Blog do Eliomar

Categorias para Eleições 2018

Autoridades devem anunciar medidas para este segundo turno da disputa presidencial

 

A nove dias do segundo turno das eleições, as autoridades preparam para hoje (19)  anúncios sobre as prioridades para as votações no dia 28. O alerta ocorre no momento em que os candidatos à Presidência da República Jair Bolsonaro (PSL) e Fernando Haddad (PT) trocam acusações sobre a existência de empresários que financiaram um esquema de disseminação de notícias falsas anti-PT.

À tarde haverá uma entrevista coletiva da qual participarão a presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), Rosa Weber; os ministros Raul Jungmann (Segurança Pública) e Sérgio Etchegoyen (Gabinete de Segurança Institucional da Presidência da República), a procuradora-geral da República, Raquel Dodge, a advogada-geral da União, Grace Mendonça, e o diretor-geral da Polícia Federal, Rogério Galloro.

A expectativa é de que sejam anunciadas as medidas institucionais adotadas em decorrência de questionamentos levantados no primeiro turno. Nas últimas horas, PT, PSL, PSOL e PDT se manifestaram sobre a divulgação e os impactos de fake news. Recorreram à Justiça eleitoral o PT e PSOL, enquanto os outros dois partidos também anunciaram que vão ingressar com ações.

Advertência

Ontem (18) Raquel Dodge advertiu sobre os riscos da disseminação de conteúdo falso. “O eleitor é o ator principal. Ele tudo pode, mas nem tudo convém. As fake news não convêm ao eleitor nem à democracia”, afirmou. “É preciso também que não haja abuso, não haja ilícito no modo como as pessoas se expressam, no modo como elas convencem os vizinhos e eleitores.”

A advertência ocorreu durante a reunião em que o combate à divulgação de notícias falsas nas redes sociais foi o tema principal. Participaram procuradores eleitorais e os advogados das campanhas de Bolsonaro e Haddad, além do ministro Edson Fachin, do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), e do ministro da Segurança Pública, Raul Jungmann.

(Com Agência Brasil)

Haddad e Bolsonaro fazem campanha no Rio

Candidatos à Presidência Jair Bolsonaro (PSL) e Fernando Haddad (PT).

O candidato do PT à Presidência da República, Fernando Haddad, passa parte do dia hoje (19) no Rio de Janeiro onde mora o adversário Jair Bolsonaro (PSL). O petista tem um encontro com pesquisadores, professores e estudantes às áreas de ciência e engenharia.

Haddad participa de uma reunião no Clube de Engenharia para o debate “Democracia e soberania: Universidade, Ciência e Engenharia para o desenvolvimento brasileiro”.

Bolsonaro ontem (18) – em uma transmissão ao vivo nas redes sociais indicou que não pretende participar de debates nem tem a intenção de fazer campanhas de rua, o chamado corpo a corpo. Segundo ele, teme pela própria segurança.

A nove dias das eleições, a campanha está mais acirrada e o foco é a disseminação de notícias falsas nas redes sociais e aplicativos.

Os candidatos trocam acusações, enquanto os partidos políticos recorrem à Justiça Eleitoral em busca de providências.

(Agência Brasil)

Ação de Ciro e Cid contra o PT foi um tiro no pé, dizem membros da esquerda

Aliados de Fernando Haddad que militam fora do PT afirmam que, se a intenção dos irmãos Ciro e Cid Gomes, do PDT, era a de se preservar para a eleição de 2022 com o tal “apoio crítico” ao presidenciável, eles deram um tiro no pé.

Segundo a Coluna Painel, da Folha de S.Paulo desta sexta-feira, mesmo já projetando a derrota de Haddad, parte da esquerda avalia que o PT se manterá como o principal partido desse campo e que, agora, a legenda ainda vai despontar como a beneficiária do eventual fiasco de um governo Jair Bolsonaro.

(Foto – Jarbas Oliveira)

Lula já admite a derrota de Haddad

3184 19

A um interlocutor que foi visitá-lo na cadeia, em Curitiba (PR), o ex-presidente Lula admitiu abertamente a derrota do candidato Fernando Hadad na eleição. É o que informa a Veja Online.

Na visão dele, e da cúpula do PT, só um grande escândalo poderia mudar o resultado final.

Pela pesquisa Datafolha, a mais recente, divulgada no Jornal Nacional, a rejeição ao candidato Fernando Haddad (PT) superou a de Jair Bolsonaro (PSL) no último levantamento realizado pelo instituto para o segundo turno das eleições deste ano.

Segundo a pesquisa, 54% dos entrevistados não votaria de jeito nenhum no petista, contra 41% para o capitão do Exército.

Considerando os votos por região, Bolsonaro continua vencendo em todas, exceção feita ao Nordeste, onde Haddad tem 53% das intenções de voto, contra 31% do capitão reformado do Exército. No Sudeste, região mais populosa do País, o presidenciável do PSL bate o petista por 55% a 29%. No sul, a diferença chega a 61% contra 27%.

A pesquisa Datafolha foi realizada a pedido da TV Globo e do jornal Folha de São Paulo. Ela tem margem de erro de 2 pontos percentuais para mais ou para menos. Foram entrevistados 9.137 eleitores em 341 municípios entre ontem e hoje. O levantamento foi registrado no TSE com o código BR-07528/2018.

(Também com Agência Estado/Foto – Agência Brasil))

Cid Gomes virou mesmo o garoto-propaganda de Bolsonaro?

Da Coluna do Eliomar de Lima, no O POVO desta sexta-feira:

Mesmo com o senador eleito Cid Gomes (PDT) tendo gravado vídeo garantindo votar em Fernando Haddad, depois de cobrar mea culpa ao PT por ter feito “muita besteria”, a fogueira entre aliados, principalmente no campo petista, ainda queima. O ex-presidente estadual do partido, deputado federal José Airton, que esteve no ato em que Cid desabafou, afirma: “Fiquei indignado. Não era o momento adequado para pedir autocrítica do PT nem para fazer aquelas colocações com os militantes e simpatizantes do Haddad.

Lamento o que Cid fez e, na minha avaliação, ele foi inconsequente e deselegante com os convidados, alguns de Salitre (Cariri), que vieram de muito longe, e com o anfitrião do evento, Camilo Santana.” José Aiton acentua que, assim “como Cid alegou que apoiou Camilo e que o PDT abriu mão da cabeça de chapa, da mesma forma, em 2006, o PT decidiu não me apoiar para governador, mesmo tendo a Luizianne Lins prefeita de Fortaleza e Lula presidente, para apoiá-lo ao Governo.”

José Airton ainda disparou: “Cid prestou um tremendo desserviço à democracia, tornando-se o garoto-propaganda da campanha de Bolsonaro. Mesmo sem querer.”

Haddad cumprirá agenda de campanha entre Fortaleza e Crato

O candidato a presidente da República pelo PT, Fernando Haddad, cumprirá agenda de campanha neste sábado no Ceará. O Diretório Estadual do partido, divulgou a programação intitulado como o “Dia Nacional da Virada”.

A partir das 8 horas, apoiadores do candidato farão uma caminhada, que terá concentração na Praça da bandeira, em Fortaleza. O ato terá encerramento na Praça do Ferreira. Em seguida, Fernando Haddad irá para a Região do Cariri, onde, mais precisamente na cidade do Crato, ocorrerá um ato público, a partir das 15 horas.

Com Fernando Haddad, vão estar a candidata a vice-presidente, Manuela Dávila (PCdoB), Guilherme Boulos (Psol), que disputou a presidência e virou apoiador do candidato petista neste segundo turno, e o governador reeleito, Camilo Santana (PT).

(Foto – Divulgação)

Eleições afogadas por fake news

Com o título “Eleições afogadas por fake news”, eis o Editorial do O POVO:

Causou grande impacto na opinião pública nacional a matéria da Folha de S. Paulo, publicada ontem, dando conta de que empresas estão comprando pacotes de disparos em massa de mensagens contra um dos candidatos à corrida eleitoral (o do PT) através do WhatsApp, difundindo inverdades (fake news) sobre suas propostas e atingindo sua honra pessoal e a de seus familiares. Cada contrato encampado por empresários chegaria a R$ 12 milhões, em flagrante violação da legislação eleitoral (caixa 2). Isso possibilita o financiamento de disparos de centenas de milhões de mensagens aos eleitores, fazendo-lhes uma verdadeira “lavagem cerebral” em favor do candidato Jair Bolsonaro (PSL), segundo a constatação da investigação jornalística.

Esta se deparou com a articulação de uma grande operação para ocasionar uma onda gigantesca de fake news na semana anterior ao segundo turno. Como isso ocorre? As empresas compram um serviço chamado “disparo em massa”, usando a base de usuários do próprio candidato ou bases vendidas por agências de estratégia digital – o que também seria ilegal, pois a legislação eleitoral proíbe compra de base de terceiros, só permitindo o uso das listas de apoiadores do próprio candidato (números cedidos voluntariamente). Ao utilizarem bases de terceiros, essas agências oferecem segmentação por região geográfica e, às vezes, por renda. Isso permite fornecer ao cliente relatórios de entrega contendo data, hora e conteúdo disparado. Às vezes, as bases de usuários são fornecidas ilegalmente por empresas de cobrança ou por funcionários de empresas telefônicas.

Outro recurso é a geração de números estrangeiros automaticamente por certos sites que seriam repassados para administradores e participantes de grupos. Com códigos de área de outros países, sobretudo EUA, esses administradores escapam dos filtros de spam e das limitações impostas pelo WhatsApp, fazendo chegar a mesma mensagem automaticamente para até 20 pessoas ou grupos de até 256 integrantes. A isso se adicionam algoritmos que segmentam os membros dos grupos entre apoiadores, detratores e neutros, e, desta maneira, conseguem customizar de forma mais eficiente o tipo de conteúdo que enviam.

Ou seja, esses procedimentos poderão resultar em distorção e comprometimento do processo eleitoral, o que seria grave para o destino da democracia brasileira. O sistema de Justiça é chamado a dar uma palavra sobre essa grave denúncia. A Nação precisa estar tranquila quanto à lisura de uma decisão que terá consequências incontornáveis sobre a vida de cada um de seus cidadãos. A democracia deve estar acima de tudo.

Pesquisa Datafolha: Bolsonaro 59% x 41% Haddad

O instituto Datafolha publicou na noite desta quinta, 18 de outubro (18/10), resultado da pesquisa de candidatos a presidente deste segundo turno das Eleições 2018.

A divulgação da pesquisa foi feita durante o Jornal Nacional, na TV Globo. Este é o segundo levantamento do Datafolha neste segundo turno das Eleições 2018, no intuito de estimar as intenções de voto aos candidatos Bolsonaro e Haddad, em disputa à Presidência do Brasil.

Jair Bolsonaro (PSL) aparece com 59% dos votos válidos em enquanto Fernando Haddad (PT) conta com 41%. Na pesquisa anterior, Bolsonaro apareceu com 58% dos votos válidos, dezesseis pontos à frente de Haddad.

A amostra prevista é de 9.128 entrevistas. O levantamento foi registrado no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) com o protocolo BR-07528/2018.

(O POVO Online)

Bolsonaro não vai participar de debates com Haddad

O candidato do PSL a presidente da República, Jair Bolsonaro, líder das pesquisas de intenção de votos, não vai participar de debates com o petista Fernando Haddad, seu adversário no segundo turno. O anúncio foi feito pelo presidente nacional do PSL, Gustavo Bebiano, durante entrevista coletiva hoje (18).

Segundo Bebiano, o candidato do PSL não tem obrigação de comparecer aos debates promovidos por emissora de televisão. “Não vai se submeter a uma situação de alto estresse sem nenhum motivo, porque quem discute com poste é bêbado”, afirmou. Além disso, o presidente do PSL argumentou que a colostomia pode causar desconforto ao candidato.

O médico Antônio Luiz Macêdo, chefe da equipe que operou Bolsonaro, no Hospital Albert Einstein, em São Paulo, liberou o candidato para os debates. Ele disse que Bolsonaro poderia participar das discussões, desde que durassem, no máximo, 30 minutos, e ele ficasse confortável, de preferência em uma poltrona.

Desde que foi agredido, em setembro, Bolsonaro não participou de debates, mas concedeu entrevistas a emissoras de rádio e televisão. Antes do primeiro turno, quando fazia campanha em Juiz de Fora (MG), o candidato foi esfaqueado. Por conta da agressão, ficou três semanas internado, inicialmente na Santa Casa de Juiz de Fora e depois no Einstein.

(Agência Brasil)

Médico avalia Bolsonaro e diz que ida a debates depende do candidato

O médico Antonio Macedo, um dos responsáveis pelo atendimento ao candidato do PSL à Presidência, Jair Bolsonaro, disse nesta quinta-feira, 18, que cabe ao presidenciável e sua equipe decidirem sobre participar ou não de atos de campanha e debates na televisão no segundo turno da disputa pelo Palácio do Planalto. A informação é da Veja Online.

Ele fez a declaração após conduzir uma avaliação clínica que apontou boa evolução do ex-capitão do Exército. “Ele que decide, nós fazemos apenas a avaliação médica”, disse Macedo à Reuters por mensagem após sair sem falar com jornalistas da casa de Bolsonaro, na zona oeste do Rio de Janeiro – ao contrário das visitas anteriores, ele não concedeu entrevista logo após avaliar o candidato presidencial.

Questionado diretamente se Bolsonaro estava liberado pelos médicos para voltar a participar de eventos de campanha e debates, Macedo reiterou à Reuters que “ele (Bolsonaro) e a equipe que decidem”. Após a visita, o médico divulgou uma nota apontando que o candidato do PSL apresentou boa evolução clínica, mas que ainda requer apoio nutricional e fisioterapia.

“Bolsonaro foi submetido hoje a avaliação médica multiprofissional, de exames de imagem e laboratoriais, que se mostraram estáveis. Apresenta boa evolução clínica e a avaliação nutricional evidenciou melhora da composição corpórea, mas ainda exigindo suporte nutricional e fisioterapia”, afirmou.

No Brasil, ser crítico ao sistema de corrupção e discordar dos ídolos da esquerda é ser fascista?

Com o título “Democracia em xeque?”, eis artigo de Pedro Henrique Chaves Antero, cientista político e professor universitário. “No Brasil, nos últimos tempos, ser crítico ao sistema de corrupção, discordar dos ídolos da esquerda e não aceitar a ditadura comunista é ser fascista ou nazista”, diz o articulista. Confira:

Saulo Ramos, advogado, escritor, jurista, consultor geral da República e ministro da Justiça, falecido em 2013, escreveu em seu livro Código da Vida alguns detalhes dos assassinatos de Celso Daniel, prefeito de Santo André e Toinho do PT, prefeito de Campinas. Ambos eram membros do PT e foram vítimas do próprio partido, pois eram ameaças aos dirigentes maiores da agremiação pelo conhecimento que detinham sobre o elevado nível de corrupção naqueles municípios. Além deles, oito pessoas que de alguma forma estiveram ligadas àqueles assassinatos morreram de maneira um tanto quanto misteriosa.

Hoje fala-se, de maneira incorreta, de risco à democracia por conta do estilo Bolsonaro que, por muitos anos, tem falado no Parlamento contra as gangues que controlam as cidades brasileiras, contra a corrupção orgânica dos governos petistas e contra as ações violentas de certos movimentos sociais. E seus discursos, infelizmente, são como que materializados por seus adversários, como atos de violência já praticados.

Entretanto, esquecem-se Haddad e seu padrinho Lula que, desde o governo de FHC até os dias de hoje, violência e insegurança são itens que crescem todos os dias no Brasil. Basta lembrar a Via Campesina que, financiada pelo Ministério do Meio Ambiente, invadiu e destruiu os laboratórios da Aracruz. Ali, vinte anos de pesquisas científicas foram pisoteadas e reduzidas a pó. Era o dinheiro público sustentando ações de vândalos e bandidos.

Observe-se, ainda, que as mortes ocorridas neste País, em decorrência de assaltos a mão armada, invasões de propriedades e disputa entre gangues pelo controle do mercado das drogas superam as baixas que acontecem numa guerra convencional. E esse legado não pertence a Bolsonaro, nem ao PSL nem aos democratas brasileiros. Isso é obra e herança de uma esquerda mal resolvida que sempre adotou o populismo e a mentira para ter o voto dos menos favorecidos.

Pela história dos dois candidatos e dos seus respectivos partidos, qual deles, se eleito, poria a democracia em xeque? No Brasil, nos últimos tempos, ser crítico ao sistema de corrupção, discordar dos ídolos da esquerda e não aceitar a ditadura comunista é ser fascista ou nazista.

*Pedro Henrique Chaves Antero

phantero@gmail.com

Professor de Ciências Políticas.

Campanha pró-Haddad no Ceará ganha reforça de grupo de educadores

Um grupo de professores vai lançar, a partir das 18h30min desta quinta-feira, na casa de shows Kukukaya, o Movimento Educadores pró-Haddad. O objetivo é reforçar a campanha de Fernando Haddad, candidato a presidente da República pelo PT.

Vários grupos de professores também do Interior vão se engajar ao movimento, informa o vereador, historiador e deputado estadual eleito Acrísio Sena (PT).

Haddad vai à PF pedir investigação sobre envolvimento de Bolsonaro com notícias falsas

817 4

O candidato a presidente da República pelo PSL, Jair Bolsonaro, criou “uma organização criminosa de empresários que, mediante caixa 2, está espalhando, via WhatsApp, mensagens mentirosas”. A acusação foi feita por Fernando Haddad, baseado em reportagem publicada pela Folha de S.Paulo, nesta quinta-feira, que aponta empresas bancando campanha contra o PT nas redes sociais.

“Vamos pedir providências para a Justiça Eleitoral e Polícia Federal para que estes empresários corruptos sejam imediatamente presos para parar com essas mensagens de WhatsApp”, afirmou Haddad, em entrevista à Super Rádio Tupi, do Rio de Janeiro.

Haddad acusou Bolsonaro de praticar caixa 2 com as ações ligadas com empresários e diz que vai impedir o adversário de “agredir a democracia”, como “ele fez a vida inteira”.

Roberto Cláudio endossa críticas de Cid ao PT

427 9

O prefeito de Fortaleza, Roberto Cláudio (PDT), endossou, nesta quinta-feira, as críticas que o senador eleito Cid Gomes (PDT) fez ao Partido dos Trabalhadores. Na última segunda-feira, durante evento pró-campanha de Haddad articulado pelo governador Camilo Santana (PT), no Marina Park Hotel, Cid cobrou mea culpa dos petistas por terem feito “muita besteira” contra o País.

Roberto Cláudio, que também é presidente do PDT da Capital, disse que a reação de Cid teria sido motivada principalmente por um clima de hostilidade que encontrou nesse evento. O prefeito não participou do ato, pois se encontrava cumprindo uma agenda em Brasília, segundo sua assessoria.

“O Cid fez bem cobrar. O PT tem que fazer mea culpa”, acentuou Roberto Cláudio, adiantando que vai votar em Haddad adotando postura de “apoio crítico” e também por discordar do projeto do outro candidato. Referiu-se, sem citar nome, a Jair Bolsonaro (PSL). A fala de Roberto Cláudio ocorreu durante entrevista dele ao programa O POVO no Rádio, da Rádio O POVO/CBN, ancorado pelo jornalista Luiz Viana.

Junta Médica decide se Bolsonaro pode ir a debate e Haddad terá encontro com juristas

O dia hoje (18) deve ser de definições para os dois candidatos à Presidência da República Jair Bolsonaro (PSL) e Fernando Haddad (PT). É esperada para a tarde a avaliação de uma junta médica sobre o estado de saúde de Bolsonaro. A partir desses exames, o candidato do PSL disse que decidirá sobre sua participação em debates e viagens para fora do Rio de Janeiro.

Depois do ataque que sofreu em 6 de setembro, quando levou uma facada na barriga, Bolsonaro está com uma colostomia, o que exige cuidados e mais atenção em situações de aglomeração de pessoas e eventual tumulto. Nos últimos dias, o candidato indicou que pode participar de dois debates até o segundo turno das eleições.

Candidatos à Presidência Jair Bolsonaro (PSL) e Fernando Haddad (PT).
Os candidatos à Presidência Jair Bolsonaro (PSL) e Fernando Haddad (PT) – Tânia Regô / Marcelo Camargo / Agência Brasil
Haddad tem cobrado a participação do adversário nos debates. Segundo ele, quer “olhar olho no olho” de Bolsonaro. A junta médica deve ir ao Rio, na casa do candidato do PSL, como fez na semana passada. São médicos que o acompanharam no Hospital Albert Einstein, em São Paulo.

O candidato do PT tem encontro, em São Paulo, com o grupo denominado Juristas pela Democracia, que reúne magistrados que apoiam seu nome neste segundo turno. Ao longo do dia, ele ainda tem conversas com grupos de defesa dos animais e concede entrevistas exclusivas para emissoras de rádio e televisão.

Haddad deve ir amanhã (19) ao Rio e no fim de semana ao Nordeste. Os locais do Nordeste ainda vão ser definidos, mas ele deve escolher o Piauí, a Bahia e o Maranhão, onde os governadores são aliados do PT.

(Agência Brasil)

Apoiadores de Jair Bolsonaro programam atos de campanha em Pacatuba e Fortaleza

709 8

Apoiadores do candidato a presidente da República pelo PSL, Jair Bolsonaro, farão, neste fim de semana, atos pró-campanha na Região Metropolitana de Fortaleza.

Uma carreata está programada para Pacatuba, no sábado, 20, a partir das 15 horas, com concentração na avenida B, próximo aos condomínios Morada das Pétalas e Morada dos Buquês.

Já o domingo, 21, estão previstos dois eventos em apoio a Bolsonaro. Pela manhã, uma carreata, a partir das 9 horas, com participação do deputado federal eleito Heitor Freire, presidente regional do PSL e coordenador da campanha do capitão no Estado. O ponto de partida será o comitê do presidenciável, na avenida Antônio Sales, no bairro Joaquim Távora.

À tarde, a partir das 15 horas, apoiadores do candidato do PSL participarão da manifestação #PTNão, na Praça Portugal. O protesto, que reunirá diversos movimentos cearenses da direita, socorrerá simultaneamente em cerca de 240 cidades do País.

Esforço de Cid para remendar o estrago

304 1

Da Coluna Política, do jornalista Érico Firmo, no O POVO desta quinta-feira, o tópico “Esforço de Cid para remendar o estrago”. Confira:

Cid Gomes (PDT) passou a empreender esforço para remendar o dano causado à campanha de Fernando Haddad (PT) na segunda-feira, 15. A intenção era dar apoio crítico. Apoiar, mas não muito. Pedir voto sem se comprometer. Porém, errou a dosagem, a coisa saiu do controle e soou como crítica total. Virou instrumento da campanha de Jair Bolsonaro (PSL). Como disse ontem, mais contundente que qualquer gesto da campanha de Bolsonaro até aqui. Foi então que Cid passou a empreender esforço em prol de Haddad, de forma mais enfática do que gostaria.

Foi ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE) para tentar impedir Bolsonaro de continuar usando na propaganda eleitoral o vídeo de suas críticas ao PT. É um gesto muito mais simbólico. O vídeo já tomou as redes sociais e se espalhou por WhatsApp. O dano maior já foi causado.

Ontem, Cid compartilhou vídeo para a disputa nessa trincheira das redes sociais. Não retira o que disse – “Com tudo que penso e diante de tudo que falei”, abre sua fala. Mas, desautoriza a exploração. “Não é correto o que fez o outro candidato, usando imagens minhas editadas, sem minha autorização”.

Diante do gol contra que se tornou a mais desastrada declaração de apoio jamais vista, Cid Gomes teve de ser mais direto e explícito em seu apoio do que gostaria: “Que não fique nenhuma dúvida. Neste segundo turno, Haddad é o melhor para o Brasil. Votarei no Haddad no dia 28”.

Trata-se de redução de danos. A campanha de Haddad, a bem da verdade, já vinha em franca desvantagem nas pesquisas neste segundo turno. Mas, a troca de insultos com petistas veio em momento no qual se tentaria uma última reação. Virou a pauta da campanha nacional. O estrago está feito. Cid o estancou. Para inverter mesmo a situação, talvez só se houvesse um gesto claro e direto de Ciro Gomes (PDT), que está é no Exterior. Enquanto o País caminha para eleger o Bolsonaro.

(Foto – Reprodução de vídeo)

Datafolha divulga nesta quinta-feira nova pesquisa sobre a corrida presidencial

Candidatos à Presidência Jair Bolsonaro (PSL) e Fernando Haddad (PT).

O Datafolha vai divulgar, nesta noite de quinta-feira, dentro do Jornal Nacional, da Globo, pesquisa sobre a disputa presidencial que envolve Jair Bolsonaro (PSL) e Fernando Haddad (PT). Será o segundo levantamento do instituto neste segundo turno das Eleições 2018.

A amostra prevista é de 9.128 entrevistas. O levantamento foi registrado no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) com o protocolo BR-07528/2018.