Blog do Eliomar

Categorias para Brasil

E a mala de Rodrigo Loures aparece

Da Coluna Painel, da Folha:

O deputado afastado Rodrigo Rocha Loures entregou na sede da Polícia Federal, na noite desta segunda-feira (21), a mala com R$ 500 mil, informa Thais Arbex.

Em delação, Joesley Batista afirmou que Rocha Loures foi indicado pelo presidente Michel Temer para tratar de assuntos de interesse da JBS.

Na última vez que a mala havia sido vista, o deputado afastado Rodrigo Rocha Loures saiu com ela de um estacionamento em São Paulo, em 28 de abril, e entrou correndo em um táxi.

As consequências e as explicações de Cid Gomes

307 1

Da Coluna Política do jornalista Érico Firmo, no O POVO desta terça-feira:

Cid Gomes (PDT) confirmou tudo que foi delatado contra ele, menos as motivações. Ocorreram reuniões, pedidos de dinheiro, liberação de crédito, doações de campanha. Dois secretários foram designados para pedir dinheiro à JBS. A divergência é sobre o motivo para tudo isso. Segundo o empresário Wesley Batista, houve pressão que condicionou a liberação dos recursos às doações de campanha. Cid diz que foi tudo dentro da lei. Isso considerando que a negociação era com a turma da JBS, cujos métodos agora são conhecidos.

O cronograma de pagamentos pesa contra o ex-governador, mas nem tudo bate 100% com o relato do delator. Não procede que não houve repasse em 2013. Foram liberados R$ 12,3 milhões. Porém, em 2014, o valor foi multiplicado oito vezes.

Não é caso simples e merece investigação. Ao decidir manter os secretários Arialdo Pinho e Antônio Balhmann (PDT), Camilo Santana (PT) leva para dentro de seu governo a confusão que começou no financiamento de sua campanha.

(Foto – Arquivo)

Caravanas de sindicalistas cearenses tomam a rota de Brasília para pressionar saída de Temer

Várias caravanas de sindicalistas estão embarcando para Brasília. Algumas foram de ônibus e outras estão seguindo de avião, como foi o caso, nesta madrugada de terça-feira, de Luís Carlos Paes, presidente do PCdoB do Ceará, mas dirigente do Sindicato dos Trabalhadores do Banco Central (Sinal).

Paes informou que a ordem do ato Ocupação Brasília, que ocorrerá nesta quarta-feira, é pedir a saída do presidente Temer Diretas Já.

Com ele, seguiu a dirigente da CUT nacional e no Ceará, Graça Costa, que considera insustentável a presença de Temer no governo. Ela quer a saída, com seu pacote de reformas que, na sua avaliação, é retrocesso.

 

Lava Jato – PF prende ex-governadores Agnelo Queiroz, José Roberto Arruda e operador de Temer

A Polícia Federal está nas ruas do Distrito Federal desde as primeiras horas desta terça-feira (23/5) em mais um desdobramento da Operação Lava Jato.

Dessa vez, os alvos são agentes públicos e ex-governadores, construtoras e operadores das propinas ao longo de três gestões do Governo do Distrito Federal. Há mandados de prisão contra os ex-governadores Agnelo Queiroz (PT) e José Roberto Arruda (PR) e o ex-vice-governador Tadeu Filippelli (PMDB), um dos principais operadores de Michel Temer.

A operação decorre de um esquema de propinas na construção do estádio Mané Garrincha e é baseada em delação premiada de executivos da Andrade Gutierrez. A PF diz que a reforma do local pode ter sido superfaturada em cerca de R$ 900 milhões, visto que estava orçada em R$ 600 milhões mas custou R$ 1,575 bilhão.

O advogado de Arruda, Paulo Emílio, afirmou ao G1 que ainda está “tomando pé das circunstâncias”, mas que vai tentar revogar o mandado prisão. Segundo Emílio, o mandado é para prisão temporária, com prazo inicial de cinco dias. Ele informou que está indo ao encontro do ex-governador e, em seguida, à Superientendência da PF para “entender as razões de pedido de prisão”.

Segundo Emílio, o mandado é para prisão temporária, com prazo inicial de cinco dias. Ele informou que está indo ao encontro do ex-governador e, em seguida, à Superientendência da PF para “entender as razões de pedido de prisão”.

O G1 tentou contato com o advogado do ex-governador Agnelo Queiroz, mas não obteve respostas até o momento da publicação desta reportagem. A defesa do ex-vice governador Tadeu Filippelli, afirmou que “preferia não se pronunciar por enquanto”.

Na operação desta manhã, cerca de 80 policiais foram divididos em 16 equipes e devem ser cumpridos 10 mandados de prisão temporária, 3 de conduções coercitivas e 15 mandados de busca e apreensão. As medidas judiciais partiram da 10ª Vara da Justiça do DF e as ações ocorrem em Brasília.

(Com G1, Brasil 247 e Agências)

Temer jantou na casa de Rodrigo Maia. No meu, busca de apoio para permanecer no cargo

O presidente Michel Temer esteve em um jantar, nessa noite de segunda-feira, promovido pelo presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM/RJ) com deputados e lideranças do Congresso. O objetivo foi angariar apoio entre os parlamentares para sua permanência no cargo.

Nesta terça-feira, o governo tentará dar uma demonstração de normalidade com a leitura do relatório da reforma trabalhista. Nas palavras de um aliado de Temer, “temos de mostrar que este governo é capaz de continuar o processo de reformas”.

(Com Agências)

Orçamento 2017 – Em busca de apoio parlamentar, governo reduz contingenciamento

O governo federal informou hoje (22) que diminuirá em R$ 3,1 bilhões o contingenciamento do Orçamento de 2017. Isso significa uma redução do contingenciamento de R$ 42,1 bilhões anunciado em março. Os números estão no relatório bimestral de avaliação de receitas e despesas. O documento do Ministério do Planejamento, Desenvolvimento e Gestão atualiza as estimativas de gastos e ingresso de recursos para o Poder Público federal.

Embora preveja uma frustração de R$ 8,4 bilhões nas receitas tributárias, um aumento de R$ 3,7 bilhões das despesas primárias e a necessidade de destinar R$ 242,6 milhões para compensar o resultado primário das estatais federais, a União espera que isso seja compensado pelo ingresso de outras receitas.

Entre as receitas previstas está a entrada de recursos com o parcelamento de débitos previdenciários de estados e municípios, autorizada pela Medida Provisória (MP) 778, assinada na semana passada pelo presidente Michel Temer. Também está previsto um aumento da receita previdenciária devido ao fim da desoneração da folha de salários para a maior parte dos setores da economia. Juntas, as medidas acrescentam R$ 3,9 bilhões aos recursos da Previdência.

O governo incluiu também no cálculo receitas estimadas com a reprogramação dos pagamentos de outorgas de aeroportos (R$ 2,5 bilhões), com a possibilidade de renegociação de débitos tributários com autarquias e fundações públicas federais (R$ 3,38 bilhões) e com a terceira rodada de licitação de áreas de produção de petróleo (R$ 4,3 bilhões).

No fim de março, os ministérios da Fazenda e do Planejamento divulgaram uma edição extraordinária do relatório de receitas e despesas prevendo um contingenciamento de R$ 42,1 bilhões no Orçamento da União para garantir o cumprimento da meta fiscal de 2017, que tem um déficit primário de R$ 139 bilhões. A distribuição do montante que não precisará ser contingenciado entre os órgãos públicos será definida em decreto a ser publicado no dia 30 de maio.

(Agência Brasil)

Líder do Governo no Senado diz que pauta no Congresso não pode parar

O líder do governo no Senado, Romero Jucá (PMDB-RR), defendeu hoje (22) que o Congresso mantenha seu ritmo de trabalho, independente da crise política vivida pelo país. Em discurso no plenário da Casa e conversa posterior com a imprensa, Jucá disse que as investigações sobre a conduta do presidente Michel Temer ainda não começaram de fato e a perícia no áudio da conversa dele com Joesley Batista sequer foi realizada, o que significa que não há motivos para paralisação dos trabalhos legislativos.

“As votações são para melhorar o Brasil e o Brasil não pode parar”, disse Jucá. “Eu acho que a delação fala de centenas de pessoas. Todas devem ser investigadas. Agora, não é porque está se investigando que vai se paralisar o governo ou, pior, vai paralisar o Congresso”.

Na opinião de Jucá, o governo já enviou as reformas ao Legislativo e, agora, “quem vai falar é o Congresso, não é mais o governo”, com as votações. A prova disso, ressaltou, é que os presidentes das duas Casas demonstraram disposição em manter a agenda de votações.

“Não quer dizer que não haja crise e que não se discuta política, mas quer dizer que, com tudo isso, o Senado e a Câmara têm que estar preparado para, mesmo discutindo qualquer anormalidade política, nós tenhamos a condição de separar e votar as matérias de interesse do país”, disse.

Sobre o debate em torno da aprovação de uma proposta de emenda à Constituição que permita eleições diretas – caso o presidente deixe o poder – Jucá disse se tratar de uma “discussão inócua”. “Não há nenhum tipo de vacância. Então se não há vacância, não há substituição. É uma discussão inócua, uma discussão que pretende criar um fato para depois discutir a substituição do fato. Se nós não tivemos nem ainda a perícia da fita, se as pessoas não foram ainda ouvidas, se ninguém foi investigado, por que é que vai se discutir [a PEC]? Essa é uma discussão política, uma tentativa de paralisar o país”, disse.

Oposição

Para a oposição, no entanto, não há condição de os parlamentares darem prosseguimento à pauta proposta pelo governo. O senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP) defendeu que a votação das reformas deveria ser paralisada e apenas uma PEC que discuta a antecipação de eleições gerais deveria ser debatida pelo Congresso.

“Não há ambiente para outras votações enquanto Temer estiver na Presidência da República. Com relação a essa proposta de emenda constitucional, eu acho que poderia haver uma emenda exatamente nesse sentido de que a eleição fosse, na verdade, a antecipação das eleições gerais do ano que vem”, disse.

(Agência Brasil)

TJA receberá show em homenagem a Belchior

O Theatro José de Alencar (TJA) será palco, às 19 horas desta quarta-feira, do show “Sujeito de Sorte”, da banda Trovador Eletrônico. Trata-se de uma homenagem á memória do cantor e compositor Belchior.

Para a ocasião, o grupo sobralense selecionou as principais canções do álbum Alucinação e do disco “Coração selvagem”, que completa 40 anos de lançamento em 2017. A apresentação contará com participações de Lídia Maria, Marcus Caffé e Quésia Carvalho.

SERVIÇO

*Os ingressos para o show custam R$20,00.

(Foto – Divulgação)

 

Feirão da Caixa da Casa Própria ocorrerá em Fortaleza

A Caixa Econômica Federal realiza, de 26 de maio a 25 de junho, o Feirão CAIXA da Casa Própria. Considerado o maior do ramo imobiliário, o evento contará, em 2017, com mais de 228 mil imóveis novos e usados, que serão ofertados em todas as modalidades de crédito habitacional do banco. O Feirão será realizado em dois finais de semana, entre os dias 26 e 28 de maio e 23 e 25 de junho, em 14 cidades.

No primeiro final de semana o evento acontecerá nas cidades de São Paulo (SP), Rio de Janeiro (RJ), Campinas (SP), Belém (PA), Florianópolis (SC), Porto Alegre (RS), Belo Horizonte (MG), Recife (PE), Salvador (BA), Goiânia (GO) e Uberlândia (MG). No segundo final de semana, o evento chegará a Brasília (DF), Fortaleza (CE) e Curitiba (PR).

Oferta

O Feirão CAIXA da Casa Própria de 2017 conta com 548 construtoras, 261 correspondentes imobiliários e 185 imobiliárias que ocuparão os estandes do evento durante os dois fins de semana. O número de imóveis ofertados supera a marca de 228 mil. Nesta edição, mais de 3 mil empregados do banco estarão envolvidos na realização do evento, em especial, no atendimento ao público.

Atendimento

Para requerer o crédito da casa própria, no Feirão, basta levar documento de identidade, CPF, comprovante de renda e residência atualizados. Os interessados também podem obter informações em todas as agências da CAIXA, no site www.caixa.gov.br ou pelo Serviço de Atendimento ao Cliente (0800 726 0101), disponível 24 horas por dia, inclusive nos fins de semana.

SERVIÇO

*Data: de 26 a 28 de maio, e de 23 a 25 de junho (sexta-feira a domingo)

*Hora: sexta-feira e sábado, das 10h às 20h – domingo, das 10h às 18h.

(Site da Caixa Econômica)

Advogado de Temer desiste de suspender inquérito no STF

Advogado do presidente Michel Temer (PMDB) desistiu, nesta segunda-feira, 22, de pedir a suspensão de inquérito do processo do peemedebista no Supremo Tribunal Federal (STF). Gustavo Guedes disse que contratou uma perícia própria que constatou 70 “pontos de obscuridade” na gravação da conversa entre Temer e o empresário Joesley Batista, um dos donos do Grupo JBS.

Guedes disse também ter segurança na perícia e quer agora que o inquérito prossiga para “provar a inocência” do presidente. As declarações do advogado foram dadas após encontro com o ministro Edson Fachin, relator da Operação Lava Jato na Corte.

A presidente do STF, ministra Cármen Lúcia, determinou que o julgamento do pedido da defesa do presidente seja realizado após a conclusão da perícia no áudio da conversa entre Temer e Joesley.

(Com Agências)

Lula é denunciado por corrupção e lavagem de dinheiro no caso do sítio em Atibaia

O ex-presidente Lula foi denunciado nesta segunda-feira, 22, pela força-tarefa da Operação Lava Jato. Ele é acusado de corrupção e lavagem de dinheiro no caso do Sítio de Atibaia, interior de São Paulo. Também foram denunciados outros 12 investigados, segundo informação do portal Estadão.

A denúncia se baseia em propina de pelo menos R$ 128.146.515,33 pagas pela Odebrecht, em quatro contratos firmados com a Petrobras, e também vantagens indevidas de R$ 27.081.186,71, pagas pela OAS, em três contratos firmados com a estatal.

Lula é acusado pela Procuradoria da República, no Paraná, de “estruturar, orientar e comandar esquema ilícito de pagamento de propina em benefício de partidos políticos, políticos e funcionários públicos com a nomeação, enquanto presidente da República, de diretores da Petrobrás orientados para a prática de crimes em benefício das empreiteiras Odebrecht e OAS”.

A denúncia do Ministério Público Federal (MPF) atribui ao petista “propina para o seu benefício próprio consistente em obras e benfeitorias relativas ao sítio de Atibaia custeadas ocultamente pelas empresas Schahin, Odebrecht e OAS”.

OAB Nacional entra com pedido de impeachment contra Temer até quinta-feira

A Ordem é a favor da cassação do mandato de Aécio Neves.

A Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) deve protocolar o pedido de impeachment do presidente da República, Michel Temer, até a próxima quinta-feira (25). Para o presidente da entidade, Carlos Lamachia, Temer cometeu crime de responsabilidade ao não informar às autoridades competentes o teor da conversa que teve com o empresário Joesley Batista, dono da JBS, no Palácio do Jaburu, no início de março deste ano.

“A peça da OAB e a decisão que foi tomada têm como base as declarações do próprio presidente da República. Em nenhum momento, ele nega os fatos e a interlocução que teve. Mesmo que os áudios pudessem ter alguma edição, as próprias declarações do presidente da República reconhecem o diálogo que ele teve com o investigado”, disse Lamachia.

Joesley Batista gravou conversa que teve com Temer e entregou cópias do áudio à Procuradoria-Geral da República (PGR), com a qual firmou acordo de delação premiada, já homologado pelo Supremo Tribunal Federal (STF). Para a Ordem, Temer infringiu o Artigo 116 da Lei do Servidor Público, conhecido como crime de prevaricação, que prevê o dever de levar as irregularidades de que tiver ciência em razão do cargo ao conhecimento da autoridade superior ou, quando houver suspeita de envolvimento desta, ao conhecimento de outra autoridade competente para apuração. O Palácio do Planalto informou que não vai comentar o pedido de impeachment da OAB.

“Para nós, o ponto central não é se o áudio teve uma ou outra edição. A Ordem tem o áudio dentro do contexto, dentro do conjunto probatório. A OAB levou em consideração as manifestações do presidente da República, que em momento algum desqualifica o que foi dito na conversa. Desqualifica, sim, o seu interlocutor. Essa postura significa a confirmação da veracidade do que foi colocado”, afirmou.

Para Lamachia, o presidente Temer terá oportunidade de exercer o pleno direito à defesa e ao contraditório, caso a peça seja admitida pela Câmara. “Se o presidente sabia que estava diante de um ‘fanfarrão’, um ‘delinquente’ [palavras usadas por Temer para descrever Joesley], o presidente não deveria nem tê-lo recebido. Na minha avaliação, o mínimo que o presidente deveria ter feito era encerrar a conversa e acionar as autoridades”, ressaltou.

Lamachia também criticou o acordo de delação entre a PGR e os empresários Joesley e Wesley Batista, que estão em liberdade. “Os dois irmãos estão hoje nos Estados Unidos, e o que estamos passando para sociedade em uma situação como essa, senão como um verdadeiro escárnio: eles foram punidos ou receberam um prêmio?”, questionou.

Aécio Neves

O presidente da OAB afirmou ainda que a entidade vai apoiar a cassação do mandato do senador afastado Aécio Neves (PSDB-MG). Para ele, as acusações contra Neves são “gravíssimas”, e as explicações da defesa foram insuficientes. Também em depoimento de delação premiada, Joesley disse que pagou este ano R$ 2 milhões em propina a Aécio.

O dinheiro teria sido entregue a um primo de Aécio, Frederico Pacheco de Medeiros, que foi preso na última quinta-feira (18). A entrega foi registrada em vídeo pela PF, que rastreou o caminho do dinheiro e descobriu que o montante foi depositado na conta de uma empresa do senador Zezé Perrella (PMDB-MG).

Histórico

A decisão pelo pedido de  impeachment de Temer foi tomada pelo conselho pleno da OAB na madrugada deste domingo (21), por 25 votos a 1. Este é o terceiro pedido de afastamento de presidentes da República na história da Ordem. O primeiro, em conjunto com a Associação Brasileira de Imprensa (ABI), ocorreu em 1992 em relação a Fernando Collor. O mais recente, no ano passado, envolveu a então presidenta, Dilma Rousseff.

“Esta é uma demonstração clara para sociedade brasileira de que esta é uma Casa da democracia e [de que] o partido da OAB é o Brasil. A nossa ideologia é a Constituição da República, e essas decisões demonstram isso\; que ideologias partidárias e paixões não estão à frente das decisões que a OAB tem que tomar”, disse o presidente da entidade.

(Agência Brasil)

Tasso Jereissati diz que crise não deve prejudicar a Reforma Trabalhista

O senador Tasso Jereissati, presidente nacional do PSDB, afirmou, nesta segunda-feira, que a Câmara e Senado não estão de férias ou de recesso e que precisam e devem continuar seu trabalho para não parar o Brasil.

Dentro dessa tese, o tucano disse que reformas como a trabalhista precisam ser aprovadas. Tasso reconhece que as denúncias contra o governo  são “gravíssimas” e vão ter seu desdobramento à parte, mas a questão não é de governo, mas de País.

“Não devemos deixar o País degringolar em função da crise do governo. Crise do governo, avaliamos separadamente, mas nosso trabalho no dia a dia aqui temos que ter responsabilidade para não parar o Brasil”, reforçou Jereissati.

(Agência Senado)

Grupo JBS e PRG – Um acordo de pai para filho

Joesley Batista, um dos donos do grupo que provocou tsunami na política brasileira.

Mais um dado que reafirma que o acordo entre a JBS e a Procuradoria-Geral da República uma jóia — para os irmãos Batista.

Pegue-se o exemplo da UTC. Ricardo Pessoa é dono de uma empresa que faturava R$ 5 bilhões e pagou uma multa de R$ 50 milhões em seu acordo de delação.

Os Batista pagaram R$ 225 milhões de multa. Mas apenas a principal empresa do grupo J&F, a JBS, fatura anualmente R$ 170 bilhões, informa o jornalista Lauro Jardim, em sua coluna no O Globo.

UFC ocupa a quarta colocação no ranking nacional de patentes

A Universidade Federal do Ceará foi a quarta instituição que mais depositou patentes de invenção no Brasil em 2016. A informação foi divulgada pelo presidente do Instituto Nacional de Propriedade Industrial (INPI), Luiz Otávio Pimentel, na última quinta-feira (18), durante o XI Encontro Anual da Associação Fórum Nacional de Gestores de Inovação e Transferência de Tecnologia (Fortec), em Fortaleza.

A Universidade foi representada no evento pelo Prof. Rodrigo Porto, titular da Coordenadoria de Inovação Tecnológica, área que articula as ações de estímulo ao desenvolvimento de produtos e processos na UFC. A informação consta no site da UFC.

O ranking considera não apenas as universidades mas todas as instituições que depositam patentes – públicas e privadas – no Brasil. A UFC ficou atrás somente da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), Universidade de Campinas (Unicamp) e Universidade de São Paulo (USP), nessa ordem, e passou a ocupar a posição de principal centro de inovação nacional fora do Sudeste.

“O resultado é motivo de muita satisfação. Isso mostra a qualidade de nosso corpo docente e discente e fortalece nossa decisão de colocar a inovação como uma das principais metas da gestão”, avalia o reitor da UFC, Henry Campos.

 

Defesa de Michel Temer desiste de recursos no qual pedia suspensão de inquérito

A defesa do presidente Michel Temer desistiu hoje (22) do recurso no qual solicitou ao Supremo Tribunal Federal (STF) a suspensão das investigações relacionadas ao presidente. A medida foi tomada após o anúncio de que a Corte autorizou a Polícia Federal a realizar uma perícia no áudio entregue pelo empresário Joesley Batista em seu depoimento de delação premiada.

De acordo com um dos representantes de Temer, o advogado Gustavo Guedes, após o deferimento de perícia, a defesa está satisfeita e não quer mais o julgamento do recurso. Guedes também anunciou que a defesa contratou uma perícia particular para analisar o áudio. Segundo o advogado, foram encontrados “70 pontos de obscuridade no material”.

“A defesa do presidente apresentou petição dizendo agora: nos sentimos atendidos com o deferimento da perícia [oficial] e a partir desse laudo que nós juntamos agora, que nos dá segurança, nós queremos agora que isso se resolva o mais rapidamente possível”, disse.

A abertura do inquérito sobre Temer por corrupção passiva, organização criminosa e obstrução da Justiça foi autorizada pelo ministro Edson Fachin na quinta-feira (18), a pedido da Procuradoria-Geral da República (PGR). Segundo o Ministério Público Federal, em encontro com o empresário Joesley Batista, Temer deu aval para que ele continuasse a pagar uma espécie de mesada ao ex-deputado Eduardo Cunha e ao doleiro Lúcio Funaro, ambos presos, para que continuassem em silêncio. O áudio da conversa, gravada por Joesley, foi disponibilizado na última quinta-feira (18).

No fim de semana, em pronunciamento à nação, Temer anunciou um recurso ao Supremo, questionou a legalidade da gravação e disse que há muitas contradições no depoimento de Joesley, dono do grupo JBS, como a informação de que o presidente teria dado aval para comprar o silêncio do ex-deputado Eduardo Cunha, que está preso em Curitiba. Temer classificou a gravação de clandestina, manipulada e adulterada, “com objetivos nitidamente subterrâneos”.

(Agência Brasil)

Cid diz que vai processar dono da JBS

257 1

O ex-governador Cid Gomes (PDT) anunciou, nesta segunda-feira, em coletiva na Assembleia Legislativa, que vai processar, por calúnia e difamação, o empresário Wesley Batista, um dos donos da JBS.  “Essas denúncias foram feitas para obter alguma vantagem em delação premiada. Um deles gravou o presidente, gravou o candidato da oposição, e esse sujeito (Wesley), precisando de algum fato, deu conta de inventar mentiras contra mim”, afirmou.

Cid Gomes deu coletiva para rechaçar fala de Wesley de que teria ganho R$ 20 milhões para campanha do governador Camilo Santana, em 2014, em troca da liberação de crédito de R$ 110 milhões de ICMS. “Não é possível fazer vinculação de qualquer tipo para esses pagamentos. Isso não é da minha índole, jamais foi feito. Nós temos critérios e regras para campanhas”, complementou o ex-governador.

“É verdade que houve contribuição, mas sem qualquer vinculação com prestação de serviços do governo ou dos mandatos que tivemos. Ao longo dos últimos anos, todas as nossas contribuições sempre tiveram a orientação de que fosse tudo dentro da lei (…) tanto que todas as nossas contas foram aprovadas sem questionamento pela Justiça Eleitoral”, diz Cid.

O ex-governador confirmou ainda que se reuniu com os irmãos Joesley e Wesley Batista em 2014. Ele destaca, no entanto, que a reunião tratou da possível instalação de uma fábrica da Vigor no Ceará e de uma possível candidatura de um dos irmãos ao governo de Goiás.

(Também com O POVO Online/Foto Blog do Eliomar)

Efeito JBS – Heitor entra com representações no MPCE e MPF para afastar secretários de Camilo Santana

O deputado estadual Heitor Férrer (PSB) deu entrada, nesta segunda-feira (22), numa representação no Ministério Público Estadual e no Ministério Público Federal pedindo medidas judiciais para afastar dos seus respectivos cargos os secretários estaduais Arialdo Pinho (Turismo) e Antônio Balhmann (Assuntos Internacionais). Os dois foram citados na delação de Wesley Batista, um dos donos da JBS por recebimento de propina.

Wesley Batista disse que Arialdo Pinho, hoje secretário estadual do Turismo, à época chefe da Casa Civil do Governo Cid Gomes, e o então deputado federal Antônio Balhmann mediaram a doação de R$ 20 milhões para a campanha de Camilo Santana (PT), a partir da contrapartida de R$110 milhões de créditos de ICMS devidos a JBS.

Para o deputado socialista, os secretários incorreram em crime de corrupção passiva e improbidade administrativa. Heitor também apresentou requerimento na Assembleia Legislativa solicitando ao governador Camilo a exoneração dos secretários.

“Há a declaração comprovada por meios de notas fiscais e recibos de que o ex Governador Cid Gomes recebeu propina de 20 milhões de reais para injetar na campanha de seu sucessor, o atual Governador Camilo Santana, por meio de visitas dos secretários. Houve abuso de poder econômico na eleição do Camilo/Isolda, mas, infelizmente, o prazo para entrar com a cassação da chapa expirou”, disse Heitor Férrer.

STF decide julgar recursos de Temer só após perícia da PF em gravações

A presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Cármen Lúcia, decidiu hoje (22) que o recurso do presidente Michel Temer será julgado somente após a conclusão da perícia pela Polícia Federal no áudio entregue pelo empresário Joesley Batista em seu depoimento de delação premiada.

No sábado (27), o ministro Edson Fachin, relator da investigação sobre o presidente na Corte, pediu que o recurso fosse incluído na pauta de julgamento. A tendência era que o recurso fosse julgado na próxima quarta-feira (24), mas a conclusão os trabalhos periciais da PF será necessária para que a data seja mantida. Além disso, os advogados do presidente e a Procuradoria-Geral da República (PGR) deverão se manifestar novamente após o laudo.

A abertura do inquérito por corrupção passiva, organização criminosa e obstrução da Justiça foi autorizada pelo ministro na quinta-feira (18), a pedido da PGR. Segundo o Ministério Público Federal, em encontro com o empresário Joesley Batista, Temer deu aval para que ele continuasse a pagar uma espécie de mesada ao ex-deputado Eduardo Cunha e ao doleiro Lúcio Funaro, ambos presos, para que continuassem em silêncio. O áudio da conversa, gravada por Joesley, foi disponibilizado na última quinta-feira (18). Após a divulgação, o presidente Michel Temer e assessores afirmaram que o conteúdo da conversa não incrimina o presidente.

No fim de semana, em novo pronunciamento à nação, Temer anunciou um recurso ao Supremo, questionou a legalidade da gravação e disse que há muitas contradições no depoimento de Joesley, dono do grupo JBS, como a informação de que o presidente teria dado aval para comprar o silêncio do ex-deputado Eduardo Cunha, que está preso em Curitiba.

(Agência Brasil)