Blog do Eliomar

Categorias para Ecologia e Meio Ambiente

Sebrae promove a Feira Integrada de Oportunidades do Maciço de Baturité

Evento foi dos mais concorridos em 2017.

O Sebrae vai promover, de quinta-feira a sábado, em Baturité, a FIO 2018. O evento tem como foco a geração de oportunidades e a realização de negócios para os empreendedores do Maciço, principalmente nas áreas do turismo, economia criativa e agronegócio. Aberto ao público em geral, contará com programação especial com seminários, palestras, oficinas de capacitação, exposição de produtos e serviços e apresentações culturais.

Nesta edição, um dos destaques é o lançamento do Programa Caminhos do Maciço, desenvolvido pelo Sebrae, juntamente com as administrações municipais e empreendedores da Serra de Baturité. O ato ocorrerá nesta quinta-feira, às 20 horas, no auditório do Paço Municipal da Prefeitura de Baturité. De acordo com a articuladora do Sebrae na rRgião do Maciço, Fabiana Gizele, o novo programa é um desdobramento do trabalho iniciado em 2015, com a Rota Verde do Café e tem como foco o desenvolvimento integrado e sustentável do território, a partir de um extenso programa de qualificação profissional e orientação técnica.

Economia Criativa

Um dos focos estratégicos da FIO 2018, a economia criativa terá um papel de destaque com a realização do Salão do Artesanato. De acordo com Fabiana, o espaço foi pensado para apresentar ao público um pouco do resultado do trabalho desenvolvido pelos grupos de artesãos do Maciço, que com o apoio do Sebrae, estão promovendo um resgate desta atividade e ainda agregando valor a cultura local, sem deixar de lado os princípios da sustentabilidade, como a utilização de matéria-prima renovável e local e o reuso de materiais. Já no palco Ritmos e Danças, durante os três dias de evento, grupos musicais e artísticos da região estarão se apresentando para o público da feira.

Agronegócio e o Selo

A produção agrícola do Maciço, que é reconhecida em todo o estado, também terá espaço na programação da FIO 2018, em especial os produtores da agricultura familiar, que são os responsáveis pela permanência do cinturão verde da Serra de Baturité, da qualidade da água e de solos ricos em nutrientes. Segundo Fabiana, o Sebrae apoia estes produtores por compreender a importância que eles desempenham para a economia e também para a manutenção do ecossistema do Maciço.

Como parte da programação do evento, será promovido, no dia 29, o lançamento do Selo Sebrae de Sustentabilidade. “O Selo é uma ferramenta de estimulo para alcançar altos níveis de práticas sustentáveis. Ele também busca reforçar os princípios do Tripé da Sustentabilidade, ou Triple Bottom Line, formado pelos pilares de People, Planet e Profit (recursos humanos, recursos naturais e lucratividade)”. De acordo com Fabiana, o Selo funcionará como um termómetro para as micro e pequenas empresas da região, podendo indicar o percentual de adoção de tais medidas.

SERVIÇO

*Hora: Das 17 às 23 horas
*Praça dos Legisladores em Baturité

*Mais informações – (85) 99981-4540 ou no site: www.fiomacico.ce.sebrae.br

(Foto – Divulgação)

Edital para dessalinizadores deve sair até dezembro, promete a Cagece

O edital para a construção da usina de dessalinização do Ceará deve sair até dezembro. A promessa é feita pelo presidente da Companhia de Água e Esgoto do Ceará (Cagece), Neuri Freitas.

O assunto, inclusive, foi discutido nesta semana com Paulo Henrique Lustosa, secretário das Cidades. A ordem é que a obra fique pronta até 2022.

(Foto – O POVO)

Ibama expõe sobre gestão em evento da Adece

O superintendente estadual do Ibama, Herbert Lobo, foi um dos convidados, nesta terça-feira, da 26ª Reunião da Câmara Setorial Química, realizada na sede da Agência de Desenvolvimento Econômico do Estado do Ceará (Adece).

Com o tema: “O Desafio de liderar mudanças na Administração Pública”, Herbert falou sobre sua gestão no Ibama, abordando pontos como a construção de planejamento estratégico, capacitação dos servidores, racionalidade dos gastos da instituição e a importância do órgão para o desenvolvimento econômico do Estado.

(Foto – Divulgação)

Parque do Cocó vira uma “Biblioteca virtual”

Da Coluna Eliomar de Lima, no O POVO deste sábado (8):

Uma boa-nova na área ambiental cearense. Será lançado no próximo dia 21, no Parque Estadual do Cocó, o ECOMAPSS. Trata-se de um aplicativo de mapeamento ambiental por meio do qual será possível qualquer cidadão conhecer a flora e a fauna desse equipamento da Secretaria do Meio Ambiente do Estado. O aplicativo traz outro detalhe: acessibilidade para deficientes visuais, pois traz recursos também em braile.

No dia do lançamento, haverá uma visita de grupo do Instituto dos Cegos para testar o app. Cada um dos pontos mapeados do Cocó recebeu uma placa de identificação com um QR Code que pode ser escaneado com a câmera do celular.

Dessa forma, por meio do ECOMAPSS, o usuário pode saber o nome, a origem, história e curiosidades acerca das espécies florísticas da unidade de conservação. É só baixar o aplicativo disponível para download no Google Play/ Play Store – funciona offline – e apontar o celular para o código impresso na placa para ter acesso aos dados.

Detalhe: o app foi desenvolvido por professores e alunos do IFCE de Juazeiro do Norte e será implantado em todos os parques geridos pela Sema.

Audiência pública discute nesta quarta-feira a requalificação do viaduto da Mister Hull

177 1

Nesta quarta-feira (29), a partir das 19 horas, no Colégio Afonso Andrade, haverá uma audiência pública da Câmara Municipal de Fortaleza com a comunidade do Antônio Bezerra para discutir o projeto do vereador Acrísio Sena (PT) de requalificação dos espaços sob os viadutos.

“Há vários espaços subutilizados, que podem funcionar como centros de convivência das comunidades do entorno, com função de entretenimento, cultural, esportiva, social ou de lazer, adequada às condições específicas de cada equipamento”, explicou o parlamentar.

Pelo projeto, o município de Fortaleza entraria com a manutenção do ajardinamento do espaço, implantação de mobiliário urbano e adequação às atividades.

SERVIÇO

Colégio Afonso Andrade

Av. Cel. Matos Dourado, 168

(Foto: Arquivo)

Governo cria unidade de preservação do periquito-da-cara-suja

301 1

O Ceará ganhará uma nova Unidade de Preservação Ambiental.

Segundo o secretário estadual do Meio Ambiente e Sustentabilidade, Artur Bruno, é o Refúgio da Vida Silvestre do Periquito-da-Cara-Suja. O decreto criando essa unidade já saiu, inclusive, publicado no Diário Oficial do Estado.

Conforme Bruno, trata-se de uma área de 39 hectares situadas no município de Baturité, que será repassada pela Embrapa para o Estado.  A ordem é preservar essa ave sob ameaça de extinção no Maciço.

(Foto – Divulgação)

Mobilidade urbana – Roberto Cláudio é convidado para Congresso Mundial de Saúde Pública na Tailândia

A mobilidade urbana como fator de melhoria na qualidade de vida das populações e promoção à saúde. Esse é o tema do Congresso Mundial de Saúde Pública, que será realizado no final deste ano, na Tailândia, no sudeste asiático, em uma promoção da Organização Mundial da Saúde (OMS).

Diante dos investimentos em mobilidade urbana, ciclovias e ciclofaixas em Fortaleza, o prefeito Roberto Cláudio foi convidado a participar do congresso.

A informação é da secretária de Assuntos Internacionais da Prefeitura de Fortaleza, Patrícia Macedo, que aponta que ” a mobilidade Urbana não só facilitar a vida das pessoas no ir e vir ou de promover o melhor transporte público, mas também de melhorar a qualidade de vida das pessoas e promover a saúde, diante de ações que levem a menores índices de poluição, atualmente um fator muito grande de de doenças”.

(Foto: Arquivo)

Roberto Cláudio inaugura 47º Ecoponto de Fortaleza

O prefeito Roberto Cláudio inaugurou, nesse sábado (18), no bairro João XXIII, o 47º Ecoponto de Fortaleza. O equipamento é o quarto similar implantado na Regional III e reforça a política voltada à gestão responsável de resíduos sólidos na Capital.

A partir da troca de materiais recicláveis por vantagens do programa Recicla Fortaleza, a população obtém desconto na conta de energia e crédito no Bilhete Único.

“Com essa política, a Prefeitura busca transformar resíduos descartáveis em oportunidades. Um Ecoponto como este, após inaugurado, acaba com os lixões em um raio de 300 metros, em média. Desta forma, a partir do engajamento da comunidade, é possível promover mais limpeza, garantir mais saúde e transformar o lixo em renda para a população”, ressaltou Roberto Cláudio, ao acrescentar que, até o final deste ano, 13 novos equipamentos similares serão implantados.

Até o fim de 2020, a expectativa da Prefeitura é de que Fortaleza conte com 120 Ecopontos, estrategicamente distribuídos por todas as Regionais, contemplando todos os bairros de Fortaleza.

O Ecoponto oferece estrutura adequada ao descarte de pequenas proporções de entulho, restos de poda, móveis e estofados velhos, além de óleo de cozinha, papelão, plásticos, vidros e metais. O funcionamento é de segunda-feira a sábado, das 8h às 12h e das 14h às 17h.

(Com informações da Assessoria de Comunicação da Prefeitura de Fortaleza / Foto: Divulgação)

Cinturão das Águas recebe R$ 14 milhões do governo federal

Entra na conta do governo estadual, nesta semana, um total de R$ 14 milhões. É dinheiro para acelerar em trechos do Cinturão das Águas, o projeto por onde a transposição chegará ao Ceará via Jati, na Região do Cariri.

O secretário dos Recursos Hídricos do Estado, Francisco Teixeira, acertou a libertação na última semana, quando foi recebido no Ministério da Integração Nacional.

São cinco etapas do projeto, dos quais a quarta etapa registra pouca celeridade.

(Foto – ALCE)

Roberto Cláudio assina ordem de serviço para obras de urbanização da lagoa da Parangaba

O prefeito Roberto Cláudio assina, durante coletiva de imprensa, nesta segunda-feira (6), às 9h, em frente ao supermercado Super Lagoa da Parangaba, a ordem de serviço para início das obras de mobilidade e requalificação urbana da Lagoa da Parangaba.

A obra prevê uma série de melhorias urbanísticas no entorno da lagoa. As intervenções previstas na região incluem a urbanização de 60,7 mil metros quadrados, que corresponde a toda área existente às margens da lagoa, situada entre a avenida Américo Barreira, rua Gomes Brasil, rua Caio Prado, rua Pedro Muniz e avenida Carneiro Mendonça.

O projeto prevê ainda construção de novas calçadas, ciclofaixa, mini areninha, pista de cooper, reordenamento da feira, paisagismo com o plantio de árvores e criação de jardins, além de serviços de pavimentação, instalação de nova iluminação e substituição de pisos.

Orçadas em aproximadamente R$ 4,3 milhões, as obras terão duração de oito meses, sendo divididas por regiões.

(Com informações da Assessoria de Comunicação da Prefeitura de Fortaleza / Foto: Arquivo)

Cagece realiza serviços de recuperação dos filtros da ETA Gavião

A Cagece realiza serviços de recuperação em 16 filtros da estação de tratamento de água Gavião, que responde pelo abastecimento do sistema integrado de Fortaleza e Região Metropolitana. A informação é da assessoria de imprensa da companhia.

Os equipamentos são responsáveis pela etapa de filtração no tratamento de água, que é uma das mais importantes etapas do processo. Com o serviço de recuperação, o processo ganha ainda mais eficiência, principalmente no que se refere à necessidade de lavagem dos filtros em um maior intervalo de tempo, o que resulta em economia de água.

Para a execução dos serviços, que devem ser concluídos nos próximos oito meses, estão sendo investidos R$ 950 mil.

(Foto – Divulgação)

Já ouviu falar em Política Nacional dos Resíduos Sólidos?

Com o título “Guerra do lixo”, eis artigo de Germana Belchior, professora universitária e doutora em Direito. Aborda a Política Nacional dos Resíduos Sólidos. Confira:

A Lei nº 12.305/2010, que instituiu a Política Nacional dos Resíduos Sólidos, ao estabelecer várias obrigações aos responsáveis direta ou indiretamente, pela geração de resíduos, tais como a logística reversa e a responsabilidade compartilhada pelo ciclo de vida do produto, proporcionou a criação de uma série de atividades econômicas. A cadeia produtiva se transforma, com a presença de novos agentes econômicos, o que acaba refletindo na tributação dessas atividades.

É por isso que a utilização de incentivos fiscais, instrumento econômico assegurado no art. 8º, inciso IX, desta lei, é importante para estimular as atividades econômicas que surgem com as obrigações impostas pela própria legislação, motivo pelo qual o conteúdo dos referidos incentivos deve ser o mais amplo possível, desde que tenham um prazo estabelecido.

Esses incentivos, que não são puramente ambientais, devem ser aliados a condicionantes e contrapartidas ao contribuinte/ empreendedor, tais como a validade da licença ambiental da atividade, alvarás e outros atos do Poder Público oriundos de seu poder de polícia, rotulagem para o consumo sustentável, o cumprimento de regras trabalhistas, inclusão social do entorno, dentre outros critérios, sob pena de esvaziar a lógica do incentivo.

Muitos desenhos produtivos, oriundos da sociedade pós-industrial e de consumo, ainda estão sem respaldo da legislação tributária, enquanto outros ainda vão surgir, o que demanda uma nova perspectiva dos Fiscos. É bem verdade que os auditores e técnicos fazendários não têm obrigação de conhecer todas as peculiaridades da legislação ambiental, por isso que o diálogo intersetorial se faz essencial.

Além disso, como a tributação que incide sobre a cadeia de resíduos sólidos é predominantemente sobre o consumo, é importante que o tema seja discutido no âmbito do Confaz, a fim de que seja harmonizada a legislação desses incentivos fiscais. A guerra fiscal passa a ganhar uma nova roupagem, devido ao emergente mercado de resíduos, podendo desencadear numa “guerra do lixo”.

*Germana Belchior

germana_belchior@yahoo.com.br

Servidora pública, professora universitária e doutora em Direito.

Praça do Pajeú será adotada nesta segunda-feira pela CDL-Fortaleza

291 1

O prefeito, Roberto Cláudio assina, nesta segunda-feira (16), às 08h, a primeira renovação de convênio do Programa Municipal de Adoção de Praças e Áreas Verdes de Fortaleza. Ele estará acompanhado da secretária de Urbanismo e Meio Ambiente, Águeda Muniz.

O equipamento público beneficiado com a continuidade da parceria, que tem validade de cinco anos, será a Praça do Pajeú, adotada oficialmente em 2013, pela Câmara dos Dirigentes Lojistas (CDL). Há cinco anos, a instituição se tornou colaboradora no trabalho de manutenção do espaço de lazer no Centro da cidade.

A Praça do Pajeú fica localizada entre a Avenida Dom Manuel e a Rua 25 de Março, área da Regional Centro. O equipamento, que é cortado pelo Riacho Pajeú, possui 15 mil metros quadrados e conta com mobiliário urbano, iluminação branca, paisagismo, lixeiras e ampla área de convivência.

“É gratificante vermos a continuidade de parcerias, entre o poder público e a iniciativa privada, que visam exclusivamente qualificar a cidade e transformá-la em um local melhor para seus moradores. Que parcerias como essa, com a CDL, aplicada na Praça Pajeú, sirva de exemplo e possa fomentar o voluntariado e o sentimento de pertença nos diversos segmentos da sociedade civil”, afirma o prefeito Roberto Cláudio.

A assinatura do convênio de renovação da adoção da Praça Pajeú ocorrerá durante a realização do Fórum do Centro, que visa elaborar um plano de ação para o bairro Centro, com o objetivo de assegurar a revitalização da área, com execução de curto prazo e norteada pelos eixos de Habitação, Ordenamento do comércio informal e Segurança, Turismo e Cultura, Infraestrutura e Mobilidade, Política de apoio a moradores de rua e Fiscalização.

Para a secretária de Urbanismo e Meio Ambiente, Águeda Muniz, “essa ação conjugada em defesa do interesse coletivo soma os esforços do poder público e da sociedade, como sempre defende o prefeito Roberto Cláudio, é decisivo para o sucesso de nossas políticas públicas. Aqui em Fortaleza, Prefeitura e sociedade estão engajados e comprometidos, garantindo ganhos efetivos para a cidade com o programa de adoção de praças e áreas verdes”, afirma a secretária Águeda Muniz.

(Com informações da Assessoria de Comunicação da Prefeitura de Fortaleza)

Parque Adahil Barreto será entregue à população na próxima semana

A inauguração da requalificação do Parque Adahil Barreto, agora integrada ao Parque Estadual do Cocó, está marcada para as 15 horas da próxima terça-feira. O espaço de 10 hectares recebeu intervenções por meio de um projeto que contemplou a construção de uma via interna, quadras poliesportivas, cisternas, gramado com sistema de irrigação e novos espaços de lazer e diversão.

Segundo o secretário estadual do Meio Ambiente, Artur Bruno, houve revitalização dos parquinhos. O local ganhará ainda uma academia de ginástica, teve aumentada a área para caminhadas e corridas e ainda contará com um campo de futebol, além da recuperação de um olho d’água que permitirá a contemplação de peixes e o plantio de mudas de espécies nativas.

“Este é o primeiro trecho inaugurado, após a regulamentação e criação definitiva do Parque do Cocó pelo governador Camilo Santana, um ano atrás. É uma área emblemática, um marco do histórico de luta pela preservação ambiental na nossa cidade. Foi em 1977, no então Parque Adail Barreto, onde se demarcou uma posição dos ambientalistas do Estado do Ceará pela criação do Parque”, lembra o secretário.

Jijoca reage contra concessão do Parque Nacional de Jericoacoara

284 1

O prefeito de Jijoca de Jericoacoara, Lindbergh Martins, disse nesta semana que a população do município localizado no Litoral Oeste do Ceará, a 287 quilômetros de Fortaleza, é contra a concessão do Parque Nacional de Jericoacoara, diante da proposta apresentada pelo Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio).

Em reunião com o secretário de Turismo do Ceará, Arialdo Pinho, e com os deputados Sérgio Aguiar e João Jaime, Lindbergh Martins haverá mais taxa a ser cobrada dos turistas, mas que somente 10% dos recursos arrecadados seriam destinados à manutenção do Parque Nacional.

O município já cobra a Taxa de Turismo Sustentável(TTS), cuja arrecadação é revertida para a Vila de Jericoacoara (70%) e para a infraestrutura da sede de Jijoca (30%).

(Foto: Divulgação)

Uma economia que prioriza aerogeradores em belas paisagens turísticas

Com o título “Ceará; A Energia que apagou a cidadania”, eis artigo de Allan Aguiar, ex-secretário estadual do Turismo e ex-superintendente estadual da Caixa Econômica Federal. Ele faz críticas à política que prioriza energia eólica, quando o turismo deveria ser a vocação prioritária 

O Ceará deu um enorme tiro no próprio pé da sua economia. A histórica e aguda falta de planejamento das vocações econômicas do nosso Estado, a qual pautou o improviso na definição das políticas públicas indutoras de investimentos privados, só conseguiu produzir, até agora, um dos Estados com a população mais pobre da federação e com indicadores sociais de fazer corar qualquer cearense informado e isento.

O surrado modelo de desenvolvimento econômico do Estado está muito mais influenciado pelos modelos mentais vigentes naqueles que definem as dinâmicas governantes que em estudos mais aprofundados, análises de viabilidade e exame dos efetivos impactos-benefícios sociais. Os “planejadores” negligenciaram o ordenamento dessas vocações e terminaram por sentenciar parcela expressiva da nossa população a uma inocente indigência econômica.

Talvez a maior barbeiragem do Ceará foi deixar rolar o desordenamento econômico e ecológico de seus 573 quilômetros de costa, em cujos municípios vive quase a metade da sua população, considerando a RMF. Uma ambientalmente sadia vocação econômica que é a Geração de Energia terminou por melar outra infinitamente mais benéfica e inclusiva, que é o Turismo. Esse paliteiro de aerogeradores situados nas nossas praias são invocados por alguns dinossauros como um feito relevante a explicitar a pujança e vanguardismo do Ceará. Quanta bobagem e falta de visão!

Cada torre eólica dessas nas praias é uma sentença de pobreza eterna para as comunidades locais, muitas das quais compostas de artesanais pescadores que sofrem para retirar do mar o sustento dos seus. Esses homens, que estão em extinção, possuem as menores taxas de expectativas de vida dentre as demais atividades econômicas.

No Turismo, cada quarto de hotel gera um emprego direto e 1,5 indiretos e movimenta a mais extensa cadeia produtiva que é a do mundo das viagens. Já esses parques eólicos geram dois ou três subempregos de gente que vai arrancar o mato do pé das torres e vigiar o terreno. Nem tributos municipais e Estaduais geram. Quantos Resorts, nestes últimos anos, evitaram o litoral cearense cuja beleza plástica foi golpeada por esses monstrengos que deveriam estar no topo dos Maciços interioranos?

Como cantou Ney Matogrosso, “os ventos do Norte não movem moinhos…e o que nos resta é só o gemido”….

*Allan Aguiar,

Ex-secretário do Turismo do Ceará e ex-superintendente estadual da Caixa Econômica Federal.

Festival Vida & Arte abre nesta quinta-feira com lançamento do Anuário do Ceará 2018-2019

Com as presenças do governador Camilo Santana (PT) e do prefeito de Fortaleza, Roberto Cláudio (PDT), e outras lideranças dos meios político e empresarial, será lançado nesta quinta-feira, às 20 horas, no Centro de Eventos, o Anuário do Ceará 2018-2019. O ato coincidirá com a abertura do Festival Vida&Arte, o maior evento multicultural do País, que se estenderá nesse local até domingo, com mais de 500 atrações. Luciana Dummar, presidente do Grupo de Comunicação O POVO, comandará a solenidade.

O Anuário do Ceará 2018-2019 apresenta em 11 capítulos informações econômicas, políticas, sociais, geográficas e culturais do Estado. Nesta edição, são destaques os 90 anos do Grupo de Comunicação O POVO (GCOP) e o Índice Comparativo de Gestão Municipal (ICGM), elaborado pelo Instituto de Pesquisa e Estratégia Econômica do Ceará (Ipece). O ICGM Anuário-Ipece faz o ranking das 184 gestões municipais do Estado.

Com mais de 140 anos de existência, Anuário do Ceará é a mais antiga publicação do Estado em circulação. A edição 2002 marcou a completa reformulação editorial e gráfica do livro, até o ano passado sob o comando do jornalista Fábio Campos.

Neste período de 2018-2019, passou a ter à frente o jornalista Jocélio Leal, enquanto editor-geral, e Joelma Leal como editora-executiva. Jocélio destaca o lançamento do ICGM como um marco para as gestões públicas do Ceará. Para ele, ao estabelecer critérios técnicos elaborados pelo Ipece, o Anuário inaugura uma nova Era na avaliação.

Fortaleza ganhará o Novo Parque Adahil Barreto

1314 1

Será reinaugurado, no fim deste mês de junho, o Parque Adahil Barreto, hoje sob tutela do Governo e integrado ao Parque Estadual do Cocó. A informação é do secretário estadual do Meio Ambiente, Artur Bruno.

Entre novidades, segundo Bruno, gramado com irrigação, quadra poliesportiva, campo de futebol e área de lazer e piquenique. O investimento ali foi da ordem de R$ 800 mil.

O ato de reinauguração, que faz parte do programa Juntos por Fortaleza, terá as presenças do governador Camilo Santana (PT) e do prefeito Roberto Cláudio (PT), além de colaboradores como C.Rolim, Marquise, Sesc, Unimed Ceará e Unimed Fortaleza.

(Foto – Arquivo)

É possível que em 2030 a obra da transposição tenha se transformado em ferro velho?

Com o título “O que esperar da gestão das águas em 2030?”, eis artigo do professor Jerson Kelman, da COPPE/UFRJ. Ele fala sobre novas energias que virão e coloca em xeque o futuro até da transposição das águas do rio São Francisco. Confira:

Hoje adotamos tecnologia de saneamento parecida com a empregada no início do século XX. Para afastar um pequeno volume de excrementos, utilizamos uma enorme quantidade de água, liberada pela descarga dos vasos sanitários. A carga poluidora, inicialmente concentrada, se dilui num volume muitas vezes maior e se transforma em esgoto. Gasta-se uma enorme quantidade de energia com as bombas que impulsionam o esgoto até uma estação de tratamento. Lá, mais energia é utilizada para concentrar novamente a carga poluidora num pequeno volume, na forma de lodo.

Há muita pesquisa sendo feita para descobrir uma maneira aceitável de neutralizar in situ a carga poluidora dos excrementos, o que resultaria em grande economia de água e energia. Porém, não há como prever se e quando ocorrerá a grande descoberta que mudará tudo.

Talvez a mudança mais significativa no setor de águas decorra da redução do custo de dessalinização da água do mar, por efeito da contínua diminuição do custo de produção de energia por fonte eólica e solar. Possivelmente em 2030 muitas cidades do litoral nordestino, inclusive Fortaleza, seguirão o exemplo de Israel, que atualmente abastece a maior parte de sua população com água captada no mar.

Isso não significa que se jogou dinheiro fora construindo a “transposição do São Francisco”. É verdade que a obra poderia ter sido menor se, antes de qualquer coisa, se dimensionasse a demanda de água com base em compromissos firmes de compartilhamento do custo de operação e manutenção.

Agora não adianta reclamar e sim achar um arranjo comercial e institucional que evite que a obra, que custou ao povo brasileiro cerca de 10 bilhões de reais, tenha vida efêmera por falta de correta operação e manutenção.

A história de nossa administração pública mostra que se a entidade responsável pela infraestrutura não tiver suficiente fonte própria de recursos financeiros e depender de repasses do Governo Federal, como é o caso da Codevasf, é possível que em 2030 a obra da transposição esteja inoperante, transformada em ferro velho.

*Jerson Kelman

jerson@kelman.com.br

Professor da COPPE-UFRJ