Blog do Eliomar

Categorias para Economia

Mercado de TV por assinatura já perdeu 96 mil assinantes

225 1

O mercado de TVs por assinatura continua a ser fortemente castigado pela crise e por novas tecnologias, como o Netflix. A Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) registrou somente no mês de novembro uma queda de 96 mil assinaturas.

Ainda de acordo com o relatório da Anatel, nos últimos doze meses o Brasil perdeu 252 mil assinaturas de TV paga, uma queda de 1,83%.

De novembro de 2015 a novembro de 2016, as maiores diminuições foram registradas nos estados de Pernambuco (-8,9%), Rondônia (-7,99%) e Amapá (-7,96%).

(Veja Online)

Camilo e demais governadores do NE pressionam em Brasília por leilão de energias renováveis

governdordfd

O governador Camilo Santana participou, nesta terça-feira, em Brasília, de reunião com demais governadores nordestinos. O encontro foi com o ministro das Minas e Energia, Fernando Coelho. Em discussão, decisão recente do governo federal de cancelar o leilão de energias renováveis que tem no Ceará um de seus  maiores geradores.

Os governadores forma questionar essa decisão, observando que o País precisa retomar o crescimento econômico, o que exige novas reservas de energia. “Nossa expectativa é que diante de fortes argumentos o governo volte atrás”, disse o governador Camilo Santana.

Com Camilo Santana , estava o presidente da Assembleia Legislativa, Zezinho Albuquerque. O ministro Fernando Coelho prometeu avaliar o pleito.

(Foto – Divulgação)

Passagem de ônibus de Fortaleza fica mais cara a partir do dia 14 deste mês

477 1

forafia

A passagem do transporte urbano de Fortaleza vai aumentar de R$2,75 para R$3,20 (inteira) a partir do próximo dia 14. Isso representa uma alta de 16,36%. Já a passagem dos estudantes subirá de R$ 1,30 para R$ 1,40. anunciou, nesta terça-feira à tarde, a Empresa de Transporte Urbano de Fortaleza (Etufor).

A Prefeitura citou “política de desonerar a tarifa estudantil”, que teve reajuste de 7,69%.

O índice de reajuste da passagem é o maior desde fevereiro de 2003 e superou o último reajuste, em outubro de 2015.  Na época, a alta de 14,58% elevou a tarifa de R$2,40 para R$2,75 (inteira).

Novembro é a data-base para a revisão da passagem, o que não houve em 2016. A Etufor informou que a alta foi delimitada pela manutenção da tarifa do sistema integrado e da meia-passagem para estudantes. A maior diferença entre inteira e meia deve beneficiar os pais com mais de um filho na escola.

O secretário da Secretaria de Conservação e Serviço Público, João Pupo, relatou aumento em insumos e também citou ampliação de melhorias, como Wi-Fi e políticas sociais para estudantes.

Confira como ficam as tarifas:
Tarifa inteira: de R$ 2,75 para R$ 3,20
Tarifa estudantil: de R$ 1,30 para R$ 1,40
Hora social (inteira): de R$ 2,55 para R$ 3,00
Hora social (estudantil): de R$ 1,20 para R$ 1,30
Tarifa social (inteira): de R$ 2,15 para R$ 2,60
Tarifa social (estudantil): de R$ 1,00 para R$ 1,10
Linha central (inteira): permanece R$ 0,40
Linha central (estudantil): permanece R$ 0,20

(O POVO Online)

VAMOS NÓS – Eita, que o reajuste da passagem inteira foi de 0,45. Pesado e, com certeza, vai ser motivo de muita reclamação.

Emprego na construção tem queda de 14,5% no acumulado de 12 meses

O nível de emprego na construção civil registrou queda de 14,5% no acumulado de 12 meses até novembro, gerando um saldo negativo de 437 mil postos de trabalho. Os dados foram divulgados pelo Sindicato da Indústria da Construção Civil do Estado de São Paulo (SindusCon-SP) em parceria com a Fundação Getulio Vargas (FGV).

Entre janeiro e novembro de 2016, houve corte de 461.849 vagas em todo o país. Desconsiderando efeitos sazonais, foram fechadas 26.917 vagas em novembro. O nível de emprego caiu 2,20% em novembro na comparação com outubro, a 26ª queda consecutiva.

A deterioração do mercado de trabalho afetou quase todas as regiões do Brasil, sendo que os piores resultados foram anotados no Norte (-3,71%) e no Centro-Oeste (-2,67%).

Por segmento, preparação de terreno e infraestrutura observaram as maiores quedas em novembro, de 3,73% e 3,31%, respectivamente. No acumulado do ano, contra o mesmo período do ano anterior, o segmento imobiliário teve a maior queda (-17,66%), seguido por preparação de terreno (-14,77%).

O agravamento do desemprego na construção, com o fechamento de mais de 58 mil postos de trabalho, já era esperado pelo setor, considerando a queda contínua no volume de obras. Segundo o sindicato, o volume de novas obras deve continuar reduzido nos próximos meses, o que poderia ser amenizado por medidas emergenciais e mais reformas microeconômicas.

(Agência Brasil)

IGP-M, que reajusta aluguéis, acumula 6,88% em 12 meses

A primeira prévia de janeiro do Índice Geral de Preços – Mercado (IGP-M), usado no reajuste de contratos de aluguel, registrou uma inflação de 0,86%, taxa superior ao 0,2% da primeira prévia de dezembro. O IGP-M acumula taxa de 6,88% em 12 meses, segundo a Fundação Getulio Vargas (FGV).

A primeira prévia de janeiro de 2017 do IGP-M foi calculada com base em preços coletados entre os dias 21 e 31 do mês de dezembro de 2016.

A alta da prévia entre dezembro e janeiro é resultado do avanço da taxa em todos os três subíndices que compõem o IGP-M. A inflação do Índice de Preços ao Produtor Amplo, que mede o atacado, subiu de 0,3% em dezembro para 1,13% em janeiro.

O Índice de Preços ao Consumidor, que mede o varejo, passou de uma deflação (queda de preços) de 0,02% em dezembro para uma inflação de 0,4% em janeiro. Já o Índice Nacional de Custo da Construção subiu de 0,12% para 0,22% no período.

(Agência Brasil)

IPC-S começa 2017 em alta em cinco capitais, diz FGV

O Índice de Preços ao Consumidor Semanal começou 2017 em alta em cinco das sete capitais pesquisadas pela Fundação Getulio Vargas (FGV). Belo Horizonte foi a cidade com maior alta da taxa de inflação entre a última semana de 2016 e a primeira semana de 2017: 0,37 ponto percentual, passando de 0,1% para 0,47%.

Também apresentaram alta o Rio de Janeiro (0,24 ponto percentual, ao passar de 0,55% para 0,79%), Porto Alegre (0,24 ponto percentual, pulando de 0,09% para 0,33%), Salvador (0,2 ponto percentual, de 0,19% para 0,39%) e São Paulo (0,14 ponto percentual, de 0,27% para 0,41%).

Ao mesmo tempo, registraram quedas na taxa Brasília (0,11 ponto percentual, de 0,60% para 0,49%) e Recife (0,12 ponto percentual, de 0,74% para 0,62%). A média da inflação nacional avançou 0,17 ponto percentual no período, indo de 0,33% na última semana de 2016 para 0,5% na primeira semana de janeiro.

(Agência Brasil)

Críticas em doses ácidas ao momento político cearense

271 3

Com o título “O Tempo não é comparsa de ninguém”, eis artigo do publicitário e escritor Ricardo Alcântara. Ele aborda o momento político cearenses. Confira:

1 – Para os urbanistas: a ponte estaiada que ligaria a avenida Washington Soares às dunas por cima do Parque do Cocó provocaria o efeito contrário daquele com que tentava justificá-la o então governador, Cid Gomes. Sequer foi iniciada e tem sua licitação questionada pela Justiça.

2 – Para a obra da linha Leste do metrô, o mesmo governo comprou tuneladoras a alto custo: uns 150 milhões de reais. Questiona-se a lisura do negócio: em todos os metrôs em construção no país é fornecido pela licitada. Bem, as máquinas estão lá, a sol e chuva, aguardando serventia.

3 – O Acquário acumula equívocos de ordens várias: iniciado sem aprovação ambiental, fez-se  pagamentos em contas de pessoa física (dirigente da contratada) e nunca viu a sociedade um estudo consistente de viabilidade financeira. E lá se foram mais 150 milhões de reais.

4 – O Centro de Eventos, cujos estudos indicavam outra localização para fazê-lo negócio atrativo, foi parar numa zona da cidade fora do alcance do interesse turístico e lá está um caixão enorme, de muito mau gosto, quase inteiramente ocioso e deficitário.

5 – O hospital regional da região sul do estado passou um ano fechado desde sua inauguração por falta de verbas para coloca-lo em funcionamento, como se não houvesse no projeto algo básico como uma previsão de custeio. Ainda hoje, a maior parte se encontra ociosa.

6 – Mal maior evitou a então prefeita Luizianne Lins, negando sua aprovação a um estupro: a construção de um estaleiro em zona urbana, um projeto com o selo de suspeição da Transpetro de Sérgio Machado, aquele. Quem já viu um, sabe o tamanho da alopração.

Bem, Camilo Santana vai agora em busca de socorro na iniciativa privada para reparar parte de tanto desperdício, fruto da megalomania de um governador que comprou o silencio da exquerda (com xis mesmo), antes diligente fiscal do interesse comum.

Camilo finge que se engana quando vai à China em busca de um besta que queira herdar os riscos de concluir a obra do Acquário. Ele sabe: o capital chinês tem mundo afora oportunidades muito mais seguras e vantajosas. Privatização do Acquário é tapeação.

Cid Gomes fez grande esforço para ser lembrado como empreendedor, mas o que se vê é um gestor com baixa capacidade de planejamento e uma inclinação neurótica a considerar sua vontade um fator prevalente à realidade. O tempo não é comparsa de ninguém.

*Ricardo Alcântara,

Escritor e publicitário.

FPM de janeiro entra nas contas das prefeituras nesta terça-feira

A Confederação Nacional de Municípios (CNM) informa aos gestores que será creditado nesta terça-feira (10), nas contas das prefeituras brasileiras, o repasse do Fundo de Participação dos Municípios (FPM) referente ao 1.º decêndio do mês de janeiro de 2017. O montante previsto será de R$ 2.369.090.905,86, já descontada a retenção do Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação (Fundeb).
A CNM esclarece que em valores brutos, isto é, incluindo a retenção do Fundeb, o montante é de R$ 2.961.363.632,33. De acordo com a série histórica do FPM, esse 1.º decêndio de janeiro de 2017 quando comparado com o valor do primeiro decêndio de janeiro de 2016, houve crescimento de 14,34% em termos nominais, ou seja, comparando os valores sem considerar os efeitos da inflação. Quando se considera o valor real dos repasses, levando em conta as consequências da inflação, o decêndio apresenta crescimento de 9,27%.
Diante disso, a CNM alerta os gestores municipais para que estejam atentos aos seus planejamentos financeiros. A entidade reforça que neste momento de crise é extremamente importante que o gestor tenha pleno controle das finanças da prefeitura, uma vez que o País se encontra em desaceleração econômica.
SERVIÇO
*Confira aqui a Nota completa com valores.

Ciro Gomes e Mauro Filho falarão sobre Economia. Vai sobrar para a Era Temer?

ciro

O ex-governador Ciro Gomes e o secretário Mauro Filho (Fazenda) darão palestra nesta terça-feira no Café de Negócios, uma promoção da Junta Comercial do Estado.

A partir das 9 horas, no auditório da Sefaz, sobre o tema Conjuntura Econômica.

Claro que vai sobrar para o Governo Temer, afinal, Ciro é pré-candidato a presidente em 2018.

 

Exportações do Ceará fecharam 2016 com crescimento de 23,7%

foto CSPecém

O Estado do Ceará fechou o ano de 2016 com crescimento de 23,7% nas exportações. A informação vem de estudo elaborado pela Agência do Desenvolvimento do Estado do Ceará (Adece), com base nos dados da Secretaria do Comércio Exterior e Ministério de Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior.

Ainda de acordo com esse estudo, enquanto o Ceará exportou US$ 1.294.135.703 em 2016, o valor da soma das vendas para o exterior foi de US$ 1.045.785.082 no ano anterior.

(Site do Governo)

Taxa média de juros de operações de crédito cai em dezembro, diz Anefac

A taxa média de juros das operações de crédito caiu entre novembro e dezembro de 2016, segundo dados divulgados nesta segunda-feira (9) pela Associação Nacional dos Executivos de Finanças, Administração e Contabilidade (Anefac).

A taxa de juros média geral para pessoa física passou de 8,2% ao mês (157,47% ao ano) em novembro para 8,16% em dezembro (156,33% ao ano), a menor desde agosto de 2016.

Para pessoa jurídica, a taxa de juros média geral caiu de 4,82% (75,93% ao ano) em novembro para 4,74% em dezembro (74,32% ao ano).

Segundo a entidade, a queda é resultado da redução da taxa básica de juros, a Selic, e pela expectativa de novas diminuições.

De acordo com a associação, das seis linhas de operações de crédito pesquisadas, apenas os juros do cheque especial subiram no período, passando de 313,63% ao ano em novembro para 314,51% ao ano em dezembro, a maior desde março de 1999. No cartão de crédito, os juros passaram de 459,53% ao ano para 453,74% ano, menor taxa desde outubro de 2016.

Os juros do CDC para financiamento de veículos ficaram estáveis, em 31,68% ao ano. Registraram quedas entre novembro e dezembro os juros do comércio (de 98,95% ao ano para 98,50% ao ano), do empréstimo pessoal de bancos (71,94% ao ano em novembro para 71,15% ao ano em dezembro) e do empréstimo pessoal por financeiras (61,79% ao ano para 160,05% ao ano).

Segundo a Anefac, a recomendação para os consumidores que pretendem utilizar operações de crédito é pesquisar sempre a taxa de juros e demais acréscimos e evitar comprometer todo o orçamento com dívidas. Além disso, a associação indica evitar o crédito rotativo do cartão de crédito e do cheque especial, que têm as maiores taxas de juros do mercado.

(Agência Brasil)

Meirelles: regime de recuperação dos estados deverá ser reenviado ao Congresso

O ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, disse nesta segunda-feira (9) que a proposta do regime de recuperação fiscal para os estados deverá ser reenviada ao Congresso Nacional.

“A princípio, sim [será reenviada]. É um projeto que servirá de base para acordos com todos os estados, caso seja aprovado pelo Congresso. Mas isso não impede que o governo federal chegue a um acordo com o estado do Rio e, se for necessário, com algum outro estado”, disse Meirelles.

O projeto que trata da renegociação das dívidas dos estados foi aprovado pelo Senado e depois foi alterado na Câmara dos Deputados, que acabou por retirar as contrapartidas propostas pelo Executivo para os entes federativos.

O texto aprovado prevê o alongamento da dívida por 20 anos e a suspensão do pagamento das parcelas até o fim de 2016, com retomada gradual a partir de 2017.

O projeto de lei aprovado pelo Congresso estabelece um novo prazo de pagamento da dívida dos estados com a União, que passa a ser de 360 meses, contados a partir da data de celebração do contrato com cada unidade da Federação. Com isso, as parcelas de pagamento terão seu valor reduzido.

Os estados em situação mais calamitosa que aderissem ao regime de recuperação fiscal teriam uma moratória de 36 meses no pagamento da dívida.

Em troca, o governo queria que os estados promovessem o aumento da contribuição previdenciária dos servidores, suspendessem aumentos salariais e a realização de concursos públicos, privatizassem empresas e reduzissem incentivos tributários. Todas essas contrapartidas foram derrubadas pelos deputados.

(Agência Brasil)

Taxa média de juros de operações de crédito cai em dezembro, diz Anefac

A taxa média de juros das operações de crédito caiu entre novembro e dezembro de 2016, segundo dados divulgados nesta segunda-feira (9) pela Associação Nacional dos Executivos de Finanças, Administração e Contabilidade (Anefac).

A taxa de juros média geral para pessoa física passou de 8,2% ao mês (157,47% ao ano) em novembro para 8,16% em dezembro (156,33% ao ano), a menor desde agosto de 2016.

Para pessoa jurídica, a taxa de juros média geral caiu de 4,82% (75,93% ao ano) em novembro para 4,74% em dezembro (74,32% ao ano).

Segundo a entidade, a queda é resultado da redução da taxa básica de juros, a Selic, e pela expectativa de novas diminuições.

De acordo com a associação, das seis linhas de operações de crédito pesquisadas, apenas os juros do cheque especial subiram no período, passando de 313,63% ao ano em novembro para 314,51% ao ano em dezembro, a maior desde março de 1999. No cartão de crédito, os juros passaram de 459,53% ao ano para 453,74% ano, menor taxa desde outubro de 2016.

Os juros do CDC para financiamento de veículos ficaram estáveis, em 31,68% ao ano. Registraram quedas entre novembro e dezembro os juros do comércio (de 98,95% ao ano para 98,50% ao ano), do empréstimo pessoal de bancos (71,94% ao ano em novembro para 71,15% ao ano em dezembro) e do empréstimo pessoal por financeiras (61,79% ao ano para 160,05% ao ano).

Segundo a Anefac, a recomendação para os consumidores que pretendem utilizar operações de crédito é pesquisar sempre a taxa de juros e demais acréscimos e evitar comprometer todo o orçamento com dívidas. Além disso, a associação indica evitar o crédito rotativo do cartão de crédito e do cheque especial, que têm as maiores taxas de juros do mercado.

(Agência Brasil)

IPTU 2017 – Consulta já está disponível no site da Sefin

 

eliomar charge IPTU

Já está disponível a consulta ao valor do IPTU 2017. No site da Secretaria Municipal de Finanças, o contribuinte já pode, inclusive, imprimir o Documento de Arrecadação Municipal (DAM) referente ao IPTU deste mês. Os boletos serão enviados pelos Correios até o fim deste mês. Não haverá envio para os que possuem isenção. I IPTU veio com reajuste de 6,58%, a correção da inflação de 2016, segundo o secretário Jurandir Gurgel.

Um total de 585 mil imóveis serão tributados. Neste ano, estarão isentos do pagamento do imposto 145 mil imóveis. Boa parte deles pelo valor venal (valor de venda) de até R$ 65. 320,93.

Em 2017, os contribuintes terão três opções de desconto para o pagamento à vista sobre o imposto. Será concedido 10% de desconto para os que pagarem até 7 de fevereiro, 7,5% até 8 de março e 5% até 7 de abril. Os descontos só valem para os que estão em adimplência com o imposto.

Isenções

Além dos que obterão isenção pelo valor de venda do imóvel, outros grupos também estão isentos do IPTU:

  • aposentados e pensionistas, ex-combatente, empregado público municipal, pessoa inválida, órfãos de pai e mãe menores de idade
  • associação de moradores, sede de clube social, imóvel locado ou cedido a órgão público municipal,
  • servidores do Município, viúvos,
  • imóveis cedidos ou locados a templo religioso.

Investimentos voltam a cair em novembro, diz Ipea

O Indicador de Formação Bruta de Capital Fixo, divulgado nesta segunda-feira (9) pelo Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), caiu 1,1% em novembro de 2016 na comparação com outubro. Em relação a novembro de 2015 a queda foi maior: 11,4%. Os números contêm ajuste sazonal, ou seja, já levam em conta as especificidades e a conjuntura do período de medição.

O indicador considera os investimentos em construção civil e em máquinas e equipamentos. O Ipea destacou que, apesar do recuo em novembro, é a menor queda mensal desde julho.

Os dois componentes do índice comportaram-se de forma diferente em novembro. O consumo aparente de máquinas e equipamentos recuou 4,3%, enquanto o indicador da construção civil cresceu 1,8% sobre outubro, interrompendo sequência de três quedas.

(Agência Brasil)

IPC-S registra alta e fica em 0,50% na primeira semana do ano

O Índice de Preços ao Consumidor Semanal (IPC-S) apresentou variação de 0,50% na primeira semana do ano, com alta de 0,17 ponto percentual em relação à semana anterior. Os dados são da pesquisa do Instituto Brasileiro de Economia (Ibre) da Fundação Getulio Vargas (FGV).

Quatro das oito classes de despesas do índice tiveram alta em suas taxas de variação. A maior contribuição partiu do grupo habitação (-0,67% para -0,28%). Dentro desse grupo, a eletricidade residencial passou de -5,87% para -3,96%.

Também registraram alta os conjuntos alimentação (0,44% para 0,75%), transportes (0,78% para 0,96%) e comunicação (0,25% para 0,36%). Nessas classes de despesa, destacaram-se os itens carnes bovinas (0,15% para 1,08%), tarifa de ônibus urbano (0,04% para 0,68%) e tarifa de telefone móvel (0,03% para 0,30%), respectivamente.

Tiveram decréscimo os grupos: vestuário (0,73% para 0,27%), saúde e cuidados pessoais (0,71% para 0,66%), educação, leitura e recreação (0,95% para 0,78%) e despesas diversas (1,50% para 1,24%). Nessas classes de despesa, as maiores contribuições foram dos itens: roupas (0,95% para 0,29%), artigos de higiene e cuidado pessoal (0,94% para 0,75%), passagem aérea (18,04% para -6,51%) e cigarros (3,31% para 2,51%), respectivamente.

(Agência Brasil)

Antecipação do 13º – Servidores da Assembleia Legislativa reclamam da falta de “boa vontade” do Bradesco

As despesas com matrícula escolar, compra de material escolar, IPVA e demais gastos no início de cada ano são aliviadas com benefícios oferecidos da parceria de bancos com prefeituras e Estados. São as antecipações do 13º salário, a serem descontadas posteriormente.

Mas não é o que comemoram os servidores da Assembleia Legislativa do Ceará, que possuem conta no Bradesco. Segundo os servidores, o benefício já se encontra disponível para os correntistas do Banco do Brasil e da Caixa Econômica Federal, mas não para o Bradesco.

Segundo os servidores, o banco alegava não dispor do calendário de pagamento da Sefaz. Há uma semana, no entanto, o Estado disponibilizou na internet o desembolso.

Comissão aprova direito de cliente bancário transferir sem custos contas e investimentos

A Comissão de Defesa do Consumidor aprovou proposta que assegura ao cliente bancário a possibilidade de fazer a migração, sem custos, de sua conta de depósitos à vista, seja convencional ou conta salário, de conta de depósito de poupança e de operações de crédito ou de arrendamento mercantil, para outras instituições similares. A medida foi aprovada conforme substitutivo ao Projeto de Lei 151/15, do deputado Félix Mendonça Júnior (PDT-BA).

A proposta original tratava apenas da migração de conta corrente ou conta salário. O substitutivo, apresentado pelo deputado Júlio Delgado (PSB-MG), estende a possibilidade para o crédito e conta de depósito de poupança. Atualmente, uma resolução do Banco Central estabelece o direito dos titulares de contas salários de migrarem para outros bancos. A portabilidade também é permitida para saldo devedor com empréstimos ou financiamentos.

Pelo texto aprovado, no caso de migração, a instituição de origem deve fornecer, em dois dias úteis, à instituição destinatária, dados cadastrais do consumidor, saldos em contas e em investimentos e histórico de operações financeiras. As informações devem abranger as movimentações realizadas nos doze meses anteriores, assim que a lei entrar em vigor. O prazo será ampliado, gradativamente, para 60 meses.

O substitutivo acrescenta a imposição de multa diária de R$ 1 mil se houver o descumprimento da obrigação de informar criada pela proposição.

O relator destaca a preocupação com concentração bancária no Brasil. “Recentemente uma grande instituição nacional adquiriu outra instituição estrangeira que se posicionava entre a quinta e sexta colocação em participação nos negócios financeiros. Tal aquisição reforça a adoção da medida proposta pelo autor, tendo em vista tratar-se de uma movimentação em direção a um sistema financeiro com poucos participantes relevantes e com grande poder de mercado”, avalia.

(Agência Câmara Notícias)