Blog do Eliomar

Categorias para Ceará

Fortaleza vive madrugada de temporal

Fortaleza vive uma madrugada de terça-feira sob temporal. Vários pontos de alagamento e o sufoco em alguns bairros da periferia da Capital. O Corpo de Bombeiros e a Defesa Civil redobraram o trabalho.

No Aeroporto Internacional Pinto Martins, faltou teto para que o voo 1706, da Gol – procedente de São Paulo, aterrissasse. O voo foi redirecionado para Natal (RN) e tem previsão de retorno para as 6 horas.

Entre as 2 horas e 4 horas registrou-se o pico do temporal.

Maracanaú terá loja "onde um pneu é um pneu"

215 1

A Gerardo Bastos S.A, aquela “onde um pneu é um pneu”, vai expandir sua rede de lojas. Segundo o diretor Gerardo Bastos Filho, depois de operar com quatro pontos em Fortaleza, chegou a hora de ampliar o mercado. Ele informou para o Blog que a cidade de Maracanaú (Região Metropolitana) é a próxima parada.

Pesquisas apontam que esse município virou um ponto de grande circulação de carros e caminhões que, com certeza, precisarão de boa manutenção e daquela troca de pneu fundamental e com tecnologia. Ainda neste semestre, a nova loja deve sair do papel.

A gente fica feliz quando empresa cearense cresce. Isso é bom para o mercado, pois gera emprego e renda.

(Foto – Paulo MOska)

CNI: Brasil tem de ser mais competitivo para ampliar negócios com a China

“Superar urgentemente os obstáculos ao aumento da competitividade das empresas brasileiras, insistir na abertura do mercado chinês e integrar as suas cadeias de suprimento são três dos mecanismos necessários para ampliar as relações comerciais bilaterais. As alternativas foram propostas pelo presidente da Confederação Nacional da Indústria (CNI), Robson Braga de Andrade, em Pequim, nesta segunda-feira, 11.04.

“O Brasil precisa elevar sua competitividade e a ascensão da China atribui a este desafio um irrevogável sentido de urgência”, assinalou Andrade, em encontro da missão empresarial brasileira que participa da viagem da presidente Dilma Rousseff à China.

A reunião, no Hotel China World Summit Wing, foi preparatória para o seminário de amanhã, terça-feira, em que empresários e ministros do Brasil discutem com dirigentes chineses o aumento dos negócios bilaterais. Integram a missão, coordenada pela CNI, 309 empresários.

Segundo o presidente da CNI, a globalização e o aprofundamento da concorrência exigem do governo “disposição e vontade política “ para reduzir com rapidez os custos tributários, logísticos, salariais, cambiais, de infraestrutura, de oferta de energia e crédito. “O Brasil é uma economia de custos elevados em áreas nevrálgicas para o setor produtivo. Nossos custos são incompatíveis com a realidade do mercado internacional”, enfatizou.

Receita 

A receita sugerida por Andrade para elevar os negócios bilaterais inclui outras ações: a) executar estratégias para superar as barreiras tarifárias e não tarifárias chinesas a produtos brasileiros de maior elaboração técnica; b) melhorar, com pesquisa, inovação e logística, o fornecimento de commodities à China; c) aprofundar a integração na cadeia de suprimento chinês, como já fazem várias empresas brasileiras com investimentos na China; d) desenvolver novos setores e produtos, seja na exploração da biodiversidade ou na energia renovável; e) aumentar a capacidade de atrair maiores investimentos diretos chineses; f) reforçar o sistema brasileiro de defesa comercial.

De acordo com o presidente da CNI, a crescente importância da China na economia mundial e seu papel de sustentação de preços de produtos agrícolas, minérios e combustíveis obrigam o Brasil, que já tem nos chineses seu maior parceiro comercial, a estreitar as relações bilaterais.

“A China é uma fonte inesgotável de oportunidades e desafios. Esta é a realidade. Seu protagonismo na economia mundial reafirma que o Brasil não pode prescindir de aprofundar as relações econômicas bilaterais e nem se omitir no desenvolvimento de uma estratégia que aproveite melhor as oportunidades comerciais e de desenvolvimento que se apresentam”, declarou Andrade.

Além dele, participaram do encontro preparatório em Pequim, nesta segunda-feira, 11.04, entre outros, os presidentes do Banco do Brasil, Aldemir Bendini; da BR Foods (fusão da Sadia e Perdigão), José Antonio Fay; da Valisère, Ivo Rosset, e o secretário-executivo do Ministério do Desenvolvimento, Alessandro Teixeira.”

(Site da CNI)

Ceará na China

O Estado do Ceará participa dessa discussão, pois na caravana da CNI que se encontra na China estão o presidente da Fiec, Roberto Macedo, o presidente da Associação Brasileira da Indústria da Panificação (Abip), Alexandre Pereira, o presidente do Conselho Estadual de Desenvolvimento Econôico (Cede), Ivan Bezerra, e Jorge Parente, da CNI e  do Sebrae/Ceará.

CGU encontra problemas no Fundeb de Ipu e Pacujá

67 1

“As inspeções aleatórias dos órgãos de fiscalização encontraram, no Piauí e no Ceará, situações que variam da contratação irregular de obras até condições insalubres para distribuição da merenda. No Piauí, de março a outubro de 2010, auditorias da Controladoria Geral da União (CGU) apontaram irregularidades em pelo menos quatro cidades. No Ceará, a última fiscalização, divulgada no início deste mês, apurou indícios de fraude numa obra de R$ 700 mil.

No Ceará, que deve somar, em 2011, R$ 3,7 bilhões vindos do Fundeb, a CGU tem flagrado ilegalidades. Na última fiscalização, divulgada no início deste mês, foi constatado que a construção de uma escola pública estava totalmente abandonada em Pacujá, interior cearense. A obra recebeu R$ 700 mil do governo federal.

Em fevereiro deste ano, a prefeitura de Ipu, a 257 quilômetros de Fortaleza, pagou com verba do Fundeb a construção de um auditório, uma cantina e um depósito na Secretaria de Educação. O aparente verniz de legalidade, por ser uma obra ligada ao órgão da área, esconde duas irregularidades: apesar de algumas obras estarem contempladas em gastos com manutenção e desenvolvimento do ensino, o que pode consumir até 40% do Fundeb, elas precisam estar diretamente ligadas à aprendizagem. Mas o que também chamou a atenção foi a pressa: 93,1% do total da obra foram pagos antes de ela ter sido iniciada.

Em outra operação, feita ano passado também em Ipu, viu-se que a prefeitura gastou R$ 58,6 mil com a “confecção de camisas para projetos educacionais” da Secretaria de Educação. Recursos do Fundeb não podem pagar roupas, nem mesmo farda escolar.

– Isso é improbidade, não tenha dúvidas. O gestor deverá ser citado por improbidade – disse o presidente do Conselho Estadual do Fundeb, Geraldo Magela de Maria, afirmando já ter sabido de fiscalizações no país que encontraram até obra de arte e mobília da sala de diretoras compradas com verbas do fundo.

O secretário de Educação do município, Flávio Alves, o terceiro a ocupar o cargo desde o início desta gestão, não soube responder qual a finalidade de tantas camisetas. Sobre o auditório, disse que a secretaria precisa do equipamento. Mesmo alegando não ter tido tempo de se informar sobre como foi aplicado o dinheiro do Fundeb, o secretário crê não haver desvios.

Em Lagoa do São Francisco, no Piauí, uma inspeção da CGU em 2010 na prefeitura constatou a contratação, sem licitação, de empresa para reforma de escolas e bibliotecas, no valor de R$ 292.420. Além disso, a empresa permaneceu fechada na semana da fiscalização; o local funcionaria como estúdio para ensaio de banda musical e para guarda de equipamentos de som.

Em Flores do Piauí, os auditores apuraram que a prefeitura fez pagamentos inferiores aos contratados e contabilizados na locação de transporte escolar em 2008, resultando em despesas sem comprovação no montante de R$ 22.632. Já em Paes Landim, a prefeitura deixou de comprovar gastos de R$ 53,7 mil em merenda escolar.”

(Globo)

Justiça manda Construtora Marquise pagar pensão a menor vítima de atropelamento

63 1

“A Construtora Marquise Ltda. deverá pagar pensão mensal de um salário mínimo ao menor F.H.B.S. até a data em que ele complete 65 anos de idade. Além disso, pagará indenização de R$ 5 mil por danos morais. A decisão foi do juiz Joaquim Vieira Cavalcante Neto, auxiliando a 2ª Vara Cível do Fórum Clóvis Beviláqua.

No dia 2 de novembro de 2004, de acordo com o processo (nº 62704-34.2005.8.06.0001/0), o menor foi atropelado por um caminhão da Marquise. Devido ao acidente, teve de amputar os cinco dedos do pé esquerdo. Os pais, representando o filho, recorreram à Justiça para obter reparação pelos danos sofridos, solicitando a quantia de R$ 20 mil e pensão vitalícia mensal de um salário e meio.

Na contestação, a empresa alegou que o acidente foi provocado por culpa exclusiva da vítima, pois o menor, acompanhado de um tio, atravessou a pista de maneira imprudente e negligente. Em depoimento, o motorista da Marquise informou que dirigia a 40 km/h quando o garoto surgiu na frente do caminhão.

Na decisão, o juiz Joaquim Vieira considerou que o motorista deveria ter sido mais cuidadoso. Faltou a habilidade “necessária para não atropelar a criança, principalmente se conduzia o veículo em velocidade baixa”.

Por outro lado, o magistrado não desprezou a falta de atenção da vítima e do tio. “As duas partes contribuíram para o evento danoso”, explicou o juiz, ao fixar o valor da condenação em patamar inferior ao requerido. A decisão foi publicada no Diário da Justiça Eletrônico da última sexta-feira.”

(Site do TJ-CE)

Construção de UTIs em Sobral só saiu depois de ação do Ministério Público

“A inauguração de novas Unidades de Tratamento Intensivo (UTIs) pediátrica e neonatal no município de Sobral (Zona Norte), em ato comandado pelo ministro da Saúde, Alexandre Padilha, no último  fim de semana, resultou de decisão judicial a partir de ação civil pública movida pelo Ministério Público Federal no Ceará (MPF/CE) e Ministério Público do Estado do Ceará (MP-CE). A ação foi ajuizada em 2007 depois que o número reduzido de UTIs no município provocou a morte de 16 recém-nascidos.

No ano do ajuizamento da ação, havia apenas nove leitos de UTI na Santa Casa de Misericórdia, número considerado insuficiente para atender um público de 1,6 milhão de pessoas formado por habitantes do município e de 61 cidades vizinhas, já que Sobral é um pólo da região norte do Estado e concentra uma série de serviços públicos.

O MPF e o MP-CE apresentaram à Justiça Federal pedido para que fossem construídos 30 novos leitos. Em agosto de 2008, foi concedida liminar determinando à União, Estado e Município que construíssem os leitos – 10 em UTI adulta, 10 em UTI neonatal e 10 em UTI pediátrica. Foram autores da ação civil pública o procurador da República Ricardo Magalhães de Mendonça (MPF) e promotor de justiça André Araújo Barbosa (MP-CE).

Apesar do decisão judicial, o Governo do Ceará se negou a repassar recursos para a construção das UTIs, o que provocou o bloqueio de mais de R$ 449 mil da conta da administração estadual. Esses recursos, necessários para a conclusão das obras, passaram a ser administrados pela própria Santa Casa de Misericórdia de Sobral.

Na Santa Casa entrarão em funcionamento 20 novos leitos de UTI – 10 pediátricos e 10 neonatais. Durante o processo, como explica o procurador da República Ricardo Magalhães de Mendonça, ficou acordado que seria dada prioridade para o atendimento de crianças e recém-nascidos no primeiro momento e que posteriormente os outros leitos serão construídos.”

(Sie do MPF-CE)

Cônsul do Japão prestigiará entrega do Jardim Japonês

83 1

João Fujita, o Cônsul e Ricardo Miranda.

O Cônsul do Japão no Recife, Akira Suzuki, é um dos convidados da solenidade em que a prefeita Luizianne Lins (PT) entregará, a partir das 17h30min desta segunda-feira, na avenida Beira Mar, o Jardim Japonês. Ele está sendo ciceroneado pelo empresário João Fujita, presidente do Instituto Nipo-brasileiro em Fortleza.

O Cônsul abriu agenda para visitar, antes da cerimõnia, o Lar de Clara, situado em Iparana, no município de Caucaia (Região Metropolitana de Fortaleza), que foi construido com apoio do consulado japonês. O empreendimento lhe foi apresentado pelo engenheiro responsável, Ricardo Miranda.

(Foto – Paulo  MOska)

Missa pela saudade do radialista Assis Furtado

Será celebrada, nesta segunda-feira, a missa de 30º dia da morte do professor e radialista Assis Furtado. A celebração ocorrerá na na Igreja de Fátima, às 18 horas.

Assis Furtado era nome dos mais respeitados na crônica esportiva de Fortaleza. Chegou a ser arbitro, treinador, dirigente de clube e atuou por longos anos como comentarista de futebol na Ceará Rádio Clube.

Movimento Crítica Radical faz pré-estreia do documentário "Trabalho Interno"

75 1

O Movimento Crítica Radical, coordenado pela ex-prefeita de Fortaleza, Maria luiza Fontenele, ex-vereadora Rosa da Fonseca e por Jorge Paiva, promoverá a pré-estreia do documentário “Trabalho Interno” (Inside Job), ganhador do Oscar de “Melhor Documentario”, na próxima quinta-feira, às 20 horas, no Espaço Unibanco Dragão do Mar.

Após a exiição do documentário, haverá um debate com a participação de críticos de cinema, políticos e sociólogos.

O DOCUMENTÁRIO

Em 2008, uma crise econômica de proporções globais fez com que milhões de pessoas perdessem suas casas e empregos. Ao todo, foram gastos mais de US$ 20 trilhões para combater a situação. Através de uma extensa pesquisa e entrevistas com pessoas ligadas ao mundo financeiro, políticos e jornalistas, é desvendado o relacionamento corrosivo que envolveu representantes da política, da justiça e do mundo acadêmico.

SERVIÇO

Os ingressos poderão serem adquiridos atraves dos telefones 30812956/ Jorge Paiva, 88166254/Rosa da Fonseca e 88166253/ Maria Luiza Fontenelle

Articulista diz que Reforma Política é como uma mulher bonita, mas ruim de cama

70 1

Com o título “A bela e mal resolvida Reforma Política”, eis artigo do publicitário e poeta Ricardo Alcântara. Ele se diz descrente de que algo mudará de fato no cenário político brasileiro, a partir das discussões dos senhores parlamentares. Confira:

Para políticos profissionais, Reforma Política é como uma mulher bonita, mas ruim de cama. Em atenção às minhas leitoras, apresso-me na ressalva de que a metáfora, meio infame, se presta também ao sexo oposto.
 
Em tese, todos eles a querem, mas sabem que não iria satisfazê-los. Ao contrário, ao impor maior disciplina à expressão partidária, seriam maiores as restrições ao balcão que fez da política um ramo promissor do varejo.
 
Ao restituir maior espaço ao mérito e a aspectos programáticos, se iniciaria – presume-se, pelo menos – um círculo gradual de qualificação da atividade com reflexos promissores, óbvio, na consolidação do modelo representativo.
 
O problema é que a decisão caberá a quem mantém sua base política sustentada em pilares diferentes, quando não opostos àquilo que seria recomendado por uma Reforma Política de fato, digna deste nome.
 
Isto resume o impasse: o poder não muda o poder. Não se pode confiar às raposas que ergam o cercado de seu próprio redil. Passar por cima das leis mais fracas e por baixo das leis mais fortes: os caras são bons nisso.
 
Os que agora nos governam viram sua popularidade crescer à sombra de uma mensagem ética inequívoca: eram eles os que estavam “contra tudo isso que está aí”. Uma faxina, era o que se prometia. Era.
 
Os fatos: em quase uma década de poder, nada fez o “grande” Lula para aprimorar a democracia que permitiu um líder operário, cercado de ex-guerrilheiros, chegar ao poder e governar em um ambiente de normalidade.
 
Acredita-se que algum avanço virá com as articulações em curso. A comissão de senadores indicada já aprovou algumas propostas para exame do coletivo parlamentar. Mas esqueça: a reforma não virá com o alcance necessário.
 
Pessimismo? Não. É elementar: o poder não muda o poder.

Lúcio Alcântara é aguardado na Semana Santa

58 4

 

Depois de temporada em Portugal, o ex-governador Lúcio Alcântara está isolado num lugarejo do interior da França, segundo amigos. Só volta para o Ceará dia 19.

Lúcio não perde a Semana Santa em sua São Gonçalo do Amarante (Região Metropolitana de Fortaleza), onde carrega a cruz em trecho de via-sacra tradicional do município.

Quando retornar, deverá convocar reunião do seu PR para começar a tratar das eleições de 2012. O PR, segundo a presidente estadual em exercício, deputada federal Gorete Pereira, quer ter candidato na maioria das prefeituras do Estado.

MST ocupa prédio da Secretaria do Desenvolvimento Agrário

55 1

O Movimento dos Trabalhadores e Trabalhadoras Rurais Sem Terra (MST) ocupa, desde o começo da manhã desta segunda-feira, o prédio da Secretaria de Desenvolvimento Agrário (SDA), na Avenida Bezerra de Menezes (Bairro São Gerardo).

Os cerca de 500 manifestantes fazem uma mobilização integrada à Jornada de Lutas do MST, que relembra anualmente o “Massacre de Eldorado dos Carajás”, que completará, dia 17 próximo, 15 anos sem que culpado algum tenha sido punido pela execução de 19 trabalhadores rurais.

Eis o primeiro teste para o secretário petista Nelson Martins, homem recohecidamente do diálogo

Campus do Cariri em ritmo de Filosofia

“A Coordenação do Curso de Filosofia do Campus da UFC no Cariri realizará, entre 2 e 4 de maio, a II Semana de Filosofia no Cariri, e, nos dias 5 e 6, o I Encontro sobre Ensino de Filosofia no Cariri. As inscrições devem ser feitas até 2 de maio, de segunda a sexta-feira, das 14h às 21 horas, e nas quartas-feiras, das 8h30min às 11h30min. Os interessados devem procurar a Coordenação do Curso de Filosofia da UFC no Campus do Cariri (Av. Tenente Raimundo Rocha, s/n – Cidade Universitária – Juazeiro do Norte – fone: (88) 3572.7225).
 
Aqueles que não vão apresentar trabalhos nas comunicações dos dois eventos e desejarem apenas participar da programação como ouvintes devem acessar o formulário de inscrição no site http://filosofia.cariri.ufc.br/ e enviá-lo para o email: semana.filosofia.cariri@gmail.com ou ensino.filosofia.cariri@gmail.com. O pagamento da taxa de inscrição será feito no ato de credenciamento, bem como a entrega da cópia do RG.”

(Site da UFC)

Secretaria das Cidades vai urbanizar o Dendê

 

A Secretaria das Cidades vai construir uma creche e uma escola na Comunidade do Dendê, que fica na periferia de Fortaleza. O investimento é da ordem de R$ 2, 6 milhões. Segundo o scretário estadual ds Cidades, Camilo Santana, a licitação vai sair até junho e esses projetos fazem parte de uma ampla ação de urbanização.

Camilo Santana (PT), bom lembrar, tem nome listado entre “prefeituráveis” da Capital. Contaria, inclusive, com as bênçãos do Palácio da Abolição.

Cid Gomes reúne prefeitos para definir local do 3º hospital regional

159 2

O governador Cid Gomes (PSB) vai reunir, nesta segunda-feira, a partir das 17 horas, no Centro de Convenções, prefeitos e vereadores de 20 municípios. Na ocasião, estará em pauta o projeto do terceiro hospital regional a ser construido pelo Estado.

Desses municípios, cinco estão brigando para ser sede do empreendimento e aproveitarão o encontro para expor seus argumentos. Nessa lista, Tauá, Boa Viagem, Quixadá, Quixeramobim e Canindé.

Cid já inaugurou um hospital regional em Juazeiro do Norte, beneficiando o Cariri, e um outro está em fase de construção em Sobral, para atender a Zona Norte do Estado.

Em clima de 285 anos de Fortaleza, prefeita responde perguntas de ex-prefeitos

379 7

“O que os homens e a mulher que administraram Fortaleza desde a década de 60 gostariam de saber da atual ocupante do cargo que um dia foi deles? O POVO levou essa indagação aos nove ex-prefeitos vivos da cidade. O resultado você nessa segunda parte da série comemorativa dos 285 anos de Fortaleza, que se completam nesta quarta-feira, 13.

Três dos ex-prefeitos – José Walter, Vicente Fialho e César Neto, preferiram não perguntar nada à prefeita Luizianne Lins (PT). Coube a Luiz Marques, Lúcio Alcântara, Barros Pinho, Maria Luiza Fontenele, Ciro Gomes e Antonio Cambraia conduzir o bate-papo sobre a cidade e a política com a atual prefeita de Fortaleza.

Expoentes de diferentes momentos da história política, cada um deles administrou a cidade durante um momento específico da trajetória recente de Fortaleza, conforme O POVO mostrou ontem, ao destacar o papel de cada um na construção da cidade atual. Hoje, você confere o diálogo entre as Fortalezas do passado recente e a Capital do presente.

Há coisas que só sabe quem passou por lá. Na segunda matéria comemorativa dos 285 anos da cidade de Fortaleza, celebrados nesta quarta-feira, 13, O POVO pediu aos nove ex-prefeitos de Fortaleza ainda vivos que fizessem perguntas à atual detentora do cargo, Luizianne Lins (PT).

Das respostas, surge uma Luizianne que se reafirma socialista, ao responder a Maria Luiza Fontenele. Que admite, a Lúcio Alcântara, não ter conseguido realizar algumas obras no tempo que pretendia. Mas que, a Antonio Cambraia, responde que todas as ações municipais para a Copa ficarão prontas em sua gestão.

Três deles – José Walter, Vicente Fialho e César Neto – preferiram não perguntar.

Luizianne respondeu por e-mail, sem saber qual ex-prefeito tinha feito cada pergunta. Eles também foram convidados a dar uma nota à atual administração, que você confere no quadro abaixo.

Ciro Gomes, prefeito de 1989 a 1990

A lembrança

1 Por que medida a senhora gostaria de ser lembrada no futuro, após sua gestão?

Luizianne Lins – Como um governo popular e democrático, que inverteu as prioridades do poder público, colocando as pessoas no centro das ações, criando mais oportunidades e reduzindo desigualdades. Ensinando que a cidade é de todos e todas, e, por isso, é responsabilidade de cada um cuidar dela também. Esse é o espírito da Fortaleza Bela! A utopia de uma cidade mais justa, mais humana, mais amorosa e menos segregada. O maior exemplo dessa inversão de prioridades que começamos em Fortaleza é a implementação do Orçamento Participativo (OP). Hoje, o povo vivencia uma nova forma de administração, onde ele resolve, ao lado da Prefeitura, onde serão aplicados os recursos públicos da Cidade. Para se ter uma ideia, cerca de 27 mil pessoas participaram das assembleias do OP em 2010. Hoje, estamos com um índice de 70% de demandas de obras e serviços já entregues para a população. E assim como fazemos no OP, nós procuramos compartilhar com o povo todas as nossas ações, através da realização de conferências, da formação de conselhos populares. O Plano Diretor também foi construído num processo participativo. Esse compartilhamento é essencial pra gente transformar Fortaleza verdadeiramente. Afinal, em torno de 75% dos fortalezenses precisam dos serviços públicos, somos a quarta cidade mais desigual do Brasil. Há um gigantesco abismo social entre ricos e pobres que, como prefeita, não posso ignorar. Por isso, passei a primeira gestão fortalecendo os serviços públicos e, em paralelo, captando recursos para as grandes obras que estamos fazendo hoje. Por exemplo, o Governo Federal recomenda que as cidades apliquem no mínimo 15% do seu orçamento em Saúde. Nós aplicamos 23%. Nossa rede pública de ensino é a terceira maior do País, são mais de 200 mil alunos. Atentos a isso, reformamos e ampliamos, até agora, 289 escolas e abrimos cerca de 900 salas de aula, além de fornecermos fardamento completo, transporte escolar e merenda de qualidade. Também estamos realizando a maior política habitacional já feita nesta Cidade. Já diminuímos de 106 para 95 as áreas de risco. Ou seja, além de as reduzirmos, não deixamos que aumentassem, como acontecia anteriormente. E estamos construindo e reformando milhares de casas. Somos a capital do Nordeste que mais investe recursos públicos em obras. Só para citar algumas: Drenurb, Transfor, Hospital da Mulher, Cucas, Vila do Mar, requalificação da Praia de Iracema, reforma do estádio Presidente Vargas, Jardim Japonês, Praça do Futuro, Preurbis (Programa de Requalificação Urbana com Inclusão Social), as Praças do Povo, a reforma e entrega do Paço Municipal e do Passeio Público, dentre muitas outras. Por isso, acho também que seremos reconhecidos como a gestão que mais fez obras em Fortaleza. Também instituímos uma política de valorização dos Direitos Humanos, criando uma secretaria para o tema que trabalha com as especificidades de segmentos como infância e adolescência, idosos, negros, pessoas com deficiência, diversidade sexual. Pessoas que, antes, ficavam praticamente invisíveis aos olhos do poder público.

Lúcio Alcântara, prefeito de 1979 a 1982

Falhas

2 Onde a senhora acha que falhou? Não o que não foi feito porque não tinha dinheiro. Onde poderia ter feito mais e não fez com os elementos de que dispõe?

Luizianne – Ainda tenho mais de um ano e meio pela frente. Então, é prematuro avaliar agora. Mas posso dizer que tenho perseguido obstinadamente o melhor para Fortaleza. Por isso, digo que estamos acertando todos os dias. Às vezes corrigindo o percurso, o que é normal.

Mas, de fato, a experiência na Prefeitura me ensinou que nem tudo depende da nossa vontade, que o ritmo das coisas depende também de inúmeros fatores externos. Então, nem tudo eu pude realizar no tempo que queria. Talvez eu não devesse ter anunciado alguns prazos, pois, repito: nem tudo depende só do querer fazer agora e rápido. Mas o mais importante é que nós estamos realizando nossas obras, tudo está em andamento! Tenho certeza de que, ao fim da gestão, entregarei para o povo uma Fortaleza muito melhor do que aquela que encontrei.

Luiz Masques, prefeito de 1978 a 1979

Limpeza

3 Por que a limpeza da cidade está tão precária?

Luizianne – A coleta domiciliar está acontecendo  normalmente, com caminhões monitorados por GPS, um dos sistemas mais modernos do mundo. A capinação e varrição em todas as Regionais acontece sistematicamente. Só em 2010, coletamos mais de 130 mil toneladas de resíduos sólidos. Também atuamos nas áreas de  risco, limpando margens de riachos, rios, canais e lagoas – fundamental no período de chuvas. Por conta dessa prevenção, felizmente não registramos nenhuma morte no período chuvoso em nossa gestão. O desafio é exterminar os pontos de lixo. Isso está relacionado com a cultura da população, seja pequeno ou grande produtor de lixo. Somente no Centro da cidade são 44 pontos. Na licitação de manutenção preventiva e corretiva que pretendíamos realizar, e que agora vamos aperfeiçoar em função de observações do Tribunal de Contas do Município, também estava previsto a coleta de pontos de lixo de forma mais intensiva. Mas vamos perseguir esse objetivo, inclusive chamando a responsabilidade da atual empresa que presta o serviço, que deverá nos apresentar um plano de limpeza para os corredores e principais avenidas diuturnamente. Se sujou, terá de ser limpo imediatamente. Outro fator importante é a  contribuição da população. Lançamos recentemente uma campanha de educação ambiental para conscientizar sobre o papel de cada um na limpeza da Cidade, pois é necessário o compromisso  de todos os moradores, empresários e catadores com uma cidade limpa. Sem esse compromisso não há limpeza pública eficiente.

Barros Pinho, prefeito de 1985 a 1986

Trânsito

4 Que dificuldade a  senhora enfrenta para  não se debruçar com todo afinco e todo o seu talento para resolver o problema do caos do trânsito de Fortaleza? Falta parceria da sociedade e dos demais poderes para o enfrentamento da questão? Ou faltam recursos para melhorar os espaços do homem que vêm sendo tomados pelo carro?

Luizianne – A mobilidade urbana está no centro das políticas e ações de trânsito.  Nós temos nos debruçado sobre esse tema, que é uma preocupação mundial, não só local. Por isso, estamos implementando políticas para pedestres, ciclistas e pessoas com deficiência, bem como fazendo um grande esforço para facilitar a vida dos usuários de transporte coletivo. Não à toa, nossa política de mobilidade tem sido exemplo para muitas cidades brasileiras. Devemos lembrar que, nos últimos anos, aumentou muito o consumo de veículos no Brasil. Somente em Fortaleza, são cerca de 600 mil carros circulando, numa cidade que teve seu desenvolvimento concentrado em áreas como Aldeota e Centro. No restante do Brasil acontece praticamente o mesmo e capitais como São Paulo, Rio de Janeiro, Salvador e Recife, dentre outras, sofrem com grandes congestionamentos. Inclusive porque, historicamente, as cidades não foram planejadas do ponto de vista dos pedestres. Ou seja, tudo contribuiu para que o trânsito ficasse cada vez mais saturado no Brasil. Então, enquanto o transporte individual for priorizado em relação ao coletivo, esses problemas vão perdurar, independente do que for feito para amenizar a situação. Por isso, além de facilitar a fluidez do carro de passeio, nós devemos priorizar o  transporte público e tornálo mais atraente. É o que estamos fazendo! Nesse sentido, nós tratamos a tarifa como algo que deve facilitar o acesso das pessoas aos meios de transporte. Nunca a passagem de ônibus ficou congelada por mais de quatro anos como ficou na nossa gestão – e ela permanece, desde 2005, como a menor do Brasil dentre as cidades de mesmo porte e com sistema integrado. Isso possibilitou um aumento de passageiros de cerca de 20% (ônibus e vans). Também criamos a Tarifa Social, a Integração Temporal, a Hora Social; aumentamos de 23 para 660 ônibus adaptados com elevadores e estamos adaptando as vans e os taxis. No trânsito, fizemos concurso para agentes e investimos em educação, através da Escola Municipal de Trânsito e campanhas educativas. Estamos modernizando os semáforos com tecnologia LED, que melhora a visibilidade. Hoje, 276 dos nossos 660 semáforos são controlados por computadores, através do Controle de Tráfego em Área (CTAFOR), que, aliás, tornou-se referência como  o melhor controle de semáforos do Brasil. Já o Transfor está recuperando avenidas, como já podemos ver na Bezerra de Menezes, Luciano Carneiro, Humberto Monte (onde, inclusive, construímos um túnel), dentre outras. Somos a cidade do Nordeste com maior número de ciclovias e, após o Transfor, teremos saltado de 65 para 95 quilômetros de vias para ciclistas. Estamos realizando o Programa de Drenagem Urbana de Fortaleza (Drenurb), que vai solucionar problemas históricos de alagamentos. Essas iniciativas vão melhorar a mobilidade  como um todo. Enfim, temos total confiança de que estamos na direção certa, de que estamos reescrevendo a política de trânsito e transporte em Fortaleza. Nossa gestão foi a que mais avançou nessa questão, que é complexa e envolve tempo, educação e investimento.

Antonio Cambraia, prefeito de 1993 a 1996

Copa

5 Como a Prefeitura está se estruturando para administrar as obras da Copa? Como é o planejamento?

Luizianne – O planejamento  de Fortaleza é um dos mais profissionais apresentados para a comissão da Fifa que elegeu as cidades–sede da Copa no Brasil, como a própria entidade reconheceu na época. Inúmeras obras municipais estão no pacote de intervenções para a Copa, cujas licitações estão em vias de começar, dependendo agora de trâmites no Governo Federal. Em âmbito estadual, a reforma do Castelão já começou. Então, nós – Prefeitura e Governo do Estado – temos clareza dos prazos e estamos trabalhando para cumprir o  que foi prometido para a Fifa. Vejamos a recuperação do Presidente Vargas, feita pela Prefeitura. Embora não seja um estádio oficial do evento, está cogitado para sediar os treinos das seleções que aqui jogarão. E o PV é o primeiro estádio, no contexto da Copa – podemos assim dizer -, a ficar pronto. O Novo PV agora é um equipamento com padrão internacional, que cumpre as exigências da FIFA. E, ao contrário do que dizem, foi construído rapidamente para uma obra de sua envergadura. Para a Copa em si, somente na área de infraestrutura estão previstas intervenções da Prefeitura nas vias de acesso ao Castelão, bem como melhoramentos viários nas avenidas Raul Barbosa, Paulino Rocha, Alberto Craveiro, Dedé Brasil e Via Expressa. O fortalezense deve ter confiança de que tudo será entregue até o final de minha gestão.

Maria Luiza Fontenele, prefeita de 1986 a 1988

Revolução

6 A senhora ainda acredita na possibilidade de um projeto revolucionário de transformação da realidade e na construção de um projeto alternativo para a humanidade?

Luizianne – Somos socialistas! Acreditamos na igualdade de oportunidades para todos e todas. Queremos socializar o poder, a riqueza e o saber. Então, acredito profundamente na transformação da sociedade. Minha vida militante é marcada pela crença de que a exploração e as opressões serão superadas por uma nova sociabilidade marcada pela liberdade, democracia e justiça social com sustentabilidade  ambiental. Mas administrar sob a égide do capital significa ter que mediar sistematicamente os conflitos que ele gera, e ainda avançar nas políticas sociais. Nossa experiência de governos de esquerda na América Latina não encontra paralelo em outras situações no mundo, exigindo do campo democrático e popular muita criatividade, com a clareza de que nosso projeto político transformador requer aprofundamento da democracia, inversão radical de prioridades pelo Estado e uma elevação do nível de consciência e organização da sociedade.

EX-PREFEITOS DÃO NOTA PARA LUIZIANNE

5

Luiz Marques

5,5

Antonio Cambraia

7

Barros Pinho

José Walter, Vicente Fialho, Cesar Neto, Lúcio Alcântara, Maria Luiza e Ciro Gomes preferiram não dá nota à administração Luizianne. Lúcio disse que não dá notas desde que deixou de ser professor. “A prefeita luta com as dificuldades dela. Eu votei nela no segundo turno, não nessa última eleição, mas na primeira. Acho que ela tem uma grande vocação política e espero que ela realmente faça o melhor que puder”. Já Maria Luiza explicou: “Não é que (Luizianne) não mereça nota. Eu acho que não é possível resolver o problema pela Prefeitura. Se eu desse uma nota, eu estaria fazendo uma avaliação falsa. Eu acho que seria avaliar algo que eu estou denunciando. Eu estou denunciando o sistema, que é por sua essência destruidor”, justificou.”

(O POVO)

Por um Judiciário sem clientelismo ou nepotismo

94 3

“O presidente do Tribunal de Justiça, desembargador José Arísio Lopes, anda comendo um dobrado para se desviar de tantos pedidos de indicação para cargos de confiança ou ocupação de terceirizados em diversas funções naquele Poder.

Não aguentando mais o assédio, ou marcação colada de quem quer empregar parente, apadrinhado ou amigo, ele decidiu mandar ofício para todos os setores do Tribunal informando que não aceitará as demandas. Abriu luta contra abusos na máquina pública como o empreguismo como troca de favores e o nepotismo.

Pontos para o desembargador que, a continuar assim, poderá não ser esquecido pela sociedade cearense. ”

(Coluna Vertical, do O POVO)