Blog do Eliomar

Categorias para Brasil

Vale a pena ver O Mecanismo?

Com o título “Vale a pena ver O Mecanismo”, eis artigo do jornalista Elio Gaspari, que pode ser conferido no O POVO desta quarta-feira. Ele aborda a polêmica em torno do filme que se baseia na Lava Jato. Confira:

É bom negócio ver “O Mecanismo”, a série de José Padilha na Netflix. Seus oito episódios contam a história da Lava Jato até as vésperas da prisão de Marcelo Odebrecht. Eles giram em torno de dois eixos.

O primeiro é uma novela padrão onde há sexo, traições, doenças, rivalidades, muitos palavrões e até mesmo uma menina com deficiência. A quem interessar possa: o agente Ruffo nunca existiu. Pena que ele seja um narrador do tipo “faço sua cabeça”, numa espécie de reencarnação do Capitão Nascimento de “Tropa de elite”. A agente Verena é uma exagerada composição.

É a segunda história, a da Operação da Lava Jato, que valoriza a série. E é ela que vem provocando a barulheira contra Padilha. A ex-presidente Dilma Rousseff (Janete Ruskov na tela) acusa “O Mecanismo” de duas fraudes.

Jogaram para dentro do consulado petista a operação abafa que decapitou as investigações das lavagens de dinheiro do caso Banestado, ocorrido durante o governo de Fernando Henrique Cardoso. (Há uma referência a “dez anos depois”, mas ela ficou embaralhada.) Noutro lance, puseram na boca de Lula (Higino, igualzinho ao original, graças ao ator Arthur Kohl) a frase “é preciso estancar a sangria”, do senador Romero Jucá. Também não há prova de que “Higino” tenha pedido a “Janete” para trocar a direção da “Polícia Federativa”.

A narrativa do caso será útil para muita gente que perdeu o fio da meada da Lava Jato. Essa é a razão pela qual é melhor ver a série do que não vê-la. A Lava Jato fez um memorável serviço de faxina e hoje parece banalizada, o que é uma pena. O câncer de que fala o agente Ruffo estava lá e ainda está. Entrou areia no mecanismo das empreiteiras, mas ele funciona em outras bocas.

Num primeiro momento, Padilha explicou-se: “O Mecanismo” é uma obra-comentário, na abertura de cada capítulo está escrito que os fatos estão dramatizados. Se a Dilma soubesse ler, não estaríamos com esse problema”.

Seja lá o que for uma “obra-comentário”, Dilma sabe ler, e essa explicação tem o valor de um balanço de empreiteira. Seria como se o diretor Joe Wright, de “O Destino de Uma Nação”, atribuísse a trapaça que fez com Lord Halifax a uma licença cinematográfica. Num comentário posterior, Padilha disse que expôs a corrupção do PT e do MDB. É verdade, pois o vice de Dilma chama-se “Themes” e foi posto no jogo. O tucano Aécio Neves também está no mecanismo: “Se o ‘Lúcio’ vence a eleição, breca isso na hora”. O procurador-geral Rodrigo Janot ficou por um fio. Padilha pegou pesado ao mostrar os pés dos ministros do Supremo entrando numa sessão enquanto Ruffo fala nas “ratazanas velhas” de Brasília. A dança dos presos comemorando uma decisão do STF também foi forte, mas, como se viu há pouco, o Supremo decide, e réus festejam.

Padilha bateu num caso histórico. A série é dele e fez o que bem entendeu, mas a trama novelesca e as catilinárias de “Ruffo” tiraram-no de outro caminho, o de uma série e de um filme recentes. “The Crown” é factualmente impecável e mexeu com os mecanismos da Casa de Windsor. “A guerra secreta” não precisou demonizar Richard Nixon para contar a história da briga do “Washington Post” pela publicação dos “Papéis do Pentágono”. Nos dois casos, não houve novela paralela, pois o recurso não era necessário.

*Elio Gaspari

opiniao@opovo.com.br 

Jornalista.

Assembleia Legislativa debaterá assassinato de Marielle Franco

A execução de Marielle Franco e o extermínio da juventude negra no Brasil serão pauta de debate a ser realizado na Assembleia Legislativa do Ceará. O encontro, organizada pelo mandato do deputado estadual Nestor Bezerra (PSOL), acontecerá nesta quarta-feira, às 14 horas, no Complexo das Comissões (Auditório 5).

Para o encontro foram convidados representantes do Instituto Negra do Ceará (Inegra), Coletivo Nacional de Juventude Negra (Enegrecer), Sindicato dos Trabalhadores nas Indústrias de Confecção Feminina e Moda Íntima de Fortaleza (Sindconfe), Comitê Cearense Pela Prevenção Homicídios na Adolescência (CCPHA) e Movimento dos Trabalhadores Sem Terra (MST).

Marielle

A vereadora carioca Marielle Franco (PSOL-RJ) foi morta a tiros na noite do dia 14 de março, no bairro do Estácio, na cidade do Rio de Janeiro. Além da vereadora, o motorista do veículo, Anderson Pedro Gomes, também foi baleado no atentado e morreu. Quinta vereadora mais votada nas eleições de 2016, Marielle Franco era reconhecida por sua histórica luta em defesa dos direitos humanos, especialmente em defesa dos direitos das mulheres negras e moradores de favelas e periferias. Também denunciava a violência policial.

Grupo Edson Queiroz compra marcas de água mineral da Nestlé

A Nestlé acaba de fechar a venda de seu negócio de água no Brasil para o Grupo Edson Queiroz, detentor das águas Minalba e Indaiá.

A transação, segundo informação do jornal Valor Econômico, envolve as marcas Petrópolis e São Lourenço, sendo que a operação deverá ser anunciada oficialmente até esta quinta-feira.

A vendedora foi assessorada pelo Bradesco e o comprador pelo Santander. O Grupo Edson Queiroz ocupa hoje o sétimo lugar no ranking de águas minerais no País, segundo site da empresa.

Presidente da Abih nacional faz romaria pelo Nordeste divulgando a Conotel 2018

O presidente nacional da Associação Brasileira da Indústria de Hotéis, Manoel Cardoso Linhares, realiza verdadeira maratona pelo Nordeste. E

le divulga o 60º Congresso Nacional de Hotéis e a Equipotel Regional que ocorrerão no período de 16 a 18 de maio próximo, no Centro de Eventos.

Manuel Cardoso adianta que  o Conotel 2018 terá como tema “Brasil, crescimento do setor hoteleiro”. São estimados cerca de 4 mil participantes nos dois eventos na Capital cearense.

De onde vem a força do crime?

Eis a Coluna Política, do jornalista Érico Firmo, no O POVO desta quarta-feira, mais precisamente o tópico “De onde vem a força do crime”. Confira para boas reflexões:

A força das facções criminosas que atuam no Ceará não está necessariamente em sua organização. Na quinta-feira, por exemplo, ao realizar o primeiro da série de ataques, tentaram invadir agência dos Correios. Não conseguiram. Então, tentaram colocar fogo no prédio. De novo deu errado. Então, apenas deixaram algumas cartas por lá. Na madrugada do sábado, ao tentarem explodir a Secretaria da Justiça e Cidadania (Sejus), três envolvidos na ação foram mortos pela Polícia. Foram duas ações importantes, mas um tanto desastradas. Não são coisa de bandidos altamente organizados, com alto grau de preparação. Eles possuem armas de grande porte, equipamento pesado. Mas, também não é isso que dá poder a elas.

A força das facções está na quantidade de jovens recrutados. Eles podem perder muitas vidas, mas possuem pessoal para repor.

É uma terrível e trágica força. Apesar dos números recordes de homicídios, durante anos, os grupos criminosos estão ainda mais fortes. Apesar de muitas das vítimas serem jovens seduzidos pelas facções, que se matam numa guerra concentrada principalmente nas periferias.

Para fazer frente às facções, será necessário ser capaz de oferecer oportunidades a esses jovens capazes de disputar com o poder de atração dos grupos criminosos. Tem gente que acha que isso é “defesa de bandido”. Que esse pessoal optou pelo crime mesmo e que devem morrer ou ir para a cadeia. A questão para a qual não se atenta é que, ou se obstrui os canais de recrutamento dos criminosos, ou a violência não diminuirá.

A quantidade de mortes continuará avassaladora, os crimes seguirão sem conhecer fronteira, atingindo inclusive a classe média. Criar oportunidades para evitar a entrada de adolescentes no mundo do crime não é benevolência, diletantismo, nada disso. É o único caminho. Não é fácil nem rápido.

Porque o contingente policial tem crescido. O secretário ameaça, no estilo “Justiça ou cemitério”. Nunca houve tanta gente presa. Nunca a Polícia matou tanto. Nunca morreram tantos detentos. O Moroni Torgan, que sempre prometeu resolver a situação da violência, está há anos enfronhado com os governos e é o homem da segurança dentro da Prefeitura. Resolveu? Parece estar a caminho de resolver?

Sergio Moro elogia lei de Tasso Jereissati

5874 1

Na entrevista ao Roda Viva (TV Cultura), na última segunda-feira, o juiz federal Sérgio Moro – o homem dos processos da Lava Jato, elogiou a Lei das Estatais, que veda uso dos órgãos federais com nomeações políticas.

“A lei é tão boa que deveria se estender à gestão federal”, disse.

O autor dessa lei é o senador Tasso Jereissati (PSDB).

(Foto -Agência Senado)

 

Maluf é internado em hospital de Brasília

O deputado federal afastado Paulo Maluf (PP-SP) foi internado em um hospital particular da Asa Sul, em Brasília, por volta da 0h desta quarta-feira (28). A informação é do Portal G1.

O Hospital Home confirmou a internação do deputado, mas não informou o motivo nem o estado de saúde dele até as 9h desta quarta.

Segundo os advogados de Maluf, o deputado tem problemas cardíacos e ortopédicos, além de câncer de próstata e diabetes. Ao STF, a defesa pediu a prisão domiciliar alegando “questões humanitárias e riscos à saúde”.

Maluf está preso na Complexo Penitenciário da Papuda desde 22 de dezembro, depois de decisão do ministro Edson Fachin, do Supremo Tribunal Federal (STF), que determinou o cumprimento imediato da pena de 7 anos e 9 meses de prisão a que ele foi condenado por lavagem de dinheiro no período em que foi prefeito de São Paulo (SP) – entre 1993 e 1996.

Violência política

386 1

Com o título “Violência política”, eis o Editorial do O POVO desta quarta-feira. Lamenta atos de violência contra a caravana do ex-presidente Lula, pelo Sul do Pais, em plena democracia. Confira:

Como se não bastasse o clima de insegurança que se espalha pelo País por conta do crime organizado, uma nova preocupação invade – de forma inusitada – o cenário nacional: a violência política. Os confrontos físicos entre forças políticas adversárias, ao invés do debate democrático das ideias, têm-se intensificado nos últimos dias, nos estados do Sul do País – Rio Grande do Sul, Santa Catarina e Paraná. A gravidade é que o País está às vésperas de uma eleição presidencial e de renovação do Congresso Nacional e isso pode prenunciar um tipo de disputa inaceitável. Se tal acontecesse, significaria um retrocesso inimaginável ao tempo da República Velha (antes de 1930) quando a vida política se desenvolvia ao sabor do mandonismo político dos esquemas de poder regionais, fazendo mossa ao ordenamento jurídico constitucional.

A causa de tanto passionalismo residiria no inconformismo de segmentos da sociedade local com a realização de uma caravana do ex-presidente Luís Inácio da Silva aos estados sulistas, a exemplo do que ele no Nordeste e Sudeste (aliás, uma prática repetida desde os finais dos anos 1980). Os segmentos contrariados têm todo o direito de protestar e manifestar claramente sua oposição ao ideário político, as propostas e projetos encampados pelas forças promotoras da caravana, e até denunciá-las como incompatíveis com sua visão de mundo. Afinal, vivemos sob um ordenamento jurídico fundado no pluralismo. O direito de livre manifestação é sagrado. Só que deve ser expresso dentro dos limites preconizados pela Constituição: pacificamente. As formas são várias: manifestações de rua (respeitados os espaços reservados para cada grupo político), faixas, cartazes, passeatas, caravanas, denúncias e todos os meios que preservem a integridade física e a dignidade humana do outro.

Infelizmente, não é isso que tem acontecido. A violência física tem alcançado graus inimagináveis, fugindo ao padrão histórico da prática política brasileira. O direito de ir e vir foi bloqueado, assim como a liberdade de manifestação. Vídeos e fotografias de milícias armadas e agressões graves, o uso de pedras, chicotes, armas de fogo e armas brancas foram registrados. E o inconcebível: pôs-se em perigo a vida de dois ex-presidentes quando o ônibus em que viajavam teve o para-brisa coberto por ovos e pedradas, fazendo o motorista quase perder o controle do veículo e causar uma tragédia. Seja quem for o alvo isso não é concebível numa democracia. É hora de cumprir a Constituição para que tenhamos uma campanha civilizada e pacífica. O de que menos o Brasil precisa é de mais um ingrediente de selvageria: a violência política.

TJ do Ceará recebe até esta quarta-feira pagamento das taxa de inscrição do concurso para juiz

O presidente do Tribunal de Justiça do Ceará, desembargador Gladyson Pontes, determinou a reabertura do prazo para pagamento da taxa de inscrição preliminar do concurso público de juiz substituto estadual, que deverá ser feito até esta quarta-feira (28/03). O boleto bancário estará disponível a partir das 10 horas do mesmo dia, informa a assessoria de imprensa do TJCE..

Os candidatos têm até a quinta (29) para realizar a entrega da documentação, das 8 às 12 horas e das 13 às 17 horas, no Instituto Municipal de Desenvolvimento de Recursos Humanos (Imparh), localizado na avenida João Pessoa, 5690, bairro Damas, em Fortaleza.

A medida foi adotada em decorrência da queda de energia elétrica registrada no dia 21 de março, que afetou 14 estados do Norte e Nordeste do Brasil, incluindo o Ceará. A data coincidiu com o prazo previamente estabelecido para o pagamento da taxa de inscrição. A reabertura consta no Edital nº 5/2018, publicado no Diário da Justiça dessa segunda-feira (26/03). Para conferir o Edital completo do concurso, basta clicar aqui.

Concurso

São ofertadas 50 vagas, sendo duas reservadas a pessoas com deficiência e dez para candidatos negros. Para concorrer, é preciso ter idade mínima de 21 anos e máxima de 65 anos até a data da posse, além de ser bacharel em Direito com, no mínimo, três anos de prática jurídica.

O concurso está sendo executado pelo Centro Brasileiro de Pesquisa em Avaliação e Seleção e de Promoção de Eventos (Cebraspe) e será composto das seguintes etapas: prova objetiva; discursiva e prática de sentença; inscrição definitiva e sindicância da vida pregressa e investigação social, exame de sanidade física e mental e exame psicotécnico; prova oral e avaliação de títulos. O primeiro teste ocorrerá em data provável de 6 de maio. As avaliações serão aplicadas em Fortaleza.

Eduardo Guardia é o nome que amadurece para a Fazenda

No Palácio do Planalto, não restam mais dúvidas: Eduardo Guardia, o número 2 da Fazenda, será mesmo o sucessor de Henrique Meirelles. É o que informa o jornalista Lauro Jardim, colunista do O Globo.

O anúncio oficial, contudo, só deve ser feito na semana que vem. A chiadeira de alguns políticos fisiológicos não passa disso: chiadeira sem consequências.

Assembleia Legislativa promove seminário sobre Fake News

A Coordenadoria de Comunicação Social da Assembleia Legislativa vai promover, a partir das 14 horas da próxima segunda-feira, no Auditório Murilo Aguiar, o seminário “Os desafios da comunicação frente ao fenômeno fake news e o uso consciente das mídias sociais”.  O evento tem como objetivo esclarecer servidores e sociedade sobre as implicações que podem ocorrer com quem curte ou compartilha uma notícia falsa.

Durante o seminário, de acordo com o chefe da Coordenadoria de Comunicação Social, jornalista Ilo Santiago Jr., será lançada uma campanha editorial e publicitária, a ser veiculada nos diversos órgãos que compõem o complexo de comunicação da Casa (rádio, TV, Agência de Notícias, mídias sociais, revista e jornal), para tratar do tema. “A campanha durará até o fim do ano e ganha mais importância ainda em ano de eleição, porque nessas ocasiões sabemos que o número de fake news tende a aumentar”, explica.

Programação

O seminário apresentará o painel “As fake news e o cenário atual do jornalismo”, mediado pelo assessor de imprensa do Ministério Público do Ceará (MP/CE), Reginaldo Aguiar. O tema será debatido pelo jornalista do Blog Verminosos por Futebol e do Tribuna do Ceará, Rafael Luís Azevedo; o jornalista do Sistema Verdes Mares de Comunicação, Roberto Maciel; o editor-executivo de Política do Jornal O POVO, Guálter George, e pelo presidente da Associação Cearense de Imprensa (ACI), Salomão de Castro.

Também será apresentado o painel “As consequências do mau uso das mídias sociais”, mediado pelo jornalista Inácio Aguiar, do Sistema Verdes Mares de Comunicação. Foram convidados como debatedores o promotor do Ministério Público do Ceará (MP/CE), Emanuel Girão; o professor e delegado do Departamento de Inteligência da Polícia Civil do Ceará, Julius Caesar Rocha Bernardo, o procurador geral da AL, Rodrigo Martiniano; e o presidente da Comissão de Direito e Tecnologia da Informação da Ordem dos Advogados do Brasil Secional Ceará (OAB-CE), Renato Torres de Abreu.

O evento conta ainda com a apresentação das mídias sociais da Assembleia Legislativa pelo chefe do Setor de Mídias Sociais da AL, Rafael Alves, e com a palestra “O uso das redes sociais como ferramenta de marketing pessoal”, ministrada pelo professor Serginho Aragão.

SERVIÇO

*O seminário é aberto ao público e o credenciamento será a partir das 13 horas, no local do evento.

(Foto – Sara Maia)

Vem Pra Rua convoca atos em todo o País para pedir a prisão de Lula

570 1

O Vem Pra Rua vai realizar, em todo o País, no próximo dia 3, um dia antes do Supremo Tribunal Federal decidir o futuro do ex-presidente Luís Inácio Lula da Silva, já condenado em segunda instância a 12 anos e um mês de prisão pelo Tribunal Regional Federa da 4ª Região. Até a manhã desta terça-feira (27), pelo menos 48 cidades de 14 Estados já tinham confirmado adesão aos protestos.

Com o slogan “Ou você vai, ou ele volta!”, o Vem Pra Rua espera mobilizar o restante dos estados brasileiros e a população “que defende a democracia, o combate à corrupção e uma justiça que seja imparcial e igual para todos “, diz em comunicado. Outros grupos aderiram aos atos do dia 3.

Ceará

Em Fortaleza, está acertado que haverá manifestação na data no local que, quando do pedido de impeachment de Dilma Rousseff, foi o point de protestos: a Praça Portugal, no bairro Aldeota.

 

Cantor Falcão está de volta à TV Ceará

2032 7

O cantor e bregastar Falcão estará de volta à telinha da TV Ceará, a partir de maio próximo, com seu programa Leruaite. Agora em abril, ele já entra nos estúdios para gravar os primeiros programas.

Falcão, que iniciou o projeto na TVC, passando depois para a TV Diário, segundo sua produção, estará retornando assim ao seu antigo aconchego.

(Foto -Divulgação)

 

Dias Toffoli libera para julgamento ação sobre restrição ao foro privilegiado

O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Dias Toffoli,liberou hoje (27) para julgamento o processo que trata da restrição ao foro privilegiado para deputados, senadores e ministros de Estado. Em novembro do ano passado, o ministro pediu vista do processo, e o julgamento foi interrompido. A partir de agora, cabe à presidente da Corte, ministra Cármen Lúcia, marcar a data para análise do caso no plenário do tribunal.

Antes da interrupção do julgamento, oito integrantes da Corte manifestaram-se a favor de algum tipo de restrição na competência da Corte Suprema para julgar crimes praticados por deputados e senadores. No entanto, há divergências sobre a situação dos processos que já estão em andamento.

De acordo com a maioria formada, deputados federais e senadores somente devem responder a processos no STF se o crime for praticado no exercício do mandato. No caso de delitos praticados antes do exercício do mandato, o parlamentar seria processado pela primeira instância da Justiça, como qualquer cidadão.

O voto condutor do julgamento foi proferido em junho do ano passado pelo relator, ministro Luís Roberto Barroso. De acordo com o ministro, os detentores de foro privilegiado, como deputados e senadores, somente devem responder a processos criminais no STF se os fatos imputados a eles ocorrerem durante o mandato.

O caso concreto que está sendo julgado envolve a restrição de foro do atual prefeito de Cabo Frio (RJ), o ex-deputado federal Marcos da Rocha Mendes. Ele chegou a ser empossado como suplente do deputado cassado Eduardo Cunha (MDB-RJ), mas renunciou ao mandato parlamentar para assumir o cargo no município. O prefeito responde a uma ação penal no STF por suposta compra de votos, mas, em função da posse no Executivo municipal, o ministro Barroso manifestou-se pelo retorno do processo à primeira instância da Justiça Eleitoral.

(Agência Brasil)

Raquel Dodge volta a denunciar Aécio Neves ao STF por corrupção e obstrução de justiça

A procuradora-geral da República, Raquel Dodge, voltou a denunciar o senador Aécio Neves (PSDB) por corrupção e obstrução de justiça, no processo que havia sido iniciado pelo ex-procurador Rodrigo Janot. Nesta terça-feira, 27, Dodge apresentou réplica aos argumentos da defesa do parlamentar e reiterou o pedido feito ao Supremo Tribunal Federal (STF) para que receba integralmente a denúncia contra ele. Na peça, são acusados também a irmã de Aécio, Andréa Neves da Cunha, o primo Frederico Pacheco de Medeiros, e o ex-assessor parlamentar do senador Zezé Perrela (MDB/MG), Mendherson Souza Lima.

Aécio Neves é acusado de solicitação e obtenção, junto ao empresário Joesley Batista, de uma propina no valor de R$ 2 milhões e por obstrução da Justiça, ao tentar atrapalhar o andamento da Operação Lava Jato. Quanto ao recebimento do dinheiro, que o senador alega ter se tratado de pedido de empréstimo pessoal, Dodge aponta que não há provas que apontem tratar-se de algo com esse caráter, a partir da análise da conversa entre Aécio e o empresário.

Para Dodge, a “vantagem indevida” fica clara “quando o senador afirma que a pessoa que iria receber as parcelas deveria ser alguém ‘que a gente mata antes de fazer delação’. Além disso, a forma como os valores foram entregues, em dinheiro, com utilização de artimanhas para dissimular o seu recebimento (inclusive com a parada do veículo que os transportou em local sem qualquer registro de câmeras, conforme detalhado pelas autoridades policiais em seus relatórios), “também demonstram a ilicitude da transação”.

A procuradora disse ainda que esse tipo de troca de favor não foi um ato isolado, mas uma prática do parlamentar na relação com Joesley, configurando crime contra a administração pública.

Obstrução

Consta no documento que os acusados tentaram de “diversas formas” obstruir as investigações, por meio de pressões sobre o governo e a Polícia Federal para escolher os delegados que conduziriam os inquéritos da Lava Jato, bem como ações vinculadas à atividade parlamentar. Nesse sentido, o texto cita a defesa pelo senador da aprovação do projeto de lei de abuso de autoridade (PLS 85/2017) e da anistia para crimes de caixa dois, no âmbito da tramitação das chamadas “10 medidas contra a corrupção”.

Obstrução

Conforme a procuradora-geral, os fatos ilustram,  “de forma indubitável, que a conduta do acusado, que procurou de todas as formas ao seu alcance livrar a si mesmo e a seus colegas das investigações, não cuidou de legítimo exercício da atividade parlamentar. Ao contrário, o senador vilipendiou de forma decisiva o escopo de um mandato eletivo e não poupou esforços para, valendo-se do cargo público, atingir seus objetivos espúrios”.

Na réplica aos argumentos da defesa, Dodge pede a rejeição das preliminares suscitadas pelos denunciados, como os supostos indícios de que o então procurador da República Marcelo Miller, com ciência e anuência da PGR, teria atuado na elaboração da colaboração premiada dos executivos da J&F com a procuradoria e a alegada ilicitude da gravação do diálogo mantido entre Joesley Batista e o senador, cujos fatos revelados e tornados públicos embasam a denúncia.

Raquel Dodge defendeu a validade da gravação, falou que não houve indução por parte dos colaboradores para que o senador cometesse crime de corrupção passiva, já que voluntariamente ele teria procurado Joesley, e aponta a validade dos acordos de colaboração questionados pelo acusado. Diante disso, ela pediu o recebimento integral da denúncia, com a citação dos acusados e o início da instrução processual penal.

A denúncia pede a condenação de Aécio Neves por obstrução de justiça e corrupção passiva, sendo que este crime é imputado também aos demais réus. Conforme a PGR, os irmãos Aécio e Andréa também devem ser condenados a reparar a União dos danos materiais no valor da propina de R$ 2 milhões. Já por corrupção, pede que paguem R$ 4 milhões, valor referente aos danos morais causados por eles.

 

(Agência Brasil)

Fachin diz que sua família tem recebido ameaças

Em entrevista ao jornalista Roberto D’Avila, o ministro Edson Fachin, relator da Lava Jato no STF, disse que sua família tem recebido ameaças.

“Uma das preocupações que tenho não é só com julgamento, mas também com segurança de membros de minha família. Tenho tratado desse tema e de ameaças que têm sido dirigidas a membros da minha família.”

O ministro contou que algumas providências que solicitou à presidente Cármen Lúcia e à Polícia Federal já estão sendo adotadas.

(O Antagonista)

Ministro do STF revoga inelegibilidade do ex-senador Demóstenes Torres

O ministro Dias Toffoli, do Supremo Tribunal Federal (STF), concedeu hoje (27) uma liminar (decisão provisória) em que permite ao ex-senador Demóstenes Torres concorrer ao Senado nas eleições deste ano. Demóstenes foi cassado em outubro de 2012 pelo plenário do Senado, sob a acusação de ter se colocado a serviço da organização criminosa supostamente comandada pelo empresário Carlos Cachoeira, conforme apontavam as investigações da Polícia Federal na Operação Monte Carlo.

Em abril do ano passado, entretanto, a Segunda Turma do STF, da qual Toffoli faz parte, concedeu um habeas corpus a Demóstenes e anulou escutas telefônicas que foram utilizadas para embasar o processo de cassação do parlamentar. Na ocasião, foi determinado também a reintegração do ex-senador ao Ministério Público de Goiás, no qual ingressou em 1987.

Com a decisão do habeas corpus, o ex-senador pediu neste ano que fosse restituído seu mandato, bem como que fosse afastada sua inelegibilidade. O relator, Dias Toffoli, não considerou plausível a volta dele ao cargo, mas diante da proximidade das eleições, deferiu o pedido para que ele concorra no pleito, antes que o mérito da questão seja julgado pela Segunda Turma.

Caixa fecha com lucro líquido de R$ 12,5 bilhões em 2017

A Caixa Econômica Federal registrou lucro líquido recorde de R$ 12,5 bilhões, em 2017. O crescimento em relação a 2016 chegou a 202,6%. O lucro líquido recorrente alcançou R$ 8,5 bilhões, aumento de 106,9% em 12 meses. Segundo o banco, houve redução nas despesas com Provisão para Devedores Duvidosos (PDD) em 4,2% e crescimento nas receitas com prestação de serviços em 11,5%, totalizando R$ 25,0 bilhões.

O presidente da Caixa, Gilberto Occhi, considera que o resultado excelente é consequência da melhor alocação de capital em todas as operações do banco, além do fortalecimento da gestão do risco dentro da empresa. O índice de inadimplência encerrou o ano com redução de 0,6 ponto percentual em 12 meses, alcançando 2,25%, abaixo da média de mercado (de 3,25%).

“A nossa estratégia neste ano de 2017 foi trazer sempre uma melhoria, o fortalecimento da nossa governança, melhoria da eficiência, assegurando a rentabilidade, por mais que tenhamos mantido nossa carteira de crédito com ligeira queda”, disse Occhi.

Ao final de 2017, a carteira de crédito da Caixa alcançou saldo de R$ 706,3 bilhões, apresentando leve redução de 0,4% em 12 meses, e manutenção da participação de mercado em 22,4%, a maior carteira entre as instituições brasileiras. “Esse desempenho ocorreu devido à retração de 15,3% na carteira comercial e foi compensado pelo crescimento de 6,3% das operações de habitação e 5,2% das operações de saneamento e infraestrutura. Essas evoluções estão em linha com o Plano de Capital da Empresa”, disse o banco.

(Agência Brasil)

Flávio Rocha ingressa no PRB sonhando com a presidência da República

O empresário Flávio Rocha, dono da Riachuelo, filiou-se nesta terça-feira, ao PRB, partido ligado à Igreja Universal, para tentar viabilizar uma candidatura pelo partido à Presidência da República. A informação é da Exame.

A decisão foi tomada por ele, após reunião com dirigentes e deputados federais da legenda em Brasília. Rocha, que era filiado ao PR.

A filiação é mais um sinal de dispersão da atual base de apoio do presidente Michel Temer (MDB), que na semana passada admitiu em entrevista que pretende concorrer à reeleição em outubro.

Rocha já vinha conversando com o PRB desde o ano passado. No último sábado, 24, ele se reuniu com o líder da legenda na Câmara dos Deputados, Celso Russomano (SP), para fechar os detalhes finais da negociação. O encontro aconteceu na casa do empresário, na capital paulista. Faltava apenas o encontro de hoje para que pudesse bater o martelo.

DETALHE – O presidente regional do PRB, deputado federal Ronaldo Martins, comemora. Ele disse para o Blog que Flávio entra na legenda já na condição de presidenciável. “O Flávio representa o novo. É um empresário arrojado e de propostas para o Brasil”, destacou o parlamentar cearense. Bom destacar, no entanto, que Flávio já foi deputado federal no passado.