Blog do Eliomar

Categorias para Brasil

Homofobia em estádio rende apenas R$ 1 mil em multa para o Campinense

O Campinense foi multado em apenas R$ 1 mil após sua torcida protagonizar cenas de homofobia no estádio Amigão, em Campina Grande.A informação é do jornalista Lauro Jardim, colunista do O Globo.

Durante a partida contra o Brasiliense pela Série D do Brasileirão, em 25 de junho, os torcedores do time paraibano chamaram o goleiro do time adversário de “bicha” diversas vezes, sempre que ele tocava na bola.

O Campinense foi denunciado por ato descriminatório. A multa foi aplicada pela 2ª Comissão Disciplinar do STJD e cabe recurso ao Tribunal Pleno. O time também foi multado em mais R$ 1 mil porque torcedores usaram sinalizadores na arquibancada.

Jornalista do O POVO fará curso na Estônia

jornalista Émerson Maranhão, editor de Conteúdo Audiovisual do O POVO, embarca nesta sexta-feira, 3, para Tallin, capital da Estônia.

Ele é o único brasileiro selecionado para o curso “Narrativas através da mídia: Storytelling em Transmídia e Engajamento do Público”, ministrado na Baltic Film, Media, Arts and Communication School, da Universidade de Tallinn, uma das maiores referências mundiais em estudos transmidiáticos.

Além de Émerson Maranhão, integram a turma mais seis jornalistas provenientes da Colômbia, Myanmar, Kosovo, Quênia e Tailândia.

(Foto – Uni7)

Camilo e Eunício vão cobrar de ministro celeridade nas obras da Transposição

O governador Camilo Santana (PT) visitará obras da Transposição do São Francisco, em Salgueiro, interior pernambucano, nesta sexta-feira. Com ele, vão estar o ministro da Integração Nacional, Antônio de Pádua, e o presidente do Congresso, senado, Eunício Oliveira (MDB).

Hora de inspecionar as obras da transposição e cobrar do MIN celeridade. Camilo e Eunício ainda levarão o ministro para uma visita ao canteiro das obras do Cinturão das Águas , na Região do Cariri. Cobrar a liberação de mais recursos para trechos desse projeto que receberá as águas benditas do São Francisco, eis o mote.

(Foto – Fábio Lima)

Manifesto por bolhas de tranquilidade

Com o título “Manifesto por bolhas de tranquilidade”, eis este fato contado pela jornalista e professora universitária Ana Márcia Diógenes e que pode ser lido também no O POVO desta quarta-feira. Confira:

Dia desses, conheci uma cidade no Rio Grande do Norte com um nome bem peculiar: São Miguel do Gostoso. À beira da praia, com visual de paraíso, a comunidade de cerca de 10 mil habitantes, e distante pouco mais de 100 km de Natal, lembra aquele tipo de cenário que a gente projeta quando pensa em uma bolha de tranquilidade. Para onde nos transportamos mentalmente quando buscamos sossego, beleza, vento, sombra e coco fresco.

A cidade é tudo isso mesmo que os desejos de relaxamento projetam. Teria ficado morando lá para sempre (quem sabe em breve?). Mas, e quase sempre tem um mas, infelizmente a gente vai chegando à conclusão de que estão cada vez mais raras as tais bolhas de tranquilidade.

Descobrimos – eu e meu marido, Miguel – logo na primeira compra de uma tapioca recheada de carne de sol, que era melhor pagar qualquer quantia com cartão de crédito. Motivo: praticamente não circula Reais em papel pela cidade. O lugar mais próximo para conseguir dinheiro em cash só é concretizado após 40 km de estrada. “Segure seu dinheiro. Aviso logo para o turista para ele não ficar zerado antes do tempo”, recomendou a vendedora.

Dia seguinte, já com os Reais guardados e usando o cartão até para água de coco. Um novo fato chamou nossa atenção em uma barraca da praia de Tourinho, a 6 km do centro de São Miguel. Na hora de pagar o tira-gosto, a maquineta não fazia conexão com o mundo externo de jeito nenhum. Mais de 15 minutos de espera e… nada.

Até que propusemos um voto de confiança do barraqueiro para este casal cearense. Voltaríamos para a pousada e, com o wifi garantido, faríamos a transferência para a conta bancária que ele indicasse. Consummatum est.

Juntando as pontas, em conversas de calçada com moradores, descobrimos que a cidade teve um caixa eletrônico que foi estourado por bandidos. Alguns comerciantes criaram uma moeda, o Gostoso (temos fotos se alguém quiser ver), mas a moda não pegou. Mesmo pagando alto custo aos donos das maquinetas, a cidade se rendeu à Geni eletrônica. Ou nos rendemos todos à falta de segurança que perdeu há muito tempo seus limites de urbanidade e rompeu até nossas bolhas? Que não nos demos por vencidos, que não seja consumado dessa forma.

*Ana Márcia Diógenes

anamarcia83@gmail.com

Jornalista e professora.

Prefeito Roberto Cláudio ganha homenagem em São Paulo

O prefeito Roberto Claudio (PDT) receberá, nesta quarta-feira, em São Paulo, a Medalha do Mérito do Transporte Urbano Brasileiro 2018. Trata-se da mais alta comenda da Associação Nacional das Empresas de Transportes Urbanos (NUT).

A homenagem é um reconhecimento ao pacote de investimentos feito pela gestão municipal no campo da mobilidade urbana.

Além do Roberto Cláudio, haverá mais oito homenageados: três, na categoria Empresário; três, na categoria In Memoriam; e mais dois, na categoria Especial. O prefeito será o orador da premiação que terá à frente da cerimônia o presidente-executivo da NUT, Otávio Vieira da Cunha Filho.

(Foto – O POVO)

Brasil tem 147,3 milhões de eleitores

O eleitorado brasileiro aumentou 3,14% nos últimos quatro anos, saltando de 142.822.046 votantes, em 2014, para 147.302.354 eleitores, divulgou hoje (1º) o Tribunal Superior Eleitoral (TSE). Os eleitores estão distribuídos pelos 5.550 municípios e em 171 localidades de 110 países.

Há ainda 1.409.774 eleitores que não poderão votar nem se candidatar este ano, por estarem com os direitos políticos suspensos, segundo o tribunal.

De acordo com o TSE, a maioria do eleitorado brasileiro é formada por mulheres, com 77.337.918 (52,5%), enquanto os homens somam 69.901.035 (47,5%). Em 2014, as mulheres eram 74.459.424 (52,13%) e os homens, 68.247.598 (47,79%).

Houve crescimento expressivo dos eleitores no exterior nos últimos quatro anos, passando de 354.184 para 500.727 eleitores, aumento de 41,37%.

Para o presidente do tribunal, Luiz Fux, esse aumento é resultado de um esforço conjunto entre a Justiça Eleitoral e o Ministério das Relações Exteriores para facilitar o cadastro de eleitores residentes em outros países.

Os dados foram divulgados durante lançamento do Centro de Divulgação das Eleições do TSE.

Transexuais e travestis

Pela primeira vez, eleitores transexuais e travestis terão seu nome social impresso no título de eleitor e no caderno de votação das Eleições 2018. Ao todo, 6.280 pessoas fizeram essa escolha ao se registrar ou atualizar seus dados na Justiça Eleitoral.

Faixa etária

De acordo com o levantamento da Justiça Eleitoral, a faixa etária entre 45 e 59 anos concentra mais eleitores, com 35.742.439 brasileiros, o que corresponde a 24,26% do eleitorado. Em seguida, estão os eleitores de 25 a 34 anos, que reúnem 31.149.869 pessoas – 21,15% do total de eleitores.

Voto facultativo

Os jovens de 16 e 17 anos, cujo voto é opcional, representam 0,95% do eleitorado este ano, num total de 1.400.617 pessoas. Segundo o TSE, os dados apontam redução de 14,53% no número de eleitores jovens. Em 2014, foram registrados 1.638.751 eleitores nessa faixa etária.

Biometria

Em 2018, os eleitores que serão identificados por biometria aumentou 239,92% em relação a 2014. Este ano, eles somam 73.688.208 votantes (50,3%) do total. Em 2014, eram 21.677.955 pessoas, o que correspondia a 15,18% do eleitorado.

(Agência Brasil)

O PT errou

Com o título “O PT errou”, eis artigo do jornalista Waldemir Catanho, assessor da deputada federal Luizianne Lins (PT) e primeiro suplente do senador Eunício Oliveira (MDB). Ele bate duro nos resultados do recente encontro de tática eleitoral do seu partido que, entre algumas decisões, tirou o direito de reeleição do senador José Pimentel (PT). Confira:

O Encontro Estadual de Tática Eleitoral do PT Ceará aprovou no último sábado que o PT Ceará não terá candidatura ao Senado nas eleições desse ano. O encontro aprovou que PT não terá candidato mesmo tendo um Senador, José Pimentel, que honrou e desejava renovar seu mandato, tendo outros nomes à disposição do partido como os da Deputada Federal Luzianne Lins e do Deputado Federal José Guimarães e tendo duas vagas à sua disposição conforme permite a legislação eleitoral.

A decisão do Encontro, se não foi de apoio, certamente foi no sentido de facilitar a reeleição do Senador Eunício Oliveira (MDB), atual Presidente do Congresso. Na contra mão de decisão anterior aprovada de forma unânime pelo Diretório Estadual do Partido, o Encontro ignorou solenemente a conjuntura nacional, os significados e os motivos do golpe jurídico – parlamentar – midiático que afastaram a Presidente Dilma e os embates futuros com nossas elites que ainda não concluíram a execução de seu plano de espoliação de nossas riquezas e de massacre dos direitos do povo trabalhador.

Pergunta-se: e depois?

E quando vier nova proposta de reforma da previdência? E quando vierem as propostas de privatização da Eletrobrás, dos Correios, do Banco do Brasil, da Caixa Econômica? A venda (entrega) de 70% do pré-sal foi aprovada pela Câmara Federal. Ainda falta ser votada pelo Senado. Como se comportará o Senador Eunício, Presidente do Senado, diante desses temas? E se ganharmos o Presidência da República? Como vamos revogar medidas como a Reforma Trabalhista e o congelamento por 20 anos dos gastos sociais que foram aprovadas com apoio do Senador Eunício? Como vamos nos proteger se houver nova tentativa de golpe, com afastamento do Presidente legitimamente eleito?

Essas perguntas não foram respondidas pelo encontro.

O Encontro esqueceu que o que está em jogo é nosso projeto de nação que deve estar acima de quaisquer outros interesses.
O que cabe ao PT é continuar na resistência. Uma resistência que passa pela organização e reforço das lutas e manifestações populares; na luta pela libertação de Lula e sua eleição para a Presidência da República; pela reeleição do Governador Camilo Santana e eleição de uma forte bancada petista de Deputados Federais e Estaduais. Essas são as principais tarefas e responsabilidade daqueles que de fato se importam em organizar a luta para nos livrar do projeto barbárie social que nos ameaça hoje e concretizar o sonho de uma sociedade em que todos – o povo trabalhador, os jovens, os pequenos proprietários do campo e da cidade, as mulheres, os negros, os índios, os lgbts – possam viver sem medo, sem opressão ou exploração.

*Waldemir Catanho

Jornalista, assessor da deputada federal Luizianne Lins e primeiro suplente do senador Eunício Oliveira (MDB).

Inflação pelo IPC-S cai para 0,17% em julho

A inflação medida pelo Índice de Preços ao Consumidor Semanal (IPC-S) fechou julho com taxa de 0,17%, abaixo do 1,19% de junho. O dado foi divulgado hoje (1º) pela Fundação Getulio Vargas (FGV), no Rio de Janeiro. O principal responsável pelo recuo foi o grupo de despesas alimentação, com deflação (queda de preços) de 0,61% em julho. Em junho, os alimentos haviam tido uma inflação de 1,59%.

Outro grupo de despesas que anotou deflação foi vestuário, com queda de preços de 0,64% em julho, ante uma inflação de 0,2% no mês anterior. Já os transportes não registraram aumento de preços em julho. Em junho, esse grupo teve inflação de 1,25%.

Quatro classes de despesas tiveram queda da taxa, mas continuaram com inflação em julho: habitação (a taxa caiu de 1,93% em junho para 1,08% em julho), saúde e cuidados pessoais (de 0,4% para 0,27%), despesas diversas (de 0,15% para 0,05%) e comunicação (de 0,32% para 0,24%). Educação, leitura e recreação foi o único grupo com aumento da inflação de junho para julho, ao passar de 0,28% para 0,42%.

(Agência Brasil)

Brasil recebe o Congresso Internacional de Matemática

Começa hoje (1º), no Rio de Janeiro, no RioCentro, o Congresso Internacional de Matemáticos (ICM 2018, na sigla em inglês), que vai reunir, até o dia 9, cerca de 2.500 pesquisadores dos cinco continentes. A agenda terá 1.200 palestras, painéis de debates e comunicações, além de 40 eventos científicos paralelos em todo o país, como o World Meeting for Women in Mathematics, o (WM)2 que discutiu ontem (31) questões de gênero na matemática.

O primeiro ICM foi realizado em 1897, em Zurique, Suíça. Ele é organizado a cada quatro anos pelo país-sede em parceria com a União Matemática Internacional (IMU).

Esta é a primeira vez que o encontro ocorre em um país do hemisfério sul. No Brasil, o evento integra o Biênio da Matemática do Brasil 2017-2018, parte das ações nacionais e internacionais destinadas, entre outros objetivos, a incentivar o estudo da disciplina, popularizá-la e promover atividades que contribuam para aproximá-la do público.

O diretor geral do Instituto de Matemática Pura e Aplicada (Impa), Marcelo Viana, também presidente do Comitê Organizador do ICM 2018, explica que o Brasil passa por um momento histórico e de reconhecimento do avanço das pesquisas na área conquistadas pelo país.

“Há 70 anos praticamente não havia pesquisa em matemática no país. [O avanço] já foi reconhecido no começo do ano quando o Brasil foi promovido ao grupo 5, o grupo máximo da União Matemática Internacional, que reúne as 11 nações mais avançadas na área”, afirma.

Para Viana, a escolha do Brasil como sede também faz parte desse reconhecimento. Ele destaca que o objetivo principal do ICM 2018 é ser um instrumento para ajudar a popularizar a matemática e torná-la mais próxima da sociedade.

“Estamos convidando escolas para participar do evento, com atividades desenhadas para crianças e professores, e acredito que vai ser um grande sucesso, vai ter um impacto significativo nessa aproximação da matemática com a sociedade brasileira. O Biênio foi a realização desse objetivo que nós tínhamos já ao apresentar a candidatura para o congresso, é um evento charmoso, que chama a atenção”, argumenta.

Durante nove dias, haverá mesas redondas sobre temas como distribuição de gênero, história da matemática, desenvolvimento da matemática nos países em desenvolvimento e o impacto que a tecnologia tem na matemática.

(Agência Brasil)

Cármen Lúcia diz ser inaceitável descumprir decisões judiciais

Ao abrir hoje (1º) os trabalhos do segundo semestre do Judiciário, a presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministra Cármen Lúcia, disse esperar prudência dos demais ministros em suas decisões e afirmou ser inaceitável que decisões judiciais sejam descumpridas.

“Neste tempo de grandes preocupações para todos nós cidadãos brasileiros, de dificuldades, mas também de possibilidades, desejo que nós todos, como cidadãos, como juízes, sejamos cada vez mais, como temos sido e nos encaminhado, responsáveis em nossas competências com o Brasil, prudentes cada vez mais em nossas decisões e comprometidos entre nós com o país”, disse ela na sessão de abertura do semestre.

A presidente do STF, ministra Cármen Lúcia, durante sessão plenária extraordinária de retomada do julgamento da ação direta de inconstitucionalidade (ADI 5794) que questiona o fim da contribuição sindical obrigatória.
A presidente do STF, ministra Cármen Lúcia, afirmou ser inaceitável que decisões judiciais sejam descumpridas (José Cruz/Agência Brasil)
Acrescentou ser “absolutamente inaceitável qualquer forma de descumprimento ou desavença com o que a Justiça venha a determinar”.

Trabalhos são retomados

Nesta quarta-feira, o STF retoma os julgamentos neste ano, no que serão os últimos 40 dias da gestão de Cármen Lúcia como presidente do Supremo. Ela será sucedida pelo ministro Dias Toffoli, que assume em 12 setembro.

Nas últimas sessões em que foi responsável pela agenda de julgamentos, Cármen Lúcia pautou temas de cunho social, como um recurso para garantir a um transexual o direito de mudar o nome no registro de nascimento sem a necessidade de cirurgia de mudança de sexo; e a definição sobre a idade mínima em que crianças podem ser matriculadas no ensino fundamental nas escolas públicas e particulares.

Na sessão de hoje, os ministros discutem três ações que tratam da dispensa de conciliação prévia para que se possa entrar com processos na Justiça do Trabalho.

(Agência Brasil)

Fortaleza será sede de encontro sobre direitos da criança e do adolescente

Mariana Lobo, defensora-pública-geral integra a coordenação do evento.

Estão abertas as inscrições para o IX Encontro da Magistratura, do Ministério Público e Defensoria Pública da Criança e do Adolescente, que ocorrerá nos dias 23 e 24 deste mês de agosto, das 8 às 17 horas, no Auditório Jesus Xavier de Brito, na sede das Defensoria Pública em Fortaleza.

O tema do encontro já está definido: “Uma visão da infância e da juventude sob a ótica do Sistema de Justiça”.

(Foto – Divulgação)

Corpo de estudante assassinada na Nicarágua chega nesta sexta-feira

O corpo da estudante pernambucana assassinada na cidade de Manágua, na Nicarágua, no último dia 23, Raynéia Gabrielle Lima, chegará ao Recife na madrugada da próxima sexta-feira (03). O anúncio foi feito durante coletiva de imprensa pelo secretário de Justiça e Direitos Humanos de Pernambuco, Pedro Eurico. O funeral será no Cemitério Morada da Paz, em Paulista, na região metropolitana do Recife.

De acordo com o secretário, o corpo sairá de Manágua às 14h30min, com parada na capital do Panamá, de onde parte às 18h15, sempre no horário de Brasília, com destino ao Brasil. A chegada ao Recife está prevista para as 00h35min da sexta-feira. “O governo de Pernambuco conclui definitivamente a sua participação neste caso, no que tange ao translado do corpo de Raynéia para o Brasil”, afirmou Eurico.

Segundo o secretário, as despesas do traslado, que estão sendo custeadas pelo governo de Pernambuco, totalizaram R$ 16.273,16.

Entenda o caso

A estudante brasileira Raynéia Gabrielle Lima foi morta, na noite de segunda-feira (23) da semana passada, com um tiro no peito que, segundo o reitor da Universidade Americana (UAM), Ernesto Medina, foi disparado por um “um grupo de paramilitares” no sul da capital Manágua.

A Nicarágua vive uma crise sociopolítica com manifestações que se intensificaram desde abril. Os manifestantes pedem a saída do presidente Daniel Ortega, que se mantém há 11 anos no poder, em meio a acusações de abuso e corrupção. A repressão aos protestos populares já deixou entre 277 e 351 mortos, de acordo com organizações humanitárias locais e internacionais.

O assassinato da estudante brasileira ocorreu horas depois de o reitor participar de um fórum no qual disse que o crescimento econômico e a segurança na Nicarágua, antes da explosão dos protestos contra Ortega, em abril, “era parte de uma farsa” porque “nunca houve um plano que acabasse com a pobreza e a injustiça”.

O governo de Daniel Ortega foi acusado pela Comissão Interamericana de Direitos Humanos (CIDH) e o Escritório do Alto Comissário das Nações Unidas para os Direitos Humanos (Acnudh) pelos assassinatos, maus tratos, possíveis atos de tortura e prisões arbitrárias ocorridas em território nicaraguense.

(Com Agência Brasil)

Cid Gomes diz que PDT fez o possível para ter o apoio do PSB

Aliados de Ciro Gomes, candidato a presidente da República pelo PDT, dizem ter feito todos os gestos possíveis para convencer o PSB a fechar aliança nacional. Os pedetistas até decidiram apoiar candidatos a governador do PSB em sete Estados.

“Só não os apoiamos em locais onde os nossos candidatos lideram as pesquisas”, explicou Cid Gomes, irmão de Ciro, para a Coluna Painel, da Folha de S.Paulo desta quarta-feira.

“Confesso que estou otimista, mas gato escaldado tem medo de água fria”, disse Cid, numa referência às fracassadas negociações com o Centrão.

(Foto – Agência Câmara)

Bolsonaro perde para Lula e Marina na “vaquinha” virtual

272 1

A vaquinha online do PSL, partido do presidenciável Jair Bolsonaro, acabou de chegar ao saldo de R$ 100 mil arrecadados, nove dias após ser aberta. A informação é da Veja Online.

O crowdfunding de Lula, um reconhecido fracasso, atingiu a mesma marca em dois dias e o da presidenciável Marina Silva (Rede), em cinco.

Em entrevista à VEJA, o capitão previu levantar R$ 10 milhões, sendo R$ 1 milhão para a campanha da chapa presidencial que ele encabeça. Está longe.

(Foto – Agência Brasil)

Lula quer o PT apoiando Eunício no Ceará, diz colunista do O Globo

211 2

O PT cearense deu uma rasteira em José Pimentel e negou ao senador legenda para disputar a reeleição. O PT, com o o.k. de Lula, vai facilitar a vida de Eunício Oliveira, emedebista até a medula. A informação é do jornalista Lauro Jardim, colunista do O Globo.

Mais do que isso, Eunício poderá exibir uma mensagem de apoio de Lula que vale um pote até aqui de votos no Ceará.

Gleisi Hoffmann tuitou no domingo um post tentando desmentir que Lula vá apoiar Eunício. Disse Gleisi:

— Lula não enviou nenhuma carta de apoio à candidatura de Eunício de Oliveira ao Senado da República pelo Ceará.

Por meio de um ex-ministro de seu governo, Lula enviou uma mensagem em resposta a uma carta enviada pelo emedebista. Mais explícito, impossível:

— Meu candidato prioritário no Ceará é você. Jamais deixaria que uma ação com Dilma atrapalhasse essa reeleição.

E que ação é essa a que se refere Lula? O ex-presidente explicou que pouco antes de ir para Curitiba havia desautorizado uma operação em curso destinada a convencer Dilma Rousseff a transferir o domicílio eleitoral para o Ceará, onde seria candidata ao Senado.

Foi uma resposta à carta de Eunício, que começava assim:

— Caro presidente Lula, querido amigo, foi ouvindo meu coração nordestino e sertanejo que tomei a liberdade de escrever esta mensagem. Com ela, quero reiterar a admiração e o respeito que lhe devoto desde muito antes de ter a honra de servir ao seu governo como ministro e, depois, como líder do PMDB, ao lado de outros valorosos companheiros.

(Foto – Ailton Freitas, O Globo)

VAMOS NÓS – Lula também apoia a reeleição do senador Renan Calheiros (MDB) nas Alagoas.

PCdoB oficializa nesta quarta-feira a candidatura de Manuela D’Ávila à presidência da República

O PC do B realizará nesta quarta-feira, em Brasília, sua convenção que homologará Manuela D’Ávila como candidata do partido à Presidência da República. O ato acontecerá no Auditório Nereu Ramos, na Câmara dos Deputados.

O objetivo da candidatura de Manuela, segundo a legenda, é defender “um novo projeto de desenvolvimento soberano, alicerçado na democracia, com geração de empregos, distribuição de renda, combate às desigualdades sociais, regionais e de gênero”.

Do Ceará, seguiram, nas últimas horas, parlamentares como Chico Lopes e membros da direção estadual do partido, como Benedito Bizerril. Eles disseram que Manuela vai trabalhar pelo fortalecimento das esquerdas que devem ficar juntas num segundo turno da disputa.

(Foto – Carla Boughoff)

Aumento da dívida pública desafia o próximo presidente

Seja quem for o próximo presidente do Brasil, uma coisa parece certa a esta altura: irá conviver com um aumento constante da dívida pública. Conforme projeção do Tesouro Nacional para investidores, a proporção do endividamento passará dos atuais 75,7% do Produto Interno Bruto (PIB) para 82% em 2022, último ano do mandato. Mesmo que o próximo mandatário venha a ser reeleito, só verá a dívida cair em 2025 – terceiro ano de um hipotético segundo mandato.

A visão do Tesouro é compartilhada por economistas de matizes diferentes, dentro e fora do governo. A Agência Brasil ouviu o mesmo diagnóstico na academia (PUC-RJ, FGV-IBRE, Unicamp e UFMG) e em outras instituições públicas (Ipea e Senado). Especialistas acrescentam que a alta da dívida acompanhará o próximo presidente mesmo com ajuste fiscal.

“Nós temos no momento um quadro em que a dívida pública se encontra em elevação, e tende a se manter nessa trajetória mesmo diante de um esforço fiscal que o governo venha a fazer no sentido de reduzir despesas e aumentar receitas”, alerta o diretor-adjunto de Estudos e Políticas Macroeconômicas do Ipea, Marco Cavalcanti.

“Não existe mágica a ser feita aqui. Temos uma dívida alta. Essa dívida gera uma necessidade de pagamento de juros. Além disso, há o déficit primário que não consegue reduzir a zero ou tornar superavitário em pouco tempo”, acrescenta o pesquisador do Ipea. O déficit primário é o resultado negativo das contas do governo desconsiderando o pagamento dos juros da dívida pública.

Cenários

O Ministério do Planejamento Desenvolvimento e Gestão desenhou dois cenários fiscais. Em ambos, a diferença entre as receitas e despesas do setor público seguem negativas nos próximos anos. Enquanto as contas públicas estiverem vermelhas, a dívida federal seguirá pressionada.

No primeiro cenário, são adotadas “algumas reformas estruturantes que viabilizam o equilíbrio fiscal de longo prazo”. Nessas condições, as contas públicas ficam negativas até 2022. No segundo cenário, além das reformas estruturantes, estão em vigor “reformas microeconômicas que elevam o potencial de crescimento” e assim o resultado primário torna-se positivo um ano antes (2021).

O caminho poderá ser mais longo e tortuoso sem crescimento econômico. “Indicador de atividade econômica mais baixo afeta a trajetória da dívida”, resume Felipe Salto, diretor-executivo da Instituição Fiscal Independente, do Senado Federal. O retrospecto recente dos dados do Tesouro e do IBGE evidenciam que a dívida pública começou a subir quando a economia perdeu força, a partir de 2014.

“Só é possível pensar na estabilização da dívida pública brasileira com a retomada do crescimento. [Também] não há possibilidade de estabilizar o déficit público com a queda do PIB”, aponta Pedro Rossi, professor do Instituto de Economia da Unicamp.

Vilma Pinto, pesquisadora da área de Economia Aplicada da FGV-IBRE, mostra como o quadro de piora da economia repercute na deterioração fiscal. Ela analisa a última década da economia e aponta que entre 2008 (ano da crise financeira internacional) e 2018, “houve queda de 2,5 pontos percentuais das receitas primárias e aumento de 3,2 pontos percentuais nas despesas primárias. O saldo líquido é uma piora de 5,7 pontos percentuais do PIB”.

Repercussão política

Para Carlos Ranulfo, professor titular do Departamento de Ciência Política da UFMG, a situação fiscal será um grande desafio para o próximo presidente da República. Ao buscar a retomada do crescimento, o novo governo não poderá criar mais déficit.

Em sua opinião, além do PIB baixo, o eleito em outubro de 2018 sofrerá com assédio dispendioso de um futuro Congresso “muito pragmático e muito clientelista”. O Poder Legislativo é, tradicionalmente, um foco de pressão por gastos públicos, já que tenta atender as diversas demandas, muitas delas corporativistas, de grupos de eleitores.

O cientista político avalia que, durante a campanha, a situação da dívida poderá favorecer candidatos que tenham uma performance mais fiscalista e falas que sensibilizem o mercado financeiro – que quer estabilização das contas públicas. Esse perfil, no entanto, não costuma ser popular entre os eleitores. “Ninguém faz campanha vendendo cautela, mas vendendo esperança”, comenta.

Entre discursos prudentes e falas espontâneas que despertem expectativas de melhora imediata da situação fiscal, o economista José Márcio Camargo (PUC-RJ) teme anúncios de calotes da dívida pública e promessas não detalhadas de limitação de gastos com a dívida.

“Não vejo problema em limitar a dívida, desde que diga o que vai fazer com o que sobrar”, assinala. “Suponha que o tal limite estabeleça que o governo só pode pagar um déficit do PIB de até 4%. Suponha que o déficit real, porém, tenha sido de 8%. Como vai ser coberta essa diferença? Vai ser coberta com emissão de moeda? Isso significa inflação. Vai ser coberta com a redução da despesa? Ou vai ser coberto via aumento de impostos?”, indaga.

(Agência Brasil)

Ministério da Saúde quer vacinar 11 milhões de crianças contra sarampo e pólio

A partir da próxima segunda-feira (6), todas as crianças com idade entre 1 ano e menores de 5 anos devem ser levadas aos postos de saúde para receber a dose contra a pólio e também contra o sarampo. O Dia D de mobilização nacional foi agendado para o dia 18, um sábado, mas a campanha segue até o dia 31 de agosto. A meta do governo federal é imunizar 11,2 milhões de crianças e atingir o marco de 95% de cobertura vacinal nessa faixa etária, conforme recomendado pela Organização Mundial da Saúde (OMS).

De acordo com o Ministério da Saúde, foram adquiridas 28,3 milhões de doses de ambas as vacinas – um total de R$ 160,7 milhões. Todos os estados, segundo a pasta, já estão abastecidos com um total de 871,3 mil doses da Vacina Inativadas Poliomielite (VIP), 14 milhões da Vacina Oral Poliomielite (VOP) e 13,4 milhões da Tríplice Viral, que protege contra o sarampo, a rubéola e a caxumba.

A campanha de vacinação deste ano é indiscriminada, ou seja, pretende imunizar todas as crianças na faixa etária estabelecida. Isso significa que mesmo as que já estão com esquema vacinal completo devem ser levadas aos postos de saúde para receber mais um reforço. No caso da pólio, crianças que não tomaram nenhuma dose ao longo da vida devem receber a VIP. As que já tomaram uma ou mais doses devem receber a VOP. E, para o sarampo, todas devem receber uma dose da Tríplice Viral – desde que não tenham sido vacinadas nos últimos 30 dias.

(Com Agência Brasil)

Setor de turismo fechou 7,7 mil postos de trabalho em junho. O Ceará foi exceção

Vista panoramica do Aeroporto de Jericoacoara, situado em Cruz. (Foto – Divulgação)

O setor de turismo no Brasil fechou no último mês de junho 7.743 postos de trabalho, elevando para 16,5 mil os postos fechados desde maio, quando haviam sido extintos 8.754. As informações constam do estudo Empregabilidade no Turismo, produzido pela Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC), com base em dados do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), do Ministério do Trabalho e Emprego.

“Os serviços ligados ao turismo continuaram amargando prejuízos, uma vez que se manteve a tendência do desemprego do mês anterior. Em maio, o número de desempregados foi um pouco maior, atingindo 8.754 trabalhadores. Nesses dois meses, o desemprego acumulou 16,5 mil pessoas, reflexo do tamanho do ajuste de diminuição de custos que as empresas realizaram em decorrência do tamanho das perdas nos negócios do setor no período”, avaliou a entidade.

Os números divulgados pela CNC indicam que o resultado entre admissões e demissões no primeiro semestre do ano fechou negativo em 11.689. O número, no entanto, é menor do que o verificado no mesmo período do ano passado, quando o saldo entre admissões e demissões ficou negativo em 13.061 postos.

Recuperação

A CNC avalia que a recuperação da empregabilidade no turismo vai depender do otimismo dos próprios consumidores para com a situação do país.

Para o economista da CNC Antonio Everton, enquanto esse otimismo não ocorrer, “o emprego no turismo continuará sofrendo as oscilações [decorrentes] da conjuntura econômica, retrato do desempenho das empresas do setor”.

A avaliação do economista é de que, mais do que somente o otimismo dos consumidores quanto às perspectivas do mercado de trabalho, à estabilidade dos preços e à folga para gastos novos nos orçamentos, aliado à capacidade de a economia voltar a crescer também serão fundamentais para a recuperação dos empregos do setor.

Estados

Ao analisar a retração de postos de trabalho, a CNC concluiu que o desemprego atingiu de maio para junho todas as regiões do país, com destaque para o Sul, com menos 2.049 postos de trabalho e o Sudeste, com menos 3.853.

Por força do desequilíbrio fiscal e das dificuldades empresariais inerentes à repercussão do aumento da violência, o desemprego prevaleceu no Rio de Janeiro (-2.244), seguido de São Paulo (-1.456).

Nos sete estados que compõem as duas áreas, o Espírito Santo foi a exceção, onde o emprego cresceu com pouca expressão, com apenas mais 10 pessoas.

Em junho, poucos estados registraram superávit na conta emprego no turismo: Amazonas (152), Maranhão (53), Mato Grosso (33) e Goiás (67). O Ceará ficou em primeiro (479).

(Agência Brsil)

Consultor de empresas torce para que o Brasil volte a registrar o PIB de 2014. Pelo menos

Como se saiu a economia brasileira no primeiro semestre? Quais as perspectivas do País até o final deste ano? O que se pode esperar do próximo presidente da República?

Eis indagações que o Blog fez a Sérgio Melo, um dos mais respeitados consultores do ramo empresarial do País. Ele torce para que o Brasil volte a registrar o PIB de 2014, que foi bem maior do que o PIB deste 2018. Pelo menos.