Blog do Eliomar

Categorias para Brasil

Um livro para ensinar os caminhos do empreendedorismo

Felipe Guerra, professor, contador e membro da Academia Cearense de Ciências Contábeis, lançará nesta terça-feira, às 19 horas, na BS Design (Aldeota), o livro Caminhos do Empreendedorismo. Voltado para empreendedores ou aspirantes a empreendedores, é a segunda publicação do autor que, desta vez, tem co-autoria com seus sócios, Vitória Leal, Rondinelly Coelho e Marcos Lima.

“Nosso objetivo é levar o máximo de experiência prática, dicas e insights para que os empreendedores consigam tirar as ideias do papel e colocarem, de verdade, em execução. A gente sai do âmbito romantizado do empreendedorismo como sendo tudo fácil e entra em um aspecto bem operacional mesmo”, explica Guerra, adiantando que a obra está dividida em capítulos que vão trabalhar temas voltados para a gestão.

DETALHE – O livro Caminhos do Empreendedorismo ainda não está disponível para o mercado. A obra trata-se de uma edição especial, sendo neste primeiro momento destinada a presentear clientes e parceiros.

(Foto – Divulgação)

Bolsa Família registra 2.6 mil processos por pagamento indevido

O Ministério da Cidadania e o Tribunal de Contas da União, num trabalho de investigação, deram origem a 2.663 processos de cobrança de ressarcimento contra beneficiários do programa Bolsa Família que receberam os recursos indevidamente.

A informação é da Veja Online, adiantando que, desse total, o governo federal conseguiu receber de volta 927,3 mil de reais de beneficiários que não declararam toda a renda familiar e, por isso, recebiam os recursos indevidamente.

As famílias que quitam o débito com a União poderão ser selecionadas para retornar ao Programa a partir de um ano da quitação, se atenderem às regras de habilitação do Bolsa Família. Mas se o débito não for pago, fica impedida de ingressar, mesmo se atendidos os demais critérios de elegibilidade.

Leônidas Cristino – “O preço da falta de planejamento”

Em artigo intitulado “O preço da falta de planejamento”, veiculado nesta terça-feira no O POVO, o deputado federal Leônidas Cristino (PDT) critica as consequências negativas da falta de planejamento no Brasil. O país não investe em infraestrutura o suficiente em capitais públicos e privados para a retomada do desenvolvimento, que só será possível com a definição de um projeto. Confira:

Nos países, a assimilação da cultura do planejamento é um diferencial de como Estado se posiciona diante do desafio do desenvolvimento. Mas no Brasil esta é uma lacuna a ser preenchida. Por este vazio de planejamento, pagamos um preço alto que se reflete no presente colapso da infraestrutura e no índice de crescimento econômico quase nulo.

A construção de uma matriz de desenvolvimento com garantia dos objetivos de longo prazo, todavia, jamais poderá ser assegurada com planos setoriais pontuais e isolados. Chegar a este patamar somente será possível com a consecução de um projeto nacional. Para isso, temos de saber que infraestrutura e que País queremos, de forma estrategicamente planejada. Esta é uma tarefa urgente para qualquer governo.

O Brasil não investe sequer o mínimo necessário para cobrir a depreciação dos ativos de infraestrutura, que seria 2,03% do PIB anual. Somados os investimentos públicos e privados, no ano passado o País investiu 1,7% do PIB em infraestrutura.

O modelo atual privilegia a acumulação rentista, os interesses do mercado. A busca da estabilidade macroeconômica prioriza a gestão de curto prazo. A acumulação produtiva de longa duração não é levada em conta. A função planejamento foi sacrificada.

Outro indicador que aponta a gravidade da situação é a redução sistemática do estoque do capital de infraestrutura, que desabou para 36,2% do PIB em 2016 – era de 58,2% em 1983. O parâmetro internacional é de 60% do PIB. Na área de transportes no Brasil houve queda neste indicador – de 21,3% do PIB em 1983 para 12,1% do PIB em 2016.

Desde 1980, o PIB per capita no Brasil cresce a valores ínfimos. De fato, o declínio do investimento em infraestrutura ajudou a puxar para baixo o crescimento do País. As funções de planejamento têm sido negligenciadas a partir das décadas de 1980 e 1990.

Para voltar a crescer, o Brasil terá investir em infraestrutura pelo menos 4,5% do PIB nos próximos 10 anos, quase metade só para cobrir os custos de depreciação. É necessário incrementar o investimento, aumentar a eficiência e qualidade de sua aplicação.

*Leônidas Cristino

Deputado federal do PDT do Ceará.

Fies 2019 – Inscrições para o segundo semestre estão abertas

Estão abertas as inscrições para o Fundo de Financiamento Estudantil (Fies) do segundo semestre de 2019. As inscrições,iniciadas nesta terça-feira, são feitas pela internet, no site do programa, até o dia 1° de julho.

O Fies concede financiamento a estudantes em cursos superiores de instituições privadas com avaliação positiva pelo Ministério da Educação.

Pode concorrer quem fez uma das edições do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) a partir de 2010, com média igual ou superior a 450 pontos, e obtido nota maior que zero na redação.

Modalidades

O novo Fies tem modalidades de acordo com a renda familiar. A modalidade com juro zero é para os candidatos com renda mensal familiar per capita de até três salários-mínimos. O aluno começará a pagar as prestações respeitando o seu limite de renda.

A modalidade chamada de P-Fies é para candidatos com renda familiar per capita entre 3 e 5 salários-mínimos. Nesse caso, o financiamento é feito por condições definidas pelo agente financeiro operador de crédito que pode ser um banco privado ou Fundos Constitucionais e de Desenvolvimento.

O resultado da pré-seleção referente ao processo seletivo do segundo semestre de 2019 para as modalidades Fies e P-Fies será divulgado no dia 9 de julho.

(Agência Brasil)

Portaria regulamenta revisão de benefícios do INSS

197 2

A Secretaria Especial de Previdência e Trabalho do Ministério da Economia publicou, hoje (25), no Diário Oficial da União, Portaria 617 regulamentando o Programa de Revisão de Benefícios por Incapacidade. Instituído pela Lei nº 13.846, de 18 de junho de 2019, o programa permitirá ao INSS acelerar a revisão de benefícios por incapacidade pagos a trabalhadores que não passam por perícia médica há mais de seis meses e que não têm previsão de retornar ao trabalho. Também poderão ser revistos outros benefícios de natureza previdenciária, assistencial, trabalhista ou tributária.

Assinada pelo secretário especial Rogério Marinho, a portaria disciplina o pagamento do Bônus de Desempenho Institucional por Perícia Médica em Benefícios por Incapacidade, gratificação que será paga aos peritos médicos federais que, voluntariamente, aderirem ao programa de revisão dos benefícios previdenciários e assistenciais. Para cada perícia médica extraordinária realizada no âmbito do programa, o profissional receberá R$ 61,72.

Os profissionais que aceitarem participar da iniciativa deverão periciar os beneficiários convocados pela Subsecretaria da Perícia Médica Federal, além de manter o fluxo de atendimento habitual, ou seja, deverão realizar um número de perícias superior ao que habitualmente fazem. Em dias úteis, cada perito poderá realizar, no máximo, 15 revisões médicas extraordinárias. Já em dias não úteis, quando o INSS convocar mutirões, o limite de atendimentos será de 30 perícias médicas extraordinárias.

Caberá à Coordenação-Geral de Avaliação da Perícia Médica da subsecretaria monitorar o quantitativo de perícias médicas agendadas. Ao convocar os beneficiários para que agendem a data de sua perícia, a subsecretaria priorizará a idade do beneficiário, dos mais novos para os mais velhos, e o tempo de manutenção do benefício pago pelo INSS, também do maior para o menor.

Combate às fraudes

Sancionada no último dia 18, a Lei 13.846 é resultado da Medida Provisória 871, aprovada pelo Congresso Nacional no último dia 3 de junho.

Além do Bônus de Desempenho Institucional por Perícia Médica em Benefícios por Incapacidade a ser pago aos peritos médicos federais da Previdência Social por reavaliação extraordinária, a lei também institui uma bonificação de desempenho aos servidores do INSS que concluírem a reanálise de processos envolvendo indícios de pagamentos de benefícios irregulares. A cada processo analisado fora do horário de trabalho, sem prejuízo das atividades regulares habituais, o servidor receberá R$ 57,50.

A lei também modifica as regras para o cadastramento de trabalhadores rurais e demais segurados especiais, que passará a ser feito pelo Ministério da Economia, e não mais pelos sindicatos. Os dados cadastrais deverão ser atualizados anualmente. A partir de 1º de janeiro de 2023, a comprovação da condição e do exercício da atividade rural do segurado especial ocorrerá, exclusivamente, pelas informações constantes desse cadastro.

A Lei 13.846 também traz mudanças para o pagamento do auxílio-reclusão, benefício que só será concedido para detentos que cumprem pena em regime fechado, e não mais no semiaberto. Além disso, a lei amplia o número de contribuições mínimas exigidas para a requisição do benefício pela família do detento.

Durante a cerimônia de sanção da lei, na última terça-feira (18), o secretário Especial da Previdência e Trabalho, Rogério Marinho, disse que a proposta é “endurecer os processos de combate aos sonegadores”.

“Esta lei retira uma série de vácuos que existem na legislação. Permite que o nosso INSS possa permanecer rígido e íntegro para prestar um serviço à sociedade que dele precisa. Ela combate fraude, por exemplo, na questão da prestação do serviço dado pelo trabalhador rural, e agora nós vamos ter a convicção de que o direito do trabalhador rural será respeitado, aquele segurado especial que realmente precisa, porque estamos resolvendo a questão do cadastro. E estamos resolvendo a questão que existia anteriormente no auxílio-reclusão”, declarou Marinho.

(Agência Brasil)

Presidente do BC diz ser preciso continuar trabalhando pela redução dos juros do crédito

O presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, afirmou hoje (25) que ainda é preciso continuar trabalhando para reduzir as taxas de juros do crédito. Campos Neto participou nesta manhã de palestra em evento promovido pela Organização das Cooperativas Brasileiras Organização das Cooperativas Brasileiras (OCB). Ele apresentou a Agenda #BC, lançada no fim de maio, e as propostas para o cooperativismo brasileiro que fazem parte da proposta.

Campos Neto citou que o spread, diferença entre taxa de captação de recursos pelos bancos e a cobrada dos clientes, não caiu na mesma proporção da taxa básica de juros, a Selic, que está atualmente em seu mínimo histórico, em 6,5% ao ano.

“A Selic caiu bastante, mas os spreads do crédito não caíram proporcionalmente. Então existe uma frustração, uma angústia da sociedade de ter um juros muito baixo, mas de ter um spread muito alto. Então acho que a agenda [de trabalho do BC, a Agenda #BC] atingiu vários objetivos, mas ainda precismos continuar trabalhando nesse sentido”, disse.

Sobre a economia mundial, Campos Neto disse que há um processo de revisão para baixo de crescimento. Ele citou que a previsão para crescimento da economia mundial saiu de 3,6%, em março de 2018, para 3,3%, neste mês. Segundo ele, a guerra comercial entre Estados Unidos e China tem gerado um efeito maior nos países asiáticos, mas “vem contaminado o resto do mundo”.

“Na economia doméstica, nossa missão número 1 é manter a inflação sobre controle, o poder de compra da moeda. A gente está com inflação dentro da meta para os próximos anos”, afirmou.

Campos Neto citou que as mudanças nas previsões para o crescimento do Produto Interno Bruto (PIB), soma de todos os bens e serviços produzidos no país, neste ano. “No começo da revisão existia uma interpretação que o crescimento estava sendo postergado e depois o crescimento começou a cair. E teve consecutivas revisões para baixo”.

Na ata da última reunião do Comitê de Política Monetária (Copom), divulgada hoje, o BC diz que houve uma interrupção do processo de recuperação da atividade econômica e reforça que espera pela “retomada do processo de recuperação econômica adiante, de maneira gradual”. O Copom projeta que o Produto Interno Bruto (PIB), a soma de todos os bens e serviços produzidos no país, deve ficar próximo da estabilidade no segundo trimestre deste ano.

“Um dos canais que continua bastante vivo na nossa economia e tem sido um sinal de alento é o canal de crédito.”, disse. Ele mostrou que o crédito total cresceu 5,4% em abril deste ano.

Sobre as cooperativas, Campos Neto citou que o setor segue em processo de consolidação. “Em 2018, houve redução de cerca de 4% na quantidade de cooperativas singulares, de 967 para 925. Apesar disso, o número de cooperados aumentou e, em 2018, ultrapassou os 10 milhões de pessoas, entre físicas e jurídicas”, disse. O presidente do BC projeta aumento da participação das cooperativas no crédito concedido no Sistema Financeiro Nacional de 8% para 20%, em 2022.

(Agencia Brasil)

Jurista Marcelo Uchôa – “STF no cadafalso”

250 5

Com o título “STF no cadafalso”, eis artigo de Marcelo Uchôa, professor doutor de Direito da Universidade de Fortaleza e membro da Associação Brasileira de Juristas pela Democracia (ABJD) – Núcleo do Ceará. Ele analisa o futuro de Lula, o caso das conversas vazadas entre Moro e Dallagnol e o que se espera do Supremo. Confira: 

Sócrates afirmava que segundo o prisma ético era melhor ser acometido por uma injustiça do que cometê-la, porque quem comete a injustiça é um criminoso, quem a sofre não é. A assertiva, por mais conscienciosa que seja, não resolve a fundo os problemas jurídicos, embora tenha a virtude de reconhecer que o direito é incapaz de suplantar a falibilidade humana.

Essa suscetibilidade do ser humano, que para Kant era uma obsessão e para Kelsen o ponto fora da curva a ser evitado por sua Teoria Pura do Direito, não resultaria em garantia alguma de justiça, mesmo que um imperativo categórico ou uma teoria normativa perfeita estabelecessem um padrão cognitivo seguro de julgamento que tolhesse o erro humano. Afinal, o erro bem pode não decorrer necessariamente de um deslize ingênuo de interpretação, ao contrário, pode advir de má-fé explícita da parte de quem julga. No Brasil dos anos recentes, há juízes que decidiram virar hooligans ingleses sedentos para comemorar a vitória de seus times.

É precisamente essa a situação do processo do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Vê-se estupidamente posto um caso concreto, acerca do qual nada há mais a se fazer para demonstrar que o rito que o levou à condenação está repleto de irregularidades, desde antes da instauração do próprio processo incriminatório. Uma vítima inocente, anos a fio demonizada pela imprensa tradicional (fundadora das fake news no Brasil), cuja prisão já estava decretada antes mesmo de se tornar réu. Na esteira, fadado também estava o percurso processual meteórico no tribunal de segunda instância, para que dali lhe fossem retiradas as bases para uma eventual candidatura à presidência da República em 2018.

No STJ, processo vai, processo vem, até que mesmo diante de uma bomba estourada no país demonstrando um conluio espúrio, vexatório, promíscuo, entre judiciário e ministério público, atentatório a qualquer regra mínima de respeito processual em um Estado que se define como de Direito, a matéria é levada ao STF onde não há mais razões lógicas para que o ex-presidente Lula da Silva, claramente um preso político, não seja beneficiado, pelo menos, com os princípios mais elementares da proteção humana, o in dubio pro reo e a presunção de inocência, afinal, não há pena mais cruel no Brasil que a privação da liberdade, a qual não se pode manter diante de dúvidas tão cabais sobre ilicitudes e arbitrariedades de atos estatais, mormente quando comprovadamente combalidas as garantias do juízo imparcial e da justa defesa.

O problema é que não é o ex-presidente Lula da Silva que está preso, são os que o condenaram que estão nas beiradas do lixo da história. A Corte Suprema, no alto do cadafalso em que se encontra, enquanto titubeia em decidir sobre a medida que deve libertar o ex-presidente, reflete sobre se degola a si ou se responsabiliza os menestréis de toda esse desandar jurídico-político. A pergunta que resta é até quando as instituições brasileiras de justiça se submeterão ao vexame nacional e internacional de se atarem às rédeas da política? Essa talvez seja a grande dúvida que a nação possui nesse dramático momento. Curioso haver sido justamente um comediante norte-americano injustiçado, Lenny Bruce, em idos dos anos 60, que percebeu que nos Átrios de Justiça dos Estados Unidos a justiça só existia nos átrios. Não é de admirar que os apaixonados pelo direito estadunidense no Brasil também estabeleçam um apartheid judicial entre os que merecem a liberdade e os que merecem a prisão, ainda que ambas sejam definidas injustamente.

*Marcelo Uchôa,

Professor Doutor de Direito da Universidade de Fortaleza/UNIFOR. Membro da Associação Brasileira de Juristas pela Democracia (ABJD) Núcleo do Ceará.

Tiririca apresenta projeto criando um plano nacional de apoio ao circo

241 2

O deputado federal Tiririca (PR-SP) apresentou ,no começo deste mês de junho, um projeto de lei para criar uma “Política Nacional de Apoio ao Circo”.

Além de obrigar estados, municípios e a União a reservarem dinheiro do orçamento para o setor, Tiririca quer que cada município do País tenha um espaço adequado para receber o circo.

(Foto – Agência Câmara)

Grupo de juízes pede abertura de investigação e possível desfiliação de Moro da Ajufe

Um grupo de 30 juízes e juízas federais deu entrada, nessa segunda-feira, na Associação dos Juízes Federais (Ajufe), numa representação contra o ministro da Justiça e Segurança, Sérgio Moro.

Segundo o jornalista Lauro Jardim, colunista do O Globo, trata-se da primeira investida da categoria contra o colega, desde que o “The Intercept Brasil” começou a vazar mensagens do celular de Deltan Dallagnol.

Os magistrados querem que a entidade abra um processo administrativo disciplinar e a eventual desfiliação de Moro, sócio benemérito da entidade, em caso de confirmação da má conduta do juiz.

Na representação, os juízes justificam assim o pedido:.

Segundo diálogos, o representado aconselha e orienta a acusação, cobra agilidade; refere-se a pessoas delatadas como inimigos, sugerindo que apenas 30% sejam investigados; fornece “fonte” a membro do MPF; sugere a substituição de uma procuradora em audiência, demonstrando preocupação com o desempenho da acusação; antecipa decisão a uma das partes, e desdenha da Defesa.

Cláudia Leitão fala sobre economia criativa em congresso internacional

A professora Cláudia Leitão, diretora do Observatório de Governança Municipal (Diobs), do Instituto de Planejamento de Fortaleza (Iplanfor), falará sobre “Nordeste Criativo: caminhos e possibilidades” na Conferência Internacional de Economia Criativa.

Será nesta terça-feira, às 20 horas, no Centro de Negócios do Sebrae (Praia de Iracema).

Cláudia também é presidente da Câmara Setorial de Economia Criativa e já foi secretária estadual da Cultura (Governo Lúcio Alcântara).

(Foto – Divulgação)

Confiança do Consumidor cresce 1,9 ponto de maio para junho, diz FGV

O Índice de Confiança do Consumidor, medido pela Fundação Getulio Vargas (FGV) cresceu 1,9 ponto na passagem de maio para junho, chegando a 88,5 pontos, em uma escala de zero a 200 pontos. A alta interrompeu uma sequência de quatro quedas consecutivas.

Apesar disso, segundo a FGV, o índice se mantém em patamar baixo em termos históricos.

O avanço foi provocado pela alta do Índice de Expectativas, que mede a confiança dos consumidores no futuro e que cresceu 3,2 pontos de maio para junho, para 99,7 pontos. O componente relacionado à evolução da situação financeira das famílias foi o que mais contribuiu para a alta da confiança no mês (mais 8,1 pontos).

A satisfação dos consumidores em relação ao presente, medida pelo Índice da Situação Atual, se manteve estável de maio para junho e as expectativas em relação aos próximos meses melhoraram. O indicador que mede o grau de satisfação com a economia subiu 0,9 ponto, mas as avaliações sobre a situação financeira das famílias pioraram 0,8 ponto.

De acordo com a pesquisadora da FGV Viviane Seda Bittencourt, com o mercado de trabalho avançando lentamente, os resultados ainda podem demorar a influenciar significativamente as percepções sobre a economia no momento.

(Agência Brasil)

TJCE encerra nesta terça-feira prazo de convocação dos juízes leigos

Termina nesta terça-feira o prazo de convocação dos aprovados na seleção pública para juízes leigos (graduados em Direito que auxiliam os magistrados). O lembrete é da assessoria de imprensa do Tribunal de Justiça do Ceará, adiantando que o atendimento acontece até as 17 horas, na Escola Superior da Magistratura (Rua Ramires Maranhão do Vale, 70, bairro Edson Queiroz, em Fortaleza).

Os profissionais selecionados precisam apresentar a documentação necessária para serem designados à função, que será exercida de forma remunerada nos Juizados Especiais Cíveis, Criminais e da Fazenda Pública, além das Turmas Recursais. Foram aprovados 100 candidatos.

*Validade: dois anos, podendo haver prorrogação pelo mesmo prazo

*Valor da bolsa: R$ 26,00 por ato homologado

Xô, gripe! Mais de 53,5 milhões de pessoas já foram vacinadas

Mais de 53,5 milhões de pessoas dos grupos prioritários, entre eles, professores, gestantes, profissionais das forças de segurança de salvamento, crianças e idosos, procuraram os postos de saúde, onde se vacinaram contra a gripe, até essa segunda-feira (24). Também foram vacinadas 5,6 milhões de pessoas que não integram os grupos prioritários.

De acordo com o Ministério da Saúde, os dados mostram ainda que 18 estados e o Distrito Federal conseguiram vacinar 90% do público-alvo. No total, foram distribuídas 59,5 milhões de doses para todo o país. Os grupos prioritários tiveram entre os dias 10 de abril e 31 de maio para se vacinar com exclusividade.

“Apesar de atingir a meta nacional, nem todos os grupos conseguiram alcançar os 90% de cobertura: crianças (82,8%), gestantes (81,8%), pessoas com comorbidades (86,3%), profissionais das forças de segurança e salvamento (48,5%) e população privada de liberdade (74,8%) ficaram com a vacinação abaixo do ideal. Isso significa que mais de 2,6 milhões de crianças e 3,8 milhões de gestantes deixaram de se vacinar”, informou o ministério.

Atingiram a meta de vacinação os trabalhadores de saúde (90%), puérperas (103,4%), indígenas (95,2%), idosos (98,2%), professores (104,4%) e funcionários do sistema prisional (124,2%).

Quanto à cobertura vacinal nos estados, oito não alcançaram a meta de 90%: Acre (86,7%), Bahia (86%), Rio de Janeiro (86,9%), São Paulo (84,7%), Paraná (86,9%), Santa Catarina (86,8%), Rio Grande do Sul (86,5%) e Mato Grosso do Sul (89,8%).

(Agência Brasil)

Ecos 2020 – José Guimarães diz que PT nada definiu sobre Luizianne disputando em Fortaleza

301 2

O Partido dos Trabalhadores vai iniciar, a partir de 1º de julho, o debate sobre sucessão nas Capitais, informa o deputado federal José Guimarães, também membro da executiva nacional da legenda.

Indagado sobre resolução do PT que inclui Fortaleza entre as prioridades 2020 e chegou a indicar o nome da deputada federal Luizianne Lins como opção petista para a disputa em Fortaleza, foi direto e sem meias palavras:

– Não há decisão formal!”

Bom lembrar que Luizianne já foi prefeita da Capital cearense.

Lula deve levar à ONU mensagens de Moro com procuradores da Lava Jato

483 17

As mensagens trocadas pelo ex-juiz Sergio Moro e procuradores da Lava Jato devem compor a última manifestação da defesa de Lula à ONU, entidade na qual o petista questiona suas condenações na Justiça brasileira. A informação é da Coluna Painel, da Folha de S.paulo desta terça-feira.

De acordo com a Painel, além das conversas reveladas pelo The Intercept, os advogados do ex-presidente colecionam declarações de membros das Forças Armadas e do governo Bolsonaro. Querem mostrar que todas as instâncias do Judiciário são pressionadas quando é seu cliente quem está nos autos.

Em setembro, haverá sessão da ONU e a expectativa dos advogados de Lula é a de que o caso do petista seja analisado nessa ocasião. O desafio dos advogados é convencer a entidade de que o pleito do ex-presidente se enquadra nos parâmetros dela.

A praxe é provocar a ONU somente após esgotados todos os recursos na Justiça nacional. Lula ainda não cumpriu esse roteiro, mas seus advogados atuam para convencer a organização de que “não há remédio jurídico possível” para ele, sob o argumento de que todas as instâncias estão sob tensão.

(Foto – Reprodução dol Youtube)

Jornalista do The Intercept Brasil falará nesta terça-feira na Câmara dos Deputados

488 2

O jornalista Glenn Greenwald, do The Intercept Brasil, vai à Câmara dos Deputados, nesta terça-feira, às 15 horas, na Comissão de Direitos Humanos. A informação é da Veja Online, adiantando que a presença dele na Casa atende a requerimentos dos deputados Márcio Jerry, Camilo Capiberibe, Carlos Veras e Túlio Gadelha, que serão os primeiros a falar no ato.

Glenn,  assim como o ministro Sergio Moro (Justiça e Segurança), será cercada de forte esquema de segurança e regras rígidas para entrada no plenário.

A exemplo dos cuidados adotados com Sérgio Moro no Senado, na sessão da Câmara entrarão apenas funcionários designados e com crachá especial. Nem mesmo o comando da Comissão de Direitos Humanos sabe onde ele estará hospedado. Nem voo e horário de chegada. O Departamento de Polícia Legislativa cuida da estratégia.

Glenn terá vinte minutos de fala inicial e cada um dos quatro autores, todos da oposição, três minutos cada. A cada cinco manifestações de parlamentares, ele terá dez minutos para responder.

(Foto – Divulgação)

Editorial do O POVO – “Democracia: deterioração e resistência”

149 1

Com o título “Democracia: deterioração e resistência”, eis o Editorial do O POVO desta terça-feira. Repercute entrevista do governador do Maranhão, Flávio Dino (PT) concedida ao O POVO nessa segunda-feira. Confira:

Repercute a entrevista concedida, nesta segunda feira, às Páginas Azuis do O POVO pelo governador do Maranhão, Flávio Dino (PCdoB). Sua defesa da institucionalidade democrática e da articulação dos estados, em termos regionais, para uma atuação unificada em favor de uma agenda nacional e democrática é uma contribuição indiscutível ao fortalecimento das instituições da democracia e da Federação.

Nesse sentido, a primeira providência dos democratas é evitar que extremismos e sectarismos levem o País a uma situação de ruptura da democracia. Rupturas sempre foram recorrentes na história do País, sob os mais diversos pretextos. O “vírus autoritário” foi inoculado na Nação quando da primeira Constituição do Brasil independente. A Carta foi imposta autoritariamente pelo imperador Pedro I, depois de fechar a Assembleia Constituinte, por discordar da proposta que esta elaborava por mandato dos eleitores, em 1824. Seu sucessor, Pedro II, embora não tenha sido um déspota (ao contrário), legitimou o regime ambíguo, que aparentava ser afeito à lei, mas esta já estava corroída na origem, dando lugar a um Poder Moderador (pessoal) do Imperador que tornava o sistema parlamentarista um simulacro.

Essa cultura do simulacro institucional perpetuou-se e atravessou a República, entranhando-se na concepção de poder das elites brasileiras.

Para estas, a democracia sempre funcionou sub conditione (sob condição)…

*Confira a íntegra do Editorial do O POVO aqui.

Quer conhecer o camarim de Sandy e Júnior durante show em Fortaleza?

Sandy e Junior continuam anunciando surpresas para os fãs. Agora, além de curtir a apresentação dos irmãos com os shows da turnê “Nossa História”, os fãs de Salvador, Brasília e Fortaleza terão a chance de visitar o camarim da dupla. A turnê de retorno de Sandy e Junior chega a Fortaleza no dia 19 de julho, no Centro de Eventos.

A ação foi anunciada no perfil oficial de Sandy no Instagram. Interessados em participar devem postar uma foto na rede social contando a sua história, de acordo com Sandy. As publicações devem conter as hashtags #NossaHistóriaSJSalvador, #NossaHistóriaSJFortaleza ou #NossaHistóriaSJBrasília (dependendo da cidade).

As melhores imagens e histórias serão divulgados no Instagram da cantora. De acordo com a publicação, serão selecionados até dez fãs por show. Ação deve ser pensada para outros show da turnê. “Ah, e antes que nos perguntem: sim, a ideia é fazermos este convite para outros shows da turnê, só que mais pra frente”, finaliza Sandy no texto.

(Com O POVO Online/Foto – Divulgação)

Ceará reúne o terceiro maior número de bilionários do País, aponta Forbes

517 3

O Ceará é o terceiro estado do País com a maior concentração de bilionários, tendo 15 nomes, segundo a edição da revista Forbes divulgada em 2018. Cândido Pinheiro, médico e fundador do Hapvida, é o homem mais rico do Estado. Com fortuna avaliada em R$ 7,6 bilhões, ele ocupa a 26° posição no ranking nacional, depois da estreia da empresa na bolsa de valores em abril de 2018.

A Oferta pública inicial (usualmente referida como IPO) da operadora de saúde colocou outros dois nomes na lista da Forbes, Jorge Lima e Cândido Júnior. Filhos do fundador da Hapvida e donos de 20% da empresa, eles possuem individualmente fortuna avaliada em R$ 3,8 bilhões, ocupando a 67° posição no ranking nacional dos bilionários.

Em 2017, o Ceará possuia oito bilionários. Além do IPO da Hapvida, também foi determinante neste crescimento a conclusão do inventário de Ivens Dias Branco, colocando seus herdeiros entre os donos das maiores fortunas do País.

Demais bilionários cearenses

Na lista dos cearenses mais ricos do País, a matriarca Consuelo Dias Branco, ocupa o segundo lugar no Estado e o 42° no Brasil, com fortuna de R$ 5,76 bilhões. O sobrenome famoso aparece seis vezes no ranking, com as estreias de Ivens Júnior, Cláudio, Marcos, Maria das Graças e Maria Regina. Cada um deles tem fortuna avaliada em R$ 1,15 bilhão, aparecendo na 163° colocação.

A lista ainda é composta por Mário Araripe e família, donos do fundo Salus que controla a gigante de energia Casa dos Ventos, com R$ 5,5 bilhões, ocupando o 47° lugar no ranking nacional. Em seguida aparece Amarílio Macêdo e família, da indústria de alimentos J. Macêdo (R$ 3,5 bilhões; 72° do País) e Deusmar Queirós e família, da rede de farmácias Pague Menos (R$ 3,2 bilhões; 76° do Brasil).

Carlos Jereissati e família, da La Fonte Participações, controladora do Iguatemi, possuem R$ 2,2 bilhões e estão na 105° posição. Everaldo Telles e família, do Grupo Telles, têm R$ 1,25 bi, em 156° colocação.

Ranking nacional

Após seis anos sendo o homem mais rico do Brasil, Jorge Paulo Lemann perdeu o posto de maior bilionário do País. O empresário e economista, que no momento acumula fortuna de US$ 22,4 bilhões, foi ultrapassado pelo proprietário do Banco Safra, Joseph Safra, com US$ 25,5 bilhões.

Entre os estados, o primeiro lugar é de São Paulo, com 72 bilionários, seguido do Rio de Janeiro, com 25. Atrás do Ceará (15), estão Minas Gerais (14) e Rio Grande do Sul (13). Na região Nordeste aparece Pernambuco (7) e Bahia (1).

Na comparação entre as fortunas somadas dos estados, o Rio de Janeiro permanece na primeira colocação (R$ 335 bilhões). São Paulo se mantém em segundo lugar registrando R$ 305 bilhões. Em seguida aparece Rio Grande do Sul (R$ 50 bilhões) e Ceará (R$ 43 bilhões). A soma de todos os bilionários das demais Unidades federativas do Brasil é de R$ 855 bilhões.

(Com O POVO Online)