Blog do Eliomar

Categorias para Eleições 2018

Camilo reúne cerca de 2 mil veículos em carreata pelas avenidas de Fortaleza

O governador Camilo Santana, candidato à reeleição pelo PT, reuniu neste domingo (16) cerca de dois mil veículos em carreata pelas principais avenidas de Fortaleza. A concentração ocorreu na avenida Alberto Craveiro, em frente ao CFO, no estádio Castelão.

Nas redes sociais, Camilo destacou a receptividade do fortalezense nas ruas e avenidas. Em alguns trechos da carreata, o governador desceu do caminhão para tirar selfie com pessoas.

O prefeito Roberto Cláudio foi o articulador da atividade e também destacou o apoio recebido pela população, durante todo o trajeto da carreata.

(Fotos: Divulgação)

Bolsonaro chora em vídeo e diz temer fraude nas eleições

416 2

Em transmissão pelo Facebook, na tarde deste domingo (16), o candidato do PSL à Presidência da República, Jair Bolsonaro, disse que é concreta a “possibilidade de fraude no segundo turno, talvez até no primeiro”.

O candidato do PSL, que se recupera em hospital de agressão a faca, chorou ao falar da família.

Sobre a candidatura de Fernando Haddad, do PT, que na última pesquisa encostou em
Ciro Gomes (PDT), Bolsonaro disse que seria um plano para retirar da prisão o ex-presidente Lula.

“Existe solução para o crime organizado”, diz General

O candidato a governador pelo PSDB, General Theophilo, afirmou em Morada Nova que existe solução para o crime organizado no Ceará. Ele visitou, ao lado do senador Tasso Jereissati (PSDB) e da candidata ao Senado, Dra. Mayra, os municípios de Morada Nova, Limoeiro do Norte e Russas.

Após participar de carreata em Morada Nova, o General destacou suas propostas do plano “Ceará Compartilhado”, quando prentende priorizar, dentre outros temas, a segurança, a saúde e a geração de empregos.

“Não sou desconhecido do nosso Ceará. Eu sei dos problemas que enfrentamos e a criminalidade é um dos que precisamos resolver. Existe solução, mas para isso, é preciso competência e investir no tripé: fiscalização, inteligência e tecnologia, coisas que a atual gestão não tem”, ressaltou.

Já o senador Tasso voltou a criticar o atual governo e disse que “o modelo da política velha está falida, faz tempo. E, por isso, o Ceará está precisando de representantes com autoridade, liderança e coragem”.

A candidata Dra.Mayra defendeu que, caso eleita, não tratará somente saúde no Senado. “Além de recursos para o Programa Saúde da Família (PSF), lutarei pela educação de nosso Estado com investimentos para mais creches e também pela geração de empregos. Nosso problema está na má gestão”, declarou.

(Foto: Divulgação)

PRTB desiste de pedir que vice substitua Bolsonaro em debates

373 2

O PRTB desistiu de formalizar recurso junto ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE) para que o candidato a vice-presidência general Hamilton Mourão substitua o companheiro de chapa Jair Bolsonaro (PSL) em debates eleitorais em emissoras de rádio e televisão.

A informação é do próprio PRTB. Segundo a assessoria de imprensa do partido, não houve encaminhamento de recurso formal à Justiça Eleitoral. O partido fez uma consulta informal à Corte e foi orientado no sentido de que “as tratativas [sobre a possibilidade de Mourão substituir Bolsonaro] sejam feitas diretamente com as emissoras”.

Hamilton Mourão afirmou que não irá “substituir Bolsonaro em nada” e que nesta segunda-feira (17) cumprirá agenda própria em São Paulo, “com a Febraban [Federação Brasileira de Bancos], com o pessoal da construção civil [Secovi – Sindicato da Habitação] e com o [José Levy] Fidelix”.

O general mostrou-se satisfeito com a recuperação de Jair Bolsonaro. “Uma maravilha o trabalho que os médicos fizeram tanto [na Santa Casa de Misericórdia] em Juiz de Fora (MG) quanto no [Albert] Einstein”, disse ao assinalar a “força de vontade e a compleição física de Bolsonaro”.

(Agência Brasil)

Ministro de Temer defende apoio a Jair Bolsonaro contra o PT em segundo turno

655 2

Para Carlos Marun (MDB), atual ministro da Secretaria de Governo, o segundo turno da eleição presidencial será disputado por Jair Bolsonaro (PSL) e Fernando Haddad (PT).

Neste cenário, ele defende que o presidente Michel Temer (MDB) e o MDB definam apoio oficial ao deputado federal.

A informação é da Coluna Radar, da Veja, que já aponta a opinião de Marun como minoria entre os emedebistas. Grandes nomes do partido, a exemplo do senador Renan Calheiros e do presidente do Senado, Eunício Oliveira, já apoiam a candidatura de Haddad, inclusive.

(Foto – Ueslei Marcelino/Reuters)

Bolsonaro deixa UTI e vai para unidade semi-intensiva, informa boletim

O candidato à Presidência Jair Bolsonaro (PSL) foi transferido na manhã de hoje (16) para uma unidade de cuidados semi-intensivos, segundo boletim divulgado pelo Hospital Israelita Albert Einstein. Ele recebeu alta da Unidade de Terapia Intensiva (UTI), onde estava desde a última quarta-feira (12), quando foi submetido a uma cirurgia de emergência para tratar uma aderência que obstruía o intestino delgado.

De acordo com o comunicado, a evolução de Bolsonaro é boa e ele continua sem febre. A alimentação ainda está sendo feita por via endovenosa. O candidato está sendo submetido a medidas de prevenção de trombose e fisioterapia respiratória e motora.

Bolsonaro sofreu uma facada durante um ato de campanha no último dia 6, em Juiz de Fora (MG) . Após ter sido atendido na Santa Casa da cidade, onde chegou a passar por uma primeira cirurgia, ele foi transferido, a pedido da família, para o Hospital Albert Einstein, na capital paulista, na manhã do dia 7.

(Agência Brasil)

Campanha para o Senado se afunila e a briga pela segunda vaga esquenta

2523 12

Da Coluna Política de Guálter George, o tópico “Bastidores quentes de uma campanha morna”.

Têm sido dias intensos no comitê do senador Eunício Oliveira (MDB), candidato à reeleição. Parte verdade, parte fofoca, mas o certo é que sinais de resistência à campanha entre candidatos à Assembleia e Câmara Federal no arco de aliança governista criaram tensões internas, cobranças à equipe uma ordem geral de intensificar mais ainda as ações. A coisa andou tensa, muito tensa. O que está parecendo, mesmo que ainda não existam números claros indicando nada nesse sentido, é que não acontecerá o passeio que era esperado quando fechou-se o acordão com a turma do governador Camilo Santana, do PT, e com o grupo de Cid Ferreira Gomes, do PDT e que assumiu a outra posição para a disputa. Parecia que a briga pelas duas vagas acabava ali, mas a história pode não ser bem essa.A campanha de Eunício admite problemas, diz que a maioria deles esteve concentrada nos primeiros dias, em áreas localizadas do PT e do PDT. Hoje, porém, dá-se tudo por resolvido, até causando estranheza as informações que pipocam sobre candidatos que aqui e acolá omitem o emedebista quando falam da eleição para o Senado.

Há relatos até mais incisivos, indicando gente que, após manifestar apoio entusiasmado a Cid Gomes, ao falar na segunda opção aponta o pedido em direção a Luis Eduardo Girão, do Pros e candidato da oposição, de outro palanque e outro envolvimento eleitoral. Local e nacional.Nos últimos dias, falou-se nos casos de Bruno Pedrosa, que tenta reeleição à Assembleia, e Eduardo Bismarck, que disputa o primeiro mandato à Câmara, como exemplos de gente da base que anda trocando de nome na hora em que fala aos seus eleitores sobre a disputa no Senado e a possibilidade de dois votos. Como resposta do emedebista, muitos vídeos, choros e argumentos para negar que as insubordinações estejam acontecendo. Ou, pelo menos, contestar que “continuem acontecendo”.Certo mesmo para quem toca a estratégia eunicista é que a emoção estará garantida até o final da campanha. Até pela necessidade de administrar outros problemas à vista, sendo um deles a necessidade de compatibilizar a agenda de candidato com a do presidente do Senado. O problema maior está, nesse tocante, naquela história de linha de sucessão, obrigando-lhe a uma escapada rápida ao exterior sempre que Michel Temer deixa o País, sob pena de perder a elegibilidade para 2018.Eis a má notícia para Eunício: entre os dias 24 e 26 próximos, no quente da campanha, vai Temer e sua trupe para Nova York, naquele tradicional compromisso anual que tem todo chefe de Governo brasileiro de abrir a Assembleia da ONU. Ou seja, o senador cearense precisará largar suas atividades de candidato e o próprio território nacional por três dias, em plena reta final, para se esconder da lei eleitoral. Uma chance e tanto para os adversários e, muito certamente, eles não deixarão de aproveitá-la.

Camilo evita divulgar presidenciável depois da polarização entre Ciro e Haddad

Um dia após as pesquisas apontarem Ciro Gomes (PDT) e Fernando Haddad (PT) empatados com 13% na disputa pelo Planalto, o governador Camilo Santana (PT) manteve neutralidade em caminhada “sem presidenciável” em Maracanaú, na Região Metropolitana de Fortaleza. Ele foi acompanhado pelos candidatos a senador Cid Gomes (PDT) e Eunício Oliveira (MDB).

Em todo o evento, a única liderança política a divulgar material de um candidato à Presidência foi Cid, que usava um adesivo da campanha de Ciro. Durante a caminhada, diversos populares destacaram para Camilo a candidatura do primogênito Ferreira Gomes. O governador, no entanto, evitava comentar o assunto.

No campo simbólico, a caminhada acabou reafirmando ainda mais a aproximação entre Cid Gomes e Eunício Oliveira, adversários nas últimas duas eleições. Inicialmente aderindo à campanha do emedebista de maneira discreta, o ex-governador deixou a inibição de lado e pediu votos abertamente ao lado do emedebista.

A caminhada faz parte de um “investimento” a cada dia maior na tese de união e reaproximação entre os ex-rivais. Na noite de sexta-feira, os três participaram de uma carreata em Maranguape, também na Região Metropolitana de Fortaleza. Antes, pela manhã de sexta-feira, já haviam realizado caminhada conjunta em Aquiraz.

Em todos os eventos, Camilo não tem poupado elogios ao emedebista e destacado apoio do senador em Brasília para garantir recursos federais ao Estado. O alinhamento não fica apenas nos discursos, tendo Eunício doado, na última quinta-feira, R$ 600 mil para a campanha do petista à reeleição.

O local escolhido para o evento deste sábado também teve peso político destacado. Atualmente, Maracanaú é base de um dos principais líderes da oposição de Camilo no Ceará, o vice-prefeito do município, Roberto Pessoa (PSDB), hoje candidato a deputado federal.

Lideranças importantes de outros partidos da base aliada do governador, como o vice-prefeito de Fortaleza Moroni Torgan (DEM), a deputada federal Gorete Pereira (PR) e o deputado estadual Júlio César Filho (PPS), também acompanharam Camilo, Cid e Eunício.

Depois da caminhada com Cid e Eunício na Região Metropolitana de Fortaleza, Camilo Santana viajou para o Cariri. Entre as agendas do candidato, marcar presença na procissão de Nossa Senhora das Dores, em Juazeiro do Norte, e uma carreata por diversos bairros de Barbalha, berço político do governador.

(O POVO – Foto – Divulgação)

Haddad usou reflexão honesta para fazer proselitismo político, diz Tasso

350 4

O senador Tasso Jereissati, ex-presidente nacional do PSDB e presidente do Instituto Teotônio Vilela, rebateu neste sábado, 15, o uso de suas declarações críticas ao seu próprio partido pelo candidato à Presidência da República Fernando Haddad (PT) durante o Jornal Nacional da última sexta-feira. “Haddad usou uma reflexão honesta para fazer proselitismo político”, disse Tasso.

Em entrevista concedida ao Estado, publicada na última quinta-feira, Tasso avaliou a trajetória do PSDB nos últimos anos. “O partido cometeu um conjunto de erros memoráveis. O primeiro foi questionar o resultado eleitoral (…) O segundo erro foi votar contra princípios básicos nossos, sobretudo na economia, só para ser contra o PT. Mas o grande erro, e boa parte do PSDB se opôs a isso, foi entrar no governo Temer”, disse.

Durante o Jornal Nacional da última sexta-feira, Haddad citou a entrevista de Tasso para defender o governo da presidente cassada Dilma Rousseff (PT) e dizer que ela foi impedida pelo PMDB e pelo PSDB de fazer os ajustes necessários no início de seu segundo mandato. “As pautas-bomba e a sabotagem que ela sofreu, reconhecidas pelo presidente do PSDB, tiveram mais influência na crise do que os eventuais erros cometidos antes de 2014”, justificou Haddad.

Tasso acusou Haddad de “usar uma reflexão honesta para fazer proselitismo político”. “É lamentável que um candidato à Presidência da República não tenha capacidade de olhar os erros da política no Brasil para projetar o futuro”, disse. Tasso também afirmou que o uso político de suas críticas pelo petista “apequena a corrida presidencial”.

Neste sábado, o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso também fez referência, em sua conta do Twitter, à entrevista de Tasso ao Estado. “O senador Tasso está certo: o ciclo partidário-eleitoral se exauriu. Não há outro ainda. Alckmin poderá levar o país a um novo consenso. Fiéis à democracia e aos nossos compromissos votemos nele para a reconstrução social e econômica do Brasil.”

(O Estado)

TSE divulga arrecadação dos candidatos à Presidência da República; Meirelles banca R$ 45 milhões do bolso

284 1

O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) divulgou hoje (15) nova parcial da prestação de contas dos candidatos à Presidência da República.

Entre os candidatos, o com maior arrecadação, até o momento, foi Geraldo Alckmin (PSDB). O tucano levantou R$ 46,4 milhões. Do montante, R$ 46,26 milhões (97,8%) foram oriundos do Fundo Eleitoral. O financiamento coletivo do candidato representou 0,08% das verbas arrecadadas.

A segunda maior arrecadação foi a do candidato Henrique Meirelles (MDB), que declarou R$ 45 milhões em receitas até o momento. Todo o recurso veio de fontes próprias, ou seja, do próprio candidato.

A terceira maior declaração foi a do PT, cuja candidatura de Luiz Inácio Lula da Silva foi substituída por Fernando Haddad. Foram movimentados R$ 20,6 milhões em receitas. A quase totalidade, R$ 20 milhões (97,1%), veio do Fundo Eleitoral. Por meio de financiamento coletivo foram arrecadados R$ 598 mil.

Ciro Gomes (PDT) vem na quarta posição, com R$ 16,1 milhões recebidos, todo do Fundo Eleitoral.

Marina Silva arrecadou R$ 7,2 milhões. Da soma de verbas, R$ 6,1 milhões vieram de doações do Fundo Eleitoral; R$ 260 mil foram de financiamento coletivo e o restante de 21 doadores.

Álvaro Dias (Podemos) declarou ter recebido R$ 5,2 milhões. Deste total, R$ 3,2 milhões (62,5%) foram oriundos do Fundo Eleitoral e 37,9% de doações diversas. A iniciativa de financiamento coletivo do candidato representou apenas 0,63% do total.

Guilherme Boulos (PSOL) recebeu até agora R$ 5,99 milhões, sendo R$ 5,97 milhões provenientes do Fundo Eleitoral. O restante foi arrecadado por meio de financiamento coletivo.

João Amoêdo (Novo) recebeu até o momento R$, 2,6 milhões. Deste total, R$ 1,2 milhão foi recebido do Fundo Eleitoral; R$ 308 mil de financiamento coletivo e o restante de doadores.

José Maria Eymael (PSDC) levantou R$ 849 mil do Fundo Eleitoral.

Jair Bolsonaro (PSL) arrecadou R$ 688,7 mil. Desse total, quase a metade foi proveniente do Fundo Eleitoral (R$ 334,75 mil). Outra parcela de R$ 332,8 mil foi obtida por meio de financiamento coletivo.

Vera Lúcia (PSTU) declarou receitas no valor de R$ 401 mil, praticamente toda oriunda do Fundo Eleitoral. A candidatura levantou apenas R$ 1,8 mil por meio de financiamento coletivo. João Goulart Filho (PPL) levantou R$ 231,8 mil, sendo R$ 230 mil do Fundo Eleitoral e o restante R$ 1,8 mil de financiamento coletivo.

As informações podem ser obtidas por meio do sistema do Tribunal “Divulgação de Candidaturas e Contas Eleitorais”.

(Agência Brasil)

TRE-CE determina retirada de pesquisa fraudulenta das redes sociais de candidato ao Senado

449 1

A juíza Daniela Lima da Rocha determinou na noite dessa sexta-feira (15) a retirada da pesquisa fraudulenta das redes sociais do candidato do Pros ao Senado, Eduardo Girão, ao atendeu liminar da coligação A Forças do Povo, que possui o senador Eunício Oliveira, candidato à reeleição pelo MDB.

Segundo o despacho da juíza do TRE-CE, o candidato do Pros será multado em R$ 30 mil, caso a pesquisa com dados falsos seja veiculada novamente em suas redes sociais. Um representantre do Facebook também participou da audiência, assim como advogados dois dois candidatos ao Senado.

Ontem, as redes sociais de Eduardo Girão divulgaram uma pesquisa, a qual ele apareceria na segunda colocação, com 17% das intenções de voto, enquanto Eunício somaria apenas 2%.

A divulgação da pesquisa teria gerado um mal estar entre os apoiadores da Dra. Mayra, candidata ao Senado pelo PSDB, em coligação com Ediardo Girão. Na pesquisa apontada pelo TRE-CE como “uma tentativa de confundir o eleitor”, Mayra sequer decolou na intenção de voto, com somente 1%.

O Blog não conseguiu contato com a assessoria de Eduardo Girão.

(Foto: Reprodução)

Camilo, Cid e Eunício realizam caminhada em Maracanaú

O governador Camilo Santana (PT), candidato à reeleição, participou neste sábado (15) de uma caminhada em Maracanaú, na Região Metropolitana de Fortaleza, ao lado dos candidatos ao Senado, Cid Gomes (PDT) e Eunício Oliveira (MDB).

Durante a caminhada, Camilo evitou comentar do empate entre Ciro e Haddad, na disputa presidencial, assim como evita usar material de campanha dos dois candidatos ou de um deles.

(Fotos: Divulgação)

Internet, o reino das fake news

Em artigo no O POVO deste sábado (15), a jornalista Letícia Alves aponta que Jair Bolsonaro (PSL) e o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) são os líderes de boatos nas redes sociais envolvendo seus nomes. Confira:

Elas são criadas, compartilhadas em contas falsas nas redes sociais, espalhadas em grupos do WhatsApp, publicadas em páginas de apoio ou de repúdio a candidatos e repostadas em sites sem compromisso com a verdade até chegarem aos perfis online de eleitores e à boca do povo nas ruas, nos ônibus, nos almoços de família.

O trajeto que as “fake news” fazem, porém, nem sempre é previsível assim. Às vezes, elas surgem na boca de um candidato, outras vezes até mesmo da imprensa tradicional. Mas não há dúvidas de que a Internet é o terreno mais fértil para o nascimento de informações falsas, sobretudo aquelas que são criadas deliberadamente para prejudicar ou para beneficiar uma candidatura.

É neste terreno que trabalha o Projeto Comprova, que reúne repórteres de 24 veículos de mídia, incluindo O POVO. O grupo estreou no dia 6 de agosto e verifica apenas boatos que estejam viralizando e que envolvam o nome de presidenciáveis. Até a tarde de ontem, 54 verificações já haviam sido publicadas no site do Comprova.

Como uma das repórteres do grupo, tem sido meu papel diário acompanhar a profusão de mentiras algumas absurdas ou ridículas, mas outras bastante engenhosas e sofisticadas que circulam pelas redes. Ter o boato como matéria-prima de trabalho não deixa de ser sintomático nesses tempos de extrema polarização política.

Esse cenário, aliás, é perceptível nas publicações do Comprova. O candidato Jair Bolsonaro (PSL) e o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) são os líderes de boatos envolvendo seus nomes, seja para prejudicá-los ou beneficiá-los. Bolsonaro é o protagonista de 18, das 54 verificações publicadas.

Lula, por sua vez, é o principal nome exposto em 16 matérias. Fernando Haddad (PT), que assumiu a candidatura no lugar de Lula, aparece em uma verificação e Manuela D’Ávila (PCdoB), sua vice, em mais uma. A candidatura petista, portanto, empata nas menções com Bolsonaro.

Geraldo Alckmin (PSDB) fica em terceiro lugar com quatro aparições. Ciro Gomes (PDT), João Amoêdo (Novo), Marina Silva (Rede) e Cabo Daciolo (Patriota) empatam com duas publicações. Uma verificação envolve Guilherme Boulos (Psol) e o restante trata de assuntos que envolvem as eleições em geral. Na Internet, reino das “fake news”, a disputa também é acirrada, principalmente sobre quem prejudica mais quem.

Letícia Alves, jornalista do O POVO

Bolsonaro e Haddad são adversários dos sonhos um do outro

330 1

Da Coluna Política, no O POVO deste sábado (15), pelo jornalista Érico Firmo:

O maior erro que se comete ao observar pesquisa de intenção de voto é acreditar se tratar de reflexo fiel da realidade. Elas podem errar e erram muito. O segundo maior é observá-la como realidade estática. Não funciona assim. Mais importante que o número estático é o movimento. E o movimento da pesquisa Datafolha, divulgada na noite de ontem, mostra o seguinte:

1) Jair Bolsonaro (PSL) segue em alta.

2) Fernando Haddad (PT) cresce.

3) Ciro Gomes (PDT) estabilizou.

4) Geraldo Alckmin (PSDB) oscila para baixo.

5) Marina Silva (Rede) cai muito.

Ciro e Haddad estão empatados em números, mas em trajetórias diferentes. A vantagem está com o petista. Tem mais tempo no horário eleitoral, estrutura, partido forte. Foi confirmado candidato só esta semana. Só ontem entrou nas séries de entrevistas com candidatos, ao ir ao Jornal Nacional. Agora entrará nos debates. A margem para crescer é de Haddad. Hoje, o mais provável segundo turno é Bolsonaro contra Haddad.

É, também, o cenário dos sonhos tanto para um como para o outro.

Ao apontar Haddad como mais provável adversário de Bolsonaro no segundo turno, não digo que Ciro esteja fora do páreo. A candidatura até aqui é sólida. Mas a situação está difícil. Cada vez mais, votos que eram de Lula tendem a ir para o petista. E o voto útil, que pendia para Ciro, agora não desequilibra contra Haddad.

Lia Gomes tem candidatura rejeitada pelo TRE-CE

336 2

O Tribunal Regional Eleitoral do Ceará (TRE-CE), por unanimidade, rejeitou ontem o pedido de registro da candidatura de Lia Gomes (PDT) ao cargo de deputada estadual. A irmã de Ciro Gomes (PDT), candidato à Presidência, e Cid Gomes (PDT), concorrente a uma das vagas ao Senado Federal, não compareceu ao processo de revisão biométrica.

A pedetista não fez o recadastramento biométrico obrigatório para Caucaia, domicílio eleitoral de Lia. Ela conta que perdera o título de eleitor e não regularizou a situação antes do dia 9 de maio, prazo final para o recadastramento.

Ao O POVO, Lia Gomes afirmou que tomou conhecimento da decisão e que o departamento jurídico de sua campanha está em ação para recorrer junto ao TRE-CE e ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE).

Em agosto, Lia afirmou estar “otimista” sobre a situação e basearia a sua defesa em exemplos de candidatos do Maranhão e do Rio Grande do Norte, que com o título cancelado, não puderam votar, porém, tiveram suas candidaturas validadas pelo TRE.

(O POVO)

Haddad nega envolvimento do PT em corrupção e cita Tasso por insucesso de Dilma

409 2

O candidato do PT à Presidência da República, Fernando Haddad, negou nesta sexta-feira (14), durante entrevista ao Jornal Nacional, da Rede Globo, que o PT tenha envolvimento em corrupção. Ao ser questionado pelos jornalistas William Bonner e Renata Vasconcellos sobre as condenações e investigações contra petistas, Haddad disse que a Globo também é investigada e que a Polícia Federal reconhece que o Partido dos Trabalhadores incentivou as investigações. O petista reclamou que a Globo costuma condenar pessoas, quando muitas vezes essas são depois absolvidas das acusações.

Haddad acredita que o envolvimento de seu nome em denúncias de corrupção passiva e formação de quadrilha, segundo o Ministério Público, é estranho a 30 dias das eleições.

Haddad disse que foi indicado por Lula à Prefeitura de São Paulo porque foi o melhor ministro do ex-presidente, que perdeu à reeleição, diante de um ano atípico contra o PT. Lembrou que Tasso Jereissati reconhece agora o erro de o PSDB ter aprovado pautas bombas contra o governo Dilma.

Bonner pergunta qual a dificuldade do PT em fazer uma autocrítica e reconhecer os erros. Lembra do estelionato eleitoral na campanha à releição de Dilma. Haddad aponta que houve sabotagem contra o governo do PT.

(Foto: Reprodução)

Coligação de Eunício entra com representação contra Eduardo Girão; O candidato contesta em nota

 

ATUALIZAÇÃO – 6h02min)

A coligação majoritária “A Força do Povo” (MDB/PHS/AVANTE/SD/PSD/PSC/PODEMOS/PRB) entrou com representação nesta sexta-feira (14) contra o candidato do Pros ao Senado, Eduardo Girão, por fraude eleitoral.

Segundo a denúncia, Girão teria divulgado hoje, no Facebook e no Instagram, uma falsa pesquisa em que aparece em segundo lugar nas intenções de voto, com 17%, enquanto Eunício Oliveira (MDB) teria apenas 2%. A representação é assinada pelo advogado Anderson Queiroz Costa.

O Tribunal Superior Eleitoral prevê multa entre R$ 53.2 mil a R$ 106,4 mil, em caso de divulgação de pesquisa sem registro ou fraudulenta, além de detenção de seis messes e um ano, em caso de fraude.

Outro lado

A campanha do candidato o Senado Eduardo Girão (PROS) esclarece que não divulgou pesquisa eleitoral em suas redes sociais. O gráfico público, elaborado pela Google Trends, indica o interesse dos usuários pelo nome dos candidatos, sem qualquer conotação de pesquisa eleitoral. Há indicação da fonte na imagem veiculada em redes sociais, ao lado direito da arte.

Diz ainda que com a credibilidade e seriedade que marca sua ativação, o Jornal O POVO publicou ainda os dados do gráfico público da Google Trends, que indica o interesse de internautas divulgados na imagem veiculada em redes sociais, na coluna “Nas Redes”, do repórter Daniel Herculano, desta quinta-feira (14), conforme imagens anexas, e no portal digital do veículo (link: https://www.opovo.com.br/jornal/politica/2018/09/google-trends-aponta-interesse-dos-eleitores.html).

(Foto: Reprodução)

Datafolha: Bolsonaro tem 26%; Haddad e Ciro têm 13% cada um

Nova pesquisa do instituto Datafolha mostra o candidato Jair Bolsonaro (PSL) com 26% das intenções de voto na disputa presidencial. Fernando Haddad (PT) atingiu 13% e está empatado com Ciro Gomes, que tem o mesmo percentual. Geraldo Alckmin (PSDB) obteve 9% dos votos e Marina Silva (Rede) é a candidata de 8% dos entrevistados.

Alvaro Dias (Podemos), Henrique Meirelles (MDB), João Amoêdo (Novo) marcam cada um 3% das intenções de voto. Também estão empatados Cabo Daciolo (Patriota), Guilherme Boulos (PSOL) e Vera Lúcia (PSTU), com 1%. João Goulart Filho (PPL) e Eymael (DC) não pontuaram.

Treze por cento dos entrevistados declaram votar em branco ou nulo; e 6% não sabem ou não responderam.

O levantamento foi feito ontem (13) e nesta sexta-feira (14) junto a 2.820 eleitores em 187 cidades. A margem de erro é de dois pontos percentuais para mais ou para menos. A pesquisa foi contratada pelo jornal Folha de São Paulo e pela Rede Globo.

Na comparação com a pesquisa realizada na última segunda-feira (10), Jair Bolsonaro oscilou dois pontos percentuais, Fernando Haddad cresceu quatro pontos percentuais e Ciro Gomes manteve-se estável. O ex-governador paulista Geraldo Alckmin perdeu um ponto percentual e a ex-senadora Marina Silva desceu três pontos.

Não oscilaram os percentuais de intenção de voto os candidatos Alvaro Dias, Henrique Meirelles, João Amoêdo, Cabo Daciolo, Guilherme Boulos, Vera Lúcia, João Goulart Filho e Eymael.

A proporção que declara votar nulo ou em branco reduziu em dois pontos percentuais e o número de indecisos e não respondentes oscilou em um ponto.

(Agência Brasil)