Blog do Eliomar

Categorias para Brasil

Editorial do O POVO – “Brasil – Transporte e Logística”

Com o título “Brasil: transporte e logística”, eis o Editorial do O POVO desta quinta-feira:

A Confederação Nacional do Transporte (CNT) acaba de publicar o Plano Transporte e Logística 2018, com dados referentes aos investimentos necessários para o desenvolvimento da infraestrutura brasileira em termos de transporte e logística, ou seja: estradas, portos, aeroportos e ferrovias. Somente no Ceará há necessidade de R$ 28,9 bilhões em investimentos para esse objetivo. Para o Brasil como um todo, as cifras alcançam R$ 1,7 trilhão. Estima-se que se o Governo Federal aplicasse R$ 11 bilhões do PIB (Produto Interno Bruto) nos segmentos de transporte e logística, gastaríamos 144 anos para a conclusão. Se fosse um pouco mais ousado e o valor do investimento fosse de R$ 55 bilhões anuais, ainda necessitaria de 28 anos para alcançar a meta. Ou seja, é um desafio enorme que se tem pela frente para alcançar as condições mínimas para o País sair do entrave em que se encontra nesse quesito fundamental e ter uma performance econômica à altura de suas potencialidades.

No caso do Ceará, existem pelo menos 100 projetos necessários ao desenvolvimento da infraestrutura desses modais para integrá-lo à logística nacional, compreendendo desde melhorias nas BRs-020, 222 e 304, a conclusão da ferrovia Transnordestina e intervenções na região do Porto do Pecém, tais como tancagem (armazenamento de combustíveis) e acessos estruturantes.

Se a estimativa for o Brasil, como um todo, existem 2.600 projetos imprescindíveis para o alcance desse objetivo (eram 2.045 em 2014). À época, o valor para executá-los girava em torno de R$ 1 trilhão.

Quase dobrou, desde então. Sem esses projetos, a competitividade do País fica prejudicada. Para esses cálculos foram considerados vários projetos de programas do Governo Federal, dentre os quais os Programas de Aceleração do Crescimento (PAC), o Avançar, o Avançar Parcerias, o Nacional de Logística (PNL), o Nacional de Logística e Transportes (PNLT), além de planos setoriais, como o Hidroviário Estratégico (PHE) e o Nacional de Integração Hidroviária (PNIH).

Em termos de modais de transportes, houve um erro estratégico quando o Brasil optou pelo rodoviário, ao contrário da maioria dos países – hoje desenvolvidos – que preferiram o ferroviário ou o aquático (marítimo, fluvial e lacustre), bem mais baratos. Foi a pressão da indústria automobilística americana, supostamente, que produziu essa derrapagem histórica. Hoje, o mais racional e competitivo é integrar todos os modais de transporte para obter maior proveito. E isso se faz com investimentos, desburocratização e aprimoramento da infraestrutura necessária a cada modal. Não há tempo a perder, para o Brasil não ficar para trás.

Problema da pobreza no Brasil é a interferência do Estado, diz João Amoêdo

Candidato à Presidência da República pelo Novo, João Amoêdo, defendeu ontem uma menor interferência do Estado como forma do desenvolvimento da economia brasileira. Em passagem por Fortaleza para divulgar as propostas de campanha, ele argumentou que a pobreza é consequência da ingerência estatal nos rumos sociais e econômicos do País.

“O grande problema da pobreza no Brasil é devido à interferência do Estado. O Estado brasileiro tem sido um grande concentrador de renda e vem dificultando que as pessoas consigam empreender.”

O candidato chegou ao Ceará fazendo críticas ao ex-presidente Lula. Declarado o candidato mais rico entre os 13 postulantes, Amoêdo argumentou que o discurso adotado pelo petista, de ser oriundo das classes menos abastadas, não funciona, porque hoje o candidato está preso por acusações de corrupção. O patrimônio alto, justifica, é resultado de muito trabalho e sucesso, na iniciativa privada.

Questionado sobre privatizações e o combate à corrupção na relação das empresas privadas com os contratos públicos, Amoêdo afirmou que não haverá indicação política para essas empresas que serão vendidas, como Caixa Econômica e Banco do Brasil, e que por isso não haverá contrapartidas.

“Na medida em que você transfere isso para a iniciativa privada, você diminui o poder dessas pessoas, deixa de ter indicação política e o ente público não vai mais perder dinheiro com isso. Tudo isso vai contribuir para ter menos corrupção. Se existir corrupção, quem paga a conta é o acionista daquela empresa, e não os cidadãos brasileiros”, respondeu.

(O POVO – Repórter Wagner Mendes/Foto – Novo)

Fortaleza participa em Nova York de workshop sobre políticas para a primeira infância

143 1

Equipe da Secretaria da Saúde de Fortaleza, com apoio do Gabinete da Primeira-Dama, participou do Programa Avançado de Implementação de Políticas Públicas (PAIPP) para a primeira infância. Foi a segunda etapa do PAIPP, que ocorreu durante uma semana do mês de agosto, no Teachers College da Universidade de Columbia, em Nova Iorque. O Município foi representado pela secretária adjunta da Saúde, Ana Estela Leite, e a assessora técnica do Gabinete da Primeira-Dama, Cristiana Silva, que, no decorrer do curso, aprimoraram o desenvolvimento de um plano de ampliação da experiência de Fortaleza com o programa Cresça com Seu Filho/ Criança Feliz, idealizado pela primeira-dama Carol Bezerra. O evento contou com a participação de gestores e técnicos das cidades de Fortaleza, Belo Horizonte, Boa Vista, Manaus, Ponta Grossa, Recife e Taubaté.

O Programa Avançado de Implementação de Políticas Públicas é uma iniciativa da Fundação Maria Cecília Souto Vidigal, da Fundação Lemann e do Teachers College da Columbia University, em parceria com o Centro de Excelência e Inovação em Políticas Educacionais da Fundação Getúlio Vargas (CEIPE FGV), que visa apoiar lideranças na elaboração, implementação de políticas públicas para a primeira infância no Brasil, via a elaboração de um plano.

Curso

Durante a segunda etapa do PAIPP as cidades selecionadas partilharam com os representantes municipais projetos de relevância para primeira infância com ênfase nas áreas da saúde e educação, bem como programas que atuam de forma integrada com diversas secretarias. Segundo Claudia Constin, diretora do CEIPE FGV, “os projetos elaborados são desde a tradução da Base em currículos municipais e a definição de estratégias de transição da pré-escola para o ensino fundamental à formação de agentes comunitários de saúde para uma visitação domiciliar com uma abordagem intersetorial”.

De acordo com a secretária adjunta da Saúde, Ana Estela Leite, “o projeto de Fortaleza para o Cresça com Seu Filho/Criança Feliz envolve a revisão das atividades desenvolvidas pelo Agente Comunitário de Saúde (ACS) durante as visitas domiciliares e a capacitação de novos ACS e enfermeiros da Estratégia de Saúde da Família, bem como supervisores intersetoriais vinculados à Secretaria de Direitos Humanos e Desenvolvimento Social (SDHDS) e Fundação da Criança e da Família Cidadã (FUNCI)”.

(Foto – Divulgação)

Uma coletânea para comemorar o centenário de Virgílio Távora

O escritor César Barreto prepara uma coletânea que marcará, ano que vem, o centenário de nascimento de Virgílio Távora.

A publicação reunirá artigos de correligionários, parceiros e amigos do então governador do Ceará que, entre algumas de suas ações, trouxe a energia elétrica para o Estado.

*Sobre Virgílio Távora, mais aqui.

(Foto  Arquivo)

Economia tem sexto mês consecutivo de incerteza elevada, diz FGV

 

O Indicador de Incerteza da Economia (IIE-Br) recuou 1,5 ponto entre julho e agosto deste ano, fechando o mês em 114,2 pontos. Com o resultado, o indicador persiste na região de incerteza elevada (acima de 110 pontos) pelo sexto mês consecutivo.

Os dados foram divulgados hoje (29) pelo Instituto Brasileiro de Economia da Fundação Getulio Vargas (Ibre-FGV). Os números indicam que o recuo em agosto foi disseminado pelo componente Mídia, que caiu 3,7 pontos, contribuindo com 0,3 ponto para o comportamento do índice geral no mês. O IIE-Br Expectativa chegou a recuar 8,5 pontos, exercendo contribuição contrária de -1,8 ponto para o índice agregado.

A pesquisadora da FGV Raíra Marotta disse que, embora a queda do índice de incerteza de julho para agosto tenha sido “leve”, ele se mantém em patamar elevado. “Entre os fatores a sustentar este resultado estão os níveis elevados de incerteza eleitoral, uma vez que não se sabe, por exemplo, se os ajustes necessários de natureza fiscal serão realizados pelo próximo governante.”

Outro motivo, segundo Raíra, é o aumento da incerteza também no cernário externo. “A crise da lira turca contribuiu para a elevação da incerteza econômica brasileira, refletindo-se na desvalorização do real frente ao dólar. Dado o cenário atual, espera-se que o indicador continue elevado nos próximos meses”, disse.

(Agencia Brasil)

Lula manda carta a autores de livro que defende sua candidatura

 

O ex-presidente Lula fez um afago ao grupo de 43 especialistas que escreveram para o livro “Vontade popular e democracia: Candidatura de Lula?”, da Editora Praxis. É o que informa a Veja Online.

Como sugere o título, a obra bate bumbo em favor do pleito do ex-presidente. Lula escreveu uma carta para agradecer a turma, formada por juristas, advogados, sociólogos, políticos e etc que colaboraram.

Entre eles estão a candidata do PT ao governo do Rio, Marcia Tiburi, o advogado de Lucio Funaro, Bruno Espiñheira Lemos, e o criminalista Michel Saliba.

(Foto – Agência Brasil)

Ibef-CE promove debate sobre oportunidades de negócios com especialista de banco suíço

O Instituto Brasileiro dos Executivos de Finanças (Ibef), regional do Ceará, promoverá nesta quarta-feira, às 19 horas, no Hotel Gran Marquise, um debate com a participação de Bruno Matias, especialista de investimentos do Banco Julius Bär, da Suíça.

Na ocasião, ele debaterá a temática “Oportunidades de Investimentos: Os Vencedores do Amanhã”.

A coordenação do evento, voltado a economistas, administradores, investidores e o empresariado em geral, é do presidente do Ibef-CE, Raul dos Santos Neto.

(Foto – Balada In)

Temer cogita limitar entrada diária de venezuelanos em Roraima

O presidente Michel Temer afirmou, em entrevista à Rádio Jornal de Pernambuco nesta quarta-feira (29), que o governo federal considera limitar a entrada diária de venezuelanos pela fronteira com o Estado de Roraima. Segundo Temer, as autoridades estudam a distribuição de senhas para os imigrantes, de forma a impedir que mais de 200 venezuelanos entrem no Brasil por dia.

“Eles pensam em, quem sabe, colocar senhas de maneira que entrem 100, 150 ou 200 por dia”, afirmou. “E cada dia entre um determinado número para organizar um pouco mais essas entradas”, completa.

De acordo com o presidente, atualmente são registradas até 800 entradas de venezuelanos por dia na fronteira com o Estado de Roraima. “Isso está criando problemas até para a vacinação, para a organização”, reclamou. Temer assinou na terça-feira (28) o decreto de Garantia da Lei e da Ordem (GLO), que autoriza o emprego das Forças Armadas em Roraima.

A autorização vale para algumas áreas específicas, no caso, as faixas de fronteira Norte e Leste, e as rodovias federais, entre os dias 29 de agosto e 12 de setembro. Segundo fontes militares, o decreto permitirá que os 3.000 soldados da Primeira Brigada de Infantaria de Selva, sediada em Boa Vista, seja mobilizada para patrulhas e operações em Roraima. Atualmente, 600 desses militares já estão alocados em Pacaraima, cidade na fronteira com a Venezuela. Sem o decreto, esse contingente não pode entrar em ação mesmo em situações de necessidade.

O governo federal mostra-se especialmente preocupado com a evolução da crise econômica e humanitária na Venezuela, que resultou no êxodo de mais de 2,3 milhões de venezuelanos. Desse total, somente cerca de 60.000 cruzaram a fronteira para o Brasil. A perspectiva, porém, é de aumento desse contingente, mesmo com a rejeição crescente da população local e do governo de Roraima.

Na entrevista à Rádio Jornal, Temer falou sobre o decreto e outras medidas já tomadas pelo governo para aliviar a crise migratória em Roraima. “Estamos dando todo o apoio aos venezuelanos, mas com vistas de proteger os serviços estaduais que são prestados aos brasileiros”, disse. O presidente reforçou mais uma vez as críticas ao governo de Nicolás Maduro. “Há 1 ano e meio atrás propusemos envio ajuda humanitária, alimentos, remédios, mas o governo recusou”, afirmou. “O governo recusa lá e os venezuelanos vem para cá”.

Roraima tornou-se principal porta de entrada de venezuelanos no Brasil. Nesta semana, com a ajuda da Agência das Nações Unidas para os Refugiados (Acnur) e da Organização Internacional para as Migrações (OIM), o governo adotou um programa mais intenso para transferir venezuelanos para outras cidades e estados do país.

A questão da imigração venezuelana tem gerado uma queda de braço entre a governadora de Roraima, Suely Campos, e o Palácio do Planalto. Em meio à campanha eleitoral, Campos responde ao desconforto popular com a presença dos venezuelanos com tentativas de bloquear a fronteira e de impor restrições ao ingresso.

O governo federal, ente responsável por definir essa questão, tem se mostrado contrário ao fechamento da fronteira. O ministro de Segurança Institucional, Sergio Etchegoyen, sublinhou que essa medida não será adotada, e que o Planalto não cogita a intervenção federal em Roraima em declaração na terça-feira.

(Veja)

Taxa do cheque especial chega a 303,2% ao ano em julho

A taxa de juros do cheque especial caiu em julho, de acordo com dados do Banco Central (BC) divulgados hoje (29). A taxa chegou a 303,2% ao ano, com redução de 1,7 ponto percentual em relação a junho. Essa é a menor taxa desde março de 2016, quando estava em 300,8% ao ano. Na comparação com julho de 2017, houve redução de 18,1 pontos percentuais na taxa do cheque especial.

As regras do cheque especial mudaram em julho. Segundo a Federação Brasileira de Bancos (Febraban), os clientes que utilizam mais de 15% do limite do cheque durante 30 dias consecutivos passaram a receber a oferta de um parcelamento, com taxa de juros menor que a do cheque especial definida pela instituição financeira

A taxa média do rotativo do cartão de crédito também caiu, chegando a 271,4% ao ano, com redução de 20,4 pontos percentuais em relação a junho. A taxa média é formada com base nos dados de consumidores adimplentes e inadimplentes. No caso do consumidor adimplente, que paga pelo menos o valor mínimo da fatura do cartão em dia, a taxa chegou a 252,1% ao ano em julho, com redução de 9 pontos percentuais em relação a junho.

Já a taxa cobrada dos consumidores que não pagaram ou atrasaram o pagamento mínimo da fatura (rotativo não regular) caiu 28,1 pontos percentuais, chegando a 285,2% ao ano. O rotativo é o crédito tomado pelo consumidor quando paga menos que o valor integral da fatura do cartão. O crédito rotativo dura 30 dias. Após esse prazo, as instituições financeiras parcelam a dívida.

Em abril, o Conselho Monetário Nacional (CMN) definiu que clientes inadimplentes no rotativo do cartão de crédito passem a pagar a mesma taxa de juros dos consumidores regulares. A regra entrou em vigor em junho deste ano. Mesmo assim, a taxa final cobrada de adimplentes e inadimplentes não será igual, porque os bancos podem acrescentar à cobrança os juros pelo atraso e multa.

Modalidades caras

Apesar da redução das taxas do rotativo do cartão e do cheque especial, essas modalidades de crédito são as mais caras entre as oferecidas pelos bancos. A taxa do crédito pessoal, por exemplo, é mais baixa: chegou a 118,5% ao ano, em julho, com aumento de 3,8 pontos percentuais em relaçãoa junho. A taxa do crédito consignado (com desconto em folha de pagamento) ficou praticamente estável, com a redução de 0,1 ponto percentual, chegando a 24,9% ao ano, em julho.

A taxa média de juros para as famílias caiu 1,1 ponto percentual para 52% ao ano, em julho. A taxa média das empresas subiu 0,4 ponto percentual: agora é de 20,6% ao ano.

Inadimplência

A inadimplência do crédito, considerados atrasos acima de 90 dias, para pessoas físicas, permaneceu em 5%. No caso das pessoas jurídicas, houve queda de 0,3 ponto percentual para 3,4%. Esses dados são do crédito livre em que os bancos têm autonomia para aplicar dinheiro captado no mercado.

No caso do crédito direcionado (empréstimos com regras definidas pelo governo, destinados, basicamente, aos setores habitacional, rural e de infraestrutura) os juros para as pessoas físicas caíram 0,2 ponto percentual para 7,8% ao ano. A taxa cobrada das empresas subiu 0,3 ponto percentual para 9,2% ao ano. A inadimplência das pessoas físicas permaneceu em 1,9% e das empresas chegou a 1,4%, com redução de 0,2 ponto percentual.

Em julho, o saldo de todas as operações de crédito concedidas pelos bancos ficou em R$ 3,125 trilhões, com recuo de 0,2%, no mês e crescimento de 1,1%, no ano. Em 12 meses, a expansão chegou a 2,4%. Esse estoque do crédito corresponde a 46,4% de tudo o que o país produz – Produto Interno Bruto (PIB), com redução de 0,4 ponto percentual em relação a junho.

(Agência Brasil)

Mega-Sena deve pagar nesta quarta-feira R$ 40 milhões

A Mega-Sena pode pagar hoje (29) um prêmio de R$ 40 milhões para quem acertar sozinho as seis dezenas do concurso 2.073. O sorteio está marcado para as 20h (horário de Brasília) no Caminhão da Sorte, que está na cidade de São José do Cedro, em Santa Catarina.

Segundo a Caixa Econômica Federal, aplicado na poupança o prêmio renderia cerca de R$ 149 mil por mês.

As apostas podem ser feitas até as 19h (de Brasília) desta quarta-feira, em qualquer casa lotérica credenciada em todo o país. A aposta mínima custa R$ 3,50.

Lotofácil da Independência

Desde ontem (28), todas as apostas feitas na Lotofácil estão voltadas para o concurso especial da Independência, que promete pagar um prêmio de R$ 85 milhões.

Segundo a Caixa, o dinheiro do prêmio aplicado na poupança poderá render mensalmente aproximadamente R$ 315 mil.

O sorteio está marcado para o dia 8 de setembro, às 20h (horário de Brasília), e será realizado no Caminhão da Sorte, que estará na cidade catarinense de São Bento do Sul. O preço da aposta simples, com 15 números, é de R$ 2.

(Agência Brasil)

TSE autoriza flexibilização do horário eleitoral e beneficia Bolsonaro e Marina Silva

O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) decidiu autorizar uma espécie de flexibilização no horário eleitoral da propaganda de candidatos à Presidência da República, anunciou na noite desta terça-feira, 28, a presidente da Corte Eleitoral, ministra Rosa Weber. A flexibilização vale apenas para os oito presidenciáveis que terão direito a menos de 30 segundos por bloco, que terão de fazer um acordo entre si sobre a compensação de tempo. A informação é da Veja Online.

O horário eleitoral começa a ser veiculado nesta sexta-feira, 31. A publicidade dos presidenciáveis por blocos será exibida às terças, quintas e sábados.

A proposta de acumulação de tempo foi apresentada pelo Instituto Brasileiro de Direito Eleitoral (Ibrade), que defende a possibilidade de os partidos com pouco espaço no horário eleitoral “juntar” os poucos segundos a que tem direito por bloco diário para acumular um tempo de 30 segundos.

Ou seja: um candidato que tem apenas 5 segundos por bloco poderia abrir mão de aparecer cinco vezes no horário eleitoral com o objetivo de acumular tempo e, na sexta oportunidade, ser veiculada uma propaganda partidária de 30 segundos (ao invés de seis peças diárias de 5 segundos cada). “Proponho o acolhimento em parte das sugestões apresentadas, deixando a cargo dos partidos e coligações a realização de um acordo de compensação de tempo”, disse Rosa Weber.

Dos 13 postulantes ao Palácio do Planalto, oito terão menos de 30 segundos por bloco de propaganda eleitoral, entre eles Marina Silva (Rede), que terá direito a dois blocos (um pela tarde, outro à noite na TV) de 21 segundos cada. O candidato do PSL à Presidência, Jair Bolsonaro, por sua vez, terá direito a dois blocos diários de oito segundos cada.

Além de Marina e Bolsonaro, terão menos de 30 segundos outros seis candidatos: Cabo Daciolo (Patriota), Guilherme Boulos (PSOL), João Amoêdo (Novo), João Goulart Filho (PPL), José Maria Eymael (Democracia Cristã) e Vera Lúcia Pereira da Silva Salgado (PSTU).

Prefeito quer implantar em Fortaleza modelo de gestão do Hospital Albert Einstein

O prefeito de Fortaleza, Roberto Cláudio (PDT), encontra-se em São Paulo, nesta quarta-feira. Tendo ao seu lado a secretária municipal da Saúde, Joana Maciel, ele visitará o Hospital Albert Einstein para conhecer, principalmente, o modelo de Organização Social que opera nesse estabelecimento.

O objetivo é conhecer essa experiência, dentro da meta de investir na “regionalização” do sistema de saúde de Fortaleza. Roberto Cláudio tem recebido informações de que a OS desse hospital e sua atuação tem dado resultados consideráveis na prática.

Roberto Cláudio acertará também a vinda de um grupo de gestores do Hospital Albert Einstein para conhecer o sistema hospitalar da Capital, avaliar e apresentar também propostas.

(Foto – Aurélio Alves)

Brasil tem 208,5 milhões de habitantes, diz IBGE

O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) publicou no “Diário Oficial da União” desta quarta-feira (29) as estimativas da população para estados e municípios. Segundo o IBGE, o Brasil tem atualmente 208,5 milhões de habitantes. A informação é do Portal G1.

O estado de São Paulo ocupa o topo da lista com a maior população – 45,5 milhões de habitantes. Ele é seguido por Minas Gerais, com 21 milhões, e Rio de Janeiro, com 17 milhões.

Os estados menos populosos são Roraima, com 576 mil habitantes, Amapá, com 829 mil, seguido do Acre, com 869 mil.

Fernando Haddad, finalmente, ganha espaço e será sabatinado

Fernando Haddad, enfim, vai ser sabatinado.

Não ainda como candidato a presidente ou no lugar de Lula, mas numa sabatina que a Record News fará, a partir da semana que vem, com os candidatos a vice-presidente da República — condição que Haddad oficialmente ainda ostenta. A informação é do jornalista Lauro Jardim, colunista do O Globo.

Haddad falará por 30 minutos no Jornal da Record News, às 21h. Assim como outros oito candidatos a vice-presidente. A cada semana serão três entrevistados.

DETALHE – Haddad cumprirá agenda em Fortaleza na próxima sexta-feira.

(Foto – Lula Marques,da Agência PT)

Aviões do Forró – Produtora terá que indenizar público por banda faltar em show

Show da época em que Solange Almeida fazia dupla com Xand Avião.

A banda Aviões do Forró terá que indenizar duas pessoas por ter faltado a um show na Bahia. O Tribunal de Justiça da Bahia concordou com sentenças que condenaram a produtora que organizou o show a indenizar cada um dos autores em R$ 2 mil. Os consumidores gastaram, cada um, R$ 1 mil para assistir ao show do camarote. Quando o espetáculo teve início, quem subiu ao palco foi o cantor Léo Santana. Foi o próprio artista que informou ao público que a banda Aviões do Forró não iria chegar a tempo.

Tanto a produtora quanto a banda afirmaram que a ausência ocorreu por um motivo fortuito, alheio à vontade deles. E que, além disso, uma outra atração foi colocada no lugar para entreter o público.

Mas nos dois processos o Tribunal de Justiça da Bahia confirmou as condenações de primeira instância. Os desembargadores ressaltaram que a empresa e banda não apresentaram provas que excluísse a culpa delas, sendo que os consumidores demonstraram que compraram ingresso e estiveram lá.

Para o advogado dos consumidores, Luiz Vasconcelos, a decisão reconheceu que o atraso não foi causado por “fortuito externo”, como dizia a banda, mas, sim, interno. “Além de não ter sido comprovada a existência verdadeira do suposto ‘acidente’, a produtora detinha conhecimento do horário do seu show no camarote, mas optou por assumir um outro compromisso no Carnaval de Recife, em horários muito próximos”, disse.

*Processos 0042134-34.2017.8.05.0001 e 0007124-80.2017.8.05.0080.

(Do site Consultor Jurídico)

(Foto – Mateus Dantas)

No enfrentamento com a Globo, Bolsonaro se deu bem

972 3

Rivais de Jair Bolsonaro (PSL) monitoraram a reação de eleitores que simpatizam com ele à entrevista no Jornal Nacional, da Globo. Segundo informa a Coluna Painel, da Folha de S.Paulo desta quarta-feira, as pesquisas qualitativas mostraram que o clima de enfrentamento no estúdio foi aplaudido, e que as falas sobre o chamado kit gay e a defesa de uma polícia letal foram os pontos altos.

Analistas da XP enviaram relatório a investidores ainda nessa terça (28). “[Ele] Não só sobreviveu, como conseguiu defender pontos de seu programa”, assinalaram no texto.

Os publicitários que avaliaram as pesquisas qualitativas ressaltam que Bolsonaro acertou ao ironizar a imprensa escrevendo na mão esquerda uma cola absolutamente legível com as palavras “Deus”, “família” e “Brasil” para exibir durante a entrevista ao JN.

Com o gesto, o presidenciável fez graça do noticiário que registrou que ele havia anotado temas a serem explorados no último debate na TV. Entre os dele, a zombaria fez sucesso.

(Foto – Reprodução de TV)

Se reeleito, Eunício diz que tentará de novo presidir o Congresso

214 3

Da Coluna do Eliomar de Lima, do O POVO desta quarta-feira:

O senador Eunício Oliveira (MDB) anuncia: se for reeleito, já está no páreo para voltar a presidir o Congresso Nacional. Ele diz que a experiência de ocupar o cargo, no momento, não apenas lhe serviu para reforçar o currículo, mas lhe deu condições principalmente de “ajudar o meu Estado”.

Nessa posição, Eunício destravou uma série de empréstimos externos do interesse do Governo do Estado e de prefeituras como as de Fortaleza, Caucaia e Sobral. Por conta disso, acabou se configurando, mesmo tendo brigado no passado contra o governador Camilo Santana (PT), como a segunda opção do Palácio da Abolição para o Senado.

“Se eu for reeleito, vou tentar novamente presidir o Congresso, pois, assim, terei condições de ajudar mais ainda meu Estado”, reforçou o emedebista que divide palanque no pleito com Camilo e Cid Gomes. Isso, quando Ciro Gomes, candidato a presidente pelo PDT, não está por perto.

(Foto – Divulgação)

Gastos do Judiciário brasileiro atingiram R$ 91 bilhões em 2017

O Poder Judiciário brasileiro registrou um aumento real de despesas, já descontada a inflação, de 4,4% em 2017 na comparação com 2016, atingindo R$ 90,8 bilhões, informa o relatório “Justiça em Números – 2018”, elaborado pelo Conselho Nacional de Justiça (CNJ), divulgado na segunda-feira (27).

O aumento foi superior à inflação acumulada no ano passado, de 2,95% pelo IPCA. Do total, 90,5% (R$ 82,2 bilhões) foram usados para cobrir gastos com recursos humanos. A rubrica benefícios consumiu R$ 5,6 bilhões (6,8%).

Neste mês, os ministros do STF (Supremo Tribunal Federal) aprovaram uma proposta orçamentária para 2019 que prevê reajuste em seus salários de 16,38%. Se aprovada no Congresso, a proposta deverá desencadear aumento salarial para todas as categorias da magistratura.

De acordo com os ministros, o gasto global do Judiciário não vai aumentar, porque serão feitos remanejamentos internos. O relatório do CNJ mostra que apenas 9,5% são aplicados em outras despesas (correntes e de capital), o que indica que a margem de remanejamento dos valores é estreita.

(Com Agências)

Ceará fecha primeiro semestre deste ano como 3º estado com maior taxa de homicídios no País

O Ceará é o terceiro estado brasileiro com a maior taxa de assassinatos registrados no primeiro semestre deste ano. É o que aponta o projeto Monitor da Violência, uma parceria do portal de notícias G1 com o Fórum Brasileiro de Segurança Pública (FBSP) e o Núcleo de Estudos da Violência (NEV), da Universidade de São Paulo (USP).

A taxa de homicídios no Ceará é de 26 por 100 mil habitantes, conforme dados da Secretaria da Segurança Pública e Defesa Social (SSPDS) repassados ao levantamento. Ao todo, 2.380 pessoas foram assassinadas no Ceará de janeiro a junho deste ano, conforme a SSPDS. São 81 mortes a mais que o registrado no mesmo período do ano passado: 2.299.

É uma taxa menor apenas que as registradas nos estados de Roraima (27,7 por 100 mil) e Rio Grande do Norte (27,1 por 100 mil). E está empatado com o Acre, que também teve média de 26 homicídios por 100 mil habitantes.

Os dez Estados que lideram o ranking ou são do Norte ou do Nordeste. Completam essa lista Sergipe, Pará, Pernambuco, Alagoas, Amapá e Bahia. São Paulo é o estado com o menor número proporcional de assassinatos: 3,8 por 100 mil habitantes.

Em levantamentos desse tipo, a SSPDS costuma ressaltar que o padrão adotado pela pasta não é seguido pela maioria dos Estados, o que torna a comparação distorcida.

A pasta já divulgou números referentes ao mês de julho no Estado. Contando com os registros referentes a esse mês, o Ceará passou a acumular 2.758 Crimes Violentos Letais Intencionais (CVLIs) no ano uma redução de 0,5% comparado com o mesmo período de 2017. Neste mês de agosto, dados não consolidados da SSPDS apontam a ocorrência de, pelo menos, 300 homicídios até a última segunda-feira, 27.

Ao todo, o Monitor da Violência registrou 26.126 assassinatos no Brasil nos seis primeiros meses de 2018. O número, no entanto, é maior, já que três estados (Maranhão, Paraná e Tocantis) não enviaram dados, alegando não estarem consolidados. A taxa proporcional de assassinatos no País é de 12,5 por 100 mil habitantes.

Em artigo divulgado junto com o balanço do projeto, o jornalista e economista Bruno Paes Manso, pesquisador do NEV-USP, apontou que a “truculência” do conflito entre facções criminosas é a responsável pelos números catastróficos. “Chacinas, mortes de policiais, vídeos de assassinatos e torturas passaram a fazer parte da cena criminal desses estados”, ressaltou. Ele ainda alerta que o Ceará é uma das unidades federativas que podem ver a taxa de homicídios passar de 50 pessoas por 100 mil habitantes.

No Anuário Brasileiro de Segurança Pública 2018, do próprio FBSP, o Ceará apareceu como o terceiro estado com o maior número de assassinatos registrados em 2017, com uma taxa de 59,1. Ficava atrás apenas de Acre e Rio Grande do Norte, com 63,9 e 68, respectivamente.

(O POVO/Repórter Lucas Barbosa)