Blog do Eliomar

Categorias para Cinema

28º Cine Ceará homenageará Antonio Pitanga e o cinema peruano

O ator Antônio Pitanga, pai da atriz Camila Pitanga, e o cinema peruano são os grandes homenageados deste ano do 28º Cine Ceará. A informação é do organizador do festiva, cineasta Wolney Oliveira.

O 28º Cine Ceará ocorrerá de 4 a 10 de agosto próximo, com abertura no Cine-Teatro São Luiz reunindo convidados especiais e autoridades.

Já os filmes peruanos ocuparão espaço na Caixa Cultural Fortaleza.

(Foto – Divulgação)

Crianças autistas terão direito a sessão de cinema no Shopping Rio Mar

Uma sessão de cinema adaptada irá unir crianças e pais, a partir das 10 horas do próximo dia 17, no Shopping RioMar Fortaleza. A sessão faz parte de uma edição do CineFAZ, que envolve a Associação Fortaleza Azul, o Rio Mar e a rede Cinépolis. Será exibido “Peixonauta, o Filme”.

A sessão de cinema não terá escuridão total, contará com som mais baixo, não fará a exibição de trailers antes do filme principal e, durante a projeção, as crianças podem se levantar e circular pela sala de cinema na hora que quiserem.

O objetivo do projeto CineFAZ é oferecer a oportunidade das crianças com autismo vivenciarem a maravilhosa experiência da Sétima Arte em uma sala de cinema, preparando-as para as sessões comuns. A sessão é gratuita, limitada à lotação da sala. Durante a ação, a FAZ (Associação Fortaleza Azul) estará recebendo doações de gibis e revistas infantis a serem doados posteriormente ao Recanto Pedagógico.

A Associação Fortaleza Azul (FAZ) existe desde 2015 e tem como objetivo reunir familiares de pessoas com Transtorno do Espectro Autista (TEA) para ações de conscientização, informação e inclusão desses indivíduos na sociedade. Atualmente, a entidade conta com cerca de 200 famílias associadas.

SERVIÇO

*Para participar, os pais interessados devem solicitar o ingresso pelo e-mail projetocinefaz@gmail.com e aguardar a confirmação.

Adjafre e Gero – Cearenses se destacam na teledramaturgia e no cinema

Da Coluna Vertical, no O POVO desta terça-feira (9), pelo jornalista Demitri Túlio:

Dois cearenses, Daniel Adjafre e Gero Camilo, começam em alta a temporada de 2018 na teledramaturgia e no cinema.

Gero, único selecionado do Ceará no edital do Prodecine, rodará o filme Aldeota. Roteiro baseado na peça de teatro que leva o nome do bairro de Fortaleza e escrita e encenada pelo próprio Gero. Ele que passou pelo curso de princípios básicos de teatro do TJA, na década de 90.

Já Adjafre assina a novela Deus Salve o Rei, folhetim que estreia hoje, no horário das 19 horas, na Globo. O autor é cria do curso de formação em dramaturgia pelo Instituto Dragão do Mar (2000). Será seu primeiro solo em novela na plim-plim, ele foi coautor de Sete Vidas.

Daniel Adjafre escreveu dois livros pela Fundação Demócrito Rocha: As Garrafinhas de Areia Colorida e A Batalha de Jericoacoara. Antes de ser novelista, Adjafre se formou em Ciências da Computação pela Uece.

Cinema cearense encerra o ano com premiação em São Paulo

Os produtores do filme “Onde nascem os bravos” querem concorrer neste 2018 a diversos prêmios no cinema nacional e internacional. Em 2017, o filme de produção cearense ganhou o prêmio de Melhor Efeitos Especiais, no “8º Civifilmes – Festival de Cinema Independente”, em São Paulo.

A produção cearense ainda concorreu aos prêmios de Melhor Filme, Melhor Roteiro, Melhor Edição e Melhor Ator Coadjuvante.

Foram 225 filmes inscritos, representando 19 estados, em seus 61 municípios das mais variadas regiões do país, além do Distrito Federal.

Pixote – Morre o escritor e roteirista José Louzeiro

O escritor, roteirista e jornalista maranhense  José Louzeiro, de 85 anos, morreu hoje (29) em sua residência no Rio de Janeiro. A causa da morte ainda é desconhecida, mas, segundo parentes do escritor, ele enfrentava há anos problemas de saúde, em função do diabetes.

Nascido em São Luís, em 1932, José de Jesus Louzeiro ingressou no jornalismo aos 16 anos de idade, como estagiário no jornal O Imparcial, na capital maranhense. Com 21 anos, veio para o Rio de Janeiro, onde se radicou e trabalhou por mais de 20 anos como repórter policial, em importantes jornais e revistas como Diário Carioca, Correio da Manhã, Última Hora e Manchete.

A estreia na literatura foi em 1958, com o conto Depois da Luta, mas o reconhecimento veio mesmo em 1976, quando Louzeiro lançou Lúcio Flávio, o Passageiro da Agonia, o primeiro título no gênero literário que o consagrou, o romance-reportagem, narrativas biográficas baseadas em casos famosos da crônica policial.

Foram quase 40 livros no gênero, entre os quais destacam-se Infância dos Mortos, que mais tarde serviu de argumento para o filme Pixote, a Lei do Mais Fraco, de Hector Babenco, que teve Louzeiro como roteirista; Aracelli, Meu Amor, e Em Carne Viva, que reviveu o drama da estilista Zuzu Angel e de seu filho Stuart Angel, morto pela ditadura militar, na década de 70.

No cinema, além de Pixote, Louzeiro assinou o roteiro de outros nove filmes, entre os quais O Homem da Capa Preta, Sergio Rezende, Os Amores da Pantera, de Jece Valadão, e Amor Bandido, de Jeff Nichols. Foi também autor de telenovelasm como Qorpo Santo, Guerra sem Fim e O Marajá. Esta última, uma comédia inspirada no governo de Fernando Collor, foi censurada antes de ir ao ar.

(Foto: Arquivo)

Halder Gomes comemora sucesso de “Os Parças” e anuncia “Cine Holliúdy 2 – A chibata sideral”

O cineasta Halder Gomes conversou com a reportagem do Blog, nesta quinta-feira. Ele comemora o sucesso do filme “Os Parças”, em cartaz no momento e que ocupa, hoje, o segundo lugar em bilheteria nacional.

Halder fala sobre essa película que reuniu a nata do humor no momento no País e, claro, dá uma canja: anuncia a estreia do “Cine Holliúdy 2 – A chibata sideral”.

Moradores de Palmácia participam como figurantes de filme sobre o cangaço

O segundo capítulo da trilogia cinematográfica da saga do cangaceiro Alfinete (jornalista Camilo Vidal) e do pistoleiro Mumbaca (cineasta Daniell Abrew) foi finalizada no município de Palmácia (Serra de Baturité). A população participou voluntariamente das gravações, na condição de figurante.

O longa-metragem “Como Vivem os Bravos”, do gênero faroeste brasileiro, é uma continuação do filme “Onde Nascem os Bravos”, que estreou neste ano nas telas do Shopping Benfica.

A estreia de “Como Vivem os Bravos” está prevista para julho de 2019. No próximo ano, os produtores de “Onde Nascem os Bravos” esperam concorrer nos melhores festivais de cinema do País.

A StoryKnight Audiovisual Entertainment Enterprise destaca o apoio da Prefeitura Municipal de Palmácia, através da Secretaria Municipal da Cultura, à Casa da Cultura de Palmácia e a todos os parceiros, colaboradores, técnicos e atores.

(Foto – Divulgação)

Mostra Harun Farocki termina nesta quarta-feira no Cinema do Dragão

Será encerrada nesta quarta-feira, 20, a programação de filmes da ‘Mostra Harun Farocki – O trabalho com as imagens”, em cartaz desde a última quinta-feira, 14, no Cinema do Dragão do Mar. No Cena 15, as duas instalações que integram a mostra podem ser visitadas até sexta-feira, 22. Contemplada no Edital Temporada de Arte Cearense, do Dragão do Mar, a Mostra tem o apoio da Secretaria de Cultura de Fortaleza e do Porto Iracema das Artes, informa a assessoria de imprensa do evento.

Na sessão das 19 horas desta quarta-feira, serão exibidos Indústria e Fotografia (Alemanha Ocidental. 1979. 35mm. PB. 44min) e A prata e a cruz (Alemanha. 2010. Vídeo (dois canais). Cor. 17min). Às 20h30min, encerram a mostra os filmes O papel dominante (Alemanha. 1994. Vídeo. Cor. 35min) e A saída dos operários da fábrica (Alemanha. 1995. Vídeo. Cor e PB. 36min).

Programação

Filmes

19h – Indústria e Fotografia (Alemanha Ocidental. 1979. 35mm. PB. 44min) e A prata e a cruz (Alemanha. 2010. Vídeo (dois canais). Cor. 17min)
20h30 – O papel dominante (Alemanha. 1994. Vídeo. Cor. 35min) e A saída dos operários da fábrica (Alemanha. 1995. Vídeo. Cor e PB. 36min)

As Instalações

Parallel I, II, III e IV (2011/2014)

Labour in a single shot (2011/2014)

SERVIÇO

*Toda a programação tem entrada gratuita.

*Mais Informações – (85)3488.8600 e farockifortaleza2017@gmail.com

Estação da Luz rodará mais um filme sobre Chico Xavier

A Estação da Luz vai rodar mais um filme. Agora baseado no livro “Sexo e Destino”, de Chico Xavier e Waldo Vieira.

Será rodado no Ceará, a partir de 2019, informa o presidente da entidade, Sidney Girão.

Não se sabe ainda se o diretor será Glauber Filho, que dirigiu “Bezerra de Menezes – O diário de um espírito”, primeira película da Estação e que foi sucesso nacional.

Morte de Francis Vale – Prefeito Roberto Cláudio divulga nota

O prefeito de Fortaleza, Roberto Cláudio (PDT), divulgou nota lamentando a morte do cineasta Francis Vale. Confira:

O nome do cineasta Francis Vale será sempre lembrado como um irrequieto e propositivo agente da nossa cultura cinematográfica.

O Ceará e o Brasil saberão garantir o reconhecimento ao seu incansável trabalho em defesa de um cinema que mergulhasse profundamente na nossa história e defendesse de forma aguerrida os valores de nossa gente. Seu nome será imortalizado pelo conjunto de sua obra e sua militância permanente e invejável na construção de uma linguagem universal como elemento de interpretação para as nossas questões regionais.

*Roberto Cláudio Bezerra
Prefeito de Fortaleza.

Morre cineasta Francis Vale

136 1

Vítima de um câncer, morreu, nesta manhã de sexta-feira, em Fortaleza, o cineasta, advogado, compositor e jornalista Francis Vale (72). O velório deverá ocorrer a partir das 14 horas, no Centro Cultural Belchior (Praia de Iracema).

Francis Vale era um intelectual refinado, que fez trincheiras contra a ditadura militar desde os tempos de estudante secundarista e que teve seus momentos mais difíceis nas lutas da universidade. Era um político obstinado contra as desigualdades sociais, o que sempre expunha em sua obra. Dizia-se fiel do falecido Dom Fragoso, que foi personagem de um dos seus documentários.

Nessa lista, entra “Trem da Alegria”, o mais recente, sobre o time de futebol formado por Afonsinho e que enfrentou a ditadura. Produziu o Festival de Cinema de Jericoacoara, discos como “Liberado” com Alano Freitas. Era um animador cultural na essência. Escreveu livros como “Cinema Cearense – Algumas Histórias”.

O enterro ainda está sendo definido pela família, informa a assessoria de imprensa da Secultfor.

(Foto – Arquivo Pessoal)

“Os Parças” cumpre o que promete: fazer rir. E rir demais

Da Coluna Bric à Brac, no O POVO deste domingo (26), pela jornalista Inês Aparecida:

Sem a menor intenção de me intrometer na seara alheia, ou melhor, no campo dos que se dedicam , porque sabem, a fazer crítica cinematográfica, vou dar minhas impressões sobre Os Parças, o mais recente trabalho assinado por Halder Gomes. Fui na pré-estreia – nacionalmente será lançado quinta-feira (30) – e o filme, para mim, cumpriu o que promete: fazer rir. E ri demais. Tirulipa, Bruno de Lucca, Tom Cavalcante e Whinderson Nunes formaram um time bem entrosado, ligado pelo fio do humor escrachado.

Politicamente correto? Podem questionar alguns. O talento de Tom já se conhecia, mas surpreende o trabalho dele e de Tirulipa e Nunes (acho horrível escrever o primeiro nome dele) na telona. Taumaturgo Ferreira como um “mafioso” da rua 25 de Março paulista está ótimo. No elenco, também, Paloma Bernardi, Bruno de Lucca e André Bankoff. Participações de Wesley Safadão, Carlos Alberto da Nóbrega e Bolachinha. Os Parças é um momento refrescante para nossas mentes que andam pesadas de… vocês sabem, digo mais não.

(Foto: Divulgação)

Cine Nazaré – Aluna de Jornalismo escreve livro sobre o último cinema de bairro em Fortaleza

Júlia Ionele, aluna do Jornalismo da Universidade Federal do Ceará, fez do trabalho de conclusão de curso um arquivo de memórias de uma Fortaleza que já não existe mais. A estudante, que cursa o oitavo semestre da graduação, escreveu o livro-reportagem sobre o Cine Nazaré, o último cinema de bairro da capital cearense e do Brasil. O livro “Cine Nazaré – Um cinema vivo” busca resgatar a memória coletiva e afetiva do cinema.

O Cine Nazaré abriu as portas no ano de 194. Em 76 anos de funcionamento, foi palco de muitos romances, histórias e lembranças de uma Fortaleza antiga. Resistiu ao período da ditadura militar, ao avanço da tecnologia e da nova forma da organização social. Ele resiste no mesmo lugar, na Rua Padre Graça, no número 65. O espaço é uma saleta cinematográfica com capacidade para oitenta pessoas. Os filmes são projetados com retroprojetores da forma antiga e os clássicos em preto e branco que já não se encontram em quase nenhum acervo da capital.

Memória

A produção narra os 76 anos da história do Cine Nazaré, relatando a vida de Raimundo Carneiro de Araújo, o “Seu Vavá”. Ele é o responsável por manter o cinema vivo até os dias atuais e por conservar todo o maquinário da década de 20 e 30, além do acervo de duas mil películas, títulos que já não são encontrados em nenhum lugar, como O Ébrio, Dio como te amo, Carmen Miranda. O cinema do bairro Otávio Bonfim é um acervo vivo de películas do século passado.

A chegada do cinema falado na capital cearense é datada de 1930. Nesse período, a sociedade passava por mudanças decorrentes do avanço dos investimentos nas áreas de infraestrutura. As salas de cinema foram uma atração para a população. A diversão simples e acessível fez com que as pessoas passassem a frequentar cada vez mais o ambiente cinematográfico.

Os cinemas mais conhecidos de Fortaleza no período citado eram o Cine Majestic (cinema aberto em 1917, por Plácido de Carvalho, no centro de Fortaleza), o Cine Moderno (cinema inaugurado em 1921, pelo grupo Luiz Severiano Ribeiro no centro da cidade) e Cine Polytheama (inaugurado em 1911, levantado no centro de Fortaleza, hoje, no local, está funcionando o Cine São Luiz), sem esquecer a presença de outras salas mais simples, como os presentes nas associações religiosas e leigas.

O avanço da desvalorização do cinema fortalezense reflete não apenas em perdas audiovisuais, mas afetivas e identitárias. Por isso, a importância de recuperar o cinema como instrumento de identidade cultural. A reflexão sobre o cinema permite que a comunidade seja levada a pensar nele como espaço de resistência e memória.

O Livro

O livro está estruturado em quatro capítulos, cada um retratando diferentes fases da vida do cinema. O capítulo um, denominado “Nasce o Cine Nazaré”, traz informações da construção do cinema e dos primeiros anos de funcionamento. O capítulo dois, que recebe o nome “A reabertura do Nazaré”, traz a segunda fase do cinema, no final dos anos 60 e a forma de organização dele. O terceiro, “Cine Nazaré é resistência”, busca trazer a reabertura do cinema nos anos 2000 e a nova forma de funcionamento. Já a última parte do livro, denominada “Cine Nazaré vive”, procura trazer explicações do que será o Cine Nazaré nos próximos anos.

“Eu queria passar pela graduação deixando para as pessoas uma boa história que elas pudessem passar a diante, eu queria mostrar a importância de fazer jornalismo para as pessoas e o Cine Nazaré foi à concretização do sonho de fazer um jornalismo comunitário. O Cine Nazaré vive e por isso, a necessidade de retratá-lo dando oportunidade para que as próximas gerações conheçam a história de um homem que lutou para que a história do Cinema não fosse perdida. O Cine Nazaré vive”, ressaltou Julia.

O livro foi orientado por Ronaldo Salgado, professor e mestre da Universidade Federal do Ceará, o precursor da Revista Entrevista e orientador do livro Cine Diogo – O cinema azul.

(Foto – Divulgação)

Cineasta Wolney Oliveira destaca papel de Eunício Oliveira no apoio ao setor audiovisual do Nordeste

O cineasta Wolney Oliveira reconheceu, durante a terceira edição do Mercado Audiovisual do Nordeste (MAN), aberto nesta segunda-feira, na sede do BNB, no Passaré, o empenho do presidente do Senado, Eunício Oliveira (PMDB), para que 30% dos recursos do Fundo Setorial do Audiovisual (FSA) sejam destinados para as regiões Nordeste, Norte e Centro-Oeste.

Com isso, o Banco do Nordeste passa a ser credenciado para atuar como agente financeiro do FSA, através do Comitê Gestor da instituição. Ao todo, serão investidos R$ 200 milhões por ano durante cinco anos, totalizando R$ 1 bilhão.

O valor vai possibilitar parcerias para o fomento de projetos do setor audiovisual no Nordeste, firmando a região como polo de produção. Wolney é coordenador da Casa Amarela da UFC e responde pelo tradicional Cine Ceará.

Comédia matuta gravada em São Gonçalo do Amarante estreará neste domingo

O filme cearense “Santo de casa não faz milagre” vai estrear neste domingo, às 20 horas, gratuitamente na Praça da Matriz de São Gonçalo do Amarante (Região Metropolitana de Fortaleza) A produção da Anacetaba Filmes, desse município, aborda política e os tradicionais costumes religiosos praticados nas cidades do interior.

Na fictícia cidade de Luiz Gonzaga, no interior do Ceará, o prefeito Zequinha do Espírito Santo resolve construir uma faraônica estátua dedicada ao santo padroeiro São José, na Praça da Matriz, com o objetivo de garantir sua reeleição. O problema é que o bendito santo está com a popularidade em baixa com os fiéis. Motivo: até hoje ninguém tem notícia de um milagre sequer realizado. Preocupado com a sua reeleição, o prefeito, muito esperto, resolve mover mundos e fundos com o seu assessor Miguel descobrir o mistério do santo.

O roteiro e a produção executiva são do jornalista Karlos Emanuel. A direção é de Bruno D’Moraes. Toda a equipe de produção e o elenco são formadas por pessoas do município, tanto atores experientes, como figuras populares.

SERVIÇO

*Link do teaser no Youtube: https://youtu.be/c5Def409FKw

(Foto – Divulgção)

Festival Curta Canoa inscreve até o próximo dia 5

Prosseguem, até o próximo dia 5, as inscrições para o XII Festival Latino-Americano de Cinema de Canoa Quebrada, em Aracati (Litoral Leste), o Curta Canoa. O festival ocorrerá de 7 a 12 de dezembro, no Polo de Lazer da praia de Canoa Quebrada, com a presença de diversos nomes das mais variadas áreas do segmento audiovisual.

Os interessados em participar da Mostra Competitiva devem se inscrever pelo site www.curtacanoa.com.br. Já a mostra latino-americana e a mostra de longas são de caráter não competitivo e reúnem vídeos e filmes convidados pela direção do festival.

Para a Mostra Competitiva, serão selecionados curtas-metragens com duração inferior a 20 minutos, finalizados entre os anos de 2016 e 2017.

SERVIÇO

*Regulamento e inscrições: www.curtacanoa.com.brv