Blog do Eliomar

Categorias para Eleições 2018

Bolsonaro diz que Janaína Paschoal pode ser anunciada como vice amanhã

O pré-candidato à Presidência da República, Jair Bolsonaro (PSL), afirmou que a advogada Janaína Paschoal, filiada ao partido dele e professora da USP, voltou a ser uma possibilidade de nome para vice de sua chapa. Uma das autoras do pedido de impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff (PT) em 2015, Paschoal deve ir hoje ao Rio de Janeiro conversar pessoalmente com Bolsonaro para discutir o assunto.

“O meu sentimento é de que ela está com vontade de ajudar a transformar o Brasil. Estamos ‘namorando’ por telefone. Ela deu sinal verde. Ela deve vir ao Rio amanhã (sábado) e, provavelmente, no domingo estará na convenção. Pode acontecer de anunciar lá. Vai ser a dupla Já-Já”, disse o deputado federal ontem ao O Globo.

Na última terça-feira, 19, Bolsonaro havia descartado o nome da advogada. “Ela saiu do radar da discussão sobre o posto de vice”, chegou a afirmar, argumentando que ela disputaria o cargo de deputada estadual. Paschoal, por sua vez, disse em entrevista que não havia recebido o convite para ocupar o posto, mas que “se essa dupla acontecer, será para revolucionar o País”.

Bolsonaro voltou atrás após receber, em três dias, dois “nãos”: um do senador Magno Malta (PR-ES), que preferiu disputar a reeleição ao Senado; e outro do PRP, que rejeitou indicar o general reformado Augusto Heleno porque essa composição não seria “atraente para os diretórios estaduais do partido”.

O pré-candidato chegou ainda a cogitar o nome do general Hamilton Mourão, que é filiado ao PRTB. A negociação com ele não está encerrada. O presidente da sigla, Levy Fidelix, disse que busca uma aliança de pequenos partidos para garantir a presença do general numa chapa presidencial e que espera conversar pessoalmente com Bolsonaro sobre o assunto. “Aqui a gente faz uma política macro. É preciso chegar e dizer: ‘Fidelix meu amigo, pá-pá-pá’”.

A convenção de Bolsonaro está marcada para amanhã, no Rio de Janeiro. Se ele fechar com Paschoal e formar uma chapa pura, ficará apenas com oito segundos de propaganda eleitoral na televisão e no rádio, o que pode dificultar o crescimento das intenções de voto.

Para o professor de ciência política do Ibmec-MG, Adriano Gianturco, são muitos os fatores que podem explicar as baixas que Bolsonaro recebeu nos últimos dias, além dos pontos que ele deve levar em consideração para a escolha de um vice. “Mais que intenções de votos, o que se deve buscar em um vice são os apoios que ele tem de grupos organizados e camadas da sociedade. Não adianta só buscar alguém diferente achando que vai ampliar os votos porque ninguém vota com base só no vice”, explicou.

Em conversa com o deputado Major Olympio (PSL-SP), Janaína Paschoal já chegou a acertar uma candidatura à Assembleia Legislativa de São Paulo.

O general Hamilton Mourão (PRTB) tem demonstrado interesse de compor a chapa de Bolsonaro. Ele chegou a dizer: “Eu continuo sentado no banco de reservas em condições de, se necessário for, participar dessa grande empreitada”.

(O POVO com agências)

PDT lança candidatura de Ciro Gomes a presidente

181 1

O PDT confirmou hoje a candidatura de Ciro Gomes à Presidência da República, na convenção nacional que reuniu filiados do partido. “Ciro tem a responsabilidade de ser a síntese do Brasil soberano, mais justo e mais soberano”, afirmou o presidente do PDT, Carlos Lupi.

A convenção reuniu integrantes do Diretório Nacional e do Conselho Político, representantes de movimentos sociais vinculados ao partido, senadores, deputados federais e estaduais, delegados e presidentes das comissões provisórias.

O partido não definiu o candidato a vice-presidente nem as demais legendas que integrarão a chapa de Ciro Gomes.

A expectativa da cúpula do PDT é que a eleição presidencial alavanque o partido nos estados. Lupi tem falado em eleger este ano uma bancada de pelo menos 40 deputados federais. Atualmente o partido tem 19 deputados federais e três senadores.

Até agora, o PDT tem oito nomes para disputar os governos estaduais: Waldez Góes (AP), Lígia Feliciano (PB), Carlos Eduardo Alves (RN), Jairo Jorge (RS), Pedro Fernandes (RJ), Acir Gurgacz (RO), Odilon de Oliveira (MS) e Osmar Dias (PR).

Perfil

Esta é a terceira vez que Ciro Gomes será candidato à Presidência da República: em 1998 e 2002, ele concorreu pelo PPS. Natural de Pindamonhangaba (SP), construiu sua carreira política no Ceará, onde foi prefeito de Fortaleza, eleito em 1988, e governador do estado, eleito em 1990. Renunciou ao cargo de governador, em 1994, para assumir o Ministério da Fazenda, no governo Itamar Franco (1992-1994), por indicação do PSDB, seu partido na época.

Ciro Gomes foi ministro da Integração Nacional de 2003 a 2006, no governo do ex-presidente Lula, e tocou o projeto de Transposição do Rio São Francisco. Deixou a Esplanada dos Ministérios para concorrer a deputado federal e foi eleito. Também exerceu dois mandatos de deputado estadual no Ceará. Tem 60 anos e quatro filhos.

(Agência Brasil / Foto: Leitor do Blog)

Os erros de Ciro, político e institucional

Em artigo no O POVO desta sexta-feira (20), o jornalista e editor de Política do O POVO, Gualter George, aponta que Ciro Gomes volta a apresentar demonstrações de descontrole emocional e gera receio entre eleitorado. Confira:

A apenas alguns dias de ter o nome oficialmente confirmado como candidato a presidente da República – o que deve fazer hoje através da convenção nacional do PDT, em Brasília -, Ciro Ferreira Gomes protagoniza mais uma daquelas histórias que alimentam as dúvidas reais existentes entre eleitores até dispostos a votar dele, mas que demonstram receio diante das demonstrações de descontrole que acabam sendo ruins para quem está no debate político. É quase que impossível transformar tal comportamento em qualidade necessária a uma pessoa pública.

Desde quando foi às ruas de olho no voto do brasileiro, na fase de pré-campanha, Ciro apresenta algum esforço de demonstrar-se diferente nesse aspecto. Ocupando cargos públicos desde o começo dos anos 1980, ele sabe muito bem que ninguém conseguirá avançar nos seus propósitos sem apresentar a paciência como um dos elementos indispensáveis à ação cotidiana. Parece possível que alguns a exercitem mais do que os outros, mas todos precisam tê-la em algum nível.

No episódio que ameaça sua estratégia de demonstrar mudança no aspecto do controle emocional, parece inexplicável, de início, que Ciro Gomes não tenha conseguido se conter na hora de criticar o vereador Fernando Holiday, figura na posição mais expressiva do Movimento Brasil Livre (MBL) com sua cadeira na Câmara de São Paulo, tachando-o de “capitãozinho do mato”. O termo é agressivo o suficiente para imaginar que pudesse levar a algum tipo de consequência legal. Como está acontecendo.

A essa altura, porém, a língua de Ciro já estava desgarrada de sua estratégia pública, que impunha cuidado a cada frase proferida, e o acolhimento da ideia de prática de racismo por um membro do Ministério Público de São Paulo gerou uma outra reação forte o suficiente para assustar aquele eleitor lá do início do texto. Assisti-lo com esse tipo de atitude, agora usando até um palavrão contra o representante do Ministério Público – uma representante, pelo que se informou depois – traz de volta todas aquelas preocupações.

Inevitavelmente, o que é ruim para ele.

O caso exige um outro debate, este até mais sério porque diz respeito à compreensão de Ciro sobre o papel do Ministério Público.

É evidente que não há crime na sua crítica à atitude do responsável pelo pedido de instauração de investigação, pela possível prática de racismo na manifestação dele do último dia 18 de junho contra Holiday, durante entrevista à rádio Jovem Pan, de São Paulo. Preocupa, de fato, é vê-lo, ironicamente ou não, apontar que uma vitória eleitoral sua teria o condão de mudar o papel da instituição, sugerindo a quem está acusando-o agora, ironicamente, que aproveite “o restinho das atribuições”.

Pois é, Ciro conseguiu piorar bastante a situação na forma como reagiu não ao vereador, que seria uma discussão mantida nos limites da guerra política, ofensas eventuais à parte. No entanto, suas manifestações sobre o Ministério Público não cabem nesse tom porque falamos de uma instituição que deve permanecer à margem de todo esse processo, com suas regras necessárias de independência, especialmente tratando-se de uma instância de nível estadual. O longo braço da presidência da República, num quadro normal de temperatura e pressão, não teria como chegar até ali para, se for o caso de existir, por “fim a qualquer mamata”.

Jair Bolsonaro não troca favores e nem tem sede de poder, diz economista Paulo Guedes

Paulo Guedes, mentor econômico de Jair Bolsonaro (PSL), fala pelos cotovelos.

Em Fortaleza, ele disse ter optado pelo presidenciável por dois aspectos: o “Mito” não faz a política da troca de favores e não tem sede de poder.

Por aqui, Guedes deu palestra no encontro do LIDE, no Hotel Gran Marquise, nesta semana.

(Foto – DCM)

Quem decide no bloco governista

Da Coluna Política, no O POVO desta sexta-feira (20), pelo jornalista Érico Firmo:

Aspecto que chamou atenção no discurso de Camilo Santana (PT) sobre a aliança é a insistência em falar que a decisão não será imposta por ninguém. “Não há cacique na nossa aliança, não há decisão unilateral. O que há é um processo democrático de diálogo e construção coletiva. ouvir os partidos, ouvir os presidentes, ouvir as lideranças”, falou ele na quarta-feira, na Redação do O POVO.

Adiante na conversa, questionado pelo repórter Carlos Mazza sobre se Ciro Gomes (PDT) permitiria a aliança com Eunício Oliveira (MDB), ele voltou ao ponto: “Não é o Ciro quem manda, nem eu. A gente define tudo de forma democrática”.

Quando algumas coisas precisam ser ditas é porque há a ideia de que ocorre o oposto. Camilo disse que não tem cacique na aliança porque existe a imagem de que os Ferreira Gomes ditam os caminhos. Falou que Ciro não manda porque se imagina que ele é quem decide, sim.

Camilo é realista quanto aos limites do diálogo. “Consenso não vai existir nunca, mas que a gente possa encontrar uma pactuação para construir as melhores alianças possíveis para esta eleição”. Realmente, não vislumbro quanto de conversa se pode ter para fazer Ciro engolir Eunício na aliança, ou para que o emedebista aceite de bom grado ficar fora da chapa oficial.

Os Ferreira Gomes têm sido muito duros nas negociações com Camilo. De maneira que não aceitaram que fossem com eles no governo. Em 2010, no auge das pressões sobre a chapa para o Senado, Ciro afirmou que seu irmão Cid Gomes “não aceitaria faca nos peitos” da parte de ninguém. Agora, são eles que dizem que não engolirão Eunício (foto) na mesma chapa que eles. Camilo, conforme ressaltei, não cogita chapa sem o PDT.

Ao dizer que não há cacique na aliança, o governador deixou no ar a ideia de recado dirigido aos Ferreira Gomes, direto ou indireto. Afinal de contas, se houver cacique na aliança, quem haveria de ser se não eles?

O fato é que está criada a situação na qual, se Eunício ficar fora da coligação, estará estabelecida a imagem de que foi imposição dos Ferreira Gomes. Se Eunício estiver na aliança oficial, a impressão que ficará é de que os irmãos foram enquadrados.

Jair Bolsonaro continua em busca de um vice

O presidenciável Jair Bolsonaro (PSL) disse a aliados que vai sondar o general da reserva Hamilton Mourão (PRTB) sobre ser seu vice. Se a tese vingar, a proposta será levada a Levy Fidelix, presidente do PRTB. O militar será o terceiro vice que o presidenciável tenta atrair. A informação é da Coluna Painel, da Folha de S.Paulo.

Mourão já negou uma proposta do PSL. Convidado a se filiar para disputar o governo do Rio, recusou.

A formação da chapa com dois egressos das Forças Armadas enfrenta resistências na campanha de Bolsonaro. Auxiliares do deputado preferiam alguém com perfil empresarial. Depois de Mourão, aparecem como opções Janaina Paschoal e Luciano Bivar, ambos do PSL.

Número de eleitores com deficiência ou mobilidade reduzida aumenta 89% no Ceará

A Coordenadoria de Eleições (COELE), visando o cumprimento do Plano de Ação de Acessibilidade nas Eleições, divulgou dados sobre a evolução do quantitativo de eleitores com deficiência ou mobilidade reduzida identificados no cadastro eleitoral (ASE 396). Desde a data das Eleições 2016, o TRE-CE registrou um acréscimo de 89,01 % no número desses eleitores identificados, que hoje já somam 49.340 eleitores. A informação é do site desse tribunal.

Até 2010, apenas 1.895 eleitores com algum tipo de deficiência estavam inscritos no Cadastro da Justiça Eleitoral no nosso Estado, ano em que o TRE criou o Programa de Acessibilidade da Justiça Eleitoral do Ceará.

Com a divulgação da campanha, 9.743 eleitores foram identificados para as Eleições de 2012. Já em 2014, eram 15.622 eleitores cadastrados em todo o Ceará. Até fevereiro de 2018, o cadastro já contava com 46.055 eleitores com deficiência ou mobilidade reduzida.

Em razão do recadastramento biométrico muitos municípios alcançaram um aumento expressivo na quantidade de eleitores com ASE 396 identificados, apenas no período posterior às Eleições 2016. Dos municípios onde a identificação biometria não será obrigatória nestas eleições, Baixio evoluiu 628,5% desde o último pleito até a presente data. Em seguida, vem Ipaumirim com 500%. No caso dos municípios 100% biometrizados, Palmácia e Carnaubal evoluíram, respectivamente, 1.367% e 1.779%.

Deve-se levar em consideração que, também em razão do recadastramento, muitos títulos de eleitores que não compareceram à revisão foram cancelados, o que impactou no quantitativo final de eleitores com ASE 396.

Transferência temporária

A COELE também informa que, de acordo com a Resolução TSE nº 23.554/2017, os eleitores com deficiência ou mobilidade reduzida poderão, no período de 17 de julho a 23 de agosto deste ano, requerer transferência temporária de seção eleitoral, em qualquer cartório eleitoral do Município em que estiver regularmente inscrito, devendo, para tanto, portar documento oficial com foto.

(Foto – Ilustrativa)

 

Theophilo quer sincronizar plano de governo do Ceará com propostas de Alckmin ao Palácio do Planalto

O pré-candidato ao governo do Ceará, General Theophilo (PSDB), se reuniu nesta quinta-feira (19), em São Paulo, com o pré-candidato a presidente da República Geraldo Alckmin.

No encontro, o General apresentou as bases do seu programa de governo, com destaque para as áreas de segurança, saúde, geração de emprego, educação e combate à corrupção. Outro tema tratado foi a segurança hídrica no Ceará. Na ocasião, Geraldo Alckmin também apresentou detalhes do seu plano de governo.

– O encontro foi bastante importante para sintonizarmos os programas no âmbito federal e estadual. São Paulo tem demonstrado resultados positivos na gestão da segurança e da saúde. Com certeza, muitas das ideias sugeridas pelo ex-governador Geraldo Alckmin constarão em nosso programa de governo, destacou General Theophilo após a reunião.

(Foto: Divulgação)

PT e PCdoB se reúnem para discutir eleição ao Palácio do Planalto

As conversas adiantadas do possível apoio do PCdoB à candidatura do PDT ao Palácio do Planalto podem ser interrompidas, nesta quinta-feira (19), diante da reunião do partido da esquerda com o PT, que ocorre neste momento em São Paulo.

Os presidentes dos dois partidos, Gleisi Hoffmann (PT) e Luciana Santos (PCdoB), esperam acertar a chapa encabeçada por Lula, com a jornalista gaúcha Manuela D’Ávila na vice.

O deputado federal José Guimarães (PT-CE) participa do encontro.

(Foto: Divulgação)

Ministra do TSE rejeita pedido do MBL para declarar Lula inelegível

A ministra do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) rejeitou hoje (18) pedido feito pelo Movimento Brasil Livre (MBL) para que o tribunal declare a inelegibilidade do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

Na decisão, Rosa Weber não entrou no mérito do pedido e entendeu que os representantes do movimento não tem legitimidade para levantar a causa. Além disso, a ministra afirmou que antes do período de registro de candidaturas, não se pode discutir legalmente a questão da inelegibilidade de candidatos.

Lula está preso na Superintendência da Polícia Federal em Curitiba desde o dia 7 de abril, por determinação do juiz Sérgio Moro, que ordenou a execução provisória da pena de 12 anos e um mês de prisão pelos crimes de corrupção e lavagem de dinheiro, no caso do triplex em Guarujá (SP). A prisão foi executada com base na decisão do STF que autorizou prisões após o fim dos recursos na segunda instância da Justiça.

Apesar de a Lei da Ficha Limpa ter definido que condenados por órgãos colegiados estão inelegíveis, o momento no qual a Justiça Eleitoral analisa a restrição ocorre após a apresentação do pedido de registro de candidatura, que deve ser feito a partir do próximo dia 20 de julho até 15 de agosto, depois da aprovação do candidato na convenção de seu partido.

(Agência Brasil)

TSE promete fiscalizar uso de dinheiro em espécie nas próximas eleições

O Tribunal Superior Eleitoral (TSE), em parceria com outros órgãos de fiscalização, vai analisar suspeitas de uso de dinheiro vivo para caixa 2 nas eleições deste ano, a condição financeira das pessoas físicas doadoras e a capacidade operacional dos fornecedores de bens e serviços destinados à campanha.

“O foco não é apenas dinheiro vivo, é muito além disso. O que o TSE busca com outros órgãos de fiscalização do Estado é, a partir das informações declaradas nas prestações de contas dos candidatos/partidos, analisar a capacidade financeira das pessoas físicas no aporte das doações e a capacidade operacional dos fornecedores na entrega de bens e serviços destinados à campanha eleitoral”, disse o tribunal, em nota.

A fiscalização da Justiça Eleitoral será feita a partir das informações declaradas pelos candidatos nas suas prestações de contas. Além disso, como ocorrido no último pleito, haverá um compartilhamento de informações da Justiça Eleitoral com outros órgãos do Estado, como a Receita Federal, o Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf) e o Ministério Público.

No caso específico do TSE, serão analisadas as contas dos candidatos à Presidência da República. Candidatos aos demais cargos terão suas prestações de contas analisadas pelos juízes eleitorais e respectivos Tribunais Regionais Eleitorais (TREs).

A suspeita com relação a dinheiro vivo é de que candidatos façam declaração falsa de valores guardados em casa à Justiça Eleitoral e ao Fisco. O objetivo seria, após a eleição, transformar o dinheiro em sobra de campanha ou incluir recursos de origem ilícita nos gastos eleitorais.

Nas últimas eleições gerais, em 2014, foram declarados R$ 300 milhões em dinheiro por 26.259 candidatos (7,6% do total). Nas eleições para prefeitos e vereadores, em 2016, 497.697 candidatos (12,28%) declararam possuir R$ 1,679 bilhão em espécie.

Neste ano, os recursos para a campanha virão dos fundos Eleitoral, com R$ 1,7 bilhão, e Partidário, com R$ 888,7 milhões, além das doações de pessoas físicas e recursos próprios dos candidatos (autofinanciamento).

Procurada, a Receita Federal disse que não irá comentar o assunto.

(Agência Brasil)

Eleições 2018 – Prazo para solicitação do voto em trânsito começa nesta terça-feira



Os eleitores em trânsito no território nacional poderão, se desejarem, realizar a transferência temporária de seção eleitoral para votação no primeiro turno, no segundo, ou em ambos, nestas eleições. Esta possibilidade será aberta somente em capitais e municípios com mais de cem mil eleitores. O prazo para solicitar transferência temporária iniciará nesta terça-feira, 17/7, e terminará no dia 23 de agosto de 2018, informa a assessoria de imprensa do TRE do Ceará.

Presos provisórios, membros das Forças Armadas, das polícias federal, rodoviária e ferroviária federal, civil e militar, corpo de bombeiros militares e guardas municipais, que estiverem em serviço por ocasião das eleições, assim como, eleitores com deficiência ou mobilidade reduzida, também podem fazer uso do direito. No caso da força policial em serviço, assim como, dos eleitores com mobilidade reduzida que queiram votar numa seção mais acessível dentro do município onde vota, não se aplica a limitação dos municípios com mais de cem mil eleitores.

O eleitor que fizer a transferência temporária não poderá votar na sua seção de origem. Encerradas as eleições, as inscrições dos eleitores que se transferiram temporariamente voltam a figurar automaticamente nas seções eleitorais de origem.

Os eleitores que estiverem fora da Unidade Federativa (UF) de seu domicílio eleitoral nestas eleições poderão votar em trânsito apenas para presidente da República. Esta regra também se aplica aos eleitores inscritos no exterior, que estiverem em trânsito no território nacional. Já os eleitores que se encontrarem em trânsito dentro da UF de seu domicílio eleitoral poderão votar para todos os cargos: presidente da República, governador, senador, deputado federal e deputado estadual.

Como fazer?

Para votar em trânsito, o eleitor deverá comparecer a qualquer cartório eleitoral e requerer sua habilitação mediante a apresentação de documento oficial com foto. O eleitor poderá alterar ou cancelar a habilitação para votar em trânsito no período de 17 de julho a 23 de agosto de 2018. O eleitor que não comparecer à seção para votar em trânsito deverá justificar a sua ausência, inclusive se estiver no seu domicílio eleitoral de origem no dia da eleição, não podendo justificar no município por ele indicado para o exercício do voto.

Salmito volta a ser alvo de fake news; A quem interessa esse tipo de crime?

752 11

Após a informação falsa de que Salmito Filho estava com amigos na Copa da Rússia, quando na verdade o presidente do Legislativo de Fortaleza trabalhava normalmente em suas funções na Capital cearense, eis Salmito novamente vítima de fake news, diante da autoria e aprovação do projeto que altera as taxas dos alvarás. A Câmara Municipal de Fortaleza deliberou o Código Tributário, ao respeitar as normas internas e externas, inclusive com transparência na tramitação.

Assim como não quis comentar sobre o primeiro fake news, ao alegar que crime é um trabalho a ser investigado pela polícia, Salmito voltou a afirmar que acredita na maturidade da população contra as informações mentirosas.

O cidadão costuma conferir na mídia tradicional, a qual trabalha a comunicação com jornalistas profissionais que utilizam critérios éticos de checagem antecipada para a construção das notícias acerca dos fatos.

No entanto, o presidente do Legislativo de Fortaleza afirmou que, enquanto o cidadão reconhece o seu trabalho em prol da política com ética e da melhoria da qualidade de vida da população, pessoas com más intenções também reconhecem esse trabalho, mas por interesses político e pré-eleitorais contrariados e alheias às necessidades da população, utilizam-se das redes sociais de forma criminosa para propagar mentiras.

“Quase sempre, essas pessoas possuem o desejo de ocupar cargos eletivos ou buscam nomeações na administração pública. Como não conseguem apresentar propostas ou vocação para a política, acabam atacando a imagem daqueles que realmente trabalham para a população. Acreditam, talvez, que a população os veja como salvadores da pátria ou exemplos de honestidade. Mas, graças a Deus, essa prática criminosa não tem surtido o efeito desejado por esses criminosos, pois a população tem buscado a verdadeira informação na mídia oficial”, ressaltou Salmito.

O Blog realizou um levantamento nas redes sociais e encontrou uma ONG, suplentes de vereadores, pré-candidatos a deputado estadual e a deputado federal, como origem e compartilhamento dos fake news.

(Foto: Arquivo)

PSB vai apoiar Eunício Oliveira e Cid Gomes para o Senado

O presidente do PSB no Ceará, deputado federal Odorico Monteiro, anunciou, neste fim de semana, a decisão do partido de apoiar a reeleição do emedebista Eunício Oliveira e também a eleição do pedetista Cid Gomes ao Senado.

O PSB, segundo  parlamentar, também decidiu que irá se coligar proporcionalmente com o MDB, ou seja, os dois partidos estarão juntos nas disputas por vagas na Assembleia Legislativa e na Câmara Federal.

O apoio a Cid (ainda não confirmou a pré-candidatura) e Eunício ocorrerá independente de uma aliança entre ambos. A decisão surpreende pelo fato do PSB ter optado por nomes e não por partidos.

(Foto – Divulgação)

PT lança movimento para votação de candidatos ao Senado

O PT quer a manutenção de seus atuais senadores, nas eleições de outubro próximo, além da eleição de novos senadores. O movimento “Quero o PT no Senado” será lançado nesta segunda-feira (16), em Fortaleza, a partir das 18 horas, no Centro.

No Ceará, o partido possui José Pimentel, que já manifestou interesse em concorrer à reeleição.

A deputada federal Luzianne Lins é encarregada da mobilização no Estado.

Camilo escolherá entre duas crises

386 1

Da Coluna Política, no O POVO deste sábado (14), pelo jornalista Érico Firmo:

Haverá uma crise na aliança de Camilo Santana (PT). O governador terá de escolher qual. No último ano, nenhum aliado foi tão importante e esteve tão colado à imagem do chefe do Executivo estadual quanto Eunício Oliveira (MDB). O presidente do Senado viabilizou liberação de verbas que estavam empacadas por obra dos subterrâneos de Brasília. E colou em Camilo em toda qualidade de evento: andaram de trem, rezaram jogaram futebol. Porém, se hoje o petista é governador, é por obra, vontade e graça da família Ferreira Gomes. E as sinalizações que vêm do clã são bem diferentes.

O PDT em peso, incluídos Ciro Gomes, Cid Gomes e o presidente nacional Carlos Lupi, rejeitam hipótese de aliança com Eunício. E menos de 24 horas, o candidato pedetista a presidente chamou o presidente do Senado de picareta, o presidente estadual da sigla, André Figueiredo, afirmou que o MDB é a antítese do que pensa o PDT e o presidente nacional, Carlos Lupi, afirmou que a legenda não estará numa coligação com o MDB. Disse ainda que o partido terá dois candidatos a senador: Cid e André Figueiredo.

Este último demonstrou explicitamente insatisfação com a condução do assunto pelo governador Camilo Santana. “O PDT, em nenhum momento, institucionalmente, foi chamado para discutir uma eventual composição com o senador Eunício. O governador nunca chamou o PDT do Ceará para esse diálogo. Me sinto no direito de ser contrário”.

Eunício tem feito todo esforço para atender aos pedidos de Camilo em Brasília, levou aliados para a coligação governista, ao mesmo tempo em que se amarra como pode à imagem do governador. A hipótese de eles não estarem juntos na campanha que começa dentro de um mês e um dia é tão estranha quanto foi a aproximação um ano atrás, depois das acusações e insultos de 2014.

Porém, o discurso do PDT não deixa o partido com cara para aceitar aliança com o MDB daqui para agosto. Como Ciro Gomes irá se explicar nacionalmente sobre a aliança local com quem qualificou de picareta?

Se Eunício não estiver do lado de Camilo, há potencial para um pequeno abalo sísmico em seu bloco. Ele teve papel na ida de Domingos Filho para a base do governador, meses após o desfecho de uma disputa que teve como consequência a extinção do Tribunal de Contas dos Municípios (TCM). Não parece haver caminho de volta para Domingos, ainda mais depois dos sapos e do orgulho que teve de engolir. Como ficará toda a costura feita por Eunício? Com que cara os dois colegas de pelada de menos de um mês atrás irão se enfrentar na campanha?

De um jeito ou outro, haverá crise. Camilo terá de escolher qual.

Seja qual for o desfecho, alguém ficará mal na foto. Se todos estiverem juntos, Ciro e o PDT terão de engolir seu discurso e explicar a contradição de agora, em plena campanha presidencial na qual ainda não deslanchou.

Se Eunício, por outro lado, estiver fora da coligação, ele quem fica muito mal, mesmo. Sob o risco vexatório para o presidente do Senado de nem reeleito ser.

A coisa chegou a um ponto no qual não há saída óbvia sem prejuízo grande para alguém. Isso tudo pode resvalar na aparentemente serena campanha de reeleição de Camilo.

O governador deu todos os sinais de que pretende se aliar a Eunício. Ciro já disse que esse movimento é de Camilo. Mas, ele terá peito e condições de contrariar os Ferreira Gomes?

Se, como diz Figueiredo, o assunto não foi tratado oficialmente, é sinal de que Camilo quer repetir o estilo Cid, conduzir as coisas até o limite do prazo e colocar as cartas na mesa quando não houver mais tempo para muitos movimentos. Quando os aliados não tiverem alternativa a não ser aceitar sua decisão.

Cid fez isso muitas vezes, mas ele tinha comando do processo.

Um Ciro para lembrar Brizola

Da Coluna Eliomar de Lima, no O POVO deste sábado (14):

O ex-ministro e ex-governador Ciro Gomes (PDT) vai lançar dia 20 próximo, em Brasília, sua pré-candidatura a presidente da República. Com um detalhe. Segundo o presidente nacional do partido, Carlos Lupi, lançando também as 12 principais propostas do pré-candidato para o Brasil.

Lupi afirma que são propostas para tirar o País da crise econômica, que se agravará pós-governo Temer, com compromissos também de investir no plano social.

O PDT, entre essas propostas, não vai abrir mão de apostar em educação, que era a principal pregação de Leonel Brizola.

“Ciro, eleito, vai investir em educação de tempo integral”, adianta Lupi.

Esse modelo, por sinal, colocou Sobral (Zona Norte), berço que abrigou Ciro Gomes, na ponta de lança do setor educacional do País, segundo dados recentes do Ministério da Educação. Aliás, um MEC que teve, na Era Dilma, o irmão de Ciro, o ex-governador Cid Gomes (PDT), como titular.

PDT isola Eunício e cria impasse para Camilo

418 1

Dois movimentos simultâneos do PDT no Ceará isolaram ainda mais Eunício Oliveira (MDB) no Estado e ampliaram o distanciamento do senador de uma aliança formal na chapa governista, encabeçada pelo presidenciável Ciro Gomes (PDT) e o governador Camilo Santana (PT), que concorre à reeleição.

Em ato de pré-campanha na quinta-feira, 12, na Praia de Iarcema, Ciro admitiu sua preferência pelo correligionário André Figueiredo na corrida ao Senado. “Se depender de mim, quero votar em André para senador”, disse o ex-ministro.

Em seguida, endereçou críticas diretas a Eunício, citando o presidente do Senado como um dos “picaretas” que moveram ações judiciais contra ele. Deputado federal e presidente do PDT estadual, Figueiredo disse em entrevista ao O POVO que pretende ocupar a segunda vaga na chapa – a primeira estaria destinada ao ex-governador Cid Gomes.

“Pelo tamanho do PDT no Ceará, é natural que o partido dispute as eleições com as duas vagas para reforçar a base do futuro presidente”, afirmou. “O governador nunca procurou o partido para discutir essa aliança (com Eunício) institucionalmente”, acrescentou.

De acordo com o parlamentar, porém, Cid ainda não garantiu que rumo vai tomar nestas eleições. “Ele ainda não definiu se quer ser ou não candidato. Se ele quiser, uma vaga é dele”, afirmou.

Os gestos do PDT criam impasse para Camilo, de quem Eunício tem se aproximado e com quem manteve intensa agenda de inaugurações de obras na Capital e Interior até a sexta-feira da semana passada.

Atual presidente do Senado, o cearense ainda tenta costurar acordo para disputar a reeleição numa das vagas do bloco, coligando-se formalmente ao PDT.

Em evento recente ao lado do governador, o emedebista reforçou que a dobradinha administrativa com o petista iria, “obviamente, partir para a eleição, com essa premissa de que todos juntos podemos fazer muito mais pelo Ceará”. O veto de Ciro e a pressão do diretório pedetista no Ceará, entretanto, frustram as pretensões de Eunício.

Líder do governo na Assembleia Legislativa (AL-CE), o deputado estadual Evandro Leitão (PDT) minimiza a saia-justa. “Não vejo de forma antipática (uma parceria com Eunício)”, avaliou o parlamentar. “No momento certo, essa aliança será construída, com o senador fazendo parte ou não dela.”

Para o também deputado Tin Gomes (PDT), há muita água por rolar nessas negociações. “O governador tem voz nessa coligação e vai colocar essa situação (hipótese de aliança com Eunício)” para o PDT.

(O POVO / Repórter Henrique Araújo)

Pré-candidato do Psol intensifica agenda

Após participar de um debate sobre economia e política, na tarde desta sexta-feira (13), o pré-candidato do Psol ao governo do Ceará, Ailton Lopes, estará hoje à noite em Maracanaú, na Região Metropolitana de Fortaleza, a partir das 19 horas, para o lançamento de pré-candidatura do partido à Câmara Federal.

No debate desta tarde, na Livraria Lamarca, no Benfica, Ailton Lopes criticou o que apontou como opção do governo Camilo Santana em priorizar concessões às companhias aéreas, em detrimento ao funcionalismo público estadual.

(Foto: Arquivo)