Blog do Eliomar

Categorias para Internacional

Grammy 2019 – Confira os vencedores

Confira os grandes vencedores do Grammy 2019, divulgados em festa em Los Angeles (EUA) nesse domingo.

GERAL

Gravação do ano:

“I Like It” — Cardi B, Bad Bunny e J Balvin
“The Joke” — Brandi Carlile
“This Is America” — Childish Gambino
VENCEDOR: “God’s Plan” — Drake
“Shallow” — Lady Gaga e Bradley Cooper
“All The Stars” — Kendrick Lamar e SZA
“Rockstar” — Post Malone com 21 Savage
“The Middle” — Zedd, Maren Morris & Grey

Disco do ano:

“Invasion of Privacy” — Cardi B
“By The Way, I Forgive You” — Brandi Carlile
“Scorpion” — Drake
“H.E.R.” – H.E.R.
“Beerbongs & Bentleys” — Post Malone
“Dirty Computer” — Janelle Monáe
VENCEDORA: “Golden Hour” — Kacey Musgraves
“Black Panther: The Album” — Vários artistas

Música do ano:

“All The Stars” — Kendrick Duckworth, Solána Rowe, Al Shuckburgh, Mark Spears e Anthony Tiffith (Kendrick Lamar & SZA)
“Boo’d Up” — Larrance Dopson, Joelle James, Ella Mai & Dijon McFarlane, songwriters (Ella Mai)
“God’s Plan” — Aubrey Graham, Daveon Jackson, Brock Korsan, Ron LaTour, Matthew Samuels & Noah Shebib (Drake)
“In My Blood” — Teddy Geiger, Scott Harris, Shawn Mendes & Geoffrey Warburton (Shawn Mendes)
“The Joke” — Brandi Carlile, Dave Cobb, Phil Hanseroth & Tim Hanseroth (Brandi Carlile)
“The Middle” — Sarah Aarons, Jordan K. Johnson, Stefan Johnson, Marcus Lomax, Kyle Trewartha, Michael Trewartha & Anton Zaslavski (Zedd, Maren Morris & Grey)
“Shallow” — Lady Gaga, Mark Ronson, Anthony Rossomando & Andrew Wyatt (Lady Gaga & Bradley Cooper)
VENCEDOR: “This Is America” —  Donald Glover & Ludwig Goransson (Childish Gambino)

Artista revelação:

Chloe x Halle
Luke Combs
Greta Van Fleet
H.E.R.
VENCEDORA: Dua Lipa
Margo Price
Bebe Rexha
Jorja Smith

POP

Melhor performance pop:

“Colors” — Beck
“Havana (Live)” — Camila Cabello
“God Is A Woman” — Ariana Grande
VENCEDORA: “Joanne (Where Do You Think You’re Goin’?)” — Lady Gaga
“Better Now” — Post Malone

Melhor performance pop em duo ou grupo:

“Fall in Line” — Christina Aguilera feat. Demi Lovato
“Don’t Go Breaking My Heart” — Backstreet Boys
“’S Wonderful” — Tony Bennett & Diana Krall
VENCEDORA: “Shallow” — Lady Gaga & Bradley Cooper
“Girls Like You” — Maroon 5 feat. Cardi B
“Say Something” — Justin Timberlake feat. Chris Stapleton
“The Middle” — Zedd, Maren Morris & Grey

Melhor álbum de pop vocal:

“Love is Here to Stay” — Tony Bennett & Diana Krall
VENCEDOR: “My Way” — Willie Nelson
“Nat King Cole & Me” — Gregory Porter
“Standards (Deluxe)” — Seal
“The Music…The Mem’ries…The Magic!” — Barbra Streisand

Melhor álbum pop vocal:

Camila — Camila Cabello
Meaning of Life — Kelly Clarkson
WINNER: Sweetener — Ariana Grande
Shawn Mendes — Shawn Mendes
Beautiful Trauma — P!nk
Reputation — Taylor Swift

MÚSICA ELETRÔNICA

Melhor gravação de dance music:

“Northern Soul” — Above & Beyond feat. Richard Bedford
“Ultimatum” — Disclosure feat. Fatoumata Diawara
“Losing It” — Fisher
VENCEDOR: “Electricity” — Silk City & Dua Lipa feat. Diplo & Mark Ronson
“Ghost Voices” — Virtual Self

Melhor álbum de música eletrônica:

Singularity — Jon Hopkins
VENCEDOR: Woman Worldwide — Justice
Treehouse — Sofi Tukker
Oil of Every Pearl’s Un-Insides — SOPHIE
Lune Rouge — TOKiMONSTA

MÚSICA INSTRUMENTAL CONTEMPORÂNEA

Melhor álbum de música instrumental contemporânea:

“The Emancipation Procrastination” —  Christian Scott aTunde Adjuah
VENCEDOR: “Steve Gadd Band” — Steve Gadd Band
“Modern Lore” — Julian Lage
“Laid Black” — Marcus Miller
“Protocol 4” — Simon Phillips

ROCK

Melhor performance de rock:

“Four Out Of Five” — Arctic Monkeys
VENCEDOR: “When Good Does Bad” — Chris Cornell
“Made An America” — THE FEVER 333
“Highway Tune” — Greta Van Fleet
“Uncomfortable — Halestorm

Melhor performance de heavy metal:

“Condemned to the Gallows” — Between The Buried And Me
“Honeycomb” — Deafheaven
VENCEDOR: “Electric Messiah” — High on Fire
“Betrayer” — Trivium
“On My Teeth” — Underoath

Melhor música de rock:

“Black Smoke Rising” — Jacob Thomas Kiszka, Joshua Michael Kiszka, Samuel Francis Kiszka & Daniel Robert Wagner (Greta Van Fleet)
“Jumpsuit” — Tyler Joseph (Twenty One Pilots)
“MANTRA” — Jordan Fish, Matthew Kean, Lee Malia, Matthew Nicholls & Oliver Sykes (Bring Me The Horizon)
VENCEDOR: “Masseduction” — Jack Antonoff & Annie Clark (St. Vincent)
“Rats” — Tom Dalgety & A Ghoul Writer (Ghost)

Melhor álbum de rock:

“Rainier Fog” — Alice in Chains
“M A N I A” — Fall Out Boy
“Prequelle” — Ghost
VENCEDOR: “From the Fires” — Greta Van Fleet
“Pacific Daydream” — Weezer

ALTERNATIVO

Melhor álbum de música alternativa:

“Tranquility Base Hotel + Casino” — Arctic Monkeys
VENCEDOR: “Colors” — Beck
“Utopia” — Björk
“American Utopia” — David Byrne
“Masseduction” — St. Vincent

R&B

Melhor performance de R&B:

“Long As I Live” — Toni Braxton
“Summer” — The Carters
“Y O Y” – Lalah Hathaway
VENCEDOR: “Best Part” — H.E.R. feat. Daniel Caesar
“First Began” — PJ Morton

Melhor performance de R&B tradicional:

VENCEDOR (EMPATE): “Bet Ain’t Worth the Hand” — Leon Bridges
“Don’t Fall Apart on Me Tonight” — Bettye LaVette
“Honest” — MAJOR.
VENCEDOR (EMPATE): “How Deep Is Your Love” — PJ Morton feat. Yebba
“Made for Love” — Charlie Wilson feat. Lalah Hathaway

Melhor música de R&B:

VENCEDOR: “Boo’d Up” — Larrance Dopson, Joelle James, Ella Mai & Dijon McFarlane (Ella Mai)
“Come Through and Chill” — Jermaine Cole, Miguel Pimentel & Salaam Remi (Miguel feat. J. Cole & Salaam Remi)
“Feels Like Summer” — Donald Glover & Ludwig Goransson (Childish Gambino)
“Focus” — Darhyl Camper Jr, H.E.R. & Justin Love (H.E.R.)
“Long As I Live” — Paul Boutin, Toni Braxton & Antonio Dixon (Toni Braxton)

Melhor álbum urbano contemporâneo:

VENCEDOR: “Everything Is Love” — The Carters
“The Kids Are Alright” — Chloe x Halle
“Chris Dave And The Drumhedz” — Chris Dave And The Drumhedz
“War & Leisure” — Miguel
“Ventriloquism” — Meshell Ndegeocello

Melhor álbum de R&B:

“Love & Cigarettes” — Toni Braxton
“Good Thing” — Leon Bridges
“Honestly” — Lalah Hathaway
VENCEDOR: “H.E.R.” — H.E.R.
“Gumbo Unplugged (Live)” — PJ Morton

RAP

Melhor performance de rap:

“Be Careful” — Cardi B
“Nice for What” — Drake
VENCEDOR (EMPATE): “King’s Dead” — Kendrick Lamar, Jay Rock, Future & James Blake
VENCEDOR (EMPATE): “Bubblin” — Anderson .Paak

“Sicko Mode” — Travis Scott, Drake, Big Hawk & Swae Lee

Melhor performance de rap:

“Like I Do” — Christina Aguilera feat. GoldLink
“Pretty Little Fears” — 6lack feat. J. Cole
VENCEDOR: “This Is America” — Childish Gambino
“All The Stars” — Kendrick Lamar & SZA
“Rockstar” — Post Malone feat. 21 Savage

Melhor música de rap:

VENCEDOR: “God’s Plan” — Aubrey Graham, Daveon Jackson, Brock Korsan, Ron LaTour, Matthew Samuels & Noah Shebib (Drake)
“King’s Dead” — Kendrick Duckworth, Samuel Gloade, James Litherland, Johnny McKinzie, Mark Spears, Travis Walton, Nayvadius Wilburn & Michael Williams II (Kendrick Lamar, Jay Rock, Future & James Blake)
“Lucky You” — R. Fraser, G. Lucas, M. Mathers, M. Samuels & J. Sweet (Eminem feat. Joyner Lucas)
“Sicko Mode” — Khalif Brown, Rogét Chahayed, BryTavious Chambers, Mike Dean, Mirsad Dervic, Kevin Gomringer, Tim Gomringer, Aubrey Graham, John Edward Hawkins, Chauncey Hollis, Jacques Webster, Ozan Yildirim & Cydel Young (Travis Scott, Drake, Big Hawk & Swae Lee)
“Win” — K. Duckworth, A. Hernandez, J. McKinzie, M. Samuels & C. Thompson (Jay Rock)

Melhor álbum de rap:

VENCEDORA: “Invasion of Privacy” — Cardi B
“Swimming” — Mac Miller
“Victory Lap” — Nipsey Hussle
“Daytona” — Pusha T
“Astroworld” — Travis Scott

COUNTRY

Melhor performance solo de country:

“Wouldn’t It Be Great” — Loretta Lynn
“Mona Lisas And Mad Hatters” — Maren Morris
WINNER: “Butterflies” — Kacey Musgraves
“Millionaire” — Chris Stapleton
“Parallel Line” — Keith Urban

Melhor performance de duo ou grupo country:

“Shoot Me Straight” — Brothers Osborne
VENCEDOR: “Tequila” — Dan + Shay
“When Someone Stops Loving You” — Little Big Town
“Dear Hate” — Maren Morris feat. Vince Gill
“Meant To Be” — Bebe Rehxa & Florida Georgia Line

Melhor música country:

“Break Up In The End” — Jessie Jo Dillon, Chase McGill & Jon Nite (Cole Swindell)
“Dear Hate” — Tom Douglas, David Hodges & Maren Morris (Maren Morris Featuring Vince Gill)
“I Lived It” — Rhett Akins, Ross Copperman, Ashley Gorley & Ben Hayslip (Blake Shelton)
VENCEDOR: “Space Cowboy” — Luke Laird, Shane McAnally & Kacey Musgraves (Kacey Musgraves)
“Tequila” — Nicolle Galyon, Jordan Reynolds & Dan Smyers (Dan + Shay)
“When Someone Stops Loving You” — Hillary Lindsey, Chase McGill & Lori McKenna (Little Big Town)

Melhor álbum country:

“Unapologetically” — Kelsea Ballerini
“Port Saint Joe” — Brothers Osborne
“Girl Going Nowhere” — Ashley McBryde
VENCEDOR: “Golden Hour” — Kacey Musgraves
“From A Room: Volume 2” — Chris Stapleton

NEW AGE

Melhor álbum de New Age:

Hiraeth — Lisa Gerrard & David Kuckhemann
Beloved — Snatam Kaur
VENCEDOR: Opium Moon — Opium Moon
Molecules Of Motion — Steve Roach
Moku Maluhia – Peaceful Island —  Jim Kimo West

JAZZ

Melhor solo de jazz:

“Some of That Sunshine” — Regina Carter, soloist
VENCEDOR: “Don’t Fence Me In” — John Daversa, soloist
“We See” — Fred Hersch, soloist
“De-Dah” — Brad Mehldau, soloist
“Cadenas” — Miguel Zenón, soloist

Melhor álbum de jazz vocal:

“My Mood Is You” — Freddy Cole
“The Questions” — Kurt Elling
“The Subject Tonight Is Love” — Kate McGarry with Keith Ganz & Gary Versace
“If You Really Want” — Raul Midón with The Metropole Orkest Conducted by Vince Mendoza
VENCEDOR: “The Window” — Cécile McLorin Savant

Melhor álbum de jazz instrumental:

“Diamond Cut” — Tia Fuller
“Live In Europe” — Fred Hersch Trio
“Seymour Reads The Constitution!” — Brad Mehldau Trio
“Still Dreaming” — Joshua Redman, Ron Miles, Scott Colley & Brian Blade
VENCEDOR: “Emanon” — The Wayne Shorter Quartet

Melhor álbum de jazz em conjunto:

“All About That Basie” — The Count Basie Orchestra Directed by Scott Barnhart
VENCEDOR: “American Dreamers: Voices of Hope, Music of Freedom” — John Daversa Big Band Featuring DACA Artists
“Presence” — Orrin Evans And The Captain Black Big Band
“All Can Work” — John Hollenbeck Large Ensemble
“Barefoot Dances And Other Visions” — Jim McNeely & The Frankfurt Radio Big Band

Melhor álbum de jazz latino:

“Heart of Brazil” — Eddie Daniels
VENCEDOR: “Back to the Sunset” — Dafnis Preito Big Band
“West Side Story Reimagined” — Bobby Sanabria Multiverse Big Band
“Cinque” — Elio Villafranca
“Yo Soy La Tradición” — Miguel Zenón Featuring Spektral Quartet

MÚSICA GOSPEL

Melhor performance gospel:

“You Will Win” — Allen Carr & Jekalyn Carr, songwriters (Jekalyn Carr)
“Won’t He Do It” — Koryn Hawthorne, songwriter (Koryn Hawthorne)
VENCEDOR: “Never Alone” — Kirk Franklin & Victoria Kelly, songwriters (Tori Kelly feat. Kirk Franklin)
“Cycles” — Jonathan McReynolds, songwriter (Jonathan McReynolds feat. DOE)
“A Great Work” — Aaron W. Lindsey, Alvin Richardson & Brian Courtney Wilson, songwriters (Brian Courtney Wilson)

Melhor música cristã contemporânea:

“Reckless Love” — Cory Asbury, Caleb Culver & Ran Jackson (Cory Asbury)
VENCEDOR: “You Say” — Lauren Daigle, Jason Ingram & Paul Mabury (Lauren Daigle)
“Joy.” — Ben Glover, Matt Hales, Stephen Blake Kanicka, Seth Moslely, Joel Smallbone, Luke Smallbone & Tedd Tjornhom (for KING AND COUNTRY)
“Grace Got You” — David Garcia, Ben Glover, MercyMe, Solomon Olds & John Reuben (MercyMe feat. John Reuben)
“Known” — Ethan Hulse, Jordan Sapp & Tauren Wells (Tauren Wells)

Melhor álbum gospel:

“One Nation Under God” — Jekalyn Carr
VENCEDOR: “Hiding Place” — Tori Kelly
“Make Room” — Jonathan McReynolds
“The Other Side” — The Walls Group
“A Great Work” — Brian Courtney Wilson

Melhor álbum de música cristã contemporânea:

VENCEDOR: “Look Up Child” — Lauren Daigle
“Hallelujah Here Below” — Elevation Worship
“Living With A Fire” — Jesus Culture
“Surrounded” — Michael W. Smith
“Survivor: Live From Harding Prison” — Zach Williams

Melhor álbum de gospel raiz:

VENCEDOR: “Unexpected” — Jason Crabb
“Clear Skies” — Ernie Haase & Signature Sound
“Favorite: Revisited By Request” — The Isaacs
“Still Standing” — The Martins
“Love Love Love” — Gordon Mote

LATINO

Melhor álbum pop latino:

“Prometo” — Pablo Alboran
VENCEDORA: “Sincera” — Claudia Brant
“Musas (Un Homenaje Al Folclore Latinoamericano En Manos De Los Macorinos), Vol. 2” — Natalia Lafourcade
“2:00 AM” — Raquel Sofía
“Vives” — Carlos Vives

Melhor álbum de rock, urbano ou alternativo latino:

“Claroscura” — Aterciopelados
“Coastcity” — COASTCITY
“Encanto Tropical” — Monsieur Periné
“Gourmet” — Orishas
VENCEDOR: “Aztlán” — Zoé

Melhor álbum de música mexicana:

“Primero Soy Mexicana” — Angela Aguilar
“Mitad Y Mitad” — Calibre 50
“Totalmente Juan Gabriel Vol. II” — Aida Cuevas
“Cruzando Borders” — Los Texmaniacs
“Leyendas De Mi Pueblo” — Mariachi Sol De Mexico De Jose Hernandez
VENCEDOR: “¡México Por Siempre!” — Luis Miguel

Melhor álbum de latino-tropical:

“Pa’ Mi Gente” — Charlie Aponte
“Legado” — Formell Y Los Van Van
“Orquesta Akokán” — Orquesta Akokán
“Ponle Actitud” — Felipe Peláez
VENCEDOR: “Anniversary” — Spanish Harlem Orchestra

MÚSICA AMERICANA RAIZ

Melhor performance de música americana raiz:

“Kick Rocks” — Sean Ardoin
“Saint James Infirmary Blues” — Jon Batiste
VENCEDOR: “The Joke” — Brandi Carlile
“All On My Mind” — Anderson East
“Last Man Standing — Willie Nelson

Melhor canção de música americana:

“All the Trouble” — Waylon Payne, Lee Ann Womack & Adam Wright (Lee Ann Womack)
“Build a Bridge” —  Jeff Tweedy (Mavis Staples)
VENCEDOR: “The Joke” — Brandi Carlile, Dave Cobb, Phil Hanseroth & Tim Hanseroth (Brandi Carlile)
“Knockin’ on Your Screen Door” — Pat McLaughlin & John Prine (John Prine)
“Summer’s End” — Pat McLaughlin & John Prine (John Prine)

Melhor álbum de música americana:

VENCEDOR: “By The Way, I Forgive You” — Brandi Carlile
Things Have Changed — Bettye LaVette
The Tree Of Forgiveness — John Prine
The Lonely, The Lonesome & The Gone — Lee Ann Womack
One Drop Of Truth — The Wood Brothers

Melhor álbum de bluegrass:

“Portraits In Fiddles” — Mike Barnett
“Sister Sadie II” — Sister Sadie
“Rivers And Roads” — Special Consensus
VENCEDOR: “The Travelin’ McCourys” – The Travelin’ McCourys
“North Of Despair” — Wood & Wire

Melhor álbum de blues tradicional:

“Something Smells Funky ‘Round Here” — Elvin Bishop’s Big Fun Trio
“Benton County Relic” — Cedric Burnside
VENCEDOR: “The Blues Is Alive and Well” — Buddy Guy
“No Mercy In This Land” — Ben Harper & Charlie Musselwhite
“Don’t You Feel My Leg (The Naughty Bawdy Blues Of Blue Lu Barker)” — Maria Muldaur

Melhor álbum de blues contemporâneo:

VENCEDOR: “Please Don’t Be Dead” — Fantastic Negrito
“Here In Babylon” — Teresa James And The Rhythm Tramps
“Cry No More” — Danielle Nicole
“Out Of The Blues” — Boz Scaggs
“Victor Wainwright And The Train” — Victor Wainwright And The Train

Melhor álbum folk:

“Whistle Down The Wind” — Joan Baez
“Black Cowboys” — Dom Flemons
“Rifles & Rosary Beads” — Mary Gauthier
“Weed Garden” — Iron & Wine
VENCEDOR: “All Ashore” — Punch Brothers

Melhor álbum de música regional raiz:

“Kreole Rock & Soul” — Sean Ardoin
“Spyboy” — Cha Wa
“Aloha From Na Hoa” — Na Hoa
VENCEDOR: “No ‘Ane’i” — Kalani Pe’a
“Mewasinsational – Cree Round Dance Songs” — Young Spirit

REGGAE

Melhor disco de reggae:

“As The World Turns” — Black Uhuru
“Reggae Forever” — Etana
“Rebellion Rises” — Ziggy Marley
“A Matter Of Time” — Protoje
VENCEDOR: “44/876” — Sting & Shaggy

WORLD MUSIC

Melhor disco de World Music:

“Deran” — Bombino
“Fenfo” — Fatoumata Diawara
“Black Times” — Seun Kuti & Egypt 80
VENCEDOR: “Freedom” — Soweto Gospel Choir
“The Lost Songs Of World War II” — Yiddish Glory

INFANTIL

Melhor disco infantil:

VENCEDOR: “All the Sounds” — Lucy Kalantari & The Jazz Cats
“Building Blocks” — Tim Kubart
“Falu’s Bazaar” — Falu
“Giants Of Science” — The Pop Ups
“The Nation Of Imagine” — Frank & Deane

PALAVRA FALADA

Melhor álbum de palavra falada:

“Accessory to War” — Courtney B. Vance (Neil deGrasse Tyson & Avis Lang)
“Calypso” — David Sedaris
“Creative Quest” — Questlove
VENCEDOR: “Faith – A Journey for All” — Jimmy Carter
“The Last Black Unicorn” — Tiffany Haddish

COMÉDIA

Melhor álbum de comédia:

“Annihilation” — Patton Oswalt
VENCEDOR: “Equanimity And The Bird Revelation” — Dave Chappelle
“Noble Ape” — Jim Gaffigan
“Standup For Drummers” — Jim Gaffigan
“Tamborine” — Chris Rock

TEATRO MUSICAL

Melhor álbum de teatro musical:

VENCEDOR: “The Band’s Visit” — Etai Benson, Adam Kantor, Katrina Lenk & Ari’el Stachel, principal soloists; Dean Sharenow & David Yazbek, producers; David Yazbek
“Carousel” — Renee Fleming, Alexander Gemignani, Joshua Henry, Lindsay Mendez & Jessie Mueller, principal soloists; Steven Epstein (Richard Rodgers, composer; Oscar Hammerstein II, letrista)
“Jesus Christ Superstar Live In Concert” — Sara Bareilles, Alice Cooper, Ben Daniels, Brandon Victor Dixon, Erik Grönwall, Jin Ha, John Legend, Norm Lewis & Jason Tam, solistas; Harvey Mason, Jr., produtor (Andrew Lloyd-Webber, compositor; Tim Rice, letrista)
My Fair Lady — Lauren Ambrose, Norbert Leo Butz & Harry Hadden-Paton, solistas; Andre Bishop, Van Dean, Hattie K. Jutagir, David Lai, Adam Siegel & Ted Sperling, produtores (Frederick Loewe, composer; Alan Jay Lerner, letrista)
“Once On This Island” — Phillip Boykin, Merle Dandridge, Quentin Earl Darrington, Hailey Kilgore, Kenita R. Miller, Alex Newell, Isaac Powell & Lea Salonga, solistas; Lynn Ahrens, Hunter Arnold, Ken Davenport, Stephen Flaherty & Elliot Scheiner, produtores (Stephen Flaherty, compositor; Lynn Ahrens, letrista)

MÚSICA PARA MEIOS VISUAIS

Melhor compilação para trilha sonora:

“Call Me By Your Name” — Various Artists
“Deadpool 2” — Various Artists
VENCEDOR: “The Greatest Showman” — Various Artists
“Lady Bird” — Various Artists
“Stranger Things” — Various Artists

Melhor trilha sonora:

VENCEDOR: “Black Panther” — Ludwig Göransson
“Blade Runner 2049” — Benjamin Wallfisch & Hans Zimmer
“Coco” — Michael Giacchino
“The Shape Of Water” — Alexandre Desplat
“Star Wars: The Last Jedi” — John Williams

Melhor trilha sonora original:

“All The Stars” — Kendrick Duckworth, Solána Rowe, Alexander William Shuckburgh, Mark Anthony Spears & Anthony Tiffith (Kendrick Lamar & SZA)
“Mystery Of Love” — Sufjan Stevens (Sufjan Stevens)
“Remember Me” — Kristen Anderson-Lopez & Robert Lopez (Miguel Featuring Natalia Lafourcade)
VENCEDOR: “Shallow” — Lady Gaga, Mark Ronson, Anthony Rossomando & Andrew Wyatt (Lady Gaga & Bradley Cooper)
“This Is Me” — Benj Pasek & Justin Paul (Keala Settle & The Greatest Showman Ensemble)

COMPOSIÇÃO/ARRANJO

Melhor composição instrumental:

VENCEDOR: “Blut Und Boden (Blood And Soil)” — Terence Blanchard (Terence Blanchard)
“Chrysalis” — Jeremy Kittel (Kittel & Co.)
“Infinity War” — Alan Silvestri (Alan Silvestri)
“Mine Mission” — John Powell & John Williams (John Powell & John Williams)
“The Shape Of Water” — Alexandre Desplat (Alexandre Desplat)

Melhor arranjo instrumental ou à capella:

“Batman Theme” (TV) — Randy Waldman & Justin Wilson (Randy Waldman feat. Wynton Marsalis)
“Change The World” — Mark Kibble (Take 6)
“Madrid Finale” — John Powell (John Powell)
“The Shape Of Water” — Alexandre Desplat (Alexandre Desplat)
VENCEDOR: “Stars and Stripes Forever” — John Daversa (John Daversa Big Band feat. DACA Artists)

Melhor arranjo para instrumentos e vozes:

“It Was A Very Good Year” — Matt Rollings & Kristin Wilkinson (Willie Nelson)
“Jolene” — Dan Pugach & Nicole Zuraitis (Dan Pugach)
“Mona Lisa” — Vince Mendoza (Gregory Porter)
“Niña” — Gonzalo Grau (Magos Herrera & Brooklyn Rider)
VENCEDOR: “Spiderman Theme” — Randy Waldman (Randy Waldman feat. Take 6 & Chris Potter)

PACOTES

Melhor caixa especial de gravações:

“Be The Cowboy” — Mary Banas (Mitski)
“Love Yourself: Tear” — HuskyFox (BTS)
VENCEDOR: “Masseduction — Willo Perron” (St. Vincent)
“The Offering — Qing-Yang Xiao” (The Chairman)
“Well Kept Thing” — Adam Moore (Foxhole)

Melhor edição especial:

“Appetite For Destruction (Locked N’ Loaded Box)” — Arian Buhler, Charles Dooher, Jeff Fura, Scott Sandler & Matt Taylor (Guns N’ Roses)
“I’ll Be Your Girl” — Carson Ellis, Jeri Heiden & Glen Nakasako, art directors (The Decemberists)
“Pacific Northwest ‘73-74’: The Complete Recordings” — Lisa Glines, Doran Tyson & Roy Henry Vickers, art directors (Grateful Dead)
VENCEDOR: “Squeeze Box: The Complete Works Of ‘Weird Al’ Yankovic” — Meghan Foley, Annie Stoll & Al Yankovic, art directors (“Weird Al” Yankovic)
“Too Many Bad Habits” — Sarah Dodds & Shauna Dodds, art directors (Johnny Nicholas)

NOTAS

Melhores notas de discos:

“Alpine Dreaming: The Helvetia Records Story, 1920-1924” — James P. Leary, album notes writer (Various Artists)
“4 Banjo Songs, 1891-1897: Foundational Recordings Of America’s Iconic Instrument” — Richard Martin & Ted Olson, album notes writers (Charles A. Asbury)
“The 1960 Time Sessions” — Ben Ratliff, album notes writer (Sonny Clark Trio)
“The Product Of Our Souls: The Sounds And Sway Of James Reese Europe’s Society Orchestra” — David Gilbert, album notes writer (Various Artists)
“Trouble No More: The Bootleg Series Vol. 13 / 1979-1981 (Deluxe Edition)” — Amanda Petrusich, album notes writer (Bob Dylan)
VENCEDOR: “Voices of Mississippi: Artists And Musicians Documented By William Ferris” — David Evans, album notes writer (Various Artists)

HISTÓRICO

Melhor álbum histórico:

“Any Other Way” — Rob Bowman, Douglas Mcgowan, Rob Sevier & Ken Shipley, compilation producers; Jeff Lipton
“At The Louisiana Hayride Tonight…” — Martin Hawkins, compilation producer; Christian Zwarg
“Battleground Korea: Songs And Sounds Of America’s Forgotten War” — Hugo Keesing, compilation producer; Christian Zwarg
“A Rhapsody In Blue – The Extraordinary Life Of Oscar Levant” — Robert Russ, compilation producer; Andreas K. Meyer & Rebekah Wineman, mastering engineers
VENCEDOR: “Voices of Mississippi: Artists And Musicians Documented By William Ferris” — William Ferris, April Ledbetter & Steven Lance Ledbetter; Michael Graves

PRODUÇÃO NÃO-CLÁSSICA

Álbum mais bem mixado, não-clássico:

“All The Things That I Did And All The Things That I Didn’t Do” — Ryan Freeland & Kenneth Pattengale, técnicos; Kim Rosen
VENCEDOR: “Colors” — Julian Burg, Serban Ghenea, David “Elevator” Greenbaum, John Hanes, Beck Hansen, Greg Kurstin, Florian Lagatta, Cole M.G.N., Alex Pasco, Jesse Shatkin, Darrell Thorp & Cassidy Turbin; Chris Bellman, Tom Coyne, Emily Lazar & Randy Merrill
“Earthtones” — Robbie Lackritz; Philip Shaw Bova (Bahamas)
“Head Over Heels” — Nathaniel Alford, Jason Evigan, Chris Galland, Tom Gardner, Patrick “P-Thugg” Gemayel, Serban Ghenea, John Hanes, Tony Hoffer, Derek Keota, Ian Kirkpatrick, David Macklovitch, Amber Mark, Manny Marroquin, Vaughn Oliver, Chris “TEK” O’Ryan, Morgan Taylor Reid & Gian Stone, engineers; Chris Gehringer & Michelle Mancini
“Voicenotes” — Manny Marroquin & Charlie Puth; David Kutch

Produtor do ano, não-clássico:

Boi-1da
Larry Klein
Linda Perry
Kanye West
VENCEDOR: Pharrell Williams

Melhor gravação remixada:

“Audio (CID Remix)” — CID
“How Long (EDX’s Dubai Skyline Remix)” — Maurizio Colella
“Only Road (Cosmic Gate Remix)” — Stefan Bossems & Claus Terhoeven (Gabriel & Dresden feat. Sub Teal)
“Stargazing (Kaskade Remix)” — Kaskade (Kygo feat. Justin Jesso)
VENCEDOR: “Walking Away (Mura Masa Remix)” — Alex Crossan (Haim)

ÁUDIO IMERSIVO

Melhor álbum imersivo:

VENCEDOR: “Eye In The Sky – 35th Anniversary Edition” — Alan Parsons; Dave Donnelly, PJ Olsson & Alan Parsons; Alan Parsons (The Alan Parsons Project)
“Folketoner” — Morten Lindberg; Morten Lindberg; Morten Lindberg (Anne Karin Sundal-Ask & Det Norske Jentekor)
“Seven Words From The Cross” — Daniel Shores; Daniel Shores; Dan Merceruio (Matthew Guard & Skylark)
“Sommerro: Ujamaa & The Iceberg” — Morten Lindberg; Morten Lindberg; Morten Lindberg (Ingar Heine Bergby, Trondheim Symphony Orchestra & Choir)
“Symbol” — Prashant Mistry & Ronald Prent; Darcy Proper, Prashant Mistry & Ronald Prent (Engine-Earz Experiment)

PRODUÇÃO, CLÁSSICO

Melhor engenharia de som em álbum de música clássica:

“Bates: The (R)evolution of Steve Jobs” — Mark Donahue & Dirk Sobotka; Mark Donahue (Michael Christie, Garrett Sorenson, Wei Wu, Sasha Cooke, Edwards Parks, Jessica E. Jones & Santa Fe Opera Orchestra)
“Beethoven: Symphony No. 3; Strauss: Horn Concerto No. 1” — Mark Donahue; Mark Donahue (Manfred Honeck & Pittsburgh Symphony Orchestra)
“John Williams At The Movies” — Keith O. Johnson & Sean Royce Martin; Keith O. Johnson (Jerry Junkin & Dallas Winds)
“Liquid Melancholy – Clarinet Music Of James M. Stephenson” — Bill Maylone & Mary Mazurek; Bill Maylone (John Bruce Yeh)
VENCEDOR: “Shostakovich: Symphonies Nos. 4 & 11” — Shawn Murphy & Nick Squire; Tim Martyn (Andris Nelsons & Boston Symphony Orchestra)
“Visions And Variations” — Tom Caulfield; Jesse Lewis (A Far Cry)

Produtor do ano de música clássica:

VENCEDOR: Blanton Alspaugh
David Frost
Elizabeth Ostrow
Judith Sherman
Dirk Sobotka

CLÁSSICA

Melhor performance de orquestra:

“Beethoven: Symphony No. 3; Strauss: Horn Concerto No. 1” — Manfred Honeck (Pittsburgh Symphony Orchestra)
“Nielsen: Symphony No. 3 & Symphony No. 4” — Thomas Dausgaard (Seattle Symphony)
“Ruggles, Stucky & Harbison: Orchestral Works” — David Alan Miller (National Orchestral Institute Philharmonic)
“Schumann: Symphonies Nos. 1-4” — Michael Tilson Thomas (San Francisco Symphony)
VENCEDOR: “Shostakovich: Symphonies Nos. 4 & 11” — Andris Nelsons (Boston Symphony Orchestra)

Melhor gravação de ópera:

“Adams: Doctor Atomic” — John Adams; Aubrey Allicock, Julia Bullock, Gerald Finley & Brindley Sherratt; Friedemann Engelbrecht (BBC Symphony Orchestra; BBC Singers)
VENCEDOR: “Bates: The (R)evolution of Steve Jobs” — Michael Christie; Sasha Cooke, Jessica E. Jones, Edward Parks, Garrett Sorenson & Wei Wu; Elizabeth Ostrow (The Santa Fe Opera Orchestra)
Lully: Alceste” — Christophe Rousset; Edwin Crossley-Mercer, Emiliano Gonzalez Toro & Judith Van Wanroij; Maximilien Ciup (Les Talens Lyriques; Choeur De Chambre De Namur)
“Strauss, R.: Der Rosenkavalier” — Sebastian Weigle; Renée Fleming, Elīna Garanča, Günther Groissböck & Erin Morley; David Frost (Metropolitan Opera Orchestra; Metropolitan Opera Chorus)
“Verdi: Rigoletto” — Constantine Orbelian; Francesco Demuro, Dmitri Hvorostovsky & Nadine Sierra; Vilius Keras & Aleksandra Keriene (Kaunas City Symphony Orchestra; Men Of The Kaunas State Choir)

Melhor performance de coral:

“Chesnokov: Teach Me Thy Statutes” — Vladimir Gorbik (Mikhail Davydov & Vladimir Krasov; PaTRAM Institute Male Choir)
“Kastalsky: Memory Eternal” — Steven Fox (The Clarion Choir)
VENCEDOR: “McLoskey: Zealot Canticles” — Donald Nally (Doris Hall-Gulati, Rebecca Harris, Arlen Hlusko, Lorenzo Raval & Mandy Wolman; The Crossing)
“Rachmaninov: The Bells” — Mariss Jansons; Peter Dijkstra (Oleg Dolgov, Alexey Markov & Tatiana Pavlovskaya; Symphonieorchester Des Bayerischen Rundfunks; Chor Des Bayerischen Rundfunks)
“Seven Words From The Cross” — Matthew Guard (Skylark)

Melhor performance de música de câmara:

VENCEDOR: “Anderson, Laurie: Landfall” — Laurie Anderson & Kronos Quartet
“Beethoven, Shostakovich & Bach” — The Danish String Quartet
“Blueprinting” — Aizuri Quartet
“Stravinsky: The Rite of Spring Concerto for Two Pianos” — Leif Ove Andsnes & Marc-Andre Hamelin
“Visions And Variations” — A Far Cry

Melhor solo de música clássica:

“Bartók: Piano Concerto No. 2” — Yuja Wang; Simon Rattle (Berliner Philharmoniker)
“Biber: The Mystery Sonatas” — Christina Day Martinson; Martin Pearlman (Boston Baroque)
“Bruch: Scottish Fantasy, Op. 46; Violin Concerto No. 1 In G Minor, Op. 26” — Joshua Bell (The Academy Of St. Martin In The Fields)
“Glass: Three Pieces In The Shape Of A Square” — Craig Morris
VENCEDOR: “Kernis: Violin Concerto” — James Ehnes; Ludovic Morlot (Seattle Symphony)

Melhor álbum de música clássica vocal:

“ARC” — Anthony Roth Costanzo; Jonathan Cohen (Les Violons Du Roy)
“The Handel Album” — Philippe Jaroussky; Artaserse
“Mirages” — Sabine Devieilhe; François-Xavier Roth (Alexandre Tharaud; Marianne Crebassa & Jodie Devos; Les Siècles)
“Schubert: Winterreise” — Randall Scarlata; Gilbert Kalish
VENCEDOR: “Songs of Orpheus – Monteverdi, Caccini, D’India & Landi” — Karim Sulayman; Jeannette Sorrell; Apollo’s Fire

Melhor coletânea de música clássica:

“Fuchs: Piano Concerto ‘Spiritualist’; Poems Of Life; Glacier; Rush” — JoAnn Falletta; Tim Handley
“Gold” — The King’s Singers; Nigel Short
“The John Adams Edition” — Simon Rattle; Christoph Franke
“John Williams At The Movies” — Jerry Junkin; Donald J. McKinney
VENCEDOR: “Vaughan Williams: Piano Concerto; Oboe Concerto; Serenade To Music; Flos Campi” — Peter Oundjian; Blanton Alspaugh

Melhor composição de música clássica:

“Bates: The (R)evolution Of Steve Jobs” — Mason Bates; Mark Campbell (Michael Christie, Garrett Sorenson, Wei Wu, Sasha Cooke, Edwards Parks, Jessica E. Jones & Santa Fe Opera Orchestra)
“Du Yun: Air Glow” — Du Yun (International Contemporary Ensemble)
“Heggie: Great Scott” — Jake Heggie; Terrence McNally (Patrick Summers, Manuel Palazzo, Mark Hancock, Michael Mayes, Rodell Rosel, Kevin Burdette, Anthony Roth Costanzo, Nathan Gunn, Frederica von Stade, Ailyn Pérez, Joyce DiDonato, Dallas Opera Chorus & Orchestra)
VENCEDOR: “Kernis: Violin Concerto” — Aaron Jay Kernis (James Ehnes, Ludovic Morlot & Seattle Symphony)
“Mazzoli: Vespers For Violin” — Missy Mazzoli (Olivia De Prato)

VIDEOCLIPE

Melhor videoclipe:

“Apes***” — Ricky Saiz; Melodie Buchris, Natan Schottenfels & Erinn Williams (The Carters)
VENCEDOR: “This Is America” — Hiro Murai; Ibra Ake, Jason Cole & Fam Rothstein (Childish Gambino)
I’m Not Racist” — Joyner Lucas & Ben Proulx, video directors; Joyner Lucas, video producer (Joyner Lucas)
“PYNK” — Emma Westenberg, video director; Justin Benoliel & Whitney Jackson, video producers (Janelle Monáe)
“MUMBO JUMBO” — Marco Prestini, video director; Sara Nassim, video producer (Tierra Whack)

Melhor filme musical:

“Life in 12 Bars” — Lili Fini Zanuck; John Battsek, Scooter Weintraub, Larry Yelen & Lili Fini Zanuck (Eric Clapton)
“Whitney” — Kevin Macdonald; Jonathan Chinn, Simon Chinn & Lisa Erspamer (Whitney Houston)
VENCEDOR: “Quincy” — Alan Hicks & Rashida Jones; Paula DuPré Pesmen (Quincy Jones)
Itzhak — Alison Chernick; Alison Chernick (Itzhak Perlman)
“The King” — Eugene Jarecki; Christopher Frierson, Georgina Hill, David Kuhn & Christopher St. John (Elvis Presley)

Trump discursa em meio a impasse sobre muro na fronteira do México

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, discursou, na madrugada desta quarta-feira, em cadeia nacional de rádio e TV. Ele pediu a união entre os dois principais partidos do país. Em seguida, porém, voltou a insistir sobre a construção do muro na fronteira com o México, motivo de impasse no Congresso norte-americano que levou à paralisação mais longa do governo.

No discurso, Donald Trump celebrou o crescimento econômico e geração de empregos, criticou investigações que considera “partidárias”, reforçou ao apoio a Juan Guaidó na Venezuela e anunciou novo encontro com Kim Jong-un, da Coreia do Norte.

Trump também pediu apoio na luta contra o câncer infantil e prometeu erradicar a epidemia de HIV;. Ele ainda defendeu a retirada de militares da Síria.

(Com Agências/Foto – Reuters)

Tragédia de Brumadinho repercute na imprensa internacional

A tragédia do rompimento da barragem em Brumadinho, nos arredores de Belo Horizonte, foi destaque na imprensa internacional. Os principais jornais da Argentina, da Espanha, do Reino Unido, dos Estados Unidos e da França ressaltaram os números do desastre: pelo menos sete mortos e 200 desaparecidos. Também associaram o fato ao rompimento da barragem de Fundão, em Mariana, Minas Gerais, em novembro de 2015.

O jornal argentino Clarín disponibilizou vídeos e detalhes sobre os desdobramentos da tragédia. O texto menciona que “um rio de lodo” destruiu casas próximas a Brumadinho.

No espanhol El País, o destaque é o trabalho dos bombeiros. O jornal descreve o acidente e detalha que o local parece um “mar de lama” e menciona o fato de a empresa Vale buscar explicações para o ocorrido e prestar assistência às vítimas.

O britânico The Guardian cita a imprensa local de Minas Gerais para informar que 50 pessoas, pelo menos, podem ter morrido no local, onde há cerca de 200 desaparecidas. No texto, há também a descrição de como ficou a região após o acidente.

No jornal norte-americano The New York Times, o texto menciona a tragédia e destaca que, no momento que houve o rompimento, aproximadamente 100 empregados estavam almoçando e que o restaurante foi destruído.

O francês Le Monde diz que “depois da catástrofe de Mariana”, um novo acidente ocorreu no Brasil, em Minas Gerais, e envolvendo a empresa Vale.

(Agência Brasil)

FMI diz que a não aprovação das reformas pode comprometer economia do Brasil

O Congresso Nacional precisa aprovar as reformas estruturais, como a da Previdência, para reduzir o déficit público e assegurar a sustentabilidade da dívida do governo, disse o Fundo Monetário Internacional (FMI) em relatório divulgado hoje (25). O fundo sugeriu que a falta de avanços na aprovação da reforma da Previdência e no reequilíbrio das contas públicas pode agravar os riscos para a economia do país e reduzir o crescimento da América Latina.

Há duas semanas, o fundo elevou de 2,4% para 2,5% a previsão de crescimento para a economia brasileira em 2019. Em compensação, o órgão diminuiu de 2,3% para 2,2% a estimativa para 2020. O FMI elogiou a agenda de reformas do governo, mas informou que as projeções de crescimento só serão alcançadas caso as medidas avancem.

“A agenda reformista pró-mercado da nova administração ajudou a impulsionar a confiança no ambiente de negócios e a melhorar as projeções de crescimento de curto prazo. As prioridades-chave são reformar o sistema de Previdência e reduzir o déficit orçamentário para assegurar a sustentabilidade da dívida pública”, destacou o documento.

O FMI classificou a não aprovação das reformas estruturais como um dos principais riscos para a economia latino-americana em 2019, junto com as eleições gerais na Argentina e um possível aumento de gastos públicos pelo governo recém-empossado no México.

“No Brasil, a confiança do mercado pode deteriorar-se com a falta de progresso nas reformas da Previdência ou na consolidação fiscal. O ambiente de negócios no México pode ser afetado se o papel do setor público na economia se expandir, se a posição fiscal se deteriorar ou se houver retrocessos no novo pacto comercial com os Estados Unidos e o Canadá. Na Argentina, as eleições gerais em 2019 podem reduzir o apetite para reformas”, destacou o fundo em nota.

O FMI projeta crescimento de 2% para a economia da América Latina em 2019 e 2,5% em 2020. Segundo o fundo, essa expansão está bem abaixo de economias emergentes em outras regiões do planeta.

(Agência Brasil)

Fujimori volta à prisão para cumprir restante da pena de 25 anos

O ex-presidente do Peru, Alberto Fujimori, de 80 anos, cumprirá o restante da pena de 25 anos na prisão. Até então, ele estava internado em uma clínica para tratamento de saúde, mas retornou à penitenciária de Barbadillo, em Ate Vitarte, nos arredores da capital Lima.

Fujimori retornou ontem (23) à noite à penitenciária após a Clínica Japonesa Centenária do Peru conceder alta médica, depois de três meses de internação. Ele trata um câncer e reclama de dores. A transferência foi autorizada pela Câmara Criminal do Supremo Tribunal Federal.

Condenado, em 2009, a 25 anos de prisão por crimes contra humanidade e corrupção, por ter sido considerado mandante dos massacres de Barrios Altos (1991) e La Cantuta (1992), nos quais morreram 25 pessoas. O ex-presidente também foi declarado culpado pelos sequestros de um empresário e de um jornalista.

(Agência Brasil com Agência Pública do Peru/Foto – Reuters)

Brasileiro renuncia a cargos na Renault

113 1

O Ministro da Economia da França, Bruno Le Maire, informou que o executivo franco-brasileiro Carlos Ghosn, de 64 anos, renunciou aos cargos de presidente do conselho e CEO da montadora francesa Renault.

Le Maire fez o anúncio hoje (24), antes da reunião do conselho de administração da empresa que irá nomear o sucessor de Ghosn, agendada para esta quinta-feira. O governo francês é o principal acionista da Renault.

Ghosn está detido em Tóquio desde o dia 19 de novembro. Ele foi denunciado por quebra de confiança grave e omissão parcial de remuneração em demonstrações contábeis, no período em que foi presidente do conselho da montadora japonesa Nissan Motor.

(Agência Brasil com NHK do Japão/Foto – Reuters)

Trump vai adiar discurso sobre Estado da União

O presidente dos Estados Unidos (EUA), Donald Trump, vai adiar seu discurso sobre o Estado da União até que se encerre a paralisação parcial do governo, aceitando um pedido dos democratas.

Trump informou, nessa quarta-feira (23), no Twitter que vai proferir o discurso quando a paralisação se encerrar. Ele afirmou que não está procurando por um local alternativo porque “não há lugar que possa competir com a história, tradição e importância do plenário da Câmara”.

O discurso estava programado para terça-feira da semana que vem. Os presidentes americanos tradicionalmente anunciam suas plataformas políticas para o ano que se inicia em um discurso transmitido em rede nacional, proferido na Câmara dos Representantes.

Entretanto, os democratas pediram que o presidente adie o discurso devido à paralisação. Mais cedo, na quarta-feira, Trump havia dado a entender que iria considerar um local alternativo para o discurso, após a presidente da Câmara, a democrata Nancy Pelosi, se recusar a aprovar uma resolução necessária para que Trump fale no Congresso.

Paralisação

Um alto assessor econômico da Casa Branca adverte que a paralisação parcial das funções do governo norte-americano poderá causar uma estagnação da economia neste trimestre.

O presidente do Conselho de Assessores Econômicos, Kevin Hassett, declarou quarta-feira (23) à CNN que se a paralisação se estender até março, o desempenho da economia no primeiro trimestre do ano poderá ficar bem próximo do zero. Descartou, porém, o risco de contração, argumentando que, uma vez encerrada a paralisação, a economia deverá se recuperar “enormemente”.

Aproximadamente 800 mil funcionários públicos federais estão parados ou trabalhando sem remuneração há mais de um mês, desde que uma disputa orçamentária causou o fechamento temporário de algumas repartições.

Há crescente receio de que o impasse político venha a jogar água fria nos gastos dos consumidores, até agora robustos. A ausência de atividade entre funcionários públicos poderá retardar a publicação de dados atualizados sobre o crescimento do Produto Interno Bruto americano, que está programada para quarta-feira da próxima semana.

(Agência Brasil com NHK/Foto – EFE)

OEA convoca reunião extraordinária para discutir crise na Venezuela

O Conselho Permanente da Organização dos Estados Americanos (OEA) convocou uma reunião extraordinária para esta quinta-feira (24) em Washington, nos Estados Unidos, com o objetivo discutir o agravamento da crise na Venezuela. Nos últimos dias foram intensificados os protestos contra o presidente venezuelano, Nicolás Maduro, e aumenta a pressão internacional para que ele deixe o poder.

Internamente, Maduro resiste e determina que os rebeldes, inclusive militares, sejam presos. Há dois dias, um grupo de militares se revoltou e tentou ocupar um quartel como resistência ao governo. Foi capturado e detido.

Nas ruas, segundo imagens divulgadas por organizações não governamentais, manifestantes entram em confronto com agentes do Estado, que usam coquetel Molotov na tentativa de conter os protestos. Há barricadas e muita tensão.

O presidente da Assembleia Nacional Constituinte (o Parlamento), Juan Guaidó, chamou a população para a jornada antichavismo, hoje (23). Nas redes sociais, ele anunciou anistia a civis e militares, que atuem no governo e sejam contrários a Maduro. Também se colocou como alternativa de poder.

O presidente Jair Bolsonaro se reúne hoje com autoridades latino-americanas para discutir o aprofundamento da crise e os impactos humanitários relacionados às questões políticas, econômicas e sociais na Venezuela.

A situação se agravou após a posse de Maduro para o segundo mandato presidencial, em 10 de janeiro. De acordo com o Brasil, o Grupo de Lima, que reúne 14 países, e a OEA, o mandato é ilegítimo.

Nas redes sociais, o secretário-geral da Organização dos Estados Americanos (OEA), Luis Almagro, elogiou a iniciativa do Parlamento venezuelano em designar Gustavo Tarre Briceño como representante especial para coordenar ações destinadas ao “restabelecimento da ordem constitucional e democrática” na Venezuela, no âmbito da organização.

(Agência Brasil com Agência Reuters)

Em Davos, Bolsonaro defende preservação ambiental e desenvolvimento econômico

O presidente Jair Bolsonaro fez hoje (22) sua estreia internacional, ao discursar por 6 minutos e 36 segundos na abertura do Fórum Econômico Mundial, em Davos, na Suíça. Ele reiterou que o Brasil vive um novo momento sem nortear suas escolhas em viés ideológico, com respeito a valores e em defesa da abertura do mercado econômico. “Temos o compromisso de mudar a nossa história.”

No discurso, o presidente destacou a importância de o mundo acreditar no Brasil. Ele não mencionou reformas, mas afirmou que vai reduzir tributos no país. Bolsonaro reiterou a determinação de avançar economicamente.

Ele defendeu a reforma da Organização Mundial do Comércio (OMC), sem entrar em detalhes, mas destacando a necessidade de aumentar as trocas internacionais. Acrescentou que o esforço do governo federal será para colocar o Brasil entre os 50 melhores países para fazer negócios.

O presidente reiterou que vai se empenhar para reduzir a pobreza e a miséria no Brasil por meio da educação. Segundo ele, outro esforço é para combater a corrupção e aumentar a segurança pública. Bolsonaro convidou os presentes para que visitem o Brasil. “Estamos de braços abertos”, disse. “Quero um mundo de paz, democracia e liberdade.”

Ele reafirmou sua determinação de manter a harmonia entre o desenvolvimento econômico e a preservação do meio ambiente e a biodiversidade. “Nossa missão é avançar na compatibilização da preservação” e do “desenvolvimento”. “Queremos que o mundo restabeleça a confiança em nós.”

O presidente lembrou como foi sua campanha eleitoral, gastando pouco, com tempo reduzido de televisão e “sendo atacado”. Destacou que “montou uma equipe” sem ingerências político-partidárias. No discurso, citou os nomes dos ministros Sergio Moro (Justiça), Paulo Guedes (Economia) e Ernesto Araújo (Relações Exteriores).

(Agência Brasil/Foto – Reuters)

26 pessoas mais ricas do mundo detém a mesma riqueza de 3,8 bilhões mais pobres

111 1

As 26 pessoas mais ricas do mundo detêm a mesma riqueza dos 3,8 bilhões mais pobres, que correspondem a 50% da humanidade. Os dados, referentes a 2018, fazem parte do relatório global da organização não governamental Oxfam, lançado hoje (21), às vésperas do Fórum Econômico Mundial, que se inicia amanhã (22) em Davos, na Suíça. Os números indicam que a riqueza está ainda mais concentrada, pois, em 2017, os mais ricos somavam 43.

A fortuna dos bilionários aumentou 12% em 2018, o equivalente a US$ 900 bilhões, ou US$ 2,5 bilhões por dia. A metade mais pobre do planeta, por outro lado, teve seu patrimônio diminuído em 11% no mesmo período. Além disso, desde a crise econômica iniciada em 2007, o número de bilionários dobrou no mundo, passando de 1.125 em 2008 para 2.208 no ano passado. O relatório indica ainda que os homens têm 50% mais do total de riqueza do mundo do que as mulheres.

Intitulado Bem Público ou Riqueza Privada?, o documento chama atenção para a necessidade de investimentos em serviços públicos, com destaque para educação e saúde, como forma de diminuir as desigualdades no mundo. “Como metade do planeta vive com menos de US$ 5,50 por dia, qualquer tipo de despesa médica empurra essas pessoas para a pobreza. Garantia de serviço público de saúde é a garantia estável e sustentada para quem está na base da pirâmide”, exemplificou Rafael Georges, coordenador de campanha da Oxfam Brasil.

Taxação

Como forma de redistribuição de riquezas, o relatório propõe uma taxação de 0,5% sobre a renda de bilionários que fazem parte do 1% mais rico do mundo. Segundo a organização, os recursos arrecadados seriam suficientes para incluir 262 milhões de crianças que estão fora da escola atualmente e também providenciar serviços de saúde que poderiam salvar a vida de mais de 3 milhões de pessoas.

“A retomada [do crescimento econômico], ao longo dos últimos dez anos, favoreceu o topo da pirâmide, não foi redistributiva, foi concentradora. O sistema tributário tem um papel central nessa concentração, na medida em que reduz as alíquotas máximas para quem é muito rico. Esse movimento ocorreu em todo o mundo”, avaliou o coordenador.

A Oxfam avalia que os governos contribuem para o aumento das desigualdades ao não taxarem os muito ricos e as grandes corporações e ao não investirem de forma apropriada em saúde e educação. Segundo a organização, no Brasil, os 10% mais pobres da sociedade pagam mais impostos proporcionalmente do que os 10% mais ricos, o mesmo ocorre no Reino Unido.

Pobreza e desemprego na América Latina dificultam efetivação da Agenda 2030
Relatório da Oxfam mostra que patrimônio dos 26 mais ricos do mundo equivale ao dos 3,8 bilhões mais pobres – Arquivo/Agência Brasil
“Diferentemente dos países desenvolvidos, o Brasil é um país que apoia muito a sua carga tributária nos impostos indiretos, e isso acaba pesando mais no bolso da classe média e dos mais pobres. Todo mundo que compra o mesmo produto, paga a mesma carga. O ideal seria equilibrar isso, jogar mais a tributação para renda e patrimônio e diminuir a carga do consumo”, propôs Georges.

A organização destaca que, entre os países da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE), o Brasil é o que menos tributa renda e patrimônio. Enquanto no Brasil a cada R$ 1 que é arrecadado, R$ 0,22 vêm de impostos sobre a renda e do patrimônio, na média dos países essa parcela equivale a R$ 0,40 para cada R$ 1 pago em tributos. Nos Estados Unidos, por exemplo, 59,4% da arrecadação vêm de impostos sobre a renda e o patrimônio da população.

Aumento da concentração

Georges avalia que dois fatores explicam, em parte, a concentração de riqueza no mundo: a guerra fiscal internacional e a existência de paraísos fiscais. “Existe uma dificuldade dos sistemas políticos, seja nacional ou internacional, de implantar medidas sérias de redistribuição. Em particular na questão tributária existe uma corrida para trás”, apontou. Para o coordenador da Oxfam Brasil, a guerra fiscal internacional – similar ao que ocorre entre os estados brasileiros em relação ao ICMS – “joga contra” a possibilidade de redistribuição de riquezas.

Outra parte, segundo ele, é explicada pela existência de paraísos fiscais. “Enquanto tiver países onde não se cobra nenhum tipo de tributo e se oferecem garantias de sigilo e de ocultamento de propriedade e de patrimônio, vai ter incentivo para que ninguém queira redistribuição de seu patrimônio e sua renda. A economia sempre vai ter uma válvula de escape que vai preservar uma espécie de elite global”, avaliou.

(Agência Brasil)

Bolsonaro fará sua estreia internacional em Davos

O presidente Jair Bolsonaro se prepara para participar do Fórum Econômico Mundial, em Davos, na Suíça. A reunião será de 22 a 25 deste mês com representantes do G20, que engloba as maiores economias mundiais, e convidados estrangeiros. No total, líderes de cerca de cem países estarão presentes. A informação foi confirmada pela Presidência da República.

Ao retornar ao Brasil, Bolsonaro pretende fazer a cirurgia para a retirada da bolsa de colostomia, em São Paulo, prevista para o dia 28. O presidente fará sua estreia internacional em Davos. Também será a primeira vez que o vice-presidente Hamilton Mourão assumirá interinamente o poder.

O tema do fórum este ano é “Globalização 4.0: Moldando uma arquitetura global na era da quarta revolução industrial”. Na ocasião, os líderes devem discutir o esforço conjunto para a elaboração de uma agenda econômica global, regional e setorial.

Além dos líderes mundiais, devem comparecer ao fórum representantes de mais mil empresas internacionais, além de organizações não-governamentais e entidades estrangeiras. Serão quatro dias de reuniões destinadas a discutir questões relativas a economia, segurança na internet, geopolítica, cultura e indústria.

Presidente da China diz estar disposto a trabalhar com Bolsonaro

O presidente da China, Xi Jinping, enviou uma carta ao presidente Jair Bolsonaro afirmando que está disposto a trabalhar com o novo governo brasileiro para desenvolver a economia dos dois países, salvaguardar a paz mundial e realizar uma cooperação bilateral “pragmática”. Também desejou felicidades no governo.

Na carta, o presidente chinês disse que desde o estabelecimento das relações entre China e Brasil, há 44 anos, os “laços entre os dois países resistiram dos cenários internacionais e se desenvolveram de maneira integral e profunda’.

Segundo o presidente chinês, a base dessas boas relações do princípio de respeito mútuo. Xi Jinping disse ter apreciado a declaração feita por Jair Bolsonaro, logo após ganhar as eleições, que a China é um grande sócio de cooperação com o Brasil.

O presidente chinês afirmou ainda que está disposto a realizar esforços conjuntos com o presidente Bolsonaro para respeitar os interesses centrais de cada país e desenvolver uma perspectiva estratégica a longo prazo.

A carta foi entregue ontem (2) em mãos a Bolsonaro pelo enviado especial do presidente chinês Ji Bingxuan, segundo informou a Embaixada da China, em Brasília, nesta quinta-feira (3). Ji Bingxuan é vice-presidente do Comitê da Assembleia Popular Nacional e participou da cerimônia de posse do presidente da República há dois dias.

(Agência Brasil)

Uece busca parceria com Universidade de Oxford

125 1

Da Coluna do Eliomar de Lima, no O POVO deste sábado:

Uma parceria entre a Universidade Estadual do Ceará e a Universidade de Oxford, uma das mais importantes instituições do Reino Unido, deve se consolidar em 2019. As conversações em torno desse projeto foram iniciadas durante a missão cearense que visitou Londres este mês.

O professor Edmar Pereira, chefe de gabinete da reitoria da Uece, e a professora Claudiana Alencar, docente do Programa de Pós-graduação em Linguística Aplicada, participaram do Seminário de Internacionalização do Ensino Superior, uma realização da British Council, em parceria com a Embaixada do Brasil no Reino Unido, quando essa parceria foi discutida.

A Universidade de Oxford tem interesse no Programa de Extensão da Uece “Viva a Palavra”, que busca fortalecer as práticas de letramento crítico da juventude que reside nas comunidades do entorno do campus da Itaperi e do campus de Fátima, por meio de atividades artísticas, culturais e educativas.

O intercâmbio em torno desse programa deve se consolidar, abrindo a perspectivas para uma ampliação do acordo, estima a Uece.

Bolsonaro e Netanyahu visitam sinagoga no Rio

O presidente eleito Jair Bolsonaro e o primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu, visitaram, na tarde dessa sexta-feira (28), a sinagoga Kehilat Yaacov, em Copacabana, no Rio de Janeiro. Eles chegaram pouco depois das 17 horas, após o almoço e a reunião que tiveram no Forte de Copacabana. Os dois vieram em comitivas separadas. Primeiro, chegou a de Netanyahu e, em seguida, a de Bolsonaro. O deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL-SP) veio na comitiva do pai.

A Rua Capelão Álvares da Silva, onde está localizada a sinagoga, foi interditada ao tráfego. Em frente ao templo, foi colocada uma tenda de plástico branca onde foram direcionados os carros da comitiva para que o presidente eleito do Brasil, o primeiro-ministro de Israel e os integrantes das comitivas pudessem entrar sem serem vistos.

O advogado e economista Boris Sender, um dos convidados da visita do primeiro-ministro de Israel e do presidente eleito à Sinagoga Kehilat Yaacov, disse que o clima do encontro foi maravilhoso, de harmonia absoluta e de carinho recíproco. “Isso é muito bom para os dois países”, disse. Sender destacou que esta é a primeira viagem de um primeiro-ministro de Israel ao Brasil e que os dois países têm muito a cooperar um com o outro. “Somente agora é que essa oportunidade se cristaliza em nível governamental”.

O advogado disse que Netanyahu tem conhecimento agrícola que pode ajudar o governo brasileiro no desenvolvimento de programas neste setor. “Israel se ofereceu. Em contrapartida o Brasil, que precisa dessa tecnologia, encontra em Israel um parceiro que estava meio esquecido ao longo da história. Agora é uma oportunidade que foi dada aos dois e ao Brasil principalmente. Ficamos muito felizes com a vinda dos dois [à sinagoga]”.

Durante a visita, o primeiro-ministro falou em hebraico e teve a tradução para o idioma português. Segundo Sender, não houve promessas de nenhuma das partes, mas as conversas foram como costuma ser entre judeus. “Não teve promessa. É mais ou menos como se dizer no ano que vem a gente se encontra em Jerusalém. Os judeus em qualquer parte em que estejam e em qualquer época sempre dizem assim: no próximo ano em Jerusalém. O término da reunião foi no ano que vem em Jerusalém”, completou.

Liturgia

Ainda conforme Sender, não houve cerimônia litúrgica no encontro, mas ao fim houve uma bênção chamada Bracha, quando se acende uma vela e se faz um brinde com um cálice de vinho. Durante toda a visita, como é costume entre os judeus e de visitantes quando estão nas sinagogas, o presidente eleito usou uma kipá na cabeça, que é um símbolo de respeito a Deus.

O esquema ampliado de segurança visto próximo ao Forte de Copacabana se repetiu ao redor da sinagoga. A operação teve um sniper da Polícia Civil no pátio de um prédio em frente à rua da sinagoga. Um grupo de seis agentes do Comando de Operações Táticas (COT), de elite da Polícia Federal, veio de Brasília para integrar o esquema de segurança. Também há uma ambulância do Corpo de Bombeiros e um veículo da Guarda Municipal.

(Agência Brasil)

China mandará representante para a posse de Bolsonaro

O Ministério das Relações Exteriores da China informou hoje (27) que enviará um representante, no próximo dia 1º de janeiro, para a cerimônia de posse do presidente eleito Jair Bolsonaro. A China será representada pelo vice-presidente do Comitê Permanente da Assembleia Popular (Parlamento), Ji Bingxuan.

Ji Bingxuan é um dos vice-presidentes do 12º Comitê Permanente do Congresso Nacional do Povo. De 2008 a 2013, ele ocupou o cargo mais alto na província de Heilongjiang, servindo como seu chefe do Partido Comunista.

O político representará o presidente da China, Xi Jinping.

(Agência Brasil)

Doleiro brasileiro é preso no Paraguai

Investigado pela Lava Jato, o doleiro pernambucano Bruno Farina, de 59 anos, foi preso no Paraguai pela Interpol, informou o Ministério do Interior paraguaio. Ele deve ser expulso ainda hoje (27) do território paraguaio, segundo as autoridades do país. Bruno Farina era alvo de uma ordem internacional de captura a partir de investigações da Operação Câmbio Desligo, que desbaratou uma complexa rede de corrupção envolvendo doleiros em vários estados brasileiros.

A Operação Câmbio Desligo desarticulou um esquema de compra e venda de dólares no país. O movimento envolvia doleiros em vários estados, empresas e funcionários públicos.

O brasileiro foi detido na área do Paraná Country Club, em Hernandarías, cidade paraguaia onde fica a usina hidrelétrica de Itaipu, de acordo com informações de agentes policiais à imprensa paraguaia.

No Brasil, Bruno Farina é acusado de corrupção ativa e passiva, lavagem de dinheiro, organização criminosa e evasão. Segundo o Ministério do Interior do Paraguai, Farina é sócio de Dario Messer, chamado pelo Ministério Público Federal brasileiro de “doleiro dos doleiros”. A condenação pode chegar a 30 anos de prisão.

Nos últimos dias, vários procurados no Brasil foram presos no Paraguai. Em outubro, as autoridades paraguaias disseram estar determinadas na captura dos investigados no Brasil que fogem para o país.

((Agência Brasil)

Ministério do Turismo habilita 59 agências para recepção de turistas chineses

A lista com as 59 agências de turismo e receptivo que poderão trabalhar no atendimento a turistas chineses que vierem ao Brasil em 2019 já está publicada no Diário Oficial da União. As empresas foram habilitadas pelo Ministério do Turismo, após uma chamada pública para seleção e credenciamento de interessados na prestação do serviço. A informação é da revista Panrotas.

O atendimento especializado aos turistas chineses faz parte de uma série de medidas para atrair visitantes do país asiático ao Brasil, uma vez que, segundo a Organização Mundial do Turismo, o viajante chinês é, em média, o que mais percorre o planeta. Em 2018, 83 agências brasileiras foram habilitadas.

A habilitação está em conformidade com o memorando de entendimento assinado com a Administração Nacional de Turismo da China, em 12 de novembro de 2004, e prevê a designação ou recomendação de empresas de turismo nacionais que façam o receptivo de grupos chineses em destinos brasileiros. O MTur é o único órgão responsável pela seleção.

Entre as exigências, estão: a inscrição no Cadastro de Prestadores de Serviços Turísticos do Ministério do Turismo (Cadastur), a declaração de ciência dos termos do acordo assinado entre as duas nações e o aceite do termo de responsabilidade do edital que promoveu a chamada pública. Somente empresas autorizadas poderão atender turistas chineses no Brasil.

(Foto – Ilustrativa)