Blog do Eliomar

Categorias para Ceará

João Bosco é atração no Teatro RioMar nesta quinta-feira

João Bosco volta aos palcos de Fortaleza para show, a partir das 21 horas desta quinta-feira. Será no Teatro RioMar Papicu. Durante 1h30min, ele promete apresentar as novas músicas ao público da Capital, como Duro na Queda (parceria com Aldir Blanc) e Ultra leve (que também tem assinatura de Zeca Baleiro).

Entre as inéditas, estarão ainda a faixa-título, Fim, Nenhum futuro e Quantos Rios, todas em parceria com Francisco Bosco. O público que acompanha o trabalho de João Bosco também ouvirá clássicos da música brasileira assinados pelo artista.

SERVIÇO

*Teatro RioMar Fortaleza

Ingressos- de R$ 50 a R$ 160.

(Foto – Divulgação)

Guarani de Campinas chega com dois desfalques para enfrentar o Fortaleza

Já está em Fortaleza a equipe do Guarani de Campinas (SP) que, nesta sexta-feira, na Arena Castelão, enfrentará o Fortaleza em partida válida pela Série B, do Brasileirão. É a estreia dos dois times no certame.

O Guarani desembarcou com dois desfalques: Bruno e Baraca, informou o presidente do clube, Palmeron Mendes, que falou com o Blog, destacando ser prioridade a classificação do time paulista para a Série A. Isso, porque há motivação.

“Nós fomos campeões na Série B do Paulistão e queremos fazer nosso clube voltar ao lugar que é seu: a primeira divisão do Brasileirão,”, reforçou Palmeron.

Economista falará sobre tendências da globalização para o empresariado cearense

O LIDE Ceará, movimento que congrega lideranças locais empresariais, vai realizar nesta sexta-feira (13), a partir das 8 horas, no Hotel Gran Marquise, mais uma edição do Café Debate Desta vez , o tema será “Megatendências Globais e o Impacto sobre os Negócios no Brasil”.

O convidado é o economista Marcos Troyjo, diretor do BRICLab na Universidade de Columbia, Nova York (EUA). Na conversa com o empresariado cearense, Troyjo examinará a trajetória da globalização ao longo dos últimos 25 anos e fará uma projeção de cenários até 2030.

Perfil

O professor Marcos Troyjo é diretor do BRICLab na Universidade Columbia, em Nova York, um fórum sobre Brasil, Rússia, Índia e China. É professor da Columbia-SIPA, School of International and Public Affairs, colunista semanal do jornal Folha de S. Paulo, comentarista internacional da Rádio Jovem Pan e colaborador regular da mídia eletrônica e impressa no Brasil e no mundo, com destaque para Financial Times, The World Financial Review, Latin Business Chronicle, Radio France Internationale, Voice of Russia e CNN en Español.

(Foto – Divulgação)

A construção de uma cidade cada vez mais jovem

Com o título “A construção de uma cidade cada vez mais jovem”, eis artigo de Wesley Sacramento, diretor da Associação dos Moradores dos Bairros Ellery e Monte Castelo. Ele apregoa a necessidade de políticas públicas que instiguem à participação da juventude no crescimento desta Fortaleza. Confira:

Amanhã, 13 de abril, nossa querida Fortaleza completa 292 anos. É uma cidade em crescimento e desenvolvimento constante, mas ainda enfrenta diversas contradições sociais. Vivenciamos os desafios para transformá-la numa Capital que acolha de fato a nossa juventude. As diversas ações espalhadas sempre no intuito de ocupar o espaço urbano com políticas públicas nos colocam um desafio: convencer a juventude do seu papel protagonista e transformador da realidade social.

Hoje, mesmo com a implantação de diversas políticas públicas para a juventude, infelizmente ainda nos deparamos com as dificuldades da identificação da juventude sobre a importância da sua participação nos processos sociais. Esse desafio é muito presente no cotidiano de quem enfrenta a realidade da luta no dia a dia da cidade. A experiência nos mostra que é imprescindível intensificar as ações de arte e educação e também instigar nos jovens para desenvolver o sentimento de pertencimento da cidade.

Neste aniversário de Fortaleza, além de festejar mais um ciclo para nossa Capital, devemos refletir sobre o fortalecimento das iniciativas que contribuem para melhorar a vida da juventude. A criação e ocupação dos equipamentos públicos e de uma agenda de ações são iniciativas que estão valorizando a juventude. Porém ainda temos um universo de jovens que ainda não sabem como acessar as diversas atividades e, por isso, é necessário potencializar as ações, buscando parcerias com os grupos espalhados pela cidade que atuam com a juventude.

Tenho convicção de que a junção entre o terceiro setor, o poder público e privado pode reduzir a desigualdade e a violência que afetam os jovens. Diante disso, é necessário fortalecer as iniciativas que visam promover a cultura, emprego, lazer, esporte, entre outras medidas que sejam capazes de dar conta da demanda. Por isso, conclamo todos para que possamos nos unir em torno das bandeiras da juventude com afinco, e juntos construirmos a cidade que queremos – uma Fortaleza cada vez mais jovem e capaz de abraçar os nossos sonhos.

*Wescley Sacramento

wescleysacramento2@gmail.com

Diretor da Associação Comunitária dos Bairros Ellery e Monte Castelo.

Ceará é o primeiro na produção de camarão no País

O setor de camarão cearense fechou 2017 com produção de 55 mil toneladas, informa o presidente da Associação Brasileira dos Criadores de Camarão, Cristiano Maia.

Ele adianta que o Ceará manteve-se bem no ranking, apesar de um ano de crises: ficou em primeiro do ramo no País. Neste 2018, há expectativa é não só reforçar a produção como também ampliar o mercado para o Exterior.

 

Ematerce – Definida comissão do concurso público

Já está definida a comissão que acompanhará e executará o processo de realização do concurso público da Ematerce. Vai contar com cinco integrantes, sendo três desse órgão público e dois da Secretaria de Planejamento do Estado (Seplag).

O concurso, que oferecerá vagas para 67 agentes de assistência técnica e extensão rural (Ater) e mais 196 agentes auxiliares de assistência técnica e extensão rural deve ocorrer ainda neste semestre.

Entre as ações da comissão organizadora estão o levantamento dos cargos necessários, a contratação da empresa que realizará o concurso, a elaboração e publicação do edital do concurso e a realização da prova e depois contratação do pessoal aprovado.

Cid Gomes vai puxar segunda etapa da Caravana Pró-Ciro no Interior cearense

O ex-governador Cid Gomes vai puxar a caravana “Rumo 12” nesta quinta-feira. Será a segunda etapa desse projeto pedetista que vai rodar pelas estradas da região Norte do Estado, informa o presidente regional da legenda, o deputado federal André Figueiredo, que se engajará ao grupo.

O objetivo é levar a mensagem do presidenciável Ciro Gomes ao Interior, sendo que, nesta etapa, estão listadas visitas, a partir das 16 horas, aos municípios de Varjota, Reriutaba, Guaraciaba e São Benedito.

Na sexta-feira, as atividades ocorrerão em Ibiapina, Ubajara, Tianguá, Viçosa do Ceará, Granja e Camocim. Já no sábado, último dia, a caravana seguirá por Jijoca de Jericoacoara, Marco e Acaraú.

(Foto – Agência Câmara)

Força Sindical reinaugura sede em Fortaleza

Será nesta quinta-feira, a partir das 14 horas, a solenidade de reinauguração da sede da Força Sindical no Ceará. Fica na rua Solon Pinheiro, 1782, no bairro de Fátima.

O vice-presidente nacional da Força Sindical e presidente da Confederação Nacional dos Trabalhadores Metalúrgicos, Miguel Torres, participará dessa atividade.

(Foto – Divulgação)

Um livro da Era Trump que precisa ser lido por brasileiros

Com o título “Sobre a tirania”, eis artigo do jornalista Plínio Bortolotti, que pode ser conferido no O POVO desta quinta-feira. Ele fala de um livro lançado nos EUA, autor é Timothy Snyder, que bem poderia ser lido por brasileiros interessados em se aprofundar sobre democracia Confira:

O nome deste artigo reproduz o título de um livro de Timothy Snyder, professor de História na Universidade de Yale. Com o subtítulo “Vinte lições do século XX para o presente”, a obra discorre sobre os perigos do autoritarismo. Snyder faz um rápido histórico dos regimes totalitários, mostrando como esses movimentos – que parecem irrelevantes no início – solapam irremediavelmente os direitos fundamentais da cidadania, aproveitando-se da liberdade propiciada pela democracia.

“Sobre a tirania” foi escrito logo após a eleição de Donald Trump à presidência dos EUA. Na ocasião, Snyder fez uma postagem em uma rede social convocando os americanos a aprenderem com a experiência dos europeus, “que viram a democracia dar lugar ao fascismo, ao nazismo ou ao comunismo”. Ele diz ser equivocada a crença de que a “herança democrática” é proteção automática contra esse tipo de ameaça.

O seu primeiro alerta é “Não obedeça de antemão”, pois “a maior parte” do poder autoritário é concedido voluntariamente. Lembra que isso ocorreu no comunismo, no fascismo e no nazismo.

No Brasil vê-se o germe desse problema. Há um setor da sociedade que, amedrontado pela violência, vê como saída um governo “duro”, que promete resolver qualquer problema a pauladas e golpes de mais selvageria. Esses cidadãos, traídos pela demagogia da extrema-direita, deveriam refletir sobre monstro que estão a engordar.

Quanto à franja estúpida que pede a volta da ditadura, esses estão na casa do sem jeito. É o tipo de gente que pensa dispor de um grande martelo e vê qualquer problema – mesmo os mais complexos -como se fosse mais um prego a ser batido.

Snyder ainda faz apelo para que as pessoas se dediquem a leitura mais aprofundada, como jornais e livros. E exorta para a necessidade de se compartilhar o mesmo mundo dos fatos, pois somente assim se constrói a base mínima de verdade para fazer a democracia prevalecer.

O livro é instrutivo para compreender os tempos que correm, inclusive no Brasil. Editado pela Companhia das Letras, custa R$ 24,90. É ótimo investimento.

*Plínio Bortolotti

plinio.pab@gmail.com

Jornalista do O POVO.

Operação em sete cidades quer desmantelar a ação de facções criminosas

Pelo menos 11 pessoas foram presas na madrugada desta quinta-feira, durante uma operação policial em Caucaia (Região Metropolitana de Fortaleza). A Polícia Civil e a Polícia Militar estão cumprindo 150 mandados de busca e apreensão em sete cidades do interior e da RMF. Segundo informações da Delegacia Metropolitana de Caucaia, uma quantidade ainda não específica de armas e drogas foi apreendida.

O secretário da Segurança Pública e Defesa Social, André Costa, informou que os presos estão envolvidos com homicídios e facções criminosas. O número dos presos deve aumentar até o fim deste dia, pois a operação está em andamento, adianta o titular da SSPDS.

Além de Fortaleza e Caucaia, as buscas e prisões ocorrem em Maracanaú, Eusébio, Pacatuba, Horizonte e São Gonçalo do Amarante.

Foram mais de seis meses de investigações, de acordo com o secretário, com cruzamento de dados de pessoas de regiões diferentes.

(Com O POVO Online -Rubens Rodrigues)

PT quer manter cargos pós-reforma do secretariado de Camilo

O presidente estadual do PT, Francisco de Assis Diniz, quer uma audiência com o governador Camilo Santana (PT). Após a debandada de quase um terço do secretariado estadual de olho em disputa por mandatos eleitorais, quer saber o que sobra para o partido.

Francisco de Assis informa para o Blog que os petistas não vão pedir muito: querem apenas a manutenção dos espaços que já ocupava como a Secretaria do Desenvolvimento Agrário, onde estava Dedé Teixeira, e a secretaria-adjunta de gabinete, onde estava o advogado Fernando Santana.

Camilo Santana ainda não sinalizou quando tratará sobre novos ocupantes para as pastas vagas após desincompatibilizações. Além da SDA e secretaria-adjunta de gabinete, ficaram sem seus titulares a Fazenda, Adece, STDS, Secitece, Educação, Assuntos Internacionais e a de Cidades, onde Jesualdo Farias saiu por motivos particulares.

(Foto – PT/CE)

Chuva com mais de 160 milímetros é registrada no Interior cearense

Choveu em 118 cidades cearenses até as 9 horas desta quinta-feira, segundo boletim divulgado pela Funceme. Quatro municípios superaram os 100 milímetros de chuva.

Confira as 10 maiores precipitações pluviométricas:

Itarema (Posto: Fz. Aguape) : 164.4 mm

São Gonçalo Do Amarante (Posto: Croata) : 150.4 mm

Uruoca (Posto: Campanario) : 127.0 mm

Trairi (Posto: Fazenda Lages) : 106.0 mm

Uruoca (Posto: Paracua) : 98.0 mm

Senador Sá (Posto: Senador Sa) : 93.0 mm

Limoeiro Do Norte (Posto: Bixopa) : 91.0 mm

Jaguaretama (Posto: Serrote Branco) : 86.0 mm

Paraipaba (Posto: Paraipaba) : 85.6 mm

Coreaú (Posto: Sitio Urubu) : 84.0 mm

Relatório de Gorete Pereira aprova drenagem linfática via SUS para mulheres com câncer de mama

A Comissão de Constituição Justiça e Cidadania aprovou o relatório da deputada federal Gorete Pereira (PR) sobre o Projeto de Lei n º780/07, que torna obrigatória na rede hospitalar e ambulatorial do Sistema Único de Saúde (SUS) a prática da drenagem linfática manual. Pelo texto, o procedimento deve ser priorizado nos casos de recuperação pós-cirúrgica de mastectomia (retirada da mama). O procedimento será realizado por profissionais capacitados segundo regulamentação, devidamente habilitados.

Segundo a deputada, a medida representa “uma conquista para as mulheres brasileiras que tiveram as mamas retiradas, assim como o oferecimento de cirurgia plástica reparadora, que já é obrigação do SUS.”

Consagrada desde 1932 pelo cientista dinamarquês Emil Vodder, a dreangem linfática manual estimula a circulação nos vasos linfáticos, acelerando a absorção de líquidos e eliminando inúmeras formas de edemas, comuns nas pessoas que passam por uma mastectomia.

Casos

No mundo, cerca de 520 mil mulheres morrem todos os anos em consequência do câncer de mama. O Instituto Nacional de Câncer estima que no biênio 2014/ 2015 sejam diagnosticados mais de 57 mil novos casos de câncer de mama no Brasil. O risco é de 56,09 casos a cada 100 mil mulheres.

(Foto – Agência Câmara)

Fortaleza 292 Anos – Medalha Iracema para Adísia Sá, Fagner e Liberal de Castro

Nesta sexta-feira, às 9 horas, no Paço Municipal, Adísia Sá, professora, jornalista e ex-ombudsman do O POVO, o cantor e compositor Raimundo Fagner e o arquiteto Liberal de Castro receberão a Medalha Iracema.

Trata-se da mais alta comenda da Prefeitura de Fortaleza.

O ato faz parte das comemorações dos 292 anos da cidade e será comandado pelo prefeito Roberto Cláudio (PDT).

(Foto – Rodrigo Carvalho)

 

Ceará é o 7º estado mais desigual do País

A renda média do cearense aumentou de R$ 1.403 para R$ 1.503, em 2017. Porém, a desigualdade está se agravando. A Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad) Contínua divulgada ontem pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) mostra que, no Estado, o Índice de Gini – indicador que mede a desigualdade em escala de zero (igualdade) até 1 (desigualdade máxima) – subiu de 0,553, em 2016, para 0,560, em 2017. Alta de 1,26%. O Ceará é o terceiro no ranking da desigualdade no Nordeste e o sétimo no País.

Até 2016, o Estado ocupava a oitava colocação nacional. A média brasileira se manteve estável, em 0,549. Mas, à exceção do Sudeste, que passou do segundo maior índice em 2016 (0,520) para o segundo menor em 2017 (0,510), em todas as demais regiões houve agravamento deste quadro.

No Nordeste, onde o fosso que separa ricos e pobres é mais fundo, o indicador subiu 2,1%, passando de 0,545, em 2016, para 0,559, em 2017. Na região, o Ceará só perde para Bahia (0,599) e Paraíba (0,563). No Brasil, o Amazonas encabeça a lista (0,604).

Em termos práticos, significa que os ricos estão mais ricos e os pobres cada vez mais pobres. Quase metade do total dos rendimentos no Ceará (44,7%) está concentrada nas mãos de apenas 10% da população. Já os 10% mais pobres detém apenas 0,7% desta massa.

No ano passado, as pessoas que integram o grupo de 1% da população que ganha mais no Estado recebeu, em média, R$ 19.935. O valor é 40,1 vezes maior que a renda média dos 50% da população mais pobre (R$ 497). Na região Nordeste, essa razão foi dei 44,9 vezes e na região Sul, apenas 25 vezes.

“É uma situação preocupante se considerarmos que há oito anos estávamos comemorando a redução da desigualdade”, afirmou o coordenador do Laboratório de Estudos da Pobreza da Universidade Federal do Ceará (LEP/ UFC), Vitor Miro.

Dentre as razões, é que na crise a população com menos escolaridade foi a mais atingida pela perda do emprego e, na tentativa de voltar ao mercado, aceitam ofertas com menor renda, inclusive, no mercado informal. “Mesmo com a recuperação da economia ocorrida em 2017 e o controle da inflação, esse perfil de trabalhador leva mais tempo para recuperar-se economicamente”, avalia o diretor de estudos sociais do Instituto de Pesquisa e Estratégia Econômica do Ceará (Ipece), João Mário Santos de França.

Foi o que aconteceu com o pintor, Francisco Ferreira, de 54 anos. Nos últimos dois anos, perdeu o emprego, teve de vender o carro e hoje vive de bicos. “As coisas estão começando a melhorar, mas meu sonho é voltar a ter a estabilidade da carteira assinada”, afirma.

Até 2016, o Estado ocupava a oitava colocação nacional, mas subiu uma posição no ranking da desigualdade. A média brasileira se manteve estável, em 0,549.

(Com O POVO – Repórter Irna Cavalcante/Foto – Arquivo)

ZPE quer atrair investimentos dos países árabes

Da Coluna do Eliomar de Lima, no O POVO desta quinta-feira:

A Zona de Processamento de Exportações (ZPE) d0 Ceará vai ganhar uma área de despacho aduaneiro. O edital de licitação da obra será lançado no começo de maio, informa o presidente da ZPE, Mário Lima, acrescentando que o investimento total é da ordem de R$ 35 milhões e consta do plano de expansão do equipamento. Além dos 576 hectares, a ZPE ganhou mais 150 hectares, o que abrirá condições de receber cerca de 150 indústrias. O maior empreendimento ali em operação é a Companhia Siderúrgica do Pecém (CSP).

“Nossa expectativa é lançar agora em maio a licitação e ter o projeto concluído até dezembro e, no mais tardar, em janeiro de 2019”, acentua Mário Lima. Ele destaca que a ZPE cearense é hoje o melhor empreendimento do gênero e único operando de forma concreta no País.

Ontem, em Brasília, o potencial da ZPE cearense foi apresentado para a Câmara do Comércio dos Países Árabes. Há grupos interessados em produzir na ZPE produtos halal (alimentos muçulmanos).

Fake news e democracia

Com o título “Fake news e democracia”, eis o Editorial do O POVO desta quinta-feira:

O depoimento de Mark Zuckerberg, CEO do Facebook, ao Congresso dos Estados Unidos, sobre o escândalo do uso de dados cadastrais de milhões de usuários, sem o consentimento destes (através da identificação de seus perfis ideológicos para manipular a opinião coletiva na direção pretendida por determinados grupos de interesses), resultou, como ele já havia assinalado, em um pedido de desculpas não-convincente. O resultado dependerá da correlação de forças entre os segmentos que empalmam o poder decisório – grupos econômicos e políticos – na luta pela hegemonia opinativa.

A empresa britânica Cambridge Analytica utilizou-se de testes de personalidade e curtidas no Facebook para coletar dados de usuários, em 2014. Com essas informações nas mãos pôde desenhar o perfil psicológico completo de 87 milhões de usuários, tanto na própria Inglaterra, como nos Estados Unidos. Com isso, teria sido possível influenciar dois eventos decisórios massivos nas duas comunidades: o Brexit (plebiscito sobre saída da Grã-Bretanha da União Europeia) e a eleição de Donald Trump. Os recursos empregados para obter os resultados pretendidos fizeram largo uso de fake news, difusão de ódio e divisionismo nas respectivas sociedades.

Esse fenômeno de manipulação da informação estendeu-se como uma praga nas redes sociais e, mesmo em meios convencionais de difusão, infiltrando-se por todos os poros da sociedade. Desde logo, aparece como um grande perigo para a democracia, tanto pelo poder de manipular as consciências, provocando resultados contrários aos próprios interesses da sociedade, quanto na reação igualmente manipuladora dos que querem usar o poder do Estado para censurar a liberdade de expressão.

Uma forma prática de obter o primeiro resultado é a tentativa de padronizar o uso da rede, segundo o filtro ideológico do próprio Facebook. O segundo modo é estabelecer uma legislação confusa que termine atuando como uma censura prévia. Isto é, em nome do combate às fake news considere como suspeito o que não se encaixar na versão hegemônica, ainda que legítimo.

Não há dúvidas de que tratar desse problema é um desafio dos maiores, de tantos que já se apresentaram à democracia. Uma solução menos sujeita a equívocos, provavelmente, será aquela que distribua esse monitoramento por toda a sociedade. É preciso apostar em instâncias públicas (não estatais) de controle nas quais prevaleça a representação efetiva da sociedade e não do Estado ou dos interesses privados corporativos. Democratizar a informação é a única forma de preservar a democracia, na sociedade contemporânea.