Blog do Eliomar

Categorias para Brasil

“Cine Holliúdy” vai virar seriado na Globo

A comédia brasileira “Cine Holliúdy” entrará em produção na TV Globo para virar um seriado de televisão. A notícia foi dada na coluna da jornalista Patrícia Kogut, do Jornal O Globo. Segundo a coluna, as gravações para o seriado irão começar em novembro, com cenas gravadas em São Paulo. Halder Gomes, diretor do longa para o cinema, e Patrícia Pedrosa assumem a direção da produção, que ainda não tem data de estreia definida. A princípio, haviam sido encomendados cinco episódios, que, mais tarde, foram dobrados e, agora, a série segue com previsão para ganhar dez episódios.
O ator Edmilson Filho estará no elenco da série.  O cearense protagonizou o primeiro filme e está no elenco do segundo longa da franquia. Segundo Kogut, Matheus Nachtergaele, Heloisa Périssé e Leticia Colin, que recentemente protagonizou a novela “Novo Mundo”, integram o elenco  principal do seriado. Nachtergaele dará vida a um prefeito casado com Heloísa, enquanto Leticia será a filha do casal.
 
Filme
O primeiro “Cine Holliúdy”, lançado em 2013, teve no elenco Edmilson Filho,  Miriam Feeland e Roberto Bomtempo.  A comédia teve cenas gravadas no interior do Ceará e é ambientada na década de 1970. A narrativa conta, de forma bem-humorada, a popularização da TV, que atrapalha a indústria do cinema amador surgido no Interior. É aí que Francisgleydisson, interpretado por Edmilson, entra em ação. Ele é o proprietário do Cine Holliúdy, um pequeno cinema da cidade que terá a difícil missão de se manter vivo como opção de entretenimento.
A produção acumulou um grande feito e se tornou a 10ª maior bilheteria do Brasil em sua semana de estreia, mesmo sendo exibida somente em nove cópias e em algumas cidades nordestinas. A boa repercussão garantiu uma sequência, com previsão de lançamento para 2018, além  de outro filme, o longa “O Shaolin do Sertão”, lançado em 2016, com a presença de Edmilson no elenco e direção assinada por Halder Gomes.
(Com O POVO Online/Foto – Divulgação)

Por um basta à concentração de renda no País

Com o título”É impossível haver justiça no Brasil sem haver redução da desigualdade”, eis artigo do presidente do Conselho Regional de Economia, Lauro Chaves Neto, que saiu no O POVO desta terça-feira. Ele diz que houve redução da pobreza, baseado em números do IBGE. Confira: 

O Brasil de hoje é muito diferente daquele de duas ou três décadas atrás; desde lá, houve uma forte e saudável redução da pobreza. Pode-se dizer que, na nossa história recente, passamos por três grandes ciclos de queda no número de brasileiros em situação de pobreza: o primeiro ocorreu com a transição democrática/Plano Cruzado; o segundo, com a estabilidade econômica pós-Plano Real de FHC e o terceiro, com as políticas inclusivas de Lula.

Surge uma polêmica se houve ou não redução da desigualdade concomitantemente com a redução da pobreza no Brasil. Os dados do IBGE mostram que, sim, no Brasil pós-real, a parcela da renda apropriada pelos 10% mais ricos havia passado de 46% para 41%, a dos 50% mais pobres crescera de 14% para 18%, e a da classe média de 40% para 41%. O estrato dos 1% brasileiros mais ricos possui 28% da renda nacional, em comparação com 20% nos EUA e 11% na França.

A redução da pobreza simultaneamente com a da desigualdade era atribuída principalmente à estabilidade, à elevação real do salário mínimo com FHC, Lula e Dilma, e ao aumento da escolaridade da força de trabalho. Porém, essa redução da desigualdade, que já era questionada anteriormente, com a liberação de uma base de dados da Receita Federal e mais recentemente com a divulgação de pesquisa da Escola de Economia de Paris, sob a orientação de Thomas Piketty, autor de “O Capital do Século XXI”, recebeu um grande reforço.

Esses dados mostram que a desigualdade no Brasil é muito maior do que se imaginava, com gigantesca concentração de renda no topo da pirâmide social. Os 10% mais ricos possuem 55% da renda nacional, enquanto os 50% mais pobres apenas 12%; e a classe média, 32%. A renda aumentou nos dois extremos da sociedade. Houve redução na desigualdade no mercado de trabalho, porém ela foi compensada com um crescimento mais que proporcional no ganho de capital dos ricos.

É salutar que o combate à pobreza, principalmente à pobreza extrema, seja uma das prioridades das políticas públicas, mas só teremos um país justo com a redução do abismo das desigualdades hoje existentes. E não tem como fazer isso sem tratar da concentração de renda no topo da sociedade.

*Lauro Chaves Neto

lchavesneto@uol.com.br
Presidente do Conselho Regional de Economia, consultor, professor da Uece e doutor em Desenvolvimento Regional pela Universidade de Barcelona.

Caso Aécio – Marco Aurélio critica colega Luiz Roberto Barroso: “Criou essa celeuma”

243 1

O plenário do Supremo Tribunal Federal deve decidir nesta quarta-feira se determinadas punições a parlamentares necessitam ou não de chancela do Legislativo para serem aplicadas. O pano de fundo da polêmica tem a imagem de Aécio Neves, afastado do mandato e impedido de sair de casa à noite por determinação da 1ª turma do STF, informa a Veja.

O ministro Marco Aurélio Mello, que votou contra a sanção ao tucano, tem um palpite sobre o resultado do julgamento e uma crítica dura a um ministro do tribunal. Para ele, a crise institucional entre Senado e Supremo, criada a partir da decisão do STF, está no colo de Luís Roberto Barroso, que incluiu em seu voto a sugestão de recolhimento noturno para Aécio. O Ministério Público Federal havia pedido a prisão do senador.

Mas como não havia flagrante, Barroso recorreu ao trecho da legislação que fala em “medidas cautelares diversas” para defender a restrição de liberdade parcial. Ele foi acompanhado por Rosa Weber e Luiz Fux. Além de Marco Aurélio, Alexandre de Moraes se posicionou contrariamente.

Marco Aurélio definiu assim o voto divergente do colega: “O que criou essa celeuma foi o aditamento de ofício feito pelo ministro Luís Roberto Barroso. Nem o Ministério Público pediu isso, o recolhimento noturno”. Pesado.

Ele acredita que o plenário vai autorizar a aplicação de medidas restritivas, desde que sejam avalizadas pelo Congresso. É tudo o que Aécio deseja. Na avaliação de Marco Aurélio, com isso, o STF buscará uma alternativa política para o impasse.

O ministro prevê que o plenário não vai derrubar por completo o entendimento da 1ª turma para, nas palavras do ministro, não deixar “tão mal mal na fotografia” os integrantes da corte que já se manifestaram a favor do recolhimento noturno (Fux, Barroso, Rosa e Edson Fachin). “Trata-se de uma saída honrosa não só para o Supremo, como também para o Senado”, finalizou, sem meias palavras.

Livro de Sri Prem Baba ganha nova versão

O livro Amar e Ser Livre – As Bases Para Uma Nova Sociedade, do mestre espiritual Sri Prem Baba, chega nesta semana em uma nova edição às livrarias. Com projeto gráfico da HarperCollins Brasil e edição da Editora Dummar, a obra fala do poder dos relacionamentos saudáveis para melhorar o mundo. A nova edição tem como novidade o design da capa, que remete ao festival indiano Holi, uma celebração às cores.

“A ideia era fazer o link com o conceito da Índia. Como Prem Baba fica seis meses no Brasil e seis meses na Índia, então tem essa ligação, ele faz a ponte entre o Ocidente e o Oriente, e essa capa representa isso. Ela traduz essa ligação que ele tem com a Índia”, explica Regina Ribeiro, editora executiva da Editora Dummar.

Além de falar do poder das relações, o livro ainda aborda os desafios do ser humano em encontrar um caminho para viver e se relacionar de forma mais leve, plena e feliz. Em 2015, ano de sua primeira edição, a obra figurou entre os livros mais vendidos do País.

Sri Prem Baba é mestre da ancestral linhagem indiana Sachcha, e autor de outros livros como Propósito – A coragem de ser quem somos, Flor do dia – Mensagens de amor e autoconhecimento e Transformando o sofrimento em alegria. De acordo com o material de divulgação, com Amar e ser livre o mestre busca ressignificar o conceito de casamento e o da família. Além disso, o autor sugere uma reflexão interna tanto na vida pessoal quanto na ordem universal.

“Precisamos urgentemente plantar novas sementes, sementes de confiança, união e amor verdadeiro (…) os relacionamentos em geral são fundamentais, mas o relacionamento afetivo-sexual é o viveiro em que brotarão as flores e os frutos de uma nova realidade — esse é o núcleo principal”, explica Prem Baba.

SERVIÇO

HarperCollins Brasil e Editora Dummar

176 páginas

Quanto: R$ 24,90.

(Foto – Arquivo)

(O POVO)

FMI melhora prognósticos de crescimento da economia brasileira para 2017 e 2018

O Fundo Monetário Internacional (FMI) melhorou, nesta terça-feira, seus prognósticos de crescimento do PIB do Brasil para 0,7% neste ano e 1,5% para 2018. A informação é da agência EFE.

As novas previsões do FMI representam, respectivamente, alta de 0,4 ponto porcentual e 0,2 ponto porcentual acima do estimado em julho, graças ao impulso da despesa dos consumidores e a safra agrícola recorde.

“No Brasil, um potente comportamento das exportações e um menor ritmo de contração na demanda interna permitiu à economia voltar ao crescimento positivo no primeiro trimestre de 2017, após oito trimestres consecutivos de queda”, indicou a instituição em seu relatório de Perspectivas Econômicas Globais apresentado nesta terça-feira.

A instituição também mencionou o saque das contas inativas como fator para a revisão da expectativa para este ano.

Produção industrial registra queda em 6 dos 14 locais pesquisados. Ceará apresenta incremento

A queda de 0,8% na produção industrial brasileira em agosto, em relação a julho, na série livre de influências sazonais, reflete retrações em apenas seis dos 14 locais pesquisados pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Os dados constam da Pesquisa Industrial Mensal – Produção Física Regional, divulgados hoje (10), no Rio de Janeiro. Eles indicam que a queda mais intensa se deu em São Paulo, o maior parque fabril do país, onde a indústria recuou entre julho e agosto 1,4%, mesmo percentual do recuo do Rio Grande do Sul.

Já os estados cujas taxas negativas ficaram abaixo da média nacional de -0,8% foram Minas Gerais e Pará, onde a retração industrial foi de 0,7% para ambas as regiões; Paraná (-0,4%) e Ceará (-0,1%). Em Santa Catarina a produção ficou estável (0,0%).

Na outra ponta, as regiões com as maiores altas entre as 14 com resultados positivos foram o Espírito Santo (7,5%) e a Bahia (4,9%). No Amazonas, a alta foi de 3,2%, Rio de Janeiro (2,4%), Pernambuco (1,8%), Região Nordeste (0,4%) e Goiás (0,1%)

Em relação ao crescimento de 4% na produção industrial, na comparação com igual mês do ano passado, ele reflete resultados positivos em 13 dos 15 locais pesquisados, com a expansão mais intensa sendo registrada no Mato Grosso, onde a indústria cresceu 15,8% em agosto último.

Naquela região, a expansão foi impulsionada pelo avanço no setor de produtos alimentícios (carnes de bovinos congeladas, frescas ou refrigeradas, tortas, bagaços, farelos e outros resíduos da extração do óleo de soja e óleo de soja em bruto).

Pará (9,3%), Paraná (8,8%), Espírito Santo (7,8%), São Paulo (6,6%), Amazonas (5,3%), Santa Catarina (5%), Ceará (4,6%) e Bahia (4,6%) também anotaram taxas positivas mais acentuadas do que a média nacional de 4%. Goiás (2,3%), Região Nordeste (1,7%), Minas Gerais (1,5%) e Pernambuco (0,3%) completaram o conjunto de locais com alta na produção em agosto.

Ao avaliar o resultado das duas regiões onde a indústria fechou negativamente (Rio Grande do Sul, com -2% e Rio de Janeiro, -1,8%), o IBGE atribuiu a queda, em grande parte, à pressão negativa vindo dos setores de coque, produtos derivados do petróleo e biocombustíveis, celulose, papel e produtos de papel, produtos alimentícios e máquinas e equipamentos – no caso do Rio Grande do Sul – e de coque, produtos derivados do petróleo e biocombustíveis e indústrias extrativas, no Rio de Janeiro.

Acumulado no ano

Quanto ao crescimento acumulado de 1,5% ao longo dos primeiros oito meses do ano (janeiro-agosto) o resultado reflete expansão também em 13 dos 15 locais pesquisados, com destaque para os avanços mais acentuados assinalados por Pará (8,6%), Paraná (4,6%), Espírito Santo (3,7%) e Santa Catarina (3,7%).

Com resultados positivos acima da média nacional de 1,5% aparecem ainda Minas Gerais (2%), Amazonas (1,9%) e Rio de Janeiro (1,8%). Em São Paulo e Goiás, o resultado foi o mesmo (1,5%) da alta nacional; enquanto o Ceará (1,4%), Mato Grosso (1,2%), Rio Grande do Sul (1,1%) e Pernambuco (0,3%) completaram o conjunto dos 13 locais com resultados positivos no fechamento dos oito meses do ano, embora inferior à média nacional.

A Bahia (-3,9%) apontou o recuo mais elevado no índice acumulado no ano, pressionado pelo comportamento negativo vindo dos setores de metalurgia (barras, perfis e vergalhões de cobre e de ligas de cobre) e de coque, produtos derivados do petróleo e biocombustíveis (óleo diesel, naftas para petroquímica e óleos combustíveis). A Região Nordeste, com queda de 1%, também mostrou taxa negativa no indicador acumulado de janeiro-agosto de 2017.

(Agência Brasil)

PF incrimina Wesley Batista por lucro indevido da JBS no mercado de câmbio

Da Coluna Painel, da Folha de S. Paulo desta terça-feira:

A Polícia Federal apresenta nesta terça-feira (10) o relatório final sobre a suspeita de que Wesley e Joesley Batista cometeram crime de insider trading ao obter lucro no mercado após a divulgação da delação da J&F. A peça tem mais de 100 páginas e reafirma a posição de Wesley como o mandante das negociações de câmbio. A PF diz que Joesley, à época chefe da FB Participações, controladora da JBS, operou em outras frentes. Ele não será incriminado pela compra de dólares.

A PF elaborou um cronograma sobre as ações dos Batistas antes e depois de eles fecharem o acordo com a PGR. O relatório virá um dia depois de a Justiça negar o pedido de liberdade de Joesley e Wesley em troca do depósito de uma caução no valor que teria sido obtido ilegalmente.

A corporação refuta a tese da defesa de que não houve crime e de que os Batistas já lucraram valores muito mais altos anteriormente. Dirá que a diferença crucial é que, desta vez, eles tinham informação privilegiada sobre a delação.

Turismo religioso vira bênção para agências de viagem

Este grupo é formado por fiéis de várias paróquias de Fortaleza.

Uma verdadeira romaria de grupos católicos do Ceará registra, desde o último fim de semana, o Aeroporto Internacional Pinto Martins. São fieis que seguem em busca das bênçãos de Nossa Senhora em Aparecida, interior de São Paulo.

As agências de viagem informam que o turismo religioso, principalmente nesta semana em que o País comemora sua padroeira – Nossa Senhora Aparecida, entrou como importante reforço no bloco dos pacotes turísticos comercializados por conta do feriadão.

São várias paróquias de Fortaleza unidas em pacotes de cristãos que incluem Aparecida e também a sede da Canção Nova, em Cachoeira Paulista.

(Foto – Paulo MOska)

Lula diz que está “lascado”, mas espera desculpas de Moro

Condenado a 9 anos e 6 meses de prisão em primeira instância, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva disse nesta segunda-feira (9) que está “lascado”, mas afirmou esperar “desculpas” do juiz federal Sérgio Moro. Em um ato em defesa das universidades públicas, em Brasília, Lula subiu o tom contra a Lava Jato e desafiou seus acusadores a ver o que acontecerá no País se o impedirem de ser candidato ao Palácio do Planalto em 2018. A informação é da Veja.

“Eu sei que eu estou lascado. Todo dia tem um processo. Não quero nem que o Moro me absolva, só quero que peça desculpas”, declarou o ex-presidente. Muito aplaudido pela plateia, que o chamava de “guerreiro do povo brasileiro”, Lula prosseguiu em sua ofensiva. “Eles agem todo santo dia para me tirar da disputa. Obviamente que eles podem. Juntam meia dúzia de juiz e votam. Não me deixam ser candidato e pronto. Se eles acham que, me tirando da disputa, está resolvido o problema deles, façam e vamos ver o que acontece no País. Se acham que não vou ter força para ser cabo eleitoral, testem.”

Em quase quarenta minutos de discurso, Lula ressuscitou a narrativa do “nós contra eles”, afirmou não poder mais aceitar tantas “mentiras” e disse não ter medo da Lava Jato. Argumentou ainda que, se o objetivo da Lava Jato é não deixá-lo ser candidato, os investigadores não deveriam deixar “o povo sofrer” por causa disso. Apesar de condenado no caso do tríplex do Guarujá (SP) e também ser réu em outras seis ações penais, o ex-presidente lidera todas as pesquisas de intenção de voto.

Acompanhado do ex-prefeito de São Paulo Fernando Haddad – que já chegou a ser apontado como plano B do PT na eleição de 2018 -, Lula provocou o deputado Jair Bolsonaro (PSC-RJ) e disse que os petistas devem fazer o oposto do que ele faz. “Se o Bolsonaro agrada ao mercado, nós do PT temos de desagradar ao mercado”, insistiu o ex-presidente. Pré-candidato à Presidência, Bolsonaro está em segundo lugar nas pesquisas, empatado com a ex-senadora Marina Silva (Rede).

Camilo e Roberto Cláudio entram na luta por núcleo do IME em Fortaleza

428 1

Da Coluna Vertical, do O POVO desta terça-feira:

O diretor do Departamento de Logística do Exército Brasileiro, general-de-exército Guilherme Teóphilo, participará amanhã, às 15 horas, no Palácio da Abolição, de reunião sobre a implantação de um núcleo do Instituto Militar de Engenharia (IME) na Capital cearense.

No encontro, vão estar o governador Camilo Santana (PT), o prefeito Roberto Cláudio (PDT) e o reitor da UFC, Henry Campos. A assessoria técnica do Exército também estará presente à reunião. Em discussão, a modelagem da instalação de uma sede do IME, que seria, no caso, a primeira fora do Rio.

Em tempos de siderurgia, biotecnologia (futura Fiocruz) e novos investimentos em energias alternativas, será estratégico contar com um centro de excelência internacional na formação de engenheiros como o IME.

CPMI da JBS vai ouvir ex-diretor do BNDES e ex-presidente da Caixa

Parlamentares da Comissão Parlamentar Mista de Inquérito (CPMI) criada para investigar possíveis irregularidades do grupo J&F e da JBS ouvem nesta terça-feira (10) mais dois depoimentos. Responderão a perguntas o ex-diretor do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), José Cláudio Rego Aranha, e a ex-presidente da Caixa Econômica Federal Maria Fernanda Ramos Coelho.

Esta será a sétima reunião do colegiado. Nas últimas semanas, os deputados e senadores promoveram oitivas e aprovaram requerimentos para a quebra de sigilos, compartilhamento de informações sobre o BNDES e a J&F e a convocação de dezenas de pessoas supostamente envolvidas.

José Cláudio Aranha, que foi chefe do Departamento da Área de Mercado de Capitais do banco, responderá aos questionamentos sob a condição de convocado. Já a ex-presidente da Caixa foi apenas convidada, conforme aprovação que consta nos documentos da CPMI. Até o momento, ambos comfirmaram presença.

Inquérito

Os parlamentares averiguam se houve pagamento de propina a agentes públicos que facilitaram operações da empresa JBS com o BNDES, além de possíveis ingerências na Caixa, no Fundo de Investimentos do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FI-FGTS) e em fundos de pensão de empresas públicas.

Na semana passada, foi aprovado requerimento para que o ex-presidente do Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade), Vinícius Marques de Carvalho, também seja ouvido. No pedido, os parlamentares argumentam a necessidade de investigar a existência de interferências do Cade em contratos e aquisições do grupo JBS no Brasil e no exterior.

Acusado pelo presidente da empresa, Joesley Batista, de atuar na cooptação do procurador do Ministério Público Federal, Angelo Goulart Villela, para que este agisse como infiltrado no MP, o advogado Willer Tomaz foi ouvido pelos parlamentares na última quarta-feira (4), mas em reunião que ocorreu a portas fechadas. Após adiar depoimento alegando problemas de saúde do pai, Angelo Goulart deve ser ouvido no próximo dia 17.

(Agência Brasil)

Tasso não quer disputar o governo, diz Beto Studart

277 2

Tasso, Beto e Camilo em clima de evento na Fiec.

O presidente da Federação da Indústrias do Ceará (Fiec), Beto Studart, não acredita na hipótese de que o senador Tasso Jereissati (PSDB) saia candidato a governador em 2018, possibilidade que O POVO mostrou ontem.

Beto, que reuniu boa parte da imprensa nessa segunda-feira, na Casa da Indústria, para falar sobre Fiec, informou que o senador já lhe disse, peremptoriamente, que não disputará o governo.

Diálogo entre Camilo e Eunício pressiona uma possível candidatura de Tasso ao Governo

Camilo e Eunício – Reaproximação só pelos altos interesses do Estado?

Reaproximação entre Camilo Santana (PT) e Eunício Oliveira (PMDB) acabou “forçando” Tasso Jereissati (PSDB) a assumir possível candidatura ao governo em 2018. Antes descartada, tese acabou virando factível diante de afagos entre o petista e o peemedebista. Procurada pela reportagem, a assessoria do tucano não comentou – mas não negou –entrada dele na disputa.

O POVO apurou, no entanto, que indefinição de Eunício é hoje maior fonte de apreensão entre oposicionistas PSDB, PSD, PR e SD. Dentro deste contexto, pesa a necessidade de Tasso, como liderança nacional do PSDB, articular palanque no Ceará para o candidato tucano à Presidência. O senador do PMDB, por outro lado, ainda evita antecipar debate de 2018.

“Não é só o que a oposição quer, é o que o povo do Ceará quer. Até para se realizar uma campanha mais qualitativa, não se ter só um grupo, praticamente chapa única. Com certeza o Tasso, pela sua história política, entende que isso não é bom para a democracia”, diz o deputado federal Cabo Sabino (PR), presente em reunião onde Tasso admitiu possível candidatura.

Deputado estadual próximo de Tasso, Carlos Matos (PSDB) também confirmou maior “otimismo” do tucano com a tese. “Temos pesquisas e o feedback dele nas bases é fantástico, com nível de aprovação muito grande”, diz. Ele destaca que principal decisão da reunião do fim de semana foi a antecipação do processo para 2017. “Se viu que não dá para esperar”.

“Antes dessa reunião ele era mais enfático em dizer que não iria ser candidato. Agora, nessa reunião, já não foi desse jeito. Ele disse que ia fazer pesquisa e voltaríamos a conversar”, diz Domingos Neto (PSD). Presente na reunião, o deputado federal Moses Rodrigues (PMDB) teria externado desejo de Eunício em sair senador em possível chapa de Tasso para o governo.

Indefinição

Procurada pela reportagem, a assessoria de Eunício Oliveira afirmou que o senador, que se encontra em viagem ao Exterior, não irá se manifestar ainda sobre o assunto. Liderança do PMDB que pediu para não ser identificada, no entanto, afirmou que a sigla ainda vai cobrar posição mais clara de Tasso sobre o assunto. “Está na hora do PSDB falar”, disse.

Já assessoria de imprensa de Tasso Jereissati afirmou que o senador, que embarcou para Brasília na tarde de ontem, não irá se manifestar ainda sobre o assunto. Tucanos não estariam, no entanto, “100% satisfeitos” com a antecipação do debate eleitoral para 2017.

(O POVO – Repórter Carlos Mazza/Fotos – Arquivo)

Horário de Verão começa no próximo domingo

Com o início do horário de verão, à 0h do próximo domingo (15), os aeroportos da Rede Infraero nas regiões Centro-Oeste, Sul e Sudeste funcionarão de acordo com a programação estipulada pelo decreto nº 6.558 de 2008, que institui o horário especial em parte do território nacional até o dia 17 de fevereiro do ano que vem.

A população de dez estados – Rio Grande do Sul, Santa Catarina, Paraná, São Paulo, Rio de Janeiro, Minas Gerais, Espírito Santo, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul e Goiás – e do Distrito Federal deverá adiantar os horários em uma hora. Os estados das regiões Norte e Nordeste não participarão do horário de verão.

A Infraero recomenda que, em caso de dúvidas sobre horários de voos, os passageiros entrem em contato com as respectivas companhias aéreas. Esta  informação está no site da Infraero.

Empregados dos Correios voltam ao trabalho

Os empregados dos Correios, que tinham aderido à paralisação parcial da categoria, retornaram ao trabalho nesta segunda-feira (9), após aceitar a proposta do Tribunal Superior do Trabalho (TST), apresentada na última quarta-feira (4), na audiência de conciliação.

A proposta prevê reajuste de 2,07% pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC) retroativo a agosto deste ano, compensação de 64 horas, o que equivale a oito dias, e desconto dos demais dias de ausência, além da manutenção das cláusulas já existentes no Acordo Coletivo de Trabalho (ACT) 2016/2017. Sobre o plano de saúde, a proposta continua em negociação, intermediada pelo TST.

Os Correios estimam que os serviços da empresa sejam normalizados em até cinco dias úteis. Para os serviços com hora marcada, como Sedex 10, Sedex 12, Sedex Hoje, Disque Coleta e Logística Reversa Domiciliária, que haviam sido suspensos devido à paralisação parcial, a previsão é que voltem a funcionar até quarta-feira (11).

Com 22 mil trabalhadores, os Correios fizeram um mutirão neste fim de semana, entregando mais de 6 milhões de cartas e encomendas e triando cerca de 10,5 milhões de objetos.

(Agência Brasil)

Raquel Dodge envia para o STF parecer contra liberdade para Josley Batista e Ricardo Saud

A procuradora-geral da República, Raquel Dodge, enviou ao Supremo Tribunal Federal (STF) parecer pela manutenção da prisão preventiva do empresário Joesley Batista, um dos sócios do grupo J&F, e do executivo do grupo Ricardo Saud. Ambos foram presos no mês passado por determinação do ministro Edson Fachin após a rescisão dos benefícios do acordo de delação premiada.

Na manifestação, a procuradora sustenta que a prisão preventiva dos acusados é necessária diante da gravidade dos fatos apurados e para prevenir a prática reiterada dos crimes. Dodge também destacou a possiblidade de os acusados fugirem do país por terem bens, contas bancárias e residência no exterior.

“Estão presentes não só os pressupostos da prisão preventiva – boa prova de materialidade e de autoria – mas, igualmente, o risco à investigação e à instrução criminal, à ordem pública e à aplicação da lei penal, bem como a adequação de tal medida no caso concreto”, diz o parecer.

Raquel Dodge também argumentou que o acordo de delação, suspenso por determinação do ex-procurador Rodrigo Janot, não pode ser utilizado pelos investigados como blindagem contra a aplicação da lei.

Para a procuradora, a partir dos indícios apurados até momento, é possível concluir que houve omissão de informações na delação de forma “intencional, premeditada e de má-fé”. Um dos fatos investigados pela PGR é a omissão sobre a participação do ex-procurador Marcelo Miller a favor do grupo JBS durante o período em que trabalhou no Ministério Público Federal (MPF).

“Os fatos de que se tem notícia são gravíssimos, o caso é emblemático e sem precedentes na história do país, de forma que as investigações devem ser conduzidas com seriedade e cercadas de extrema cautela pelo Ministério Público e pelo Poder Judiciário. Não há espaço para incertezas.”

Os advogados de Joesley e Saud sustentam que os acusados jamais cooptaram o ex-procurador Miller para atuar a favor da JBS e que não omitiram informações da PGR.

A defesa de Miller informou que o ex-procurador “nunca atuou como intermediário entre o grupo J&F ou qualquer empresa e o [ex-] procurador-geral da República, Rodrigo Janot ou qualquer outro membro do Ministério Público Federal”.

(Agência Brasil)