Blog do Eliomar

Categorias para Brasil

Copom mantém juros em 10,75%

“O Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central (BC) definiu na noite desta quarta-feira que a taxa básica de juros (Selic) deve permanecer no patamar de 10,75% ao ano, em vigor desde 21 de julho. Com isso, o colegiado finalizou o processo de aperto monetário adotado nas três últimas reuniões, quando elevou a taxa de 8,75% para 9,50%, em abril, depois para 10,25%, em junho, e para 10,75%, em julho.

A decisão do Copom veio em sintonia com as expectativas da maioria dos analistas financeiros, que, há duas semanas, alegam haver condições favoráveis no mercado para o BC encerrar o ciclo de ajustes da Selic. O principal motivo apontado pelo mercado é a inflação ter entrado em declínio nos três últimos meses. Além disso, argumentaram os analistas, não existem sinais de pressão de preços no horizonte, a médio prazo. As projeções de inflação para o final do ano têm caído gradativamente e já se aproximam do centro da meta de 4,5%.

Segundo o boletim Focus, divulgado pelo BC na última segunda-feira (30), o Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), que serve de parâmetro para as correções oficiais, deve encerrar 2010 em 5,07%. Apesar de o crescimento interno continuar sólido, com expansão da renda e do crédito, o comportamento mais ameno da inflação contribuiu para o fim do processo de alta da taxa Selic, de acordo com o economista-chefe do Banco Schahin, Silvio Campos Neto.

Há, no entanto, quem acompanhe a cena econômica com alguma desconfiança, como a economista-chefe do Banco Fibra, Maristella Ansanelli. Embora admita que todas as sinalizações de mercado apontavam para uma tendência de manutenção do nível atual da Selic, antes mesmo da decisão do Copom, Maristella considera que o ritmo de reajustes de preços dos gêneros alimentícios pode voltar a aumentar já neste mês. A economista acredita que haverá pressão inflacionária, por causa dos reajustes salariais programados para os próximos meses.”

(Agência Brasil)

POlícia Federal e Civil querem reinserção nas carreiras jurídicas

“Os delegados das polícias Federal e Civil querem que a categoria volte a ser considerada carreira jurídica, a exemplo dos advogados da União e dos defensores públicos. Além disso, defendem a aprovação de lei orgânica para as polícias vinculadas à União (Federal e Civil do Distrito Federal) e da Lei Geral das Polícias Civis. As reivindicações constam de carta compromisso entregue hoje (1º) ao secretário executivo do Ministério da Justiça, Rafael Favetti. O documento é assinado pela Associação Nacional dos Delegados de Polícia Federal (ADPF), Associação dos Delegados de Polícia do Brasil (Adepol) e Federação Nacional dos Delegados de Polícia Federal (Fenadepol). Favetti se comprometeu a ajudar a categoria.

O secretário ressaltou que boa parte das reivindicações está sendo discutida no Congresso Nacional. Nesse contexto, assinalou, o papel do ministério é limitado. “A maioria das preocupações dos delegados é relativa a discussões que ainda estão sendo feitas no Congresso. É dever do ministério analisar e apoiar as iniciativas e propostas que são boas para melhorar a cidadania.”

No documento, os delegados defenderam também que o mandato e a escolha dos diretores das polícias civis e da Polícia Federal sejam definidos “entre integrantes da carreira de delegados de polícia”. “O que estamos fazendo é promover o Dia Nacional de Mobilização, que é de conscientização em defesa do fortalecimento da Polícia Judiciária e da modernização da investigação criminal para que o Brasil possa consolidar um instrumento de combate à criminalidade”, disse o presidente da ADPF, Reinaldo Almeida.

“Queremos chamar a atenção para o fato de que, ao nos desatrelar da carreira jurídica, [os legisladores] criaram uma concorrência tanto no tratamento jurídico como no salarial”, acrescentou o presidente da Adepol do Brasil, Carlos Eduardo Benito Jorge. De acordo com o presidente da Fenadepol, Antônio Barbosa Góis, o salário inicial de um delegado federal é de cerca de R$ 13 mil, podendo chegar a R$ 19,6 mil, com as promoções previstas na carreira. “No entanto, os delegados da Polícia Civil de São Paulo iniciam a carreira recebendo [líquido] pouco mais do que R$ 4,5 mil”, afirmou Benito Jorge. Depois da audiência com Favetti, os delegados foram para o Congresso Nacional em busca do apoio dos parlamentares. Eles pretendem entregar a carta também aos candidatos à Presidência da República.”

(Agência Brasil)

DETALHE – Nesse grupo de lideranças reivindicando reinseção da PF como carreira juídica havia um cearense: César Bertosi, que é vice-presidente da Federação Nacional dos Delegasdos Federais.

Carlos Lupi será cidadão cearense

205 2

O ministro do Trabalho e Emprego, Carlos Lupi, vai receber, no próximo dia 17, às 15 horas, no Plenário 13 de maio, da Assembleia Legislativa, o título de Cidadão Cearense. A iniciativa é do deputado Ferreira Aragão, líder do PDT na Casa. 

“A homenagem é um reconhecimento ao grande trabalho do ministro à frente da sua pasta”, justifica o parlamentar, acrescentando que Lupi “é um defensor dos direitos trabalhistas e seu trabalho tem como foco a geração de empregos e renda no nosso País.”

QUEM É?

Carlos Roberto Lupi tem Licenciatura Plena em Administração, Economia e Contabilidade, casado com a jornalista Ângela Rocha e pai de três filhos. Teve o seu primeiro contato com a administração pública em 1983, quando assumiu a coordenação das Regiões Administrativas da Cidade do Rio de Janeiro, no governo do então Prefeito Marcelo Allencar. Foi eleito em 1990 pelo PDT – único partido de sua vida – deputado federal. Em 1992, se licenciou do mandato para assumir a Secretaria Municipal de Transportes do Rio. Em 1999, assumiu a Secretaria de Governo do Estado do Rio.

Grupo do Ceará confere no RS o Intercom 2010

Uma caravana de professores e estudantes dos cursos de Comunicação Social do Ceará embarcou nas últimas horas rumo ao Intercom 2010. Trata-se do Congresso Nacional de Comunicação que, até o próximo dia 6, ocorrerá na cidade gaúcha de Caxias do Sul.

Segundo Mariana Lázari e Geimison Maia, estudantes de Jornalismo da UFC, essa Instituição deverá apresentar cerca de 40 trabalhos na área. O Intercom é o evento mais importante do setor de comunicação na área científica no País.

TSE libera registro de Sarney Filho

“O Tribunal Superior Eleitoral arquivou recurso do Ministério Público Eleitoral contra ato do Tribunal Regional Eleitoral do Maranhão que deferiu pedido de registro de candidatura a Sarney Filho (PV-MA), ao cargo de deputado federal nas eleições de 2010. A decisão foi tomada pelo ministro Hamilton Carvalhido.

A Procuradoria defendia a aplicação imediata da Lei da Ficha Limpa contra o candidato, que tenta a reeleição. Carvalhildo verificou que Sarney Filho foi condenado em 2006 por ter veiculado propaganda eleitoral, via internet, no site oficial do município de Pinheiro (MA).

Apesar disso, a única sanção aplicada foi uma multa. Por não ter ficado comprovada a “efetiva potencialidade do ato ilícito para influir no resultado do pleito”, o TRE-MA não determinou a cassação do diploma. De acordo com o ministro, apenas a imposição de multa não é causa de inelegibilidade.”

(Folha.com)

Agnaldo Timóteo: "Eu era apaixonado pela inteligência do Clodovil"

“Foram 42 anos de amizade. Amizaaaaade. Próxima, de intimidades. De palavras, da vida pessoal, até de homossexualismo. Nós éramos amigos. Eu era apaixonado pela inteligência do Clodovil, pela cultura do Clodovil, e, como ele era parecido comigo, pela audácia do Clodovil.” Dessa forma, o cantor e vereador Agnaldo Timóteo, 73, explica o motivo pelo qual se coloca, no horário eleitoral, como herdeiro político do estilista Clodovil Hernandes (morto em 2009).

Candidato a deputado federal em 2010, Timóteo diz pretender levar adiante, dentre os projetos de Clodovil, a “gratuidade para que todo homem possa fazer o exame da próstata a partir de 40 anos”. Ao lado de Tiririca e do humorista Juca Chaves, é uma das esperanças do PR de aumentar a bancada paulista do partido na Câmara dos Deputados.

Por que o sr. decidiu se candidatar?
Por causa do Lula. Eu sou macaco de auditório do Lula. Fui preconceituoso contra ele em 2002. Não votei nele, não acreditava nele e hoje eu e todos os demais que o preconceituaram devemos morrer de vergonha. Porque ele nos dá uma aula de habilidade, de competência, de audácia e de convergência. Até na diplomacia. É um show.

O sr. chegou a conversar com ele sobre isso?
Claro! Aliás, eu pedi duas audiências ao Lula. Ele me recebeu nas duas. Na mais recente levei comigo o meu chefe de gabinete, que é o Alexandre. Um pretinho, elegante… levei o Alexandre comigo. E quando nós conversávamos, o Lula pegou o telefone e disse: “Dilma, sobe aqui pra conhecer o Agnaldo Timóteo”. Subiu a ministra Dilma, com um sorriso fantástico, despojado, e eu disse: “mas ministra, a rapaziada lá fora diz que a senhora anda de cara amarrada… sorriso mais bonito que esse só se for da Elke Maravilha!” Na bucha, falei com ela.

Por que o sr. pediu uma audiência com o Lula?
Já havia um zunzunzum de que a Dilma seria candidata. E eu queria conversar com o presidente sobre a Dilma, sobre a linguagem que a Dilma precisa, que é essa que ela está mostrando…

Qual?
Ah! Todo mundo dizia que ela era um mulher antipática. Hoje é a figura mais simpática do programa eleitoral! Ela precisa conversar com as mulheres. A mulher dá a luz. A mulher limpa o cocô do menino, troca a fralda, faz comida pro marido, lava a roupa, e não pode ser presidente? Brincadeira tem hora!

A sua participação no horário eleitoral já está dando o que falar por causa do Clodovil. O sr. quer herdar os votos dele?
Eu estou dizendo o que é uma coisa absolutamente real. Foram 42 anos de amizade. Amizaaaaade. Próxima, de intimidades. De palavras, da vida pessoal, até de homossexualismo. Nós éramos amigos. Eu era apaixonado pela inteligência do Clodovil, pela cultura do Clodovil, e, como ele era parecido comigo, pela audácia do Clodovil. Vou chegar em Brasília e vou ter que mexer naquilo que ele deixou.

Qual parte da obra dele o sr. quer levar adiante?
O Clodovil brigava até pelo casamento entre homossexuais, que é uma coisa que eu não vou brigar.

Por que não?
Porque… come quem você quiser, dá pra quem você quiser, mas negócio de homem casar com homem… sai fora! Tá com brincadeira? “Ô, João, você aceita o Antonio como sua legítima esposa?”. Ah, para! Brincadeira tem hora. Isso era um ponto de vista distinto, meu e do Clodovil.

Mas e os pontos convergentes?
Tem o negócio da próstata, que ele apresentou….

O que é o negócio da próstata?
É um projeto do Clodovil para que todo homem tenha direito de fazer seu exame da próstata gratuitamente a partir de 40 anos. Eu vou ver isso depois direitinho. O Clodovil tem um projeto de atendimento às mamães solteiras, que eu vou ter que verificar como a gente vai administrar.

O sr. manteve contato com ele ao longo de todos esses anos?
Todos! Eu o levei para cantar num programa de rádio que eu tinha no Rio de Janeiro. Porque ele cantava bem. Suavemente, mas cantava muito melhor que o João Gilberto. Até porque o João Gilberto nunca cantou.

Mas eram amigos de frequentar a casa um do outro?
Não, não. Eu não sou uma pessoa muito sociável. Sou mais caseiro.

Vocês mantiveram contato no período em que ele esteve no ostracismo, fora da televisão?
Mas você acredita mesmo que uma pessoa como o Clodovil em algum momento tenha estado no ostracismo? Ele estava fora da televisão. É como o Agnaldo Timóteo. Onde quer que nós estejamos, somos celebridades. Não tem como nos ignorarem. Não tem.

Vamos falar dos projetos que o sr. apresentou quando foi deputado federal.
Eu apresentei um projeto transferindo para as Forças Armadas a responsabilidade sobre os menores desassistidos. Isso em 1985. De lá pra cá imagine quantas crianças poderiam ter sido salvas, em vez de aparecer na televisão com uma.45 na cintura. O Genoíno me disse: “você quer transformar o Brasil num quartel”. Eu falei: “não! eu quero transformar numa escola, onde os professores sejam militares. sargentos, soldados, tenentes, cabos. A formação moral deles a gente não pode questionar”.

Algum dos projetos que o sr. apresentou em Brasília em seus dois mandatos chegou a ser aprovado?
Lamentavelmente, nenhum. Todos saídos da minha sensibilidade de ser humano de família modesta.

O sr. tem algum projeto novo que gostaria de levar para Brasília?
A minha paixão, que lamentavelmente ainda não foi tornada realidade pelo Kassab, é um projeto que foi sancionado pelo Serra quando era prefeito, que é o posto de apoio ao taxista. Nada mais, nada menos, que um ponto de táxi com dependência sanitária. Não só para São Paulo, mas para todos os municípios que tenham mais de 300 mil municípios, ou 200 mil. Que é uma coisa absolutamente fácil de realizar. Baratíssimo.

Mas por que o sr. quer fazer isso?
Para os taxistas! É justo você ver o taxista mijando dentro do túnel? Mijando atrás da árvore? Mijando atrás da porta? Ponto de táxi tem que ter dependência sanitária. Como lá em Congonhas [Aeroporto de Congonhas, em São Paulo]. É um ponto de táxi com dependência sanitária para 60 taxistas. Tá lá! Lindo, limpinho, para homens, mulheres, um espetáculo!

Algum dos projetos que o sr. apresentou como vereador foi implementado?
Vários. Um dia eu fui a um enterro, e eu com 114 quilos. A cova ficava a uns 400 metros de distância, aqui no cemitério do Araçá. E aí andei uns 400 metros pra chegar no túmulo. E depois você desce morro e sobe morro. Eu cheguei aqui e apresentei um projeto criando a obrigatoriedade de que todos os cemitérios tenham aqueles veículos de bateria para conduzir as pessoas obesas, deficientes, até o local onde se realiza o sepultamento. Foi sancionado pelo Kassab e eu agradeço muito.

Tem algum outro projeto?
Alguns importantíssimos, que lamentavelmente foram vetados. Por exemplo, uma câmera em todas as cozinhas dos grandes restaurantes e uma tela dentro do estabelecimento para que possamos ver como está sendo preparada a nossa alimentação.”

 (Folha.com)

Em Alagoas, único governador do PSDB usa imagem de Lula em propaganda

“Único governador do PSDB no Nordeste e em busca da reeleição, o alagoano Teotonio Vilela Filho (PSDB) passou a usar imagens ao lado do presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) na propaganda eleitoral gratuita na TV. Porém, passados 15 dias do início da propaganda eleitoral, governador, que ocupa apenas a terceira colocação nas pesquisas em Alagoas, ainda não pediu votos, apresentou imagens ou mesmo citou o nome do presidenciável do partido, José Serra.

Na última sexta-feira e nesta segunda-feira, o programa do candidato à reeleição no Estado apresentou imagens do presidente entregando o “diploma de mérito de reconhecimento à vida”, recebido no dia 18 de junho, em Brasília. Os programas ainda mostraram mais três fotografias, onde Vilela e Lula aparecem juntos em outros eventos, trocando sorrisos e apertando as mãos. Em seus discursos, o governador afirma sempre que o presidente Lula é um parceiro do governo de Alagoas.

Em Alagoas, os outros dois principais candidatos chegaram a brigar judicialmente pelo direito de usar o nome e imagens de Lula e da presidenciável Dilma Rousseff (PT). Após lançar um jingle citando que Lula e Dilma apoiaria Fernando Collor de Mello (PTB), a coligação “Frente Popular por Alagoas”, que inclui o PT, conseguiu na Justiça uma decisão impedindo que o ex-presidente citasse os dois nomes em propagandas eleitorais.

O uso das imagens e Lula pelo PSDB no Estado foi duramente criticado pelo diretório PT de Alagoas. “O que ele acabou de produzir se constitui em fraude política, numa tentativa grosseira de confundir o eleitorado”, afirmou, em nota divulgada à imprensa, o presidente do PT e candidato a vice-governador de Ronaldo Lessa (PDT), Joaquim Brito.

O PT informou ainda que vai apresentar uma representação na Justiça Eleitoral questionando o uso das imagens do presidente. “Ele está agindo com oportunismo, talvez até cometendo ilegalidade perante a legislação eleitoral. Por que ele esconde o seu candidato a presidente? Até hoje José Serra não apareceu no programa majoritário do PSDB alagoano” questionou Brito.

A explicação para o uso das imagens de Lula pode estar no desempenho do candidato do PSDB à presidência no Nordeste. Na última pesquisa Datafolha, José Serra aparecia com 21% das intenções de voto na região, contra 60% de Dilma Rousseff (PT), líder na corrida presidencial. A diferença entre os dois é a maior entre as cinco regiões do país.

Segundo pesquisa Ibope, encomendada pela TV Gazeta , Ronaldo Lessa lidera a corrida pelo governo de Alagoas com 29% das intenções de voto, seguido por Fernando Collor de Mello (PTB), com 28%, e Teotonio Vilela, com 24%.”

(Uol Eleições)

Presidente do BNB ganha título de "Professor Honoris Causa da UFC"

O presidente do Banco do Nordeste do Brasil, Roberto Smith, vai receber o título de “Professor Honoris Causa” da Universidade Federal do Ceará. O título foi aprovado pelo Conselho Universitário em sessão ordinária realizada na última segunda-feira.

Roberto Smith é professor aposentado do Departamento de Teoria Econõmica da Faculdade de Economia, Administração, Atuária, Contabilidade e Secretariado Executivo.

Smith comemorou o título como reconhecimento. À frente do BNB desde 2003, ele colocou o banco entre as melhores Instituições financeiras do País, com programas reconhecidos internacionalmente como o CredAmigo, voltado para a economia solidária.

Semana da Pátria em exposição

O Shopping Benfica abriu a exposição “Brasil dos Pés a Cabeça” dentro da Semana da Pátria. A exposição traz para o público, por exemplo, bandeiras históricas do Brasil, desde a primeira em 1332, até a atual.

O Hino da Independência, sua criação e criadores, também pode ser conferido, além de imagem do quadro do artista Pedro Américo que retrata o grito de Dom Pedro I.

SERVIÇO

* Visitação gratuita até o dia 7, das 10 às 22 horas.

BNB busca saídas para agronegócio

O presidente do Banco do Nordeste do Brasil, Roberto Smith, encontra-se, nesta quarta-feira, em Brasília. Ali, ele participa de várias reuniões no Ministério da Fazenda.

O mote é um só: buscar soluções para o setor do agronegócio de Petrolina (PE) e Juazeiro (BA) que passa por dificuldades de safra. As cheias do rio São Francisco causaram problemas.

Dilma admite retorno da CPMF

“Questionada sobre a recriação da CPMF, a candidata do PT à Presidência, Dilma Rousseff, não quis falar sobre o tributo, mas não descartou a sua volta ao afirmar que a saúde é “subfinanciada” e que, caso eleita, “mobilizará” a população para discutir e solucionar o problema.

“Tem subfinanciamento na nossa saúde, sim. Ao tirarem a CPMF de nós, nós perdemos R$ 40 bilhões. (…) Tenho compromisso com essa questão. Se eu for eleita eu vou, de todas as formas, deixar claríssimo qual é o problema da saúde”, disse.

(Folha Online)

UFC confirma acesso a cursos por meio do Enem e a partir de novembro

O reitor da Universidade Federal do Ceará, Jesualdo Farias, confirmou para novembro a realização do vestibular da Instituição tendo o Enem como meio de acesso. Ele não soube precisar número de vagas, mas disse que o tema será assunto em Brasília, nesta quarta-feira. Jesualdo viajou para participar de reunião com a área do Sistema Único de Seleção (Sisu), do Ministério da Educação.

Também na agenda dele, encontro da Associação dos Dirigentes de Instituições do Ensino Superior (Andifes) onde o mote é um lobby pela aprovação de um projeto de lei que altera a carreira docente do ensino superior, criando uma nova categoria: o professor sênior. Jesualdo disse que os reitores querem ver essa matéria votada após as eleições.

O professor sênior teria quatro faixas e viria como o último grau, com  carreira iniciando na categoria auxiliar 1. Esse mesmo projeto possibilitaria, conforme o reitor da UFC, a criação de mais 10 mil cargos, o que possibilitará a realização de concurso.

Orçamento 2011 prevê mínimo de R$ 538,15

“A proposta de Orçamento da União para 2011 embute a proposta de aumentar o salário mínimo do País de R$ 510 para R$ 538,15, isto é, o valor atual corrigido pela inflação de 2009. O projeto de Lei Orçamentária Anual (LOA), que foi entregue pelo ministro do Planejamento, Paulo Bernardo, ao Senado, também inclui uma projeção de crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) em 4,5% para o ano que vem.

O boletim Focus, elaborado pelo Banco Central, mostra que a maioria do setor financeiro trabalha com uma projeção mais acentuada de crescimento, de quase 5% (4,87%, precisamente). O ministro adiantou, durante encontro com o presidente do Senado, José Sarney, que o número oficial deve ser revisto.

A LOA é o orçamento preparado pelo Governo e que deve guiar suas ações para o próximo ano, após passar pelo crivo do Congresso Nacional. Para reajustar o salário mínimo, o Governo leva em consideração a inflação mais o PIB do ano anterior à elaboração da proposta. Como em 2009 o PIB apresentou queda de 0,2%, a atualização poderá ser feita apenas com base na inflação. “O salário mínimo tem as mesmas regras dos anos anteriores: reajuste igual à inflação com o aumento real correspondente ao PIB. Nesse caso, todos sabem que no ano passado o PIB teve queda”, disse Paulo Bernardo.

O ministro destacou que a regra de reajuste, negociada inclusive com as centrais sindicais, é coerente e garantirá no futuro ganhos reais constantes para os trabalhadores que recebem o salário mínimo. “É bom lembrar que o Ministério da Fazenda está prevendo um aumento do PIB de 7% para 2010. Portanto, o próximo (de 2012) deverá ser reajustado por esse critério”.

Segundo Paulo Bernardo, a estimativa de crescimento da economia é a mesma projeção da Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO), que serve de parâmetro para a elaboração do Orçamento. Na LDO, o crescimento estimado do PIB é de 5,5% para 2011. Esse valor deve mudar, segundo ele, porque o Ministério da Fazenda elevou as projeções recentemente, e, como a proposta já tinha sido impressa, não houve tempo para fazer as modificações. “Até novembro, nós vamos atualizar essa grade”, afirmou.

A meta de superávit primário na proposta também é a projetada na LDO. Como a meta foi expressa em valores nominais do PIB inicialmente previsto pelo Governo (R$ 3,8 trilhões), é provável que, com o crescimento maior da economia, o superávit primário em valores nominais seja menor, dando mais folga para o novo Governo.“Nós colocamos na LDO para o ano que vem um valor nominal. É o equivalente a 3,3% do PIB. Se o PIB aumentar, vai dar a diferença”, afirmou o ministro.”

Lula ganha homenagem no centenário do Corinthians

Conselheiro vitalício do Corinthians, o presidente Lula foi o grande homenageado na festa no Parque São Jorge – que depois se estendeu para o Vale do Anhangabaú, nesse começo de quarta-feira. Ele recebeu do Clube dos 13 o título de chanceler honorário do futebol brasileiro, e das mãos do presidente Andrés Sanchez ganhou uma camisa do centenário, com seu nome e o número 13 nas costas, uma carteira comemorativa e um baú banhado a ouro com todos os distintivos da história do Corinthians.

Os dirigentes do Ceará, Evandro Leitão, e do Fortaleza, Renan Vieira, também participaram da festa como convidados mobilizados pelo chamado “Clube dos 13”.

TSE enquadra Roriz na Ficha Limpa. Advogado vai recorrer

“O advogado de Joaquim Roriz (PSC), Pedro Gordilho, anunciou que pretende recorrer da decisão do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) que enquadrou o candidato na Lei da Ficha Limpa.

“As questões julgadas hoje, aqui na Corte, são questões constitucionais. E quem avalia isso é o Supremo. É para lá que vamos”, afirmou. Segundo ele, o principal argumento será baseado no princípio da anualidade.

De acordo com esse princípio, uma Lei Eleitoral só tem efeito após um ano da sua criação. No caso da Lei da Ficha Limpa, ela, no entender de Gordilho, só pode valer a partir de 2011, uma vez que as novas regras de inelegibilidade foram sancionadas no último dia 4 de junho.

No julgamento dessa noite de terça-feira prevaleceu o entendimento, já manifestado pelo TSE, de que a Lei da Ficha Limpa tem efeito imediato e que não se trata de pena, mas de um pré-requisito de elegibilidade.”

(Blog do Noblat)

Veja os 50 motivos do JB agora estar só na internet

Qualidade. Interatividade. Respeito à Ecologia. Alinhamento com o futuro. Inovação.

1. Há cerca de um mês, o Jornal do Brasil, jb.com.br, comunicou a seus leitores a decisão de tornar-se o primeiro 100% digital do País.

2. A decisão, fruto de análise responsável dos rumos da imprensa escrita em todo o mundo, resultou também de pesquisa diária que o JB, promoveu mediante anúncios em suas páginas e no site jb.com.br.

3. Nela, o Jornal do Brasil convidou leitores e internautas a opinarem sobre preferências e hábitos de consumo de mídia – incluindo-se as inovadoras plataformas digitais.

4. À semelhança de tantos veículos de comunicação de elevado prestígio no mundo todo, o Jornal do Brasil quer atualizar seus modos de interação com o público leitor, privilegiar práticas ecologicamente sustentáveis e aperfeiçoar-se em tecnologias de última geração.

5. Ao dar efetividade a esse processo, o Jornal do Brasil trabalha para que sua centenária marca e conteúdo de qualidade se façam presentes, de maneira cada vez mais influente, para atuais e futuras gerações de leitores.

6. Nessas últimas semanas, alguns leitores do JB – e sobretudo muitos não-leitores – manifestaram-se legítima e democraticamente favoráveis à manutenção da versão em papel do jornal.

7. Em suas argumentações, fizeram-se referências à história do JB, seus grandes personagens; à gloriosa trajetória como espaço de liberdades. O fato é que esses ativos não são perdidos, mas expandidos, de novo, no meio eletrônico.

8. Não se pode optar por fechar os olhos – não ao futuro -, mas ao próprio presente da mídia em todo o mundo: o rumo, inexorável e crescente, à era digital.

9. Assim, ao contrário do que vêm propagando alguns poucos mal-informados, irresponsáveis e mal-intencionados, o Jornal do Brasil está caminhando para uma nova e melhor fase.

10. O JB continuará existindo – ágil, moderno e influente.

11. O JB, segue seu caminho de pioneirismo. Foi, já em 1995, o primeiro jornal brasileiro na internet.

12. Há quem pense que o jornal é uma “coisa” – um amontoado de folhas. Sem o papel e celulose, os jornais – e o JB – estariam acabando.

13. Ora, os custos econômicos e ambientais do papel são insustentáveis. Mais que isso, são desnecessários.

14. A cada dia em que um jornal como o JB não é impresso em papel, 72 árvores deixam de ser cortadas. Dado o maior ou menor número de cadernos durante a semana, ao longo de um ano são mais de 30 mil árvores poupadas.

15. Uma única edição de domingo corresponde a cerca de 200 árvores que levam anos para crescer e ocupam 40 mil m² de florestas. Isto equivale a quatro campos e meio de futebol. Em um ano, com a versão digital, são preservadas áreas florestais correspondentes a mais de 1.200 Maracanãs.

16. Para se fazer uma edição do JB em papel consomem-se aproximadamente 10 mil litros d´água e 40 Mw/hora de energia por dia.

17. Além disso, a natureza leva 6 semanas para decompor um único exemplar de jornal em papel.

18. No tempo em que vivemos, é um erro achar que o jornal é um objeto físico. Na mesma medida, a música não é o disco de vinil, a fita-cassete ou o compact-disc. Tampouco a música é a vitrola, o toca-fitas, o disc-player ou o iPod.

19. Julgar que jornal e papel são sinônimos equivale a achar que um canal de televisão é o próprio aparelho de TV. Ou que a emissora de rádio não terá êxito se não for também produtora de rádios portáteis ou de mesa. Ou então que sites deveriam fabricar seus próprios computadores.

20. Será que ainda é possível a alguém, com mínimos poderes de observação, lucidez e honestidade intelectual, achar que o jornal em papel continua a ser um “veículo” de comunicação?

21. Será que ainda vale apostar no papel, quando mesmo na Europa ou nos EUA, com elevado grau de alfabetização e hábitos de leitura, o tempo médio – e decrescente – do leitor com o exemplar nas mãos já é inferior a 20 minutos por dia?

22. Não está distante o momento em que um país com jornais de grande circulação em papel será sinônimo de subdesenvolvimento, desrespeito ao meio ambiente e anacronismo digital.

23. O que é um jornal na selva tecnológica? Qual o papel do jornal num ambiente de rádios digitais, leitores eletrônicos, fones inteligentes, monitores em elevadores ou aeroportos, TVs on-demand e sites dos mais variados em tempo real ou analíticos de toda ordem?

24. Definitivamente, esta explosão de multimeios nada significa, a não ser a adaptação inelutável dos jornais às mais eficientes e atraentes plataformas multimídias. O que também se faz em observância à relação custo-benefício.

25. No estágio de avanço tecnológico que vivemos, ao contrário do que augurava Marshall McLuhan na distante década dos 1960, o meio não é a mensagem.

26. Um jornal, no século 21, é o resultado de um elo de confiança e interação entre o público-leitor e uma marca secular de credibilidade. Elo potencializado pelas novas tecnologias da informação.

27. Na transição da antiga fase do papel para a fase digital, promove-se também uma mudança de perfis, atitudes e rotinas de trabalho no próprio ambiente do jornal.

28. A redação não é mais apenas uma sala delimitada fisicamente. É uma rede em que cérebros e talentos estão conectados em tempo real – às vezes a milhares de quilômetros de distância.

29. Nessa dinâmica, houve o desligamento de alguns profissionais do JB. Outros chegam, estão contratados. Trabalham a pleno vapor. Este é um processo orgânico e característico da evolução empresarial e tecnológica que marca nossos dias.

30. Nessa nova fase, o JB conta com uma equipe de mais de 150 colaboradores, dentre pessoal de conteúdo, marketing e gestão. É um número adequado à dimensão dos desafios do jornal.

31. Tal mudança, como é de se esperar em qualquer câmbio de rumos, traz incertezas.

32. Ainda mais porque as mudanças no jornal não se produzem numa atmosfera concorrencialmente idílica.

33. Muito da necessária reserva que envolve a implantação do JB digital é característica da competição entre marcas de mídia no Brasil. Competição intensa e injusta para os que não são sustentados e protegidos por oligopólios.

34. Nessa era de leitores digitais e Internet, acrescida pela problemática ecológica, a ampla consulta que realizamos com nossos leitores sobre o futuro confirmou que a maioria quer modernidade. Estar à frente do seu tempo.

35. Foi por isso que o Jornal do Brasil decidiu tornar-se o primeiro grande jornal 100% digital do País.

36. Qualidade. Interatividade. Respeito à Ecologia. Alinhamento com o futuro. Inovação. Estes, e não quaisquer crises reais ou fabricadas, foram os critérios que presidiram a decisão do Jornal do Brasil.

37. O JB estará compatível com todos os leitores digitais (iPad, Kindle, Alfa, Nook, Mix, Libre). Sua diagramação moderna e amigável, em papel eletrônico, será automaticamente adaptada à tela de qualquer computador.

38. Ainda assim, qualquer leitor poderá imprimir, seletivamente e sem desperdício de papel, a parte do jornal que deseja em sua casa ou escritório.

39. Nessa nova fase, o conteúdo digital do JB se dividirá em 3 áreas de concentração:

(I) Tempo Real: alimentado e produzido por fontes próprias e as melhores agências de notícias brasileiras e internacionais.

– O Tempo Real também trará “aperitivos” (pequenas notas ou , no caso de matérias mais extensas, parágrafos que agucem o apetite para que o leitor venha a aderir à versão de conteúdo reservado do JB Digital.

– O Tempo Real terá conteúdo expandido em foto, vídeo e som.

(II) JB Digital: o tradicional Jornal do Brasil que concentra os grandes diferenciais de conteúdo que sempre categorizaram o jornal.

– Inicialmente, o JB será, como hoje, um produto diário desenhado para plataformas de software amistosas ao leitor (reader-friendly) em computadores e aparelhos móveis de qualquer tipo (laptops, desktops, iPhones, blackberries ou os modernos leitores digitais, como iPad, Kindle, Mix etc.).

– Bastará ao leitor acessar o site jb.com.br e clicar no ícone do JB Digital para que as páginas eletrônicas do Jornal se adaptem imediatamente ao formato da tela de seu computador, com mouse, ou onde disponível, pelas telas interativas, será possível aumentar ou diminuir a fonte e as imagens de cada matéria.

– Este produto estará disponível mediante assinatura mensal de R$ 9,90, o equivalente a 20% do preço da antiga assinatura em papel.

– Ícones da imprensa brasileira que honram e distinguem o JB estão conosco nessa nova e alvissareira etapa. Além do conteúdo de qualidade do New York Times, Le Monde Diplomatique e outros clássicos do jornalismo mundial.

– Não haverá, nesse contexto, qualquer alteração na linha editorial de independência e de qualidade que há 119 anos distingue o Jornal do Brasil.

(III) Blogosfera (Sociedade Aberta):

Haverá muitos blogs interativos com os principais colunistas e articulistas do JB. Além da mídia colaborativa mediante a editoria ‘Sociedade Aberta’, marco da democracia digital no Brasil, em que o leitor é repórter e articulista. Assim é nas marcas de mídia das democracias mais avançadas do mundo.

– O Blogosfera também trará o inovador JBWiki, jornal produzido e alimentado 100% pelos leitores.

40. A partir de 1º de setembro, seguramente haverá falhas diante de uma transformação moderna e pioneira deste porte. Elas serão corrigidas e o ambiente constantemente aperfeiçoado.

41. O grande número de assinaturas que o JB Digital vem recebendo nas últimas semanas, contudo, tem excedido as mais otimistas espectativas.

42. Em breve, o JB também relançará, com novas ferramentas tecnológicas, suas tradicionais marcas ‘Programa’, ‘Ideias’, ‘Domingo’ e ‘JB Ecológico’.

43. O Jornal do Brasil também continuará cada vez mais a promover sua área de conferências e eventos. Debater o Rio de Janeiro e o Brasil em várias partes do Brasil e do mundo tem sido um traço marcante do JB.

44. Nos últimos 5 anos, o Jornal do Brasil realizou mais de 100 eventos em temas como educação, telecomunicações, saúde, desenvolvimento sustentável, economia, moda, infraestrutura em 15 estados brasileiros e em 3 continentes.

45. O Jornal do Brasil, em breve, também terá versão digital em língua estrangeira, com base no ideal de ser o primeiro jornal sobre o Brasil, feito por brasileiros e produzido nas línguas mais faladas do mundo.

46. O JB está preservando fisica e digitalmente a maioria de seus 119 anos em seu Centro de Pesquisa e Documentação (CPDoc). Ele conta com estrutura adequada, organizada em torno de padrões de biblioteconomia, umidade e temperatura controladas.

47. Além disso, a maior parte do acervo do JB já se encontra digitalizada graças a parceria com o Google Archives, pioneira no Brasil e disponível à consulta em qualquer lugar do planeta.

48. Todos os colaboradores do JB estão se esforçando muito para construir esse novo jornal. Há grande orgulho em transformá-lo no primeiro jornal 100% digital do País.

49. Daqui para o fim do ano, o JB também buscará parcerias promocionais que venham permitir a seus leitores e assinantes adquirir, a valores subsidiados, seus primeiros leitores digitais.

50. O JB sempre foi moderno e o continuará sendo. Agora em plataformas utilizadas por atuais e futuras gerações no Brasil e no mundo.

(Jornal do Brasil)

Olha a cadeirinha do bebê!!

“Com quase três meses de atraso, começa a valer depois de amanhã (1º) a resolução do Contran que determina o uso obrigatório de equipamentos especiais para o transporte infantil. Crianças de até 7 anos e meio deverão ser transportadas com dispositivo de retenção específico – cadeirinha, bebê conforto ou assento de elevação – de acordo com peso ou faixa etária, no banco de trás.

O Contran ainda estuda o caso dos transportes públicos, como táxis e vans escolares. Por enquanto, eles não serão multados.

A resolução do Contran prevê que crianças de até um ano só podem ser transportadas no bebê conforto, até quatro na cadeirinha e até sete e meio no assento de elevação.”

(Com Agências)