Blog do Eliomar

Categorias para Brasil

13º salário – Pagamento vai trazer R$ 197 bilhões de volta para a economia

A economia brasileira deverá receber aproximadamente R$ 197 bilhões devido ao pagamento do décimo terceiro salário. Segundo o Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese), isso significa a movimentação de cerca de 3% do Produto Interno Bruto (PIB). O rendimento, com valor médio de R$ 2.192, deverá ser pago a 84 milhões de trabalhadores.

Em comparação com 2015, o montante significa um crescimento de 8,2% sobre os  R$ 182 bilhões pagos no ano passado. Considerando apenas os trabalhadores formais ativos, há uma queda de 3,4% em relação ao que foi pago no último fim de ano.

Para fazer a estimativa, o Dieese utiliza os dados da Relação Anual de Informações Sociais (Rais) e do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged). Também são levados em consideração os dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad), feita pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), da Previdência Social e da Secretaria do Tesouro Nacional.

Dos beneficiados com o pagamento do salário extra, aproximadamente 33,6 milhões (39,9% ) são aposentados ou pensionistas da Previdência Social. Essas pessoas devem receber R$ 41,3 bilhões, o que representa 21% do valor que será pago.

Os empregados formais respondem por 58,9% dos que receberão o décimo terceiro, um total de 49,5 milhões de pessoas. Esse grupo será destinatário de 68,5% dos recursos que serão injetados na economia pelo pagamento da remuneração de fim de ano, um total de R$ 134, 7 bilhões. Estão incluídos os empregados domésticos, que representam 2,5% dos trabalhadores e 1,1% do valor dos pagamentos.

Os aposentados pelo regime próprio da União são 1,2% dos beneficiados – 982,2 mil pessoas. Essa parcela receberá 4,2% dos recursos – R$ 8,2 bilhões.

(Agência Brasil)

Sergio Moro manda desbloquer quase R$ 60 mil da conta de Palocci

foto-sergio-moro-juiz-deferal

O juiz federal Sergio Moro atendeu ao ex-ministro Antonio Palocci (PT) e autorizou o desbloqueio de quase 60 mil reais da conta da empresa Projeto Consultoria Empresarial e Financeira Ltda, que pertence ao petista.

O dinheiro é para o pagamento dos funcionários relativo ao mês de setembro.

Moro deixou claro que o desbloqueio decorre de “mera liberalidade” e “desta única vez”.

Capitão Wagner – “É preciso aliar guarda armada com tecnologia”

419 1

eleições 2016 fortaleza nordestv 06 capitão wagner

Dados da ONG mexicana Conselho Cidadão para a Segurança Pública e Justiça Penal colocaram Fortaleza como cidade mais violenta do Brasil em 2015, com uma taxa de 60,6 homicídios por 100 mil habitantes  – é a 12ª colocada nesse ranking no mundo, segundo esses números.

A segurança se tornou protagonista na eleição da capital do Ceará, setor que é de responsabilidade principal do Estado. Capitão reformado da Polícia Militar, o deputado estadual Wagner Souza Gomes, 37, conhecido como Capitão Wagner (PR), em entrevista à Folha prometeu armar a guarda municipal para tentar diminuir a violência.

Ele aparece atrás na última pesquisa Datafolha, do dia 22 de outubro, encomendada pelo Jornal O POVO. O atual prefeito Roberto Claudio (PDT), que tenta a reeleição, obteve 45% das intenções de voto para o segundo turno, contra 36% de Capitão Wagner.

Folha – O senhor acredita que armar a guarda municipal diminuiria a violência em Fortaleza?

Capitão Wagner – É preciso aliar uma guarda municipal treinada, bem preparada e armada com o uso da tecnologia. Em cidades como São Bernardo do Campo (SP), por exemplo, o radar identifica carros roubados, que aciona uma central e a polícia ou a guarda municipal podem procurar e abordar esse veículo. Essa integração é fundamental.

Folha – Os guardas terão um treinamento para utilizar as armas de fogo?

Temos que ter responsabilidade em armar a guarda, nem todos terão acesso. Temos que ver a condição técnica e psicológica. O cara pode ser atirador de elite, mas se não tiver condições [psicológicas] não entregaremos as armas. O pessoal acha que vai armar e vai aumentar os problemas. Hoje os guardas já usam armas não letais, e temos alguns problemas de pessoas machucadas. A questão é quem pode usar.

Folha – Depois de focar principalmente em segurança, o senhor também voltou suas atenções para a saúde no segundo turno. A promessa é melhora no abastecimento de medicamentos. A prefeitura terá recursos para isso?

Hoje você entra em alguns prédios novos, vai ali na sala do dentista, e está tudo bonito, cadeira nova, ar condicionado, mas o dentista e seu assistente não tem luva, gaze, massa para a obturação. Falta o básico para os postos funcionarem. Temos que alocar melhor o dinheiro, e antes de construir novos postos, colocar para funcionar bem aqueles que existem.

Folha – O senhor prometeu regularizar o Uber, aplicativo de que tem como motoristas pessoas que muitas vezes utilizam o próprio carro para transportar os passageiros. Não teme perder o apoio dos taxistas?

Abrimos o diálogo entre os taxistas e os motoristas do Uber. E justamente para evitar essa guerra que queremos regulamentar. Porque aí a gestão mantém o controle sobre quantos veículos Uber estão na rua, quem são os motoristas. É bom para a concorrência. Hoje o taxista tem muito ‘rendeiro’, o cara aluga a vaga e paga uns R$ 3.000 por mês. Aí ele não consegue concorrer com o Uber. Vamos desonerar os taxistas para concorrer com o Uber.

Folha: O senhor tem o apoio de dois importantes nomes da política cearense, os senadores Eunício Oliveira (PMDB) e Tasso Jereissati (PSDB). A coligação o fez ter um bom tempo de TV, mas o senhor diz que não conseguiu levantar tanto dinheiro quanto o rival. Por que não houve menos interessados em doar?

Minha primeira campanha [para deputado estadual em 2010] foi financiada pela categoria [Polícia Militar]. Pelo contrário, até brinquei com os dois [Eunício e Tasso] que estão dificultando, porque são dois empresários bem-sucedidos e dois senadores, e, portanto, acham que o Capitão está surfando no dinheiro. Mas não, não tivemos campanha abastada e o tempo de TV nos ajudou a avançar [no início de setembro a campanha havia arrecadado R$ 1,7 milhão, contra R$ 3,8 milhões de Roberto Claudio].

Folha – Hoje o PMDB e o PSDB de seus aliados locais estão no comando do governo federal. Como vê que isso pode ajudar em sua eleição e no seu mandato caso vença?

O Tasso e o Eunício serão os meus links em Brasília -além do Tasso me ajudar na área mais nobre da cidade, que tem preconceito por eu ter vindo da periferia e ser policial militar. Temos que esquecer o impeachment [de Dilma Rousseff], já temos um presidente novo [Michel Temer], está definido. E o gestor tem a função de procurar esse presidente e buscar recursos para Fortaleza. E temos dois senadores ligados ao governo federal que vão nos ajudar. Meu adversário tem dois padrinhos políticos [os irmãos e ex-governadores do Ceará Cid e Ciro Gomes] que odeiam o presidente, o que pode atrapalhar essa relação.

Folha – A relação do senhor com os irmãos Ferreira Gomes é conturbada desde que, em 2011, comandou paralisação da Polícia Militar [por remuneração e melhores condições de trabalho], quando foi até criticado [Cid Gomes era o governador]. Como avalia hoje aquela atitude?

A maneira como eles [governo] conduziram gerou uma liderança natural. Não houve um disparo de arma de fogo, foi pacífico. Se eu não tivesse sangue no olho ali, teriam me destruído. Mas a exposição da grande mídia, naquele momento, impulsionou minha candidatura [foi eleito vereador de Fortaleza em 2012].

Lula falta à audiência em processo contra jornalista

lulaapto

Lula parece ter outras prioridades no momento. O ex-presidente faltou ontem a uma audiência no Fórum Criminal da Barra Funda. No lugar dele, mandou o seu amigo e advogado Roberto Teixeira.

O ex-presidente está processando a ex-jornalista da Veja Joice Hasselmann por causa de vídeos postados no YouTube. Como Teixeira negou a possibilidade de acordo e Adib Abdouni, advogado da outra parte, também, o juiz marcou a próxima audiência – de instrução – para o dia 13 de fevereiro.

Se o petista faltar nessa, o processo poderá ser extinto.

(Veja Online)

O Efeito Sérgio Moro

210 2

Com o título “O Efeito Moro”, eis artigo de José Nilton Mariano Saraiva, economista e aposentado do BNB. Ele volta a criticar o juiz federal Sérgio Moro que, na sua avaliação, useiro e vezeiro de desrespeitar a Carta Magna, e adiciona a crise entre STF e Senado. Confira:

Independentemente da compreensível discordância (corporativa) por parte dos seus prolixos e arrogantes integrantes, as “digitais” do Supremo Tribunal Federal (STF) estão presentes, sim, no grave impasse institucional que o país atravessa nos dias presentes. A bem da verdade, até havia um certo quê de “previsibilidade” de que, mais cedo ou mais tarde, isto viria a ser reconhecido por quem tem um mínimo de consciência crítica.
Afinal, desde o nascedouro da Operação Lava Jato o abusado juiz de primeira instância que a comanda, Sérgio Moro, foi useiro e vezeiro em – valendo-se do apelo popular propiciado pelo tema “corrupção” – ousada e conscientemente transgredir diuturnamente o que reza a nossa Carta Maior, sem que o Supremo Tribunal Federal (em tempos outros galhardamente conhecido como guardião da Constituição Federal), sequer tenha ensaiado alguma admoestação ao próprio.

Assim, para as calendas gregas foram remetidas por Sérgio Moro, dentre outras, a presunção de inocência, a obrigatoriedade da existência de provas para se condenar qualquer pessoa, a necessidade de preliminarmente se notificar alguém antes de conduzi-lo coercitivamente, além da adoção e banalização das prisões temporárias para os infelizes que, ao ver de Sua Excelência, presumivelmente houvessem cometido algum ato ilegal (mesmo sem qualquer prova, mas, tão somente, por convicção do juízo); além do mais, para coroar todo esse corolário de transgressões, adotou-se como praxe a escuta telefônica ilegal (e seu posterior vazamento seletivo para a mídia) de conversas entre pessoas comuns e até – é vero, senhores, acreditem – da Presidenta da República e seus auxiliares. Em português curto e grosso, a intimidade da república foi, sim, estuprada e devassada por um oportunista e megalomaníaco juiz de primeira instância.

Por isso, era previsível, repita-se, que ante a condescendência, covardia e omissão criminosa do Supremo Tribunal Federal ao não punir as “barbaridades” perpetradas pelo juiz de Curitiba, que o “EFEITO MORO” se disseminasse tal qual fogo em palha, país adentro, com juízes de primeira instância ávidos e sedentos em ter seus 60 segundos de fama.

E o ocorrido agora em Brasília, quando, por determinação de um juiz de primeira instância da Capital Federal, alguns integrantes da polícia do Senado foram presos sumariamente nas dependências daquele poder, sob a alegativa de tentarem atrapalhar a Operação Lava Jato (ao procederem varredura eletrônica em gabinetes e apartamentos funcionais de alguns parlamentares), representaria o retrato emblemático da esdrúxula ingerência do Poder Judiciário sobre o Poder Legislativo.

Confirmadas que tais varreduras ocorreram, sim, mas a “mando” do todo poderoso presidente do Senado, institucionalmente só o Supremo Tribunal Federal poderia se imiscuir na questão, em razão do foro privilegiado e, não, um “juizeco de primeira instância”; e mais, se alguém tivesse que ser detido seria o próprio mandante, o presidente do Senado Federal (que pode ser “agraciado” com um processo de impeachment a qualquer momento), e por decisão do STF.

Eis que, navegando na contramão do bom senso e da razoabilidade, ao prestar irrestrita solidariedade ao juiz de primeira instância que autorizou as prisões e dizer-se também agredida, a presidenta do Judiciário (STF) entrou em perigosa rota de colisão com o presidente do Senado Federal e as consequências dai advindas são difíceis de prever.
Fato concreto é que, ao coonestar quase todos os atos arbitrários e ilegais do juiz de primeira instância Sérgio Moro no âmbito da Operação Lava Jato, o Supremo Tribunal Federal (temeroso da reação popular) acabou por firmar uma perigosa jurisprudência sobre a validade do modus operandi por ele utilizado, porquanto escancarou de vez a porteira à entrada de uma enxurrada de ações patrocinadas por juízes despreparados e deslumbrados com a perspectiva de poder.

Agora, Sérgio Moro e procuradores da Lava Jato estão diante de um impasse monumental: ao fazerem da prisão do ex-presidente Lula da Silva um “objeto de desejo” ou “questão de honra” (já que sequer indícios para viabilizá-la existem, mesmo depois da caçada implacável de mais de dois anos), tornaram-se prisioneiros de si próprio; assim, não podem recuar, sob a perspectiva de, em o fazendo, desmoralizarem-se, e à Lava Jato, perante a opinião pública e à comunidade internacional.

Estão, pois (pelo menos teoricamente), condenados a condenar o mito Lula da Silva e a arcarem com a repercussão global negativa dai advinda, nociva à democracia e ao Brasil, mormente agora que órgãos e fóruns diversos (à frente a ONU) estão de olhos em nosso país e especificamente na Lava Jato.

Terá o intolerante e sectário juiz Sérgio Moro a humildade suficiente para retroagir e admitir ter ido longe demais na sua doentia e obsessiva perseguição ao maior presidente que o Brasil já teve?
Difícil acredita.

*José Nilton Mariano Saraiva,

Economista e aposentado do Banco do Nordeste. 

O POVO está na final do Prêmio BNB de Jornalismo

quinzee

O POVO é finalista do Prêmio BNB de Jornalismo.

A festa de divulgação dos vencedores, com entrega da premiação, ocorrerá nesta quinta-feira, a partir das 19 horas, na sede da Associação Cearense de Imprensa (ACI).

Com os cadernos Os Quinzes e Juventudes, o jornal O POVO entrou na disputa por um prêmio de R$ 183 mil que será rateado entre 12 categorias de jornalismo e mais um prêmio para estudantes da área.

 

SUS incorpora medicamentos para tratar fibrose cística

Portaria do Ministério da Saúde, publicada hoje (27) no Diário Oficial da União, torna pública a decisão de incorporar a tobramicina inalatória para o tratamento de infecção crônica das vias aéreas em pacientes com fibrose cística.

De acordo com o texto, o relatório de recomendação da Comissão Nacional de Incorporação de Tecnologias no SUS (Conitec) sobre o medicamento será disponibilizado no endereço eletrônico http://conitec.gov.br/. A portaria entra em vigor hoje.

A doença

De acordo com a Sociedade Brasileira de Assistência à Mucoviscidose, a fibrose cística é uma doença genética, crônica, que afeta principalmente os pulmões, o pâncreas e o sistema digestivo. Atinge cerca de 70 mil pessoas em todo mundo e é a doença genética grave mais comum da infância.

Um gene defeituoso e a proteína produzida por ele fazem com que o corpo produza muco de 30 a 60 vezes mais espesso que o usual. Esse muco espesso leva ao acúmulo de bactéria e germes nas vias respiratórias, podendo causar inchaço, inflamações e infecções como pneumonia e bronquite, trazendo danos aos pulmões.

Os sintomas da fibrose cística variam de pessoa para pessoa, mas os mais comuns são:

– pele de sabor muito salgada;

– tosse persistente, muitas vezes com catarro;

– infecções pulmonares frequentes, como pneumonia e bronquite;

– chiados no peito ou falta de fôlego;

– baixo crescimento ou ganho de peso, apesar de bom apetite;

– fezes volumosas e gordurosas e dificuldade no movimento intestinal (poucas idas ao banheiro);

– surgimento de pólipos nasais.

Ainda segundo a entidade, antigamente, crianças afetadas pela fibrose cística mal chegavam à idade de completar a escola primária. Atualmente, o diagnóstico precoce e o tratamento correto aumentam a expectativa e a qualidade de vida de crianças e adultos acometidos pela doença.

(Agência Brasil)

CBF avisa: Uniclinic tem que participar da Copa Nordeste ou pode ser banido

[embedyt] http://www.youtube.com/watch?v=_HdhbtaXrEo[/embedyt]

A Confederação Brasileira de Futebol mandou o recado: o Uniclinic tem que participar da Copa Nordeste, já que obteve classificação para isso. Nada, portanto, de acordo com o time do Ceará Sporting Club.

Quem informa e comenta o assunto para o Blog é Evaristo Nogueira, o “Homem Mau”, do Programa Trem Bala, da TV O POVO.

O Jornalismo e as constantes intimidações

Com o título “Os donos da lei”, eis artigo do jornalista Plínio Bortolotti, que pode ser conferido no O POVO desta quinta-feira. Ele aborda as constantes intimidações de setores da Justiça contra jornalistas, nestes tempos de instabilidade política do País. Confira:

Em artigos anteriores (6 e 13/10) tratei de abusos e de atropelamento de leis por parte daqueles que deveriam protegê-las – policiais, juízes e procuradores – e de como setores da sociedade e do jornalismo aceitam essas medidas em nome da “moralidade”. Alertei que a exorbitância poderia generalizar-se, como foi o caso de uma juíza autorizando a quebra de sigilo telefônico de um jornalista.

Agora, três promotores do Ministério Público paulista (José Carlos Blat, Cássio Conserino e Fernando Henrique Moraes Araújo) processam a Folha de S. Paulo, exigindo R$ 600 milhões por danos morais. Queixam-se terem sido nomeados de “três patetas” em texto do jornal (12/3/2016), quando pediram a prisão do ex-presidente Lula.

Gilmar Mendes, ministro do STF, demanda contra vários jornalistas, por supostas ofensas à sua honra. Recentemente, a apresentadora Monica Iozzi foi condenada a pagar-lhe indenização de R$ 30 mil, pois o magistrado que julgou  a causa entendeu que a liberdade de expressão só pode ser usada “de forma consciente e responsável”.

E mais.

Na edição de 11/10/2016, o físico Rogério Cezar de Cerqueira Leite publicou na Folha o artigo “Desvendando Moro”, fazendo paralelo entre o juiz de Curitiba e o frade dominicano Girolamo Savanarola (1452-1498).

No dia seguinte Sérgio Moro respondeu, reclamando ter sido comparado a um “fanático religioso”. Até aí tudo bem, mas Moro resolveu ir além das tamancas e emendou dizendo que o jornal deveria evitar a publicação de “opiniões panfletárias-partidárias e que veiculam somente preconceito e rancor, sem qualquer base factual”.

Se apenas um “conselho”, foi por demais inadequado, pois quem decide o que se publica é o editor e não o juiz. E, se foi uma advertência ao jornal, é simplesmente inaceitável.

Mas, o que se sabe, com certeza, é que alguns querem utilizar-se tortuosamente dos tribunais como objeto de perseguição e não de justiça.

Abuso daqui, abuso dali, avança-se agora para uma crise constitucional, coisa que nunca termina bem.

*Plínio Bortolotti

plinio@opovo.com.br 

Jornalista do O POVO

Que tal ir ao Shopping Benfica conversar com a turma do “Shaolin do Sertão”?

shaolin-do-sertao-edmilson-filho

O ator Edmilson Filho e outros integrantes do elenco do filme “O Shaolin do Sertão”, vão estar numa sessão de autógrafos, a partir as 16 horas desta quinta-feira, no Shopping Benfica. O evento acontecerá no hall das salas de cinema do shopping.

“O Shaolin do Sertão” vem lotando os cinemas de Fortaleza. Já ultrapassou 130 mil expectadores no País.

SERVIÇO

*Shopping Benfica – Avenida Carapinima, 2200 – Benfica.

*Mais Informações – (85) 3243 1000.

*Acesso gratuito.

Brasil tem hoje 12 milhões de desempregados

desemprego

A taxa de desocupação cresceu 0,5 ponto percentual ao passar de 11,3% para 11,8%, entre o trimestre encerrado em junho (abril, maio e junho) e o encerrado em setembro (julho, agosto e setembro) deste ano. Com o resultado, a população desempregada atingiu em setembro 12 milhões de pessoas, um crescimento de 3,8% em relação ao trimestre encerrado em junho – o equivalente a mais 437 mil pessoas desocupadas.

Os dados são da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílio Contínua (Pnad Contínua), divulgada hoje (27) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Os números do trimestre encerrado em setembro indicam, em contrapartida, uma ligeira melhora no salário real pago ao trabalhador, embora ele ainda esteja abaixo do valor pago em igual trimestre de 2015.

(Agência Brasil)

Arrecadação de impostos registrou queda de 8,37% em setembro

O governo federal arrecadou R$ 94,770 bilhões em impostos e contribuições em setembro. O resultado representa uma queda real de 8,27% em relação ao mesmo mês de 2015, já descontada a inflação medida pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), indicador oficial utilizado pelo governo.

Os números foram divulgados hoje (27), em Brasília, pela Receita Federal. No acumulado do ano, o governo arrecadou R$ 911,951 bilhões de janeiro a setembro de 2016, cifra maior do que a do ano passado (R$ 901 bilhões), mas que representa uma queda real de 7,54 % após descontados os efeitos da inflação.

(Agência Brasil)

Romero Jucá pode ser líder do Governo no Congresso

romero-juca-senador-pmdb-size-598

Da Coluna Painel, da Folha de São Paulo desta quinta-feira:

O presidente Michel Temer deve convidar o senador Romero Jucá (PMDB-RR) para assumir o cargo de líder do governo no Congresso Nacional. O Palácio do Planalto quer reforçar sua posição no Legislativo e vê o peemedebista como um negociador habilidoso.

Atual ocupante do cargo, Rose de Freitas (PMDB-ES) já havia manifestado desejo de deixar a função. Com o rearranjo do tabuleiro, o Ministério do Planejamento seguiria, inicialmente, sob a batuta do economista Dyogo Oliveira.

Presidente da CNDL e os dois lados da moeda chamada PEC 241

[embedyt] http://www.youtube.com/watch?v=on8NitfKgbo[/embedyt]

O presidente da Confederação Nacional dos Dirigentes Lojistas (CNDL), o cearense Honório Pinheiro, avaliou, nesta quinta-feira, os impactos da PEC 241, que limita os gastos.

A emenda constitucional, já aprovada pela Câmara e aguardando agora o crivo do Senado, segundo Honório tem dois lados: um bom e outro ruim. O bom é que vai regular mais as contas e as despesas da União e o lado ruim é que alguns setores e, em especial, regiões como o Nordeste, poderão sofrer perdas.

Honório Pinheiro, sobre as vendas deste fim de ano, informa que o comércio está se preparando, mas confiante de que soluções no plano da política tenham bons resultados no plano da economia.

Limite para transfusão de sangue imposto por planos de saúde é ilegal

Uma ação civil pública movida pelo Ministério Público de São Paulo contra a Associação Beneficente do Hospital Sírio pode derrubar uma cláusula comum em planos de saúde.

Na última terça (25), o Superior Tribunal de Justiça entendeu que a limitação de bolsas de sangue disponibilizadas aos pacientes é ilegal.

O precedente aberto vale como jurisprudência em futuras decisões.

(Veja Online)

Presidente do TCE disputa Prêmio Jabuti

tce edilberto pontes

Da Coluna O POVO Economia, da jornalista Neila Fontenele no O POVO desta quinta-feira:

O presidente do Tribunal de Contas do Estado, Edilberto Pontes, está entre os 10 finalistas do Prêmio Jabuti 2016, com o livro Curso de Finanças Públicas, da Editora Atlas.

Ele concorre na categoria Economia, Administração, Negócios, Turismo, Hotelaria e Lazer com “feras” como André Lara Resende, que publicou Devagar e Simples pela Companhia das Letras; e o grupo formado por Nelson Barbosa Filho, Samuel Pessôa e Rodrigo Leandro de Moura, com a publicação Política de Salário Mínimo para 2015-2018: Avaliações de Impacto Econômico e Social, da Editora Elsevier.

Ciências sem Fronteiras – Capes quer ouvir universidades sobre novo modelo para o programa

A Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes) quer ouvir universidades brasileiras públicas e privadas para definir novo modelo para o programa Ciência sem Fronteiras, de acordo com o presidente da instituição, Abilio Baeta Neves. Em entrevista à Agência Brasil, ele disse que a reformulação se dará a partir de conversas de “baixo para cima”. O novo modelo deverá ser anunciado até meados de 2017.

“Neste primeiro momento de conversa, queremos ouvir o que as universidades têm a nos dizer, as federais, estaduais, municipais e particulares também, não há problema nenhum”, afirmou Neves.

O programa Ciência sem Fronteiras foi lançado em 2011, com a meta de conceder inicialmente 101 mil bolsas. As bolsas são voltadas para as áreas de ciências exatas, matemática, química e biologia, engenharias, tecnologia e saúde. Uma segunda fase do programa chegou a ser anunciada pela então presidente Dilma Rousseff, mas não chegou a ser implementada.

Segundo o presidente da Capes, o programa Ciência sem Fronteiras, no modelo que tinha sido desenhado para ele, não existe mais, acabou. “O novo modelo precisa ser discutido em vários níveis, primeiro com os parceiros internacionais. Precisamos reconstruir as relações, o programa criou uma expectativa não sustentável de que o Brasil podia pagar tudo. Nós chegamos, em algum ponto, a pagar até os estudantes estrangeiros aqui, o que é um pouco de exagero”, acrescentou.

Para Neves, a ideia é conversar com as instituições brasileiras e entender as demandas. “É preciso conversar com universidades e as universidades têm que ajudar a desenhar a cooperação que elas acham importante. Dizer com quem, que tipo de parceria, em que áreas querem, com que amplitude. Dizer se querem graduação ou pós. Elas têm que nos dizer”. O presidente não adiantou se haverá cortes nas universidades, parcerias, ou se algum nível específico de desempenho será exigido.

(Agência Brasil)

Quando dois homens que apregoam segurança batem em retirada…

179 1

cabosabino

Na votação da PEC 241, aquela que limita os gastos públicos, o deputado federal Cabo Sabino (PR) faltou à sessão, mesmo estando em brasília. Ele é apoiador do postulante à Prefeitura de Fortaleza, o deputado estadual Capitão Wagner (PR).

moroni campanha 120817

O mesmo fez o deputado federal Moroni Torgan (DEM), candidato a vice-prefeito de Roberto Cláudio, que ficou mesmo na Capital cearense.

  • Pois é,  ordem para os dois era fugir de desgastes nesta reta final da campanha.

Saúde só se resolve com Parcerias Público-Privadas, defende dirigente da federação de hospitais

aramicyr pinto

Da Coluna Vertical, do O POVO desta quinta-feira:

A saída para a saúde do País é a Parceria Público-Privada (PPPs). Quem defende é o cearense Aramicyr Pinto, que preside a Federação Brasileira de Hospitais. Afirma que o setor público não tem condições de gerir máquinas em função da constante falta de verbas para custeio e investimentos. Diz ainda que são equipamentos caros e os insumos são importados em sua maioria.

Aramicyr nem comemora o fato de o governo Temer ter incrementado o orçamento do Ministério da Saúde em mais R$ 9 bilhões para 2017, como forma de aliviar a pressão da PEC 241, porque insiste: o problema é do modelo da gestão, que é engessado, burocrático em demasia e sem qualidade na ponta.

Resta saber se a tese de Aramicyr garantiria a sobrevivência do Sistema Único de Saúde (SUS), que universaliza o direito de atendimento, com qualidade ou não, na rede hospitalar.

(Foto 0 Paulo MOska)