Blog do Eliomar

Categorias para Comércio

Rodada de Negócios promove interação e novos projetos para empresas do setor de eventos

35 1

Gerar novos negócios, interação, networking entre as empresas do setor de eventos. Esse é o objetivo da I Rodada de Negócios promovida pelo Sindicato das Empresas Organizadoras de Eventos e Afins do Estado do Ceará – Sindieventos, na tarde desta quinta-feira, 14/02, no Centro de Eventos do Estado do Ceará.

O evento é aberto às empresas associadas e contará com a participação de empresas e outros sindicatos ligados a Fecomércio. Na dinâmica do evento, os empresários terão três minutos para apresentar suas empresas e tipo de trabalho desenvolvido aos demais participantes. Em seguida, terão início as rodadas de negócios, onde cada empresa terá cinco agendamentos com outras empresas participantes.

“Contamos com um grande número de empresas, de vários segmentos e é importante essa troca de experiencias e possibilidades de negócios entre elas”, destaca Circe Jane Teles da Ponte, presidente do Sindieventos. Circe afirma ainda que as empresas do setor tem inúmeros serviços que podem ser prestados e que essa troca

As inscrições são gratuitas e podem ser feitas pelo e-mail rodadadenegociossindieventos@gmail.com.

Serviço:
1ªRodada de Negócios Sindieventos-CE
Data: 14 de fevereiro (quinta-feira)
Hora: 14h
Local: Centro de Eventos do Ceará
Inscrições: rodadadenegociossindieventos@gmail.com

CDL promove encontro sobre tendências do varejo físico e digital

A Câmara de Dirigentes Lojistas de Fortaleza e a Faculdade CDL, em parceria com a GSMD Gouvêa de Souza, promoverá o evento “Cenários do Varejo”, dia 22 deste mês, no Teatro RioMar.

No encontro, exclusivo para associados e estudantes da Faculdade CDL, uma apresentação das últimas tendências do varejo físico e digital discutidas no Retail’s Big Show, maior evento do segmento, realizado pela National Retail Federation em Nova York (EUA).

Os especialistas Marcos Gouvêa, Regiane Romano, Fabiana Mendes e Walter Longo darão palestras sobre avanços tecnológicos, comportamento do consumidor digital e jornada do cliente, informa a assessoria de imprensa da CDL.

O Brasil dos donos de possantes de luxo

O Brasil continua, mais do que nunca, cheio de contradições.

Segundo o jornalista Lauro Jardim, colunista do O Globo, ano passado, foram vendidas 97 Ferraris, Rolls-Royces, Lamborghinis e Maseratis no país.

Os modelos mais baratos saem por cerca de R$ 600 mil e os mais caros a R$ 5 milhões. Só em dezembro, foram 17 — e certamente não por causa do 13º salário.

(Foto – Divulgação)

Bolsonaro destaca em rede social aumento da confiança no comércio

70 1

O presidente Jair Bolsonaro destacou, neste domingo (10), o aumento da confiança na indústria e no comércio em 2019. “Confiabilidade da indústria e comércio crescem em 2019 , aquecendo a economia e gerando empregos”, disse o presidente, em sua conta no Twitter.

Segundo Bolsonaro, com a implementação dos estudos da Secretaria-Geral Adjunta de Desburocratização, Gestão e governo digital, ligada ao Ministério da Economia, “tudo vai melhorar”.

(Agência Brasil)

Shopping Cariri ganha quiosque de Casas Bahia

O Shopping Cariri, situado em Juazeiro do Norte, vai ganhar um quiosque de Casas Bahia. Será o primeiro no Nordeste, tendo 25 metros quadrados. Começa a operar a partir desta quarta-feira, 6, informa a Via Varejo, empresa que administra a marca Casas Bahia e Pontofrio.

Será o 16º quiosque, modelo que já opera nos estados de São Paulo, Minas Gerais e Goiás e que oferece aos clientes agilidade de compra e atendimento mais fluído, concentrado em apenas um ponto de atendimento desde a apresentação de produtos até o pagamento.

O novo quiosque vai expor fisicamente produtos das categorias mobile (celulares e notebooks), equipamentos de áudio como headphone, assim como TV’s e eletroportáteis. Além destes itens, os clientes poderão comprar todos os mais de 2 milhões de sku’s comercializados pelo site da Casas Bahia, graças ao sistema Via+, que integra os ambientes de lojas físicas ao e-commerce. O cliente escolhe se retira o produto na própria unidade ou se recebe em casa, com prazo médio de 48 horas.

(Foto – Divulgação)

Cenário econômico para investimentos e gestão são temas de debate na Fiec

Conhecer mais sobre os possíveis cenários da economia é imprescindível para investidores e para quem tem uma empresa, não importa qual o porte, da micro à grande. Com esse objetivo, a Câmara de Comércio Ítalo-brasileira NE (CCIB NE) lança o seu I Ciclo de Debates Itália Nordeste. Para a primeira edição o tema será “Os novos cenários econômicos para 2019 e Gestão Financeira”.

O evento, terá duas palestras: perspectivas macroeconômicas para 2019, ministrada por Ênio Viana, ex-presidente do Instituto Brasileiro de Executivo e Finanças (Ibef) e sócio-fundador da Arêa Leão Consultoria Empresarial; e Profissionalismo na Gestão Financeira com tecnologia e inovação, ministrada por Fábio Araújo Pinheiro, sócio diretor da Capitale e mestre em Controladoria e Contabilidade pela Universidade de São Paulo (USP). Como moderador, participa Sérgio Brasilis, profissional com ampla atuação na área de marketing e relacionamento de empresas de telecomunicação como a Oi, Vivo e Tim. Brasillis tem Dottore em Relações Internacionais e Cooperação para o Desenvolvimento pela UNISTRAPG (Perugia/Itália).

“Entendemos que precisamos debater e estar mais perto, não só dos associados, mas do mercado, para estreitarmos ainda mais os laços entre o comércio da Itália e do Brasil, principalmente do Nordeste”, afirma Paulo Eduardo Magnani, presidente da Câmara de Comércio Ítalo-brasileira.

O evento acontece na quarta-feira (6), a partir das 17h, no auditório Luiz Esteves, no 5º andar da Fiec.

(Foto: Divulgação)

Expansão do Shopping Eusébio terá 50 novas operações

Até o fim deste ano, o Shopping Eusébio ganhará 50 novas operações, diante do projeto de expansão, que incluirá 13 restaurantes na praça de alimentação, uma loja âncora, loja de jogos eletrônicos e outras 36 operações de varejo, além de uma ampla praça de eventos e o primeiro cinema da região com cinco salas de exibição, sendo três em 3D, uma VIP e uma Premium, exclusiva no Ceará.

Primeiro empreendimento do ramo no município da Região Metropolitana de
Fortaleza, o Shopping Eusébio entra no quinto ano de atividade, com atrações gratuitas voltadas para seus clientes.

Neste domingo (3), a partir das 17 horas, haverá oficina de slime, brincadeiras e dança para crianças. Toda sexta-feira e sábado, os frequentadores da praça de alimentação poderão curtir música ao vivo. Na quarta-feira, aulão de dança gratuita para todas as idades.

(Foto: Arquivo)

Ataques criminosos impactam na venda do comércio. Lojistas querem prorrogar pagamento do ICMS

Da Coluna do Eliomar de Lima, no O POVO desta terça-feira:

Há um pleito dos lojistas de Fortaleza sobre a mesa da secretária da Fazenda, Fernanda Pacobahyba: eles pedem que o recolhimento da primeira parcela do ICMS relativo às vendas de dezembro seja parcelado em três vezes mensais e consecutivas, com dispensa de juros e multas.

A justificativa das entidades do ramo é de que, mesmo com vendas boas se registrando por conta do Natal, a onda de ataques criminosos que chegou a afetar o transporte coletivo acabou sendo um duro golpe no faturamento.

“Nos primeiros dias dos ataques, tivemos lojas fechadas e, nas semanas seguintes, queda de mais de 50 por cento no movimento”, diz para a coluna o presidente do Sindilojas, Cid Alves. “Comparado com janeiro de 2018, tivemos queda real de 8 a 10 por cento no movimento. Queremos pagar, mas parcelando, como forma de não termos problemas de atraso também no pagamento de salário do nosso pessoal”, acrescenta o empresário.

A Sefaz, no entanto, até agora, não deu resposta.

Avenida Monsenhor Tabosa ganhará estudo para definir políticas públicas de incentivo à economia

A Prefeitura de Fortaleza realiza um estudo de mercado para a Avenida Monsenhor Tabosa para definir políticas públicas de incentivo à economia do lugar. De acordo com o prefeito Roberto Cláudio, a ideia é proporcionar mais eficiência às estratégias para movimentar a economia na área.

“Vamos fazer um estudo de sondagem sobre novos negócios para dinamizar o enorme potencial criativo que existe na Monsenhor Tabosa. Uma avenida que foi mudando de perfil ao longo dos anos, que faz parte da história da Cidade e está toda urbanizada e rodeada de pólos gastronômicos e culturais”, disse o prefeito.

Em relação a Praia de Iracema, após a aprovação da Lei nº 260/18, que define os incentivos fiscais para o bairro, deverá ser publicado, ainda este ano, o decreto que regulamenta as atividades econômicas e os empreendimentos que poderão obter estes incentivos fiscais.

Após a assinatura do decreto, a Prefeitura realizará seminário com empreendedores em potencial para que haja uma nova ocupação residencial e econômica na Praia de Iracema, incluindo incentivos fiscais.

(Com informações da Assessoria de Comunicação da Prefeitura de Fortaleza)

Confiança do comércio alcança a maior alta em cinco anos

A confiança do empresário do comércio fechou o mês de janeiro com a quinta alta consecutiva e o melhor início de ano desde 2014. O otimismo pode ser constatado nos indicadores que retratam a disposição do setor em contratar e na predisposição do empresário em investir.

Dados divulgados hoje (23) pela Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC), indicam que o Índice de Confiança do Empresário do Comércio (Icec) alcançou 120,9 pontos, o melhor início de ano desde 2014, quando marcou 122,6 pontos.

Indica, ainda, que três em cada quatro empresários do setor pretendem contratar mais nos próximos meses e que 46% dos entrevistados se mostraram dispostos investir na ampliação ou abertura de lojas.

Para o economista-chefe da CNC, Fabio Bentes, “a valorização do real nas últimas semanas, a desaceleração dos preços e a atual trajetória de queda do desemprego favorecem o consumo neste início de ano, justificando a percepção mais positiva das vendas por parte dos empresários do comércio”.

Subíndices

Outra boa notícia para o setor, segundo o economista, é a de que “expectativas altas quanto à economia, desempenho do setor e da própria empresa exerçam influências generalizadas sobre os subíndices”.

O subíndice da pesquisa que mede a satisfação com o nível atual de atividade (Icaec), por exemplo, voltou a crescer também pelo quinto mês consecutivo em janeiro, com expansão de 11,3% em relação a dezembro, já descontados os efeitos sazonais.

Outro subíndice, o que mede as expectativas dos empresários, apurou altas de 9,1% no primeiro mês do ano, na comparação com dezembro do ano passado, e de 13,7% na comparação com janeiro de 2018. Dos cerca de 6 mil empresários pesquisados, 94% esperam por melhora das condições econômicas nos próximos meses.

“Esse é o maior percentual de expectativas positivas em relação à economia desde o início do Icec em 2011. Houve ainda avanços de 5,6% das expectativas em relação ao desempenho do setor e de 4% das empresas dos entrevistados no médio prazo”.

Já a alta de 4,2% no subíndice que mede o apetite por investimentos foi impulsionada pelo aumento de 6,6% nas intenções de contratação no comércio.

Em janeiro, 74,6% dos entrevistados declararam estar propensos a contratar mais funcionários nos próximos meses. “Esse é o maior percentual de intenções de contratação para meses de janeiro desde o início da pesquisa em 2011”, ressalta a CNC.

Os demais componentes dos investimentos apontam queda do pessimismo nos últimos meses. Segundo 46,1% dos empresários, há planos de ampliação de investimentos nas lojas existentes ou em novas unidades, e 24,2% percebem os níveis de estoques como “acima do adequado”. “Em ambos os casos, os menores percentuais dos últimos quatro anos”.

(Agência Brasil)

CDL-Fortaleza busca entendimento das mudanças implementadas pela Receita Federal

O presidente da CDL-Fortaleza, Assis Cavalcante, buscou esta semana uma aproximação e um entendimento das mudanças que estão sendo implementadas pela Receita Federal, além da divulgação dos projetos do setor varejista.

O dirigente esteve acompanhado diretor da CDL-Fortaleza, Antonio José Mello, em visita ao superintendente da Receita Federal, João Batista Barros, e ao adjunto Marcos Araripe.

No início deste mês, Assis Cavalcante conheceu as novas tendências do varejo para 2019, nos Estados Unidos.

(Foto: Divulgação)

Mais uma lei que ninguém pediu

125 1

Em artigo no O POVO desta quarta-feira (16), o presidente da Abrasel no Ceará, Rodolphe Trindade, critica projetos de lei que não colaboram com a economia ou no conforto do consumidor. Confira:

No último dia 2 de janeiro, o deputado estadual David Durand (PRB) apresentou uma lei que foi aprovada na Assembleia Legislativa do Ceará. Ela obriga, entre outras coisas, todas as empresas com atividade no Ceará, incluindo bares e restaurantes, a mostrarem nos cardápios, nas gôndolas e nas etiquetas de preços, os impostos de cada produto oferecido. A multa por descumprimento é pesada: R$ 127,82 por produto que não dispor a informação.

O benefício dessa lei é zero, afinal, o que ganha o consumidor em saber antecipadamente quanto o poder público encarece o produto? Qual o benefício desta lei ao cidadão? Essa nova lei que apareceu é esdrúxula!

Qual a problemática? Na hora que eu quiser comprar um produto de um pequeno artesão ou um pequeno produtor não será possível. Eles não dispõem dessas informações em seus produtos, afinal, esta lei gera uma demanda de informações em cadeia.

E se eu quiser fazer o meu cardápio do dia com produtos frescos que eu comprei no mercado na mesma manhã, será impossível! O contador terá que rastrear todos os impostos dos produtos que compõem o prato oferecido. Comida a quilo, no self-service? Uma colherada de arroz e duas de feijão têm 2% de ICMS, 4% de ISS, 8% do Simples…

Isso sem contar o tamanho do cardápio! Certos cardápios de restaurante vão virar uma “Bíblia”. A lei não traz nada de bom, só mais burocracia. Aliás, já existe a lei federal nº 12.741/12, de 8 de dezembro de 2012, que obriga a se colocar, no cupom fiscal, o cálculo de impostos.

Infelizmente, o Legislativo insiste em fazer leis sem antes dialogar com aqueles que serão afetados. Afinal, somos parte da sociedade como um todo e nós podemos, juntos, elaborar leis que sejam apresentadas como grandes avanços societários.

E outra questão é: quem vai fiscalizar? Todos nós sabemos que a fiscalização não chega à grande maioria do Estado e o poder público não tem braços para isto.

Portanto, essa é mais uma lei que ninguém pediu e só irá gerar mais custos e muito trabalho desnecessário. Ela pode acarretar, ainda, em diminuição de empregos e fechamento de empresas.

Rodolphe Trindade

Presidente da Abrasel no Ceará

Consultas de CPFs para vendas a prazo no comércio crescem 2,8%

O número de consultas de Cadastro de Pessoas Físicas – CPFs – para vendas a prazo no comércio varejista brasileiro aumentou 2,8% em 2018 na comparação com o ano anterior, aponta o Indicador de Atividade do Varejo, lançado este mês pela Confederação Nacional de Dirigentes (CNDL) e pelo Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil).

Esta é a maior alta para o mês de dezembro desde 2014, quando o aumento foi de 2,2%.

O indicador é um termômetro da intenção de compras a prazo por parte do consumidor e abrange os segmentos de supermercados, lojas de roupas, calçados e acessórios, móveis e eletrodomésticos.

Segundo o SPC Brasil, a taxa confirma a tendência de retomada do varejo, mesmo que o volume das vendas não tenha alcançado patamares anteriores à crise.

Dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) do terceiro trimestre de 2018 mostraram avanço de 3,3% no Produto Interno Bruto (PIB) do comércio acumulado de quatro semestres.

“A melhora dos níveis de confiança e o clima de otimismo para uma retomada mais forte da economia ajudaram a impulsionar a atividade varejista.

Mesmo considerando apenas uma parcela das vendas, aquelas feitas a prazo, o indicador sugere avanço das vendas do varejo ao longo do último ano”, disse a economista-chefe do SPC Brasil, Marcela Kawauti.

(Agência Brasil)

Comércio do Centro de Fortaleza registra queda de 90% nas vendas, diz CDL

Um queda da ordem de 90% nas vendas foi registrada nesta terça-feira no movimento das lojas do Centro de Fortaleza.

A estimativa é da Câmara de Dirigentes Lojistas, observando que essa foi a principal consequência da instabilidade na oferta do transporte coletivo e, principalmente, por conta do medo da população nesse clima de onda de ataques criminosos.

Em vários bairros, houve pontos comerciais que nem abriram, enquanto outros fecharam no fim da tarde. Há informações de que chefes do tráfico em alguns pontos ameaçaram comerciantes. Nos bairros do Bom Jardim e Bela Vista há relatos , feito por moradores, dessa tipo de ameaça.

(Foto – Mauri Melo)

Criminosos decretam toque de recolher na Lagoa Redonda, parte do Eusébio e Pacajus

Pontos comerciais, farmácias e postos de combustíveis fecharam as portas nesta segunda-feira (7), no bairro Lagoa Redonda, em Fortaleza, parte do município do Eusébio e centro de Pacajus.

Um posto de combustível, localizado entre a Lagoa Redonda e Eusébio teve que encerrar o atendimento, após receber o “comunicado” de criminosos.

O Blog entrou em contato com a Pague Menos da avenida Maestro Lisboa, na Lagoa Redonda, e o atendente confirmou que a farmácia estava fechada, inclusive para entregas, diante da “determinação dos criminosos”. “Todo o comércio da Maestro Lisboa está fechado”, lamentou.

(Foto: WhatsApp)

Varejo pode deixar de faturar R$ 7,6 bi por causa de feriados

Por conta dos feriados nacionais, o varejo brasileiro pode deixar de faturar R$ 7,6 bilhões em 2019. A estimativa é da Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de São Paulo (FecomércioSP).

O montante, no entanto, representa apenas 0,4% de tudo o que o varejo fatura em um ano ou representa um dia e meio do comércio completamente fechado.

Segundo a entidade, esse valor é 32% inferior ao estimado em 2018 – R$ 11,2 bilhões – porque este ano haverá menos feriados e fins de semana prolongados.

No ano passado foram 15 dias entre feriados e fins de semana prolongados. Este ano serão dez dias. Nessa conta foram desconsiderados os feriados municipais e estaduais.

O setor que deve ser mais prejudicado com os feriados este ano é o de outras atividades (combustíveis, joias e relógios e artigos de papelaria, entre outros), que pode perder R$ 3,6 bilhões em 2019, segundo a Fecomércio.

Já a atividade de supermercados pode perder R$ 1,93 bilhão; a de farmácias e perfumarias R$ 1,1 bilhão; a de vestuário, tecidos e calçados R$ 801 milhões e a de móveis e decoração, R$ 620 milhões.

(Agência Brasil)

Termômetro e medidor de pressão com mercúrio serão proibidos em 2019

A partir de 1º de janeiro de 2019, fica proibida em todo o país a fabricação, a importação e a comercialização de termômetros e de esfigmomanômetros (aparelhos para verificar a pressão arterial) que utilizam coluna de mercúrio para diagnóstico em saúde. A medida, publicada no Diário Oficial da União em março de 2017, também inclui a proibição do uso desses equipamentos em serviços de saúde, que deverão fazer o descarte adequado.

Por meio de nota, o Ministério da Saúde informou que a determinação, aprovada pela própria pasta e pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), cumpre o compromisso assumido pelo Brasil na Convenção de Minamata, que debateu os riscos do uso do mercúrio para a saúde e para o meio ambiente. A convenção, assinada pelo Brasil e por mais 140 países em 2013, tem como objetivo eliminar o uso de mercúrio em diferentes produtos.

A resolução, entretanto, não veta o uso doméstico de termômetros de mercúrio para quem que já possui o equipamento. “A população poderá continuar usando os termômetros domésticos, mas com o devido cuidado no armazenamento e na manipulação para que não ocorra a quebra do vidro”, alertou o ministério, citando que, se o produto estiver em boas condições e íntegro, não há problema à saúde.

Caso o usuário deseje se desfazer do termômetro de mercúrio, a orientação é mantê-lo provisoriamente em casa até a divulgação, pela pasta e pela Anvisa, dos pontos de recolhimento. Em caso de quebra, devem ser tomadas as seguintes precauções:

– Isolar o local e não permitir que crianças brinquem com as bolinhas de mercúrio;
– Abrir as janelas para arejar o ambiente;
– Recolher com cuidado os restos de vidro em toalha de papel ou luvas e colocar em recipiente resistente à ruptura, para evitar ferimento;
– Localizar as “bolinhas” de mercúrio e juntá-las com cuidado, utilizando um papel cartão ou similar, evitando contato da pele com o mercúrio. Recolher as gotas de mercúrio com uma seringa sem agulha. As gotas menores podem ser recolhidas com uma fita adesiva;
– Transferir o mercúrio recolhido para um recipiente de plástico duro e resistente ou vidro, colocar água até cobrir completamente o mercúrio a fim de minimizar a formação de vapores de mercúrio, e fechar o recipiente;
– Identificar/rotular o recipiente, escrevendo na parte externa “Resíduos tóxicos contendo mercúrio”;
– Não usar aspirador, pois isso vai acelerar a evaporação do mercúrio, assim como contaminar outros resíduos contidos no aspirador.

Os materiais utilizados durante o procedimento, como luvas e seringas, também deverão ser colocados em embalagens rotuladas e não devem ser descartados em lixo comum.

A proibição não se aplica a produtos para pesquisa e para calibração de instrumentos ou uso como padrão de referência. Assim, serviços de saúde que possuírem medidores de pressão ou termômetros de coluna de mercúrio utilizados como padrão de referência para calibração interna de outros equipamentos deverão identificar esses produtos com etiqueta com os dizeres: “Produto utilizado como padrão de referência para calibração”.

(Agência Brasil)

Vendas em shoppings cresceram 5,5% neste Natal

As vendas de Natal de 2018 cresceram 5,5% em relação ao ano anterior, de acordo com levantamento feito pela Associação Brasileira de Lojistas de Shopping (Alshop), feito entre 400 empresas que englobam 30 mil pontos de venda distribuídos em todo o país. O varejo deve movimentar neste período R$ 53,5 bilhões. Entre os presentes mais procurados por segmento estão moda masculina e feminina (55%), calçados (32%), perfumes e cosméticos (31%), brinquedos (30%), acessórios de moda (19%), livros (14%), celular e smartphone (12%), joias e bijuterias (9%) e eletrônicos e eletrodomésticos (6%).

Segundo o balanço da Alshop, em todo o ano o varejo de shopping cresceu 6,0%, com um faturamento de R$ 156,3 bilhões. Os segmentos que mais cresceram foram perfumaria e cosméticos (8,0%), óculos, bijuterias e assessórios (8,0%), brinquedos (8,0%), petz (7,5%) eletrodomésticos (6,0%) e celulares e smartphones (6,0%) vestuário masculino e feminino (1,6%), eletroeletrônicos (5,0%). Já o setor de calçados caiu 5,0%.

“Tivemos a partir da Black Friday um início forte das vendas de Natal e uma entrada de capital referente a 13º no valor de R$ 211 milhões . O valor, sem dúvida, serviu para acertar um pouco as dívidas, mas principalmente investir em compras. O Natal da família brasileira passa necessariamente por compra de presentes. O valor de R$ 211 milhões trouxe diferença para esse crescimento de 5,5% de um Natal para o outro”, disse o presidente da Alshop, Nabil Sahyoun.

Comércio eletrônico

O comércio eletrônico cresceu 12% mostrando que o movimento das compras para o canal digital deve continuar. Todos os anos, as categorias mais vendidas em volume de pedidos foram moda e assessórios (14,2%), cosméticos e perfumaria (12,0%), eletrodomésticos (10,8%), casa e decoração (10,5%), telefone e celular (9,2%), livros, assinaturas e revistas (8,3%), esportes e lazer (6,4%), informática (4,5%), alimentos e bebidas (4,0%), eletrônicos (3,6%).

No Natal, o faturamento das compras pela internet deve ser de R$ 9,9 bilhões, 13,5% a mais do que no mesmo período de 2017. O tíquete médio deve ser 7% mais alto, totalizando R$ 490. As vendas durante a Black Friday, que começaram em 15 de novembro e foram até 24 de dezembro, também entraram no levantamento.

“O comércio eletrônico no Brasil vem crescendo a índices altos, porque a base ainda é baixa, mas é importante dizer que ele trouxe para toda a rede de varejo uma expansão muito grande na categoria que também trouxe margem muito boa para as lojas. Isso faz com que o comércio eletrônico não canibalize a loja. Os dois crescem juntos. Mas o comércio eletrônico vem se destacando e em muitas das redes é a primeira loja em venda ou está entre as primeiras e alavanca as demais lojas”, afirmou o diretor institucional da Alshop, Luis Augusto.

Empregos

De acordo com os números da Alshop, cerca de 73 mil funcionários temporários foram convocados para o período natalino, o que representa um aumento de 4% ante 2017. Destes, o comércio varejista deve absorver 15%, o que equivale a 10,9 mil trabalhadores. O valor médio dos salários foi de R$ 1.200,00.

(Agência Brasil)

Vendas no Natal crescem 2,66% e têm melhor resultado desde 2014, aponta CNDL/SPC

A retomada da confiança do consumidor e a expectativa de retomada da economia levaram os brasileiros a presentear mais neste Natal. É o que revelam a Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL) e do Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil). Dados coletados em pesquisa,  mostram que as consultas para vendas a prazo nos 21 dias anteriores ao Natal (entre 04 e 24 de dezembro) — data comemorativa mais lucrativa para o varejo —, cresceram 2,66% na comparação com o mesmo período de 2017.

Este é o segundo ano consecutivo de alta. Nos últimos anos, as vendas a prazo no Natal tiveram o seguinte desempenho: +2,13% (2017), -2,29% (2016), -4,16% (2015), -8,3% (2014), +3,62 (2013) e +3,90% (2012).

De acordo com um levantamento da CNDL e do SPC Brasil, o gasto médio do brasileiro com o total de presentes de Natal foi estimado em R$ 115,9. A previsão era de que a data movimentasse cerca de R$ 53,5 bilhões na economia.