Blog do Eliomar

Categorias para Ceará

Hemoce inicia hoje a Semana do Doador de Sangue

O Hemoce inicia nesta segunda-feira (19), a partir das 9 horas, a programação comemorativa à Semana do Doador de Sangue. O órgão vai atender o público até dia 25 com serviços de saúde, beleza e bem-estar e shows de músicas e humor. A programação também acontecerá nos hemocentros do interior do Estado, informa a assessoria de imprensa desse centro de hemoterapia.

A Semana do Doador de Sangue tem como objetivo homenagear os doadores e parceiros, voluntários na mobilização de incentivo e captação de doadores, e também sensibilizar a população para a doação de sangue como uma prática regular.

“Esse é um momento para agradecer, comemorar e reconhecer a importância dos nossos doadores, porque o serviço do Hemoce em fornecer sangue e hemoderivados aos pacientes só é possível com a ajuda do doador de sangue”, ressalta Nágela Lima, coordenadora da captação de doadores do Hemoce.

O tema da campanha deste ano é “Multiplique, Doe Sangue”. Lançada no início do mês, a campanha traz o conceito de despertar para as inúmeras maneiras de ajudar na doação de sangue, seja como um doador, um multiplicador de informações, histórias de incentivo ou um captador voluntário de doadores.

A Semana do Doador também marca ainda o aniversário de 35 anos do Hemoce, 23 de novembro. O Hemoce é uma unidade da rede pública de saúde do Estado do Ceará, reconhecida pela qualidade dos seus serviços.

Programação

Durantes os sete dias, haverá ações como serviços de saúde, beleza e bem-estar. Em Fortaleza, além de show de humor e música ao vivo, quem passar pelo Hemoce terão acesso ao atendimento de nutricionista e educadores físicos. “A gente convida a todos para participarem dessa festa da solidariedade. A Semana do Doador é uma época que a gente já começa a preparar os estoques de sangue para a demanda do final do ano que pode aumentar”, reforça Nágela Lima.

O sangue depois de doado passa por análises clínicas e cerca de 48 horas depois é distribuído para as unidades de saúde. Cada bolsa de sangue pode durar até 42 dias. Nos hemocentros regionais nas cidades de Iguatu, Sobral, Crato, Juazeiro do Norte e Quixadá, a Semana do Doador de Sangue será entre os dias 19 e 23 de novembro e terá também atrações e serviços para os doadores. Confira em anexo a programação das unidades desta segunda-feira (19).

Para doar

Para ser um doador de sangue é preciso: estar saudável, bem alimentado, ter mais de 50kg, idade entre 16 e 69 anos e apresentar um documento oficial e original com foto. Atenção: os menores de 18 anos precisam apresentar o termo de consentimento para menores de 18 anos, disponível para download no site do Hemoce (www.hemoce.ce.gov.br).

SERVIÇO

*Hemoce – Av. José Bastos, 3390, Rodolfo Teófilo, Fortaleza.

Eleições na OAB/CE- Roberta Vasques e Edson Santana fecham acordo e formam uma só chapa

699 2

Edson Santana desistiu da disputa pela presidência da OAB do Ceará. Fez acordo e apoiará a candidatura de Roberta Vasques, promovendo o que diz ser “uma fusão de chapas”. Pelo acordo, Edson Santana tentará agora ser o novo presidente da Caixa de Assistência dos Advogados (Caace).

Ele também terá o direito de indicar o titular da Escola de Superior d Advogacia (ESA).

Confira vídeo, onde ele explica os porquês da desistência:

Já a candidata a presidente da OAB do Ceará, Roberta Vasques, comemorou com a militância o acordo fechado com Edson Santana. A fusão dos dois, segundo seus apoiadores, lhe garantirá condições de derrotar, principalmente, o nome da situação, no caso Erinaldo Dantas, atual presidente da Caixa de Assistência dos Advogados (Caace).

A chapa, agora com a adesão de Edson Santana, vai manter o nome “Reage OAB”, de Roberta Vasques.

A eleição para a nova diretoria da OAB cearense está marcada para o próximo dia 28, no Centro de Eventos.

Rogério Ceni: “O Fortaleza continuará grande. Com minha presença ou não!”

317 1

No dia 15 de novembro de 2018, quando todos os tricolores presentes no gramado Castelão comemoravam efusivamente a goleada por 4 a 1 sobre o Juventude e o título da Série B do Campeonato Brasileiro, Rogério Ceni, sozinho, contemplava o show da torcida nas arquibancadas. Naquele momento, a Copa do Mundo vencida com a seleção brasileira, em 2002, e os títulos quando goleiro do São Paulo – tricampeonato Brasileiro, duas Libertadores e o Mundial Interclubes – ficaram em segundo plano. Na cabeça do paranaense de Pato Branco, pulsava mais alto a emoção de fazer história com um grande clube do Nordeste e de conquistar seu primeiro título nacional como treinador logo no segundo ano de carreira.

Conquista emblemática, que fez Rogério, aos 45 anos, marcar pra sempre seu nome no Fortaleza Esporte Clube, que obteve seu título mais importante justamente no ano do Centenário.

No dia seguinte, ainda no clima de celebração, Rogério Mücke Ceni recebeu, com exclusividade, O POVO no Pici, e em entrevista de 1h20min fez uma avaliação sobre a temporada, seu papel no Fortaleza, os planos futuros e o prazo para responder se permanecerá ou não no clube para 2019. Certo é que, independente de ficar ou sair, Ceni garante: “levarei o Fortaleza pra sempre no meu coração”.

O POVO – Ao fim do jogo contra o Juventude, você comemorou, mas depois ficou mais isolado, contemplando a torcida…

ROGÉRIO CENI – Eu também estava comemorando muito, muito feliz, mas é uma coisa diferente quando você joga e quando treina um time. Primeiro pela postura que tem que ter. Segundo que foi uma festa fantástica. Cinquenta e sete mil pessoas, estádio cheio. Mosaico, que é uma coisa muito particular daqui, em São Paulo você não vê isso. E o torcedor fez uma festa incrível, foi uma das coisas mais bacanas que eu vivi no futebol.

OP – Você já havia vencido a Flórida Cup como treinador, mas não era um torneio oficial. Considera esse título nacional pelo Fortaleza como primeiro da carreira?

RC – Conquistar um título é uma coisa tão difícil… Em um campeonato de 38 rodadas, mais difícil ainda. (A Florida Cup) Foi o primeiro torneio que disputei, onde Corinthians e River Plate estavam, então tem uma importância grande. Mas logicamente que o Campeonato Brasileiro tem outra conotação.

OP- Você está apenas no segundo ano como treinador e já conquistou um título brasileiro. Imaginava que viria tão cedo? Acha que com isso você já alcança outro patamar como técnico de futebol?

RC – Um título nacional, dentro do contexto que foi aqui, do que foi montado, do elenco, das condições financeiras, tendo equipes com orçamentos bem superiores ao nosso, tem um valor bastante grande. Eu estou pronto para trabalhar onde as pessoas quiserem que eu trabalhe. Acho que você tem que estar feliz. O meu grande dilema é que nós acabamos de ser campeões, o maior título da história do Fortaleza. E ano que vem a disputa passa a ser um pouco mais desleal, porque não vamos ter dois times com orçamento muito maior, vamos ter dezoito ou dezenove times com orçamento maior. O que vai satisfazer o torcedor do Fortaleza em 2019? O que seria sucesso? Essa é a grande pergunta. Manutenção na Série A é sucesso? Vaga para a Copa Sul-Americana é sucesso? Tem que entender o que o clube deseja para ver se tem condições de entregar isso. Se não, é melhor seguir uma nova oportunidade, porque dificilmente traremos a mesma alegria que trouxemos esse ano ao torcedor do Fortaleza.

OP- Você disse em entrevista recente que veio com o objetivo de ser campeão cearense. Não estava nos planos brigar pelo título da Série B?

RC – Quando cheguei, montamos um time para o Estadual, onde você parte do princípio que pode chegar numa final. Mesmo com seu rival mais estruturado, com elenco que tinha jogado a Série B no ano anterior e subido para a Série A, ele está mais preparado que você para ganhar o título. Mas quando você chega numa final, sempre tem a chance de ser campeão, e nós tivemos. No segundo jogo perdemos o pênalti com o Bruno Melo, e se tivesse empatado ali, psicologicamente poderia ter mudado. Mas nós sabíamos da condição de inferioridade. Entre ser campeão cearense e campeão brasileiro, era mais fácil ganhar o Cearense. Para o Brasileiro, reforçamos o time. Se for analisar friamente, difícil acreditar que batemos 71 pontos, não pelos jogadores, que são ótimos profissionais, mas houve muita mexida. A gente conseguiu se reconstruir dentro do campeonato.

OP – O que Marcelo Paz te propôs quando te convidou para vir?

RC – Eu perguntei pra ele “o que é sucesso para você?”. Ele disse que sucesso era ter o calendário de 2019 cheio, chegar a final do Campeonato Cearense e permanecendo na primeira página do Campeonato Brasileiro. Então acho que fechamos com sucesso, e isso é sinônimo de um trabalho bem feito.

OP – No São Paulo, você perdeu peças importantes e o time caiu de rendimento. Em determinado momento, viveu algo semelhante no Fortaleza. Temeu que acontecesse o mesmo?

RC – Com certeza. Fomos jogar contra a Ponte Preta e eles fizeram 2 a 0 no primeiro tempo. Naquele dia eu tinha Jean Patrick no banco, voltando de lesão, e guardei porque pensei que não tinha condições de reverter o resultado. Inclusive colocamos meninos da base para fechar e perder de 2 a 0, porque perder por 3 a 0 é mais impactante (o resultado foi 2 a 0). Nas saídas de Edinho, Osvaldo, lesão de Gustavo e Marcinho, eu fiquei um pouco perdido, com bastante dúvida se conseguiríamos nos manter na zona de classificação.

OP – Dos dois momentos em que o time ficou quatro jogos sem vencer (da 13ª a 16ª rodada e da 24ª a 27ª rodada), qual te preocupou mais?

RC – O primeiro. Porque no segundo eu tinha os jogadores, foi uma oscilação. Teve lesões também, mas eu não tive perda de jogadores em definitivo, como foi na primeira. No primeiro ainda tinha muito campeonato para jogar e eu perdi dois jogadores que eram fundamentais para o meu estilo de jogo.

OP – Quando você sentiu que o Fortaleza ia forte brigar pelo acesso e pelo título?

RC – Eu falo que os dois jogos contra o Guarani são divisores de água, até pela forma como aconteceu. Foram marcantes para mim, no sentido de retomada ou de ambição, de chegada. O 2 a 1 e o 3 a 2. O primeiro vindo de uma perda de Campeonato Cearense, que aqui tem um impacto muito grande, então aquele gol aos 49 minutos do segundo tempo (no primeiro jogo contra o Guarani) mudou a concepção do torcedor. E a virada no segundo jogo, porque eles iam ficar a três pontos de nós, mas ficamos com sete de vantagem.

OP – Na Série B, o Fortaleza é o time com maior média de posse de bola, maior número de passes certos e o melhor ataque. Você tem um estilo de jogo dominante e efetivo. E no Brasil é muito forte a cultura do resultado, mas às vezes há dificuldade de conciliar um bom futebol com resultado?

RC – Nós tivemos a felicidade de não ter três derrotas consecutivas nenhuma vez. A terceira derrota consecutiva gera grande desconforto em qualquer time brasileiro. E eu não mudo meu estilo de jogo. Eu tenho sempre uma coisa na minha cabeça: se me sinto melhor ou igual ao adversário, vou agredir. Se me sinto inferior, vou preparar uma estratégia para ter o contra-ataque como referência. Mas uso normalmente as peças que tenho com mais qualidade. Se tenho três ótimos zagueiros, vou usar três zagueiros; se tenho três ótimos atacantes, vou usar três atacantes. Mas tivemos a felicidade de propor o estilo de jogo que eu gostaria aliado ao bom resultado. Acho que a ideia de jogo do Fortaleza foi bacana. Se ano que vem o Fortaleza jogar assim, pode ser que não tenha os mesmos resultados. Aliás, dificilmente os terá na Série A. Dificilmente vamos bater 21 vitórias em 37 jogos. Mas onde eu estiver, vou propor sempre jogar em função do gol sem parar.

OP – Em algum momento você pensou que não conseguiria completar um ano de trabalho no Fortaleza?

RC – Com certeza. Acho que aquele gol do Gustavo contra o Guarani na estreia da Série B tem muito a ver com essa pergunta. Infelizmente é assim, a gente não pode fazer de conta, é a realidade do futebol. Acho que aquele gol mudou a história do centenário do Fortaleza e a minha também.

OP – Sobre sua permanência no Fortaleza, dá para depreender das suas declarações que a principal condição para você ficar é ter um time competitivo para a Série A (Ceni balança a cabeça positivamente). A diretoria terá um orçamento de R$ 56,7 milhões para 2019, com R$ 32 milhões de investimento no futebol, que poder dar ao Fortaleza uma folha mensal de R$ 2,6 milhões. Dá pra fazer um time competitivo?

RC – Primeiro tem que descobrir algumas peças mais baratas. Mas o problema não está em fazer o pagamento para o atleta, está em adquirir o atleta. Muitos têm vínculo com outros times. São poucos os jogadores que o Fortaleza tem hoje e tem que analisar se eles se encaixam no perfil para jogar Série A no modo que o time pensa. Hoje os salários de jogadores da Série A são altos. É difícil. Acho que a folha de pagamento do Fortaleza hoje gira em torno de R$ 1,1 milhão mensais, então nós teremos um pouco mais que o dobro. Mas uma coisa é ter jogador e pagá-los com esse dinheiro, outra coisa é montar um time com esse dinheiro. Eu não sei se é possível.

OP – O que o Fortaleza precisa melhorar para a Série A?

RC – Investir no Centro de Treinamento, na formação, em melhores alojamentos, alimentação melhor, melhores campos, aparelhagem de fisioterapia portáteis, que precisa para levar na viagem para tratar jogador e acelerar recuperação. Profissionais também que se dediquem exclusivamente ao clube em determinadas áreas, como nutrição e fisiologia. Eu falo para eles terem uma boa estrutura de trabalho. Acho que é nisso que o clube precisa pensar e eu não sei se diante das expectativas criadas é possível entregar o que o torcedor sonha. Eu não quero frustrar o torcedor porque nós deixamos uma página super bacana escrita no ano do Centenário.

OP – O que vai te mover a escolher seu projeto para 2019?

RC – Ter chance de vencer. Eu gostaria de ter chance de ser campeão. Estou muito grato ao que aconteceu esse ano aqui. Eu sei da importância que foi estar aqui para o time, também a importância da cidade, estádio cheio, jogar para 50 mil pessoas é diferente de jogar para 5 mil pessoas, como a maioria dos times, e mais de uma vez. O que eu gostaria era de enfrentar com possibilidade de vencer.

OP – Você já conversou com o presidente Marcelo Paz sobre prazo para resposta?

RC – Nós devemos ter uma reunião lá em Curitiba (na sexta-feira, após a partida contra o Coritiba, pela última rodada da Série B). Nós conversaremos ao final do campeonato para fazer uma análise geral.

OP – Teme que mudando de clube pode não ter o mesmo respaldo que no Fortaleza?

RC – Em todo time de massa, e o Fortaleza é um time de massa, torcedor é impulsivo e apaixonado. Ele vai ao estádio pra não ser racional. Pra gritar, extravasar, chamar você de burro. Aquilo é intrínseco, futebol é muita emoção. Então no Fortaleza nós ganhamos, foi bacana, mas ano que vem… Sabe o que é o ruim de ganhar um campeonato? É que ano que vem começa tudo de novo. No ano seguinte vamos ter que construir tudo do zero, seja aqui no Fortaleza, seja em outro lugar.

OP – No Fortaleza você foi mais que um treinador, se engajou em várias áreas. Você sentiu que havia necessidade ou foi opção sua?

RC – Eu senti que aqui era necessário. Isso no São Paulo eu fiz também, mas lá eu não precisava olhar refeitório, comida, alojamento, se estava limpo, se não estava, lá tá tudo pronto. Nos grandes clubes isso está tudo pronto. O treinador pode usar o poder de convencimento para trazer um atleta, porém mais que isso não precisa fazer. E digo para vocês, é chato, primeiro porque te tira do principal, que é se concentrar no jogo, mas aqui, naquele momento, quando cheguei, era necessário. Eu vi que pra ter a vitória no final era aquilo que eu precisava fazer.

OP – O que você acha do perfil do presidente Marcelo Paz?

RC – O Marcelo é jovem, tem 35 anos, mas é um cara que tem vontade de vencer, tá sempre lá no vestiário. E tem a vantagem de conhecer jogadores, saber características…quando a gente vai fazer as escolhas, ele conhece. Isso ajuda bastante. É aberto ao diálogo, calmo, tranquilo, raramente se exalta. Ele é um cara que aceita opiniões. Aqui não tem essa de “o Rogério mandou”. Eu não mando em nada. Eu emito uma opinião sobre o que eu acho que ficaria melhor.

OP – Como foi seu relacionamento com os jogadores?

RC – Por ter acabado de sair do futebol, somente três anos, eu tento ser o treinador que eu gostaria de ter quando eu fui jogador. O que ganha o respeito do jogador é ele notar que você domina o que tá fazendo. Uma postura bacana, amizade. Converso todos os dias com eles, cumprimento cada um. Durante o trabalho, eu grito, cobro, faço tudo que precisa fazer. Uma coisa que eu digo do futebol: nada é pessoal. Tudo é profissional.

OP – Teve problemas com algum jogador? Alan Mineiro e Germán Pacheco saíram do clube chateados.

RC – Não. Alan Mineiro, camisa 10 nato, tanto que tem feito sucesso no Vila Nova, jogador que tem uma visão de jogo fantástica. Muito bom tecnicamente, mas no meu entendimento ele estava um pouco abaixo. Não é que eu quis que ele fosse embora, não. Ele vinha entrando em vários jogos, mas precisava melhorar o condicionamento físico. Ele que sentiu que tinha que jogar em outro lugar. É digno de um atleta não se acomodar. O Gérman, ótimo jogador tecnicamente, tranquilo, mas queria mais minutos e eu não tinha condições de dar. Mas não tive problema com nenhum dos dois. Não tive nenhum problema de relacionamento durante esse período. O grupo que trabalhei só tenho elogios a fazer. Os caras foram fantásticos.

OP – Em que você acha que os treinadores brasileiros precisam evoluir para alcançar a Europa?

RC – Eu acho que nós aqui nunca vamos jogar igual à Europa. Na América do Sul não tem um poder aquisitivo que possa segurar um jogador muito tempo. Se os melhores estão lá, é óbvio que lá vai ser um futebol melhor. Se nós não temos a mesma qualidade de gramado, é óbvio que lá vai ser praticado um futebol melhor. Nós nunca chegaremos ao nível de jogo deles. Sobre os treinadores, não dá pra generalizar. Cada um tem um perfil, mas acho que gerir grupo passa a ser o essencial. E depois é tentar sempre se atualizar, desenvolver novos treinamentos e o mais importante: entender pra que o treino serve.

OP – Na imprensa nacional havia o tratamento do “Fortaleza de Ceni”. Isso te incomodava?

RC – Acho que é natural. É o centro onde eu joguei toda minha carreira e num clube só, então é muito marcante, cria uma identificação. Teu nome, os títulos, as vitórias. Então o Fortaleza, estando numa Série B, com alguém que esteve a vida toda na Série A, jogando Libertadores, então é normal que eles tratem assim. Não vejo como uma diminuição.

OP – Se imagina treinando a Seleção Brasileira no futuro?

RC – Eu gosto muito de trabalhar o dia a dia do clube. Quando eu jogava, gostava mais de trabalhar no clube que esporadicamente na seleção. Acho que a seleção brasileira é o ponto máximo que um atleta pode chegar, um treinador e dirigente também. É precioso o reconhecimento não só dos seus torcedores, mas de um país inteiro, só que não tenho como objetivo principal.

OP – Como é a sua relação com a cidade de Fortaleza e o povo cearense?

RC – Muito boa! Vou ser sincero, saio pouquíssimo aqui. Não conheço quase nada, nem as praias que são famosas. Acho que eu fui meia dúzia de vezes na praia em um ano. Mas gosto muito de ver o mar. Isso dá uma paz de espírito. E eu acho o povo muito alegre, receptivo, a cidade foi muito bacana comigo. Eu não conhecia muito do Nordeste, a não ser viagens pra jogar, e posso dizer que fiquei encantado com tudo. O clima é muito bom. É quente? É quente! Mas eu prefiro o calor que o frio. Sou muito grato à cidade, a maneira como me recebeu, que me trata todos os dias. Estando aqui ou não, vou levar pra sempre esse ano que vivi em Fortaleza.

OP – Qual sua análise do futebol cearense? O que é preciso evoluir?

RC – É preciso ter decisões tomadas mais cedo. Pretendo não ofender pessoas, mas quando se cobra uma melhoria no gramado é porque se quer ter um bom futebol. No interior a gente vê que precisa de melhorias, acho que isso é o principal. Pra se ter um bom campeonato tem que oferecer melhores condições.

OP – O que representa o Fortaleza Esporte Clube pra você hoje?

RC – Hoje é uma grande história de sucesso, um dos anos mais marcantes na minha vida. Ficará pra sempre na minha memória tudo que aconteceu aqui. Por se tratar do ano do Centenário, pelo título conquistado, pela forma como fui recebido. Pra mim, levarei o Fortaleza pra sempre no meu coração. Como diz a música, “pra sempre te amarei”, e eu com certeza vou levar esses cantos da torcida. Vou levar pra sempre como uma recordação muito bacana e um dos anos mais especiais da minha vida.

OP – Se o São Paulo é sua casa, o Fortaleza passará a ser a segunda?

RC – Com certeza! Hoje é a primeira (risos). Essa história vai estar sempre aqui. Eu falo pros jogadores que a melhor maneira de entrar pra história é conquistar títulos e eles conseguiram.

OP – Independente de ficar ou não, você deixa um legado no Fortaleza?

RC – Eu espero ter colaborado com alguma coisa. Não somente na parte técnica, mas principalmente com ideias futuras. Independente de estar aqui ou não, que eles possam dar sequência. Uma coisa eu te garanto: o Fortaleza continuará grande, com a minha presença ou não, fazendo as mesmas festas, os mesmos mosaicos no Castelão. O Fortaleza é o eterno amor daqueles que vão ao estádio todos os dias. Outros treinadores têm capacidade de vir e desenvolver o mesmo trabalho que eu desenvolvi. Nós somos uma peça e que tem que aproveitar o que a gente viveu aqui. Eu espero que daqui pra frente caminhe e permaneça o máximo de tempo possível na Série A.

Bastidores

A entrevista foi realizada na sala de imprensa do Fortaleza, no Pici, logo após a foto oficial pelo título de campeão da Série B. Assim que chegou, Ceni tirou as chuteiras e ficou à vontade. Garantiu que “responderia todas as perguntas” e o fez.

Na Prancheta

Antes e depois da entrevista, Rogério Ceni elogiou o programa “Na Prancheta”, do O POVO. “Você que faz o Na Prancheta? Eu vejo você. Assisti vários, quase todos eu vejo. Parabéns pelo seu programa, é bem bacana, tem análises boas. Eu observo todo comentário quando é baseado dentro das quatro linhas, de observação de jogo, e eu assisto sempre”, disse Ceni ao jornalista André Almeida, responsável pelo programa exibido no YouTube.

Presente

Ao fim da entrevista, Ceni recebeu do repórter Brenno Rebouças charge do cartunista Clayton, do O POVO, em homenagem ao título da Série B. “Ah, que legal! Muito obrigado. Vou guardar com certeza”, agradeceu.

(O POVO – Repórteres André Almeida e Brenno Rebouças Foto -Fábio Lima)

Tasso reúne PSDB para discutir sobre tese de Doria pró-apoio a Bolsonaro

Doria na primeira visita que fez ao Cerá, sendo recebido por Tasso.

Nesta segunda-feira (19), no fim da tarde, o PSDB do Ceará faz reunião, sob comando do senador Tasso Jereissati. Na pauta a reunião, marcada para o escritório político do tucano-mor local, fechar posição a ser levada ao encontro da executiva nacional do partido, convocada pelo governador eleito João Doria e que ocorrerá em São Paulo, na próxima quinta-feira.

Os tucanos apregoam reestruturação já nos Estados e na cúpula nacional, mas Doria quer mais: levar a tucanada para a base de apoio do futuro governo de Jair Bolsonaro. Em meio a esse debate, há um outro ingrediente político: nesta semana, FHC foi procurado pelo senador Randolfe Rodrigue (Rede/AP) que quer Tasso como candidato do bloco PSB/PPS-Rede disputando a presidência do Senado.

Por enquanto, Tasso, acerca desse mote, fecha seu bico tucano. Nada de tratar publicamente do assunto que, no entanto, deixa uma certeza: o PSDB terá mesmo que repensar seu futuro. Do contrário, acabará perdendo mais espaços do que já perdeu na última peleja eleitoral.

(Foto – Divulgação)

Inscrições para oficinas do Circuito UFC-Arte em Crateús se encerram neste domingo

A cidade de Crateús será a próxima parada do Circuito UFC-Arte no Interior. Na próxima terça-feira (20), o município recebe programação com apresentações artísticas, palestras e duas oficinas gratuitas e abertas ao público.

Interessados podem inscrever-se através de formulários eletrônicos, até este domingo (18), para as oficinas de práticas percussivas (https://docs.google.com/forms/d/e/1FAIpQLSdtY59kJ0rJUWk7l2McRoCCyXniBKzKANozS3tCS
06emNrREA/viewform) ou de nanquim (https://docs.google.com/forms/d/e/1FAIpQLScaFZQZsf7IuCde1uEXA7-
5pPJCE1r1W_Si70PTt2hYeikTXw/viewform). São oferecidas 30 vagas para cada atividade. Podem participar pessoas a partir de 14 anos.

A oficina de práticas percussivas será ministrada pelo grupo de música percussiva Acadêmicos da Casa Caiada. Já a oficina de nanquim contará como facilitadores integrantes do Bolsa- Arte-Moda. Os trabalhos ocorrem a partir das 13h, no Campus da UFC em Crateús (BR-226, Km 4, Bairro Venâncios).

PROGRAMAÇÃO

Na terça-feira (20), a programação do Circuito UFC-Arte terá início às 8h30min, no auditório da Coordenadoria Regional de Desenvolvimento da Educação (CREDE – BR-226, Km 3, Bairro dos Venâncios), com apresentações dos grupos Flautário, conjunto de flautas doce do Curso de Música da UFC-Sobral, e Acadêmicos da Casa Caiada, grupo que tem por objetivo a formação humana e musical, por meio das práticas percussivas em coletivo.

Logo após, será realizada a palestra “Cabeça de empreendedor”, com o diretor de projetos da Associação de Desenvolvimento Tecnológico de Tauá, Elvis Gonçalves. Em seguida, haverá a mesa-redonda “Desenvolvimento tecnológico no sertão de Crateús”.

(Secretaria de Cultura Artística da UFC)

Mesa da Câmara – Prefeito Roberto Carlos retoma articulações nesta semana

O prefeito de Fortaleza, Roberto Cláudio (PDT) informa: começará, nesta semana, uma nova rodada de conversações com os vereadores para tratar sobre futura mesa da Câmara. Coincidindo com a volta do governador Camilo Santana (PT) da Europa. A futura mesa da Assembleia entra no pacote.

O processo sobre os possíveis nomes afunila-se cada vez mas. Estão fortes para o comando da Casa os vereadores Antonio Henrique e Elpídio Nogueira, ambos pedetistas.

Falando em Roberto Cláudio, ele falará na terça-feira, às 12 horas, no auditório da Seplag, sobre “Pacto Federativo e suas Implicações na Gestão”, dentro do XIV Encontro Economia do Ceará em Debate.

A promoção é do Instituto de Planejamento e Estratégia Econômica do Ceará (Ipce).

(Fotos – CMFor)

Parque Adahil Barreto vai ganhar um restaurante

O secretário estadual do Meio Ambiente, Artur Bruno, anuncia “Abriremos uma licitação, ainda neste ano, para implantarmos um restaurante no Parque Adahil Barreto, na área do Cocó”

Com isso, diz esperar garantir apoio logístico para quem quiser não só frequentar, mas promover eventos no local. A licitação será em regime de parceria público-privada, de acordo com Bruno.

A medida foi uma reação a crítica feita pela reportagem do Blog apontando para o fato de que o Parque Adahil Barreto, ao contrário do Parque Ecológico do Cocó, não conta com programação constante.

(Foto – Arquivo)

Rogério Ceni anuncia na próxima sexta-feira se fica no Fortaleza

Campeão da Série B com duas rodadas de antecedência, o Fortaleza não deve demorar para saber se Rogério Ceni aceita a proposta da diretoria para permanecer no clube para a próxima temporada, comandando a equipe na Série A, Copa do Nordeste, Copa do Brasil e Campeonato Cearense.

O técnico confirmou, com exclusividade para a equipe de esportes do O POVO, que terá reunião com diretores em Curitiba, logo após a partida que encerrará a temporada contra o Coritiba, na sexta-feira que vem, 23 de novembro, partida que vale pela rodada derradeira da Série B.

A informação também foi divulgada posteriormente pelo gerente de futebol do Fortaleza, Sérgio Papelin, durante entrevista concedida neste sábado para a rádio O POVO/CBN.

(Blog Futebol do POVO/Foto -Mateus Dantas)

Blog e um toque social – Dois opostos que se atraem pela festa

Eles já foram adversários no passado em termos de disputa eleitoral e hoje reúnem seus familiares e amigos no mesmo dia de festa da vida.

Luizianne Lins, deputada federal reeleita, que já foi prefeita de Fortaleza, comemora 50 anos; já o emedebistas Aloísio Carvalho, que chegou a disputar a Prefeitura de Fortaleza, festeja seus 55 anos.

Atualmente, ele é diretor no Banco do Nordeste, mas já foi secretário-adjunto da Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT), superintendente federal da Pesca no Ceará e secretário de Finanças da gestão do falecido prefeito Juraci Magalhães e secretário-executivo da SSPDS (Governo Cid Gomes).

Também chegou a disputar a Prefeitura de Fortaleza pelo PMDB, indicado por Juraci.

.

Faço o registro dos dois que, nos últimos anos, form, em seus redutos, as novidades da política na Capital.

(Fotos – Agência Câmara e Pàulo MOska)

Gabriel O Pensador abre Semana da Juventude em Maracanaú na quinta-feira

O compositor, músico e escritor carioca Gabriel O Pensador abre na quinta-feira (22) a II Semana da Juventude, na Praça da Estação, no Centro do município de Maracanaú (Região Metropolitana de Fortaleza).

Gabriel O Pensador ministrará palestra e depois apresentará suas músicas de sucesso. Além do artista carioca, cantores locais e apresentações culturais também farão parte da abertura.

A II Semana da Juventude de Maracanaú é realizada pela secretária municipal de Juventude e Lazer e seguirá até o dia 28 deste mês.

(Foto: Divulgação)

Entrada franca – Wagner Ferreira estreia neste sábado o show “O Som da Montanha”

O contrabaixista, violonista, compositor, arranjador e professor Wagner Ferreira, de Guaramiranga, estreia neste sábado, 17, às 20h, o show instrumental autoral “O Som da Montanha”, no Teatro Rachel de Queiroz, com entrada franca.

O trabalho musical de Wagner Ferreira e sua própria opção pela música como caminho profissional são, em grande medida, fruto das experiências vivenciadas no festival, além da formação proporcionada pela Escola de Música da Associação dos Amigos da Arte de Guaramiranga (Agua). Ele integra o grupo Jazzera, ao lado de outros grandes instrumentistas da cidade, como Marcelino Ferreira e Rafael Teixeira, formação que já se apresentou em diversos projetos e festivais, tendo sido inclusive contemplada pelo saxofonista e clarinetista cubano Paquito D´Rivera com uma música inédita.

Agora, Wagner Ferreira estreia o espetáculo próprio, abrindo espaço para suas próprias composições. Nesse sentido de valorizar a produção autoral, o show “O Som da Montanha” assume caráter inovador na produção da cidade e busca incentivar outros músicos do município a investir mais nesse caminho. A apresentação tem apoio institucional da Prefeitura de Guaramiranga, por meio da Secretaria da Cultura do município, e do projeto Jazz em Cena, de Fortaleza.

No show deste sábado Wagner Ferreira estará ao lado de Adriano Flor (sax tenor), Antonio Carlos (trompete), Josué Teodosio (flauta, sax alto e soprano), Matheus Moreira (violão de 7 cordas), Marco Antonio (guitarra e bandolim), Paulo Flor (percussão) e Wagner Ferreira (contrabaixo).

Wagner Ferreira é professor há mais de 10 anos do curso de violão da Agua e professor regente do Grupo Rio das Cordas. Também já integrou a Banda Dona Zefinha, participando de turnês nacionais e internacionais. As composições que ele estreia no show deste sábado nasceram inspiradas em pontos importantes da cidade de Guaramiranga, como “Matriz”, em referência à Praça da Igreja da Matriz, “Pássaro Vermelho”, “Pico Alto”, “Pé de Ladeira” e “Pendanga”.

Serviço:

Show “O Som da Montanha”. Com Wagner Ferreira e septeto. Música instrumental feita em Guaramiranga. Sábado, 17/11, às 20h, no Teatro Rachel de Queiroz, em Guaramiranga. ENTRADA FRANCA. Apoio: Prefeitura de Guaramiranga/Secretaria de Cultura e projeto Jazz em Cena. Informações: (85) 98671-7934 / osomdamontanha@gmail.com / www.osomdamontanha.com / Insta/Face: @osomdamontanha

(Foto: Divulgação)

Ciro Gomes receberá a Medalha do Mérito Legislativo da Câmara dos Deputados

3444 21

Ciro Gomes (PDT) será um dos agraciados com a Medalha do Mérito Legislativo da Câmara dos Deputados. A solenidade de entrega da honraria ocorrerá na quarta-feira, 21, às 10h30min, no Plenário Ulysses Guimarães. O nome dele foi uma indicação de André Figueiredo, líder do PDT.

O ex-ministro, ex-governador, ex-prefeito de Fortaleza, ex-deputado estadual e ex-deputado federal deverá, no entanto, ser representado pelo senador eleito, o irmão Cid Gomes (PDT).

“O Ciro tem uma trajetória de dedicação ao povo brasileiro e contribuiu em muitos momentos da vida política nacional para o desenvolvimento do nosso país. Essa indicação é uma forma de homenagear esses que se preocupam com o futuro do nosso povo e com a construção desse Brasil que a gente tanto sonha. E Ciro é peça chave nesse processo”, justifica André Figueiredo.

Perfil

Nascido em Pindamonhangaba, São Paulo, em 1957, Ciro Ferreira Gomes mudou-se quando criança com a família para o Ceará, onde, anos depois, deu início à sua trajetória política. Formado em Direito na Universidade Federal do Ceará, Ciro também cursou economia em Harvard, nos Estados Unidos. Foi prefeito, deputado estadual, deputado federal, governador, duas vezes ministro – da Fazenda e da Integração Nacional – e candidato à Presidência da República por três vezes -1998, 2002 e 2018.

(Foto – Facebook)

Bolsonaro terá reuniões em Brasília. Na agenda, encontro com governadores do Nordeste

374 4

O presidente eleito Jair Bolsonaro passará três dias da próxima semana em Brasília. Na agenda de compromissos, conversas com a procuradora-geral da República, Raquel Dodge e visita ao Tribunal de Contas da União (TCU), além de reuniões no gabinete de transição. Está prevista também a participação de Bolsonaro no fórum de governadores do Nordeste. O presidente eleito deverá ficar de terça-feira (20) a quinta-feira (22) na capital federal.

Bolsonaro deverá desembarcar em Brasília na manhã de terça-feira (20) e se reunir logo cedo com o ministro da Transparência e Controladoria-Geral da União (CGU), Wagner Rosário. Inicialmente, o presidente eleito anunciou que parte da CGU poderá ser absorvida pelo Ministério da Justiça. A definição está em aberto.

Também para a terça-feira estão previstas reuniões com o ministro extraordinário da transição, Onyx Lorenzoni, e representantes da Associação das Santas Casas do Brasil, no Centro Cultural do Banco do Brasil (CCBB).

As reuniões com o presidente do Tribunal de Contas da União (TCU), ministro Raimundo Carreiro, e a procuradora-geral da República, Raquel Dodge, estão previstas para a tarde de terça-feira.

Camilo deve participar de reunião com Bolsonaro.

Na quarta-feira (21), Bolsonaro deverá se reunir com os governadores eleitos e reeleitos do Nordeste. Na semana passada, o governador do Piauí, Wellington Dias, confirmou o encontro, uma vez que, entre os governadores da região, ele foi o único que pôde comparecer ao encontro de governadores eleitos promovido em Brasília pelos futuros governadores de São Paulo, João Doria, e do Distrito Federal, Ibaneis Rocha.

Há ainda a possibilidade. não confirmada oficialmente, de o presidente eleito ir para São Paulo. Bolsonaro deverá ser submetido a uma bateria de exames, no Hospital Albert Einstein, para preparar a retirada da bolsa de colostomia. A cirurgia para remoção da bolsa está prevista para 12 de dezembro.

(Agência Brasil)

Eleições na OAB/CE – Luiz Antonio Lima diz por que quer presidir a Ordem

Com o título “Reinventar É Preciso – Propostas”, eis artigo de Luiz Antonio Lima, candidato a presidente d OAB do Ceará. Ele expõe por que quer presidir a entidade e apresenta propostas. Confira:

Para nós, REINVENTAR é sinônimo de evolução. Acreditamos que não existe nenhuma ideia no mundo que não possa ser reinventada, repensada e melhorada. Porque é possível, sim, fazer melhor, de maneira mais eficiente e sustentável. E é assim, redescobrindo soluções para essas questões, que vemos novas formas de enxergar o futuro da OAB e CAACE. Desde o início do ainda movimento de advogados que nós nos preocupamos com as propostas a serem apresentadas aos eleitores advogados que justificasse o título Reinventar. Dividimos nossas propostas por atividades, de modo que os eleitores pudessem avaliar melhor cada atividade.

Inserção dos jovens Advogados(as) no Mercado de Trabalho – Apoio Logístico.
– Disponibilização de Salas individuais para o atendimento aos jovens advogados (as). O apoio consistirá diretamente através das Comissões no auxílio direto aos jovens advogados (as) em suas petições, recursos e acompanhamento processuais.

Existem sim boas práticas de gestão e de atuação mercadológica que podem ajudar a obter resultados satisfatórios e em um espaço de tempo menor, mas não há mágica: o trabalho é necessário, o planejamento é primordial e a atenção às mudanças deve ser constante.

Inserção dos Jovens Advogados(as) no Mercado de Trabalho – Relação com Escritórios.

– Serão realizadas ofertas de participação em processos por parte dos escritórios com coordenação da OAB através de cadastramento de jovens advogados(as) por aptidão ou escolha de tema. Mudança geral na relação de escritórios/advogados. Os(as) advogados(as) farão seu tempo e disponibilidade para atuação ou local de trabalho.

Política Salarial – Piso salarial.

– Seria uma base salarial voltada para proteção do piso salarial na relação formalmente trabalhista e não a atual sem vínculo.

Com as mudanças propostas no item novo de relacionamento com os escritórios, ou seja, o(a) Advogado(a) terá participação direta nos processos com prévia definição de valores, não há interesse para o(a) advogado(a) em ter um piso. Será utilizado uma tabela complementar a já existente com sugestões de valores por tipo de processos e instâncias.

Sistema Organizacional da OAB/CE – Pagamentos.

– Introdução de gestão por sistemas de controles modernos, com implantação de Fluxo de Caixa eletrônico e diário, o que evitará este tipo de evento danoso à Instituição Ordem Dos Advogados.

Sistema Organizacional da OAB/CE – Contabilidade.

– O Sistema a ser implantado prioriza a Transparência, pois será On-Line e disponibilizada no site da OAB diariamente, apenas com o uso de cadastramento com senha do(a) Advogado(a). É NA PRÁTICA A VERDADEIRA

TRANSPARÊNCIA.

Sistema Organizacional da OAB/CE – Receitas e Despesas.

– Será implantado o sistema eletrônico On-Line que disponibilizará toda a estrutura de Recursos Recebidos e Gastos em tempo Real, ou seja, um cheque emitido para custeio de gastos previamente agendado será digitalizado on-line no sistema com seu respectivo comprovante de despesas e disponibilizado aos(as) advogados(as). ISSO É

TRANSPARÊNCIA TOTAL.

Sistema Organizacional da OAB/CE – Gastos com Cartões Corporativos.

O Uso de Cartões Corporativos será Restrito e sua utilização obedecerá ao mesmo ritual de comprovação, através do sistema On-Line e disponibilizado aos(as) advogados(as). TRANSPARÊNCIA TOTAL.

Sistema Organizacional da OAB/CE – Recursos Humanos, Politica Salarial.

– O Regimento Interno da OAB/CE será Revisto e Analisado para criação de políticas de Fortalecimento de Gestão de Recursos Humanos, responsável pela manutenção dos sistemas internos. Será criada uma Política Salarial previamente Definida.

Sistema Organizacional da OAB/CE – Agravos. Sistema Organizacional da OAB/CE – Procuradoria. Sistema

Organizacional da OAB/CE – Comissões.

Sistema Organizacional da OAB/CE – Valor das Anuidades.

– O valor da Anuidade será estabelecido por critérios relacionados ao Orçamento Programa para nova gestão, custos operacionais diretos e indiretos, receitas projetadas, inclusive as de Exames de Ordem e projeções de crescimento para categoria.

Sistema Organizacional da OAB/CE – Auditoria Externa.

– A auditoria será mais um instrumento de assessoramento da nova gestão, aonde as falhas ou correções vão sendo corrigidas de imediato. É a introdução da OAB/CE em uma nova gestão profissional e Moderna.

Sistema Organizacional da OAB/CE – Patrimônio, Nova Sede. Relação Formal da OAB/CE com o Estado, Prefeitura e União. Relação Formal da OAB/CE com o Tribunal de Justiça do Estado. CAACE – Finalidades. CAACE – Estrutura Social.

Prerrogativas Dos(as) Advogados(as).

– As prerrogativas dos(as) Advogados(as) serão respeitadas dentro e fora da sede da OAB/CE. No momento em que se restabeleça uma nova diretoria Coesa, harmônica, leal, comprometida com objetivos e valores, haverá consequentemente, mudança de postura para com os demais ocupantes do judiciário. É A UNIÃO DE FORÇAS. A nova gestão será implacável no cumprimento das prerrogativas dos advogados.

*Luiz Antonio Lima,

advogado liberal e candidato a presidente da OAB do Ceará.

DETALHE – O pleito d OAB ocorrerá no próximo dia 28, no Centro de Eventos.

Nicola Miccione, diretor de Controle e Risco do BNB, pode ser o novo presidente do banco

1311 5

O empresariado torce para que o ex-deputado federal Firmo de Castro, autor de projetos como o que criou os fundos constitucionais como FNE, mas Brasília sinaliza para uma decisão doméstica em se tratando de comando do Banco do Nordeste.

Funcionário de carreira do banco, Nicola Moreira Miccione, atual diretor de Controle e Risco da Instituição pode ser o novo presidente. Há gestões neste sentido e pesa o fato de que ele, funcionário da Casa, não provocaria o velho barulho político que o presidente eleito Jair Bolsonaro tenta evitar, a partir das indicções já realizadas no plano dos bancos públicos como o BC e ministérios como o da Fazenda, onde Paulo Guedes dá as carftas.

Nicola integra o corpo funcional do BNB desde 2000 e estava à frente do Escritório de Promoção e Atração de Investimentos e Relacionamento Institucional do Banco do Nordeste no Rio de Janeiro (RJ)antes de vir ocupar a diretoria de Controle e Risco.

Ele é advogado, formado pela Universidade Federal do Ceará (UFC), pós-graduado em Processual Civil pela Escola da Magistratura do Estado do Ceará (Esmec/UFC), mestre em Direito Empresarial pelo Instituto Brasileiro de Mercado de Capitais (Ibimec-RJ) e possui MBA em Gestão de Empresas pela Fundação Instituto Administração (FIA/USP).

(Foto – Divulgação)

Secretária diz que projeto “Fortaleza Cidade Sustentável” está ameaçado

Com o título “Fortaleza Cidade Sustentável. Um projeto ameaçado”, eis artigo da secretária Águeda Muniz, titular da pasta do Urbanismo e Meio Ambiente. Ela alerta sobre entrave burocrático que pode emperrar o projeto Cidade Sustentável, que precisa do aval do Senado, pois envolve empréstimo externo. Confira:

Desde 2013, a Prefeitura de Fortaleza trabalha, incansavelmente e entendendo o anseio de cidadãos e cidadãs que buscam uma cidade melhor para se viver, para implantar sua política de meio ambiente. Política que se transformou na Lei Nº 10.619/2017, aprovada na Câmara de Vereadores que representa os 2,6 milhões de fortalezenses.

Em 2014, a Prefeitura foi em busca de financiamento para o Programa Fortaleza Cidade Sustentável, conjunto de projetos da política ambiental do município, por meio de um empréstimo inédito no valor de US$ 150 milhões junto ao Banco Mundial. O Programa garante a implantação de projetos como o “Orla 100% Balneável”, a urbanização do Parque Raquel de Queiroz, o Parque da Lagoa da Viúva, mais Ecopontos na cidade, dentre outros projetos que irão impactar positivamente na vida das pessoas, em especial daquelas que mais precisam. É o primeiro empréstimo totalmente voltado às questões ambientais na cidade, ressaltando-se que o Banco Mundial vem utilizando o modelo de Fortaleza como melhor prática em estruturação de projetos em cidades onde está operando.

No entanto, o Fortaleza Cidade Sustentável está ameaçado. Para que os US$ 150 milhões sejam investidos em melhorias ambientais, precisamos da autorização do Senado Federal. Sabe-se que o projeto esteve na Casa Civil da Presidência da República por mais de 120 dias aguardando somente o encaminhamento para o Senado.

Surpreendentemente, o Fortaleza Cidade Sustentável sofreu, neste mês, um revés inusitado: enquanto o tempo normal para liberação desses projetos é de 24 ou 48 horas, o processo de Fortaleza foi devolvido ao Ministério da Fazenda sem nenhuma justificativa técnica e contrariando todos os ritos normais.

Haveria alguma justificativa política, tendo em vista que o Senado Federal é presidido, hoje, por um cearense que já havia se comprometido com a aprovação da matéria? Espera-se que os interesses maiores dos fortalezenses estejam acima de qualquer querela ou interesse menor da política. Ou será que estamos sem prestígio para fazer andar o processo no âmbito federal?

Em nome dos legítimos interesses da Capital, Fortaleza, sua gestão e seus cidadãos, além do Banco Mundial, concluíram o Fortaleza Cidade Sustentável enquanto projeto. Espera-se, portanto, o mesmo empenho no âmbito federal para que tenhamos uma Fortaleza mais Sustentável a partir de 2019.

*Águeda Muniz

aguedamuniz@uol.com.br

Secretária Municipal de Urbanismo e Meio Ambiente (Seuma).

Recital gratuito neste fim de semana no Theatro José de Alencar

A Fundação Raimundo Fagner apresenta neste sábado (16) o recital “De Sombra e Luz”, no Theatro José de Alencar.

O espetáculo conta com 60 jovens entre coro, flautas doce e violões na Orquestra, diante do resgate de grandes compositores do período da música barroca.

As apresentações gratuitas acontecem a partir das 18 horas deste sábado e a partir das 17 horas do domingo.

(Foto – Arquivo)

Eunício articula liberação de R$ 33 milhões para obra hídrica em Crateús

O presidente do Congresso Nacional, senador Eunício Oliveira (MDB-CE), afirmou no início da noite desta sexta-feira (16), por meio das redes sociais, a liberação de R$ 33,7 milhões para as obras da barragem do açude Lago de Fronteiras, em Crateús, no sertão cearense, a 350 quilômetros de Fortaleza.

No final do ano passado, a obra havia sofrido contingenciamento nO valor total de R$ 170 milhões.