Blog do Eliomar

Categorias para Eleições 2018

Cid Gomes percorre ruas do Conjunto Ceará e pede Ciro no segundo turno

Ciro no segundo turno é a certeza que o Brasil mantém a esperança para a mudança necessária. É o que assegura o ex-governador do Ceará e candidato ao Senado pelo PDT, Cid Gomes, em carreata pelas ruas do Conjunto Ceará, na noite desta quinta-feira (20).

A carreata faz parte do movimento Muda com 12, pra eleger Ciro Gomes à Presidência da República, que contou ainda com as presenças do prefeito Roberto Claudio e do vice-prefeito Moroni Torgan.

(Foto: Divulgação)

Valentim quer potencializar Mercado Público de Maranguape

O candidato do PCdoB à Assembleia Legislativa, George Valentim, espera poder potencializar as atividades do Mercado Público de Maranguape para o turismo e gastronomia, caso eleito em outubro próximo.

Segundo Valentim, que já foi prefeito de Maranguape, na Região Metropolitana de Fortaleza, projetos via Assembleia Legislativa podem ser encaminhada à Secretaria de Turismo do Ceará para potencializar o mercado.

Nesta semana, o candidato do PCdoB esteve no bairro Vila União, em Fortaleza, em caminhada com o governador Camilo Santana. Valentim acredita no estreitamento da relação da Capital com os municípios da Região Metropolitana.

(Fotos: Divulgação)

PF quer prorrogação do inquérito sobre atentado contra Bolsonaro

A Polícia Federal solicitou nesta quinta-feira (20) a prorrogação do inquérito que apura o ataque contra o candidato do PSL à Presidência da República Jair Bolsonaro. O pedido de postergar as investigações por mais 15 dias foi enviado à 3ª Vara Federal de Juiz de Fora, em Minas Gerais, onde ocorreu o crime no início do mês.

Segundo a corporação, o objetivo é ir atrás de elementos probatórios que confirmem a autoria do crime por parte de Adélio Bispo de Oliveira, acusado de dar a facada no presidenciável. Além disso, a PF pretende descobrir as motivações do agressor e saber se houve co-participações no atentado. Até o momento, a Justiça Federal de Minas Gerais não respondeu se a solicitação da PF foi aceita ou não.

Durante as investigações, foram ouvidas 15 testemunhas, houve três interrogatórios formais do acusado e 38 entrevistas foram feitas. Em computadores e celulares apreendidos, já foram analisados dois Terabytes de imagens. As diligências ocorreram em outras cidades mineiras, na capital Belo Horizonte e em Florianópolis.

“A PF concluiu cinco laudos periciais, outros quatro exames seguem em andamento. Além disso, foram pleiteadas e obtidas junto ao Poder Judiciário várias medidas cautelares, como quebra de sigilo bancário, telefônico e telemático”, informou a Polícia Federal.

Bolsonaro foi atingido por uma facada no dia 6 de setembro quando fazia campanha em Juiz de Fora. Ele está em recuperação no Hospital Albert Einstein, em São Paulo. O quadro do político é estável. Adélio Bispo, que assumiu o crime, está preso em um presídio federal em Campo Grande.

(Agência Brasil)

Fortaleza terá Marcha Pela Vida e Contra o Aborto

243 1

Será neste sábado que vem a Marcha Pela Vida e Contra o Aborto em Fortaleza.

A partir das 16 horas, com concentração em frente ao Ideal Clube e com destino à avenida Beira Mar, tendo entre convidados Sara Winter, ex-feminista e candidata à Câmara dos Deputados pelo DEM do Rio de Janeiro.

O evento contará também com a presença do empresário Eduardo Girão, candidato ao Senado pelo PROS. Ele foi o precursor desse evento na Capital cearense, por meio da ONG Estação da Luz.

(Foto – Mateus Dantas)

Tolerância e punição

Com o  título “Tolerância e punição”, eis artigo de Pedro Henrique Antero Chaves, cientista político. Ele bate na tecla da necessidade de punição no caso do atentato a Jair Bolsonaro. Para ele ” um ato explícito de violência, contratado por uma organização criminosa, e que fez desaparecer dos noticiários o conceito de intolerância propalado pelas esquerdas.” Ainda aborda Lula. Confira:

Os criminosos políticos no Brasil e seus partidários reclamam com veemência do comportamento dos brasileiros que defendem a punição severa contra os que saquearam o País e o destruíram econômica e moralmente. Esses recebem o apelido de intolerantes e retrógrados, por uma esquerda radical e por um grupo de filiados a partidos que já não têm programa nem filosofia.

Em decorrência da cultura nacional de sempre ter pena dos que são rigorosamente punidos, os bandidos brasileiros são sempre agraciados pela piedade popular no sentido de livrá-los do castigo. Lula, assim, é um desses ” pobrezinhos injustiçados” por uma justiça cruel e extremamente severa.

As inúmeras demonstrações públicas, há dois ou três anos, contra Dilma Roussef, nunca levaram a marca da violência, pois foram organizadas pela população ordeira que não suportava mais o nível de degradação moral do governo petista.

O que se procurava, na verdade, era a punição dos destruidores da pátria.

Ao contrário, o atentado ao candidato Jair Bolsonaro foi um ato explícito de violência, contratado por uma organização criminosa, e que fez desaparecer dos noticiários o conceito de intolerância propalado pelas esquerdas. Fala-se, agora, tão somente, de democracia e de respeito aos adversários.

O presidente do STF, Dias Toffoli, recentemente eleito, disse em seu discurso que, “independentemente de ideologia política, estejamos juntos na construção de um Brasil mais tolerante, mais solidário e mais aberto ao diálogo”. Essa declaração, proferida por um ex-advogado do PT, ex-consultor da CUT e ex- funcionário de José Dirceu, quer significar apenas que os bandidos, já condenados, serão libertados pelos companheiros que se encontram no poder.

O Brasil corre o risco de ter uma democracia fracassada, diante da ameaça de uma ditadura do Judiciário. Libertar Lula será um ato ditatorial, perpetrado por um grupo de amigos do ex-presidente, que não respeitam a própria Justiça de que fazem parte. Se um dos poderes acha que tudo pode, os outros se sentirão à vontade para fazê-lo.

Tolerância, portanto, não é libertar os gatunos, mas saber ouvir e respeitar os adversários.

*Pedro Henrique Chaves Antero

phantero@gmail.com

Professor de Ciências Políticas.

Haddad alcança o dobro de intenções de votos de Bolsonaro no segundo turno em Pernambuco

A força do lulismo no Nordeste fica clara nas simulações de segundo turno entre Haddad e Bolsonaro em Pernambuco, por exemplo. O petista alcança o dobro das intenções de votos do adversário no estado: 53% a 26%. A informação é da Folha de S.Paulo.

Fernando Haddad, que perdeu a reeleição para prefeito de São Paulo em 2016, venceria Bolsonaro na capital, indica o Datafolha. Os dois marcam empate técnico no primeiro turno, mas o petista abre 45% a 34% sobre o rival na fase seguinte.

(Foto – Folhapress)

A batalha dos rejeitados e o País que vai sair das eleições

Com o título “A batalha dos rejeitados e o País que vai sair das eleições”, eis artigo de Henrique Araújo, jornalista do O POVO. “Novamente, a eleição parece se desenhar numa polarização ideológica e regional, com um Nordeste pró-PT e um Sul/Sudeste anti-PT”, diz o articulista. Confira:

A se preservar o quadro eleitoral mostrado pelas últimas pesquisas de intenção de voto, teremos uma batalha de rejeitados na reta final da campanha presidencial. Pelo menos um terço do eleitorado não pretende votar seja em Jair Bolsonaro (PSL), líder nas sondagens de intenção, seja em Fernando Haddad (PT), que aparece em segundo lugar.

Essa é a primeira dicotomia da disputa política atual. A segunda é de extração socioeconômica. Novamente, a eleição parece se desenhar numa polarização ideológica e regional, com um Nordeste pró-PT e um Sul/Sudeste anti-PT.

Há, no entanto, uma terceira clivagem nessa polarização: a do “velho”, representado por um candidato de esquerda que, bem ou mal, representa a classe política. E o novo, que, a muito custo, é simbolicamente levado a campo por um deputado federal que está no sétimo mandato.

Na prática, tampouco Haddad é velho – como prefeito, apresentou uma agenda inovadora em São Paulo -, nem Bolsonaro é novo – exerce mandato há mais de duas décadas.

Mas, como num jogo de falsos contrários no qual cada candidato precisa incorporar um papel, os dois candidatos foram à caça do voto travestidos a gosto do freguês.

E aí mora precisamente o risco de que as diferenças explicitadas nas eleições deste ano se aprofundem, de modo a produzir uma fratura que não vai se remediar ao cabo da escolha do mandatário.

Que País emergirá de outubro? Ninguém sabe.

De partida, é possível antever dificuldades que, sendo Haddad ou Bolsonaro o ungido pelas urnas, cada candidato terá de recompor o tecido social.

Bolsonaro por priorizar uma plataforma inflamada no centro da qual figura o ódio como afeto mobilizador e elemento que potencializa instabilidades – impedido de fazer campanha, o candidato vê seus auxiliares imediatos meterem os pés pelas mãos, num sinal extra de fragilidade do militar.

E Haddad por representar 14 anos de governos petistas no curso dos quais se combinaram distribuição de renda e casos rumorosos de corrupção, expostos pelos mecanismos de investigação ironicamente aperfeiçoados pela própria gestão do partido com Lula e depois Dilma.

A falência das candidaturas mais ao centro, como Ciro Gomes (PDT) e Marina Silva (Rede), é sintoma de uma passionalidade exacerbada que dificilmente vai se limitar ao processo eleitoral.

Os problemas do futuro governo, quem quer que seja o presidente, começam desde já, com a sugestão de sabotagem e acusações de fraude eleitoral, sobretudo da campanha de Bolsonaro. E os compromissos que Haddad eventualmente assuma dentro do próprio partido.

Disso resulta a encalacrada que esse dualismo político implica para todos nós. A queda de braço entre Bolsonaro e Haddad aprofunda um processo cujo início remonta a 2013, passando pelo impeachment e se agravando com o governo de Michel Temer.

Numa jovem democracia como a brasileira, com apenas três décadas de história mais recente, trata-se de um grande teste de fogo. Não é o Brasil de agora que preocupa, mas o que vai despertar depois das eleições.

*Henrique Araújo

henriquearaujo@opovo.com.br

Jornalista do O POVO.

Aílton Lopes assina carta-compromisso com a população LGBTI

O candidato ao Governo do Ceará pelo PSOL, Ailton Lopes, assinou, na manhã desta quinta-feira, a carta-compromisso com a população LGBTI+ elaborada pelo Grupo de Resistência Asa Branca (Grab). Foi durante ato na sede da entidade, no bairro Itaperi. Com ele, estava os candidatos a deputado estadual Ari Areia e Renato Roseno e a candidata à Câmara dos Deputados, Helena Vieira.

É a primeira vez que um candidato ao governo do estado se compromete com as reivindicações organizadas pela entidade, que trabalha, há quase três décadas, em defesa de condições de vida dignas às pessoas LGBTI+.

Entre as pautas levantadas pela coordenação do Grab estão: criação de um centro de referência para assistência jurídica e psicossocial de vítimas de LGBTfobia, publicação do Plano Estadual de Políticas Públicas para a População LGBT, a constituição do Conselho Estadual de Defesa dos Direitos Humanos LGBT e um ambulatório de assistência às pessoas trans.

(Foto – Divulgação)

Patrícia Pillar vota Ciro Gomes

Eu sempre gostei de política. Política como possibilidade de diálogo, como uma troca de ideias, uma coisa positiva pra vida das pessoas. E o que eu defendo é um caminho novo, um caminho diferente do que está aí. O meu candidato é o Ciro Gomes, porque eu acredito no projeto que ele tem para o Brasil. Eu conheço o Ciro e voto no Ciro Gomes. Boas eleições para todos nós e não deixe de votar. O seu voto é muito importante.

Publicado por Patricia Pillar em Quarta-feira, 19 de setembro de 2018

A atriz Patrícia Pillar abriu seu voto, em sua página no Facebook. Ela diz que vota em Ciro Gomes para presidente, no que afasta de vez o fake news difundindo nas redes sociais de que apanhava do ex-marido.

Camilo promete, se reeleito, construir 100 novas creches

Em ritmo de campanha pró-reeleição, nesta manhã de quinta-feira, pelas ruas do bairro Vila Velha, em Fortaleza, o governador Camilo Santana 13 assumiu um compromisso com moradores: construir 100 novas creches em todo o Estado. Em Fortaleza, prometeu, serão 30 novas unidades, dentro do objetivo de zerar a espera por vagas.

“As mães e pais que precisam trabalhar e não têm onde deixar os filhos pequenos precisam desse apoio. Esse é um compromisso que assumo com as famílias cearenses, principalmente as que mais precisam”, afirmou Camilo.

No percurso, Camilo fez pausa para café da manhã na Panificadora Pane Flores: café com bolo.

(Foto – Divulgação)

Ciro, Alckmin e a mercadoria

Da Coluna Política, do jornalista Érico Firmo, no O POVO desta quinta-feira, o típico “Comércio da alma” Confira:

Ciro Gomes (PDT) disse, na sabatina da Rádio O POVO/CBN, que Alckmin (PSB) vendeu a alma por tempo no horário eleitoral. Fazia referência à aliança com o centrão.

Ciro tentou o quanto pôde atrair o centrão. Inclusive, como tinha muita gente no DEM a quem ele já ofendeu, o pedetista pediu: “Falei ao (presidente nacional do DEM) ACM Neto: faça uma lista de quem você acha que eu preciso ligar, que eu ligo, sem problemas”, afirmou.

Ciro não vendeu a mesma mercadoria de Alckmin, porque o comprador não quis levar.

(Foto – Reprodução de TV)

Lia Gomes está otimista e espera reverter o indeferimento de sua candidatura

Incluída na lista de candidaturas indeferidas pelo Tribunal Regional Eleitoral, a médica Lia Ferreira Gomes (PDT), que tenta vaga na Assembleia Legislativa, está otimista. O caso dela diz respeito ao fato de não ter feito a biometria em seu domicílio eleitoral, em Caucaia (RMF).

A situação da pedetista ainda está no TRE, que julgará embargos. Em caso de resultado negativo para a candidata, ela afirma que recorrerá ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE).

Advogados de Lia Gomes argumentam que, no processo, há “uma série de erros”. O prazo para biometria em Caucaia haveria se encerrado antes do previsto. Segundo o site do TRE, o último prazo para regularização do título foi 9 de maio de 2018. Outro argumento da candidata é que postulações em situações semelhantes já foram aprovadas em outros Estados.

(Foto – Facebook)

Eleições 2018 – Mais de 10,6 mil brasileiros votarão em cédula de papel no Exterior

A votação em cédulas de papel ainda é uma realidade para eleitores brasileiros que moram no exterior, mas nem todos. A Justiça Eleitoral informou que 10.698 brasileiros votarão em cédulas em 171 cidades fora do país. O uso das urnas de lona foi opção diante das dificuldades de acesso à energia elétrica e dos embaraços alfandegários para a entrada de equipamentos eletrônicos.

As 64 urnas de lona (quatro delas de reserva) serão enviadas para países da África, do Caribe, da América Central, da América do Sul, bem como para países europeus com poucos brasileiros. O transporte de todas as urnas ficará a cargo do Ministério das Relações Exteriores (MRE).
Com um total de 2.353 eleitores brasileiros aptos a participar do pleito eleitoral, a cidade boliviana de Santa Cruz de La Sierra é a que tem o maior colégio eleitoral entre as que farão votação manual. Nos locais em que serão utilizadas as urnas de lona, a apuração ficará a cargo das equipes das embaixadas, cabendo ao embaixador o papel de juiz eleitoral. Às equipes de servidores das embaixadas serão oferecidos treinamentos a distância para uso do equipamento.

Dados

No total, segundo a Justiça Eleitoral, 500.727 brasileiros estão aptos para votar em 171 cidades no exterior. O maior colégio eleitoral é Boston, nos Estados Unidos, para onde serão enviadas 46 urnas eletrônicas. Depois, Miami (EUA), com 45 urnas. Os Estados Unidos, Japão e Portugal são os países com maior número de eleitores brasileiros.

O Tribunal Regional Eleitoral do Distrito Federal (TRE-DF) iniciou o processo de preparação de 680 urnas que serão usadas no exterior durante as eleições presidenciais.

Perfil

De acordo com a Justiça Eleitoral, 58,4% dos eleitores brasileiros no exterior são mulheres, e 41,6% homens. A faixa etária mais predominante é a compreendida entre 35 e 39 anos.

Em relação ao nível de escolaridade, 34,26% dos brasileiros aptos a votar têm nível superior completo; 28,51% têm ensino médio completo; e 13,46% superior incompleto.

(Agência Brasil)

Bolsonaro ganha apoio da Confederação de Pastores do Brasil

1323 6

A centralização do embate entre Jair Bolsonaro (PSL) e Fernando Haddad (PT) já no primeiro turno da eleição fez igrejas evangélicas anteciparem uma tomada de lado na disputa. Segundo a Painel, da Folha de S.Paulo desta quinta-feira, a Confederação dos Conselhos de Pastores do Brasil, que congrega as principais agremiações neopentecostais, decidiu declarar apoio ao capitão reformado. À frente da entidade e da Sara Nossa Terra, o bispo Robson Rodovalho diz que, com “a divisão entre direita e esquerda, não dá mais para ficar em cima do muro”.

Rodovalho, que apoiou Haddad em 2012 para prefeito de SP, diz agora que só Bolsonaro é capaz de “colocar um freio de arrumação no Brasil”. Ele comanda cerca de 1,5 milhão de fiéis.

O novo Datafolha reforça a tendência de polarização entre o candidato do PSL e o do PT. A pesquisa mostra que, entre os evangélicos, o deputado abre larga vantagem sobre o petista nas sondagens sobre um eventual segundo turno: 51% a 34%.

Os conselhos regionais de pastores ligados a Rodovalho vão mapear agremiações evangélicas para identificar simpatizantes de Haddad. A ideia é que, com os dados, os líderes religiosos atuem para virar esses votos.

Haddad, que perdeu a reeleição para prefeito de São Paulo em 2016, venceria Bolsonaro na capital, indica o Datafolha. Os dois marcam empate técnico no primeiro turno, mas o petista abre 45% a 34% sobre o rival na fase seguinte.

(Foto – Reprodução de TV)

PSB vai ao Supremo para evitar cancelamento de títulos sem biometria

O PSB deu entrada, nessa noite de quara-feira, com uma ação no Supremo Tribunal Federal (STF) para evitar o cancelamento dos títulos de eleitores que não realizaram o cadastramento por biometria em todo o país. Segundo os advogados do partido, cerca de 4 milhões de eleitores não poderão votar nas eleições de outubro porque não cumpriram o prazo de recadastramento.

Segundo a legenda, as resoluções do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) que disciplinaram o cancelamento do título, como penalidade ao eleitor que não realizou o cadastro biométrico obrigatório dentro do prazo, são inconstitucionais porque resultaram no indevido cerceamento do direito de votar. Na avaliação do partido, “tudo indica que a maioria dos eleitores privados do direito ao voto é de cidadãos humildes” e que não tiveram acesso à informação para cumprir a formalidade.

“Os prováveis mais de 4 milhões de títulos eleitorais cancelados representam a totalidade de eleitores de estados como Goiás e Maranhão. Equivalem à soma do total de eleitores dos estados do Mato Grosso e do Mato Grosso do Sul. Para ilustrar a magnitude do volume de eleitores excluídos das próximas eleições, convém recordar que a diferença de votos entre os candidatos a presidente da República no 2º turno das últimas eleições gerais foi de menos de 3,5 milhões de votos”, argumenta o PSB.

Nas eleições de outubro, o cadastramento biométrico foi obrigatório para eleitores de cerca de 2,8 mil municípios. O objetivo da Justiça Eleitoral com a biometria é prevenir fraudes, já que o cadastro limita a intervenção humana no processo eleitoral.

A expectativa do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) é de que toda a população brasileira esteja cadastrada até 2022. Atualmente, mais de 81 milhões de eleitores já fizeram o cadastro biométrico e 10 estados já completaram o cadastramento de seus eleitores.

De acordo com dados atualizados do TSE, 5,5 milhões de títulos foram cancelados pela falta de recadastro biométrico.

(Agência Brasil)

Filho de Bolsonaro grava vídeo defendendo Anitta de “perseguição covarde”

Depois de Anitta ser criticada por fãs por seguir uma página em apoio ao candidato a presidente da República pelo PSL, Jair Bolsonaro, o filho dele, Flavio Bolsonaro ,gravou um vídeo defendendo a cantora.

“Há uma perseguição covarde sobre artistas que se posicionam publicamente a favor de Bolsonaro. Eu nunca vi Anitta na minha vida, nunca troquei mensagem com ela, não sei quem ela é”, disse.

Veja abaixo o vídeo completo:

(Com Veja Online)

Justiça Eleitoral proíbe Dra Mayra de veicular na propaganda “montagens” contra Eunício Oliveira

365 1

O Tribunal Regional Eleitoral, por meio do seu colegiado, determinou a imediata retirada da propaganda eleitoral gratuita da TV da candidata ao Senado pelo PSDB, Dra. Mayra, de recursos gráficos e montagens contra o senador Eunício Oliveira (MDB).

Na propaganda, Eunício aparece como se estivesse envolvido em escândalos como a Lava Jato.

Além de mandar retirar, o colegiado do TRE determinou que a campanha de Dra. Mayra se “abstenha” de fazer tais citações. Foram duas liminares acatadas, durante sessão do tribunal, nessa noite de quarta-feira, interpostas pelos advogados do senador emedebista.

Eunício Oliveira garante que é ficha limpa.

(Foto – Divulgação)

Datafolha: Bolsonara lidera; Haddad e Ciro estão no empate técnico

274 1

Saiu a pesquisa Datafolha sobre o desmepenho dos presidenciáveis. Foi divulgada na madrugada desta quinta-feira, 19. Jair Bolsonaro (PSL) cresceue chega aos 28% de prefeerência, bem como o petista Fernando Haddad (PT), que aparece com 16% das intenções de votos. Mas Ciro Gomes (PDT) está tecnicamente empatado com Haddad na segunda colocação, com 13%.

Confira os números

Jair Bolsonaro (PSL): 28%
Fernando Haddad (PT): 16%
Ciro Gomes (PDT): 13%
Geraldo Alckmin (PSDB): 9%
Marina Silva (Rede): 7%
João Amoêdo (Novo): 3%
Alvaro Dias (Podemos): 3%
Henrique Meirelles (MDB): 2%
Vera Lúcia (PSTU): 1%
Guilherme Boulos (PSOL): 1%
Cabo Daciolo (Patriota): 0%
João Goulart Filho (PPL): 0%
Eymael (DC): 0%
Branco/nulos: 12%
Não sabe/não respondeu: 5%

Comparativo com levantamento anterior do instituto, divulgado na terça-feira (11):

Jair Bolsonaro foi de 26% para 28%;
Haddad passou de 13% para 16%;
Ciro se manteve em 13%;
(Haddad e Ciro estão empatados dentro da margem de erro)
Alckmin se manteve com 9%;
Marina foi de 8% para 7%.

O Datafolha também questionou em quais candidatos o entrevistado não votaria no primeiro turno das eleições deste ano.
Neste levantamento, os entrevistados podem citar mais de um candidato. Por isso, os resultados somam mais de 100%.

Confira os resultados da rejeição

Bolsonaro: 43%
Marina: 32%
Haddad: 29%
Alckmin: 24%
Ciro: 22%
Vera: 19%
Cabo Daciolo: 19%
Boulos: 18%
Eymael: 17%
Meirelles: 17%
João Goulart Filho: 15%
Alvaro Dias: 15%
Amoêdo: 15%
Rejeita todos/não votaria em nenhum: 4%
Votaria em qualquer um/não rejeita nenhum: 2%
Não sabe: 5%

Simulações de segundo turno

Bolsonaro 42% x 41% Marina (branco/nulo: 16%; não sabe: 2%)

Ciro 41% x 34% Alckmin (branco/nulo: 22%; não sabe: 2%)

Alckmin 40% x 39% Bolsonaro (branco/nulo: 19%; não sabe: 2%)

Alckmin 39% x 36% Marina (branco/nulo: 23%; não sabe: 2%)

Ciro 45% x 39% Bolsonaro (branco/nulo: 14%; não sabe: 2%)

Alckmin 39% x 35% Haddad (branco/nulo: 24%; não sabe: 3%)

Haddad 41% x 41% Bolsonaro (branco/nulo: 15%; não sabe: 2%)

Ciro 45% x 31% Marina (branco/nulo: 22%; não sabe: 2%)

Marina 37% x 37% Haddad (branco/nulo: 24%; não sabe: 2%)

Ciro 42% x 31% Haddad (branco/nulo: 25%; não sabe: 3%)

*Foram entrevistad so 8.601 eleitores em 323 cidades nos dias 18 e 19 de setembro. A margem de rro é de dois pontos percentuais para mais ou para menos.

*Registro no TSE: BR-06919/2018
Nível de confiança: 95%

*Contratantes da pesquisa: TV Globo e “Folha de S.Paulo” .

Cid Gomes faz adesivaço na avenida Mister Hull

O candidato do PDT ao Senado, Cid Gomes, participou, no começo desta noite de quarta-feira, de um adesivaço no cruzamento da avenida Mister Hull com rua Tomás Rodrigues, no bairro Antônio Bezerra, em Fortaleza.

Um grupo de militantes, com bandeiras e muita alegria, circulou entre motoristas e motociclistas. Além de adesivos dele, distribuiu vários de Ciro Gomes entre caminhoneiros que passavam pelo local

Cid era o único da chapa majoritária no ato.

Na agenda dele, constava viagem para São Paulo, onde teria reunião na coordenação da campanha de Ciro, que acabou cancelada.

(Foto – Divulgação)