Blog do Eliomar

Categorias para Economia

Dólar fecha o dia cotado a R$ 4,14

O dólar fechou hoje (12) em queda de 0,21%, cotado a R$ 4,1455 na venda, invertendo uma tendência de alta no fechamento de ontem, quando a moeda norte-americana terminou o dia acima de R$ 4,15. O Banco Central manteve a política tradicional de swaps cambial, sem efetuar leilões extraordinários de venda futura da moeda.

O índice B3, da Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa), encerrou o pregão em alta de 0,63%, com 75.124 pontos, também invertendo a baixa no fechamento de ontem. As ações de empresas de grande porte puxaram a alta, com Petrobras valorizadas em 2,43%, Vale 1,64% e Eletrobras com alta de 4,73%.

(Agência Brasil)

O Brasil que eu quero…

Com o título “O Brasil que eu quero”, eis artigo de Joaquim Cartaxo, arquiteto urbanista e superintendente estadual do Sebrae. Ele abora a crise e a expectativa de que tudo só se resolve quando acabar a Era Temer. Confira:

Cotidianamente, vemos nas mídias impressas ou digitais manifestações de analistas especializados ou comuns de que o Brasil vive uma crise sem precedentes na sua história. Crise econômica, social, ambiental, política com responsáveis por ela das mais diversas natureza e porte, a partir da visão de mundo de cada um.

Fato. O atual Governo Federal não reúne as condições políticas e sociais para enfrentar os desafios e dificuldades dessa crise, pois é resultante de um golpe liderado pelas forças políticas inconformadas por haverem perdido as eleições de 2014. Portanto, sem legitimidade popular. O que se vê é o aprofundamento da crise, que se expressa no aumento vertiginoso do desemprego e no desmantelamento do estado mínimo de bem-estar social construído no Brasil nas últimas décadas.

Essa ilegitimidade do Governo Federal produziu, na campanha eleitoral de 2018, a proliferação de candidaturas que apresentam propostas para enfrentar a crise em que o País está imerso, desde as de caráter complexo até àquelas risíveis, como resolver os problemas no Brasil procurando soluções em um posto de gasolina, combinadas ao armamento da população para resolver a violência.

Para resolver os problemas do Brasil com radicalidade é preciso compreender o País com radicalidade; entender que a sociedade brasileira positivamente é um multiverso cultural, que por outro lado também é uma sociedade historicamente marcada pela desigualdade entre pessoas e regiões. Em 2017, por exemplo, os 10% mais ricos dos brasileiros detinham 43,3% da renda total do País, enquanto os 10% mais pobres detinham apenas 0,7%.

Utilizar nossa diversidade para erradicar essa desigualdade deve ser a prioridade estratégica de um projeto para o Brasil. Mas, no curto prazo é preciso um plano emergencial que combata a perversidade do desemprego, investindo no empreendedorismo, valorizando o salário mínimo, retomando um programa de obras e intensificando o acesso ao crédito e a transferência de renda, como o Bolsa Família que na prática é um importante instrumento de desenvolvimento local.

*Joaquim Cartaxo

cartaxojoaquim@bol.com.br

Arquiteto e urbanista e superintendente estadual do Sebrae.

Governo vai criar banco de horas e sobreaviso para servidores públicos

O governo federal vai estabelecer banco de horas e normatizar a utilização do sobreaviso para servidores públicos federais. A medida vale para mais de 200 órgãos e entidades – incluindo empresas estatais, autarquias, fundações e empresas de economia mista – e tem por objetivo aumentar a eficiência no serviço público. O Ministério do Planejamento, Desenvolvimento e Gestão deve publicar ainda esta semana uma instrução normativa estabelecendo os critérios e procedimentos em relação à jornada de trabalho dos servidores.

A adoção do banco de horas será feita pelos dirigentes dos órgão e entidades, caso seja do interesse da administração federal. As horas extras para o banco deverão ser autorizadas pela chefia, para a execução de tarefas, projetos e programas de relevância para o serviço público. Por meio de um sistema eletrônico de frequência, as horas excedentes, além da jornada regular do servidor, serão computadas como crédito e as horas não trabalhadas, como débito.

A instrução normativa também trará orientações para a utilização do sobreaviso, ou seja, o período em que o servidor público permanece à disposição do órgão aguardando chamado para ir trabalhar. O servidor deve permanecer em regime de prontidão, ainda que durante seus períodos de descanso, fora de seu horário e local de trabalho.

Nesses casos, somente as horas efetivamente trabalhadas poderão ser contabilizadas no banco de horas. Para utilização desse regime, o ministério vai recomendar que os órgãos estabeleçam as escalas de sobreaviso com antecedência.

Para otimizar a força de trabalho no serviço público, em julho, o governo federal também criou o Banco de Talentos, uma plataforma digital para facilitar a realocação de servidores e empregados públicos entre órgãos federais. Agora, cabe ao próprio ministério o poder de gerenciar e autorizar os processos de transferência de funcionários.

Isso também permite ao ministério centralizar operações de concessões e pagamentos de aposentadorias e pensões. Decreto publicado ontem (11) no Diário Oficial da União normatiza essa gestão. O processo de centralização será iniciado ainda este ano nos ministérios das Relações Exteriores, da Cultura, do Esporte, da Integração Nacional, da Transparência e Controladoria-Geral da União, além da Imprensa Nacional, ligada à Casa Civil da Presidência da República.

De acordo com o Ministério do Planejamento, atualmente, os processos de aposentadorias e pensões são realizados por aproximadamente 1,1 mil unidades de pagamento descentralizadas em todos os órgãos federais, onde cerca de 20 mil servidores executam atividades de gestão de pessoas voltadas tanto para os servidores ativos quanto para os inativos. A centralização das atividades pode resultar na realocação de cerca de 10 mil servidores para as áreas finalísticas dos órgãos.

(Agência Brasil)

Preço da gasolina nas refinarias da Petrobras sobe 1,02% a partir desta quinta-feira

A Petrobras anunciou hoje (12) aumento de 1,02% no preço do combustível comercializado em suas refinarias. Isso depois de uma semana sem reajustes no preço da gasolina.

A partir de amanhã (13), o litro da gasolina passará a custar R$ 2,2294, dois centavos a mais do que os R$ 2,2069 cobrados desde 5 de setembro.

No mês, o litro do combustível já subiu nove centavos, ou seja, 4,3% a mais do que custava no fim de agosto (R$ 2,1375).

(Agência Brasil)

CDL Jovem conhece avanços tecnológicos e de gestão de grandes grupos empresariais do País

Um grupo formado por 27 membros da CDL Jovem de Fortaleza conhece, em São Paulo, como operam a Globo, Google, Arezzo e a área de tecnologia de Magazine Luíza.

Segundo Tiago Façanha, um dos diretores, o objetivo é ver de perto avanços no plano não só tecnológico, mas também de gestão.

A visita vai se estender até sábado.

(Foto – Paulo MOska)

Dólar abre em queda de 0,30% e cotado a R$ 4,1419

A cotação da moeda norte-americana abriu o pregão de hoje (12) em queda de 0,30%, cotada a R$ 4,1419 para venda depois de ultrapassar ontem (11) a barreira de R$ 4,15, com uma alta de 1,48%. O Banco Central mantém sua política tradicional de oferta de swaps cambial, sem anunciar leilões extraordinários de venda futura da moeda.

O Ibovespa, índice da B3, começou o dia revertendo a tendência de baixa de ontem (11), registrando alta de 0,6% na abertura do pregão com 75.105 pontos.

As ações das grandes companhias, chamadas de blue chip, apresentam valorização como os papéis da Petrobras em alta de 1,78%, Itau com 0,96% e Eletrobras subindo 3,44%.

(Agência Brasil)

Trabalhadores da gestora do Porto do Pecém fazem mobilização por melhores salários

(ATUALIZAÇÃO – 10h03min)

Trabalhadores da Companhia de Desenvolvimento do Complexo Industrial e Portuário do Pecém (CIPP/S.A), antiga Cearáportos, e CIPP/S.A, realizam manifestação nesta quarta-feira (12). Sem diálogo, eles dizem que a mobilização ocorre como forma de repúdio ao tratamento recebido pela direção da empresa.

A categoria tenta negociar o fechamento do Acordo Coletivo de Trabalho 2018 (ACT), mas a diretoria ainda não sentou à mesa para discutir as propostas. De acordo com os trabalhadores, vários ofícios foram entregues em busca de diálogo com a direção, no entanto todos sem retorno.

Os trabalhadores afirmam que nas últimas negociações, a empresa tem feito apenas o repasse da inflação anual, além de demonstrar dificuldade em discutir novas cláusulas. A empresa, dizem eles, quer adequar o ACT 2018 a nova Lei Trabalhista ferindo os acordos anteriores.

Outro lado

O Complexo Industrial e Portuário do Pecém (CIPP/S.A) informa para o Blog que vem cumprindo uma agenda de negociações com a entidade laboral sobre o Acordo Coletivo de Trabalho 2018 (ACT).

“Neste ano já foram realizadas 05 reuniões mediadas pela Superintendência Regional do Trabalho e Emprego, na qual foi fechado acordo sobre o reajuste salarial da classe. O CIPP está aberto ao diálogo e reafirma seu compromisso e respeito aos trabalhadores. As reuniões de negociação aconteceram nos dias: 08 de maio, 10 de maio, 07 de junho, 05 de julho e 02 de agosto de 2018”, disse.

Deusmar Queirós consegue habeas corpus no TRF-5ª Região

O empresário Deusmar Queirós teve pedido de Habeas Corpus (HC) concedido na noite dessa terça-feira, 11. O desembargador Francisco Roberto Machado, do Tribunal Regional Federal da 5ª Região (TRF-5) decidiu a favor de Deusmar e de seus ex-sócios Ielton Barreto de Oliveira, Geraldo de Lima Gadelha Filho e Jerônimo Alves Bezerra. Eles respondem o processo – ainda não transitado em julgado – em liberdade, até novo julgamento no próximo dia 20.

O Ministério Público Federal irá analisar, nesta quarta, 12, quais recursos cabem no TRF-5 e no Superior Tribunal de Justiça (STJ) contra a decisão de Roberto Machado.

Condenado – com pena de 9 anos e dois meses de prisão – desde 2010 por crimes contra o sistema financeiro, o fundador da rede de farmácias Pague Menos foi preso na noite do último sábado, 8.

Ele se apresentou na sede da Polícia Federal no Ceará, no bairro Aeroporto, em Fortaleza. De lá, havia sido transferido, ainda na madrugada de domingo, para a Unidade Prisional Irmã Imelda, em Aquiraz, Região Metropolitana de Fortaleza.

Crimes

Deusmar e os sócios teriam lucrado pelo menos R$ 2,8 milhões com compras de ações sem autorização do Banco Central. Com o cálculo da inflação, o valor seria, hoje em dia, de cerca R$ 5,3 milhões.

Entre os anos de 2001 e 2006, por meio das empresas Renda Corretora de Mercadorias S/C Ltda e da Pax Corretora de Valores e Câmbio Ltda, os quatro sócios atuaram no mercado de valores imobiliários sem registro junto à Comissão de Valores Mobiliários (CVM).

Segundo as investigações da Polícia Federal e Ministério Público Federal, Deusmar Queirós e os outros envolvidos praticaram “garimpagem”. Sem estarem autorizados pela Comissão de Valores Mobiliários (CVM), os empresários compraram ações fora da bolsa de valores “de acionistas privados, e geralmente desinformados, a um preço bem menor”, se comparado ao preço do mercado legal.

As ações eram vendidas em bolsas pelo preço de mercado. “Auferindo, assim, vultuosos ganhos decorrentes de prejuízos sofridos por terceiros”, de acordo com o processo.

Trâmite

Os executivos foram condenados na primeira instância em 2010, pelo juiz Danilo Fontenele, da 11ª Vara Federal de Fortaleza, e na segunda instância em 2013, pelo Tribunal Regional Federal da 5ª Região (TRF-5), em Recife.

De acordo com a condenação confirmada em última instância pelo Superior Tribunal de Justiça (STJ), a atividade de “garimpagem, além de prejudicar o regular funcionamento do mercado, também, causa significativo prejuízo aos acionistas que lhe vendem ações com deságio. Cabendo à CVM reprimir a prática de tal atividade”.

Os quatro condenados se entregaram pouco antes do desembargador federal Alexandre Costa de Luna Freire, que estava no plantão do TRF-5, negar um pedido liminar de habeas corpus (HC) impetrado pela defesa deles.

Conforme o advogado Marcelo Leal, da defesa de Queirós, existe decisão do TRF-5 que suspende o curso da execução da pena. Isto impediria a prisão, segundo Leal. O Ministério Público Federal (MPF), contudo, não recorreu da decisão ao próprio TRF-5 e pediu diretamente ao Superior Tribunal de Justiça (STJ), na última terça-feira, 4, o início do cumprimento da pena.

“A solicitação foi acatada pelo ministro (Felix Fischer, ainda na terça-feira), mas sem qualquer menção à decisão do TRF, que proibia a prisão”, criticou Marcelo. Na avaliação da defesa, a decisão do TRF-5 continua em vigor, pois não foi “reformada” pelo STJ, apesar de se tratar de uma corte superior.

(O POVO Online – Repórter Thiago Paiva)

Enel Distribuição oferece 350 vagas para cursos profissionalizantes

383 1

A Enel Distribuição Ceará inscreve para o novo ciclo de cursos do projeto Enel Compartilha Inclusão Digital. Oferece 350 vagas para cursos gratuitos de informática, que beneficiarão jovens e adultos dos bairros Tancredo Neves, Vila Velha, José Walter e Parque Nazaré, em Fortaleza. Serão 40 turmas nos cursos de informática básica, áudio e vídeo, aplicativos sociais e Excel avançado, informa a assessoria de imprensa da empresa.

Nos bairros Tancredo Neves e Vila Velha, os cursos serão ministrados nos telecentros já implantados pelo programa no ciclo anterior, que foram ampliados devido à grande demanda. Já nas comunidades José Walter e Parque Nazaré, os cursos acontecerão nos dois novos telecentros implantados.

Exigências

Para realizar inscrição nos cursos, o interessado precisa ter, no mínimo, 15 anos e morar em um dos bairros em que estão instalados os telecentros, até o dia 30 de setembro, portando carteira de identidade, CPF e comprovante de residência.

Os jovens menores de idade devem estar acompanhados de responsável no ato da inscrição.

Produção industrial do Ceará recua 0,2% de junho para julho

A produção industrial recuou em oito dos 15 locais pesquisados pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) de junho para julho deste ano. As maiores quedas foram observadas em Goiás (2,1%), Paraná (1,3%), São Paulo (1,1%) e Minas Gerais (1%).

Também tiveram quedas acima da média nacional (0,2%), os estados do Mato Grosso (0,9%) e do Rio de Janeiro (0,3%). Outros recuos foram observados no Ceará e em Pernambuco, ambos de 0,2%.

Por outro lado, tiveram crescimento as produções do Espírito Santo (5,8%), Rio Grande do Sul (4,6%), Pará (2,7%), Amazonas (2,5%), Santa Catarina (1,9%) e Bahia (1%). A Região Nordeste que é avaliada em conjunto teve uma alta de 0,5%.

Outras comparações

Na comparação com julho de 2017, a indústria cresceu em 12 dos 15 locais, com destaque para o Rio Grande do Sul (13,9%) e Pará (13,7%). Nos outros três locais, a maior queda foi registrada em Goiás (4,9%).

No acumulado do ano, houve alta em 11 dos 15 locais, sendo a maior delas no Amazonas (14,1%). Dentre os quatro locais em queda, se destacam Goiás (3,8%) e Espírito Santo (3,7%).

Já no acumulado de 12 meses, houve taxas positivas em 13 dos 15 locais, com destaque para o Amazonas (11,3%) e o Pará (10%). Dois locais tiveram recuo na produção: Espírito Santo (2,3%) e Minas Gerais (0,8%).

(Agência Brasil)

Em pleno período eleitoral, fazendários ameaçam greve para não perder 40% do salário

Com o mote “Lutamos para não perder 40% do salário”, os fazendários cearenses anuncia que vão paralisar as atividades a partir desta quarta-feira. A categoria fez assembleia geral e decidiu que o movimento deve se estender até sexta-feira.

A categoria cobra do governo estadual a incorporação, aos vencimentos do piso do PDF – gratificação fixa que representa cerca de 40% de seu salário. Essa gratificação foi instituída através de uma Lei Estadual, em 2011, e está sendo questionada no Supremo Tribunal Federal (STF).

O pleito foi apresentado pelo Sindicato dos Fazendários do Ceará (Sintaf) ao governador Camilo Santana, pela primeira vez, em junho de 2016. Desde o ano passado, a reivindicação é ponto prioritário na pauta de negociação com a Secretaria da Fazenda, mas, até o momento, nada de concreto foi posto em prática.

Desde a deliberação da greve, o Sintaf tem buscado diversos meios e interlocutores a fim de reabrir o diálogo com o governo, sem retorno. Com a aprovação da incorporação do piso do PDF, os fazendários buscam tão somente acabar com a insegurança jurídica da remuneração. Dessa forma, não reivindicam aumento salarial, mas evitar a perda de 40% do salário atual.

Receita Federal regulamenta Cadastro de Atividade Econômica da Pessoa Física

A Receita Federal regulamentou o Cadastro de Atividade Econômica da Pessoa Física (Caepef). A Instrução Normativa nº 1828/2018 da Receita foi publicada na edição de hoje (11) do Diário Oficial da União. O Caepf substitui o Cadastro Específico do Instituto Nacional do Seguro Social (INSS), chamado de CEI.

Esse cadastro é exigido como forma de controle das contribuições previdenciárias, resultado da atividade econômica de pessoas físicas, ou seja, que não têm Cadastro Nacional da Pessoa Jurídica (CNPJ).

Segundo a Receita Federal, o cadastro entrará em produção de forma facultativa para o contribuinte em 1º de outubro deste ano e será obrigatório em 2019. No período de 1º de outubro de 2018 a 14 de janeiro de 2019 o CEI coexistirá com o Caepf, diz a instrução normativa.

Obrigatoriedade

Estão obrigadas a inscrever-se no Caepf as pessoas físicas que exercem atividade econômica nas seguintes situações: contribuinte individual; quem tem segurado que lhe preste serviço; produtor rural cuja atividade constitua fato gerador da contribuição previdenciária; titular de cartório; e pessoas que compram produção rural para venda no varejo.

Para fazer a inscrição no Caepf, a pessoa física deve acessar o portal do Centro Virtual de Atendimento (e-CAC) ou ir a uma das unidades de atendimento da Receita.

A inscrição no Caepf deverá ser efetuada no prazo de 30 dias, contados do início da atividade econômica exercida pela pessoa física.

(Agência Brasil)

Congresso de Recursos Humanos vai discutir mercado e inovação

Aline Viana, Elano Guilherme, pres. Sindconfecções, e Silvana Torres, gerente de projetos.

 

“Qual a Mentalidade do Profissional de Recursos Humanos?” é o tema central do Congresso de Gestão de Pessoas CEARÁRH 2018, que propõe, nesta edição, o pensar e agir dos profissionais de RH sobre as perspectivas atuais e futuras do mundo organizacional. O congresso, que acontecerá em Fortaleza de 21 a 22 deste mês de setembro, no Shopping RioMar Papicu, vai reunir gestores de grandes corporações como ODONTOART, MRH, Unimed Fortaleza, Boticário, Gerdau, Universidade Corporativa do Banco do Brasil, Coca Cola, HSM, Nutrilite, Betânia Lácteos, Grupo SERH, Grupo Portfólio, Vulcabrás Azaléia, além de consultorias especializadas.

O congresso vai contar com a palestra “Transformação Digital: o que muda na vida das pessoas e organizações”, com a participação de Aline Viana, diretora-executiva Comercial do Jornal O POVO. Também estarão nesse pai, José Sampaio de Sousa Filho, CEO da Alfa Metalúrgica e Cláudio Fortier, gerente de Inovação da rede de farmácias Pague Menos. A mediação será feita pelo assessor especial da Federação das Indústrias do Ceará e idealizador da Plataforma Inova Mundo, Márcio Gurjão.

SERVIÇO

*Espaço de Eventos – Piso L3 – Shopping RioMar Fortaleza – Teatro RioMar

*Informações e inscrições: http://abrhce.com.br/ceararh2018/ 85-9.8893.89.

(Foto – Júlio Caesar)

IBGE reduz em 0,4% previsão da safra de grãos para 2018

O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) estimou em 225,8 milhões de toneladas a safra de cereais, leguminosas e oleaginosas deste ano no país. A previsão do Levantamento Sistemático da Produção Agrícola de agosto é 0,4% inferior ao cálculo feito pela edição de julho da pesquisa. Caso a previsão se confirme, a safra será 6,2% inferior (cerca de 14,8 milhões) ao total de 2017, de acordo com o IBGE.

A queda da previsão de julho para agosto foi provocada principalmente pela redução da estimativa acerca da safra do milho neste ano. De um mês para o outro, o IBGE reduziu sua previsão em 2,3%. A soja teve uma ligeira alta (0,3%) e o arroz cresceu 2,2%.

Entre os outros grãos que respondem a mais de 1% da safra total, também tem previsão de queda de julho para agosto o feijão (-0,7%). Por outro lado, houve melhoras nas estimativas para o trigo (8,2%) e algodão (0,1%).
De acordo com o levantamento de agosto, deverão ter alta em relação a 2017 as safras de soja (1,6%), trigo (38,6%) e algodão (24,7%). São esperadas quedas para o milho (-18,6%), arroz (-5,3%) e feijão (-1,3%).

Outros produtos

O IBGE também faz previsões para outras safras agrícolas importantes para o país.

Para a maior lavoura brasileira, a de cana-de-açúcar, é esperada uma queda de 0,2% em relação a 2017, já que, de julho para agosto, houve um recuo de 0,5% na estimativa. A projeção de agosto para a banana, outra lavoura importante, é 0,9% menor que a de julho. Com isso, espera-se que o ano feche com uma safra 7% inferior ao ano anterior. Também é esperada uma queda (-11,3%) para a batata-inglesa, depois de uma revisão de 0,1% para baixo na previsão de agosto.

Para o tomate, a previsão recuou 1,6% de um mês para outro e agora o produto deve fechar o ano com queda de 0,2%. Já para a mandioca, o recuo de 0,4% de julho para agosto reduziu a previsão de safra em 3,5% em relação a 2017. A laranja até aumentou em 0,1% em relação a julho, mas continua sendo esperada uma queda de 8,6% na comparação com o ano anterior. A uva também teve aumento (4,2%) de um mês para outro, mas o produto continuará tendo uma queda em relação a 2017 (-14%). E o café deverá fechar o ano com alta de 24,2% em relação a 2017. A estimativa de agosto é 0,4% maior do que a previsão do mês anterior.

(Agência Brasil)

Dólar abre nesta terça-feira em alta e cotado a R$ 4,1569

A cotação da moeda norte-americana abriu o pregão de hoje (11) registrando uma alta de 1,55%, valendo R$ 4,1569 para venda após terminar em baixa nos últimos três dias. O Banco Central segue com a política tradicional de venda de swaps cambiais, sem nenhuma oferta extraordinária de venda futura do dólar.

O Ibovespa, índice da B3, começou o pregão em baixa de 0,59%, com 75.982 pontos, com a tendência de queda se acentuando durante a manhã chegando a menos 1,85% às 11h.

As ações das grandes empresas, chamadas de blue chip, puxavam a baixa, com Petrobras com menos 2,44%; Itau, baixa de 2,70%, Vale desvalorizadas em 1,32% e Eletrobras com menos 3,94%.

(Agência Brasil)

Ceará busca investidores no eixo Japão-Coireia do Sul

Da Coluna O POVO Economia, da jornalista Neila Fontnele, no O POVO desta terça-feira

Com a economia brasileira em crise, o Ceará continua investindo na atração de recursos externos para a criação de novos negócios. Esta semana, o estado participa de missão do Ministério da Indústria, Comércio Exterior e Serviços (MDIC) no Japão e Coreia do Sul.

O titular da Secretaria do Desenvolvimento Econômico, (SDE), Cesar Ribeiro, participa da missão e anuncia que o foco está na atração de novas empresas para a Zona de Processamento de Exportação (ZPE-CE). Haverá uma apresentação dos benefícios oferecidos pela área alfandegada, em parceria com a Apex-Brasil e o Ministério das Relações Exteriores (MRE), em Tóquio e Seul. Na agenda estão visitas às fábricas da Nissan, Toyota, Hyundai Motors e Samsung.

Inflação do aluguel sobe e é 9,24% em 12 meses

O Índice Geral de Preços-Mercado (IGP-M), usado no reajuste dos contratos de aluguel, registrou inflação de 0,79% na primeira prévia de setembro deste ano. O resultado é superior ao da prévia de agosto, segundo a Fundação Getulio Vargas (FGV): 0,7%. Com a prévia, o IGP-M acumula 7,51% no ano e 9,24% em 12 meses.

A alta da taxa foi provocada pelos preços no atacado e no varejo. A inflação do atacado, medida pelo Índice de Preços ao Produtor Amplo, subiu de 1,03% em agosto para 1,2% em setembro.

Já o Índice de Preços ao Consumidor, que analisa o varejo, continuou registrando em setembro deflação, ou seja, queda de preços (-0,04%), mas foi uma deflação menos acentuada do que em agosto (-0,07%).
Por outro lado, o Índice Nacional de Custo da Construção teve uma queda ao passar de 0,41% para 0,1%.

(Agência Brasil)

Frigoríficos do Ceará em clima de vaca no brejo

Da Coluna do Eliomar de Lima, no O POVO desta terça-feira:

O consumo de carne bovina caiu 12% no Ceará. É o que revela o presidente do Sindicato do Comércio Varejista de Carnes do Estado (SindCarnes), Francisco Everton. Ele diz que isso se deve à crise, que perdura e faz com que os consumidores sejam mais econômicos na hora de suas compras semanais.

Everton reconhece, no entanto, que o segmento também está com o preço dos produtos em alta – quilo da carne batendo nos R$ 27,00, em média, porque há o período da entressafra. “Hoje nós vendemos duas mil toneladas semanais de carne, o que poderia ser mais se o mercado não estivesse enfrentando certa recessão”, acentua Everton.

Ele diz que a saída para os frigoríficos é investir em promoções, até que o período da entressafra, que vai até dezembro, se estabilize. Espera também que o novo cenário pós-eleições possa, de uma forma geral, tirar o País do clima vaquinha no brejo político em que se encontra.

Eletrobras reabre em outubro programa de demissão voluntária

A Eletrobras vai reabrir em outubro o Plano de Demissão Consensual (PDC). Segundo o presidente da empresa, Wilson Ferreira Júnior, o objetivo é desligar cerca de 2,4 mil funcionários que são um excedente de mão de obra no momento. “A tecnologia que é mais avançada, a padronização e a organização dos processos vão permitir ao grupo Eletrobras, como um todo, reduzir em torno de 2,4 mil empregados”, disse o presidente sobre as razões que tornam o quadro maior do que o necessário. Ferreira participou hoje (10) de um almoço com empresários na capital paulista.

Na primeira etapa do PDC, houve adesão de 736 empregados. Ferreira disse que espera terminar a gestão na empresa com um quadro de funcionários reduzido à metade do que quando assumiu o cargo. De acordo com ele, eram 24 mil empregados em junho de 2016. Com as privatizações e programas de demissão, Ferreira pretende entregar a companhia com 12 mil funcionários no início do ano que vem.

A empresa propôs o pagamento da multa do FGTS, somado ao aviso prévio correspondente a três salários do empregado, mais 50% relativos à soma dos valores da multa e do aviso prévio, além de cinco anos de plano de saúde para quem aderir ao plano de demissão.

Privatização

A próxima etapa no programa de privatizações da Eletrobras é a venda da Amazonas Distribuidora de Energia, prevista para o dia 26 de setembro. O negócio evitaria, segundo Ferreira, um processo de liquidação da empresa. “É o pior que pode acontecer”, disse sobre a medida que, de acordo com ele, prejudicaria funcionários e credores. Das seis distribuidoras que eram controladas pela estatal, quatro já foram leiloadas.

A Companhia Energética de Alagoas (Ceal), teve o leilão suspenso devido a uma decisão judicial do ministro Ricardo Lewandowski, do Supremo Tribunal Federal (STF), impedindo a venda da companhia, após ação movida pelo governo de Alagoas.

Ferreira defendeu, no entanto, que a Eletrobras deve vender parte de suas ações para se capitalizar e ter dinheiro para fazer os investimentos necessários no setor elétrico brasileiro. “É uma companhia que tem tamanho, representação, que deveria demandar investimentos na casa de R$ 10 bilhões a R$ 14 bilhões. E hoje ela tem capacidade, mesmo arrumada, de R$ 4 bilhões”, afirmou.

Para ele, as possibilidades da empresa como estatal se esgotaram. “Eu acho que a companhia avançou muito e pode avançar mais, mas não como estatal”, ressaltou.

(Agência Brasil)

Dólar fecha em queda cotado a R$ 4,0935

A cotação da moeda norte-americana fechou hoje (10) em queda pelo terceiro pregão consecutivo, no patamar abaixo de R$ 4,10. O dólar terminou em baixa de 0,26%, cotado a R$ 4,0935 para venda.

O Banco Central segue com a política de swaps cambiais tradicionais, sem nenhuma oferta extraordinária de venda futura da moeda norte-americana.

O Ibovespa, índice da B3, terminou o primeiro pregão da semana em leve alta de 0,03%, com 76.436 pontos. Os papéis da Petrobras alavancaram a pequena alta, fechando com valorização de 1,74%.

(Agência Brasil)