Blog do Eliomar

Categorias para Economia

Pão de Açúcar promove evento de vinhos para a clientela

O Pão de Açúcar vai promover um encontro semanal com atendentes de vinhos, treinados pelo enólogo Carlos Cabral, especialista em vinhos e que integra o grupo. O objetivo, segundo a assessoria de imprensa da rede, o objetivo é proporcionar aos clientes experiências relacionadas ao universo da gastronomia e prazer de comer e beber.

O evento, com duração de uma hora, acontecerá no Espaço Café ou nas áreas de vendas de vinhos, semanalmente, sempre às quintas-feiras, a partir das 19 horas. Em Fortaleza, ocorrerão nas lojas Center Um (Shopping Center Um – avenida Santos Dumont, 3130) e São João (Avenida Santos Dumont, 1169) nos dias 15, 22 e 29 deste mês de novembro. A expectativa é expandir os eventos para mais lojas em breve.

Degustação

O bate-papo, que acontece em tom informal, é gratuito e aberto ao público, e inclui degustação de vinhos, curiosidades sobre a bebida, dicas de harmonização e outras informações para os apreciadores de vinhos, como a recomendação de rótulos mais apropriados para cada ocasião. As vagas são limitadas a 20 participantes por encontro.

(Foto – Divulgação)

Geraldo Luciano agora vai falar para jovens empresários

A Associação dos Jovens Empresários de Fortaleza (AJE) receberá, em seu programa Almoço Empresarial, Geraldo Luciano, vice-presidente do Grupo M. Dias Branco.

O encontro ocorrerá a partir das 12h30min de sexta-feira, na cobertura da sede da Federação das Indústrias do Ceará (Fiec). Geraldo falará sobre sua trajetória e experiências profissionais.

Mas, como também circula no meio politico-partidário, será questionado sobre cenários 2020.

(Foto – Tapis Rouge)

Eletrobras registrou prejuízo de R$ 1,6 bi no terceiro trimestre do ano

A Eletrobras registrou prejuízo líquido de R$ 1,613 bilhão no terceiro trimestre deste ano, depois do lucro líquido de R$ 550 milhões em igual período de 2017. O resultado, de acordo com balanço divulgado na noite dessa segunda-feira (12) pela companhia, foi impactado principalmente pelas reservas para imprevistos no montante de R$ 2,201 bilhões, com destaque para R$ 1,518 bilhão de empréstimos compulsórios. O segmento de distribuição também contribuiu negativamente, registrando prejuízo de R$ 998 milhões no terceiro trimestre.

Os segmentos de geração e de transmissão apresentaram lucro de R$ 832 milhões e R$ 103 milhões no período, respectivamente.

Há ainda R$ 2,8 bi de passivo, referentes à venda das distribuidoras Cepisa, Ceron, Boa Vista Energia e Eletroacre, que poderão ser revertidos no quarto trimestre, destacou a empresa.

No resultado acumulado de nove meses, a Eletrobras apresentou um lucro líquido de R$ 1,275 bilhão, em comparação com R$ 2,272 bilhões nos nove meses de 2017. Os segmentos de geração e transmissão apresentaram lucro de R$ 2,518 bilhões e R$ 1.629 bilhão, respectivamente, enquanto o segmento de distribuição apresentou prejuízo de R$ 2,002 bilhões.

(Agência Brasil)

Praia da Caponga é sede do I Encontro Nacional de Pesca Artesanal da Lagosta

A Praia da Caponga, situada em Cascavel (Litoral Leste), está sendo sede, até esta quarta-feira, do I Encontro Nacional da Pesca Artesanal da Lagosta. Comunidades tradicionais e pescadores artesanais dos estados lagosteiros do Brasil participarão do evento, uma realização do Movimento dos Pescadores e Pescadoras Artesanais (MPP), da Comissão Nacional para o Fortalecimento das Reservas Extrativistas e dos Povos Extrativistas Costeiros Marinhos (CONFREM), Instituto Terramar, Conselho Pastoral dos Pescadores (CPP) e Articulação Nacional das Pescadoras (ANP).

O encontro objetiva socializar informações sobre a situação dessa pesca no Brasil, fortalecer a organização de pescadores e pescadoras para garantir seus direitos enquanto categoria profissional e representantes de comunidades tradicionais de pesca artesanal, informa a a organização. Quer também proporcionar uma atualização sobre a conjuntura da pesca artesanal e das políticas públicas em pauta para esse setor.

Dentre as principais preocupações dos pescadores artesanais de lagosta estão os riscos de serem excluídos da possibilidade de exercer a pesca artesanal e de terem seus trabalhos criminalizados devido a políticas em discussão, tais como: o estabelecimento de sistema de cotas de pesca; o aumento de exigências de regularização (como a redução da quantidade de pontos autorizados de desembarque das pescarias), com vistas à concentrar o controle; o aumento do tamanho e motorização das embarcações para enxugar a frota e manter apenas as embarcações com maior capacidade de captura; a tecnificação das condições de armazenamento e transportação, para garantir a lagosta como produto vivo no mercado internacional.

Para esses grupos, essas medidas tendem a excluir as embarcações à vela, ou seja, de menor porte, prejudicando uma grande quantidade pescadores artesanais e suas famílias, afetando diretamente a vida das comunidades tradicionais de pesca artesanal.

SERVIÇO

*Coordenação Nacional do MPP – (85) 99930-4027.

(Foto – Ilustrativa)

Receita Federal promove seminário de inovação em Fortaleza

O Seminário de Inovação Receita Federal do Brasil: 50 anos inovando reunirá, a partir das 14 horas desta terça e até quarta-feira, os maiores especialistas da Receita Federal no uso da inteligência artificial, do Big Data e no desenvolvimento e emprego de soluções de TI (tecnologia da informação). O evento também abordará diversos campos de atuação do fisco como a seleção de cargas do comércio exterior, por análise de risco, a decisão e julgamentos automatizados de processos e recursos dos contribuintes e análise dos balanços e demonstrações contábeis das empresas.

Durante o encontro, haverá o lançamento da rede Inovafisco voltada para colaboração em inovação entre os fiscos federal, estadual (Sefaz/CE) e municipal (Sefin-Fortaleza).

N programação, que acontecerá no auditório do prédio da Receita (Rua Barão de Aracati, 909), consta ainda o painel “Inovação: passado, presente e futuro”, a realizar-se nesta tarde de terça, e é aberto ao público. O objetivo é traçar a trajetória do imposto de renda, desde os primeiros formulários, em papel, até o Brasil tornar-se o primeiro país do mundo a receber somente declarações eletrônicas dos contribuintes.

Os dois superintendentes da Receita Federal nos estados do Ceará, Piauí, Maranhão (3ª Região) e Minas Gerais (6ª Região) apresentarão as inovações em curso nas diversas áreas. Os Laboratórios de Inovação da 3ª Região e 8ª Região (São Paulo) serão também apresentados durante o encontro.

Equilibrista 2018 – Mercadinhos São Luiz, a Empresa Padrão 2018

Severino Ramalho Neto, controlador de Mercadinhos São Luiz.

A rede de supermercados Mercadinhos São Luiz, empresa cearense com mais de 40 anos no mercado e que tem como diretor Severino Ramalho Neto, foi eleita Empresa Padrão 2018, no Prêmio Equilibrista, promovido pelo Instituto Brasileiro de Executivos de Finanças do Ceará (Ibef/CE). A 8ª edição do Prêmio acontecerá nesta terça-feira, às 19 horas , no Hotel Gran Marquise.

Para Severino Ramalho Neto, a escolha dos Mercadinhos São Luiz como Empresa Padrão de 2018 é motivo de muita alegria para todos que fazem parte da empresa. “Ficamos muito felizes pelo reconhecimento por razões que incluem a forma de escolha feita pela votação, que nos fez entrar no hall de ganhadores dos anos anteriores, de empresas de enorme referência no Ceará e que muito nos inspiram, e pelos critérios analisados, como a prática de gestão e a contribuição para o estado”, afirma.

Há 43 anos fazendo parte dos Mercadinhos São Luiz, Severino Neto tornou-se sócio da empresa juntamente com seu tio, João Melo, no final da década dos anos 1980. Após o falecimento do tio, em 2008, passou a dividir a direção do grupo com seu irmão, Luiz Fernando Melo Ramalho. “Nossa trajetória iniciou em 1926, no centro da cidade, com meu avô Luiz Melo e sua Casa São Luiz. Era um típico armazém de ‘Secos e Molhados’. “A grande mudança se deu em 1972, já com meu tio João Melo no comando da empresa. Foi ele quem decidiu mudar o ramo do negócio e partir para o varejo. Aí foi criado o primeiro Mercadinho São Luiz e, com o tempo, o plano de expansão que nos levou até os dias de hoje”, relembra.

De acordo com o diretor dos Mercadinhos São Luiz, prêmios como o Empresa Padrão, promovido pelo Ibef Ceará, valorizam o empreendedorismo com o profissionalismo e a sustentabilidade. “Ela (premiação) valoriza algo que o cearense tem de sobra, que é o espírito empreendedor, junto com a organização necessária para fazer esse empreendedorismo ter sustentação e sustentabilidade, que são as práticas financeiras e de gestão”, ressalta.

Olho no cliente

Quando perguntado sobre o diferencial da empresa, que está há tantos anos no mercado e se destaca no ramo de supermercados, Severino é enfático em responder. “O mérito de conseguir fazer, de retomar, de voltar a conquistar esse mercado veio da proximidade com o cliente. Buscamos oferecer o menor preço, com o máximo de serviço”, destaca.

Novas lojas

A previsão de Severino Neto para os Mercadinhos São Luiz para 2019 é que apesar do momento de desafios econômicos, a rede de supermercados continue a se expandir. “Estamos em pleno processo de expansão, que vai continuar no ano que vem, com a abertura de novas lojas e novos serviços, promovendo cada vez mais atender ao que os nossos clientes buscam, com qualidade, praticidade, tecnologia e principalmente muita felicidade em servir. Nossa previsão é abertura de até quatro novas lojas ainda neste ano e já temos mais três ou quatro programadas para abrir ano que vem”, disse.

DETALHE – Severino foi presidente da Associação Cearense de Supermercados (ACESU) entre os anos de 2013 e 2014. Em 2014, foi eleito presidente da Câmara dos Dirigentes Lojistas de Fortaleza (CDL Fortaleza) para biênio 2015-2017.

DETALHE 2 – Atualmente, além de diretor dos Mercadinhos São Luiz, Severino Ramalho Neto é diretor da Câmera dos Dirigentes Lojistas de Fortaleza (CDL); diretor da Federação da Câmera dos Dirigentes Lojistas do Ceará (FCDL-CE); conselheiro fiscal da Associação Brasileira de Supermercados (ABRAS); e delegado da Associação Cearense de Supermercados (ACESU).

(Foto – Thiago Rodrigues)

Brasil tem 62,89 milhões de brasileiros com nome no SPC

O volume de consumidores brasileiros com contas em atraso e registrados em lista de devedores voltou a crescer em outubro e acelerou frente o mês anterior. De acordo com dados apurados pela Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL) e pelo Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil), a quantidade de inadimplentes cresceu 4,22% no mês de outubro na comparação com igual mês do ano passado. Em setembro deste ano, frente 2017, a alta havia sido de 3,86%. Em números absolutos, estima-se que 62,89 milhões de brasileiros estejam com o CPF restrito para fazer compras a prazo ou contratar crédito, informa a assessoria de imprensa da entidade.

Na avaliação do presidente da CNDL, José Cesar da Costa, a inadimplência do consumidor continua elevada mesmo com o fim da recessão, pois a recuperação econômica segue lenta e ainda não impactou de forma considerável o mercado de trabalho. “A retomada do ambiente econômico acontece de forma gradual e ainda demorará para termos um aumento expressivo do número de empregos e renda, fatores que impactam de forma positiva tanto no pagamento de pendências quanto na propensão ao consumo das famílias”, analisa o presidente.

Sudeste lidera

O aumento da inadimplência foi puxado, principalmente, pela região Sudeste, cuja alta observada em outubro foi de 13,30%. Nas demais regiões, as altas foram menos intensas como 5,31% no Norte; 4,11% no Sul; 3,91% no Nordeste e 1,61% no Centro-Oeste.

De acordo com a estimativa, além de ter apresentado o maior crescimento da inadimplência em outubro, o Sudeste é, em termos absolutos, a região com o maior número de negativados: 26,10 milhões de pessoas estão nessas condições por não terem quitado suas contas, o que representa 39% da população adulta residente na região.

Em seguida aparecem o Nordeste, que conta com 17,42 milhões de negativados, ou 43% da população adulta; o Sul, com 8,48 milhões de inadimplentes (37% da população adulta); o Norte, com 5,86 milhões de devedores (48% – o maior percentual entre as regiões) e o Centro-Oeste, com um total de 5,02 milhões de inadimplentes (42% da população).

Ceará vai assinar acordo de cooperação com a Catalunha

Da Coluna O POVO Economia, da jornalista Neila Fontenele, no O POVO desta terça-feira:

O tour do governador Camilo Santana (PT) pela Europa tem gerado bons acordos comerciais. Depois da apresentação do Ceará para 200 empresários holandeses, na França houve encontro com o embaixador brasileiro, Paulo César de Oliveira Campos. Na conversa sobre projetos para o Ceará, entrou na pauta a instalação de uma unidade do Instituto Pasteur no Polo de Saúde do Eusébio.

A ideia passa pela ampliação das oportunidades para garantir desenvolvimento em várias frentes. A área saúde é estratégica e terá também o suporte da “declaração de intenções” com o Governo Geral da Catalunha.

O acordo, que será assinado hoje em Barcelona, pretende garantir a colaboração para a promoção das relações comerciais; investimentos bilaterais; intercâmbio de conhecimento; boas práticas; e inovação tecnológica.

A agenda foi montada para ampliar as relações internacionais, atraindo investimentos que vão da saúde ao turismo. Depois de Barcelona, o foco será Madri, onde haverá encontro com a direção da Air Europa.

A assinatura do acordo com o Governo Geral da Catalunha ocorrerá durante a oitava edição do evento Smart City Expo World Congress, em Barcelona.

O esforço é para criar um modelo de economia baseado no conhecimento, através da implantação de dois distritos de inovação em saúde. O projeto é pioneiro na América Latina.

O “efeito cascata” do reajuste dos ministros do STF no Ceará

115 1

Maia Júnior teme mais arrocho nas contas do Estado, hoje em equilíbrio.

Da Coluna do Eliomar de Lima, no O POVO desta terça-feira:

Se o presidente Michel Temer (MDB) não vetar o reajuste de 16,38% dos ministros do STF, o chamado “efeito cascata” dessa medida vai deixar muitos Estados em situação de caos.

No Ceará, que vive situação de equilíbrio fiscal, há preocupação. A Secretaria do Planejamento e a Secretaria da Fazenda já estão estudando e projetando possíveis impactos financeiros. Isso porque o reajuste alcança mais do que juízes e desembargadores.

O presidente da Associação Cearense dos Magistrados, Ricardo Alexandre, diz que, no âmbito do Judiciário, o impacto não seria tão pesado. “Somos uns 432 juízes que percebem média salarial de R$ 26 mil e, com o reajuste, iríamos para cerca de R$ 30 mil mensais”.

O presidente da ACM, Ricardo Alexandre, diz que não haverá muito impacto.

Mas, de acordo com o secretário Maia Júnior, o chamado “efeito cascata” não acaba na esfera do Judiciário. Na lista de beneficiados, entrariam também procuradores de justiça, defensores públicos, procuradores do Estado, auditores e até delegados. “Quanto às medidas, estamos estudando e aguardando o governador Camilo Santana decidir o que vai fazer”, diz para a coluna o titular da Seplag.

Há pressões para que Temer vete.

(Fotos – Divulgação)

Joaquim Levy traçou cenário econômico otimista após eleição de Bolsonaro

104 1

Confirmado nessa segunda-feira (12) para presidir o BNDES, Joaquim Levy traçou cenário otimista para a economia brasileira em evento em Washington, no início do mês. A informação é da Coluna Painel, da Folha de S.Paulo.

Para Levy, o novo governo conseguirá recuperar a confiança dos investidores rapidamente com reformas e privatizações.

Em sua exposição, Levy indicou o transporte nas grandes cidades, a exploração de petróleo e gás e os esforços para combater mudanças climáticas como áreas prioritárias para a retomada de investimentos.

Ao prometer que o BNDES será mais transparente em seu governo, o presidente eleito Jair Bolsonaro disse querer saber o valor dos empréstimos para obras no exterior e suas garantias. As informações estão no site do banco desde 2015, assim como as taxas de juros.

Camilo se reúne em Paris com a Air France/KLM

O governador Camilo Santana se reuniu nesta segunda-feira (12), em Paris, na França, com a presidente mundial do Conselho Administrativo da Air France/KLM, Anne-Marie Courdec. Durante o encontro, a empresa comemorou os resultados do HUB aéreo em Fortaleza – está com 95% de ocupação da classe econômica – e já avalia lançar novas frequências de voos diretos de Fortaleza para Paris e Amsterdã, além das cinco em operação e outras duas já anunciadas para este mês e abril/19.

“Fizemos um balanço do projeto e eles estão muito satisfeitos e otimistas. A ocupação da classe econômica chega a 95% em média. A partir desse mês teremos mais um voo semanal da Air France e, em abril, outro da KLM, passando a ser frequências diárias; isso com apenas seis meses de projeto. E já avaliam ampliar as frequências. Coloquei o Governo do Estado à disposição para fazermos desse projeto um case de sucesso e conectar o Ceará com o mundo”, afirmou o governador.

A reunião contou ainda com a participação dos vice-presidentes da Air France/KLM, Patrick Alexandre, Henri Hourcade e Patrick Roux. “A consolidação do HUB aéreo significa mais turistas, mais frequência em hotéis, novos postos de trabalho e empregos qualificados, o que movimenta a economia do estado, com a atração de novas empresas. Por isso, estamos investindo na capacitação e qualificação de mão-de-obra, com as escolas de Gastronomia e Hotelaria, o Centro Cearense de Idiomas e as escolas profissionalizantes”, citou Camilo Santana, que ressaltou a importância da trinca de Hubs para o estado – Aéreo, Portuário e Tecnológico.

O governador também reforçou o crescimento das exportações no estado com a consolidação do HUB aéreo e a importância da parceria com o Porto de Roterdã, que será fundamental para a ampliação do HUB aéreo e a captação de novos negócios para o Ceará.

Também nesta segunda-feira, na França, o governador Camilo Santana participou de agenda em um dos maiores centros de startups do mundo, o Station F – projeto inovador de desenvolvimento tecnológico que reúne quase mil startups em um único ambiente.

“Aqui temos o que há de mais moderno e eficiente num novo ecossistema de negócios. Nossa ideia é incentivar, cada vez mais, projetos que estimulem a inovação e a tecnologia no Ceará, em parceria com a iniciativa privada”, citou o governador, que estava acompanhado do presidente da Federação das Indústrias do Ceará (Fiec), Beto Studart, e dos secretários César Ribeiro (Desenvolvimento Econômico) e Élcio Batista (Chefia de Gabinete).

A comitiva cearense foi recebida pelo chefe de inovação da Station F, Axel Gunaltun, que apresentou as instalações do centro de negócios francês. Com 34 mil metros quadrados, o Station F oferece espaço para cerca de 3 mil empreendedores trabalharem em seus projetos e 26 programas de aceleração liderados por grandes corporações, além de locais para a realização de eventos, entre outros recursos disponíveis aos empreendedores.

Em sua terceira agenda do dia na França, o governador Camilo Santana se reuniu com o embaixador do Brasil no país, Paulo César de Oliveira Campos. “Conversamos, entre outros assuntos, sobre a instalação de uma unidade do Instituto Pasteur no Polo de Saúde do Eusébio. Nossa ideia é ampliar cada vez mais as oportunidades e, com isso, garantir mais desenvolvimento para o Ceará”, disse Camilo Santana.

Na última sexta-feira (9), em Roterdã, na Holanda, o governador do Ceará realizou uma apresentação sobre as potencialidades do Ceará e as oportunidades de novos negócios no estado a um grupo de empresários europeus. Em seguida, participou de encontro com o CFO do Porto de Roterdã, Paul Smits; com o representante do Governo Municipal de Roterdã, Adriaan Visser; e com a embaixadora do Brasil nos Países Baixos, Regina Maria Cordeiro Dunlop, em evento que marcou a celebração da parceria com Porto do Pecém.

(Governo do Ceará / Foto: Divulgação)

Joaquim Levy, ex-ministro da Fazenda de Dilma, aceita presidir o BNDES na Era Bolsonaro

292 1

Joaquim Levy aceitou convite para presidir o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) no futuro governo de Jair Bolsonaro. A informação foi divulgada nesta tarde de segunda-feira pela assessoria de imprensa do futuro ministro da Economia, Paulo Guedes.

Atualmente, Levy ocupa o cargo de diretor do Banco Mundial, em Washington (Estados Unidos). Antes, foi ministro da Fazenda no governo da presidente Dilma Rousseff e diretor da administradora de Investimentos Bradesco Asset Mamagement.

Quando chefiou o Ministério da Fazenda, Levy atuou fortemente para tentar diminuir o rombo das contas públicas, que nos últimos três anos ultrapassaram a marca dos R$ 100 bilhões.

Em 2015, na gestão dele como ministro, uma medida provisória do governo, depois aprovada pelo Congresso Nacional, tornou mais rigorosas as regras de acesso ao seguro-desemprego. Com a mudança, o trabalhador passou a ter direito ao seguro-desemprego se tiver trabalhado por pelo menos 12 meses nos últimos 18 meses. Antes, bastava ter trabalhado seis meses para conseguir o benefício.

Ortodoxo

Considerado ortodoxo, Levy também já chefiou a Secretaria do Tesouro Nacional em 2003, no início do governo do presidente Luiz Inácio Lula da Silva, período em que houve aumento do chamado superávit primário – a economia para pagar juros da dívida pública. Naquela época, ganhou o apelido de “mãos de tesoura” por conter os gastos públicos.

Economista bem avaliado pelo mercado financeiro e dentro do governo, costumava conduzir longas jornadas de trabalho no comando do Tesouro Nacional e também na gestão do Ministério da Fazenda, no governo Dilma. Casado com uma advogada, é pai de duas filhas.

Levy deixou o Ministério da Fazenda em meio a desentendimentos com o então ministro do Planejamento, Nelson Barbosa, que depois o sucedeu no comando da economia. Ele decidiu sair quando o governo Dilma concordou em reduzir a meta de superávit para 2016. Na ocasião, a economia que o governo se propõe a fazer todos os anos para pagar juros da dívida pública diminuiu de 0,7% do PIB, como defendia Levy, para 0,5% do Produto Interno Bruto (PIB).

(Também com Portal G1/Foto – Instituto Liberal)

Ministro do STJ manda soltar Joesley Batista

173 1

O ministro Nefi Cordeiro, do Superior Tribunal de Justiça (STJ), mandou soltar, nesta segunda-feira (12), o empresário Joesley Batista, da J&F, e os ex-executivos do grupo Ricardo Saud, Demilton Castro e Florisvaldo Oliveira. A informação é do Portal G1.

O grupo foi preso na sexta-feira (9), na Operação Capitu, deflagrada pela Polícia Federal. No despacho que autorizou a prisão, a desembargadora Mônica Sifuentes, do Tribunal Regional Federal da 1ª Região (TRF-1), disse que os executivos da J&F ocultaram “fatos relevantes” nas delações premiadas.

Cordeiro atendeu pedido da defesa para estender os efeitos da decisão que já havia soltado o ex-secretário de Defesa Agropecuária Rodrigo Figueiredo, preso na semana passada junto com os executivos.

(Foto – Agência Brasil)

Ari de Sá Neto receberá nesta terça-feira o Troféu Equilibrista

Ari de Sá Neto, sócio-fundador e CEO da Arco Educação (Sistema Ari de Sá de Ensino), receberá nesta terça-feira,13, às 19 horas, durante solenidade no Hotel Gran Marquise, o Troféu Equilibrista 2018. A comenda é concedida pelo Instituto Brasileiro de Executivos de Finanças do Ceará (IBEF/CE) .

O Troféu Equilibrista destaca empresários do mundo das finanças e reconhece o trabalho e desenvoltura de executivos diante das adversidades.

Arco Educação

A Arco Educação, holding que é dona de 100% do SAS (Sistema Ari de Sá), administrada por Ari de Sá Neto, é um empreendimento que vem crescendo ao longo dos anos. Fato demonstrado pelo desempenho da empresa, que de acordo com a oferta inicial de ações (IPO) na Nasdaq, realizada em 26 de setembro, a Arco arrecadou US$ 195 milhões, suas ações valorizaram 34,29% e a empresa atingiu o valor de US$ 1,2 bilhão.

(Foto – Divulgação)

Alexandre Pereira é vice-presidente de comissão temática da CNI

145 1

O empresário Alexandre Pereira, vice-presidente da Federação das Indústrias do Ceará (Fiec), agora é também vice-presidente do Conselho Temático de Relações do Trabalho e Desenvolvimento Social da Confederação Nacional da Indústria. Entrou na nova grade da diretoria do reeleito Robson Andrade.

Sim, mas o que Pereira achou do anúncio da extinção do Ministério do Trabalho na Era Bolsonaro?

(Foto – Fiec)

Paulo Guedes promove reuniões sobre reforma da Previdência

O economista Paulo Guedes, que comandará o superministério da Economia, tem reuniões, nesta segunda-feira, no Rio, com o presidente eleito Jair Bolsonaro (PSL). Isso, antes de comandar, nesta terça-feira, em Brasília, reuniões da área econômica.

Segundo técnicos que trabalham nessa equipe, haverá reuniões também na quarta-feira 14). De acordo com eles, a reforma da Previdência é tema constante das reuniões.

(Com Agência Brasil)

Mercado financeiro reduz estimativa da inflação deste ano para 4,23%

A estimativa de instituições financeiras para a inflação este ano caiu pela terceira vez seguida. De acordo com pesquisa do Banco Central (BC), divulgada hoje (12), em Brasília, o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) deve ficar em 4,23%. Na semana passada, a projeção estava em 4,40%.

Para 2019, a projeção da inflação foi ajustada de 4,22% para 4,21%. Não houve alteração na estimativa para 2020: 4%. Para 2021, passou de 3,97% para 3,95%.

A meta de inflação, que deve ser perseguida pelo BC, é 4,5% este ano. Essa meta tem limite inferior de 3% e superior de 6%. Para 2019, a meta é 4,25% com intervalo de tolerância entre 2,75% e 5,75%. Já para 2020, a meta é 4% e 2021, 3,75%, com intervalo de tolerância de 1,5 ponto percentual para os dois anos (2,5% a 5,5% e 2,25% a 5,25%, respectivamente).

Taxa básica de juros

Para alcançar a meta de inflação, o Banco Central usa como instrumento a taxa básica de juros, a Selic, atualmente em 6,5% ao ano. Segundo o mercado financeiro, a Selic deve permanecer em 6,5% ao ano até o fim de 2018. Para 2019, a expectativa é de aumento da taxa básica, terminando o período em 8% ao ano e permanecendo nesse patamar em 2020 e 2021.

Quando o Comitê de Política Monetária (Copom) aumenta a Selic, a finalidade é conter a demanda aquecida, e isso causa reflexos nos preços porque os juros mais altos encarecem o crédito e estimulam a poupança. Quando o Copom reduz a Selic, a tendência é que o crédito fique mais barato, com incentivo à produção e ao consumo, reduzindo o controle da inflação.

A manutenção da taxa básica de juros, como prevê o mercado financeiro este ano, indica que o Copom considera as alterações anteriores suficientes para chegar à meta de inflação.

Crescimento econômico

As instituições financeiras mantiveram a estimativa para o crescimento do Produto Interno Bruto (PIB), soma de todos os bens e serviços produzidos no país, em 1,36% em 2018, e em 2,50% nos próximos três anos.

Câmbio

A expectativa para a cotação do dólar segue em R$ 3,70 no fim deste ano, e passou de R$ 3,80 para R$ 3,76 no término de 2019.

(Agência Brasil)

Novos governadores assumirão sem ter aval da União para crédito

Dez dos novos governadores eleitos neste ano assumirão em janeiro sem condições de obter ajuda da União para renegociar dívidas ou financiar investimentos. A informação é da Folha de S.Paulo desta segunda-feira.

Estatísticas que o Tesouro divulgará, nesta semana, mostram que 15 dos 27 Estados não atingiram as notas exigidas para se credenciar ao aval. Rio de Janeiro e Minas Gerais, que serão administrados por novatos eleitos com impulso da onda bolsonarista, estão entre os que serão entregues em pior situação financeira.

Espírito Santo é o único estado que alcançou nota A desta vez, de acordo com a classificação adotada pelo Tesouro. O Piauí, cuja avaliação passou de C para B, é o único que melhorou no boletim oficial. São Paulo manteve a nota B.

Apesar do sinal positivo que oferece para bancos e agências multilaterais de financiamento, a nota não é garantia da concessão do aval da União. Muitos estados foram à Justiça contestar os critérios do governo nos últimos anos.

VAMOS NÓS – Como vai o Ceará nesse cenário financeiro? Por aqui, as autoridades sempre dizem que o Estado vive equilíbrio fiscal.

Arroz, feijão e carne são os alimentos mais desperdiçados no Brasil

O Ministério do Meio Ambiente (MMA) encerrou neste sábado (10), em Brasília, a Semana Nacional de Conscientização sobre Perdas e Desperdícios de Alimentos 2018.

A programação do último dia contou com uma estrutura montada na Central de Abastecimento (Ceasa) da capital federal, e incluiu oferta gratuita de oficinas de combate ao desperdício, com dicas sobre como tirar o melhor aproveitamento de alimentos, evitando o descarte daquilo que ainda pode ser consumido. Ao longo dos últimos dias, exposições e outras oficinas, como a de hortas urbanas, também movimentaram o local.

Na casa das famílias brasileiras, arroz, carne vermelha, feijão e frango são os alimentos mais jogados fora, segundo a Secretária de Articulação Institucional e Cidadania do MMA, Rejane Pieratti. Ela explica que planejamento é fundamental para se evitar o desperdício.

“Começo planejando o que eu preciso comprar. A maioria das pessoas vai ao supermercado e compra coisa que não vai usar e vai perder dentro da geladeira”, afirmou, em entrevista à Rádio Nacional de Brasília. Os dados mais recentes da Organização das Nações Unidas (ONU)sobre o desperdício no país datam de 2013. Naquele ano, o Brasil desperdiçou mais de 26 milhões de toneladas de alimentos. Estima-se que, em todo o mundo, o volume anual de alimentos jogados fora seja de 1,3 bilhão de tonelada.

(Agência Brasil)

Quando empréstimo com terceiros pode ser melhor que investir a renda no próprio negócio

Em artigo sobre empréstimos, o consultor financeiro Fabiano Mapurunga, Mestre em Administração com ênfase em Finanças e MBA em Gestão de Negócios, aponta vantagens de empréstimo com terceiros. Confira:

É quase uma unanimidade entre os empresários, achar que tomar dinheiro emprestado é muito mais caro do que colocar do seu próprio dinheiro na sua empresa. Alguns até comentam que se estiverem precisando tomar dinheiro emprestado, é porque o negócio já está arruinando. Bem, vamos tentar demonstrar agora que não é bem assim.

Vamos começar entendendo o que significa o termo “Capital de Terceiros”. Este se refere a todo e qualquer capital que se toma emprestado de alguém, ou de alguma instituição, os quais não façam parte da composição societária da empresa tomadora dos recursos, e que por este empréstimo, cobrem uma taxa de remuneração (juros). O termo “Capital Próprio”, se refere aos recursos que foram injetados na empresa pelos sócios, ou pelo reinvestimento da própria empresa.

Para termos um pouco mais de robustez em nosso vocabulário financeiro, vamos entender o que vem a ser o “Custo de Capital de Terceiros” e o “Custo de Capital Próprio”:

1 – CUSTO DO CAPITAL DE TERCEIROS

É a remuneração esperada e exigida pelos entes credores de dívidas da empresa. É no momento atual, o custo geralmente líquido de Imposto de Renda, que se tem para se contrair empréstimos e financiamentos no mercado.

2 – CUSTO DE CAPITAL PRÓPRIO

É o menor retorno que os acionistas esperam receber, pelo capital que investiram na empresa. Em outros termos, é o menor rendimento que os acionistas aceitam que a empresa lhes retorne sobre o dinheiro que eles colocaram.

Agora sim, vamos entender porque o custo do capital próprio é maior do que o custo do capital de terceiros. Isso se dá por duas razões específicas:

PRIMEIRA RAZÃO (RISCO CONCENTRADO)

Todo o retorno que os acionistas esperam, está obviamente vinculado ao sucesso do negócio, ou seja, à capacidade que a empresa terá de gerar lucro e remunerar o capital que eles investiram. Se caso a empresa realizar prejuízo, os acionistas não poderão simplesmente retirar o capital que aportaram, eles não poderão reaver seu dinheiro. Eles assumiram integralmente, o risco do negócio. Como o risco é muito alto, eles exigem uma taxa de retorno também mais elevada, para que o risco seja compensado.

Na ótica do credor, o mesmo receberá as garantias efetivas que solicitou para mitigar o risco do seu capital, como aval, imóveis, etc, e possui os pagamentos das dívidas livres, independente do resultado que a empresa venha a dar.

SEGUNDA RAZÃO (BENEFÍCIO FISCAL)

A outras razão que justifica o custo do capital de terceiros ser mais barato do que o custo do capital próprio, é o benefício fiscal. Como formalização padrão, a remuneração devida ao capital próprio é o lucro líquido, o qual se dá após a dedução do imposto de renda. Para o credor a remuneração que é paga sai em forma de juros, os quais são dedutíveis para a apuração do imposto de renda. Logo a empresa devedora usufruirá de um benefício fiscal ao calcular seus encargos financeiros com as dívidas. Ao final das contas, sairá menos dinheiro do seu caixa porque terá crédito do imposto de renda.

Com estas explicações espero ter ajudado a retirar esta dúvida que paira na cabeça de muitos.

Fabiano Mapurunga

Consultor em Finanças e Negócios. Mestre em Administração com ênfase em Finanças.
MBA em Gestão de Negócios. MBA em Gestão Financeira e Controladoria. Professor
Universitário