Blog do Eliomar

Categorias para Brasil

Escola de Caucaia ganha reconhecimento da Unesco

A Escola de Educação Infantil Maria Simone Moreira do Nascimento Nedi, de Caucaia (Região Metropolitana de Fortaleza), receberá, nesta quarta-feira, 12, em Salvador (BA), o título do Programa das Escolas Associadas (PEA) da UNESCO.

A escola cearense teve o reconhecimento ao apresentar o projeto “Valores Humanos na educação infantil” que ensina às crianças conceitos de amor, paz, retidão e não violência.

O projeto foi implementado em Caucaia pelo Instituto Myra Eliane neste ano, em parceria com o Ministério Público do Ceará. Até agora, já são nove municípios com a metodologia implementada.

O objetivo do programa da UNESCO é criar uma rede internacional de educação que trabalhe pela cultura de paz.

Ciro diz que demitiria e prenderia o General Villas Boas

318 4

O presidenciável Ciro Gomes (PDT) afirmou nesta quarta-feira (12) que em seu governo o chefe das Forçar Armadas, o general Eduardo Villas Bôas, teria sido demitido por sua fala pública sobre a instabilidade política no Brasil, e “provavelmente pegaria uma cana”.

“No meu governo, militar não fala em política. Ele estaria demitido e provavelmente pegaria uma cana. Eu conheço bem o general Villas Bôas. Ele está fazendo isso para tentar calar as vozes das cadelas no cio que estão se animando, o lado fascista da sociedade brasileira”, afirmou Ciro em sabatina do jornal O Globo.

Ao jornal O Estado de S. Paulo, Villas Bôas afirmou que “a legitimidade do novo governo” poderia ser questionada se o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva fosse candidato ao Palácio do Planalto.

O candidato do PDT também criticou o general Hamilton Mourão (PRTB), vice do presidenciável Jair Bolsonaro (PSL). “O general Mourão (vice de Bolsonaro) é um jumento de carga, que tem entrada no Exército. Quem manda nesse País é nosso povo. Tutela, sargentão dizendo que vai fazer isso e aquilo, comigo não acontecerá. Sob a ordem da Constituição, eu mando e eles obedecem. Quero as Força Armadas poderosas, modernas, altivas. Não quero envolvidas no enfrentamento do narcotráfico, isso é papo de americano”, disparou Ciro.

Mourão defendeu a possibilidade de, em caso de assumir o governo, o presidente da República poderá fazer um “autogolpe” com o apoio das Forças Armadas para conter uma “anarquia”. “O próprio presidente é o comandante-chefe das Forças Armadas, ele pode decidir isso. Ele pode decidir empregar as Forças Armadas. Aí você pode dizer: “mas isso é um autogolpe”, disse Mourão à Globonews nesta sexta-feira (7).

O militar também chamou de “herói” o coronel Brilhante Ustra, falecido e apontado como torturador durante a Ditadura Militar (1964-1985).

De acordo com Ciro, o eleitor que “vota em (Jair) Bolsonaro quer matar” o Brasil. “Bolsonaro, uma aberração, sofre um atentado. Aí vai o Magno Malta, o Silas Malafaia… O filho dele diz ‘vamos ganhar essa bagaça no primeiro turno’. Estão insultando a inteligência da população. Estou tentando propor um caminho mais racional”, acrescentou.

(Brasil 247)

Governo vai criar banco de horas e sobreaviso para servidores públicos

O governo federal vai estabelecer banco de horas e normatizar a utilização do sobreaviso para servidores públicos federais. A medida vale para mais de 200 órgãos e entidades – incluindo empresas estatais, autarquias, fundações e empresas de economia mista – e tem por objetivo aumentar a eficiência no serviço público. O Ministério do Planejamento, Desenvolvimento e Gestão deve publicar ainda esta semana uma instrução normativa estabelecendo os critérios e procedimentos em relação à jornada de trabalho dos servidores.

A adoção do banco de horas será feita pelos dirigentes dos órgão e entidades, caso seja do interesse da administração federal. As horas extras para o banco deverão ser autorizadas pela chefia, para a execução de tarefas, projetos e programas de relevância para o serviço público. Por meio de um sistema eletrônico de frequência, as horas excedentes, além da jornada regular do servidor, serão computadas como crédito e as horas não trabalhadas, como débito.

A instrução normativa também trará orientações para a utilização do sobreaviso, ou seja, o período em que o servidor público permanece à disposição do órgão aguardando chamado para ir trabalhar. O servidor deve permanecer em regime de prontidão, ainda que durante seus períodos de descanso, fora de seu horário e local de trabalho.

Nesses casos, somente as horas efetivamente trabalhadas poderão ser contabilizadas no banco de horas. Para utilização desse regime, o ministério vai recomendar que os órgãos estabeleçam as escalas de sobreaviso com antecedência.

Para otimizar a força de trabalho no serviço público, em julho, o governo federal também criou o Banco de Talentos, uma plataforma digital para facilitar a realocação de servidores e empregados públicos entre órgãos federais. Agora, cabe ao próprio ministério o poder de gerenciar e autorizar os processos de transferência de funcionários.

Isso também permite ao ministério centralizar operações de concessões e pagamentos de aposentadorias e pensões. Decreto publicado ontem (11) no Diário Oficial da União normatiza essa gestão. O processo de centralização será iniciado ainda este ano nos ministérios das Relações Exteriores, da Cultura, do Esporte, da Integração Nacional, da Transparência e Controladoria-Geral da União, além da Imprensa Nacional, ligada à Casa Civil da Presidência da República.

De acordo com o Ministério do Planejamento, atualmente, os processos de aposentadorias e pensões são realizados por aproximadamente 1,1 mil unidades de pagamento descentralizadas em todos os órgãos federais, onde cerca de 20 mil servidores executam atividades de gestão de pessoas voltadas tanto para os servidores ativos quanto para os inativos. A centralização das atividades pode resultar na realocação de cerca de 10 mil servidores para as áreas finalísticas dos órgãos.

(Agência Brasil)

Dnocs pode ter menos da metade do orçamento deste ano em 2019

O Dnocs vive seca financeira há anos e, pelo visto, vai continuar assim.

Se neste exercício opera com orçamento de R$ 1,7 bilhões, vem coisa pior. Segundo o diretor-geral do órgão, Ângelo Guerra, a previsão oficial é de contar, em 2019, com apenas R$ 600 milhões. É menos da metade para tocar empreendimentos importantes para o Nordeste.

Esse quadro precisa ser revertido, o que exigirá ação da bancada federal nordestina em Brasília. Por aqui, quem ainda se manifesta e se mexe em favor do Dnocs é o deputado federal Raimundo Gomes de Matos (PSDB). Ele, no entanto, alerta ser fundamental um trabalho conjunto de pressão, o que precisa vir depois da campanha eleitoral.

(Foto – Paulo MOska)

Preço da gasolina nas refinarias da Petrobras sobe 1,02% a partir desta quinta-feira

A Petrobras anunciou hoje (12) aumento de 1,02% no preço do combustível comercializado em suas refinarias. Isso depois de uma semana sem reajustes no preço da gasolina.

A partir de amanhã (13), o litro da gasolina passará a custar R$ 2,2294, dois centavos a mais do que os R$ 2,2069 cobrados desde 5 de setembro.

No mês, o litro do combustível já subiu nove centavos, ou seja, 4,3% a mais do que custava no fim de agosto (R$ 2,1375).

(Agência Brasil)

CDL Jovem conhece avanços tecnológicos e de gestão de grandes grupos empresariais do País

Um grupo formado por 27 membros da CDL Jovem de Fortaleza conhece, em São Paulo, como operam a Globo, Google, Arezzo e a área de tecnologia de Magazine Luíza.

Segundo Tiago Façanha, um dos diretores, o objetivo é ver de perto avanços no plano não só tecnológico, mas também de gestão.

A visita vai se estender até sábado.

(Foto – Paulo MOska)

Dólar abre em queda de 0,30% e cotado a R$ 4,1419

A cotação da moeda norte-americana abriu o pregão de hoje (12) em queda de 0,30%, cotada a R$ 4,1419 para venda depois de ultrapassar ontem (11) a barreira de R$ 4,15, com uma alta de 1,48%. O Banco Central mantém sua política tradicional de oferta de swaps cambial, sem anunciar leilões extraordinários de venda futura da moeda.

O Ibovespa, índice da B3, começou o dia revertendo a tendência de baixa de ontem (11), registrando alta de 0,6% na abertura do pregão com 75.105 pontos.

As ações das grandes companhias, chamadas de blue chip, apresentam valorização como os papéis da Petrobras em alta de 1,78%, Itau com 0,96% e Eletrobras subindo 3,44%.

(Agência Brasil)

Eleição não vai rimar com renovação

Com o título “Eleição sem renovação”, eis artigo de Cleyton Monte, cientista político. Ele bate na tecla do cenário eleitoral de apatia que se registra no País e critica o fundo eleitoral, com perspectiva de assegurar a manutenção da mesmice política. Confira:

Um dos princípios básicos da democracia é a renovação de suas lideranças. A manutenção de velhas figuras facilita a reprodução de privilégios, dificulta a canalização de demandas, trava o diálogo e engessa as estruturas de poder.

Assistindo a propaganda eleitoral é possível observar uma eleição sem renovação. Os mesmos nomes e vícios duelam por cadeiras no Legislativo e no Executivo. Políticos que ocupam cargos desde a década de 1980. As figuras que se dizem novas na verdade reciclam velhos discursos ou radicalizam pautas recentes. Essa percepção contraria as expectativas dos que acreditavam na crise política como grande oportunidade para oxigenar as instituições e reformular o debate. O que isso revela?

A corrida presidencial de 2018 começou cedo. Logo após o impeachment de Dilma Rousseff (2016), a imprensa e alguns partidos tentaram emplacar rostos famosos. Celebridades do porte de Joaquim Barbosa, Luciano Huck e Datena entraram nesse time. Apesar de serem vendidos como novos e outsiders, não conseguiram se movimentar pelas infindáveis articulações partidárias. É bem verdade que não traziam bases sociais consistentes. Entretanto, não deixa de ser um sinal claro do travamento do sistema político brasileiro. A reprodução de lideranças tradicionais não foi interrompida pelas operações contra corrupção. A aprovação e uso do Fundo Eleitoral simbolizam esse esforço para beneficiar parlamentares e governantes que estão no poder, fortalecendo, principalmente, os líderes partidários. Para comprovar essa questão, basta checar as candidaturas homologadas.

O resultado mais imediato desse panorama é a visão de que tudo continua do mesmo jeito. A apatia ganha terreno e reforça a perspectiva de distanciamento social. Vota-se com frequência no “menos pior”. O problema não é só de liderança. Vivemos um apagão de novas ideias. Parece-me que a política brasileira tem sérias dificuldades para se conectar com a realidade complexa do século XXI. Reconhecendo as raras e prestigiosas exceções, candidatos ao Governo e ao Legislativo desfilam com propostas irrealizáveis, ultrapassadas ou simplórias. Assim, as crises se aprofundam e o potencial de transformação da democracia recebe uma forte punhalada!

*Cleyton Monte

cleytonufc@hotmail.com

Cientista político, pesquisador do Laboratório de Estudos sobre Política, Eleições e Mídia (Lepem) e membro do Conselho de Leitores do O POVO.

Raquel Dodge pede arquivamento de inquérito contra Aécio Neves no Supremo

A procuradora-geral da República, Raquel Dodge, pediu o arquivamento de um inquérito contra o senador Aécio Neves (PSDB-MG) no Supremo Tribunal Federal (STF). O senador é investigado por supostamente ter atuado para fraudar registros do Banco Rural remetidos à CPMI dos Correios, que investigou o escândalo do mensalão, em 2005. A decisão sobre arquivar ou não a investigação caberá ao relator do caso do STF, ministro Gilmar Mendes.

O inquérito teve como base a delação premiada do ex-senador Delcídio do Amaral, que presidiu a CPMI. Ele afirmou que foi procurado por Eduardo Paes, então deputado pelo PSDB, que lhe teria pedido, em nome de Aécio, para adiar o prazo dado ao Banco Rural para o envio dos documentos, de modo a haver tempo para a fraude.

O objetivo, segundo Delcídio, era maquiar dados que pudessem revelar esquema semelhante ao mensalão sendo operado pelo publicitário Marcos Valério na Assembleia Legislativa de Minas Gerais, em benefício do então governador Aécio Neves e de seu vice, Clésio de Andrade.

Ao pedir o arquivamento do inquérito, Raquel Dodge argumenta que “a autoridade policial não recolheu provas ou elementos de convicção suficientes para corroborar as declarações do colaborador e permitir a instauração da ação penal”.

“Além disso, ante o tempo decorrido desde o ano 2005, quando os fatos teriam ocorrido, a autoridade policial não vislumbra outras diligências que lhe permitam elucidar os fatos e sua autoria, além das diversas medidas já adotadas, que eram potencialmente úteis ao avanço da apuração, mas não desvendaram os fatos em sua inteireza”, acrescentou a PGR.

(Veja Online/Foto – Agência Brasil)

Supremo arquiva denúncia contra candidata a vice de Ciro Gomes

A 2ª Turma do Supremo Tribunal Federal, por maioria, arquivou denúncia contra a senadora e candidata à vice-Presidência da República, Katia Abreu, por falta de elementos concretos criminatórios declarados em colaboração premiada da operação “lava-jato”. Os ministros entenderam que as apurações se baseavam apenas em relatos de colaboradores, sem provas após 15 meses. O relator, ministro Gilmar Mendes, votou pelo imediato arquivamento da denúncia. Segundo o ministro, os depoimentos de colaboração premiada não frágeis e não oferecem suporte a investigação. A informação é do site Consultor Jurídico

“Neste tempo todo não se conseguiu reunir elementos mínimos de provas. É mais um caso de delação premiada em que não há provas concretas. Isso quase virou um balcão de negócios. Essa montanha de delatores da Odebrecht são testemunhas de “ouvi dizer”. Isso não vale nada. Temos que ter um posicionamento muito claro”, criticou.

O ministro Dias Toffoli seguiu o entendimento ao afirmar que é uma colaboração que mostra que Kátia Abreu é isenta. “Isso não podia nem ter chegado aqui. Tinha que ter arquivado”, afirmou. O presidente da Turma, ministro Ricardo Lewandowski, afirmou estar espantado. “O que se espanta nesse caso, em mais de um ano, é que nunca se encontrou nada contra a senadora. Não pode esse constrangimento ilegal e psicológico”, disse.

Divergiu

O ministro Edson Fachin foi o único a divergir ao afirmar que os fatos eram verídicos. “As declarações também mostraram prova documental, dinheiro ilícito no período da campanha eleitoral”, disse.

As colaborações apontaram que, em 2014, a então senadora, por intermédio de Moises Pinto, seu marido, teria recebido dinheiro ilícito no período da campanha eleitoral para o Senado.

O representante do Ministério Público Federal, Juliano Baiocchi, pediu o não arquivamento da denúncia. Para ele, é preciso manter a unicidade da investigação desses fatos, já que as condutas dos investigados estão intrinsecamente relacionadas, a ponto de uma eventual cisão resultar, neste momento, em prejuízo para a persecução criminal.

(Foto -Divulgação)

Ciro Gomes ganha apoio de centrais sindicais

O candidato a presidente da República pelo PDT, Ciro Gomes, prevendo a batalha pelo voto da esquerda, acaba de conseguir o apoio de quatro das cinco maiores centrais sindicais: Força, UGT, CSB e Nova Central.

A informação é da Coluna Painel, da Folha de S.Paulo desta quarta-feira.

As entidades fecharam documento intitulado “Trabalhadores com Ciro” e anunciaram que vão fazer um ato em São Paulo para o pedetista.

(Foto – Facebook)

Governador do Mato Grosso do Sul é alvo de operação da Polícia Federal

332 3

O governador do Mato Grosso do Sul, Reinaldo Azambuja (PSDB), é alvo uma operação que a Polícia Federal deflagrou na manhã desta quarta-feira. A operação acontece em Campo Grande, informa o Portal G1.

Azambuja foi alvo de mandados de busca e apreensão. A PF, que não deu maiores detalhes da ação, esteve na casa do governador e na governadoria do Estado.

Azambuja é candidato à reeleição e em pesquisa Ibope divulgada no dia 24 de agosto aparecia com 39% das intenções de voto.

(Foto – Divulgação)

Operação Lava Jato – Suplente de Álvaro Dias está na mira da PF

Joel Malucelli e o presidenciável Álvaro Dias (Podemos).

Um dos alvos da etapa da Lava-Jato deflagrada na manhã dessa terça, o empresário Joel Malucelli já contava que, mais cedo ou mais tarde, seria fisgado pela operação. É o que revela a Coluna Radar, da Veja Online.

Malucelli não apostava, porém, que haveria uma ordem de prisão contra ele, como ocorreu. Seu palpite era algo mais leve, como uma convocação para prestar esclarecimentos ou, no máximo, buscas em suas empresas.

Errou o palpite.

Passeando pela Itália neste momento, o empresário, suplente de Alvaro Dias no Senado e que apoia Ratinho Junior para o governo do estado, deverá ser detido assim que pisar no Brasil.

General Mourão quer substituir Bolsonaro em debates

O general Hamilton Mourão, candidato a vice na chapa de Jair Bolsonaro (PSL) na disputa à Presidência, disse ontem que a campanha consultará o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) para saber da possibilidade da sua participação nos debates na TV, em substituição a Bolsonaro, que ainda se recupera da cirurgia feita em decorrência do atentado sofrido em Juiz de Fora (MG).

Mourão esteve em Brasília para uma reunião com aliados. “A gente pode solicitar se o Tribunal autoriza. Vai depender da autorização do Tribunal. Porque vamos lembrar da situação do Lula e do Haddad, apesar de serem situações distintas”, disse referindo-se à impossibilidade de Haddad, candidato a vice na chapa do ex-presidente Lula, de participar dos debates e entrevistas.

Na entrevista, ainda no aeroporto, Mourão disse que manterá as atividades que estavam previstas, como encontros com empresários e produtores rurais.

No fim do dia, ele embarca para o Paraná, onde terá encontros em Cascavel e Londrina. Na semana que vem, estará no interior de São Paulo para reforçar a campanha na base do candidato tucano Geraldo Alckmin.

Mourão ressaltou que não substitui Bolsonaro em atividades de rua. “Esse negócio de eventos de rua, ser carregado pelos ombros, não pertence a mim. Eu não sou o cara de rua. O cara de rua é ele. Ele é o líder de massa”, disse, acrescentando que a equipe de campanha discute as estratégias que serão tomadas nesta reta final.

Ele afirmou “desconfiar” de pesquisas que apontaram grandes índices de rejeição a Bolsonaro. “Eu tenho desconfiança, pois todo lugar que vou converso com pessoas das mais diferentes camadas sociais e não vejo que essa rejeição seja tão grande assim. Não vou dizer que a pesquisa está errada, pois seria uma leviandade. Mas prefiro esperar um pouco mais”.

Sobre o tom da campanha, pós-atentado a Bolsonaro, ele disse que é fase de desconstruir os discursos adversários. “Temos de ter um discurso de desconstruir algumas coisas que foram colocadas, como aquela questão das mulheres e da violência. Colocaram que ele (Bolsonaro) não respeita as mulheres. É preciso desconstruir isso”, comentou.

A candidata da Rede à Presidência da República, Marina Silva, disse ontem que a facada sofrida por Bolsonaro desmoralizou sua defesa de armar a população. “A proposta de Bolsonaro não foi desmoralizada por um discurso, mas por um ato. O ato desmoralizou. Ela não funciona. (Se) Não funcionou para ele, altamente protegido, por que vai funcionar para a dona de casa?”, disse a ex-ministra, em sabatina no jornal O Globo, no Rio.

“Graças a Deus ele não morreu, que aquela pessoa não tinha arma de fogo. Se a proposta do Bolsonaro já estivesse aprovada, arma de fogo na mão de todo mundo, o que poderia ter acontecido com ele e com as pessoas que estavam lá?”, continuou. “Foi uma demonstração concreta de que isso não funciona. Ele estava com vários policiais federais armados, PMs, tinha segurança pessoal, um contingente enorme, e isso não o protegeu de uma facada de uma pessoa que fez aquele ato inaceitável”.

(Agência Estado)

Deusmar Queirós consegue habeas corpus no TRF-5ª Região

O empresário Deusmar Queirós teve pedido de Habeas Corpus (HC) concedido na noite dessa terça-feira, 11. O desembargador Francisco Roberto Machado, do Tribunal Regional Federal da 5ª Região (TRF-5) decidiu a favor de Deusmar e de seus ex-sócios Ielton Barreto de Oliveira, Geraldo de Lima Gadelha Filho e Jerônimo Alves Bezerra. Eles respondem o processo – ainda não transitado em julgado – em liberdade, até novo julgamento no próximo dia 20.

O Ministério Público Federal irá analisar, nesta quarta, 12, quais recursos cabem no TRF-5 e no Superior Tribunal de Justiça (STJ) contra a decisão de Roberto Machado.

Condenado – com pena de 9 anos e dois meses de prisão – desde 2010 por crimes contra o sistema financeiro, o fundador da rede de farmácias Pague Menos foi preso na noite do último sábado, 8.

Ele se apresentou na sede da Polícia Federal no Ceará, no bairro Aeroporto, em Fortaleza. De lá, havia sido transferido, ainda na madrugada de domingo, para a Unidade Prisional Irmã Imelda, em Aquiraz, Região Metropolitana de Fortaleza.

Crimes

Deusmar e os sócios teriam lucrado pelo menos R$ 2,8 milhões com compras de ações sem autorização do Banco Central. Com o cálculo da inflação, o valor seria, hoje em dia, de cerca R$ 5,3 milhões.

Entre os anos de 2001 e 2006, por meio das empresas Renda Corretora de Mercadorias S/C Ltda e da Pax Corretora de Valores e Câmbio Ltda, os quatro sócios atuaram no mercado de valores imobiliários sem registro junto à Comissão de Valores Mobiliários (CVM).

Segundo as investigações da Polícia Federal e Ministério Público Federal, Deusmar Queirós e os outros envolvidos praticaram “garimpagem”. Sem estarem autorizados pela Comissão de Valores Mobiliários (CVM), os empresários compraram ações fora da bolsa de valores “de acionistas privados, e geralmente desinformados, a um preço bem menor”, se comparado ao preço do mercado legal.

As ações eram vendidas em bolsas pelo preço de mercado. “Auferindo, assim, vultuosos ganhos decorrentes de prejuízos sofridos por terceiros”, de acordo com o processo.

Trâmite

Os executivos foram condenados na primeira instância em 2010, pelo juiz Danilo Fontenele, da 11ª Vara Federal de Fortaleza, e na segunda instância em 2013, pelo Tribunal Regional Federal da 5ª Região (TRF-5), em Recife.

De acordo com a condenação confirmada em última instância pelo Superior Tribunal de Justiça (STJ), a atividade de “garimpagem, além de prejudicar o regular funcionamento do mercado, também, causa significativo prejuízo aos acionistas que lhe vendem ações com deságio. Cabendo à CVM reprimir a prática de tal atividade”.

Os quatro condenados se entregaram pouco antes do desembargador federal Alexandre Costa de Luna Freire, que estava no plantão do TRF-5, negar um pedido liminar de habeas corpus (HC) impetrado pela defesa deles.

Conforme o advogado Marcelo Leal, da defesa de Queirós, existe decisão do TRF-5 que suspende o curso da execução da pena. Isto impediria a prisão, segundo Leal. O Ministério Público Federal (MPF), contudo, não recorreu da decisão ao próprio TRF-5 e pediu diretamente ao Superior Tribunal de Justiça (STJ), na última terça-feira, 4, o início do cumprimento da pena.

“A solicitação foi acatada pelo ministro (Felix Fischer, ainda na terça-feira), mas sem qualquer menção à decisão do TRF, que proibia a prisão”, criticou Marcelo. Na avaliação da defesa, a decisão do TRF-5 continua em vigor, pois não foi “reformada” pelo STJ, apesar de se tratar de uma corte superior.

(O POVO Online – Repórter Thiago Paiva)

Jair Bolsonaro sobe 4 pontos e chega a 26% após atentado, diz Ibope

Saiu pesquisa do Ibope nesta terça-feira, 11, com novos números de intenção de voto na disputa pela Presidência da República. No primeiro levantamento do instituto de pesquisas depois do atentado contra o candidato do PSL, Jair Bolsonaro, na última quinta-feira, 6, o presidenciável aparece com 26% da preferência, crescimento de quatro pontos porcentuais em relação à pesquisa Ibope anterior, divulgada em 5 de setembro.

A oscilação na intenção de voto de Bolsonaro, esfaqueado em um ato de campanha em Juiz de Fora (MG), foi acima da margem de erro de 2 pontos porcentuais, para mais ou para menos. O porcentual atingido pelo deputado federal diz respeito à intenção de voto estimulada, ou seja, quando os nomes dos presidenciáveis são apresentados aos entrevistados.

Depois do deputado federal há um quádruplo empate técnico no segundo lugar. Ciro Gomes (PDT) aparece com 11%; Marina Silva (Rede) e Geraldo Alckmin, com 9% cada; e Fernando Haddad (PT), com 8%. No levantamento anterior, Ciro e Marina tinham 12% cada, Alckmin os mesmos 9% e Haddad, 6%.

Fernando Haddad foi oficializado nesta terça como candidato ao Palácio do Planalto pela coligação petista, substituindo o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, cuja candidatura foi barrada pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE).

No novo levantamento Ibope, Alvaro Dias (Podemos), Henrique Meirelles (MDB) e João Amoêdo (Novo) têm 3% cada um, empatados na margem de erro com Cabo Daciolo (Patriota) e Vera Lúcia (PSTU), que aparecem com 1% cada. Guilherme Boulos (PSOL), João Goulart Filho (PPL) e José Maria Eymael (DC) não pontuaram. Votos em branco e nulos somam 19% e eleitores que não sabem ou não responderam, 7%.

A pesquisa Ibope ouviu 2.002 eleitores em 145 cidades entre os dias 8 e 10 de setembro. Foram realizadas 2.002 entrevistas com eleitores de 145 cidades. O levantamento está registrado no Tribunal Superior Eleitoral sob o protocolo BR05221/2018.

Intenção de voto espontânea

Em relação ao voto espontâneo, isto é, quando os nomes dos candidatos não são apresentados, Jair Bolsonaro foi citado por 23% dos eleitores, seis pontos porcentuais a mais do que na última pesquisa. Barrado pelo TSE no final de agosto, Lula teve redução de sete pontos porcentuais em relação ao levantamento anterior, de 15% para 8%.

Em seguida, aparecem empatados na margem de erro Ciro Gomes, citado por 5%; Geraldo Alckmin, por 4%; Marina Silva, por 3%; João Amoêdo, por 2%; Alvaro Dias e Henrique Meirelles, por 1% cada. Os demais presidenciáveis não pontuaram.

Responderam que votariam em branco ou nulo 18% dos eleitores e 21% não souberam ou preferiram não responder.

Rejeição aos candidatos

Conforme o Ibope, a rejeição a Jair Bolsonaro, que era de 44% na semana passada, caiu três pontos porcentuais e chegou a 41% depois do atentado à faca sofrido por ele.

Em seguida, como mais rejeitados, aparecem Marina Silva, que passou de 26% para 24%; Fernando Haddad, que manteve 23%; Ciro Gomes, que foi de 20% para 17%; e Geraldo Alckmin, que oscilou de 22% para 19%.

Henrique Meirelles, Cabo Daciolo, José Maria Eymael, Vera Lúcia e Guilherme Boulos são rejeitados por 11%, enquanto 10% responderam que não votariam de jeito nenhum em João Amoêdo e 9%, em Alvaro Dias. João Goulart Filho é rejeitado por 8% dos eleitores.

Os que responderam que poderiam votar em todos os candidatos são 2%; os que não souberam ou preferiram não responder são 11%.

(Veja)

Supremo rejeita denúncia de crime de racismo contra Bolsonaro

Por maioria, 3 votos a 2, a denúncia contra o deputado e presidenciável Jair Bolsonaro (PSL-RJ) pelo crime de racismo foi rejeitada, nesta terça-feira, pela Primeira Turma do Supremo Tribunal Federal. Com isso, o caso será arquivado, informa o Portal G1.

Bolsonaro foi denunciado pela Procuradoria Geral da República (PGR) em abril em razão de falas consideradas racistas numa palestra que fez no ano passado no Clube Hebraica do Rio de janeiro.

Na ocasião, disse que, se eleito presidente, não destinará recursos para ONGs e que não vai ter “um centímetro demarcado” para reservas indígenas ou quilombolas.

E acrescentou: “Onde tem uma terra indígena, tem uma riqueza embaixo dela. Temos que mudar isso daí. […] Eu fui num quilombo, o afrodescendente mais leve lá pesava sete arrobas. Não fazem nada! Eu acho que nem para procriador ele serve mais. Mais de R$ 1 bilhão por ano é gastado com eles”.

A Primeira Turma começou a analisar o caso no último dia 28 de agosto. O julgamento foi interrompido por um pedido de vista (mais tempo para análise) do presidente da Turma, ministro Alexandre de Moraes.

O relator, Marco Aurélio Mello, e o ministro Luiz Fux votaram para rejeitar a acusação e enterrar as investigações sobre Bolsonaro. Luís Roberto Barroso e Rosa Weber votaram para receber a denúncia e abrir uma ação penal.

O julgamento foi retomado nesta terça com o voto de Moraes. Ele acompanhou o relator pela rejeição da denúncia e desempatou o placar a favor do presidenciável.

Bolsonaro já é réu em duas ações penais no STF por injúria e incitação ao crime de estupro. Em discurso na tribuna da Câmara dos Deputados em dezembro de 2014, ele disse que não estupraria a deputada Maria do Rosário (PT-RS) porque ela “não merece” e não faz o “tipo” dele.

Embora o STF já tenha decidido que réus não podem ocupar a linha sucessória da Presidência, atualmente não há impedimento legal para concorrerem nas eleições.