Blog do Eliomar

Categorias para Brasil

Copom mantém taxa de juros em 14,25%

O Banco Central (BC) não mexeu, pela nona vez seguida, nos juros básicos da economia. Por unanimidade, o Comitê de Política Monetária (Copom) manteve ontem a taxa Selic em 14,25% ao ano. A decisão era esperada pelos analistas, que preveem que a taxa ficará inalterada até o fim do ano.

Os juros básicos estão nesse nível desde o fim de julho do ano passado. Com a decisão do Copom, a taxa se mantém no mesmo percentual de outubro de 2006. A Selic é o principal instrumento do Banco Central para manter sob controle a inflação oficial, medida pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA).

O impacto de preços administrados, como a elevação de tarifas públicas, e o de alimentos, como feijão e leite, tem contribuído para a manutenção dos índices de preços em níveis altos. Nos próximos meses, a expectativa é que a inflação desacelere por causa do agravamento da crise econômica e da queda do dólar.

(Com Agências)

Efeito Orloff – O que tem a ver Dilma com Cunha?

Com o título “Por que viraram os votos”, eis tópico da Coluna Política do O POVO desta quinta-feira, assinada pelo jornalista Érico Firmo. Confira:

O PMDB comandou a virada de votos que permitiu a Dilma Rousseff (PT) manter seus direitos políticos. O algoz, que saiu da base governista para impulsionar o impeachment, foi responsável por dar à ex-presidente um alento. Houve 16 senadores que votaram pelo impeachment, mas decidiram preservar os direitos políticos dela. Outros três que foram pelo afastamento de Dilma se abstiveram. Um deles, o cearense Eunício Oliveira (PMDB).

Oito dos senadores que votaram para afastar Dilma, mas manter seus direitos políticos, são peemedebistas. O movimento foi puxado pelo presidente do Senado, Renan Calheiros (AL). Só a bancada peemedebista teria sido suficiente para impedir a segunda punição a ela. Outros dois peemedebistas se abstiveram. Os outros votos que “viraram” foram três do PR, dois do PDT, dois do PSB e um do PPS. Além dos peemedebistas, uma senadora do DEM se absteve.

A pergunta é: por que a diferença de tratamento? Qual a razão para senadores que acham que Dilma cometeu crime de responsabilidade entenderem que ela tem direito a ser candidata daqui a dois anos? Pode, por exemplo, voltar à Presidência, sem quarentena. Pode ser secretária de Estado ou prefeitura. O que explica?

Nenhuma das respostas que cogito sinaliza qualquer coisa de bom. Uma hipótese seria de esses senadores, de certa forma, reconhecerem que a pena seria dura demais para o tamanho da irregularidade cometida. Ao atenuar a dimensão do crime cometido, abrem grande margem para se discutir a pertinência de cassar mandato de presidente por tal razão. É grave.

Outra possibilidade seria fazer um aceno à nova oposição. Os governistas tentariam fazer um afago, gesto de generosidade. Quem sabe, na esperança de não ter contraponto tão duro quanto o PT já mostrou que sabe fazer. Nenhuma surpresa, nesse caso teriam pautado o julgamento pelos interesses políticos.

A outra hipótese é a mais grave de todas. São coisas diferentes, mas os senadores podem ter pensado nas repercussões possíveis do entendimento para cassações outras de mandato. Vários parlamentares são alvos da Lava Jato e vários outros casos. Podem criar janela para se beneficiarem: cassa, mas deixa ser candidato na eleição que vem. O próximo processo de cassação, aliás, tem data para ser votado. Será daqui a 11 dias. Refere-se a Eduardo Cunha. Do PMDB.

Orçamento prevê salário mínimo de R$ 945,80 para o próximo ano

“O salário mínimo para o ano que vem ficará em R$ 945,80, anunciou há pouco o ministro do Planejamento, Dyogo Oliveira. O valor consta do projeto do Orçamento Geral da União de 2017, enviado hoje (31) pelo governo ao Congresso Nacional.

A proposta foi entregue por Oliveira e o ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, ao presidente do Senado Federal, Renan Calheiros (PMDB-AL). O texto foi enviado ao Congresso logo após a cerimônia de posse do presidente Michel Temer, no Senado.

Os demais parâmetros para a economia no próximo ano, que haviam sido divulgados pela equipe econômica no último dia 17, foram mantidos. A estimativa de inflação medida pelo Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) ficou em 4,8% para 2017.

A previsão para o Produto Interno Bruto (PIB, soma dos bens e dos serviços produzidos em um país) ficou em 1,6%. O projeto prevê taxa de câmbio média de R$ 3,40 no dólar para o próximo ano, contra R$ 3,50 em 2015, e de taxa Selic (juros básicos da economia) acumulada de 12,1% ao ano em 2017, contra 14% neste ano.”

(Agência Brsil)

Temer ocupa cadeia nacional de rádio e tv e reafirma: fará reformas Trabalhista e da Previdência

[embedyt] http://www.youtube.com/watch?v=1GerDhKId6g[/embedyt]

O presidente Michel Temer (PMDB) ocupou cadeia nacional de rádio e televisão, nesta noite de quarta-feira, em sua primeira fala no cargo. Ele pediu apoio dos brasileiros para que o ajudem a governar, lembrando que pegou herança difícil. Disse que quer a pacificação do País e enfrentar problemas da economia.

Temer reafirmou que fará as reformas Trabalhista e da Previdência Social, observando como necessárias para um País que precisa pensar no futuro e não ficar olhando para o passado.

Apresentador do “Domingo Show” garimpa novas reportagens no Ceará

graldoluiz

Este repórter do Blog e Geraldo Luís.

O apresentador do programa “Domingo Show”, da Rede Record, jornalista Geraldo Luís, deixou Fortaleza nesta quarta-feira. Ele esteve circulando pelo Interior cearense e por bairros da Capital cearense em busca, como disse, de boas histórias que contará em breve para todo o Brasil.

Geraldo Luís está mais magro e deixou Fortaleza falando maravilhas do povo cearense. Essa é a terceira vez que ele visita o Ceará em busca de reportagens para seu programa.

ANTC entrega carta com reivindicações ao Governo Temer

Em clima de Câmara dos Deputados, em Brasília, a Associação Nacional do Transporte de Cargas e Logística (NTC) entregou uma carta aberta ao presidente Michel Temer. O grupo aproveitou que estava organizando ali o XVI Seminário Brasileira do Transporte rodoviário de Cargas. Confira:

Carta aberta ao Presidente Michel Temer

Os representantes nacionais das empresas de transporte de cargas, reunidos na Câmara dos Deputados, em Brasília, no dia em que se inicia nova e auspiciosa fase da vida político-econômica do País, saúdam o Presidente Michel Temer, agora no exercício efetivo da Suprema Magistratura da Nação, desejando-lhe felicidades, mas também pedindo a Vossa Excelência que adote as medidas necessárias para recolocar a Pátria no caminho da concórdia, da paz, do desenvolvimento gerador de empregos.

A economia brasileira se move sobre rodas. Mais de 80% da produção é deslocada com o uso de caminhões. Empresas e caminhoneiros autônomos são os responsáveis pelo transporte de todas as espécies de mercadorias.

A crise atinge duramente o setor, ameaçado de entrar em colapso. Além dela, dois outros problemas assolam as empresas: astuciosas questões trabalhistas e o roubo incessante de cargas.

O País clama por segurança jurídica. Sem ela não há quem se disponha a investir para gerar riqueza, trabalho, consumo e empregos.

O envelhecimento da legislação trabalhista, a fragilidade dos documentos – sobretudo do recibo de quitação e do controle da jornada -; e a falta de lei sobre terceirização, geram condenações abusivas e desproporcionais que conduzem empresas idôneas a situação de insolvência.

Vale lembrar que no Brasil a indústria entorno da justiça do trabalho prejudica muito as empresas e, hoje em dia, também os empregados. Por isso, a necessidade de uma reforma trabalhista urgente para a retomada econômica e geração de empregos.

Senhor Presidente Michel Temer, o Brasil todo dirige atenção aos primeiros passos de Vossa Excelência. Com a legitimidade e a liderança de que se encontra investido, promova rapidamente as reformas, para que as classes produtoras e trabalhadores reencontrem o caminho da conciliação e do diálogo.

Brasília, 31 de agosto de 2016

Associação Nacional do Transporte de Cargas e Logística.

Parlamentares da mesa de posse de Michel Temer têm 76 ações judiciais

messs

Dos seis parlamentares que integraram a mesa de Michel Temer durante sua cerimônia de posse no cargo de presidente da República, na tarde desta quinta-feira (31), cinco respondem a ações judiciais. As informações são da Agência Lupa.

O presidente do Senado, Renan Calheiros, convidou outros cinco parlamentares para a mesa: os deputados federais Mara Gabrilli (PSDB-SP), Rodrigo Maia (DEM-RJ), Beto Mansur (PRB-SP), Waldir Maranhão (PP-MA) e o senador Romero Jucá (PMDB-RR). Também estavam presentes do presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Ricardo Lewandowski, e o presidente da Câmara, Rodrigo Maia.

Entre os parlamentares, apenas a deputada Mara Gabrilli não tem ocorrências. Mansur, o ‘campeão’, tem 54 ações – ele foi condenado em primeira instância por manter trabalhadores em condições análogas à de escravidão; foi condenado a devolver dinheiro público por contrato sem licitação enquanto era prefeito de Santos (SP) e teve prestações de contas da eleições de 2010 reprovadas, entre outros.

O anfitrião, Renan Calheiros, tem nove ocorrências, por suposto envolvimento naOperação Lava Jato e improbidade administrativa. Jucá é alvo de seis ações por crime de responsabilidade no STF, falsidade ideológica e participação na Lava Jato.

Waldir Maranhão também tem seis ocorrências, por crime de lavagem de dinheiro e envolvimento na Lava Jato. Ele teve as contas de 2010 reprovadas. Rodrigo Maia tem uma ocorrência referente ao exercício financeiro de 2010, por irregularidades na aplicação do Fundo Partidário.

Bancários sinalizam com indicativo de greve nacional

O Comando Nacional dos Bancários está orientando as federações e sindicatos dos bancários a realizarem assembleia para avaliação da proposta dos bancos, nesta quinta e sexta-feira e, caso seja rejeitada, apontar para indicativo de greve a partir do próximo dia 6.

Mais uma vez, segundo o comando nacional, a Federação Nacional dos Bancos (Fenaban) não ofereceu uma proposta aos pleitos da categoria. A Fenaban propôs reajuste de 6,5% no salário, na PLR (Participação dos Lucros) e nos auxílios refeição, alimentação, creche e abono de R$ 3 mil.

Os bancários não aceitam, justificando que a proposta não cobre, sequer, a inflação do período, projetada em 9,57% para agosto deste ano, o que representa perdas de 2,8% para o bolso de cada bancário.

Em Fortaleza

A assembleia dos bancários cearenses ocorrerá neste 1º de setembro, às 18h30mim em primeira convocação ou às 19 horas, em segunda convocação, na sede do sindicato da categoria.

Manifestantes contra o “golpe” ocupam Praça da Gentilândia

atto

Um grupo de militantes do PT, PCdoB e PSOL faz ato de protesto nesta quarta-feira, na Praça da Gentilândia, no bairro Benfica, em Fortaleza. A maioria é formadas por estudantes que bradam contra o “golpe” praticado contra o Governo Dilma Rousseff.

No ato, o candidato a prefeito pelo PSOL, João Alfredo, que conclamou uma tribuna livre, abriu o microfone para lideranças de esquerda e do movimento estudantil.

(Foto – PSOL)

Luizianne Lins comenta “golpe” e diz que a ordem é evitar retrocesso

[embedyt] http://www.youtube.com/watch?v=CEuobBY8pQg[/embedyt]

A candidata à Prefeitura de Fortaleza pelo PT, deputada federal Luizianne Lins, acompanhou, em Brasília, nesta quarta-feira, os últimos momentos de Dilma Rousseff (PT), antes da decretação do impeachment pelo Senado (61X20).

Luizianne mandou vídeo para o Blog comentando o que define como golpe e afirmou que a luta continuará e que será fundamental manter a mobilização para que avanços sociais não sucumbam na Era Temer.

Temer toma posse e ouve de Renan: “Tamo juntos!”

temertime

Aconteceu, no Senado, nesta tarde de quarta-feira, o ato de posse de Michel Temer (PMDB) como presidente da República. A solenidade, das mais concorridas, teve o comando do presidente da Casa,  Renan Calheiros (PMDB/AL).

O ato foi rápido, com a presença dos presidentes dos três Poderes. Houve leitura do termo de posse.

Temer fez o juramento: “Prometo manter, defender e cumprir a Constituição, observar as leis, promover o bem geral do povo brasileiro, sustentar a união, a integridade e a independência do Brasil.”

Ao cumprimentar Temer, ouviu-se de Calheiros a frase: “Tamo juntos!”

Dilma se diz vítima de um “golpe misógino, homofóbico e racista” e prometer recorrer

[embedyt] http://www.youtube.com/watch?v=h5GByWFaDdk[/embedyt]

“O golpe é contra os movimento sindicais e sociais que lutam pelos direitos. O golpe é contra o povo e contra a nação. O golpe é misógino, homofóbico e racista”, afirmou, nesta tarde de quarta-feira, a ex-presidente Dilma Rousseff. Ela teve seu impeachment decretado pelo Senado pelo placar de 61 votos a favor contra 20.

Dilma, em tom emocionado e cercada por correligionários, considerou vítima do “machismo”, lembrando que tiraram do cargo a primeira mulher a assumir tal função.

Dilma, em discurso duro, prometeu recorrer a todas as instâncias contra o “golpe”.

“Eu lutarei incansavelmente para continuar a construir um Brasil melhor e tenho certeza de que outros assumirão, no futuro, um papel que está governado na eleição direta”, disse a ex-presidente.

Leônidas Cristino e o impeachment: “Todos perderam!”

leonidascristinoo

“Todos perderam!”, afirma o deputado federal Leônidas Cristino (PDT), ao comentar o impeachment de Dilma Rousseff. Para ele, a democracia ficou fragilizada e o País ganhou um governo sem legitimidade.  “Não está na sua origem o interesse na melhoria do bem estar dos brasileiros. A política pequena, de interesses inconfessáveis, de traição e cobiça desmedida pelo poder a qualquer preço marcam todo processo”, disse ele.

Para Leônidas, o golpe fere de morte “a nossa jovem democracia, abala as instituições e atropela a legitimidade do mandato de uma presidente eleita pelo voto popular.” Cometeu -se um “verdadeiro atentado”.

“Tramou este golpe uma oposição, agora situação, que sabotou o pleno cumprimento do mandato presidencial com a votação de pautas bombas para inviabilizar a condução da política econômica do governo”, afirmou. O parlamentar lembrou que em outras ocasiões questionou a inércia com que são apuradas as responsabilidades de Eduardo Cunha diante do grave teor de denúncias que contra ele foram feitas pelo Ministério Público Federal.

Leônidas Cristino acrescentou que “o fato mais grave é o acordo de bastidores que adiou para depois da sessão de impeachment a sessão de cassação de Eduardo Cunha, sob suspeito beneplácito do vice-presidente Michel Temer”.

O PDT deverá trabalhar agora de olho em 2018, pois já tem um candidato a presidente: Ciro Gomes. O partido, conforme Leônidas Cristino, adotará a postura vigilante no Congresso em defesa dos interesses da classe trabalhadora.

Chico Lopes diz que impeachment expõe a “frágil” democracia brasileira

CHICO-LOPES-Foto-Plenário_

O deputado federal Chico Lopes (PCdoB) classificou o impeachment de Dilma Rousseff (PT) como mais uma prova da “frágil democracia brasileira”.

Ele lamenta a situação e avalia que virá o pior contra os direitos da classe trabalhadora.

Justificando necessidade de conter gastos, o governo Temer deve vir com um pacote de maldades.

O PCdoB foi aliado do governo petista.

Camilo Santana diz que processo de Dilma teve um “desfecho injusto”

governador-do-ceara-camilo-santana-48196

O governador Camilo Santana (PT) acaba de divulgar sua opinião acerca do impeachment de Dilma Rousseff, o que foi decretado nesta tarde de quarta-feira pelo Senado. Confira:

A deposição da presidenta Dilma Rousseff teve hoje seu ato final no Senado Federal. Eleita democraticamente por mais de 54 milhões de brasileiros, a presidenta Dilma deixa o comando do Governo Federal sem, sequer, ter conseguido concluir a metade de seu segundo mandato.

Não poderia deixar de dizer que considero o desfecho do mais injusto processo da história democrática deste país, quando uma mulher honrada, honesta, foi punida da forma mais severa, extirpada da cadeira da Presidência.

A resposta para a insatisfação com um governo deve ser a voz democrática das urnas; jamais a imposição da vontade dos opositores como uma espécie de eleição indireta.  O que está em jogo não é apenas o mandato de uma presidenta, mas o direito sagrado conquistado pelos brasileiros de escolher seus representantes democraticamente pelo voto direto.

Hoje é um dia muito triste para a democracia brasileira. A história haverá de julgar este momento.

Quero prestar a minha solidariedade à presidenta Dilma pela sua resistência, força, decência e convicção nos seus ideais democráticos. Sai deste processo deixando uma lição de coragem e firmeza.

Camilo S. Santana

Ciro Gomes: Dilma foi derrubada pela “votação golpista de uma quadrilha de marginais”

475 23

foto ciro transnordestina

O ex-ministro Ciro Gomes (PDT) afirmou, nesta quarta-feira, que a aprovação do impeachment de Dilma Rousseff foi consequência de “um conjunto de gravíssimos erros que ela cometeu, mas fundamentalmente consequência da votação golpista de uma quadrilha de marginais e ladrões travestidos de políticos que resolveram, aproveitando os erros da presidente, interromper a democracia brasileira”.

Ciro, em declaração à Rádio Tupinambá de Sobral (Zona Norte), onde faz campanha em favor do seu irmão, Ivo Gomes (PDT), candidato a prefeito desse município, disse nada esperar de bom da gestão de Michel Temer.

“Nós teremos na presidência da República um sem votos, que vai tentar implantar um conjunto de políticas todas contrárias aos interesses do povo mais pobre e vai prejudicar aposentados, pensionistas, estudantes e usuários do SUS. Enfim, vai entregar os interesses brasileiros aos estrangeiros sem ter nenhum acerto com  a população”, adiantou Ciro, que já está como pré-candidato a presidente da República em 2018.

João Alfredo convoca para “Tribuna Livre” de protesto contra afastamento de Dilma

vereador-João-Alfredo-e1467989277632

O candidato a prefeito de Fortaleza pelo Psol, vereador João Alfredo, está convocando a população para uma tribuna livre contra o “golpe”.

A partir as 16 horas desta quarta-feira, haverá espaço, na Praça da Gentilândia, para que as pessoas possam se expressar contra o impeachment de Dilma Rousseff.

Segundo João Alfredo, a hora é de resistência e de mostrar aos “golpistas” que ninguém vai aceitar retrocesso. “Temos que defender a democracia”, adianta o candidato.