Blog do Eliomar

Categorias para Brasil

SiSU 2019 – Começa a convocação dos candidatos da lista de espera

A convocação dos candidatos que estão na lista de espera do Sistema de Seleção Unificada (Sisu) começou nesta quarta-feira, 19. A chamada é feita diretamente pelas instituições de ensino superior.

Quem foi selecionado deve conferir o prazo para a matrícula no cronograma e verificar junto à instituição de ensino em que foi aprovado os locais, horários e qual a documentação necessária.

Os candidatos que não foram selecionados na chamada regular do Sisu em nenhuma das duas opções de curso cadastradas puderam manifestar interesse na lista de espera da seleção.

O Sisu é o sistema informatizado do Ministério da Educação por meio do qual instituições públicas de ensino superior oferecem vagas a candidatos participantes do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem).

No segundo semestre de 2019, o Sisu registrou 1.213.679 de inscrições, número 24,3% superior ao de 2018 (976.765). Esta edição também contabiliza alta de 25,9% na quantidade de candidatos inscritos, sendo 640.205 contra 508.486.

(Com MEC)

Governo promete pacote de nomeações para evitar atrasos na reforma da Previdência

A Casa Civil vai ter que acelerar a entrega de cagos a partiros de centro e centro-direita. Isso, para cumprir o cronograma dos sonhos do governo, que prevê a votação da reforma da Previdência na comissão especial já na próxima semana e no plenário da Câmara até a primeira quinzena de julho. É o que informa a Coluna Painel, da Folha de S,Paulo desta quarta-feira.

Onix Lorenzoni é o titular da Casa Civil.

As negociações não deslancharam nesse aspecto porque o governo Bolsonaro quer fazer todas as nomeações em pacote. A demora, no entanto, abriu espaço para disputas. A Codevasf, por exemplo, é alvo de queda de braço entre Câmara e Senado.

Presidentes de partidos de centro e integrantes da cúpula do Congresso dizem que o clima de desconfiança é mútuo e que “se o Planalto não entregar o que afiançou, ninguém vai votar no crédito”. Ou seja: sem a formalização das indicações, o andamento da reforma pode travar.

(Foto – Agência Brasil)

Deltan Dallagnol ainda não teve celular periciado pela PF; está de férias no Exterior

O procurador Deltan Dallagnol, coordenador da Força Tarefa da Lava jato, ainda não teve seu celular periciado pela Polícia Federal. A informação é da Coluna Radar, da Veja Online.

Ele está envolvido em supostas conversas vazadas com o ex-juiz Sergio Moro, o que foi divulgado pelo site The Intercept Brasil.

Deltan está curtindo férias e em viagem ao Exterior.

Foi o que contou a procuradora-geral da República, Raquel Dodge, a três deputados petistas em audiência ontem. O fato foi confirmado pelo MPF do Paraná.

(Foto – MPF)

Procuradores-gerais dos Estados cobram transparência na divulgação de transferências constitucionais

Encontro ocorreu em Vitória.

O Colégio Nacional de Procuradores-Gerais dos Estados e do Distrito Federal (CONPEG) esteve reunido em Vitória (ES), nessa terça-feira, ocasião em que divulgou carta endereçada à União.

A carta tem a assinatura do procurador-geral do estado do Ceará, Juvêncio Vasconcelos Viana, com demais 21 procuradores-gerais, e coloca questões que considera fundamentais para o equilíbrio fiscal dos Estados.

A Carta de Vitória cobra da União maior transparência na divulgação dos dados relativos às transferências constitucionais; diminuição dos valores referentes às transferências; julgamento de ações que tramitam no STF para obter a prestação de contas pela União quanto às transferências constitucionais; reforma tributária que respeite o desenho constitucional e a autonomia dos Estados e o fortalecimento e empenho da advocacia pública dos Estados e do DF na construção de um federalismo cooperativo.

Alô, Prefeituras! O segundo repasse do FPM está entrando na conta nesta quarta-feira

Prefeituras cearenses, bem como as demais gestões municipais de todo o País, estão recebendo, em suas contas, nesta quarta-feira, o 2º decêndio do Fundo de Participação dos Municípios (FPM). O valor total a ser dividido entre os 5.568 municípios brasileiros soma R$ 1.333.202.247,97, já descontada a retenção do Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais de Educação (Fundeb). Em valores brutos, ou seja, incluindo o Fundeb, o montante totaliza R$ 1.666.502.809,96.

De acordo com os dados da Secretaria do Tesouro Nacional (STN), o 2º decêndio de junho de 2019, comparado com mesmo decêndio do ano anterior, apresentou uma queda de 5,17% em termos nominais, que são os valores sem considerar os efeitos da inflação. O acumulado do mês, em relação ao mesmo período do ano anterior, teve queda de 8,15%.

Já com relação ao acumulado do ano, os números do STN mostram que o valor total do FPM vem apresentando crescimento positivo. O total repassado aos municípios no período de janeiro até o 2º decêndio de junho de 2019, apresenta crescimento de 7,72% em termos nominais, que não consideram os efeitos da inflação, em relação ao mesmo período de 2018.

Antes de ir à CCJ do Senado, Moro foi ao Programa do Ratinho; ali, foi tratado como “herói sem capa”

O ministro da Justiça e Segurança Pública, Sergio Moro, concedeu entrevista ao Programa do Ratinho, exibido nessa terça-feira à noite, no SBT. Bastante elogiado pelo apresentador, que o chamou de “um herói sem capa, único herói brasileiro no momento”, Moro se disse tranquilo quanto às denúncias.

Nesta quarta-feira, o ministro vai à CCJ do Senado dar explicações sobre supostas conversas vazadas pelo site The Intercept, travadas por ele com o coordenador da força-tarefa da Lava Jato, o procurador Deltan Dallagnol.

“Não posso confirmar [se as conversas aconteceram], não tenho mais as mensagens [no meu celular]. Mas posso dizer que sempre agi com lisura na minha profissão”, declarou o ministro. De acordo com ele, a maior preocupação quanto ao assunto não é o conteúdo das mensagens divulgadas, mas sim o que considera “um ataque criminoso às instituições”.

Grupo criminoso

Moro foi mais duro ainda: “A minha opinião é que não estamos falando de um adolescente na frente de um computador, querendo fazer estripulias, mas de um grupo criminoso e organizado cujo objetivo é obstaculizar os avanços da Lava Jato”, disse.

Ratinho comentou que recebeu informações de que o vazamento está “vinculado a um milionário russo que deu dinheiro a um jornalista famoso internacionalmente, que é namorado de um deputado e que comprou o mandato do Jean Willys” – se referindo claramente ao deputado David Miranda e ao jornalista Glenn Greenwald, autor das reportagens que denunciam Moro.

Ao relatar a acusação, o apresentador ponderou: “Pode ser fake news, deve ser fake news. Mas se for isso é muito maior do que imaginamos, porque envolve outro país”.

Moro não discordou de Ratinho e também apresentou teorias: “Olha, o que eu vi é que começaram a disseminar até questões de contrainteligência, para despistar. Na semana passada, um hacker já começou a invadir outros celulares para fazer brincadeiras. Qual, ao meu ver, é a ideia? Passar a tese do adolescente irresponsável”, disse.

(Com Veja/Foto – Reprodução de TV)

Sergio Moro vai à CCJ do Senado dar explicações sobre conversas vazadas com Dallagnol

O ministro da Justiça e Segurança Pública, Sergio Moro, será ouvido nesta quarta-feira (19) na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) do Senado. A expectativa é que esclareça troca de mensagens, por meio do aplicativo Telegram, entre ele e o procurador Deltan Dallagnol, coordenador da força-tarefa da Lava Jato, sobre procedimentos e decisões em processos, incluindo os que levaram à condenação do ex-presidente Lula.

As mensagens, segundo o site The Intercept Brasil, foram trocadas entre 2015 e 2018 e obtidas a partir da invasão de aparelhos dos procuradores por hackers ainda não identificados.

Após os vazamentos das conversas, será a primeira vez que Sergio Moro irá ao Congresso Nacional para falar sobre o assunto. Na semana passada, o ministro participou, no Senado, de um almoço com parlamentares no Bloco Parlamentar Vanguarda – DEM, PSC e PL – mas não falou com os jornalistas.

Regras

Segundo a presidente da CCJ, senadora Simone Tebet (MDB-MS), a reunião deverá contar com reforço na segurança.

Moro terá 30 minutos para fazer sua exposição inicial. Em seguida, os senadores inscritos, intercalados por ordem de partido, terão cinco minutos para réplica.

O ministro terá o mesmo tempo para resposta e, depois, os parlamentares terão prazo máximo de dois minutos para réplica e tréplica.

Simone disse que as regras de condução foram definidas seguindo as normas regimentais e que a lista de inscrição dos senadores será aberta às 9 horas, mesmo horário em que a reunião foi convocada.

Estratégia

Ao ser alertado de que no Senado, logo depois do vazamento das conversas, estavam sendo preparados requerimentos com pedidos para que ele se explicasse na CCJ e até de uma CPI pelo senador Ângelo Coronel (PSD-BA), o próprio Moro se adiantou e se colocou à disposição da Casa.

A intenção do ministro foi comunicada pelo senador Fernando Bezerra Coelho(MDB-PE), líder do governo no Senado. Em ofício enviado ao presidente do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP), o líder destacou o desejo do ministro de esclarecer os fatos.

“Manifestamos nossa confiança no ministro Sergio Moro, certos de que esta será uma oportunidade para que ele demonstre a sua lisura e correção como juiz federal, refutando as críticas e ilações a respeito de sua conduta à frente da Operação Lava Jato”, ressaltou Bezerra no oficio.

A disposição do ministro surtiu efeito e a mobilização do senador Ângelo Coronel para reunir assinaturas para propor uma CPI parou ou, pelo menos, foi suspensa. Na avaliação de parlamentares governistas as explicações dadas por Moro serão suficientes para convencer a maioria e esvaziar uma tentativa de CPI.

Câmara dos Deputados

Uma semana depois ir ao Senado, no dia 26, será a vez de Moro dar explicações sobre o mesmo assunto aos deputados.

O presidentes das comissões de Direitos Humanos e Minorias; Trabalho, Administração e Serviços Públicos; Fiscalização Financeira e Controle e Constituição e Justiça da Câmara fecharam um acordo para aglutinar em um só os diversos requerimentos que convocavam o ministro da Justiça.

(Agência Brasil)

Universidades brasileiras pioram em pesquisa sobre ranking das melhores do mundo

153 2

As dezenove universidades brasileiras classificadas entre as mil melhores instituições de ensino do mundo apresentaram piora em índices de qualidade,. ´E o que revela a última edição do QS University Ranking 2020. De acordo com o estudo, houve queda na empregabilidade de formandos, no desempenho das pesquisas acadêmicas, no nível de ensino e na atratividade para estudantes e professores estrangeiros. As informações são do O Globo desta quarta-feira.

A tendência, segundo o diretor de pesquisas da QS, é de piora dos índices do país nos próximos anos. “Existem poucos pesquisadores no mundo capazes de lidar com a perda de quase metade de seu orçamento (…). Dado que nosso indicador de pesquisa é baseado em cinco anos de dados, leva tempo para que as decisões políticas afetem o desempenho nos rankings”, afirma Ben Sowter. “É provável que o status do Brasil com líder de pesquisa regional seja cada vez mais ameaçado nos próximos anos”, completa.

Universidades brasileiras entre as 1.000 melhores do mundo

2020 2019                      Nome da universidade
116    118                          Universidade de São Paulo (USP)
214    204                        Universidade Estadual de Campinas (Unicamp)
358   361                         Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ)
439  464                          Universidade Federal de São Paulo (Unifesp)
482  491                          Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho” (Unesp)
601-650   601-650        Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (PUC-Rio)
651-700   531-540         Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP)
651-700   601-650        Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG)
651-700   601-650        Universidade Federal do Rio Grande Do Sul (UFRGS)
701-750    751-800        Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC)
801-1000 801-800       Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUC-RS)
801-1000 751-800        Universidade de Brasília (UnB)
801-1000 801-1000     Universidade do Estado do Rio de Janeiro (Uerj)
801-1000 801-1000     Universidade Estadual de Londrina (UEL)
801-1000 701-750        Universidade Federal de São Carlos (Ufscar)
801-1000 801-1000     Universidade Federal de Viçosa (UFV)
801-1000 801-1000     Universidade Federal do Paraná (UFPR)
801-1000 801-1000     Universidade Federal do Pernambuco (UFPE)
801-1000 801-1000     Universidade Federal Fluminense (UFF)

(Fonte: QS World University Ranking 2020)

Novo presidente do BNDES já foi condenado por arrombar portões de condomínio

161 1

O novo presidente do BNDES, Gustavo Montezano, 38, foi condenado a pagar indenização por danos materiais e morais a um condomínio em que morou em São Paulo. A informação é divulgada pela Folha de S.Paulo em sua edição desta quarta-feira.

De acordo com a reportagem, Montezano teria arrombado dois portões do edifício no meio de uma madrugada em outubro de 2015, de acordo com decisões judiciais de primeira e segunda instâncias, porque queria dar continuidade à sua festa de aniversário, com mais de 30 convidados, que havia sido iniciada em outro local.

Segundo o juiz Guilherme Ferreira da Cruz, as imagens de câmeras de segurança do local mostraram cenas “similares às de um arrastão” e revelaram um “comportamento incivil”.

O processo foi movido pelo condomínio em 2016. Para dar fim ao caso, foi fechado um acordo. Em junho de 2018, Montezano pagou R$ 28 mil, valor referente a um mês de aluguel do apartamento onde vivia, no Itaim Bibi (zona oeste), com um amigo.

Montezano afirma que pagou os débitos e que o caso está encerrado.

DETALHE – Entre os convidados dessa festa, estava o hoje senador Eduardo Bolsonaro (PSL). Na época, deputado federal.

.(Fotos – Presidência e Reprodução de Câmeras de Vídeo)

Senado derruba decreto das armas de Bolsonaro

Por 47 votos a 28, os senadores aprovaram, durante sessão deliberativa nesta terça-feira, 18,a derrubada do decreto que flexibiliza o acesso às armas, editado em maio pelo presidente Jair Bolsonaro (PSL). Agora, a matéria será encaminhada para apreciação na Câmara dos Deputados.

A decisão do Plenário tramitou em regime de urgência, após a Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) aprovar projeto desfavorável a matéria. Á época, a reunião fora marcada por debates acalorados.

Nesta terça, Jair Bolsonaro fez apelo ao Congresso para que “não deixem morrerem” os textos. As informações são do portal G1. Nas redes sociais, o pesselista já havia pedido para que a população pressionasse os parlamentares de seus estados para votarem a favor da matéria.

Durante o encontro, a senadora Kátia Abreu (PDT-TO) disse que já tinha sentimento contrário ao decreto, mas que um dia antes da sessão ordinária resolveu analisar “linha por linha”. “Confesso a todos vocês e ao Brasil que fiquei aterrorizada, escandalizada com a riqueza de detalhes bárbaros que esse decreto trás”, disse a parlamentar ao discursar contra o decreto.

A ex-candidata a vice-presidente na chapa de Ciro Gomes (PDT) acrescentou que o Governo deveria dar mais suporte aos policiais, para que estes sejam responsáveis pela segurança da população.

“O Estado não é onipresente, não pode estar na casa das pessoas”, rebateu Telmário Mota (Pros-RR). Ele acrescentou que o cidadão tem o direito de legítima defesa. “É uma falácia dizer que as famílias que tiverem arma em casa as crianças vão se matar. (….) As armas não geram violência, geram proteção da vida”, conclui o político.

Randolfe Rodrigues (Rede-AP) classificou o decreto como “inconstitucional” e “ilegal”. Ele diz que essa especificação foi constatada por meio de consultoria do Senado Federal, que apontou pelo menos cinco irregularidades.

“Essa matéria não é de direita ou esquerda, governo ou oposição, não se trata disso. É uma matéria que se trata do seguinte: pacto civilizatório ou não”, conclui o senador, acrescentando que manter a flexibilização do acesso as armas é institucionalizar o “bang bang” no País.

Exaltado, Major Olímpio (PSL-SP), prevendo uma possível derrota da matéria na Casa, disse que o Senado estava virando as costas para a população e que, caso o decreto fosse revogado, os “defensores de bandidos” estariam aplaudindo a decisão.

(Com Agências)

Oposição espera novos vazamentos para turbinar audiência de Moro

A oposição já se prepara para a audiência do ministro da Justiça e Segurança Pública, Sérgio Moro, nesta quarta-feira, na Comissão de Constituição e Justiça do Senado. É o que revela a Veja Online nesta terça-feira.

Senadores petistas, principalmente, torcem para que novos trechos de diálogos entre o então juiz Moro e o coordenador da Força Tarefa, o procurador Deltan Dallagnol, venham a público até lá.

A expectativa, em especial, é para o surgimento do primeiro áudio desde que o The Intercept iniciou a série.

(Foto – Arquivo)

Grupo do Ceará participa no Rio da Taça Brasil de Squash

O Ceará vai participar, de amanhã até domingo, no Rio, da Taça Brasil de Squash.

São sete atletas, entre os quais Enéas Massaglia, que disputará na categoria 45 anos. “Estamos preparados e queremos trazer a taça”, disse.

Ele conta que o Estado sempre tem registrado bons resultados no certame, que tem várias categorias, e que o grupo cearense está bem preparado, pois treina sempre no Circulo Militar e em ponto do Papicu.

O que é squash?

É um esporte praticado em recinto fechado que opõe dois jogadores, lado a lado, batendo alternadamente com a raquete numa bola de borracha e fazendo-a ricochetear em até quatro paredes.

(Foto – Paulo MOska)

Wilton Daher – “A educação básica e o empreendedorismo”

Com o título “A educação básica e o empreendedorismo”, eis artigo de Wilton Daher, vice-presidente do Instituto Brasileiro de Executivos de Finanças no Ceará(Ibef). Para ele, a sociedade brasileira “descuida da importância que a educação básica tem como norteador dos alicerces dessa mudança de rumo via empreendedorismo.” Confira:

Enquanto o mundo experimenta transformação de vulto em seus mais variados aspectos, convulsionado pelas incertezas que a tecnologia de ponta suscita nas profissões tradicionais, a sociedade brasileira descuida da importância que a educação básica tem como norteador dos alicerces dessa mudança de rumo via empreendedorismo.

Nesse contexto, vale lembrar que o orçamento anual destinado à Educação, no Brasil, é de 120 bilhões de reais, praticamente alocado em partes iguais para o ensino fundamental e superior. Especialistas, contudo, entendem que parcela maior deveria contemplar o ensino fundamental ante a precariedade do ensino básico em grande parte dos nossos municípios.

Mesmo diante das adversidades há exceções e o Estado do Ceará parece ser uma delas. O último ranking do Índice de Desenvolvimento da Educação Básica, elaborado pelo Ministério da Educação, aponta que…

*Confira a íntegra do artigo de Wilton Daher no O POVO aqui.

(Foto – Arquivo)

Desemprego de longo prazo no País cresce 42,4% entre 2015 e 2019

89 1

O número de brasileiros que procuram trabalho há pelo menos dois anos chegou a 3,3 milhões no primeiro trimestre de 2019, destacou hoje o Instituto de Pesquisa Econômica e Aplicada (Ipea). O número de desempregados de longo prazo é 42,4% superior ao do mesmo período de 2015, primeiro ano da recente recessão da economia brasileira.

Uma das responsáveis pelo estudo, a técnica de planejamento e pesquisa do Ipea, Maria Andréia Parente Lameiras, disse que o mercado de trabalho é “o pior retrato” da crise econômica enfrentada no país e afeta mais os trabalhadores menos escolarizados e as famílias de menor renda.

“Estamos com o mercado de trabalho ainda muito deteriorado, embora nos últimos meses a gente veja alguma reação. Mas a crise tem dificultado a geração mais forte de postos de trabalho”, afirmou. “Além de reagir depois da economia como um todo, a reação [do mercado de trabalho] costuma ser muito lenta no começo”.

O estudo do Ipea analisou dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad), do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Segundo o levantamento, as mulheres são mais afetadas do que os homens pelo desemprego de longo prazo, e 28,8% das desempregadas estão nessa situação há pelo menos dois anos. No caso dos homens, o percentual é de 20,3%.

Os trabalhadores do Norte e do Nordeste sofrem mais com o desemprego de longo prazo do que os do Sul, Sudeste e Centro-Oeste, e os moradores de regiões metropolitanas estão mais expostos a isso do que os das áreas não metropolitanas.

Os pesquisadores mostram ainda que o número de desempregados que procuram trabalho há pelo menos dois anos cresce mais rápido entre os jovens. Apesar disso, na faixa etária de 40 anos ou mais, 27,3% dos desempregados estão nessa situação.

O cenário deteriorado do emprego no país fez com que subisse o número de domicílios que não têm nenhuma renda proveniente do trabalho. O percentual de famílias nessa situação chega a 22,7%, o que se reflete em mais pressão sobre a taxa de desemprego, uma vez que outros membros das famílias passam a buscar o mercado de trabalho para reforçar a renda familiar.

A avaliação do Ipea é de que a recuperação do mercado de trabalho vem ocorrendo de forma gradual e só poderá atingir patamares mais expressivos no ano que vem, o que está condicionado à velocidade de tramitação e à aprovação da Reforma da Previdência no Congresso Nacional. Maria Andreia prevê que uma tramitação mais rápida pode elevar a confiança do mercado e produzir efeitos para o início de 2020, e uma aprovação mais demorada pode adiar a recuperação para o segundo semestre do ano que vem.

“Neste momento tudo está condicionado à aprovação da reforma e a que reforma será aprovada. O timing da reforma é fundamental.”

(Agência Brasil)

Em clima de férias, Juninho curte a família em São Paulo

Em clima de férias, o jogador Juninho, do Fortaleza, embarcou, nesta terça-feira, para São Paulo.

Com ele, sua mulher, Mirla, e o filho, Jota, em clima de rever familiares e descansar um pouco, segundo o atleta, até o próximo dia 23. É que no dia seguinte, 24, haverá reapresentação do elenco do Leão para a retomada dos treinos de olho na Série A, do Brasileirão.

O Fortaleza ocupa, no momento, a 14ª posição na Série A, mas Juninho garante que a equipe vai voltar com todo gás e dar boas alegrias à torcida.

(Foto – Paulo MOska)

Jurista Martonio Mont’Alverne – “The Intercept”

157 1

Com o título “The Intercept”, eis artigo de Martonio Mont’Alverne, professor universitário e jurista. “Quando denunciamos a parcialidade do juiz Moro e a não reforma de suas decisões pelas instâncias superiores do Judiciário, fomos ironizados por sermos portadores de cegueira…”, diz o articulista. Confira:

A partir da decisão do Tribunal Regional Federal (TRF) da 4ª Região que entendeu não violar Constituição e leis a divulgação determinada por Sergio Moro de telefonema entre Dilma Rousseff, presidenta da República, e Lula, The Intercept e seus redatores podem dormir tranquilos. Eis as palavras do relator, aprovadas por 26 dos 27 membros do Tribunal: ” (…) é correto entender que o sigilo das comunicações telefônicas (Constituição, art. 5º, XII) pode, em casos excepcionais, ser suplantado pelo interesse geral na administração da justiça e na aplicação da lei penal”.

A gravação foi utilizada pelo Supremo Tribunal Federal (STF) para impedir a posse de Lula como ministro da Casa Civil; permitindo o mesmo STF que Moreira Franco fosse nomeado para o cargo, embora figurasse como réu em ação penal. Dois pesos, duas medidas.

Há 4 anos que juristas escrevemos sobre o uso do direito como arma política que se fazia no Brasil para destruir nossa democracia. Quando denunciamos a parcialidade do juiz Moro e a não reforma de suas decisões pelas instâncias superiores do Judiciário, fomos ironizados por sermos portadores de cegueira em relação a Lula, ao PT e…

*Confira a íntegra do artigo de Martonio Mont’Alverne no O POVO aqui.

(Foto – Arquivo)

VSM Comunicação em clima de dupla homenagem

A VSM Comunicação, dentro dos seus 30 aos de mercado, ganhou dupla homenagem em Brasília.

O senador Cid Gomes (PDT) e o deputado federal Domingos Neto (PSD) apresentaram e obtiveram aprovação de moções de congratulação pelas três décadas da empresa pioneira do ramo no Ceará.

Recentemente, a VSM , que tem à frente o jornalista Marcos André Borges, foi homenageada pela Assembleia Legislativa.

(Foto – Divulgação)

Editorial do Estadão: “Desinteligência generalizada”

Com o título “Desinteligência generalizada”, eis o Editorial do Estadão desta terça-feira. “Jornalismo que se deixa submeter à balbúrdia irracional das redes sociais não cumpre sua função, que é a de dar aos cidadãos condições de refletir”, diz o texto. Confira:

Não são apenas os devotos das seitas extremistas, à esquerda e à direita, que limitam sua visão de mundo às mentiras, distorções e meias-verdades cínicas que leem nas redes sociais. A histeria irresponsável parece ter capturado também aqueles dos quais se esperam equilíbrio e sobriedade na formação de opinião pública.

Quase todos aparentemente estão se deixando pautar pela gritaria que tão bem notabiliza essa forma de comunicação instantânea, que na prática dispensa a reflexão. Nas redes, mesmo bem preparados formadores de opinião vêm tomando como expressão da verdade tudo aquilo que para eles faz sentido, sem se perguntarem se, afinal, aquilo que se informa é um fato ou uma rematada mentira.

A verdade, portanto, vem perdendo importância até para quem vive dela. Um exemplo é a imprensa, que não raro repercute de maneira irrefletida os debates produzidos a partir de informações distorcidas ou simplesmente falsas. É natural que, algumas vezes, as publicações, no afã de registrar tudo o que pareça ter caráter noticioso, acabem por dar guarida a versões dos fatos que, com o tempo, se provam mentirosas.

O que tem acontecido, porém, é que os fatos se tornaram quase irreconhecíveis ante as certezas ideológicas alimentadas pela acachapante onipresença das redes sociais na vida de quase todos os brasileiros. Num cenário desses, todo aquele que ousar questionar as convicções cristalizadas de parte a parte, mesmo munido de fatos incontestáveis e de argumentos racionais – ou até por causa disso –, será tratado como um ser exótico, uma espécie de rebelde deslocado no mundo dos que, orgulhosamente, se julgam do “lado certo”.

Assim, a influência das redes sociais, que é inegavelmente grande, tornou-se uma explicação mágica para tudo – e para muita gente supostamente bem pensante nada do que acontece fora delas parece ter valor. Baseando-se mais em palpite do que em elementos concretos, muitos atribuem, por exemplo, a surpreendente eleição do presidente Jair Bolsonaro ao seu domínio dessas redes, nas quais teria construído sua candidatura muito antes de a campanha começar. Também se creditam às redes sociais as mobilizações contra o governo da presidente Dilma Rousseff, que acabaram resultando em seu impeachment. Com toda essa suposta capacidade, quase sobrenatural, de entronizar e decapitar reis, as redes sociais tornaram-se uma espécie de fetiche dos formadores de opinião, que há algum tempo veem nelas a grande arena onde se disputa o poder de determinar o que é a verdade.

As redes sociais, até onde é possível concluir, são o lugar onde narrativas se chocam não em busca do esclarecimento, como acontece em sociedades maduras, mas para fazer triunfar a mistificação que favoreça este ou aquele ponto de vista, e onde o consenso só ocorre entre os que já estão de acordo entre si, por razões ideológicas.

É claro que nada do que deriva desse ambiente de franca hostilidade pode ser tomado como base para orientar políticas públicas e muito menos para consolidar as opiniões a partir das quais a sociedade se posiciona acerca dos grandes problemas nacionais. Ao contrário, o debate nacional naturalmente descamba para o terreno da ficção, quando não para o da mais vulgar briga de rua, na qual tem razão aquele que termina a refrega em pé.

No livro O Jornalismo como Gênero Literário, Alceu Amoroso Lima diz que o jornalismo, sempre que “envenena a opinião pública, fanatiza-a ou a informa mal, está falhando à sua finalidade”. O autor, que escreveu em 1958, decerto não imaginava a revolução da comunicação digital que ora se atravessa, mas o princípio ali exposto está mais atual do que nunca.

O jornalismo que se deixa submeter à balbúrdia irracional das redes sociais não cumpre sua função, que é a de dar aos cidadãos condições de refletir de maneira efetiva sobre o mundo que os cerca e sobre os problemas que os afetam. Ao contrário, os formadores de opinião que tomam como legítima e digna de consideração a gritaria dos fanáticos, conferindo-lhe ares de autenticidade, estimulam a consolidação do facciosismo que, no limite, inviabiliza os consensos, sem os quais a democracia simplesmente não se realiza.

(Editorial do Estadão)

Aluguéis – Em 12 meses, inflação na área ficou em 6,46%

O Índice Geral de Preços-Mercado (IGP-M), usado no reajuste dos contratos de aluguel, registrou 0,75% na segunda prévia de junho. A taxa é superior ao apurado na segunda prévia de maio (0,58%), de acordo com dados divulgados hoje (18), no Rio de Janeiro, pela Fundação Getulio Vargas (FGV).

Com a prévia de junho, o IGP-M acumula inflação de 4,33% no ano e de 6,46% em 12 meses.

A alta da taxa de maio para junho foi puxada pelos preços no atacado, já que o Índice de Preços ao Produtor Amplo, que mede esse segmento, registrou inflação de 1,15% na segunda prévia de junho, acima do 0,72% de maio.

O Índice de Preços ao Consumidor, que mede o varejo, teve deflação (queda de preços) de 0,05% em junho. Em maio, havia registrado alta de 0,4%. Já o Índice Nacional de Custo da Construção ficou estável em junho, depois de uma inflação de 0,06% em maio.

(Agência Brasil)