Blog do Eliomar

Categorias para Guerra

Apesar de trégua, Israel bombardeia Gaza em resposta a ataque

Israel atacou nesse sábado (14) uma plataforma de lançamento de morteiros que estava disparando contra o território do país a partir da Faixa de Gaza, uma ação que ocorreu pouco depois do anúncio de um cessar-fogo.

“Dois morteiros foram lançados desde a Faixa de Gaza contra o território israelense. Em resposta, o Exército atacou a plataforma que estava no sul da região”, disse o governo de Israel em nota.

Os movimentos islamitas Hamas e Jihad Islâmica tinham anunciado pouco antes do novo incidente um acordo para conter a escalada de violência das últimas horas.

Dois jovens palestinos morreram em bombardeios de represália de Israel contra alvos militares em Gaza. Ontem, as milícias palestinas chegaram a disparar mais de 200 foguetes e morteiros contra o território israelense. Três pessoas ficaram feridas.

O jornal Haaretz afirmou que Israel aceitou o cessar-fogo, mas um oficial de segurança disse, pedindo anonimato, que só os “fatos no terreno” determinarão como o país agirá na região.

(Agência EFE)

Iraque anuncia final da guerra contra Estado Islâmico em seu território

O primeiro-ministro iraquiano, Haider al Abadi, anunciou neste sábado (9) que o Exército do Iraque deu por finalizada a guerra que fez o país sangrar durante três anos e meio, ao confirmar a retomada do controle dos últimos redutos que o grupo terrorista Estado Islâmico (EI) mantinha no país.

“As nossas forças conseguiram o controle total das fronteiras com a Síria”, afirmou Abdadi em um pronunciamento aos meios de comunicação em Bagdá.

O primeiro-ministro acrescentou que “a vitória foi conquistada graças à unidade de todos os iraquianos na luta contra um inimigo que não pensava que veríamos neste dia”.

“As forças iraquianas libertaram todo o território iraquiano dos terroristas e controla todas as fronteiras e suas passagens. Os últimos terroristas no Iraque foram eliminados hoje”, declarou o Ministério da Defesa em um comunicado.

O subcomandante das forças iraquianas conjuntas, Abdelamir Yarala, confirmou o final da guerra contra o grupo terrorista Estado Islâmico (EI) após a recuperação dos últimos territórios que os jihadistas controlavam junto à fronteira com a Síria, nas províncias de Ninawa e Al Anbar.

“Foi consumada a libertação de todos os territórios do Iraque dos grupos do Daesh (acrônimo em árabe do EI) e nossas forças controlam as fronteiras entre o Iraque e a Síria desde a passagem fronteiriça de Al Walid até a de Rabia”, detalhou Yarala em nota.

(Agência Brasil)

Coreia do Norte ameaça atacar território americano de Guam

A Coreia do Norte afirmou no começo da manhã desta quarta-feira (9) – horário local – que está estudando “cuidadosamente” a possibilidade de realizar um ataque com mísseis sobre o território dos Estados Unidos de Guam, no Oceano Pacífico. O anúncio foi feito como reação à afirmação do presidente Donald Trump que, mais cedo, afirmou que os Estados Unidos responderiam com “fogo e fúria” a qualquer ameaça. O plano de ataque contra Guam pode ser executado “a qualquer momento”, e que um ataque só depende da ordem do líder do regime, Kim Jong Un.

No fim de semana as Nações Unidas aprovaram sanções contra a Coreia do Norte e além disso, os Estados Unidos fizeram mais manobras na região recentemente, assim como testes de misseis balísticos.

Com o tom provocativo de Donald Trump, a Coreia ameaçou e disse que os exercícios militares e a postura do governo norte-americano poderia “provocar um grave conflito”.

Analistas consultados pela imprensa americana receberam a declaração com apreensão porque, segundo eles, a Coreia já teria capacidade de lançar uma bomba nuclear de pequeno porte usando seu arsenal de misseis.

Guam é um território organizado não incorporado norte-americano na Micronésia, no oeste do Oceano Pacífico. A ilha foi controlada pela Espanha até 1898, passando para o domínio dos Estados Unidos após o Tratado de Paris na sequência da Guerra Hispano-Americana. Com 541 quilômetros quadrados, Guam tem uma população de aproximadamente 178 mil pessoas e as instalações norte-americanas na ilha estão entre as bases dos EUA de maior importância estratégica no Pacífico Ocidental.

(Agência Brasil)

Temerário e perigoso – Trump condena missel norte-coreano que percorreu quase mil quilômetros

As forças armadas de Estados Unidos e da Coreia do Sul anunciaram exercícios militares utilizando mísseis terra-terra, após a Coreia do Norte ter lançado no mar do Japão o míssil Hwasong-14, que percorreu 998 quilômetros durante 47 minutos.

Para o presidente norte-americano Donald Trump, o teste realizado pelos norte-coreanos é “temerário e perigoso”. “Os Estados Unidos condenam este tiro e rejeitam o argumento do regime de que estes testes e estas armas garantirão a segurança da Coreia do Norte. Na realidade, têm o efeito oposto. Ameaçando o mundo, estas armas e estes testes isolarão ainda mais os norte-coreanos, debilitando sua economia e prejudicando seu povo”, disse Trump.

(Com agências)

Em mensagem de Páscoa, Papa cita drama das guerras e ataque a Alepo

Em sua tradicional mensagem de Páscoa, neste domingo (16), o papa Francisco lembrou dos desafios que atingem atualmente o mundo, como as guerras, a imigração e o desemprego.

Francisco fez um apelo especial pelo Oriente Médio, pedindo “que nestes tempos, o Senhor sustente de modo particular os esforços dos que trabalham ativamente para levar alívio e consolo à população civil de Síria, vítima de uma guerra que não para de semear horror e morte”.

O Papa lamentou o último ataque feito à cidade de Alepo, no qual dezenas de civis morreram. Francisco enfatizou a esperança que a ressurreição de Jesus traz e pediu aos representantes das nações que tenham coragem para evitar a propagação de conflitos e acabar com o tráfico de armas.

Da Praça São Pedro, na cidade do Vaticano, o papa também abençoou “os esforços de quem, especialmente na América Latina, se compromete a favor do bem comum das sociedades, tantas vezes marcadas por tensões políticas e sociais, que em alguns casos são sufocadas com a violência”.

Francisco pediu que a Ucrânia, “ainda vítima de um sangrento conflito volte a encontrar a concórdia e acompanhe as iniciativas promovidas para aliviar os dramas dos quem sofrem com as consequências”.

Para a Europa, o papa pediu esperança para “os que atravessam momentos de dificuldade, especialmente por causa da grande falta de trabalho, sobretudo para os jovens”.

Também assegurou que Jesus ressuscitado ajudou os quem sofrem com a exploração, os que sofrem com a violência entre os muros de casa e “se faz companheiro de caminho dos que são obrigados a deixar a própria terra”.

O pontífice argentino explicou que “o Pastor Ressuscitado vai buscar quem está perdido nos labirintos da solidão e da marginalização” e alertou sobre a violência machista e os abusos ao falar dos quem “têm o coração ferido pelas violências dentro dos muros de sua própria casa”.

Após a mensagem e a missa de Páscoa, o Papa Francisco proferiu a benção Urbi et Orbi (à cidade e ao mundo) e encerrou os rituais da Semana Santa.

(Agência Brasil)

Coreia do Norte diz que está pronta para guerra com armas nucleares

O vice-presidente do Partido dos Trabalhadores de Coreia do Norte, Choe Ryong-hae, disse neste sábado (15), durante um grande desfile militar em Pyongyang, que o povo norte-coreano está “preparado para a guerra” contra os Estados Unidos com suas armas nucleares. As informações são da Agência EFE.

“Estamos completamente preparados para enfrentar qualquer tipo de guerra com nossas armas nucleares se os EUA atacarem a península da Coreia”, disse Ryong-hae, considerado O número dois do regime, em seu discurso durante a exibição militar em comemoração ao 105º aniversário do fundador do país, Kim Il-sung.

Durante o desfile do “Dia do Sol”, presidido pelo líder Kim Jong-un, o Exército norte-coreano mostrou seu arsenal, incluindo vários mísseis balísticos, entre os quais encontrava-se um possível novo projétil de alcance intercontinental.

“Se os EUA fizerem provocações imprudentes contra nós, nossa força revolucionária contra-atacará num instante, com um ataque aniquilador e responderemos a uma guerra total com guerra total e a ataques nucleares com nosso próprio arsenal atômico”, disse Choe.

Ele também acusou os EUA de posicionar armas nucleares no Sul da península coreana, “o que está criando uma situação muito tensa que ameaça a paz e a segurança não só da região, como também do mundo inteiro”.

Washington decidiu enviar recentemente um porta-aviões nuclear à península da Coreia em resposta aos lançamentos de mísseis de Pyongyang e Washington, e chegou a insinuar que estuda a possibilidade de um ataque preventivo para frear os avanços armamentísticos do regime norte-coreano.

“Os imperialistas estão tentando isolar nosso povo onde as pessoas só querem viver em paz”, afirmou o vice-presidente do Partido dos Trabalhadores.

(Agência Brasil)

Pentágono divulga vídeo do lançamento da “mãe de todas as bombas”

O Pentágono divulgou nesta sexta-feira (14) o vídeo do momento do impacto da bomba GBU-43, a mais potente do arsenal não nuclear dos Estados Unidos e nunca utilizada até ontem, contra um sistema de cavernas do Estado Islâmico (EI) no Afeganistão.

As imagens aéreas mostram o momento em que a bomba conhecida como “mãe de todas as bombas” cai na ladeira de uma montanha do distrito de Achin, na província de Nangarhar, com uma potência equivalente a 11 toneladas de TNT.

Uma imensa coluna de fumaça e escombros aparece após a explosão, que acontece antes de tocar a terra para criar uma potente onda expansiva capaz de derrubar túneis e bunkers ao gerar um pequeno terremoto.

No vídeo é possível observar o avanço da onda expansiva em uma área montanhosa e remota do leste afegão na qual o EI, que chama a essa região da Ásia central de Khorasan (província de seu autoproclamado califado), tinha se fortalecido.

O ataque aconteceu ontem às 19h32, no horário local, 12h02 de Brasília, e nele poderiam ter morrido dezenas de militantes do EI.

Segundo a informação repassada hoje à Agência EFE por um porta-voz do Ministério de Defesa afegão, Muhammad Radmanish, pelo menos 36 membros do EI morreram no ataque, que destruiu ainda uma importante instalação desse grupo terrorista.

O porta-voz da Casa Branca, Sean Spicer, indicou ontem que o objetivo era acabar com um “sistema de túneis e cavernas” do EI no Afeganistão que “lhes permitia mover-se com liberdade e atacar com mais facilidade os militares americanos e as forças afegãs”.

A bomba, em serviço desde 2003, só tinha sido utilizada em testes e foi elaborada não só para destruir bunkers e túneis, mas como arma psicológica, pelo impacto que deixa nos sobreviventes.

O governo do Afeganistão confirmou que pelo menos 36 integrantes do Estado Islâmico (EI) morreram devido ao lançamento da bomba.

(Agência Brasil)

EUA atacaram base aérea na Síria em resposta ao uso de armas químicas, diz Trump

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, disse nessa quinta-feira (6) que ordenou um ataque militar a uma base aérea na Síria. Trump afirmou que a ofensiva é uma resposta ao uso de armas químicas pelo governo do presidente Bashar Al Assad na terça-feira (4). Segundo o presidente, com o ataque químico, Assad “sufocou a vida de muitos homens, mulheres e crianças indefesas”. “Foi uma morte lenta e brutal para muitos”. Trump disse que o ataque foi feito contra a mesma base aérea de onde o governo de Bashar Al Assad lançou o ataque químico.

Trump disse que é do interesse da segurança nacional dos Estados Unidos prevenir e deter a proliferação do uso de armas químicas mortais. “Não pode haver nenhuma dúvida de que a Síria utilizou armas químicas banidas, violou suas obrigações perante a Convenção sobre as Armas Químicas e ignorou os pedidos do Conselho de Segurança”, disse Trump.

O presidente também disse que “chama todas as nações civilizadas para se juntar aos Estados Unidos para colocar um fim ao massacre e ao derramamento de sangue na Síria e para colocar um fim ao terrorismo de todos os tipos”.

Relatos da mídia norte-americana dizem que foram mais de 50 mísseis Tomahawk lançados contra a Síria e que os Estados Unidos teriam informado a Rússia sobre a iminência do ataque. Na quarta-feira (5), o Conselho de Segurança das Nações Unidas se reuniu para debater o ataque químico, porém, mais uma vez, a votação de uma resolução foi barrada por oposição da Rússia – o país já barrou, ao lado da China, sete tentativas de aprovar uma resolução condenando o regime de Bashar Al Assad.

Na reunião dessa quarta-feira, a representante dos Estados Unidos nas Nações Unidas, Nikki Haley, havia dito que, quando a ONU “falha consistentemente em seu dever de agir coletivamente, há momentos na vida dos Estados que nós somos levados a agir por conta própria”, o que já sinalizava para uma possível ação militar dos Estados Unidos.

(Agência Brasil)

Libertação de Aleppo é vitória também para a Rússia e o Irã, diz Assad

O presidente sírio, Bashar Al Assad, disse nessa quinta-feira (22) que a libertação de Aleppo das mãos dos grupos terroristas “não é uma vitória só para a Síria, mas uma vitória também para a Rússia e para o Irã”.

A declaração foi dada por Assad pouco tempo depois de o Exército do país informar que toda a cidade de Aleppo, que já foi a maior da Síria em número de habitantes, está sob o controle de forças que apoiam Assad. Com isso, chegam ao fim os quatro anos de controle de algumas partes da cidade pelos chamados “rebeldes”.

A retomada de Aleppo ocorre após a retirada de milhares de civis que estavam “presos” em suas residências – ou em moradias de conhecidos – com o aumento dos combates na cidade. Isso porque, os russos começaram a fazer uma série de bombardeios aéreos para ajudar as forças de Assad.

A posição da Rússia foi muito criticada pelos países ocidentais, já que a ideia era combater grupos que lutavam contra o presidente, ao qual chamam de ditador, e não de destruir grupos terroristas. No entanto, o mandatário sempre contou com o apoio do presidente russo, Vladimir Putin, em todos os momentos.

(Agência Brasil)

Conselho de Segurança da ONU votará nesta segunda-feira o envio de observadores a Aleppo

O Conselho de Segurança da ONU votará nesta segunda-feira (19) sobre o novo projeto de resolução que propõe enviar observadores a Aleppo, no norte da Síria – a maior cidade do país -, depois que a França concordou em levar em conta observações russas, depois que Moscou ameaçou vetar a proposta francesa caso ela fosse aprovada.

O embaixador francês François Delattre indicou que os 15 membros do Conselho conseguiram chegar a um acordo sobre um texto “baseado exatamente” no projeto da França, que propõe o envio de observadores internacionais para monitorar a retirada dos civis de Aleppo e a sua segurança.

Delattre assinalou que os observadores não irão precisar de autorização do governo sírio para trabalhar.

Segundo a embaixadora americana Samantha Power, o projeto “contém todos os elementos essenciais que permitem a supervisão da ONU”. Ela disse que é esperada “uma votação unânime”.

A retomada da evacuação de civis e rebeldes do reduto rebelde de Aleppo foi adiada pelo governo, após um ataque de homens armados a ônibus que removiam civis de duas cidades xiitas pró-Assad. Milhares de habitantes estão isolados desde a sexta-feira (16).

(Agência Brasil)

EUA pedem que Rússia e Irã pressionem Síria sobre uso de armas químicas

Os Estados Unidos cobraram da Rússia e do Irã responsabilidade das autoridades sírias pelo uso de bombas de cloro em combates. A declaração nesse sábado (22) é do representante do Conselho Nacional de Segurança da Casa Branca, Ned Price. Segundo ele, o mais recente relatório da Organização das Nações Unidas e da Organização para a Proibição de Armas Químicas (Opaq) comprova o uso de cloro industrial como arma química por parte das autoridades sírias.

“Um novo relatório lança luz sobre o terceiro incidente de utilização de cloro, e fornece os detalhes sobre exatamente quais representantes do regime são responsáveis por todos os três casos conhecidos de uso de cloro”, disse Price. “Os EUA continuam a trabalhar com nossos parceiros internacionais para assegurar o princípio de responsabilidade por meio de mecanismos diplomáticos apropriados, incluindo o Conselho de Segurança da ONU e a Opaq”, acrescentou.

As Nações Unidas e a Opaq concluíram que o governo sírio usou um gás tóxico na província de Idlib. De acordo com o texto do relatório, o ataque foi feito na parte norte da província em 16 de março de 2015. O relatório também afirma que os helicópteros da Força Aérea da Síria foram usados para lançar bombas que liberam o cloro e um gás venenoso.

(Agência Brasil)

Papa Francisco pede “piedade” por crueldades cometidas em Auschwitz

135 1

O Papa Francisco realizou hoje (29) uma das visitas mais esperadas de sua viagem à Polônia: a ida aos campos de concentração nazista de Auschwitz e Birkenau, símbolos de horror da Segunda Guerra Mundial e palco da morte de milhões de judeus.

Em espanhol, o líder católico escreveu uma mensagem no “Livro de Honra” às vítimas. “Senhor, tende piedade do teu povo! Senhor, perdoa tanta crueldade”, escreveu o Pontífice, de acordo com informações do Museu Memorial de Auschwitz.

A viagem, feita em grande parte a pé pelo sucessor de Bento XVI, foi realizada em silêncio. Francisco orou sozinho por diversas vezes e parou por alguns minutos perante ao Bloco 11 de Auschwitz, considerado o “Bloco da Morte” dos judeus presos pelos nazistas. No local, há também a cela do mártir franciscano Maximiliano Kolbe, que trocou sua vida para que os militares de Adolf Hitler poupassem uma família de judeus.

O Papa ainda encontrou um grupo de sobreviventes do Holocausto, em momento repleto de emoção, com troca de abraços e de algumas palavras. Um dos sobreviventes deu de presente para Jorge Mario Bergoglio uma pequena vela, que o argentino acendeu em frente ao chamado “muro do fuzilamento”.

Assim que terminou a visita em Auschwitz, o papa foi ao campo de Birkenau, onde voltou a rezar em silêncio diante das lápides que lembram as vítimas do Holocausto de todas as nações.

Após a visita ao local, Bergoglio voltou para Cracóvia onde fará uma visita a um hospital pediátrico e depois celebrará a procissão da Via Crucis com os jovens da Jornada Mundial da Juventude. Francisco é o terceiro líder da Igreja Católica a visitar o local. Antes dele, o papa João Paulo II e Bento XVI fizeram viagens ao país como líderes da entidade.

(Agência Brasil)

Casaco de Hitler é comprado por R$ 1 milhão em leilão

hits

Um misterioso comprador comprou no sábado (18) a maioria dos pertences nazistas leiloados em um polêmico leilão m Munique, na Alemanha, desembolsando mais de 600 mil euros (R$ 2,3 milhões), informou nesta segunda-feira (20) a imprensa alemã.

O comprador, que se apresentou como argentino, pagou, entre outros, 275 mil euros (R$ 1,06 milhão) no último casaco do uniforme de Adolf Hitler e 3 mil euros (R$ 11,6 mil) pelas roupas de baixo “parcialmente mofadas” do ex-líder nazista Herman Göring.

No entanto, segundo o jornal “Bild”, ele desprezou um par de meias de Hitler vendida por 18 mil euros (R$ 69,7 mil).

O tabloide enviou um repórter entre os compradores para acompanhar durante três horas o leilão dominado pelo “número de licitante 888”, recordando o número “88” adorado pelos neonazistas por representar as primeiras letras de “Heil Hitler”.

Com duas palavras ao “Bild” em um inglês carregado de um sotaque espanhol, o comprador afirmou que era da Argentina e explicou que destinaria as peças compradas “a um museu”, sem revelar mais detalhes.

“Seria um homem a serviço de um colecionador particular?”, questionou o jornal, lembrando a fuga para a Argentina de muitos nazistas após a Segunda Guerra Mundial.

O jornal bávaro Süddeutsche Zeitung afirmou, por sua vez, que dois homens vestidos de preto se revezaram com a placa 888, vestidos de forma idêntica e falando com o mesmo sotaque sul-americano.

O Conselho Central dos Judeus da Alemanha havia expressado na quinta-feira (16) sua indignação com o leilão, descrito como “escandaloso e desprezível”. O prefeito de Munique também criticou a realização do leilão.

Todos os objetos eram de propriedade do ex-médico do Exército dos Estados Unidos John K. Lattimer, responsável por examinar os ex-líderes nazistas durante o julgamento de Nuremberg.

A casa de leilões Hermann Historica, que fornece acesso ao catálogo de leilão apenas aos seus clientes e que proibiu a imprensa de assistir à venda, negou que tivesse a intenção de ferir sentimentos.

Em abril de 2014, na França, a venda de 40 objetos nazistas que pertenciam aos dois líderes do 3º Reich, incluindo passaportes e pratos, foi cancelada após a intervenção do ministro francês da Cultura junto a casa de leilões Vermot de Pas.

(Com Agências)

EUA dizem que Estado Islâmico utilizou armas químicas no Iraque e na Síria

O grupo extremista Estado Islâmico utilizou várias vezes armas químicas no campo de batalha e consegue fabricar pequenas quantidades de cloro e gás mostarda, denunciou nessa quinta-feira (12) o diretor da CIA (a agência de inteligência dos Estados Unidos), John Brennan.

“Houve um certo número de vezes em que o grupo extremista Estado Islâmico utilizou armas químicas no campo de batalha” e a “CIA acha que o grupo tem capacidade de fabricar pequenas quantidades de cloro e gás mostarda”, afirmou em entrevista à estação televisiva CBS.

Brennan também avisou para a possibilidade do grupo tentar vender armas para o Ocidente para obter ganhos financeiros. “Acho que há esse potencial. É por isso que é tão importante cortar as rotas de transporte e de contrabando que usam”, disse.

(Agência Brasil)

Rússia bombardeia 53 alvos na Síria em 24 horas

Aviões russos bombardearam 53 alvos na Síria nas últimas 24 horas, destruindo campos de treino, postos de comando e depósitos de munições do grupo extremista Estado Islâmico (EI), anunciou nesta segunda-feira (12) o Ministério da Defesa.

Segundo o porta-voz do ministério, Igor Konashenkov, os ataques permitiram destruir um campo em Mastuma, na província de Idleb, usado para reunir combatentes chegados do exterior. Na província de Hama, foi destruído um centro de comando subterrâneo e depósitos de munições e combustível.

De acordo com Moscou, os ataques aéreos iniciados pela Força Aérea russa no dia 30 de setembro já permitiram destruir uma parte importante do arsenal do Estado Islâmico.

(Agência Brasil)

Se coalizão russa falhar, Síria será destruída, diz Assad

O presidente sírio, Bashar Al Assad, afirmou que, se os ataques aéreos liderados pela Rússia fracassarem, seu país pode ser “destruído” pelos extremistas. “A coalizão formada pela Rússia, Síria, pelo Irã e Iraque deve vencer, ou a região será destruída”, disse Assad em entrevista à emissora iraniana Khabar TV.

Acusando o Ocidente de usar o “terrorismo para subjugar a região”, Assad destacou que os quatro países terão “resultados práticos” em vez da coalizão liderada pelos Estados Unidos. Porém, o líder sírio disse não descartar uma renúncia – como querem os norte-americanos – caso isso encerre o conflito com os extremistas. “Se deixar minha posição é a solução, não hesitarei em fazer. Apoiamos qualquer decisão política paralela à luta contra o terrorismo”.

(Agência Brasil)

Novo líder dos talebans pede unidade e promete continuar luta

Em sua primeira mensagem de áudio, o novo líder dos talebans afegãos, mulá Akhtar Mansur, pediu nesse sábado (1º) unidade ao movimento islamita. Na mensagem, o líder Taleban também lembrou as negociações de paz com o governo afegão iniciadas em julho, com mediação do Paquistão, mas não adiantou intenções em relação ao processo.

“Devemos trabalhar para preservar nossa unidade. As divisões internas só servirão aos nossos inimigos”, afirmou. “Nosso objetivo de aplicar a sharia (lei islâmica) e a jihad (guerra santa) vai continuar até conseguirmos”, acrescentou Mansur.

“O inimigo diz que existe um processo de paz. Mas, como vocês sabem, nossos inimigos divulgam muita propaganda”, disse Akhtar Mansur durante a mensagem de 30 minutos.

Ele era o braço direito do mulá Omar Mujahid, mas sua escolha não teria sido consensual. A maioria dos comandantes preferia a liderança do filho do ex-líder, que teve a morte confirmada na quinta-feira (30).

Uma segunda rodada de negociações com o governo de Cabul seria realizada na sexta-feira (31), de modo a tentar acabar com o conflito iniciado em 2011, com a queda dos talebans. O anúncio da morte do mulá Omar obrigou o governo paquistanês a adiar as conversações.

(Agência Brasil)