Blog do Eliomar

Categorias para Economia

Contas públicas apresentam saldo positivo de R$ 4,758 bilhões em outubro

O setor público consolidado, formado por União, estados e municípios, registrou saldo positivo nas contas públicas em outubro, de acordo com dados do Banco Central (BC), divulgados hoje (29), em Brasília. O superávit primário, receitas menos despesas, sem considerar os gastos com juros, ficou em R$ 4,758 bilhões. Esse foi primeiro resultado positivo, em cinco meses. Em igual mês de 2016, o resultado positivo foi bem maior: R$ 39,589 bilhões.

O chefe do Departamento de Estatísticas do BC, Fernando Rocha, explicou que o resultado maior de outubro de 2016 foi impactado pelo programa de regularização cambial e tributária, conhecido como Lei da Repatriação. “Se excluíssemos essas receitas do ano passado, esse resultado teria sido deficitário em R$ 5,5 bilhões, aproximadamente”. Por outro lado, em outubro deste ano, o resultado foi impactado com cerca de R$ 5 bilhões de receitas com o programa de regularização tributária, chamado de Refis. Segundo Rocha, ao se excluir esse efeito, as contas públicas ficaram perto do “equilíbrio”, em outubro deste ano.

Rocha explicou que é importante registrar resultados positivos nas contas públicas para conseguir reduzir a dívida pública. “O objetivo é recuperar gradualmente os superávits primários para que seja possível primeiro reduzir a tendência de crescimento do endividamento e depois fazer com que se reduza”.

Em outubro deste ano, o Governo Central (Previdência, Banco Central e Tesouro Nacional) apresentou superávit primário de R$ 4,967 bilhões. Os governos estaduais apresentaram superávit primário de R$ 484 milhões, e os municipais, déficit de R$ 132 milhões. As empresas estatais federais, estaduais e municipais, excluídas empresas dos grupos Petrobras e Eletrobras, tiveram déficit primário de R$ 562 milhões no mês passado.

No resultado acumulado do ano, as contas públicas estão com saldo negativo. De janeiro a outubro, houve déficit primário de R$ 77,352 bilhões, contra R$ 45,912 bilhões em igual período de 2016. Em 12 meses encerrados em outubro, o déficit primário ficou em R$ 187,23 bilhões, o que corresponde a 2,88% do Produto Interno Bruto (PIB), a soma de todos os bens e serviços produzidos no país.

Os gastos com juros nominais ficaram em R$ 35,251 bilhões em outubro, contra R$ 36,205 bilhões em igual mês de 2016. No acumulado do ano até outubro, essas despesas chegaram a R$ 338,378 bilhões. Em 12 meses encerrados em outubro, os gastos com juros somaram R$ 414,164 bilhões, o que corresponde a 6,37% do PIB.

O déficit nominal, formado pelo resultado primário e os resultados de juros, atingiu R$ 30,494 bilhões no mês passado ante o superávit de R$ 3,384 bilhões de outubro de 2016. Nos dez meses deste ano, o déficit chegou a R$ 415,73 bilhões. Em 12 meses encerrados em outubro, o déficit nominal ficou em R$ 601,394 bilhões, o que corresponde a 9,25% do PIB.

Dívida pública

A dívida líquida do setor público (balanço entre o total de créditos e débitos dos governos federal, estaduais e municipais) chegou a R$ 3,298 trilhões em outubro, o que corresponde a 50,7% do PIB, com redução de 0,1 ponto percentual em relação a setembro.

A dívida bruta – que contabiliza apenas os passivos dos governos federal, estaduais e municipais – chegou a R$ 4,837 trilhões ou 74,4% do PIB, com aumento de 0,5 ponto percentual em relação ao mês anterior.

(Agência Brasil)

Tudo pronto para a Festa do Prêmio Condomínios 2017

Ricardo Bezerra (Lopes Immobilis)

Será nesta quarta-feira, a partir das 19 horas, a Festa do Prêmio Condomínios 2017, realização da Associação das Administradoras e Condomínios do Ceará (Adconce). O evento ocorrerá no Coco Bambu Por Toca. Estão entre destaques do ano Ricardo Bezerra, como a Personalidade do Ano, Igor Queiroz e Luciano Cavalcante Filho.

O processo de escolha foi realizado durante todo o mês de novembro, por meio de indicações por parte das administradoras e apreciação para escolha dos destaques, através de comissão formalizada em assembleia.

Destaques do Ano

Condomínio
Residencial: Edifício Mansão Macedo Condomínio (Aldeota), representado pelo síndico Igor Queiroz Barroso; Comercial: LG Corpporate Green Tower (Meireles), representado pelo síndico, Luciano Cavalcante Filho; Veraneio: Complexo Mandara Lanai (Aquiraz), representado pelo síndico Ralph Torres Pires.

Síndico
Residencial: Henrique César Guedes Caracas, condomínio Solaris Residence (Patriolino Ribeiro); Comercial: Maria Lúcia Martins Soares, Duets Office Towers (Cocó); Veraneio: Danielle Spatz, VG Sun Cumbuco (Cumbuco); Externo: Adriano Cordeiro de Paula.

Projetos
Sustentabilidade: LC Corporate Green Tower (Meireles), representado pelo síndico: Luciano Cavalcante Filho; Inovação: Edifício Plaza de Anibal (Aldeota), representado pelo síndico Aníbal Rocha Barroso Filho.

Personalidade do Ano
Ricardo Bezerra (Lopes Immobilis e Rádio O POVO/CBN)

SERVIÇO

*Coco Bambu por Toca (Av. Senador Virgílio Távora, 511 – Meireles.

índice de Confiança de Serviços cai 0,1 ponto após quatro meses de alta

A estabilidade da economia, que vem sendo constatada nos principais indicadores dos últimos meses, não está conseguindo alterar significativamente os números do Índice de Confiança de Serviços (ICS), cujos dados foram divulgados hoje (29), no Rio de Janeiro, pelo Instituto Brasileiro de Economia da Fundação Getulio Vargas (Ibre/FGV).

Segundo a FGV, o indicador, embora tenha ficado praticamente estável, recuou 0,1 ponto este mês, comparativamente a outubro, após quatro meses consecutivos de alta. Em médias móveis trimestrais, porém, o índice segue em elevação pelo terceiro mês consecutivo. Os dados indicam que a relativa estabilidade em novembro na comparação com outubro reflete queda da confiança em 7 das 13 atividades pesquisadas.

A principal influência negativa no resultado de novembro veio do Índice da Situação Atual (ISA-S), que chegou a recuar 0,8 ponto em contraponto ao Índice de Expectativas (IE-S), que avançou 0,7 ponto na mesma base de comparação.

Para o consultor da Ibre/FGV, Silvio Sales, os números – desde o início de segundo semestre – revelam um processo mais equilibrado entre percepção e situação corrente. “A virtual estabilidade da confiança no mês não altera o quadro positivo dos indicadores nos últimos meses. A evolução desde o início do segundo semestre revela um processo mais equilibrado entre a percepção empresarial sobre as condições correntes e suas expectativas para os próximos meses, padrão que não era observado anteriormente”, disse.

Para Sales, “a melhora do ambiente de negócios é também mais espalhada entre os segmentos. E a maior convergência nas avaliações empresariais reforça os sinais de ampliação do ritmo de atividade do setor para os próximos meses.”

Ainda no que diz respeito ao Índice de Situação Atual, a queda de 0,8 ponto foi determinada pelo indicador que mede o grau de satisfação com a situação atual dos negócios, que, ao cair 1,2 pontos, exerceu a maior contribuição para a retração de ISA-S em novembro. Já a alta de 0,7 ponto do Índice de Expectativa foi determinada pelo avanço do indicador de demanda prevista, que subiu 2,5 pontos indo para 90,4 pontos.

A FGV ressalta que o Nível de Utilização da Capacidade da Indústria do setor de serviços fechou novembro com queda de 0,6 ponto percentual frente a outubro, indo a 82,4%. Essa queda devolveu em parte o crescimento de 1,5 ponto percentual registrado em outubro.

(Agência Brasil)

Índice de aluguel sobe 0,52% em novembro

Usado no reajuste de aluguéis, o Índice Geral de Preços do Mercado (IGP-M) subiu para 0,52% em novembro, depois de uma alta de 0,20% em outubro. No acumulado desde janeiro, a taxa permaneceu em queda (-1,40%). Também foi mantido o recuo em relação aos últimos 12 meses (-0,86%).

O levantamento foi feito pelo Instituto Brasileiro de Economia, da Fundação Getulio Vargas (Ibre/FGV), usando dados coletados entre os dias 21 de outubro e 20 de novembro. O resultado o avanço de preços no setor atacadista.

O Índice de Preços ao Produtor Amplo (IPA) passou de uma variação de 0,16% para 0,66% com destaque para o subgrupo combustíveis para o consumo, com elevação de 1,70% para 9,17%.

Já o subcomponente matérias-primas brutas, em que estão incluídas as commodities (produtos primários com cotação no mercado internacional), teve retração de 0,68%, porém menos expressiva do que a queda na pesquisa anterior (-1,05%).

(Agência Brasil)

 

Residencial em Quixadá emperra na burocracia para ser entregue

Eis o residencial que já está prontinho em Quixadá (Sertão Central). Um projeto do Minha Casa Minha Vida feito pela Construtora Morafácil, com 1.454 unidades, mas, segundo o presidente do Sinduscon/CE, André Montenegro, emperrado na burocracia cartorial.

Nesse projeto, creche-escola, praças e outros benefícios.

Pena que o governador Camilo Santana (PT) ainda não possa entregar e pena mais ainda dos que já poderiam estar morando nesse empreendimento.

Presidente da Fiec: Entre Geraldo Alckmin e Ciro Gomes

Da Coluna Vertical, do O POVO desta quarta-feira:

O presidenciável Ciro Gomes (PDT) vai estar, dia 4 próximo, na sede da Federação das Indústrias do Ceará (Fiec). A confirmação é do presidente da entidade, Beto Studart, que considera Ciro “uma boa opção” para a presidência da República ao lado do governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB). Ciro ali estará difundindo os projetos que planeja para o País.

Beto aproveita para elogiar Ciro e Alckmin como “homens comprometidos com o País” e diz que o eleitor estará votando bem se escolher um desses políticos.

Beto, que é tucano, até avalia ser possível boa convivência entre os palanques dos dois no Estado, pois estariam formados por pessoas respeitáveis como Camilo Santana e Tasso Jereissati.

(Foto – Paulo MOska)

 

Rede de lojas Torra Torra aposta em Fortaleza

Em São Paulo, o grupo é um sucesso de vendas.

A Torra Torra, maior rede de confecções populares de São Paulo e patrocinadora de vários programas do SBT, está se instalando em Fortaleza. Mais precisamente no prédio do extinto Cine Diogo.

O presidente do Sindilojas de Fortaleza, Cid Alves, comemora a chegada de mais esse grupo, observando que, além de gerar mais empregos, ajudará a aquecer o setor, pois aposta em muitas promoções.

DETALHE – A cantora Solange Almeida é a garota-propaganda do Torra Torra Fortaleza.

Prefeito Roberto Cláudio assina acordo com a Caixa Econômica na área dos precatórios

O prefeito Roberto Cláudio (PDT) assinou, nessa terça-feira, o Paço Municipal, convênio com a Caixa Econômica Federal que permitirá o uso de recursos de depósitos judiciários relativos ao Município de Fortaleza para o pagamento de precatórios. A informação é da assessoria de imprensa do gestor municipal. O convenio foi assinado com a presença de executivos da CEF e do secretário-executivo da Secretaria de Finanças, Jaime Cavalcante.

Há uma lei federal que passou a permitir o uso de pagamento de precatórios para o Município. Segundo os dirigentes da Caixa no Ceará, este é o primeiro convênio assinado entre municípios e a instituição financeira.

O prefeito Roberto Cláudio informou que vai utilizar até R$ 69 milhões que seriam de recursos próprios para o pagamento de precatórios e em torno de R$ 9 milhões para aplicação no Município. “Isso permitirá economia e mais dinheiro para investimentos com recursos próprios”, comemora.

Segundo o superintendente da Caixa no Ceará, George Gressi, a constituição assegura que o município pode utilizar até 75% dos valores de depósitos judiciais para pagamentos específicos de precatórios. “Será uma economia para a Prefeitura de Fortaleza, que deixa de destinar recursos próprios para pagamentos de precatórios e passa a investir esse valor para a cidade”, disse.

DETALHE – Os precatórios são requisições de pagamentos expedidas pelo Judiciário para cobrar de Municípios, Estados ou da União, assim como de autarquias e fundações, o pagamento de valores devidos após condenação judicial definitiva.

 

Câmara aprova projeto que cria a Política Nacional de Biocombustíveis

A Câmara aprovou, nessa noite de terça-feira (28), o projeto de lei que cria a Política Nacional de Biocombustíveis, chamada de RenovaBio. Aprovada de forma simbólica pelos deputados, após a rejeição de emendas que previam a alteração do texto, a matéria deve agora ser apreciado no Senado para que se torne lei.

O objetivo do RenovaBio é aumentar a produção de biocombustíveis no Brasil, a fim de que o país cumpra os compromissos assumidos no Acordo de Paris de redução das emissões de gases de efeito estufa. O projeto cria metas compulsórias anuais dos distribuidores de combustíveis, com a definição de percentuais obrigatórios de biodiesel que deverão ser adicionados gradativamente ao óleo diesel, e de etanol anidro que será acrescentado na produção de gasolina entre 2022 e 2030.

Durante a votação, os deputados acolheram emendas apresentadas pelos relatores, como a que reduz a multa cobrada aos distribuidores de combustíveis: enquanto a cobrança poderia variar, no projeto original, entre R$ 100 mil e R$ 500 milhões, o descumprimento da meta individual terá R$ 50 milhões como limite máximo da multa.

O projeto também cria instrumentos de estímulo à prática de combate às emissões, como a Certificação da Produção Eficiente de Biocombustíveis e o Crédito de Descarbonização, que poderá ser emitido pelos distribuidores de combustíveis para comprovarem o cumprimento da meta individual.

São considerados biocombustíveis florestais, os combustíveis sólidos, líquidos e gasosos produzidos a partir da biomassa florestal, tais como lenha e carvão. Buscando o incremento da medida, o texto prevê incentivos financeiros e fiscais, além de apoio ao cooperativismo.

Algumas emendas apresentadas pelos parlamentares em plenário também foram acolhidas, como a que assegura participação prioritária de agricultores familiares e produtores de biodiesel de pequeno porte na comercialização do produto por meio de leilões públicos. Ao relatar o projeto, o deputado Evandro Gussi (PV-SP) argumentou que a proposta induz os agentes privados na direção do aproveitamento “cada vez mais intensivo” da “bioenergia nas suas diferentes formas”.

Destaques propostos por deputados da oposição foram rejeitados pelos parlamentares. É o caso do pedido do PSOL de votação em separado, que visava a impedir a conversão de áreas ocupadas por vegetação nativa para a produção de biocombustíveis, utilizando somente áreas degradadas ou do aproveitamento de resíduos vegetais.

Na tarde de hoje, a Petrobras se posicionou favoravelmente à aprovação do projeto. De acordo com a empresa, a iniciativa contribui para o desenvolvimento da produção de biocombustíveis no Brasil, contribuindo para a sustentabilidade e preservação ambiental.

(Agência Brasil)

TCU e BNB promoverão em Fortaleza debate sobre o Nordeste 2030

O Tribunal de Contas da União realizará, no próximo dia 5, em parceira com o Banco do Nordeste, o evento Diálogo Público – Nordeste 2030 – Desafios e Caminhos para o Desenvolvimento Sustentável – 2ª edição.

O evento, que ocupará espaços no auditório do Centro de Treinamento do BNB, no Passaré, em Fortaleza, reunirá gestores da administração pública federal, estadual e municipal, auditores, setor produtivo, sociedade civil organizada, acadêmicos, governadores de todos os Estados da área de atuação do banco, e ministros de Estado.

SERVIÇO

*Mais detalhes do evento aqui.

Assembleia Legislativa homenageará os 40 anos da Construtora Placic

A Construtora Placic completa, neste mês de novembro, 40 anos de fundação. Para celebrar a data, a Assembleia Legislativa do Ceará realizará nesta quarta-feira, a partir das 19 horas, sessão solene para marcar a data.

Fundada em 1977, com filial em Maceió desde 1986, a Placic acumula mais de 100 empreendimentos entregues no dia previsto e Juridicamente Perfeitas, e mais de 200 mil metros quadrados de área construída.

Dentro da programação de festividades, haverá também a entrega dos empreendimentos Promenade Aldeota e Beach Way Porto das Dunas nesta quinta feira e no próximo dia 2, respectivamente.

Acordo das perdas com planos econômicos deve ir ao STF até dezembro, prevê AGU

A ministra da Advocacia-Geral da União (AGU), Grace Maria Fernandes, disse hoje (28) que espera enviar para homologação do Supremo Tribunal Federal (STF), até o fim do ano, a proposta de acordo financeiro que representantes de bancos e associações de defesa do consumidor vêm discutindo para pôr fim à disputa sobre o ressarcimento de perdas econômicas. As entidades negociadoras chegaram a um acordo sobre valores, mas nem todos os detalhes estão concluídos.

“Nosso esforço é para obtermos o quanto antes esta homologação”, disse a ministra, ao lembrar que, há quase 30 anos, milhões de pessoas que tinham dinheiro depositado em contas de poupança entre os anos 1980 e início de 1990 aguardam uma solução definitiva sobre o caso.

Segundo a ministra, ontem (27), os representantes dos bancos e dos consumidores chegaram a um acordo quanto à devolução de parte dos valores reclamados na Justiça. Sem revelar detalhes sobre o montante acordado, as regras ou prazos de restituição aos clientes, Grace disse que este sempre foi o aspecto mais difícil da negociação, que já levou as partes a se reunirem 37 vezes em busca de uma proposta consensual.

“Desde o início, sabíamos que, se conseguíssemos enfrentar este aspecto, os outros seriam superados com um pouco mais de facilidade. Não vislumbramos, neste momento, qualquer outro aspecto que sirva de impedimento [à conclusão do acordo para envio ao STF]”, declarou a ministra à imprensa.

Minuta do acordo

Perguntada se apenas os correntistas que já ingressaram na Justiça serão beneficiados pelo acordo, a ministra disse que estes sempre foram o foco principal das conversas, mas disse que os detalhes operacionais ainda estão sendo discutidos e, possivelmente, serão divulgados na próxima segunda-feira, quando a ministra espera já ter uma minuta do acordo.

“O acordo ainda não foi assinado, pois há outros pontos que ainda precisam ser equacionados, mas estamos na reta final para virarmos esta página da nossa história e encerrarmos em torno de um milhão de processos que se arrastam perante o Poder Judiciário”, acrescentou a ministra, destacando os impactos sociais e econômicos do provável acordo.

Há, segundo a ministra, em torno de um milhão de processos parados em várias instâncias do Poder Judiciário, à espera de uma decisão sobre a reclamação dos correntistas que tiveram perdas com as sucessivas mudanças nos índices de correção dos valores poupados à época. Desde 2013 o assunto está pendente no STF, que deveria decidir se os bancos têm de pagar aos clientes a diferença das perdas no rendimento de cadernetas de poupança causadas pelos planos.

“Ele trará resultados muito claros. Com ele, ganha o poupador que, na maioria das vezes, é uma pessoa em idade já avançada; ganham as instituições financeiras, que conseguem se programar para que este aporte de recursos seja feito de modo planejado; e ganha a economia brasileira, que passa a ter, circulando, recursos na casa do bilhão de reais, associando-se como mais uma medida para reaquecer a economia”, disse Grace.

Processos no STF

A questão já vem sendo apreciada no STF desde 2013, mas o julgamento foi interrompido várias vezes devido à falta de quórum, já que alguns ministros declaravam impedimento para apreciar o caso. A principal ação em julgamento é a da Confederação Nacional do Sistema Financeiro (Consif), que pede confirmação da constitucionalidade dos planos econômicos.

Já o Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor (Idec) pede que os bancos paguem aos poupadores os prejuízos financeiros causados pelos índices de correção que foram expurgados pelos planos inflacionários.

Em seu site, a Consif argumenta que as regras de implementação dos planos econômicos foram definidos pelos governantes à época, obedecendo ao princípio da neutralidade para não favorecer ou prejudicar qualquer segmento da sociedade. “Não foram os bancos que definiram os índices aplicados para a poupança, e eles não puderam escolher quais índices aplicar para as cadernetas”, sustenta a entidade.

A entidade que defende o interesse do banco reafirmou que as instituições bancárias não ficaram com o dinheiro de seus clientes: “Como os bancos cumpriram as determinações do governo e do Banco Central, não são procedentes as ações judiciais dos poupadores contra as instituições financeiras para recebimento de diferencial de correção da poupança”.

(Agência Brasil/Foto – André Dusek))

Sérgio Aguiar destaca decisão da Sudene que ampliou número de municípios cearenses no semiárido

A inclusão de mais 10 municípios cearenses no mapa do semiárido brasileiro, sendo sete deles do Litoral e três da Região Norte foi tema de pronunciamento feito, na Assembleia Legislativa, pelo deputado Sérgio Aguiar (PDT). A novidade foi anunciada pelo Conselho Deliberativo da Sudene e ocorreu a partir de levantamento técnico produzido por grupo de trabalho interministerial, do qual o Ministério da Integração Nacional e a Sudene fazem parte. A inclusão levou em conta critérios como percentual diário de déficit hídrico e índices pluviométricos e de acidez.

Para Sergio Aguiar, a ampliação da área foi uma luta que vem desde o início do atual mandato. “Com isso, há uma expectativa de trazer maiores condições de financiamento e acesso ao crédito, seja na área rural, de comércio, industrial, de turismo ou de áreas afins que tenham seu financiamento do Banco do Nordeste”, observou.

O parlamentar disse que foram incluídas as cidades de Camocim, Barroquinha, Bela Cruz, Cruz, Guaiúba, Itarema, Chaval, Jijoca de Jericoacoara, São Gonçalo do Amarante e Trairi. “Isto vai fortalecer a economia dessa região”, ressaltou. O parlamentar frisou que São Gonçalo do Amarante, com Complexo Industrial e Portuário do Pecém, e Jijoca de Jericoacoara, a partir do novo aeroporto, são dois vetores de desenvolvimento que possibilitam a oportunidade de fortalecer essa luta, no sentido de enfrentar essa crise econômica.

Ele informou que estarão disponibilizados no próximo ano R$ 23,8 bilhões, sendo R$ 8,3 bilhões para projetos na área de infraestrutura, e o restante em investimentos para produtores e empresários nos setores rural, agroindustrial, industrial, turismo, comércio e serviços. Segundo Sérgio Aguiar, os novos municípios receberão recursos do Fundo de Desenvolvimento do Nordeste e ações de outras políticas públicas.

Fies

A Sudene decidiu, ainda, beneficiar a educação e os estudantes ganharam um reforço para realizarem o sonho de ingressar no ensino superior. O Conselho deliberativo da Sudene aprovou as mudanças propostas pela Medida Provisória nº 785, de 06/07/2017. A partir de agora, o Fundo de Financiamento Estudantil (FIES), passa a ter os fundos constitucionais de financiamento e de desenvolvimento, a exemplo do FNE e FDNE, como fontes de recursos. Assim, alunos regularmente matriculados em cursos superiores não gratuitos passam a ser beneficiários.

Secretário do Turismo vai à Câmara Setorial de Eventos

O secretário estadual do Turismo, Arialdo Pinho, estará nesta quarta-feira, às 9 horas, na sede da Associação Brasileira da Indústria de Hoteis (Abih).

Atendendo a convite da Câmara Setorial de Eventos, desse órgão, ele vai expor o que sua pasta tem feito para incrementar o turismo.

Arialdo destacará ganhos como a chegada da Fraport como gestora do Aeroporto Internacional Pinto Martins e o hub da Air France-KLM-Gol.

SERVIÇO 

Abih – Rua Professor Dias da Rocha, 560 – Meireles.

Confiança do comércio tem ligeiro recuo em novembro

O Índice de Confiança do Comércio (ICOM) ficou praticamente estável e fechou o mês de novembro com ligeiro recuo de 0,1 ponto, caindo para 92,4 pontos, após acumular alta de 10,1 pontos nos dois meses anteriores.

Os dados foram divulgados hoje (28) pelo Instituto Brasileiro de Economia da Fundação Getulio Vargas (Ibre/FGV). A ligeira retração de novembro ocorreu em 8 dos 13 segmentos pesquisados e foi determinada pela piora no Índice de Situação Atual (ISA-COM), que caiu 0,8 ponto no mês, para 85,4. Já o Índice de Expectativas (IE-COM) avançou 0,7 ponto, atingindo 99,9.

“O resultado de novembro pode ser interpretado como uma relativa acomodação da confiança do comércio após dois meses em forte elevação”, afirmou o coordenador da Sondagem do Comércio da FGV, Rodolpho Tobler. Ele avalia que a queda do Índice da Situação Atual mostra que a recuperação da economia continua ocorrendo de forma gradual e que a alta do Índice de Expectativas “reforça o diagnóstico de manutenção da tendência de retomada do setor no ano, sob influência da inflação baixa, do ciclo de redução das taxas de juros e da melhora recente da confiança dos consumidores”.

Crescimento

Apesar da relativa estabilidade no mês, o Índice de Confiança do Comércio sustenta crescimento ao longo do ano, segundo os economistas do Ibre/FGV. Entre janeiro e novembro de 2017, a alta foi de 13,5 pontos, enquanto no mesmo período do ano passado havia sido de 9,7.

No ano passado mais de 91% da alta havia sido motivada pela melhora das expectativas; já em 2017, o avanço mais expressivo foi no Índice de Situação Atual (62,4%). A edição de novembro de 2017 coletou informações de 1.181 empresas entre os dias 1º e 24 deste mês.

(Agência Brasil)

Engenheiro lança livro com críticas à construção da barragem do Castanhão

O engenheiro civil Cássio Borges lançará nesta terça-feira, às 19 horas, no Clube Náutico, o livro A Face Oculta da Barragem do Castanhão.

Na publicação, que chega em sua segunda edição, Cássio, aposentado do Dnocs, expõe os porquês de ter sido contra a construção desse açude que, no momento, virou um enorme buraco, com menos de 3% de água, em meio ao semiárido do Vale do Jaguaribe.

Confiança do consumidor atinge maior nível desde outubro de 2014

O Índice de Confiança do Consumidor (ICC) subiu 3,1 pontos em novembro, atingindo 86,8 pontos, o maior nível desde de outubro de 2014, quando chegou a 91,1 pontos. Quando a comparação se dá com o mesmo período no ano passado o avanço é ainda mais significativo: 8,9 pontos.

Os dados são da pesquisa Sondagem de Expectativa do Consumidor, divulgada hoje (2 8) pelo Instituto Brasileiro de Economia da Fundação Getulio Vargas (Ibre/FGV). Para a coordenadora do trabalho, a economista Viviane Seda Bittencourt, em novembro os consumidores avaliaram melhor a situação atual e as perspectivas futuras.

Em consequência, o Índice de Situação Atual (ISA) subiu 1,3 ponto, a quarta elevação mensal consecutiva, atingindo 74,5 pontos, o maior nível desde de junho de 2015, que teve 74,9 pontos; enquanto o Índice de Expectativas (IE) subiu de 4,2 para 96 pontos, nivel mais mais alto desde de abril de 2014, que chegou a 99,9 pontos.

“Com inflação e juros em queda e melhores perspectivas para o emprego, o consumidor brasileiro avalia mais favoravelmente a tendência das finanças familiares e esboça maior ímpeto para compras de duráveis nos próximos meses”, afirmou Viviane.

Para a coordenadora, o resultado é ainda heterogêneo entre as faixas de renda. “Os mais otimistas, por enquanto, são os consumidores de maior poder aquisitivo, que já estão com o orçamento doméstico mais equilibrado.”

Os resultados da pesquisa mostram que o indicador que mede o grau de satisfação com a situação econômica atual ficou relativamente estável ao variar 0,5 ponto. O mesmo ocorre em relação às perspectivas sobre a situação econômica nos próximos seis meses, que, em novembro, recuou 0,3 ponto.

Situação financeira das famílias

A Sondagem de Expectativa do Consumidor constatou melhora da percepção dos consumidores com relação à situação financeira da família, com o indicador que mede a satisfação dos consumidores no momento, subindo 1,9 pontos, para 69 pontos.

Com relação ao futuro, o indicador que mede o otimismo em relação as finanças familiares teve alta de 1 ponto, para 93 pontos, o maior desde os 96,4 pontos de outubro de 2014.

Na avaliação dos economistas do Ibre/FGV, o destaque desse mês vem através do Indicador que mede a intenção de compras de bens duráveis, que após cinco meses em queda , cresceu 11,1 pontos, para 82,4 pontos, o maior nível desde os 87,2 pontos de novembro de 2014.

Em novembro, a confiança avançou em três das quatro faixas de renda pesquisadas, com a maior alta sendo registrada junto às famílias com renda acima de R$ 9,6 mil, motivada pela melhora das expectativas para o futuro próximo. Já o nível de confiança das famílias com renda entre R$ 2,1 mil e R$ 4,8 mil recuou 0,6 ponto.

A edição de novembro de 2017 coletou informações de 1907 domicílios entre os dias 1 e 23 de novembro. A próxima divulgação da Sondagem do Consumidor ocorrerá em 22 de dezembro de 2017.

(Agência Brasil)

Cegás cresce na área do gás veicular movida por aplicativos de táxi

O uso de aplicativos na área de táxi fez com que a Companhia Estadual de Gás (Cegás) registrasse incremento de 15% no gás veicular.

A informação é do presidente da companha, Hugo Figueiredo, adiantando que houve ainda 40% de aumento no gás residencial.

Esses números, de acordo com Figueiredo, são alguns de um balanço anual que promete ser dos mais positivos, abrindo boas perspectivas para a Cegás em 2018.

Joesley Batista deve permanecer em silêncio durante depoimento na CPI do BNDES

O empresário Joesley Batista, dono do grupo J&F, é aguardado nesta terça-feira (28) para prestar depoimento à Comissão Parlamentar Mista de Inquérito da JBS e à CPI do BNDES da Câmara, que terão reuniões conjuntas.

A exemplo do irmão, Wesley Batista e dos ex-diretores da empresa, Ricardo Saud e Francisco de Assis e Silva,  que também já compareceram, Joesley  já informou oficialmente às comissões, por meio de seus advogados, que deverá ser  o quarto a exercer o direito constitucional de permanecer em silêncio.

“O exercício do direito ao silêncio é a clara posição a ser tomada diante da atual situação jurídica dos acordos de colaboração premiada. A decisão de manter a oitiva do ora requerente poderá acarretar elevados e desnecessários gastos públicos pela quarta vez”, argumentaram os sete advogados do executivo por meio de oficio na última quarta-feira (22).

Argumentação

Ainda na tentativa frustrada de cancelar o depoimento de Joeley Bastista, os advogados ressaltaram  no documento que “a manifestamente contraproducente condução dos colaboradores de quem se pretende a oitiva tem custado muito caro aos cofres públicos – que não são nada senão o bolso dos cidadãos brasileiros – seja em termos de mobilização de recursos humanos – equipes da Polícia Federal, por exemplo – seja em termos de elevados custos para o transporte dos colaboradores que estão custodiados – o uso de avião da Polícia Federal na transferência (ida e volta) dos custodiados, custos com estadia dos agentes, preparação da estrutura desta Casa Legislativa, etc”.

Joesley é acusado de mentir e omitir informações no acordo de delação premiada fechado com o Ministério Público Federal. Por causa disso, os benefícios do acordo dele foram suspensos pelo relator da Lava Jato no Supremo Tribunal Federal (STF), ministro Edson Fachin.

O empresário tem dito que somente após uma definição sobre a situação jurídica dele, pela Procuradoria-Geral da República (PGR) e pelo STF, estaria à disposição do Congresso para prestar esclarecimentos.

(Agência Brasil)

BNB tem recursos para a Fraport, nova gestora do aeroporto de Fortaleza

Da Coluna Vertical, do O POVO desta terça-feira:

O Banco do Nordeste terá R$ 12 bilhões para investimentos em obras de infraestrutura em 2018. A informação é do diretor de Planejamento da instituição, Perpétuo Cajazeiras, adiantando que essa verba será aplicada em vários segmentos como energia e aeroportos. Esse valor, de acordo com o diretor, é o mesmo em aplicação neste ano. Ou seja, não houve cortes dentro de um cenário de ajuste fiscal do País.

Indagado se esse dinheiro estará à disposição, por exemplo, da Fraport, a nova gestora do Aeroporto Internacional Pinto Martins, garantiu que sim e que liberações só dependerão dos projetos.

Sobre o FNE, que é o Fundo Constitucional do Nordeste, Cajazeiras adiantou: o BNB colocará, ano que vem, à disposição do Ceará, R$ 2,6 bilhões, deixando claro que “isso não é teto, mas piso”. Pelo visto, 2018 promete. Desde que o empresariado apresente projetos realizáveis, é claro.

(Foto – Alcides Freire)