Blog do Eliomar

Categorias para Brasil

FPM – Terceiro repasse de janeiro será depositado nesta segunda-feira

O terceiro repasse do Fundo de Participação dos Municípios (FPM) será depositado na conta das prefeituras nesta segunda-feira (30). Em valores brutos, sem contar a retenção do Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação (Fundeb), o montante é de R$ 3,350 bilhões. Porém, com os descontos o valor do FPM é de R$ 2,680 bilhões.
A Confederação Nacional de Municípios (CNM) aponta um aumento de 8,16% no FPM do terceiro decêndio de janeiro, no comparativo com mesmo período do ano anterior. Os cálculos não consideram os efeitos da inflação, que se inclusa, reduz o percentual de crescimento para 3,05%.

O mês de janeiro fecha com um balanço de R$ 7,618 bilhões repassados aos Municípios brasileiros. Em 2015, a soma dos repasses no mesmo período chegou a R$ 7,206 bilhões. Como nota a entidade, o aumento de valores é um sinal positivo e indica uma melhora na perspectiva dos indicadores financeiros.
SERVIÇO

*Veja aqui  os valores do FPM para o seu Município.

Chico Lopes avisa: O PCdoB vai apoiar Rodrigo Maia

104 1

[embedyt] http://www.youtube.com/watch?v=CjsGNWM-OVw[/embedyt]

O PCdoB fechou apoio ao nome de Rodrigo Maia (DEM/RJ) para presidente da Câmara dos Deputados. A informação foi dada pelo deputado federal Chico Lopes, antes do seu embarque, nesta madrugada de segunda-feira, para a retomada das atividades legislativa em Brasília.

indagado se o PCdoB não se intimidaria em apoio um golpista, como alguns petistas chamam Rodrigo Maia, o parlamentar comunista lembrou que ele tem maioria para ser eleito.

“Nós não vamos ficar fora. Nós não temos candidato”, acentuou Lopes, reiterando, no entanto, que o partido, mesmo apoiando Maia para comandar o que definiu como “um condomínio político”, continuará na oposição ao governo Temer.

Cármen Lúcia homologa delação da Odebrecht e mantém o sigilo

ministra carmen lucia

A presidente do STF (Supremo Tribunal Federal), ministra Cármen Lúcia, homologou nesta segunda-feira (30) as 77 delações da construtora Odebrecht no âmbito da Operação Lava Jato. Em sua decisão, a ministra optou por manter o sigilo dos depoimentos prestados pelos executivos da empreiteira.

Na sexta-feira (27,) os juízes auxiliares da equipe do ministro Teori Zavascki, morto no dia 19, encerraram as audiências com os delatores. A homologação é a última etapa para que o acordo seja validado juridicamente.

A documentação deve seguir ainda hoje para a PGR (Procuradoria Geral da República) e o conteúdo dos depoimentos poderá ser utilizado em novos processos assim nos já existentes.

A delação da Odebrecht é considerada a mais explosiva da Lava Jato até o momento. Segundo o que já vazou para a imprensa até o momento, já foram mencionados os nomes do presidente Michel Temer (PMDB), dos ex-presidentes Dilma Rousseff (PT) e Luiz Inácio Lula da Silva (PT), do ministro das Relações Exteriores, José Serra (PSDB), do governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB), além de outros parlamentares. Todos negam irregularidades.

Como presidente da Corte, Cármen Lúcia é uma espécie de plantonista durante o recesso do Judiciário, que termina na quarta-feira (1º). Nessa condição, ela é responsável pelas medidas urgentes no tribunal durante o recesso e, por isso, tem legitimidade para tomar a decisão sozinha.

Essa prerrogativa foi reforçada pelo pedido de urgência protocolado pelo procurador-geral da República, Rodrigo Janot. Só após essa etapa, o Ministério Público Federal pode usar o material para iniciar investigações formais contra autoridades e políticos com foro citados pelos delatores.

Se a homologação ficasse para depois do dia 1º, com o reinício dos trabalhos, teria de esperar a definição do novo relator da Lava Jato.

Com a homologação, Cármen Lúcia ganha tempo para a definição do critério de escolha do substituto de Teori na relatoria da Lava Jato no Supremo.

(Portal Uol)

Câmara e Senado vão eleger seus presidentes

Depois de mais de um mês de recesso, deputados e senadores retomam os trabalhos legislativos nesta semana. Oficialmente, a volta das atividades do Parlamento ocorre na quinta-feira (2), a partir das 16h, com a sessão solene do Congresso Nacional, que deverá contar com a presença do presidente da República, Michel Temer, e da presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Carmem Lúcia.

Ministros do governo e dos tribunais superiores, embaixadores estrangeiros e outras autoridades também estão entre os convidados da sessão solene.

Na ocasião, Temer deverá ler sua Mensagem Presidencial ao Congresso, na qual abordará as realizações do governo e propostas para este ano, além de falar de alguns cenários do país para 2017 e de pedir apoio do Congresso para ações do Executivo. Tradicionalmente, a mensagem é lida pelo secretário da Mesa Diretora do Congresso Nacional, mas na abertura dos trabalhos legislativos do ano passado, a então presidente Dilma Rousseff fez questão de ler a mensagem no plenário da Câmara. Na época, Dilma foi aplaudida e vaiada durante seu discurso.

Eleição da Mesa

Antes da abertura oficial dos trabalhos do Legislativo, Senado e Câmara irão escolher seus novos presidentes e demais integrantes da Mesa Diretora.

No Senado, a eleição ocorrerá na quarta-feira (1º). A tradição determina que os partidos indiquem nomes para ocupar esses cargos de acordo com a proporção de senadores que possuem em atividade. Assim, cabe ao PMDB, dono da maior bancada, indicar o novo presidente do Senado. O senador Eunício Oliveira (CE) é o nome escolhido pelo partido e conta tem o apoio da maior parte das legendas.

Senador Eunício de Oliveira
Senador Eunício de Oliveira (PMDB-CE) deve ser eleito novo presidente do Senado Arquivo/Agência Brasil

No entanto, na última semana, o senador José Medeiros (PSD-MT), lançou candidatura para concorrer à vaga. Apesar de não ter o apoio oficial de seu partido, o senador acredita que “há espaço” para a disputa. “Alguns senadores esperavam que o próprio PMDB lançasse um segundo nome. Como isso não foi feito, eu decidi colocar o meu”, explicou.

Medeiros, no entanto, nega que haja uma ruptura ou racha no Senado – seu partido compõe a base de apoio ao governo Temer, que é do PMDB. “No que depender de mim será mais uma disputa de esgrima do que uma luta de MMA”, comparou.

As negociações entre os partidos também envolvem as indicações para os demais cargos da Mesa Diretora do Senado. Como alcançou o posto de segunda maior bancada da Casa, caberá ao PSDB ocupar a primeira vice-presidência ou a primeira secretaria, deixando a segunda opção para o PT.

Atualmente, a primeira vice-presidência é ocupada pelo petista Jorge Viana (AC) e há negociações em curso para que ele seja mantido nocargo.

Disputa na Câmara

Na Câmara, a quarta-feira será um dia de negociações para a eleição que vai ocorrer na quinta pela manhã, a partir das 9h.  Em votação secreta, serão eleitos o presidente, dois vices, quatro secretários e quatro suplentes. O cargo de presidente da Câmara é o primeiro na linha sucessória da Presidência da República.

Oficialmente, estão na disputa à presidência da Câmara os deputados Jovair Arantes (PTB-GO), André Figueiredo (PDT-CE) e Rogério Rosso (PSD-DF), que na semana passada anunciou a suspensão da campanha até a definição sobre a possível candidatura do atual presidente da Casa, deputado Rodrigo Maia (DEM-RJ).

Brasília - Presidente da Câmara, Rodrigo Maia, durante sessão plenária para analisar e votar o projeto sobre a renegociação da dívida dos estados com o governo federal (Marcelo Camargo/Agência Brasil)
A candidatura do atual presidente da Câmara, Rodrigo Maia, ainda está indefinidaMarcelo Camargo/Agência Brasil

Maia, que ainda não anunciou oficialmente que será candidato, tem percorrido o Brasil para encontros com governadores e bancadas partidárias em busca de apoio a uma provável candidatura. A candidatura de Maia já foi questionada no STF, que ainda não se posicionou se ele poderá ou não disputar o posto.

Os demais cargos da Mesa da Câmara serão preenchidos de acordo com a regra da proporcionalidade dos blocos partidários, a serem formados na quarta-feira, e das bancadas de deputados.

Os cargos das mesas diretoras da Câmara e do Senado têm mandato de dois anos. Os escolhidos esta semana vão comandar o Parlamento até o fim desta legislatura, que termina em 31 de janeiro de  2018.

(Agência Brasil)

Camilo tenta apoio da Caixa para o Centro de Formação Olímpica

FORTALEZA, CE, BRASIL, 17-12-2015: Camilo Santana, governador do estado do Ceará. Camilo Santana, governador do estado do Ceará, visita sede do jornal O POVO. (Foto: Rodrigo Carvalho /O POVO)

O governador Camilo Santana (PT) cumprirá agenda em Brasília, nesta segunda-feira. Ele terá audiência na Caixa Econômica Federal.

Camilo vai pedir o patrocínio da Caixa para fazer o Centro de Formação Olímpica (CFO) – projeto que custou cerca de R$ 250 milhões, cumprir sua missão: formar atletas olímpicos.

O governo do Estado quer também sensibilizar o Comitê Olímpico Brasileiro (COB) a adotar o CFO.

 

Eike Batista já está a caminho do Brasil: “Estou à disposição da Justiça”

eike-batista-e-fotografado-em-aeroporto-de-nova-york-1485737881773_300x420

O empresário Eike Batista confirmou que vai se entregar à Justiça brasileira quando chegar ao Brasil nesta segunda-feira (30). A declaração foi dada em entrevista no aeroporto John F. Kennedy, em Nova York, ao Fantástico, da TV Globo, pouco antes de embarcar para o Rio de Janeiro. O voo, programado para decolar à 0h45, deve chegar ao Brasil por volta das 10h30.

“Vou responder à Justiça como é meu dever. Está na hora de eu mostrar o que é e ajudar a passar as coisas a limpo”, disse. Questionado, Eike afirmou que “nunca passou por sua cabeça” seguir para a Alemanha, país do qual também tem cidadania e do qual, portanto, não poderia ser extraditado para o Brasil.

O empresário será detido assim que pisar no Brasil, já que teve a prisão decretada na quinta-feira (26), no âmbito da Operação Eficiência, desdobramento da Lava Jato. A investigação apura esquema usado pelo ex-governador do Rio Sérgio Cabral Filho (PMDB) e outros investigados para ocultar mais de US$ 100 milhões remetidos ao exterior. Desse valor, repassado em ações da Vale, da Petrobras e da Ambev, apenas 10% já foi recuperado pelo Ministério Público Federal.

(Com Estadão Conteúdo)

Odebrecht recebeu novo pedido de propina na Transpetro

alx_marcelo_odebrecht-20150901-12_original3

Marcelo Odebrecht, o controlador da empreiteira, está preso pela Lva Jato.

É assustador pensar que, mesmo depois do que aconteceu com a Odebrecht e do destino de Sergio Machado, ex-presidente da Transpetro, velhos hábitos continuem a se repetir. Pois ainda se repetem.

Em dezembro, a Odebrecht registrou na ouvidoria da da estatal uma denúncia de tentativa de extorsão. Um fiscal da empresa pediu 300 000 reais para não aplicar uma multa de 2 milhões de reais. Seguindo as novas normas de compliance, a empreiteira não pagou. O caso também está na Justiça.

Será que tem gente que ainda não aprendeu a lição?

(Coluna Radar, da Veja Online)

Pacote de cortes do Governo Camilo ameaça o SINE/IDT

Eis artigo intitulado “Em defesa das políticas públicas do trabalho do SINE/IDT”, de João Bosco Sampaio, economista e analista do Mercado de Trabalho do Instituto de Desenvolvimento do Trabalho (IDT). Ele apregoa contra o esvaziamento do órgão. Confira:

O Governo do Estado lançou, em dezembro de 2016, o “Plano de Sustentabilidade para o Desenvolvimento do Estado do Ceará”, conjunto de medidas que visam compensar perdas de receitas provocadas pela crise fiscal que afeta a União e as unidades federadas, além de preservar e ampliar a capacidade de investimento do Estado. Cumpre destacar que, em 2016, o Ceará alcançou o 3º lugar no ranking dos estados que mais investem (em termos nominais), e o 1º, proporcionalmente à receita corrente líquida. O pacote contempla: redução das despesas de custeio, aumento da contribuição previdenciária e da alíquota do ICMS, um programa de concessões de empresas públicas e a definição de limites para as despesas primárias do Estado, por dez anos, dentre outras medidas.

No tocante à redução do custeio, fixou-se um corte de 15% nos recursos orçados para as políticas públicas executadas por organizações sociais parceiras do Estado. Essa medida atingiu sobremaneira o Instituto de Desenvolvimento do Trabalho (IDT), executor das políticas do trabalho, desde 1998, mormente as ações do Sine – intermediação de mão de obra, habilitação ao seguro-desemprego, qualificação profissional, pesquisa de emprego e outras, coordenadas pela Secretaria do Trabalho e Desenvolvimento Social. A primeira consequência do corte anunciado foi a suspensão da Pesquisa de Emprego e Desemprego, na Região Metropolitana de Fortaleza, rompendo uma série histórica de indicadores do mercado de trabalho local, iniciada em 1984.

Agora, projeta-se o anúncio iminente de demissões em massa no órgão (estima-se entre 80 e 100 demitidos), o fechamento de Unidades (entre 6 e 8) e a queda do volume de serviços prestados à comunidade (em torno de 200 mil), contrastando com o cenário de elevação do desemprego e da procura por trabalho nessa rede de atendimento. Ante a gravidade do quadro que se delineia os trabalhadores do Sine/IDT resistem, com o apoio crescente de importantes setores da sociedade e da opinião pública, à política de desmonte do órgão.

Ademais, apelam ao governador para que o interesse público se sobreponha à frieza dos cortes sistemáticos de recursos destinados às ações da área trabalho, pondo em risco a sobrevivência de uma instituição reconhecida como referência para o sistema público de emprego do País, com atuação em todo o Estado, que em 18 anos de atividade (completados em 2016) colocou 1.220.410 pessoas no mercado laboral, habilitou 2.743.776 trabalhadores ao seguro-desemprego e contabilizou 11.475.130 atendimentos às suas clientelas. É hora de fortalecer e não de esvaziar a política pública do trabalho e seus instrumentos de afirmação.

*João Bosco Sampaio
boscosampaio@gmail.com
Economista e analista do Mercado de Trabalho do Instituto de Desenvolvimento do Trabalho (IDT)

Ciro Gomes – Paralisação das obras da transposição do rio São Francisco é um crime

531 2

ciror

O ex-ministro e ex-governador Ciro Gomes afirmou, nesta noite de sábado, que a paralisação das obras da transposição das águas do Rio São Francisco é um “crime”. A afirmação foi feita durante palestra que fez no encerramento do Seminário Internacional de Políticas Públicas Inovadoras para Cidades, uma promoção da Prefeitura de Fortaleza que acontece desde a última quinta-feira, no Marina Park Hotel.

Ciro que, como ministro da Integração Nacional no Governo Lula, negociou o início da obra da transposição, disse que o projeto é viável e mais do que prioridade para estados como o Ceará, hoje experimentando seca prolongada e grave.

Já o Ministério da Integração Nacional prometeu para fevereiro lançar nova licitação para a retomada das obras. O ministro Helder Barbalho fez previsão de que o projeto deve ficar pronto até dezembro deste ano. O Eixo Norte, que deve beneficiar o Ceará, Rio Grande do Norte, Paraíba e Pernambuco, paralisou várias vezes e tem cronograma atrasado.

Sobre as perspectivas para os municípios brasileiros nos próximos quatro anos, em clima de Governo Temer, o ex-ministro afirmou que só existe uma saída: “Fazer o que o prefeito Roberto Claudio (PDT) está fazendo, que é chamar a sociedade para discutir os desafios que as cidades tem hoje. Fortaleza tem um hoje um líder que compreende as necessidades de sua gente e carrega o desejo de resolver”, destacou.

Na avaliação de Ciro Gomes, os desafios para os prefeitos no Brasil são muitos. “Vão desde renda, segurança e controle social sobre o processo social – desde a política até o funcionamento do posto de saúde”, complementou o ex-ministro, que está como pré-candidato a presidente da República pelo PDT em 2018.

Ciro ainda tem outra palestra em sua agenda na Capital cearense.  Participará, no fim da tarde deste domingo, na Praça Verde do Dragão do Mar, de um painel sobre cenário econômico brasileiro. Com ele, a líder do PCdo B no Senado, Vanessa Grazziotin (AM), e a ex-deputada federal Luciana Genro, que disputou em 2014 a presidência da República pelo PSOL.

(Foto – Cláudio Barata)

Morre Russo, o assistente de palco mais conhecido do Brasil

russo
Morreu Antônio Pedro de Souza Silva (85), o conhecido Russo, assistente de palco em várias atrações da Rede Globo. Foi nesta tarde de sábado. Russo, que morreu vítima de pneumonia. trabalhava desde a década de 1960 em programas como Cassino do Chacrinha, Xou da Xuxa, Os Trapalhões, Caldeirão do Huck e Domingão do Faustão.
Ele estava internado desde a semana passada. Desde 2011, quando teve um AVC, Russo sofria com problemas de saúde. Familiares informaram ao site da revista Veja que o enterro ocorre às 11 horas desse domingo, em Xerém, Duque de Caxias (RJ).
(Foto – Divulgação)

Cabral caminha célere para ser recordista da propina na Lava Jato

adriana-anselmo-cabral-10-original12

Os procuradores já acharam 100 milhões de dólares em desvios. Mas tem mais.

Foi aberto um outro flanco de investigação contra Sergio Cabral: os contratos terceirizados de sua gestão. Arthur Soares, da Facility, foi intimado pelo MP a prestar depoimento. Morador de Miami, veio e voltou no mesmo dia. Sua empresa, especializada em mão-de-obra terceirizada, recebeu 2 bilhões de reais do governo Cabral em apenas cinco anos.

No ranking de roubalheiras da Lava-Jato, Cabral e Pedro Barusco estão hoje empatados em primeiro lugar. Nos próximos meses, o ex-governador deve assumir tranquilamente este posto.

(Veja Online)

Arce vai acompanhar processo de venda dos ativos do Ceará

FORTALEZA, CE, 19-04-2016: Maia Júnior, Empresário. Programa Vertical S/A da Tv O Povo com o Jornalista Jocélio Leal. (Foto: Camila de Almeida/O POVO)

O secretário do Planejamento e Gestão do Estado, Maia Júnior, solicitou que a Agência Reguladora dos Serviços Públicos Delegados do Ceará (Arce) acompanhe todo o processo relacionado à concessão de ativos do Estado.

Aliás, nem precisava pedir. Isso seria mais do que obrigação da agência.

No bolo de concessões definido pelo governo estão: rodovias estaduais, Centro de Eventos, Centro de Formação Olímpica, Sistema Metroviário (VLT Cariri, VLT Sobral, Linha Sul e VLT Parangaba-Mucuripe), Complexo Portuário e Industrial do Pecém, Cinturão Digital, futuro Acquario e terrenos do antigo Centro de Convenções (incluindo Expoece, IPPOO I e Cavalaria).

CNJ ganha novo membro em fevereiro

O advogado Henrique de Almeida Ávila será empossado novo integrante do Conselho Nacional de Justiça no dia 14 de fevereiro, com mandato de dois anos. A presidente do CNJ, Cármen Lúcia, presidirá a solenidade, com transmissão ao vivo pela TV Plenário.O nome de Ávila foi aprovado pela Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania (CCJ) do Senado no dia 5 de outubro de 2016 e pelo Plenário da Casa no dia 9 de novembro, com 49 votos favoráveis à indicação e 15 contra.

O novo conselheiro, que assumirá a vaga destinada à representante da sociedade, é sócio do escritório Sérgio Bermudes Advogados, tem 33 anos e é doutorando, mestre e professor de Direito Processual Civil na Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP).

Para Ávila, o Código de Processo Civil de 2015 “empresta ao CNJ grande protagonismo em matérias muito sensíveis e caras à nova lei, como a regulamentação dos centros de mediação e conciliação, dos atos processuais por meios eletrônicos e do cadastro de publicidade de recursos repetitivos”.

Padrinhos

O nome de Henrique Ávila chegou ao Senado por indicação do PP e dos partidos do Bloco Moderador do Senado, composto de PTB, PR, PSC e PTC. São todos partidos da base aliada do governo. E prontamente recebeu apoio do PSDB, outro partido de apoio ao Planalto.

Lá, contou com apoios importantes, dos ministros Gilmar Mendes, presidente do Tribunal Superior Eleitoral; da ministra Cármen Lúcia, presidente do CNJ e do Supremo; do ministro João Otávio de Noronha, corregedor do CNJ; do ministro Luiz Fux, vice-presidente do TSE e um dos autores do anteprojeto do novo CPC; do ministro Bruno Dantas, do Tribunal de Contas da União e ex-conselheiro do CNJ na vaga do Senado; e do ministro Sepúlveda Pertence, aposentado do Supremo.

(Agência Senado)

Líder do PCdoB no Senado admite apoiar Eunício Oliveira

98 1

[embedyt] http://www.youtube.com/watch?v=rEl9Xv4RMZs[/embedyt]

A líder do PCdoB no Senado, Vanessa Grazziotin (AM), afirmou para o Blog, nesta sexta-feira, que poderá apoiar o nome de Eunício Oliveira (PMDB) para presidente do Senado. Ela reconhece que o senador cearense vem construindo há tempos seu nome para a sucessão de Renan Calheiros (PMDB/AL), no que afirma estar certa de que ocupará o cargo.

Vanessa Grazziotin, que se encontra em Fortaleza para participar da X Bienal da UNE que terá início neste sábado, na Praça Verde do Dragão do Mar, observou, no entanto: o apoio dela – única do PCdoB na Casa, virá se Eunício se comprometer a acabar com a concentração de relatórias entre os mesmos partidos e, principalmente, se ele respeitar o processo de tramitação das matérias, garante tempo para debates. Nesse aspecto, queixou-se de Renan.

Reformas

A parlamentar do PCdoB rebateu a tese de que o Brasil registra rombo na Previdência Social, ressaltando que, na versão do governo Temer, são excluídos outros recursos que integram o sistema previdenciário como percentual nas loterias, por exemplo.

Para Vanessa Grazziotin, o problema em torno das reformas é que o governo Temer quer aprovar primeiro aquelas que, na realidade, são fruto de um sistema tributário injusto. “Deveria começar pela reforma pela tributária”, defende a comunista.

Na X Bienal da UNE, a senadora Vanessa Grazziotin participar do painel sobre cenário econômico do Pais, tendo ao lado o ex-ministro Ciro Gomes e a ex-deputada federal Luciana Genro. Ciro está como pré-candidato a presidente em 2018 e Luciana disputou em 2014 a presidência pelo PSOL.

Municípios são obrigados a realizar levantamento sobre infestação por Aedes aegypti

Resolução do Ministério da Saúde publicada hoje (27) no Diário Oficial da União torna obrigatória a realização de levantamento entomológico de infestação por Aedes aegypti em todos os municípios do país. O texto também estabelece que as informações sejam enviadas às secretarias estaduais de saúde e, posteriormente, ao Ministério da Saúde.

De acordo com a publicação, a decisão foi tomada levando em consideração os diversos condicionantes que permitem a manutenção de criadouros do mosquito, a cocirculação de quatro sorotipos da dengue no país e a existência de grande contingente populacional exposto previamente a infecções pelo vírus, aumentando o risco para ocorrência de epidemias com formas graves da doença e elevado número de óbitos.

A pasta também considerou a identificação de casos de febre chikungunya, com transmissão autóctone comprovada em alguns municípios e risco iminente de expansão, além do surto do vírus Zika e sua rápida dispersão para todas as regiões do país, provocando epidemias importantes acompanhadas de graves manifestações neurológicas em adultos e recém-nascidos.

Ainda segundo o ministério, levantamentos de índices de infestação devem ser utilizados como ferramenta para direcionamento e qualificação das ações de prevenção e controle do mosquito. A proposta é que municípios infestados com mais de 2 mil imóveis realizem o Levantamento Rápido de Índice de Infestação por Aedes aegypti (LIRAa), enquanto as cidades infestadas com menos de 2 mil imóveis terão de fazer o Levantamento de Índice Amostral.

Já localidades onde não há infestação deverão realizar monitoramento por ovitrampa ou larvitrampa (armadilhas que identificam a presença de mosquitos na região) ou outra metodologia validada. As informações geradas após cada levantamento realizado deverão ser consolidadas pelas secretarias estaduais de saúde e enviadas ao ministério. A resolução entra em vigor hoje.

Em 2016, das 3.704 cidades aptas a participar do LIRAa, 2.284 integraram a edição – o equivalente a 62,6% do total. Os dados mostram que, até novembro do ano passado, pelo menos 885 municípios brasileiros estavam em situação de alerta ou de risco de surto para dengue, Zika e chikungunya. O número representa 37,4% das cidades pesquisadas.

(Agência Brasil)

AFBNB divulga abaixo-assinado contra fechamento de agências do Banco do Nordeste

56 1

bnbb

A Associação dos Funcionários do Banco do Nordeste (AFBNB) acaba de criar na plataforma Petição Pública com o abaixo-assinado “Não ao fechamento das agências do BNB”.

O documento, destinado às assembleias legislativas de todo os estados do Nordeste, direção do BNB e parlamentos federais, pode ser assinado por qualquer cidadão.

No pacote de cortes do Governo Temer entrou o fechamento de agências dos bancos estatais, entre os quais o BNB. A categoria considera um retrocesso.

*Petição Pública está neste link.