Blog do Eliomar

Categorias para Brasil

Prefeito entrega o Centro Cultural Belchior e comenta fala de Michel Temer

O prefeito de Fortaleza, Roberto Cláudio (PDT), inaugurou, nesta noite de quinta-feira, na Praia de Iracema, o Centro Cultural Belchior. O ato conta com a presença de José Nilson, irmão do artista que morreu, no último dia 30 de abril, em Santa Cruz do Sul (RS) e foi sepultado em Fortaleza.

No ato, o prefeito destacou o legado de Belchior, destacando que o equipamento era uma homenagem da cidade que acolheu um dos maiores compositores do País.

O Centro Cultural Belchior, construído em um dos principais cartões postais da cidade, possui aproximadamente 850m², divididos entre um auditório, salas e galerias para exposição, biblioteca, café, sala de reunião, administração, banheiros – sendo feminino, masculino e para pessoas com mobilidade reduzida – e plataforma elevatória para cadeirantes, além de área de uso comum, no pavimento superior, de onde é possível contemplar o mar.

Estiveram também na solenidade o secretário municipal da Cultura, Evaldo Lima, o presidente da Câmara Municipal, Salmito Filho, o secretário municipal de Turismo, Alexandre Pereira, o secretário municipal do Desenvolvimento Social e Combate à Fome, Elpídio Nogueira, o superintendente estadual do Sebrae, Joaquim Cartaxo, vereadores e o deputado federal Odorico Monteiro (Pros).

Sobre Temer

Indagado sobre o pronunciamento de Michel Temer, acusado de dar aval para a compra do silêncio do ex-deputado federal Eduardo Cunha, segundo delação dos donos da JBS, o prefeito assim se manifestou, ao falar para O POVO Online:

“Frágil a situação do presidente. Frágil pela minúscula base de apoio popular, pela fragilidade política que ele passará a ter em sua base de apoio e pela gravíssima denúncia que foi apresentada. Tudo isso coloca o presidente em situação de enorme fragilidade. E o que é mais sério, a nossa democracia, economia e nosso povo em urgência de gravidade”.

SERVIÇO

Centro Cultural Belchior – Rua dos Pacajus, 123 – Praia de Iracema.

(Foto – Divulgação)

Banco Central trabalha para manter funcionalidade do mercado, diz Ilan Goldfajn

O presidente do Banco Central (BC), Ilan Goldfajn, disse hoje (18) que a autoridade monetária está trabalhando para manter a funcionalidade do mercado. Goldfajn chegou no final da tarde ao Ministério da Fazenda para uma reunião com o ministro Henrique Meirelles.

“Estamos fazendo nosso papel de manter a funcionalidade do mercado trabalhando de forma serena, de forma firme, usando os instrumentos que a gente tem. Nós estivemos intervindo no mercado de swaps [leilão de dólares] em coordenação com o Ministério da Fazenda e o Tesouro Nacional, que anunciou alguns leilões. Estamos trabalhando para atravessar esse período”, disse.

O presidente do BC não quis comentar possíveis efeitos da atual crise política sobre a Selic, taxa básica de juros da economia, atualmente em um ciclo de queda e que caiu um ponto percentual, para 11,25%, na última reunião do Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central em abril.

“A questão que estamos trabalhando hoje não tem relação mecânica e direta com a política monetária. A política monetária é uma decisão que será tomada nas reuniões ordinárias do Copom, baseada nos objetivos tradicionais do comitê”, disse Goldfajn. A próxima reunião do comitê ocorre em 30 e 31 de maio.

Ontem (17), antes de uma reportagem de O Globo antecipar a divulgação de parte do conteúdo da delação dos empresários Joesley Batista e Wesley Batista, donos do grupo JBS, dar início a uma crise política envolvendo o presidente da República, Michel Temer, e o senador tucano Aécio Neves (PSDB-MG), Goldfajn chegou a sinalizar que o Copom poderia intensificar o ritmo de redução dos juros.

O encontro com Goldfajn não estava na agenda de Meirelles, divulgada por volta das 20h de ontem (17) e foi incluído no fim da manhã de hoje (18), substituindo uma reunião com o senador Cássio Cunha Lima (PSDB-PB), que foi desmarcada.

(Agência Brasil)

Fortaleza tem manifestação contra permanência de Temer

146 1

No meio da tarde a concentração ocorria na Praça da Faculdade de Direito da UFC.

Terminou, agora há pouco, a manifestação organizada por centrais sindicais, Frente Brasil Popular e Movimento Povo Sem Medo contra o presidente Michel Temer. O grupo saiu em passeata da Praça Clóvis Beviláqua (Centro) e percorreu vias até a Avenida 13 de Maio com a Avenida da Universidade, onde houve novo protesto. O trânsito ficou complicado na área.

Manifestantes levaram cartazes e faixas pedindo “Diretas Já” e “Fora Temer”. A Polícia Militar acompanhou, mas não fez projeção do número de participantes. Já a organização da passeata calculou cerca de três mil pessoas no ato.

Temer foi citado na delação dos donos da JBS como quem deu aval para que eles comprassem o silêncio do ex-deputado federal Eduardo Cunha na Lava Jato.  Nesta tarde de quinta-feira, o presidente, em pronunciamento à Nação, negou e avisou: não vai renunciar.

(Fotos – Divulgação)

The Economist vê consequências incalculáveis para Temer

A revista britânica “The Economist” publicou uma reportagem em que classifica como incalculável o estrago provocado pela delação de Joesley Batista. Segundo a revista, o impacto na economia será imediato, já que as reformas serão atrasadas, ou, até mesmo, canceladas por tempo indeterminado.

“Sua aprovação, já abaixo de 20%, certamente irá cair ainda mais. A menos que Temer consiga limpar seu nome rapidamente, a atmosfera política irá se tornar mais tóxica. As revelações terão consequências incalculáveis. E os impactos certamente não serão positivos”.

(Veja Online)

Banco Central apresentará Relatório Regional em Fortaleza

Nesta sexta-feira, às 9h30min, ​o Banco Central vai apresentar, em sua sede em Fortaleza, o Boletim Regional. Trata-se de publicação trimestral cujo objetivo é trazer uma visão das regiões do país a partir de dados e indicadores econômicos.

Na ocasião, o chefe do Departamento Econômico, Tulio Maciel, e o coordenador da Gerência Técnica de Estudos Econômicos em Fortaleza, Afonso Eduardo Jucá, analisarão o conjunto de informações sobre as diversas regiões, com ênfase na Região Nordeste e no estado do Ceará.

A apresentação será dirigida aos representantes do setor público e privado, aberta à imprensa e seguida de entrevista coletiva.

SERVIÇO

*O Boletim Regional poderá ser acessado na página do BC na internet, a partir das 9 horas.

*Banco Central em Fortaleza (CE) – Avenida Heráclito Graça, 273, Centro.

Ministro da Cultura pede demissão após Temer não renunciar

O ministro da Cultura e presidente do PPS, Roberto Freire, pediu demissão. Ele entregará uma carta ao presidente Michel Temer no fim da tarde desta quinta-feira. Mais cedo, Freire havia defendido eleições indiretas caso o governo não tivesse “condições de governar”.

— Quem tem que decidir é o Congresso. Se o governo não tiver condições de governar, tem que entregar ao Congresso. É o que diz a Constituição Federal — declarou ao GLOBO Roberto Freire.

O ministro da Defesa, Raul Jungmann, também é da sigla, mas ainda não anunciou exoneração.

Freire havia dito também que as denúncias a Temer são “graves” e pediu uma “solução o mais rápido possível”. Se saísse, disse o chefe da Cultura, isso seria feito com “tranquilidade”.

(GLobo)

“Não renunciarei!”, diz Temer em pronunciamento à Nação

174 1

“Não renunciarei!”, disse o presidente Michel Temer, em pronunciamento, neste fim de tarde de quinta-feira, no Palácio do Planalto, em Brasília. Ele garantiu ser inocente e nada temer com o inquérito aberto no Supremo Tribunal Federal.

Ele fez um pronunciamento motivado pela delação premiada dos empresários Joesley e Wesley Batista, donos da JBS. As delações já foram homologadas pelo Supremo Tribunal Federal.

“No Supremo, mostrarei que não tenho nenhum envolvimento com esses fatos. Não renunciarei, sei o que fiz e sei a correção dos meus atos. Exijo investigação plena para o esclarecimento ao povo brasileiro”.

Reportagem publicada no site do jornal “O Globo” nesta quarta (17) informou que Joesley entregou ao Ministério Público gravação de conversa na qual ele e Temer conversaram sobre a compra do silêncio do deputado cassado Eduardo Cunha (PMDB-RJ), preso na Operação Lava Jato.

Denúncias da JBS expõem o fim da política no Brasil, diz Rosa da Fonseca

Para a ex-vereadora de Fortaleza e militante do Crítica Radical, Rosa da Fonseca, a bomba que donos da JBS explodiram sobre Temer e Aécio Neves não lhe surpreende.

Ela afirma que, com seu grupo, há anos vem apregoando o fim da política e a necessidade de se repensar um modelo que faça a política ser voltada para as pessoas e não para interesses.

Rosa da Fonseca promete discorrer mais sobre o assunto nesta quinta-feira, a partir das 18 horas, no Espaço O POVO de Cultura & Arte, quando do lançamento do livro de Érico Firmo, jornalista e colunista de Política do O POVO.

Efeito JBS – Banco Central anuncia terceira intervenção no mercado de câmbio

O Banco Central (BC) anunciou hoje (18) a terceira intervenção no mercado de câmbio, por meio de leilão de swap cambial tradicional, que equivale à venda de dólares no mercado futuro e ajuda a segurar a alta ou forçar uma queda da moeda.

Criado em 2001, o swap cambial é uma ferramenta que permite ao Banco Central intervir no câmbio sem comprometer as reservas internacionais. O BC vende contratos de troca de rendimento no mercado futuro. Apesar de serem em reais, as operações são atreladas à variação do dólar.

O objetivo dessas operações é oferecer proteção cambial para as empresas em momentos de forte oscilação da cotação e liquidez (recursos disponíveis) no mercado. Por volta das 14h20min de hoje, o dólar comercial era negociado para venda a R$ 3,3670, com alta de 7,4%.

A Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa) chegou a paralisar as atividades no início do pregão desta quinta-feira. As operações foram suspensas por meia hora a partir do mecanismo do circuit breaker, que amortece movimentos bruscos do mercado.

A paralisação acontece sempre que o Ibovespa cai mais do que 10%. Na abertura desta manhã, índice da bolsa chegou aos -10,6%.

No início da tarde, a bolsa ainda operava em baixa de -9,18%. No entanto, uma nova interrupção, dessa vez de uma hora, só deve ocorrer se o pregão cair abaixo de 15%. O instrumento acionado hoje não era usado desde outubro de 2008. Em caso de uma terceira queda, ultrapassando os -20%, os negócios podem ser suspensos por tempo indeterminado, a critério da direção da bolsa.

(Agência Brasil)

Temer vai renunciar, diz jornalista Ricardo Noblat

Do Blog do Ricardo Noblat, no O Globo:

O presidente Michel Temer está pronto para anunciar sua renúncia ao cargo e deverá fazê-lo ainda hoje. Já conversou a respeito com alguns ministros de Estado e, pessoalmente, acompanha a redação do pronunciamento que informará o país a respeito.

Rodrigo Maia (PMDB-RJ), presidente da Câmara dos Deputados, já foi avisado sobre a decisão de Temer. Ele o substituirá como previsto na Constituição, convocando o Congresso para que eleja o novo presidente que governará o país até o final de 2018.

A Secretaria de Comunicação Social da presidência da República suspendeu a veiculação de peças de propaganda do governo que estavam no ar ou que poderiam ir ao ar.

Fachin autoriza abertura de inquérito para investigar Temer

O ministro Edson Fachin, relator da Operação Lava Jato no Supremo Tribunal Federal (STF), autorizou abertura de inquérito para investigar o presidente Michel Temer. O pedido de investigação foi feito pela Procuradoria-Geral da República (PGR). Com a decisão de Fachin, Temer passa formalmente à condição de investigado na Operação Lava Jato. Ainda não há detalhes sobre a decisão, que foi confirmado pela TV Globo.

O pedido de abertura de inquérito foi feito após um dos donos do grupo JBS, Joesley Batista, dizer em delação à Procuradoria-Geral da República (PGR) que, em março deste ano, gravou o presidente dando aval para comprar o silêncio do deputado cassado e ex-presidente da Câmara dos Deputados Eduardo Cunha (PMDB-RJ). A informação foi divulgada pelo jornal “O Globo”.

A delação de Joesley e de seu irmão, Wesley Batista, foi homologada por Fachin, informou o Supremo nesta quinta-feira.

Pela Constituição, o presidente da República só pode ser investigado por atos cometidos durante o exercício do mandato e com autorização do STF. Assim, o presidente poderá ser investigado porque os fatos narrados por Joesley Batista na delação teriam sido cometidos em março deste ano, quando Temer já ocupava a Presidência.

(Portal G1)

Temer deve fazer pronunciamento à Nação

O presidente Michel Temer fará um pronunciamento à |ação às 16 horas, segundo fontes disseram à reportagem da Agência Estado O horário, entretanto, ainda não foi confirmado oficialmente pelo Planalto.

Temer não conseguiu cumprir a extensa agenda que tinha se proposto para esta quinta-feira, na qual desejava aparentar “normalidade” após a denúncia de que teria dado aval para a compra do silêncio de Eduardo Cunha (PMDB-RJ) – e com os desdobramentos da Operação Patmos, com base na delação de Joesley Batista, da JBS.

O presidente avalia com seus auxiliares como vai responder às denúncias.

Carlos Sampaio deve assumir presidência do PSDB

A bancada federal do PSDB, reunida em Brasília, nesta quinta-feira, anunciou que defende o afastamento do senador Aécio Neves da presidência do partido e fechou questão em torno da indicação do deputado federal Carlos Sampaio (SP).

Avaliaram que é o melhor nome para substituir Aécio, que acabou alvo de denúncias feitas pelos donos das JBS relacionadas a um pedido de R$ 2 milhões para pagamento de honorários advocatícios em sua defesa na Lava Jato.

Outro nome que chegou a ser cogitado para o comando tucano foi o do do senador Tasso Jereissati.

Senador Randolfe Rodrigues dá entrada em pedido de impeachment de Michel Temer

O senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP) protocolou hoje (18), na presidência da Câmara dos Deputados, pedido de impeachment do presidente Michel Temer. Ao justificar o pedido, Randolfe citou reportagem do jornal O Globo que fala sobre o suposto envolvimento do presidente em um esquema de pagamento de mesada ao ex-presidente da Câmara Eduardo Cunha e ao doleiro Lúcio Funaro para que estes ficassem em silêncio.

A denúncia foi feita pelo dono do grupo JBS, Joesley Batista, em delação realizada no âmbito do processo da Lava Jato e divulgada ontem (17) no início da noite pelo O Globo. Segundo a reportagem, as informações estão registradas em áudio, que teria sido gravado pelo empresário durante encontro com Temer.

O pedido de impeachment feito por Randolfe é o terceiro registrado na Câmara desde a divulgação das denúncias. Ontem (17), o deputado Alessandro Molon (RJ), também da Rede, e o deputado JHC (PSB-AL) também protocolaram pedidos de impeachment do presidente Temer. Randolfe disse que seu pedido não prejudica os que foram feitos anteriormente, nem “futuros pedidos”.

Randolfe adiantou que deve se reunir na próxima semana com juristas para elaborar novo pedido de impedimento ao presidente. O senador, contudo, defende que Temer renuncie ao mandato. “Na verdade, seria melhor que o senhor Presidente da República poupasse a nação de mais um processo traumático [de impeachment] e renunciasse ao cargo.”

Eleições diretas

Além da renúncia de Temer, o senador sugere que seja aprovada a Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 225, que prevê eleições diretas em caso de vacância da Presidência da República. Pela Constituição atual, se o presidente da Republica renuncia ou é declarado impedido, o Congresso deve convocar eleições indiretas para eleger um presidente interino.

A oposição quer evitar a possibilidade de eleições indiretas e já se articula para acelerar a tramitação da PEC 225, que aguarda análise da Comissão de Constituição e Justiça e Cidadania (CCJ) da Câmara.

(Agência Brasil/Foto – Agência Senado)

Fachin homologa delação dos donos da JBS, mas mantém conteúdo sob sigilo

O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Edson Fachin, homologou hoje (18) a delação premiada dos irmãos Joesley Batista e Wesley Batista, donos do grupo JBS. A informação foi confirmada pela assessoria da Corte. As delações permanecem sob sigilo de Justiça. Os empresários firmaram o acordo com o Ministério Público Federal (MPF) no âmbito da Operação Lava Jato. Fachin é o relator da operação no STF.

No início da noite de ontem (17), o jornal O Globo publicou reportagem, segundo a qual, em encontro gravado, em áudio, pelo empresário Joesley Batista, o presidente Michel Temer teria sugerido que se mantivesse pagamento de mesada ao ex-presidente da Câmara, Eduardo Cunha, e ao doleiro Lúcio Funaro para que estes ficassem em silêncio. Cunha está preso em Curitiba.

De acordo com a reportagem, outra gravação feita por Batista diz que o presidente do PSDB, senador Aécio Neves (MG), teria pedido R$ 2 milhões ao empresário. O dinheiro teria sido entregue a um primo de Aécio. A entrega foi registrada em vídeo pela Polícia Federal. A PF rastreou o caminho do dinheiro e descobriu que o montante foi depositado numa empresa do senador Zezé Perrella (PMDB-MG).

Na manhã de hoje, a PF cumpriu mandados de busca e apreensão na casa e no gabinete do senador em Brasília e em endereços relacionados a ele no Rio de Janeiro. A irmã do parlamentar, Andrea Neves, foi presa em Nova Lima, na região metropolitana de Belo Horizonte.

Agentes cumpriram mandados também nos gabinetes do senador Zezé Perrella (PMDB-MG) e do deputado Rocha Loures (PMDB-PR).

(Agência Brasil)

Fachin nega pedido de prisão de Aécio Neves

O ministro Edson Fachin, relator da Lava Jato no Supremo Tribunal Federal (STF), negou nesta quinta-feira, 18, pedido da prisão de Aécio Neves (PSDB/MG) feito pela Procuradoria-Geral da República (PGR). Ao contrário do que vem sendo veiculado pela imprensa, no entanto, o ministro não decidiu levar o caso ao plenário do Supremo.

O pedido de prisão, no entanto, pode ir ao plenário caso o procurador-geral da República, Rodrigo Janot, decida recorrer da decisão de Fachin. Na manhã desta quinta-feira, 18, a assessoria de imprensa do STF convocou veículos de imprensa para esclarecer a questão.

Em sua decisão, Fachin rejeitou pedido de prisão mas afastou Aécio do mandato de senador. Ele pode ir ao Congresso, mas não pode participar de votações nem atuar como parlamentar. Além disso, o senador está impedido de deixar o País.

Delação homologada

Também nesta quinta-feira, o ministro Edson Fachin homologou os acordos de delação premiada dos irmãos Joesley e Wesley Batista, donos do grupo JBS. Entre as provas anexadas no acordo, está gravação onde Aécio pede R$ 2 milhões em propinas de Joesley.

(Com Agências)

Recebido por Temer, senador do Acre diz que presidente demonstrava tranquilidade

Primeiro parlamentar inscrito na agenda presidencial desta quinta-feira (18), o coordenador da bancada do Acre, senador Sérgio Petecão (PSD), disse que o presidente Michel Temer demonstrou tranquilidade durante a reunião desta manhã. “Ele falou muito em conspiração. Essa foi a palavra que ele mais usou, que há uma conspiração contra ele.”

“Ele [Temer] aparentou muita tranquilidade. Às 8 horas em ponto, ele me recebeu na porta. Abordou o susto [dizendo] ‘vocês viram esse episódio? Coisa chata’. Mas estava tranquilo”, afirmou o senador, em declaração à Rádio Nacional, da Empresa Brasil de Comunicação (EBC).

Segundo Petecão, o presidente disse ainda que está firme, que não vai cair. “Ele falou várias vezes: ‘não vou cair, vou ficar firme, firme’. Pediu as fitas, os áudios, falou também que vai fazer pronunciamento em rede nacional. Falou que vai ver os vídeos e os áudios.”

De acordo com o senador, Temer voltou a usar o termo “conspiração” para se referir às denúncias feitas contra o governo. “Acredita que é uma conspiração. Neste momento em que o governo começa a dar sinais [de retomada do crescimento], esse fato [as denúncias] prejudica o país. Todo mundo está preocupado”, afirmou o presidente, conforme relato de Petecão.

Na noite de ontem (17), o jornal O Globo publicou reportagem segundo a qual, em encontro gravado em áudio, pelo dono do grupo  JBS, o empresário Joesley Batista, Temer teria sugerido que se mantivesse o pagamento de uma mesada ao ex-presidente da Câmara Eduardo Cunha e ao doleiro Lúcio Funaro para que estes ficassem em silêncio. Conforme a reportagem, Batista firmou delação premiada com o Ministério Público Federal (MPF) e entregou gravações sobre as denúncias. Segundo o jornal, ontem ainda não estava confirmada a homologação da delação do empresário pelo Supremo Tribunal Federal.

(Agência Brasil)

Chico Lopes – É hora do povo ir às ruas pedir diretas já

“A situação de Temer, que já era mais do que complicada, porque ele nunca teve nem legitimidade pra exercer a presidência, nem apoio popular, sempre com menos de 10% nas pesquisas de avaliação, agora se complicou de vez”, afirma o deputado federal Chico Lopes (PCdoB), enfatizando que o momento é de ir às ruas, fortalecendo as grandes manifestações populares que já vinham acontecendo contra Temer e seus pacotes de maldades.

A reação de Chico Lopes ocorre depois que os donos da JBS citaram, em delação fechada com a Procuradoria-Geral da República, o presidente Temer numa gravação dando aval para a compra do silêncio do ex-presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), na Lava Jato, conforme denúncia do O Globo dessa noite de quarta-feira.

“O melhor seria a renúncia, para dar mais agilidade a essa mudança que o povo brasileiro exige. Mas, como é difícil esperar essa atitude de quem agiu sem nenhuma vergonha conspirando contra a presidenta democraticamente eleita, pode ser que o País ainda precise passar por mais momentos de crise aguda, como um processo penal ou uma votação de impeachment no Congresso”, acrescenta.

Para Lopes, é hora dos brasileiros irem às ruas e pedir eleições diretas já.

Prefeitura marca presença em Nova York no lançamento do Guia Global de Desenho Urbano

Michael Bloomberg, ex-prefeito de Nova York, e Patrícia Macedo.

Esta informação é do Site da Prefeitura de Fortaleza:

A Prefeitura de Fortaleza foi representada no lançamento do Guia Global de Desenho Urbano (Global Street Design Guide) realizado na última terça-feira (16), em Nova Iorque, pela secretária de Relações Internacionais e Federativas de Fortaleza, Patrícia Macêdo. O Guia Global de Desenho Urbano foi considerado como referência e um novo padrão para transformar ruas com o objetivo de garantir a segurança, priorizar os pedestres, o trânsito e a mobilidade sustentável. Ao citar Fortaleza, a publicação destaca as intervenções na infraestrutura e sistemas de compartilhamento de bicicletas, como exemplos para melhorar a segurança e o compartilhamento de espaço para o trânsito.

Durante o lançamento foi anunciado a liberação do documento em nível mundial, que já está disponível para download gratuitamente, permitindo que urbanistas, designers e profissionais de transporte em cidades ao redor do mundo possam implantar imediatamente projetos urbanos já consolidados. O documento também incluirá, em breve, traduções para espanhol, português, mandarim e outras línguas tornando o guia ainda mais acessível. A Global Designing Cities Initiative, uma divisão da Nacto (National Association of City Transportation Officials ou Associação Nacional de Agências Municipais de Trânsito, em tradução livre), assina o Guia Global de Desenho Urbano que foi viabilizado pela Iniciativa Bloomberg para Segurança Viária Global.

Segundo a secretária de Relações Internacionais e Federativas de Fortaleza, Patrícia Macêdo, participar do lançamento do Guia Global de Desenho Urbano onde o ex-
prefeito de Nova Iorque, Michael Bloomberg, lança o documento, confirma que “Fortaleza está no caminho certo ao desenvolver ações que priorizam o pedestre. A publicação é uma excelente ferramenta de estudos para estudantes e profissionais que planejam soluções para cidades e assim desenvolver ações vencedoras, como tem sido feito na administração do Prefeito Roberto Cláudio”.

Experiências como o sistema de bicicletas compartilhadas, o “Bicicletar”, hoje o que tem o maior uso por estação do Brasil, faixas elevadas para pedestres e o redesenho da Avenida Monsenhor Tabosa, um dos principais corredores comerciais de Fortaleza, estão entre os casos citados. Outro exemplo apontado pela publicação é a implantação da primeira área de trânsito calmo da cidade, em uma região de hospitais e escolas.