Blog do Eliomar

Categorias para Doenças

Alertas sobre a febre amarela

Editorial do O POVO deste domingo (4) aponta que macacos não transmitem a doença. Pelo contrário, são uma espécie de “sentinelas da epidemia”. Portanto, não devem ser caçados. Confira:

Felizmente o Ceará está fora das áreas de risco da febre amarela. Porém, mesmo não havendo risco iminente, esclarecimentos são importantes para prevenir o avanço da epidemia em regiões ainda livres da doença.

Uma das recomendações é sobre a vacina, desnecessária para as pessoas fora da área de risco. Nesse caso, a vacina é aconselhada apenas para quem fará viagem para as áreas infectadas no País, e obrigatória para deslocamentos internacionais a países que exigem a imunização. Fora desses casos, médicos desaconselham a vacina, devido às reações que provocam no organismo.

Outro alerta é que macacos não transmitem a doença. Pelo contrário, são uma espécie de “sentinelas da epidemia”, ensinam os epidemiologistas. O aviso é importante pois, desde que começou o surto, macacos passaram a ser vistos, equivocadamente, como transmissores da doença, provocando verdadeiras caçadas aos animais.

A morte de primatas pela infecção é o indicador da presença de mosquitos transmissores naquela região, o que possibilita que as autoridades sanitárias tomem providência para proteger a população. Ao ser picado, o primata carrega o vírus, com capacidade para infectar outros mosquitos por três dias.

Nesse tempo, ele já terá anticorpos para combater o vírus, não mais transmitindo a doença. E, em cerca de dez dias estará curado ou morto – sem perigo de transmissão.

Outro problema, caso os macacos sejam caçados e mortos, é que a redução do número de animais fará com que o mosquito passe a procurar alimento picando os humanos. Portanto, a preservação do primata tem várias vantagens e matá-lo trará apenas mais problemas. Se alguém encontrar um animal morto deve comunicar imediatamente às instituições de saúde pública. A análise pelos pesquisadores vai indicar se há mosquitos infectados com o vírus nas proximidades

Evite também dar crédito a mensagens alarmantes das redes sociais. Para se informar adequadamente procure na internet entidades reconhecidas de saúde pública.