três novas pastas para acomodar amigo e aliados. Virão as pastas da Pesca e Aquicultura, Corregedoria das Policiais (necessária mesmo!) e a Secretaria Especial da Copa 2014.

Dilma tem 60 obras do PAC para inaugurar neste ano

“A presidente Dilma Rousseff inicia o seu governo com boas oportunidades para reforçar o título de mãe do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC). Só em 2011, cerca de 60 obras do programa serão inauguradas em setores como transportes, saneamento, energia elétrica e óleo e gás. Em média, Dilma poderá inaugurar cinco obras por mês, ou mais de uma por semana.

A maioria deveria ter sido concluída até dezembro de 2010, mas o cronograma não foi cumprido por uma série de fatores, como demora na concessão de licenças ambientais, falta de projetos básicos de qualidade, interferência do Tribunal de Contas da União (TCU) e problemas de gestão. Se não houver mais nenhum entrave, pelo menos, um terço dos projetos estará concluído até o fim do primeiro semestre, conforme levantamento feito pelo jornal O Estado de S. Paulo, com base no último balanço do PAC nacional.

Uma das obras de maior peso é o Campo de Mexilhão, cujo início de operação já foi remarcado três vezes. De acordo com o relatório do PAC, o início da exploração da plataforma, que terá capacidade para produção diária de 15 milhões de metros cúbicos de gás, está marcado para 16 de março, junto com o gasoduto Caraguatatuba-Taubaté.

No setor portuário, as principais inaugurações devem ficar para o segundo semestre. Entre os projetos mais importantes estão as obras no Porto de Itaqui, que hoje não consegue atender à demanda crescente de grãos de novas fronteiras agrícolas como Tocantins, Piauí e oeste da Bahia. A dragagem dos berços 100 a 103 e a construção dos berços 100 a 101 (iniciada em 2006) estão dois anos atrasados. Seriam concluídos em março de 2008, mas as obras só devem terminar em julho de 2011.”

(Portal G1)

NO CEARÁ, entre as obras do PAC, está a dragagem do Porto do Mucuripe, açudes construídos pelo Dnocs e projetos em parceria com governo estadual e prefeitura de Fortaleza.

Fundaão Sarney quer apoio estatal mesmo sob denúncia de desvio de verbas

117 1

“Enquanto briga na Justiça para continuar instalada no Convento das Mercês, em São Luís, a Fundação José Sarney não só mantém as portas abertas como se prepara para, neste ano, buscar patrocínio da iniciativa privada e de governos. Mesmo após denúncias de desvio de verbas e apropriação indevida, a fundação continua a tocar ações sociais e a exibir o acervo de José Sarney (PMDB-AP).

Isso inclui os carros – um Landau e uma Caravan -, livros, fotos e outros apetrechos dos tempos em que o hoje senador governou o Maranhão e presidiu o Brasil. A principal mudança no prédio foi a substituição da lápide em granito negro – reservada para o mausoléu de Sarney – por uma fonte e uma estátua em bronze em tamanho natural do senador sentado num banco, lendo um livro, sob palmeiras.

A intervenção foi feita em 2010 e custou cerca de R$ 5.000, segundo Joaquim de Itapary, membro do conselho curador e presidente interino da fundação. O senador pagou pela estátua e o plano é comprar outras, de autores brasileiros, para o local, batizado de “Jardim dos Poetas”. O projeto, diz Itapary, esbarra na falta de recursos. “Precisamos de verbas. Estamos fazendo das tripas coração para recuperar a imagem e retomar projetos sociais.”

A fundação continua mantendo escola de música e cursos profissionalizantes, com recursos privados. Mas a prioridade é recuperar pilastras do prédio, que precisaram de escoras para não cair. “Não temos recursos para arrumar”, diz Itapary, afirmando que “há um certo recato” da governadora Roseana Sarney em investir recursos públicos na entidade que leva o nome do pai dela.

Mas, em agosto, na gestão Roseana, o caixa da entidade foi reforçado com o reajuste do aluguel de casa, ocupada pela Secretaria de Educação, com dispensa de licitação. O valor praticamente dobrou, saltando de R$ 5.000 para R$ 9,4 mil. Quatro meses antes o governo havia se comprometido a pagar R$ 338.400 referentes a aluguéis atrasados, conforme publicação no “Diário Oficial do Estado do Maranhão”.

Itapary argumenta que os valores foram recompostos segundo os índices usuais da administração pública. Desde que foi acusada de desviar recursos, em janeiro de 2010, a fundação não recebe verbas públicas. As contas dos últimos quatro anos foram rejeitadas pelo Ministério Público do Maranhão, que move processo por improbidade contra a entidade. Sarney diz que não é responsável pela fundação porque não faz parte da sua gestão.”

(Folha.com)

Ipea vê grande atraso em obras do PAC

147 1

“Um órgão ligado à Presidência da República aponta em documento algo que o discurso oficial da administração petista tem negado nos últimos anos: há “grande atraso” em obras do PAC (Programa de Aceleração do Crescimento) e deficiências nos balanços oficiais.

Estudo do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) afirma que o programa, lançado há quatro anos sob coordenação de Dilma Rousseff, representa um esforço importante, mas não suficiente, contra as deficiências do país em infraestrutura.

Para o Ipea, os investimentos públicos e privados necessários em rodovias, ferrovias e portos somam R$ 339 bilhões, enquanto o PAC e o PAC 2, a segunda etapa do programa, destinam a esses setores R$ 189 bilhões.

“Embora o volume de investimentos previstos no PAC e no PAC 2 seja significativo, existe um grande atraso no cronograma físico das obras”, diz o estudo, que compara diferentes metodologias de avaliação do PAC.”

(Folha Online)

Governo Dilma – Briga por cargos envolve R$ 107 bi de investimentos

175 1

Cearense Sérgio Machado comanda a Transpetro.

“A disputa entre os partidos aliados da presidente Dilma Rousseff para manter os postos que já têm no segundo escalão ou abocanhar novos cargos visa o controle de 102 empresas estatais, sendo 84 no setor produtivo e 18 no setor financeiro. Destas, 66 do setor produtivo e sete do setor financeiro dispõem de R$ 107,54 bilhões para investimentos só neste ano. Ao todo, estão em disputa cerca de 600 cargos. É provável que a maioria seja mantida, pela continuidade do governo.

Trata-se de um butim bilionário capaz de levar os partidos a uma batalha política pelos próximos meses, apesar dos apelos de paz feitos pela presidente da República e da suspensão de novas nomeações para o segundo escalão até que sejam feitas as eleições para as Mesas Diretoras da Câmara e do Senado.

A guerra compreende também postos estratégicos em ministérios e órgãos, como os Correios, que o PMDB perdeu para o PT. Na Saúde, a disputa pela Secretaria de Atenção à Saúde (SAS) deu origem à guerra do segundo escalão. Embora os R$ 45 bilhões dessa secretaria não estejam carimbados para investimentos – são repasses ao SUS –, o partido que ocupa o posto tem grande visibilidade no País, o que se traduz em votos.

O novo ministro da Saúde, Alexandre Padilha, tomou o posto do PMDB e o passou para seu partido, o PT. Em seguida, avançou sobre a Fundação Nacional da Saúde (Funasa), que tem orçamento de R$ 5 bilhões e cerca de R$ 1 bilhão para saneamento nas pequenas cidades. Depois de ameaçar votar em favor de um salário mínimo maior, o PMDB conseguiu que Padilha não nomeasse um petista para a Funasa, deixando as negociações suspensas até o mês que vem.

Agora, os peemedebistas lutam para manter Ariovaldo Rosendo na direção do Fundo Nacional da Saúde (FNS). Trata-se de um apadrinhado do ex-ministro Hélio Costa (PMDB). Esse fundo dispõe de R$ 65,2 bilhões.

Feudo

Nesse ritmo, os golpes prometem ser baixos e as rasteiras frequentes. O PT e o PSB, por exemplo, fecharam um acordo que deixará o PMDB ainda mais irritado. Decidiram varrer o partido de todos os cargos que detém no Ministério da Integração, velho feudo peemedebista.

Elias Fernandes, atual diretor-geral do Departamento Nacional de Obras contra as Secas (Dnocs), é homem de confiança do líder do PMDB, Henrique Eduardo Alves (RN). Será demitido pelo novo ministro da Integração, Fernando Bezerra Coelho, do PSB.

Ocorreu o mesmo com o presidente da Codevasf, Orlando Castro, cujo padrinho é o ex-ministro Geddel Vieira Lima (BA). Pelo acordo entre PT e PSB do Nordeste, Castro também será afastado, dando lugar a um socialista, provavelmente Sérgio Novais, presidente do PSB de Fortaleza. Em troca, os petistas do Ceará, que desde 2003 mantêm o controle do Banco do Nordeste, devem permanecer no posto.

Poderosa

Dos R$ 107,54 bilhões que as estatais têm para investimentos, R$ 91,2 bilhões são do sistema Petrobrás. Trata-se de uma empresa que se tornou objeto de desejo, e da qual a presidente Dilma Rousseff não abre mão de controlar. Tanto é assim que, antes mesmo de fechar seu ministério, chamou o presidente José Sérgio Gabrielli para continuar à frente da empresa.

Diante da enormidade da estatal, aos outros partidos resta a luta para não perder os postos que detêm nas suas diretorias. Quem corre maior risco é – de novo – o PMDB. Desde que o deputado Fernando Diniz (MG) morreu, o diretor da Área Internacional da Petrobrás, Jorge Zelada, ficou sem padrinho. O deputado Eduardo Cunha (PMDB-RJ) luta para preservá-lo. O restante da diretoria é rateada entre o PT e o PP.

O PMDB mantém o controle de duas empresas importantes do sistema Petrobrás. Na direção da Transpetro o partido mantém o ex-senador Sérgio Machado, na cota do presidente do Senado, José Sarney (AP), e do líder do PMDB no Senado, Renan Calheiros (AL). Machado já foi do PSDB e até liderou o partido no Senado. A Transpetro dispõe de R$ 2,47 bilhões para investimentos. Na presidência da BR Distribuidora está José Luiz de Andrade Neto, nomeado por influência do ministro de Minas e Energia, Edison Lobão. Esta empresa conta com R$ 717 milhões para investir em 2011.”

(Estadão)

Para Jobim, general que considerou desaparecidos "um fato histórico", errou

“O ministro da Defesa, Nelson Jobim, considerou “um equívoco” a declaração do general José Elito, chefe do GSI (Gabinete de Segurança Institucional), de que “não é vergonha” a questão dos desaparecidos políticos.”Não pode haver nem glorificação nem retaliação”, disse Jobim em entrevista à colunista da Folha, Eliane Cantanhêde.

O fato de o Brasil estar isolado na América do Sul, onde outros países julgaram e condenaram torturadores, não o impressiona: “Não deu certo. Você queima uma energia imensa para retaliar o passado. Não adianta nada”.Quando à Comissão da Verdade, o ministro se disse a favor. Mas faz a ressalva: “Não tem nada a ver com a Lei da Anistia”.

“Há um impedimento, que é justamente a Lei da Anistia. O Supremo Tribunal Federal já decidiu que a lei anistiou bilateralmente, ou seja, tanto os atos praticados pelas forças de repressão quanto os praticados pelos outros.”Jobim disse também que a abertura do capital da Infraero está decidida e que o controle do espaço aéreo “vai ficar onde está: na Força Aérea”.

“Não haverá desmilitarização porque não há nenhuma necessidade. Funciona absolutamente bem. E nós tivemos um exemplo claro do que significa ter o controle aéreo em mãos civis quando os controladores entraram em greve na Espanha e paralisaram o espaço do país por 24 horas.”

(Folha.com)

Maranguapinho e Jaguaribe na lista dos rios mais poluídos do País, segundo ONG Mata Atlântica

879 4

Rio Maranguapinho – alto índice de poluição.

Uma pesquisa da ONG SOS Mata Atlântica constatou que as fontes de água no País estão cada vez mais poluídas e que, diante disso, a saúde da população corre risco. Ao analisar amostras de 43 corpos d’água, em 12 estados e no Distrito Federal, a ONG verificou que nenhuma amostra foi considerada boa ou ótima.

As análises foram feitas ao longo de 2010. Com base em parâmetros definidos pelo Ministério do Meio Ambiente, o estudo revela que em 70% das coletas feitas em rios, córregos, lagos e outros corpos hídricos, a qualidade da água foi considerada regular. Em 25%, a qualidade era ruim e em 5%, péssima.

Em visitas a pontos de educação ambiental da ONG, foi avaliada a qualidade da água para consumo e concluiu-se que as águas precisam de tratamento para qualquer uso, seja para o consumo ou para indústria. Nos locais visitados, também foi constado que o principal agente de poluição é o esgoto doméstico.

Indicadores da falta de saneamento básico, como a presença coliformes, larvas e vermes, lixo e baixa quantidade de oxigênio na água, além de dez propriedades físico-químicas foram testadas pela ONG. Das 43 coletas analisadas, o pior resultado foi a do Rio Verruga, em Vitória da Conquista (BA), e a do Lago da Quinta da Boa Vista, no Rio.

Em condição um pouco melhor, mas ainda considerada regular e, consequentemente imprópria para consumo, estavam as amostras coletadas no Rio Doce, no município de Linhares (ES), e na Lagoa de Maracajá, em Lagoa dos Gatos (PE).

“A poluição está muito mais vinculada à emissão de efluentes domésticos que industriais, ultimamente”, disse o geógrafo do projeto, Vinicius Madazio. “É um problema porque 60% dos brasileiros vivem na [região de] Mata Atlântica”, completou, reivindicando que as políticas públicas de saneamento básico sejam prioridade do governo e da sociedade.

A qualidade da água é um das preocupações da Organização das Nações Unidas (ONU), que declarou o período entre 2005 e 2015 a década internacional Água para Vida. Em 2006, a instituição estimou que 1,6 milhão de pessoas, principalmente crianças menores de cinco anos, morram anualmente por causa de doenças transmitidas pela água.

Procurados, o Ministério do Meio Ambiente e a Agência Nacional de Águas (ANA) não comentaram a pesquisa.

(Agência Brasil)

NO CEARÁ, a pesquisa constatou, por exemplo, alto índice de poluição em rios como o Jaguaribe e o Marnguapinho, este último cruzando a Região Metropolitana de Fortaleza e que é alvo de alguns projetos em favor de moradores de áreas de risco. Já o Jaguaribe sucumbe sem providências.

Eunício deve presidir comissão do Senado

148 1

O peemedebista no dia da diplomação.

Ele apareceu com o nome cogitado para ministro, presidente do Senado, líder partidário e até presidente nacional do PMDB mas, segundo fontes de Brasília, acabará mesmo presidindo a Comissão de Constituição e Justiça ou a Comissão de Assuntos Econômicos do Senado.

Trata-se do senador eleito Eunício Oliveira.

O deputado federal peemedebista Aníbal Gomes já cantou essa bola há semanas. Ele aposta que seu colega de partido ficará mesmo no comando de uma comissão técnica do Senado. Lembra
do currículo e competência de Eunício, mas destaca que a tradição da Casa é priorizar os mais antigos de mandato.

PT lidera nomeações do 2º escalão

“Pivôs da crise com o PMDB na briga por espaço no governo Dilma Rousseff, os ministros Alexandre Padilha (Saúde) e Paulo Bernardo (Comunicações) lideram as nomeações para o segundo escalão. Levantamento da Folha indica que Padilha já fez 17 nomeações, e Bernardo, 12 para cargos de direção, assessoramento especial e outras vagas comissionadas.

As escolhas dos dois petistas representam 23,5% das 123 nomeações publicadas até agora por todo o governo (excluídas área militar, Receita e universidades federais). O terceiro colocado é o vice-presidente, Michel Temer, que fez oito nomeações.

Os dois ministros são os principais alvos da insatisfação do PMDB. Bernardo demitiu o comando dos Correios (presidente e cinco diretores), sob ordens de Dilma, e Padilha derrubou peemedebistas de postos da saúde.

O principal desentendimento com o PMDB ocorreu com a troca na Secretaria de Atenção à Saúde. Padilha tirou Antonio Beltrame, indicado do PMDB, e nomeou Helvécio Magalhães, nome do PT. A substituição provocou um bate-boca entre Padilha e o líder do PMDB na Câmara, Henrique Eduardo Alves (RN). Agora, Alves trabalha para evitar a troca no comando da Funasa.

A rebelião peemedebista fez Dilma suspender nomeações sem consenso entre os aliados em torno do segundo escalão até a eleição para o comando do Congresso, em fevereiro. O ministro Luiz Sérgio (Relações Institucionais) ficou encarregado de elaborar um mapeamento para acomodar os aliados.

Ontem Luiz Sérgio qualificou de “indevida” a cobrança do líder do PMDB para que o partido tenha assento na coordenação política do governo, mas negou que haja uma crise entre PMDB e PT pelo preenchimento de cargos no segundo escalão. “Os novos ministros chegam e fazem algumas mudanças que são naturais. Isso pode levar a alguma inquietação, que dá sensação de crise, mas ela não existe.”

Para o líder do PMDB, as articulações começaram tumultuadas, mas devem melhorar. Ele evitou avaliar as canetadas de Padilha e Bernardo: “É natural cada ministro montar sua equipe, agora não pode haver expulsão. Tem que ter diálogo”.

O PMDB também informou o Palácio do Planalto que pretende ocupar duas das principais vice-presidências do Banco do Brasil e ter ao menos uma diretoria da Caixa Econômica Federal.

A cúpula do BB já foi avisada da intenção dos peemedebistas de nomear os vice-presidentes de Agronegócios e de Tecnologia, que se destacam pelos recursos geridos. A carteira de agronegócios do BB soma cerca de R$ 74 bilhões -algo como 20% de todo o estoque de empréstimos e financiamentos concedidos pelo banco (R$ 365 bilhões). Já o orçamento de Tecnologia é de R$ 2 bilhões. Na CEF, o PMDB quer retomar a vice-presidência de Fundos e Loterias. Até deixar o banco, o hoje ministro Moreira Franco (Assuntos Estratégicos) comandava a área.”

(Folha Online)

Hebe Camargo – A celebridade nº 1 em 2010

437 1

“Aos 81 anos, Hebe Camargo foi a celebridade mais citada na imprensa brasileira em 2010. É o que atesta uma pesquisa inédita feita em 39 761 reportagens de 74 jornais e revistas pela MídiaB, empresa especializada em consultoria de imagem.

Sua exposição aumentou mais nos meses em que as notícias não eram boas: informavam sobre o seu câncer e a não renovação do seu contrato com o SBT — problemas, aliás, já superados.

Mariana Ximenes, Sabrina Sato, Grazi Massafera e Adriane Galisteu completam o ranking das cinco celebridades que mais frequentaram o noticiário. Silvio Santos, catapultado pela descoberta de fraude no PanAmericano, alcançou o sexto lugar.”

(Coluna Radar – Veja Online)

Casamento gay entra na pauta do STF

200 2

“O ministro Carlos Ayres Britto (STF) está trabalhando nas férias para concluir o seu voto sobre uma dessas questões que mexem bastante com a opinião pública: o reconhecimento jurídico da união homossexual. Ayres Britto, relator da ação movida pelo governador Sérgio Cabral, entrega em fevereiro suas considerações, de cerca de trinta páginas, ao presidente do Supremo, Cezar Peluso.

A partir daí, já se pode marcar a data da votação. Embora Ayres Britto não revele seu voto, há uma quase unanimidade entre seus pares: será favorável à união homossexual.”

(Veja Online)

Petrobras inscreve para concurso até o dia 27

186 2

A Petrobras recebe, até o próximo dia 27, as inscrições para seu primeiro concurso de 2011. Ao todo, são 838 oportunidades distribuídas por 19 estados da federação. Dessas, 220 são destinadas para cargos de nível superior. Há oportunidades para auditores, contadores, administradores, engenheiros (de diversas especialidades), geofísicos, geólogos, médicos, químicos, jornalistas e publicitários.

Além do preenchimento imediato desses 838 cargos, o concurso prevê também a formação de cadastro de reserva com 8.380 aprovados que podem ser convocados nos seis meses posteriores ao concurso.

Inscrições: até  dia 27 de janeiro no site da Cesgranrio
Taxa: R$ 45,00
Provas: 27 de fevereiro para os exames objetivos
Salários iniciais: R$ 6.217,19.

PSDB denuncia troca de favores na distribuiçaõ de cargos do governo federal

199 7

Com o título “Organização do governo Dilma atende a interesses não republicanos”, o presidente nacional do PSDB, Sérgio Guerra, está divulgando nota para a imprensa e militantes tucanos com críticas à gestão dilmista. Ele bate na tecla de que a administração vem promovendo festival de nomeações políticas e nada técnicas para os cargos federais. Confira:

A organização do governo Dilma Rousseff mostra-se precária e está apenas voltada para atender interesses não republicanos. O PSDB não está contaminado pela má vontade, mas não pode deixar de apontar que essas brigas explícitas por cargos e orçamentos são indefensáveis merecendo todo o nosso repúdio.

E os prenúncios indicam que o clima tende a piorar com as disputas pelo 2º escalão, uma vez que não se está nomeando por mérito e competência, mas refletindo a pressão de grupos formados por uma “maioria” parlamentar sustentada em favores e favorecimentos.

Nos próximos dias, vamos discutir com nossos companheiros de oposição as atividades para o período parlamentar que começa em fevereiro. Na última semana deste mês, a Executiva Nacional do PSDB reúne-se para programar o trabalho do partido no semestre, dentro de nosso foco de oposição. Estamos preparando para divulgar, em breve, um documento onde avaliaremos os pontos fracos do governo Lula nos últimos oito anos.

Lula, faz pouco tempo, disse que ensinaria como agir um ex-presidente, referindo-se claramente a Fernando Henrique Cardoso. Seus primeiros atos prenunciam um ex-presidente envolvido em irregularidades, à procura desesperada por exibição, confirmando que não saberá deslocar-se do Poder e suas estruturas, às quais ele não tem mais direito.

Lula poderia ser apenas natural e atuar de forma que, com o passar do tempo e a experiência que acumulou no comando do Brasil, pudesse contribuir com o futuro, mas não é essa a direção em que os fatos apontam.

Brasília, 07 de janeiro de 2011.

Senador Sérgio Guerra
Presidente Nacional do PSDB”

DETALHE – O PSDB cearense já foi comunicado da reunião deste fim de mês da executiva nacional. A expectativa é saber se o senador Tasso Jereissati participará. Tasso, depois que não foi reeleito, tem dito que só quer se dedicar aos netos.

Cadê a foto oficial de Dilma?

“Quase uma semana depois de tomar posse, a presidente Dilma Rousseff ainda não tirou a foto oficial. O maior entrave são as férias de Celso Kamura – ela não abre mão de seu cabeleireiro. Dilma também precisa escolher a roupa que vai vestir e o cenário da imagem: dentro ou fora do Palácio do Planalto.

O tempo ruim em Brasília nos últimos dias também impede a produção da foto. Nomeado nesta sexta-feira diretor do Departamento de Produção e Divulgação de Imagens da Presidência, Roberto Stuckert Filho é quem vai tirar a fotografia de Dilma. Stuckert, que trabalhou na campanha da petista e cuja família tem história na Presidência,  já estuda detalhes como escolha do fundo, altura do tripé e iluminação. A produção é semelhante à da foto oficial dos ministros de Dilma, que ele tirou no dia da posse.

Galeria dos Presidentes – A foto da presidente deve ser tirada nas próximas semanas, no máximo até o fim de janeiro. Depois de finalizada, será aberto um processo de licitação para escolha de uma gráfica para imprimi-la. A imagem será distribuída a todos os órgãos oficiais do governo.

Enquanto isso, na Galeria dos Presidentes localizada no hall de entrada do Palácio do Planalto, já há um espaço reservado para a foto de Dilma ao lado da do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. A foto de Lula foi trocada no dia 1º de janeiro: passou de colorida para preto e branco, indicando que ele deixou o poder. ”

(Folha.com)

PAC de Combate à Miséria deve beneficar o Ceará

175 2

“A ampliação das redes sociais e das políticas de transferência de renda e inclusão produtiva, anunciada na última quinta-feira pela ministra da pasta de Desenvolvimento Social e Combate à Fome, Tereza Campello, com a criação do PAC de combate à miséria, poderá fazer do Ceará um dos estados mais beneficiados com o programa no País..

É o que acredita o pesquisador do Laboratório de Estudos da Pobreza (LEP), da Universidade Federal do Ceará, Carlos Manso, um dos autores de uma pesquisa apresentada em setembro do ano passado ao governador Cid Gomes (PSB), com o cálculo do custo fiscal para a erradicação da miséria no estado.

Para o pesquisador, como a região Nordeste concentra metade da pobreza do Brasil e o Ceará é um dos estados que tem o maior contingente de pessoas nesta situação – é o 5º colocado no ranking pela quantidade de pessoas em termos absolutos e o 6º em termos proporcionais – receberá a maior parte dos investimentos destinados ao programa.

O Bolsa Família, visto até então como o eixo central das políticas sociais do governo federal, não consegue, segundo ele, alcançar toda a população que vive na extrema linha de pobreza do estado, e, por isso, há necessidade da criação de um programa que reúna políticas que cheguem “de forma direta” à população.

“Ainda existe muita gente que não é beneficiada com os programas do Governo. Elas estão tão desestruturadas que não têm, sequer, acesso aos programas. No caso do Bolsa Família, elas têm que se inscrever e muitos nem sabem disso”, explicou Manso.

De acordo com o pesquisador, o objetivo do PAC de combate à miséria deverá ser alcançado, justamente em razão de 12 ministérios estarem reunidos para estruturar projetos que “consigam ir diretamente à população”.

Coordenação

Ainda segundo Manso, a coordenadora escolhida para comandar o novo PAC, a cearense Ana Fonseca, também deverá facilitar a atuação do programa no Estado. “Além de ela já ter experiência na área de políticas sociais, tem prestígio no governo e conhece de perto os problemas da nossa população”, justificou.

O POVO entrou em contato com a assessoria do ministério, porém, Ana Fonseca, não está concedendo entrevistas, até segundas ordens da presidente Dilma.”

(O POVO)

Sócios da Vale negociam troca de comando da mineradora

Agnelli e Cid durante anúncio da siderúrigca.

“Roger Agnelli deixará a presidência da Vale até o fim de seu mandato, em julho, quando completa dez anos à frente da maior produtora de minério de ferro do mundo. As negociações para a troca de comando estão em curso nos bastidores da empresa, envolvendo fundos de pensão, a BNDESPar e sócios privados, tendo à frente o Bradesco, ao qual cabe a indicação do diretor-presidente.

Entre os nomes especulados estão os de Octávio Azevedo, presidente-executivo da Andrade Gutierrez e próximo dos fundos de pensão; Rossano Maranhão, presidente do Safra e ex-dirigente do Banco do Brasil; Fábio Barbosa, presidente do Conselho de Administração do Santander; Luciano Coutinho, presidente do BNDES; e Wilson Brumer, que já comandou a Vale e hoje dirige a Usiminas.

A saída de Agnelli, quando ocorrer, deverá ser acompanhada da substituição de boa parte – fala-se em quatro – dos sete diretores-executivos da empresa, segundo fontes. Uma fonte ligada à companhia disse, porém, que não há nada decidido sobre a saída de Agnelli. E afirmou que várias possibilidades estão sendo discutidas. Já a Vale informou que a substituição “não se encontra em discussão”.

(O Globo)

VAMOS NÓS – Espera-se que essa mudança de comando não se transforme em mais um entrave no caminho do projeto siderúrgico do Ceará. É que a Vale é sócia do empreendimento ao lado de parceiros como a coreana Dong Kuk.

Anac estuda reduzir voos da TAM

148 1

“A Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) estuda a redução no número de voos da TAM, após a série de atrasos registrados no início do ano. A ordem veio do ministro da Defesa, Nelson Jobim, que atribuiu parte dos atrasos e cancelamentos de voos dos últimos dias a uma operação-padrão dos funcionários da empresa.

Levantamento revelado ontem pelo Estado mostrou que, entre as companhias, a Webjet foi a que mais atrasou neste fim de ano, piorando seus índices em relação a 2009. De 18 de dezembro a 3 de janeiro, 47,8% dos voos da empresa tiveram atrasos superiores a 30 minutos – piora de 168% na comparação com 2009, mesmo que o número de voos tenha aumentado 5,6%.

A TAM ficou em segundo lugar – 34,1% dos voos atrasaram no fim de ano, uma piora de 62,3% em relação ao ano anterior.

Na visão de Jobim, os problemas de início de ano ocorreram por “falta de planejamento, de competência e de gestão”. “A greve está afastada. O que está havendo, ao que tudo indica, é uma operação-padrão na TAM. Há uma diferença muito grande entre o planejamento de voos da empresa e o que vem sendo executado. A Anac já está estudando determinar, eventualmente, a manutenção da atual malha da empresa, mas eu disse à presidente da agência (Solange Vieira) que a possibilidade de a malha aérea da companhia ser reduzida, caso os atrasos continuem, também deve ser examinada”, disse à Agência Brasil.

A Anac diz que seus inspetores estão na sede da TAM para analisar o motivo dos atrasos.”

(Estado.com)

Filho de Lula devolverá passaporte

176 2

“O filho do ex-presidente do Brasil Luiz Inácio Lula da Silva prometeu nesta sexta-feira devolver o passaporte diplomático recebido pelo Itamaraty. Marcos Cláudio Lula da Silva, 39 anos, fez a afirmação através de sua conta na rede de microblogs Twitter: “Vou (devolver), aliás, nem vi… Devolvo o antigo também, sem nenhuma escrita nele, branco como chegou”.

No microblog, Marcos disse que não usou seu passaporte durante os dois mandatos de Lula e que apenas viajou para a Argentina e o Paraguai, países que exigem somente documento de identidade para os brasileiros. Em reportagem publicada na quinta-feira, o jornal Folha de S.Paulo informa que os passaportes diplomáticos foram concedidos dois dias antes do fim do mandato do ex-presidente. A decisão teria sido tomada em “caráter excepcional” e “em função de interesse do País”, sem justificativa para a concessão.

Segundo o jornal, dependentes de autoridade podem receber o documento até os 21 anos, a menos que sejam estudantes (24 anos) ou portadores de deficiência (sem idade). Luís Cláudio Lula da Silva, 25 anos, e Marcos Cláudio Lula da Silva, 39 anos, não se encaixariam no perfil.”

(Portal Terra)