Blog do Eliomar

Categorias para Brasil

Perseguido pela ditadura, irmão de Zico terá direieto a pensão

286 1

Pela primeira vez, a Comissão Nacioonal de Anistia, do Ministérioo da Justiça, aprovou processo de reparação econômica para um jogador de futebol. Foi nesta sexta-feira, em Brasília. O ex-jogador é Fernando Antunes Coimbra, o conhecido “Antunes”, irmão do ex-jogador da Seleção Brasileira, Zico.

Antunes, inclusive, jogou no Fluminense, no Belenense de Portugal e também no time do Ceará, em 1968.

Na época da ditadura, ele foi preso no Rio de Janeiro e, quando atuou em Portugal, chegou a ser interrogado pela Polícia Política de Salazar (PIDE). Ele terá direito a uma pensão mensal de R$ 2 mil.

Fifa estuda adiar início da Copa 2014

196 1

“Para garantir que a Copa de 2014 não repita o fiasco em campo como ocorreu na África do Sul 2010, a Fifa estuda adiar em quase um mês o início do maior torneio do mundo. A meta é dar mais tempo para que os astros possam se recuperar de temporadas duras em seus clubes e chegar ao Mundial em plena forma. A ideia faz parte do pacote de reformas que um grupo técnico começa a analisar na Fifa. Em vez de o jogo inaugural ocorrer em junho, o Mundial teria seu início em julho.

Fontes da entidade disseram ao Estado que patrocinadores, técnicos e mesmo redes de TV se queixaram ao ver jogos nada atraentes, sem gols e com as maiores estrelas do mundo se arrastando pelo campo. Os parceiros da Fifa garantem que estão dispostos a continuar pagando os preços exorbitantes cobrados pela entidade para patrocinar o evento. Mas, em troca, precisam de um torneio de primeira categoria, o que não ocorreu em 2002, 2006 e 2010.

Neste ano, por exemplo, Wayne Rooney não conseguiu fazer um gol. Cristiano Ronaldo se despediu do torneio sem brilhar, Didier Drogba foi apenas uma sombra do jogador que atua pelo Chelsea e Kaká era apenas uma imagem distante do craque que levou o Milan a conquistas.

Os primeiros problemas foram registrados já na Copa de 2002, com qualidade em campo bem inferior à que se esperava de um Mundial. Para 2006, na Alemanha, uma semana extra foi dada às seleções, com torneios nacionais acabando mais cedo. Mas nem isso funcionou. Agora, a perspectiva é dar um mês inteiro aos treinadores das seleções.

Outra medida sob análise é a de impedir que jogos, mesmo da primeira fase, terminem empatados. A Fifa se irritou com os esquemas defensivos levados para a África do Sul. O resultado foi a pior média de gols na história das Copas e a qualidade baixa do futebol apresentado.

A entidade debate a introdução de cobranças de pênaltis já na primeira fase, obrigando os times a atacar. A prorrogação pode acabar e a Fifa ainda estuda a adoção da morte súbita nas partidas. Tudo para elevar o número de gols e tornar o evento mais emocionante.

“Queremos uma Copa do Mundo mais atrativa”, afirmou Joseph Blatter, presidente da Fifa. “Na primeira fase, ninguém quer perder. Na Copa deste ano, tivemos seis partidas que terminaram sem gols. Temos de rever isso.” fase. O desastre da arbitragem em 2010 também obrigará a Fifa a pensar na profissionalização dos juízes que atuam no Mundial.”

(Estadão.com)

O "Rei" está chegando

O cantor Roberto Carlos desembarca neste sábado, pela manhã, no antigo terminal de passageiros do Aeroporto Internacional Pinto Martis. Virá em seu jatinho para um só compromisso na Capítal cearense: show no Siará Hall, cujos ingressos já se esgotaram segundo a organização.

Nova notas de R$ 50 e R$ 100 começam a circular na 2ª feira

“O Banco Central (BC) lança na próxima segunda-feira (13) a segunda geração da família de cédulas do real. Primeiro, entrarão em circulação as novas notas de R$ 50 e de R$ 100. Em 2011, será a vez das notas de R$ 10 e de R$ 20 e, por último, a partir de 2012, começará a substituição das notas de R$ 2 e de R$ 5. De acordo com o BC, as duas notas de maior valor são as que demandam maior proteção contra tentativas de falsificação e, por isso, estão sendo lançadas antes das demais. Mais de 70% das cédulas falsas apreendidas no país são de R$ 50 e de R$ 100.

“As novas notas entrarão em circulação por meio dos bancos comerciais, sendo que as cédulas atuais continuarão valendo e somente serão retiradas de circulação em decorrência do desgaste natural”, informou o BC, em nota. Na página do banco na internet, a autoridade monetária avisa que “não há necessidade de trocar as notas antigas por novas na rede bancária, pois as duas famílias conviverão em circulação por prazo indeterminado”.

A necessidade de dar mais segurança às notas foi a justificativa do BC para a criação da nova família de dinheiro de papel. “Com o avanço das tecnologias digitais nos últimos anos, é necessário dotar as nossas cédulas de recursos gráficos e elementos antifalsificação mais modernos, capazes de continuar garantindo a segurança do dinheiro brasileiro nos próximos anos”.

Para lançar as novas cédulas, a Casa da Moeda teve que investir em equipamentos de impressão, já que as atuais cédulas são impressas em máquinas com mais de 30 anos de uso. Segundo o BC, “os novos equipamentos e insumos permitem a impressão de desenhos mais complexos e com maior precisão, aumentando a percepção de uma impressão de qualidade superior. Alguns elementos já presentes na primeira família – como a marca d’água e o número escondido – foram redesenhados de modo a facilitar a sua verificação pela população”.

Outra mudança está na diferença de tamanho das notas, para garantir o uso seguro pelos deficientes visuais. Além disso, a adoção de tamanhos diferenciados inibe a tentativa de falsificação por lavagem química, uma técnica que consiste em apagar a impressão de uma nota de menor valor e imprimir no papel moeda lavado a estampa de uma nota de maior valor.

Os deficientes visuais também poderão contar com as marca táteis, que são barras em alto-relevo localizadas no canto direito inferior das notas.

Segundo o BC, nas notas de R$ 50 e de R$ 100, “a maior novidade é a faixa holográfica, composta por desenhos descontínuos que, ao serem movimentados, apresentam efeitos de alternância de cores e formas”. Os demais elementos de segurança também são de fácil visualização: marca d’água, que apresenta o valor da nota e a imagem do animal, e o número escondido, que aparece quando a nota é colocada na posição horizontal, na altura dos olhos.”

(Agência Brasil)

Isenção de Imposto de Renda vale para cegueira em um olho

“A pessoa com cegueira irreversível em um dos olhos está livre do pagamento de imposto de renda. O entendimento é do Superior Tribunal de Justiça (STJ), que manteve a isenção a um aposentado de Mato Grosso. O estado recorreu da decisão, mas a Segunda Turma concluiu que a lei não distingue, para efeitos de isenção, quais espécies de cegueira estariam beneficiadas ou se a patologia teria que comprometer toda a visão. O relator é o ministro Herman Benjamin.

Um odontologista aposentado por invalidez por causa de cegueira irreversível no olho esquerdo ingressou na Justiça para obter a isenção do imposto de renda em relação aos seus proventos. A cegueira irreversível foi constatada por três especialistas na área médica e o laudo atestado pelo Instituto de Previdência do Estado de Mato Grosso (Ipemat). O aposentado, além de pedir a isenção, também pleiteou a restituição do que foi indevidamente retido na fonte por sua unidade pagadora. Teve decisão favorável tanto na primeira quanto na segunda instância.

Para tentar reverter o julgamento, o governo de Mato Grosso entrou com recurso no STJ, alegando que a Lei n. 7.713/1988 não especifica de forma analítica as condições ou os graus de moléstia que poderiam ser considerados para fim de isenção do imposto. Segundo o estado, a isenção deveria ser concedida apenas aos portadores de cegueira total e a lei deveria ser interpretada de forma restritiva e literal.

No julgamento, o Tribunal de Justiça de Mato Grosso (TJMT) aplicou a literalidade do artigo 6º, inciso XIV, da Lei n. 7.713/88, que isenta do pagamento as pessoas físicas portadoras de cegueira, e invocou a preservação da garantia do direito fundamental na interpretação do artigo. Além disso, destacou que a decisão de primeiro grau baseou-se na construção de uma norma jurídica a partir da interpretação do relatório médico e dos princípios da proporcionalidade e razoabilidade.

O ministro Herman Benjamin lembrou que o Código Tributário Nacional (CTN) prevê a interpretação literal das normas instituidoras de isenção tributária, sendo inviável a analogia. Destacou a Classificação Estatística Internacional de Doenças e Problemas Relacionados à Saúde (CID-10) da Organização Mundial da Saúde (OMS), na qual são estabelecidas definições médicas de patologias.

Nessa relação, a cegueira não está restrita à perda da visão nos dois olhos. “Nesse contexto, a literalidade da norma leva à interpretação de que a isenção abrange o gênero patológico “cegueira”, não importando se atinge a visão binocular ou monocular”, concluiu.

A decisão da Segunda Turma vale para o caso julgado, mas cria um precedente que deve nortear não só outros processos julgados no STJ, como as demais instâncias da Justiça.”

(Site do STJ)

Mano Menezes está em Fortaleza

182 6

O técnico da Seleçao Brasileira, Mano Menezes, está em Fortaleza. Desembarcou no começo desta tarde de sexta-feira com a família. Aqui, ele vem ganhar homenagem na festa “Personalidades Esportivas’, segunda-feira próxima, no Marina Park Hotel.

A promoção do jornalista Sérgio Ponte e do Grupo de Comunicação O POVO. Mano vai aproveitar o fim de semana no litoral cearense.

Técnico alerta: Água da Transposição pode ser a mais cara do País

Eis artigo do engenheiro Cássio Borges sobre o projeto da transposição do rio São Francisco, tocado pelo governo federal. Intitulado “O Nó Górdio da Transposição II”, traz novas considerações sobre o empreendimento que se propõe a ser uma revolução na área hídrica do Nordeste, proporcionado o chamado desenvolvimento sustentável. Confira:

Somente  depois que tive a honra de participar de uma importante reunião do Colégio de Presidentes dos Conselhos Regionais de Engenharia e Arquitetura (CREA`s) do Nordeste, em setembro último, em Salgueiro-PE, é que tomei conhecimento do que vinha sendo urdido nos bastidores do Governo Federal (Ministério da Integração Nacional e ANA-Agência Nacional de Águas) quanto à intenção de ser criada uma empresa estatal para ser a Operadora Federal do Projeto de Interligação do Rio São Francisco com as Bacias do Nordeste Setentrional. Sobre esse assunto,  escrevi um artigo  intitulado “O Nó Górdio da Transposição”, publicado neste Blog do Eliomar de Lima, conceituado jornalista cearense, no dia 25 de outubro e, mais recentemente, no Blog  InfoBRASIL (infobrasil.spaceblog.com.br), no site do  NEHSC-Núcleo de Estudos de História Social da Cidade (www.nehscfortaleza.com), entidade ligada à PUC de  São Paulo e, ainda,  no visitado Blog do Borjão (blogdoborjao.blogspot.com).

No último dia 22, o Jornal “A Folha de São Paulo” abordou o tema da transposição em artigo de autoria da jornalista Sofia Fernandes no qual ela afirma: “Da torneira do nordestino atendido pela transposição do rio São Francisco  vai pingar a água mais cara do país. O Conselho Gestor do Projeto de Integração do São Francisco avalia cobrar dos Estados atendidos pela obra R$ 0,13 por mil  litros de água. O preço médio cobrado em outras bacias hidrográficas  pelo uso da água é de R$ 0,01 a R$ 0,02 por mil litros. O valor mais elevado do projeto de transposição, afirma o governo, se deve à complexidade do projeto de transposição e ainda porque a Agnes será a responsável pela captação e pelo bombeamento da água”.   (Agnes é a sigla da  empresa que se pretende criar). 

Não há, e nunca houve, de minha parte nos 36 anos que venho defendendo esse projeto, a ilusão de que a água a ser transposta do Rio São Francisco tivesse um custo acessível a ponto de concorrer, economicamente, com as águas das chuvas acumuladas  nos açudes do Departamento Nacional de Obras Contra as Secas (DNOCS).   Mas, com certeza, o valor de R$ 0,13 por mil  litros de água, referido pela citada articulista da Folha de São Paulo é, infinitamente, mais em conta do que os R$ 7,00 por mil litros de água  pagos pelo Governo Federal aos  carros-pipa em épocas de estiagem (depende da quilometragem percorrida, podendo este valor ser considerado  para uma distância em torno de 15 quilômetros).   A cada seca são mais  de R$ 2,5 bilhões os dispêndios da União com  obras inexpressivas e assistência emergencial, dentre as quais o fornecimento de água para as populações necessitadas.   Valor este, diga-se de passagem, gasto numa única seca,  representa a metade do que está orçado para a implantação de todo o Projeto de Interligação do Rio São Francisco com as Bacias do Nordeste Setentrional.

Portanto, a água da transposição poderá ser de fato, a mais cara do país (não se discute isto agora), afinal o projeto é constituído de duas potentes estações de bombeamento nas margens do Rio São Francisco, para falar somente nestas, uma no Eixo Norte com um recalque de 180 metros de altura topográfica e a outra no Eixo Leste, com 300 metros.    Só  estes dois projetos já deverão ter uma diferença substancial no custo da água de cada uma. Isto sem se falar que a água a ser transposta do  Rio São Francisco deverá percorrer cerca de 800 quilômetros de canais adutores e principais de onde, através de novas estações de bombeamento, partirão extensas redes de tubulações para  fazê-la chegar até os locais onde  será  efetivamente utilizada.

Entretanto, o que a sociedade tem que saber é que esse projeto tem a específica finalidade para dessedentação humana e animal. O que isso significa? Significa dizer que o ele somente vai funcionar, e ser necessário, em períodos críticos de baixas precipitações pluviométricas como, por exemplo, os de 1927 a 1933, 1950 a 1959, 1979 a 1984 e em outros de menor duração, de dois, três ou cinco anos consecutivos. Estatisticamente,  o tal projeto somente vai funcionar em 30 ou, no máximo, 40% do tempo. Em outras palavras o sistema de transposição, a cada dez anos funcionará apenas em quatro. Certamente,  o projeto somente será acionado quando tivermos precipitações pluviométricas abaixo da média histórica. É claro que se tivermos bons anos de chuva, como os  de 2004 a 2009 (seis anos) o Projeto de Integração do Rio São Francisco ficará praticamente ocioso, ou com funcionamento minimizado. Importa dizer que a referida estatal que, segundo fonte extraoficial, deverá absorver  cerca de 900 funcionários e mais de uma dezena de cargos em comissão, ficará semi-ociosa  em  60% do tempo, ou melhor, dizendo, ficará quase ociosa anos seguidos cuidando apenas da manutenção dos canais e dos  equipamentos hidráulicos.  Esta é uma  realidade que não pode e não deve deixar de ser considerada…  

Pelo o que acima foi exposto, é fácil concluir que esse empreendimento não é autossustentável como se quer dar a entender e o custo final da água irá ser  substancialmente onerado, caso a  referida estatal seja criada com toda a sua estrutura burocrática, administrativa, física  e financeira  sendo mantida  pelos recursos arrecadados pela cobrança  do uso da água, como anunciam os técnicos do Ministério da Integração  Nacional e a ANA-Agência Nacional de Águas.  Pura ilusão! Não há outro caminho a ser seguido para evitar a inviabilização desse projeto, senão o de entregá-lo  a uma Diretoria do DNOCS que assumiria   a responsabilidade por sua macro-gestão (canais adutores e principais).  Aos organismos estaduais caberia o encargo de fazer a cobrança pelo uso da água  de seus usuários.

Finalmente, ainda me referindo ao artigo publicado na Folha de São Paulo, devo ressaltar que o  maior significado desse Projeto de Interligação do Rio São Francisco com as  Bacias do Nordeste  Setentrional é a sinergia que ele vai promover  no  aumento das disponibilidades das águas armazenadas nos açudes da Região, podendo ser da ordem de 30% a 40%. Um açude como o Orós, por exemplo  que, segundo os critérios de dimensionamento hidrológico adotados  pelo  DNOCS,  tem a sua disponibilidade atual estimada em  12 m3/s, poderá ter sua vazão aumentada para algo em torno de 18 m3/s.

Não haverá mais aquela preocupação dos técnicos do DNOCS de “manter uma reserva estratégica de  água nos açudes para garantir” o suprimento eventual de abastecimento humano e animal de água em casos emergenciais de cunho  climático. No caso dos açudes secarem ou estiverem na iminência de secar, o Projeto de Integração do Rio São Francisco garantirá este suprimento que é prioritário de acordo com o nosso Código de Águas, de 1933. Aí está uma das razões maiores desse projeto, qual seja,  o aumento da eficiência hidrológica  das águas armazenadas nos açudes do Nordeste.  Desta forma, o custo da água a ser transposta do Rio São Francisco irá ser diluído no aumento das disponibilidades  hídricas dos açudes da Região, as tornando  mais acessíveis.

Um influente membro do Partido dos Trabalhadores, embora me dando inteira razão na tese que defendo,  advertiu-me da possibilidade de o  Governo Federal optar pela CODEVASF-Companhia de Desenvolvimento do Vale do Rio São Francisco para ser a Operadora Federal do Projeto de Interligação do Rio São Francisco com as Bacias do Nordeste Setentrional. Disse-lhe que, se isto vier a ocorrer, será mais um grave engano que se comete em relação a esse Projeto. Argumentei-lhe que a CODEVASF sempre teve a sua atividade restrita à irrigação no Vale do Rio São Francisco onde a água é abundante, visto que o rio é perene. Lá se fala em vazão regularizada da ordem de 2.060 m3/s. No resto do Nordeste, esse parâmetro não  chega a casa dos 15 m3/s, como é o caso do Açude Orós com apenas 12 m3/s. É preciso muito conhecimento técnico-científico para saber usar racionalmente tão reduzido valor. O DNOCS tem mais de 100 anos lidando teórica e praticamente com este problema.

Em suma, o DNOCS, desde os primórdios de sua existência, tem tido a sua missão principal o de “fazer água” que nunca foi a preocupação da CODEVASF. Para não me alongar mais na defesa desta tese, a CODEVASF não sabe o que é um “um reservatório de estiagem”, portanto não saberia dimensioná-lo. Jamais teve a preocupação de fazer uma medição de vazão em rios e, certamente, não deve ter pessoal especializado para este tipo de serviço, muito importante para as regiões semi-áridas. Não deve ter o conhecimento profundo da  evaporação e sua influência nas disponibilidades hídricas da Região e também não deve saber o alcance e o exato significado do “m3/s”, que foi e  continua sendo o principal parâmetro que sempre justificou  a existência do DNOCS até os dias atuais e o tornou conhecido em todo o Mundo científico como  um dos organismos mais eficientes atuando em regiões semiáridas.

____________________________________________________________________________

Cássio Borges é engenheiro especializado em hidrologia e recursos hídricos e Diretor Técnico Científico da Sociedade dos Amigos do DNOCS-SOAD.  

Presente de Natal – Parlamentares terão reajuste salarial de 61,83%

150 4

“Os parlamentares vão utilizar a penúltima semana de trabalho no Congresso para se dar um belo presente de Natal: um aumento salarial de 61,83%. O projeto de reajuste, que vinha sendo discutido desde novembro, já está pronto de deverá ser votado na terça ou quarta-feira da semana que vem. O texto prevê, ainda, um aumento de 133,96% para o salário do presidente da República.

De acordo com a edição desta sexta-feira do jornal O Estado de S. Paulo, com o reajuste, o salário de deputados e senadores será o mesmo da presidente eleita, Dilma Rousseff: 26.723 reais. O valor é o mesmo atualmente pago aos ministros do Supremo Tribunal Federal (STF), teto do funcionalismo público.

Para driblar o desgaste político decorrente do pacote de aumentos, os parlamentares decidiram vincular o reajuste do Legislativo ao do Executivo, ou seja, de Dilma, e também dos ministros do governo. Hoje, os deputados e senadores recebem salário de 16.512,09 reais, além dos benefícios, como verba de gabinete e auxílio moradia. Já o salário do presidente da República é de 11.420,21 reais – com os descontos, cai para cerca de 8.000 reais.

Em novembro, quando descobriu-se o projeto de reajuste em tramitação, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva defendeu o aumento salarial da Presidência e ainda reclamou – disse ter sido prejudicado pela falta de reajuste para ele nos últimos anos. “Não há nenhuma novidade de que, no final de uma legislatura, eles aprovem o salário para a próxima legislatura. Isso é da Constituição. Somente no meu mandato eles fizeram uma sacanagem comigo. Em 2002, aprovaram aumento só para a Câmara e para o Senado”, disse ele.

Mordomias 

Além do salário e das verbas para trabalho, os políticos têm a seu dispor um pacote de benefícios para uso pessoal, como moradia e cobertura de gastos médicos e odontológicos. Deputados podem aderir ao plano dos servidores da Casa ou pedir reembolso de serviços particulares, sem limite de valor. Senadores também não têm limite para gastos médicos deles, do cônjuge e dos dependentes. Há ainda uma verba de quase 26.000 para despesas odontológicas e psicoterápicas.

Enquanto o presidente escolhe entre residir no Palácio da Alvorada ou na Granja do Torto, os parlamentares podem morar em apartamentos funcionais em Brasília. As compras para alimentação e os gastos com manutenção da residência do presidente são custeadas pelo estado. Se os congressistas preferirem alugar outro imóvel, deputados recebem auxílio mensal de 3.000 reais e senadores, de 3.800 reais. O que mostra que vida de político é bem diferente do cotidiano de um profissional comum – para boa parte dos brasileiros, o gasto com moradia é o que mais pesa no orçamento doméstico, e chega a responder por metade das despesas de uma família.”

(Veja Online)

Empresários vão responder ação penal por ilícitos fiscais

“Empresários ligados juridicamente à empresa D’Marcas Comércio Ltda tiveram habeas corpus (HC) negado nesta terça-feira (07). A 2ª Turma do Tribunal Regional Federal da 5ª Região (TRF5), negou trancamento da ação penal, que investiga 13 empresários acusados dos crimes de descaminho (artigo 334 do CPB) e formação de quadrilha (artigo 288). O grupo foi autuado, em 2001, por auditores da Receita Federal, no porto de Fortaleza(CE) . Apenas a empresária J.G. da S. conseguiu trancar a ação por falta de indícios suficientes ao seu prosseguimento.

Auditores da Receita Federal no Ceará autuaram em outubro de 2001 as empresas D’Marcas, Alpha, Vieira Nunes, Maryland, Kruger, Austin, AMA Import & Export, Freeway Capitals Corporation e RAM Trading International. Os negócios giravam em torno da importação de carga de pneus novos de borracha, câmaras de ar e protetores de lanternagem (flaps). O órgão fiscalizador relatou e o Ministério Público Federal (MPF), denunciou as empresas por estarem envolvidas em esquema de subfaturamento de mercadorias importadas, com a finalidade de sonegar impostos.

Segundo relatório da Receita Federal e denúncia do MPF, a prática fraudulenta consistia em declarar operações subfaturadas, com envio irregular e posterior de divisas (dinheiro) para o exterior, com o objetivo de complementar o pagamento das mercadorias. Outras irregularidades cometidas seriam a apresentação de faturas em nome de empresa não registrada, a omissão dos nomes dos reais proprietários e dirigentes, e a simulação de contratos com fornecedores dos Estados Unidos, quando na verdade o fornecedor estaria sediado nas Ilhas Virgens e o produto viria diretamente da Coréia do Sul.

A D’Marcas declarou que importou, desde 2001, R$ 40 milhões em mercadorias. A Receita Federal estima que dos valores apresentados foram sonegados em R$ 27 milhões. O relator, desembargador federal Paulo Gadelha, afirmou que a denúncia narra de forma suficientemente clara os fatos, individualizando as condutas dos acusados, à exceção de J.G. da S., contra quem não pesa mais a acusação, pois foi deferido o pedido de trancamento da ação penal.”

(Site do TRF-5ª Região)

TSE aprova contas de campanha de Dilma Rousseff com ressalvas

“As contas da campanha da presidenta eleita Dilma Rousseff (PT) foram aprovadas nesta quinta-feira (9) pelo TSE (Tribunal Superior Eleitoral). A aprovação, entretanto, foi feita com ressalvas por cinco dos sete ministros. Eles entenderam que as falhas não eram suficientes para impedir a aprovação. Para a maioria, os problemas não foram resultado de má-fé dos envolvidos e não eram um “vício insanável”.

Os ministros julgaram tanto a prestação de contas do comitê financeiro nacional da campanha de Dilma Rousseff quanto a prestação da candidata e de seu vice, Michel Temer (PMDB-SP). O TSE montou um mutirão para analisar as contas em tempo hábil, já que as prestações foram apresentadas ao TSE no último dia 30 de novembro. A legislação eleitoral determina que as contas devem ser julgadas até oito dias antes da diplomação, agendada, no caso da presidenta eleita, para o dia 17 de dezembro.

Quatro falhas são alvo das ressalvas dos ministros

A equipe técnica do TSE detectou quatro falhas principais, sendo que as duas primeiras foram responsáveis pelas ressalvas. A primeira é o recebimento de R$ 35,3 mil de estimáveis em dinheiro de sete pessoas que não usaram a própria atividade econômica para ajudar a campanha. Segundo a legislação eleitoral, a receita estimável em dinheiro só pode ser recebida se tiver origem na atividade econômica do doador.

Outra falha apontada no relatório é o recebimento de R$ 208 mil em doações de empresas que passaram a existir em 2010. A Lei Eleitoral determina que a doação de empresas deve se limitar a 2% do faturamento bruto do ano anterior, o que não é possível se a empresa é constituída no ano da eleição, como lembrou o ministro Arnaldo Versiani.

– Isso pode abrir brecha para que empresas que surjam no ano façam doações de valores irregulares.

O advogado do PT, Marthius Cavalcante, alegou que a penalização deve cair sobre a empresa doadora, e não sobre o comitê financeiro.

A terceira falha foi a doação de R$ 5 mil pela Racional Engenharia, encaixada na categoria de concessionária ou permissionária pública, o que também é vetado pela legislação eleitoral. A defesa petista argumentou que a empresa não era mais concessionária pública quando fez a doação, o que foi acatado pelos ministros.

A última falha apontada pelo relatório técnico foi a realização de despesa com passagem aérea e hospedagem sem comprovação por meio de nota fiscal no valor de R$ 2,527 milhões. O advogado petista lembrou que os serviços de transporte e hospedagem foram prestados por agência de turismo, que não emite nota para seus clientes.

– Elas são apenas intermediárias entre clientes e empresas e emitem faturas, onde foram discriminados todos os serviços prestados.

Apesar da justificativa, o argumento também foi acatado pelos ministros.

Na sessão desta quinta-feira os ministros do TSE também aprovaram o relatório final das eleições, homologando o resultado do segundo turno do pleito presidencial.”

(R7.com)

Ministério do Turismo libera R$ 3,1 milhões para Instituto que só existe no papel

“Um documento que leva a assinatura do ministro das Relações Institucionais, Alexandre Padilha, foi usado para aprovar convênios de R$ 3,1 milhões em favor de uma entidade fantasma no Ministério do Turismo.

O papel com a assinatura do ministro tem data de 22 de março deste ano e está anexado ao processo que Instituto Brasil de Arte, Esporte, Cultura e Lazer (Inbrasil) apresentou ao ministério para obter a liberação de verbas.

O Inbrasil só existe no papel. É mais uma entidade de fachada que negociou para assumir um estatuto antigo e intermediar, sem licitação, convênios com o governo federal, conforme revela o Estado em reportagens publicadas desde domingo.

O ofício com a assinatura do ministro diz que o Inbrasil “vem de acordo com o seu estatuto funcionando nos últimos 3 anos de forma regular prestando relevantes serviços à comunidade”.

O Inbrasil está registrado na casa do publicitário Antônio Carlos Silva, num bairro nobre de Brasília. Ele aparece como “diretor fiscal” do instituto. Mas o endereço é apenas um rito burocrático. Lá não funciona nenhum instituto.

A entidade foi criada para ajudar turbinar os negócios da Vibe Marketing Promocional, de André Fratti Silva, filho de Antonio Carlos. Fratti Silva é militante petista e se engajou na campanha de Dilma Rousseff.

A empresa executa os convênios do Inbrasil com o governo. Usa o Inbrasil só para conseguir os recursos públicos sem precisar de concorrência. Esse instituto recebeu, por exemplo, R$ 1,1 milhão para realizar o Festival de Inverno de Brasília, organizado pela Vibe Marketing em junho.

Outros R$ 2 milhões foram liberados para um projeto sobre os 50 anos de Brasília, idealizado pela Vibe e que ainda não foi executado. Tudo sem licitação.

Uma ex-assessora de Padilha, Crisley Lins, contou ao Estado que pediu ao ministro para assinar uma declaração atestando o funcionamento do Inbrasil. Esse tipo de documento, com respaldo de alguma autoridade, é exigido pelos ministérios para a abertura do cofre.

Ex-assessora do ministro, Crisley hoje trabalha para o deputado Paulo César (PR-RJ) que, embora seja do Rio, destinou R$ 300 mil de suas emendas orçamentárias para o evento do Inbrasil em Brasília.

Cotado para ser ministro do governo de Dilma Rousseff , Padilha é o interlocutor do governo na negociação de emendas parlamentares.

Leia mais em Documento que deu aval a entidade fantasma foi assinado por ministro

_ _ _ _ _ _ _ _

Ministro diz que houve fraude no documento em que teria dado respaldo a instituto envolvido com emendas irregulares

Em nota e entrevista ao Estado, o ministro Alexandre Padilha negou nesta quinta-feira, 9, que tenha assinado o documento inserido nos convênios do Inbrasil com o Ministério do Turismo. Ele disse que pediu uma investigação policial sobre o caso.

“Por se tratar de um documento inidôneo, o ministro Alexandre Padilha encaminhou ofício ao Ministro da Justiça solicitando o envolvimento da Polícia Federal na apuração dos fatos e da veracidade do documento”, diz a nota oficial.

“Essa declaração tem sinais evidentes de falsidade, de fraude”, disse Padilha à reportagem. Antes disso, a nota enviada pelo ministério já reforçava essa mesmo posição.

“O ministro Alexandre Padilha afirma que não assinou a declaração sobre o funcionamento do Instituto”.

Leia mais em Padilha nega ter assinado papel e pede investigação

_ _ _ _ _ _ _ _ _ _

Publicitário André Fratti, filho de diretor fiscal do InBrasil, diz que Padilha fez carta e que propósito é fomentar o turismo

Os representantes do Inbrasil afirmaram ontem ao Estado que contaram com o apoio do ministro Alexandre Padilha, das Relações Institucionais, para viabilizar a aprovação dos convênios com o Ministério do Turismo.

“Foi o ministro que deu a carta”, disse o publicitário André Fratti, dono da Vibe Marketing e filho de Antônio Carlos Silva, diretor fiscal do instituto beneficiado por emendas parlamentares e pela carta de Alexandre Padilha.”

(Estadão – Compilado do Blog do Noblat)

STJ – Bafômetro pode ser desnecessário para confirmar embriaguez

“Não há necessidade do teste do bafômetro ou de exame clínico para confirmar embriaguez ao volante, segundo decisão da 5ª turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ), em Brasília. Rejeitou-se um habeas-corpus pedido pelo motorista que não passou pelos exames e, de acordo com a perícia, apresentava sinais claros de embriaguez: “estava com vestes em desalinho”, “discurso arrastado” e “hálito alcoólico”. Não há, porém, decisão unânime do STJ.

Em decisão anterior, a 6ª turma determinou o arquivamento de uma ação penal contra um motorista que se recusou a fazer exames após ter sido flagrado dirigindo na contramão e com claros sinais de embriaguez. A divergência exigirá agora uma unificação do tema na 3ª Seção do STJ, que é composta pelos ministros das duas turmas.”

(Jornal do Commercio)

Presidência paga R$ 19 mil por mudança de Lula

“A Presidência da República pagará R$ 19.499 para transportar o acervo de presentes, condecorações e cartas recebidas pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva nos oito anos de governo. A empresa Três Poderes Mudanças e Transporte Ltda, de Brasília, foi selecionada para a tarefa em pregão eletrônico realizado nesta quinta-feira. A mudança, avaliada em R$ 500 mil, será levada para São Paulo e deve compor o futuro acervo do Instituto Lula, que funcionará na capital paulista.

Por exigência do Planalto, a transportadora terá que providenciar um caminhão climatizado para a adega do presidente, com garrafas de vinho, cachaça, uísque e outras bebidas. O edital também pede embalagens especiais para transportar roupas e “miudezas em geral”, além de quadros, tapetes, estátuas e “peças especiais em cristais”.

Toda a mudança ocupará 11 caminhões. Os funcionários da Presidência começam a encaixotar tudo na próxima terça-feira. Alguns pertences de Lula e da primeira-dama Marisa Letícia já estão empacotados no Palácio da Alvorada, para onde a presidente eleita, Dilma Rousseff, poderá se mudar a partir do dia 1º.”

(Folha.com)

Lula reclama da imprensa por duvidar das obras do PAC

“O presidente Luiz Inácio Lula da Silva afirmou nesta quinta-feira que quando o PAC (Programa de Aceleração do Crescimento) foi lançado, em 2006, decidiu que a Casa Civil organizaria entrevistas coletivas a cada quatro meses para falar do andamento das obras. E, mais uma vez, reclamou da cobertura da imprensa.

Lula disse que ela nunca teve perguntas censuradas nesses eventos, mas sempre preferiu mostrar números e resultados desfavoráveis sobre o programa. “Muitas vezes as manchetes colocavam em dúvida o sucesso do PAC. Tinha até programa de TV em época de eleição fazendo caravana pelo país mostrando que tinha buraco. Se quiser procurar com lupa a gente acha buraco até em casa”, afirmou.

Para evitar críticas, Lula disse que desistiu de estabelecer uma meta de construção de casas pelo Programa Minha Casa, Minha Vida que, inicialmente, previa um milhão de casas de seu lançamento até o fim do governo. “Não quis dar prazo porque a manchete do dia seguinte seria: ‘Lula fracassa. Prometeu em um ano e foi em um ano e uma hora'”, afirmou.”

(Folha.com)

Philips fecha portas no Recife

“Nesta sexta-feira, a fábrica da Philips (Bairro do Curado), no Recife, fechará suas portas, encerrando 43 anos de atividade na região. Serão desligados cerca de  500 funcionários da empresa 350 efetivos e 150 terceirizados. O Sindicato dos Trabalhadores Metalúrgicos de Pernambuco (Sindmetal-PE) vai realizar ato público/solidário, a partir das 08h em frente à empresa. 

O presidente do Sindmetal-PE,  Alberto Alves (Betão), salientou que o compromisso enquanto entidade sindical foi cumprido, com objetivo de garantir os direitos  dos trabalhadores. “Depois muita luta conseguimos que a Philips assumisse as despesas referentes a cursos profissionalizantes no Senai  e SENAC e auxiliasse na relocação dos profissionais que foram demitidos pela empresa.
 
Betão ressaltou que, as verbas indenizatórias foram acertadas de forma individual, obedecendo aos critérios de tempo na empresa, existência de doenças relacionadas ao trabalho, e entrada no pedido de aposentadoria. “Avaliamos que não foi o melhor acordo, mas, o ideal para atender as necessidades e anseios em geral da categoria”.
 
O anúncio do fechamento da fábrica foi feito em 12/11, em reunião com a diretoria e o corpo de funcionários. Segundo a empresa, a decisão de suspender a fabricação de lâmpadas automotivas no País foi consequência da crise econômica global, além da  consequência da competitividade e da adequação de custos. Os produtos passarão a ser importados de outras fábricas da multinacional na Europa e Ásia.”

(Folha de Pernambuco Online)

Astrofísico fala no Dragão do Mar sobre vidas além da terra

Dermeval Carneiro, Augusto Daminelli e Rogério Cristino.

O astrofísico Augusto Daminelli, nome dos mais respeitados na área, vai dar palestra em Fortaleza, a partir das 19 horas desta quinta-feira, no teatro do Centro Dragão do Mar. Convidado do Planetário Rubens de Azevedo, ele falará sobre o tema “À Procura de Vida no Universo”.

Já nesta sexta-feira, Daminelli falará sobre o mesmo tema na Universidade Vale do Acaraú (UVA), em Sobral, que também conta com um planetário.

Daminelli é ciceroneado pelo diretor do Planetário, Dermeval Carneiro, e pelo diretor de Controladoria da Empresa de Tecnologia da Informação do Ceará (Etice), Rogério Cristino.

Ministro confirma cortes no Orçamento 2011, mas garante mínimo de R$ 540,00

“O ministro do Planejamento, Paulo Bernardo, disse, ensta quinta-feira, em Brasília, em rápida entrevista após a cerimônia de balanço de quatro anos do PAC (Programa de Aceleração do Crescimento), que o Ministério do Planejamento deslocou 15 técnicos para trabalhar, inclusive neste fim de semana, no corte de gastos do Orçamento de 2011.

Segundo ele, esses cortes serão necessários porque o governo fez uma estimativa errada de R$ 12 bilhões nas receitas previstas para o próximo ano. Bernardo justificou afirmando que a presidente eleita, Dilma Rousseff, vai herdar um volume alto de contas a pagar de 2010.”Será bastante, mas não tenho o número”, disse. Bernardo confirmou também que a proposta da presidente eleita para o valor do salário mínimo em 2011 é de R$ 540.

Emendas

O ministro do Planejamento disse ainda que o governo vai restringir as emendas parlamentares voltadas para eventos, que motivaram as denúncias contra o senador Gim Argello (PTB-DF), que renunciou à relatoria do Orçamento de 2011.

“Vamos fazer uma restrição total nessas emendas para eventos no ano que vem. Se o Congresso não tirar (do Orçamento), o governo vai restringir por conta própria. Estamos avisando antecipadamente ao Congresso”, avisou.

Bernardo considerou as denúncias envolvendo Argello e a distribuição de emendas muito graves. Segundo o ministro, o governo já tinha algumas informações sobre problemas relacionados a essas emendas destinadas a eventos. “Percebemos que há fragilidade. As denúncias indicam que é uma coisa séria”, relatou.

O senador do PTB renunciou à relatoria da Comissão Mista de Orçamento após denúncias de que ele teria destinado ao menos R$ 1,4 milhão para institutos fantasmas por meio de emendas individuais [propostas que destinam recursos para uma obra ou um projeto] na proposta orçamentária de 2011. Ele nega as irregularidades.”

(R7.com)

Ex-secretário nacional de Segurança Pública debate no Lagamar

Erick Guimarães, Luis Eduardo Soares e Demitri Túlio.

O ex-secretário nacional de Segurança Pública, Luis Eduardo Soares, está participando, nesta quinta-feira, no Lagamar, de um debate com tema “A Segurança que queremos”. A promoção é da Central Única de Favelas (CUFA), que tem à frente Preto Zezé e coloca, frente a frente, aquele que foi uma das maiores autoridades do setor no governo federal, até bem pouco tempo, e lideranças que tentam enfrentar a violência e, em especial,o avanço do crack.

Ações preventivas nos planos social e educacional constam da pregação de Luis Eduardo. Com dose, claro, de desarmamento e enfrentamento dos individuos que operam na marginalidade.

Luis Eduardo, inclusive, participou, na manhã desta quinta-feira, do projeto “Debates Especiais – Grandes Nomes”, da rádio O POVO/CBN.

(Foto – Luis Eduardo com o editor-chefe do O POVO, Erick Guimarães, e o repórter especial Demitri Túlio/clique de Paulo Moska)