Blog do Eliomar

Categorias para Eleições 2018

Deputados federais do Podemos anunciam apoio a Bolsonaro

Um grupo de 11 deputados federais do Podemos declarou apoio ao candidato Jair Bolsonaro (PSL) nesta terça-feira (16). Oficialmente, o partido, que concorreu com Alvaro Dias no primeiro turno, declarou-se neutro no segundo turno da eleição presidencial, mas os filiados estão liberados para apoiar um dos presidenciáveis.

“Não estou falando em nome do partido Podemos, mas em nome de uma parte significativa da bancada de deputados eleitos e reeleitos, que resolveram optar pelo apoio ao presidenciável Jair Bolsonaro”, afirmou o porta-voz do grupo de parlamentares, deputado Aluisio Mendes (Pode – MA). Atualmente, a sigla, que reúne 17 parlamentares, terá a bancada reduzida para 11 integrantes em 2019 após as eleições deste ano. “Dos deputados eleitos, sete já manifestaram interesse em apoiar o candidato Bolsonaro”, completou.

De acordo com o deputado federal Onyx Lorenzoni (DEM-RS), um dos principais articuladores da campanha do presidenciável Jair Bolsonaro (PSL) e cotado para assumir a Casa Civil caso o candidato seja eleito, com a adesão do Podemos, a bancada de apoio na Câmara dos Deputados alcança 310 deputados. O cálculo, no entanto, ainda não considera a nova composição eleita no início deste mês.

Questionado se conciliaria a função de chefe da Casa Civil com a articulação política de governo, Lorenzoni não confirmou a possível atribuição.

“Eu sou um colaborador de primeira hora do deputado Jair Messias Bolsonaro, vou cumprir a missão que ele me determinar, se for eleito”, disse. “Só depois disso é que vamos tratar de governo, espaço”, concluiu.

Participação em debates
Onyx Lorenzoni descartou a necessidade de participação de Bolsonaro em debates no segundo turno. Para o deputado, “debate não resolve mais eleição”.

“Está todo mundo aqui [afirmando], desumanamente, que um cidadão que escapou da morte e já fez dois procedimentos cirúrgicos tem de ir a debate televisivo que não resolve nada. Acabou. O jeito normal de se fazer política no Brasil, televisão, partido, palanque estadual, dinheiro e debate televiso acabou”, disse. Apesar da declaração, o deputado afirmou que a decisão será tomada pelos médicos do candidato.

(Agência Brasil)

Camilo grava vídeo pedindo votos pró-Haddad depois de ato frustrado por fala de Cid Gomes

O governador reeleito Camilo Santana (PT) usou suas redes sociais, no começo da noite desta terça-feira, 16, para pedir apoio e voto pró-Fernando Haddad (PT).

Fez isso um dia depois das críticas disparadas, nessa noite de segunda-feira, pelo senador eleito Cid Gomes (PDT) contra o Partido dos Trabalhadores.

Cid cobrou mea culpa do PT por ter feito “muita besteira”. A fala ocorreu num ato puxado por Camilo, no Marina Park Hotel, e que marcaria a arrancada da campanha de segundo turno pró-Haddad no Ceará.

Camilo, no vídeo, diz que Haddad é “o candidato mais bem preparado para governar o País.”

Comitê de Bolsonaro em Fortaleza é prestigiado por lideranças do Pros, PSDB e até do MDB

O PSL do candidato a presidente d República, Jair Bolsonaro, inaugurou, nesta noite de terça-feira, na avenida Antonio Sales, 855 (Bairro Joaquim Távora), o seu comitê central. Além da presença do seu presidente regional, Heitor Freire, eleito deputado federal, e de André Fernandes e Delegado Cavalcante, ambos eleitos para a Assembleia Legislativa, a presença de uma comitiva do Pros e do PSDB.

O Capitão Wagner, o deputado federal mais bem votado do Ceará e dirigente estadual do Pros, bem como o senador eleito Eduardo Girão (Pros), o General Theophilo, que disputou o Governo pelo PSDB, e ainda os deputados estaduais Fernanda Pessoa, reeleita pelo PSDB, e Nelinho, eleito deputado estadual pelo PSDB, e Roberto Pessoa, eleito deputado federal pelos tucanos, reforçaram o palanque pró-Bolsonaro no Estado.

O presidente em exercício do MDB, Gaudêncio Lucena, marcou presença no ato com familiares. Ele é também sócio do senador Eunício Oliveira (MDB), que não conseguiu a reeleição. Ele, no entanto, não subiu no palanque. Ficou em meio aos militantes.

Nos discursos, a expectativa de que Bolsonaro será o vitorioso. Houve até quem lembrasse da fala do senador eleito Cid Gomes (PDT), com críticas e cobrando mea culpa do PT, como importante trunfo eleitoral pró-Bolsonaro. Foi o caso do deputado André Fernandes.

Em outro momento, quando o senador eleito Eduardo Girão (Pros) foi chamado a falar, o público bradou: “Fora Eunício!”

Já no próximo fim de semana, haverá carreata pró-Bolsonaro em Fortaleza, segundo informação da coordenação de campanha.

(Foto – Divulgação)

Heitor Férrer reforça postura de oposição a Camilo Santana

78 1

O deputado estadual reeleito Heitor Férrer (SD) criticou o governador Camilo Santana (PT), da tribuna da Assembleia Legislativa, nesta terça-feira. Disse que Camilo não cumpriu em seu primeiro mandato suas promessas de campanha de 2014. Segundo Heitor, a conduta do governador é um dos fatores que levam a população cearense a se decepcionar com a classe política.

“Quando o governo promete e não cumpre, portanto, mente para a sociedade, isso repercute em todos nós. Por isso que nós temos que endurecer a base do governo e temos que ter também o zelo pela população que nos conduziu até aqui”, defendeu Heitor.

Entre as promessas de 2014 que não foram cumpridas, Heitor ressaltou a construção de mais policlínicas, a instalação dos prontuários eletrônicos e a substituição das casas de taipa por residências de alvenaria. “Essas promessas estão constando no novo programa porque não o governador não cumpriu minimamente o que prometeu em 2014. Mas vou cobrar diariamente porque, pelo menos, o povo vai saber que ele prometeu e não compriu, e que existe alguém cobrando”, disse o parlamentar.

Fernando Haddad evita polêmica e diz: “Cid é meu amigo!”

O candidato à Presidência da República pelo PT, Fernando Haddad, classificou como “coisa meio acalorada” as críticas feitas pelo senador eleito do Ceará Cid Gomes (PDT) na noite desta segunda-feira, 15. “Uma coisa meio acalorada, não vou ficar comentando isso até porque eu tenho uma amizade com o Cid, ele fez elogios à minha pessoa”, disse Haddad a jornalistas na manhã desta terça-feira, 16. Em uma discussão, Cid Gomes disse que o PT perderá eleição se não fizer mea-culpa e chamou a militância petista de “babaca”.

O petista declarou que preferia ver o lado “positivo” das declarações do pedetista e que a amizade entre os dois continuaria a mesma. Haddad disputa o segundo turno da eleição presidencial com o candidato Jair Bolsonaro, do PSL. Levantamento feito por Ibope/Estado/TV Globo divulgado pouco antes do discurso de Cid Gomes apontou que Bolsonaro lidera a pesquisa com 59% dos votos válidos, contra 41% de Haddad.

Cid Gomes se envolveu em discussão com apoiadores do PT durante ato a favor de Haddad, na noite de segunda-feira em Fortaleza. Em vídeo que circula nas redes sociais, Cid faz elogios a Haddad, mas cobra que o PT faça um mea-culpa para conquistar o apoio do eleitorado.

“Tem de pedir desculpas, tem de ter humildade, e reconhecer que fizeram muita besteira”, disse o senador eleito, sendo interrompido por pessoas da plateia. “É sim, é? Pois tu vai perder a eleição. Não admitir um mea-culpa, não admitir os erros que cometeu, isso é para perder a eleição e é bem feito. É bem feito perder a eleição”, afirmou Gomes durante o ato.

(Com Agência Estado/Foto – Reprodução de TV)

Cid Gomes usa Facebook para amenizar repercussão do seu desabafo

O senador eleito Cid Gomes (PDT) usou sua página no Facebook, nesta terça-feira, para abordar o desabafo que fez, nessa noite de segunda-feira, no Marina Park, por ocasião do ato de lançamento da campanha pró-Haddad no Ceará. Ele procura amenizar a repercussão. Confira:

Comparei os dois nomes que estão no 2o turno. O Haddad é infinitamente melhor que o Bolsonaro.
Eu não quero me vingar de ninguém.

Para o Brasil, o menos ruim é o Haddad. Por isso penso que seria melhor que ele ganhasse.
Qual o maior empecilho para que isso aconteça?

A maioria do povo brasileiro quer virar duas páginas do nosso passado recente! Já virou uma, a do PSDB.
E não vou aqui tripudiar sobre o Alckmin…Neste segundo turno, quer virar a outra: a página do PT!

Creio que a única forma de ajudar a evitar que essa ânsia popular de negação coloque o País numa aventura obscurantista seria uma profunda autocrítica da companheirada seguida de um encarecido e sincero pedido de desculpas;

Na sequência, uma palavra firme do Haddad de que governará suprapartidariamente.

Será pedir demais?

Muita ingenuidade?

Penso assim pelo Brasil!

Ajo assim pelos brasileiros!

Cid Gomes.

Cid Gomes e o anúncio da Nova Esquerda

Com o título”Cid Gomes e o anúncio da nova esquerda”, eis artigo de Leonardo Bayma, professor universitário e doutorando em Ciência Política. Ele aponta para o que poderá vir pós-eleições presidenciais num cenário que aponta para Jair Bolsonaro no Planalto. Confira:

Por fora da campanha presidencial de segundo turno, os bastidores da política já traçam o cenário pós-campanha e se articula em torno do cenário que surgirá a partir da posse de Jair Bolsonaro em 2019. É assim que a seara política funciona, se antecipando, criando fatos, formulando alianças e linhas de discurso, de forma que o vácuo não exista e permita que a correlação de forças no campo político permaneça dinâmica.

Há quinze dias do final das eleições, parece clara como o sol a vitória de Jair Bolsonaro para a Presidência da República. Os corredores do Congresso Nacional fervilham em especulações e articulações. Situação e oposição já ensaiam seus papéis para o início da próxima quadra republicana.

Hoje, nos bastidores, já se tem notícia que o PSL alcançará 70 deputados federais, será o maior partido da Câmara dos Deputados. É bom que lembremos que 14 partidos não conseguiram atingir a cláusula de desempenho nas eleições e deverão ver seus parlamentares eleitos procurarem outros ninhos onde possam manter alguma expectativa futura de poder. É assim que é.

Se o partido do futuro presidente crescerá a passos largos, resta saber que caminho tomara a oposição. Marchará unida sob o comando da hegemonia petista? Surgirá um novo bloco de esquerda? Haverá um centro oposicionista? Uma direita oposicionista?

Nesta breve análise vou me deter ao campo da esquerda. Sim, esse passará certamente por uma transformação. Já está passando. A alta taxa de rejeição ao candidato Fernando Haddad mostra que o PT não encontrou uma alternativa de discurso capaz de renovar a confiança do eleitor de centro num projeto de esquerda.

De fato, a falta de mea culpa, de revisão no discurso, de uma certa humildade em reconhecer os erros na trajetória, tornaram o PT menor, não no tamanho, mas na relevância em encabeçar uma alternativa futura. A hegemonia começa a ruir.

Como alternativa oposicionista surgem no pleito de 2018 forças que se agirem em bloco podem ditar juntas os rumos de uma nova esquerda nacional. Hoje, um bloco no Congresso Nacional composto por PSB, PDT e Rede, contaria com 61 deputados federais e 11 senadores, e se constituiria na maior força de esquerda no parlamento.

Começam a ficar mais claros a viagem de Ciro ao exterior durante o segundo turno, o não apoio de Márcio França do PSB a Haddad em São Paulo, a fala do futuro Senador do PDT Cid Gomes em evento de Haddad no Ceará, o apoio do PDT a Márcio França em São Paulo, dentre outros fatos que formam as evidências que aqui apontamos. É ver pra crer.

*Leonardo Bayma,

Consultor Político – Doutorando em Ciência Política e professor universitário.

Michel Temer prevê “transição tranquila”para o próximo governo

O presidente Michel Temer garantiu hoje (16) que fará uma “transição tranquila”, independentemente de quem seja eleito presidente da República nestas eleições, durante palestra na Associação Comercial do Paraná. Segundo ele, a fim de facilitar a transição, está sendo preparado um livro contendo os feitos do atual governo, bem como medidas que deverão ser implementadas pelo futuro governo.

“Me dão a tribuna em um momento de quase transição, porque a partir do dia 28 [de outubro] vamos entrar numa transição governamental, que pretendo fazer com a maior tranquilidade.

Teremos pouco mais de dois meses. Já estamos nos organizando com o livro da transição para o que foi feito e o que resta a fazer”, disse o presidente.

Temer lamentou o fato de não ter recebido do governo anterior ajuda similar à que pretende dar ao governo que será eleito no pleito do dia 28. “Quando cheguei [à Presidência, após o impeachment de Dilma Rousseff], não havia ninguém e, nos computadores, não havia dado nenhum. Tudo foi retirado. Tivemos de começar do zero”, disse o presidente.

“Não tivemos transição de espécie alguma, o que institucionalmente é incorreto, porque as pessoas não têm de se pautar pelas emoções momentâneas, mas pelos critérios da Constituição Federal. Por isso que digo, faremos uma transição muito tranquila àquele que for eleito no dia 28 de outubro”, completou.

De acordo com o presidente, as eleições servem não apenas para definir quem será o mandatário do país, mas para eleger também quem será a oposição. O problema, acrescentou, é que no Brasil o conceito de oposição não é jurídico, e sim político, o que, segundo ele, dificulta a unidade do país em torno da proposta vencedora.

“Nosso conceito de oposição não é jurídico. É político. A ideia de quem perde a eleição é a de derrotar o governo eleito. É uma concepção equivocada. Nas campanhas eleitorais se tem dois instantes, o momento político eleitoral, em que há teses controvertidas, contestações, debates. Depois, quando passam as eleições, se entra em outro momento, que é politico-administrativo, em que todos os brasileiros devem voltar-se para o bem do país”, argumentou ao defender uma “melhora da cultura política”.

(Agência Brasil)

TSE reúne coordenadores das campanhas presidenciais nesta quarta-feira para tratar sobre fake news

A presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), ministra Rosa Weber, adiou de hoje (16) para amanhã (17) a reunião com representantes das campanhas dos candidatos à Presidência da República Jair Bolsonaro (PSL) e Fernando Haddad (PT) para discutir a veiculação de notícias falsas por meio de redes sociais e aplicativos de mensagens. Segundo a assessoria do TSE, o adiamento atende pedido do representante da campanha de Jair Bolsonaro. O encontro for remarcado para ocorrer, a princípio, às 19h30 de quarta-feira (17), de acordo com a agenda de Rosa Weber divulgada pelo tribunal.

As notícias falsas (fake news) entraram na agenda do TSE desde o início da preparação do processo eleitoral. No entanto, um conselho consultivo formado pelo tribunal para lidar com o assunto até o momento não apresentou medidas efetivas. A publicação de uma resolução específica sobre o tema, por exemplo, chegou a ser discutida nas reuniões, mas não chegou a ser proposta.

Em outras frentes, o tribunal chamou os partidos a assinarem um acordo contra as notícias falsas e reforçou a equipe que monitora essa prática, mas as medidas foram insuficientes para conter as fake news, que inundaram as redes sociais e aplicativos como o WhatsApp durante o período eleitoral.

O TSE agora tenta um pacto entre os dois candidatos à Presidência da República para evitar uma disseminação ainda maior de fake news, que para ministros da Corte podem abalar a credibilidade do pleito.

Sempre que solicitados por algum candidato, os ministros responsáveis por julgar representações sobre propaganda eleitoral têm nas últimas semanas emitido decisões ordenando a remoção de conteúdos manifestamente falsos de redes sociais como Facebook, Twitter e YouTube.

(Agência Brasil)

Chico Lopes evita polemizar sobre críticas de Cid Gomes ao PT

O deputado federal Chico Lopes (PCdoB) evitou comentar, nesta terça-feira, a fala, em tom de desabafo, do senador eleito Cid Gomes (PDT).

Durante ato, nessa noite de segunda-feira, no MarinaPark Hotel, em Fortaleza, Cid cobrou do PT mea culpa por ter feito “muita besteira”. O ato, com a presença do governador Camilo Santana (PT) e de várias lideranças petista e pedetistas, serviria para marcar a arrancada da campanha de segundo turno pró-Haddad no Ceará.

Chico Lopes, que não conseguiu reeleição, instado sobre o assunto, não quis polemizar: “Cada partido tem sua dinâmica e não cabe a mim ficar criticando.”

 

TSE manda remover inserção de Haddad com informação falsa sobre Bolsonaro

O ministro Sergio Banhos, do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), determinou que a campanha do presidenciável do PT, Fernando Haddad, cesse a divulgação de uma propaganda eleitoral segunda a qual o candidato do PSL à Presidência, Jair Bolsonaro, teria votado na Câmara dos Deputados contra a criação da Lei Brasileira de Inclusão (LBI), que garante direitos a pessoas com deficiência.

Em representação ao TSE, os advogados de Bolsonaro apresentaram provas de que Bolsonaro votou contra um dos destaques da LBI, acerca de questões de gênero, mas a favor da criação da lei em si.

“Se extraem da propaganda eleitoral impugnada elementos suficientes à configuração da alegada transgressão, porquanto se depreende da propaganda em evidência a publicação de fato sabidamente inverídico (fake news) capaz de desequilibrar a disputa eleitoral, consistente na divulgação de que o candidato representante votou contra a LBI”, argumentou o ministro.

A peça do PT foi ao ar na TV no sábado (13). No dia seguinte, após desmentido do adversário, a campanha de Haddad retirou do Twitter um post que dizia que Bolsonaro havia votado contra a LBI, justificando o ato por estar corrigindo uma informação “imprecisa”.

(Agência Brasil)

Quem precisa conquistar o voto?!

67 1

Com o título “Quem precisa conquistar o voto?!”, eis artigo de Sara Oliveira, jornalista do O POVO. Ela aborda pequenos gestos numa campanha eleitoral que significam muito e muita coisa para o amadurecimento da cidadania. Confira:

De dentro do Pirambu eu via os prédios da Beira Mar. Entre as casas miúdas, sem vaga na garagem ou fachada ornamentada, nas vielas de asfalto e pedras, tinha de Mercedes a carros populares. Todos seguindo os mesmos candidatos. Ouvi muita gente dizer que carreata, hoje em dia, era “brega”. Mas considero que a interrupção do trânsito em um sábado de sol promove um fervor político importante para as urnas.

O caminho que percorremos já estava planejado, traçado e enfeitado minuciosamente com as cores e as bandeiras que tentavam se eleger. Do candidato a deputado mais desconhecido ao presidenciável polêmico e midiático.

Antes de saber por onde seguiríamos, me adiantaram que provavelmente a carreata aconteceria pelos cartões postais da Capital. Se enganaram. As dezenas de carros – além do trem da alegria – percorreram alguns dos bairros mais periféricos de Fortaleza.

É lá onde há precisão, seja de educação, de segurança, de saúde. Seja de música, de animação, de movimento. Ver os contrastes, já tão costumeiros na nossa cidade, me incomodou de novo. Carro chique, carro pobre, gente rica, gente pobre, interesses de ricos e interesses de pobres. Nem todos que compunham a carreata estavam ali pelos mesmos motivos e a maior diferença era mesmo ter ou não ter.

Mas para além de todos os contrastes e incômodos vistos e vividos, algo mexeu ainda mais comigo. Algumas pessoas distribuíam, de dentro de carros, adesivos, “santinhos” e bandeiras. Uma delas, ao chegar perto de um grupo de vizinhos, sem perguntar quem ali queria militar a favor do candidato à frente da carreata, apenas jogou uma bandeira no chão. Na expectativa de que aquele povo, sedento de música e de direitos, corresse para pegá-la. Olhei, esperei ser um erro. Não era.

Um jovem pegou a bandeira e questionou junto ao motorista o porquê da ação. Ouviu algo, sorriu e entregou a peça de campanha para outra moradora. Fiquei me perguntando quem precisa conquistar o voto ou a educação de quem em meio às eleições.

*Sara Oliveira

saraoliveira@opovo.com.br

Jornalista O POVO,

Evangélicos orientam fieis a pedir votos pró-Bolsonaro em redutos do PT

Líder da Sara Nossa Terra e presidente da Confederação dos Conselhos de Pastores do Brasil, o bispo Robson Rodovalho promete mobilizar 5.000 pessoas para pedir votos para Bolsonaro no próximo fim de semana.

A informação é da Coluna Painel, da Folha de S.Paulo desta terça-feira.

Os atos terão como foco cidades em que o PT leva vantagem, especialmente no Nordeste. Os fieis serão orientados a ir às ruas para defender valores da família tradicional e a candidatura do capitão reformado.

(Foto -Reuters)

Veveu Arruda, ex-prefeito de Sobral e marido da vice-governadora, endossa críticas de Cid Gomes ao PT

Izolda Cela, Veveu Arruda e o prefeito de Sobral, Ivo Gomes (PDT).

O ex-prefeito de Sobral, Veveu Arruda (PT) e marido da vice-governadora reeleita, Izolda Cela (PDT), endossou as críticas, em tom de desabafo, feitas nessa noite de segunda-feira, pelo senador eleito Cid Gomes (PDT) contra os petistas.

Cid, durante ato, no Marina Park Hotel, em que estava sendo lançada a campanha de segundo turno pró-Fernando Haddad no Ceará, disse que o partido deveria fazer mea culpa, pois fez “muita besteira”.

“Na verdade, o Cid reproduziu o que alguns dirigentes do PT já diziam como Jaques Wagner. O próprio Haddad em seu programas, em entrevistas, faz reflexões sobre o passado do PT e aponta para direções novas do PT. Uma voz fora do PT que reproduz um pensamento que existe dentro do PT”, afirmou Arruda.

DETALHE – Clodoveu Arruda foi prefeito de Sobral com apoio de Cid Gomes.

Capitão Wagner: Críticas de Cid ao PT são um sinal de rompimento

148 3

O presidente regional do Pros e deputado estadual Capitão Wagner, eleito para a Câmara Federal como o mais votado do Ceará (303.593 votos), disse, nesta terça-feira, que a fala de Cid Gomes cobrando mea culpa dos petistas por terem feito “muita besteira”, foi uma surpresa. Cid fez críticas, em tom de desabafo, nessa noite de segunda-feira, no Marina Park, durante ato em que o governador Camilo Santana lançava a campanha de segundo turno pró-Haddad no Estado.

Capitão Wagner, no entanto, disse que, como conhece os bastidores da política, essa postura do senador eleito do PDT já é sinal de que “o barco” de Haddad não se viabilizou neste segundo turno e está afundando”.

Lembrou ainda que isso é prova de que há um desgaste, há muito tempo, na relação entre o grupo do “PT de fato” e os Ferreira Gomes, o que se mostrou visível, a partir da eleição do prefeito de Fortaleza, Roberto Cláudio (PDT.

Para o Capitão Wagner, o rompimento entre o PT e os Ferreira Gomes deve acontecer após as eleições.

O dirigente do Pros lembrou que, a partir das 19 horas desta terça-feira, será inaugurado o comitê central da campanha de Jair Bolsonaro (PSL) no Estado, mais precisamente na avenida Antonio Sales, 855.

TSE mantém no ar post que acusa Haddad de defender o incesto

O ministro Luís Felipe Salomão, substituto no Tribunal Superior Eleitoral, negou pedido para retirar postagens do escritor Olavo de Carvalho de redes sociais. Em decisão dessa segunda-feira (15/10), Salomão afirma que a interferência da Justiça Eleitoral sobre o que é publicado na internet deve respeitar a liberdade de expressão. O pedido foi feito pela campanha do candidato à presidência Fernando Haddad (PT, informa o site Consultor Jurídico.

Em um dos posts, Olavo de Carvalho diz que o candidato defende o incesto em um livro: “Estou lendo um livrinho do Haddad, onde ele defende a tese encantadora de que para implantar o socialismo é preciso derrubar primeiro o tabu do incesto. Kit gay é fichinha. Haddad quer que os meninos comam suas mães”. Na decisão, Salomão diz que, embora a publicação veiculada apresente teor ofensivo ou negativo, exterioriza o pensamento crítico do representado acerca de uma obra de autoria do candidato.

“A liberdade de expressão no campo político-eleitoral abrange não só manifestações, opiniões e ideias majoritárias, socialmente aceitas, elogiosas, concordantes ou neutras, mas também aquelas minoritárias, contrárias às crenças estabelecidas, discordantes, críticas e incômodas”, destacou o ministro.

Em relação à interferência da Justiça em casos como o analisado, o ministro explicou que “não houve transgressão comunicativa, violadora de regras eleitorais ou ofensiva a direitos personalíssimos, e estão agasalhadas pelo exercício legítimo da liberdade de expressão, segundo a Constituição Federal”.

A ação foi ajuizada pelo escritório Aragão e Ferraro. A petição chama a atitude do escritor de “irresponsável diante da popularidade que possui nas redes sociais para circulação de afirmações infundadas, injuriosas e difamatórias que visam, única e exclusivamente, manipular a opinião pública por meio de ilações vazias”.

(Foto – Reprodução de TV)

Dirigente do partido de Bolsonaro no Ceará diz que Cid falou o que já se sabia: o PT é partido de babacas

O presidente regional do PSL, empresário Heitor Freire, afirmou, nesta terça-feira, que a fala de Cid Gomes (PDT) criticando o PT corrobora com o que seu partido e o candidato a presidente da República, Jair Bolsonaro, já dizem há muito tempo sobre esse partido: “Como ele falou, é um partido de babacas e vai perder sim, porque o povo não aguenta mais ser comandado por um preso, de gente que está na cadeia”. Refere-se ao ex-presidente Lula, réu da Lava Jato, hoje na carceragem da PF de Curitiba (PR).

Cid Gomes afirmou, durante ato pró-Haddad nessa noite de segunda-feira, no Marina Park Hotel, que os petistas deviam fazer mea culpa por conta de “muita besteira” que fizeram no País. O ato fora organizado pelo governador Camilo Santana (PT).

Heitor Freire aproveitou para bater em Cid Gomes e o qualificou como “um oportunista” , que sempre esteve na esquerda. “Ele é sim um petista enrustido, que daqui a pouco vai ser desmascarado”. O dirigente do PSL gostou da fala de Cid, que “quer dar uma de bonzinho”, mas deixou claro que a hora do PT está chegando e que o País quer mudança.

Ele acredita que muitos dos votos pró-Ciro Gomes deverão migrar para Bolsonaro. “Vejo a fala do Cid de forma positiva, mesmo não gostando dele, mas mostra o que nós cidadãos de bem já dizíamos há muito tempo”, completou Freire.

DETALHE – O PSL inaugura nesta terça-feira, às 19 horas, em ponto da avenida Antoniuo Sales, 855, o comitê central pró-Bolsonaro.

Guimarães: Crítica de Cid ao PT foi ato de “desrespeito” ao governador. Ele fala em separação

“Foi  um ato de desrespeito ao governador Camilo Santana (PT)”, disse, nesta terça-feira, em entrevista ao programa O POVO no Rádio, apresentado pelo jornalista Luiz Viana na Rádio O POVO/CBN, o deputado federal José Nobre Guimarães (PT) ao comentar críticas do senador eleito Cid Gomes (PDT) ao PT. Guimarães integra a coordenação da campanha de Haddad no Estado.

Durante ato de lançamento da campanha de segundo turno pró-Fernando Haddad, nessa noite de segunda-feira, no Marina Park Hotel, Cid cobrou mea culpa dos petistas, pois o partido “fez muita besteira”, no que acabou criando clima para a ascensão de Jair Bolsonaro, postulante a presidente pelo PSL.

Para José Guimarães, que não compareceu ao evento por se encontrar em Brasília, o gesto de Cid Gomes foi “inoportuno” e “além da conta”, pois críticas entre parceiros deveriam ser feitas dentro do âmbito dos partidos e não publicamente.

Guimarães lamentou a postura de Cid, mas lamentou mais ainda a situação criada em torno do governador Camilo Santana, no que chegou a acentuar: “Separação se faz com respeito!” O petista deixou transparecer que a relação do seu partido com os Ferreira Gomes não estaria mais em condição estável.

(Foto – Rodrigo Carvalho)

Advogados pró-Bolsonaro lançam manifesto reagindo contra colegas que preferem Haddad

Advogados que apoiam o candidato a presidente da República pelo PSL, Jair Bolsonaro, lançaram um manifesto em sua defesa, para se contrapor ao divulgado antes por colegas que preferem Fernando Haddad (PT). Esse movimento em favor do postulante petista ficou conhecido como #EleNão Jurídico.

O documento dos advogados pró-Bolsonaro rejeita “qualquer solução fora da Constituição de 1988, fora dos princípios básicos que regem o Estado Constitucional”.

(Foto – Reprodução de TV)